xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> "Canudos - A longa agonia" – por Rosemberg Cariry (*) | Blog do Crato
.

VÍDEO - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - Prefeito do Crato é escolhido um dos melhores prefeitos do Ceará pela PPE Eventos, em Fortaleza. ( 09-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

08 fevereiro 2017

"Canudos - A longa agonia" – por Rosemberg Cariry (*)

Em 2017, comemoram-se 120 anos da Guerra de Canudos. Ao lembrar-me desse fato, rememoro o colonialismo mental forjado sob a influência do pensamento positivista no Brasil. Uma moda seguida por uma elite nacional europeizada, uma prova de que pensamentos mal digeridos, aplicados a outras realidades, culturas e processos civilizatórios, sem passar por sérios questionamentos, podem resultar em tragédias e graves crises humanitárias.
Foi o que aconteceu com Canudos. A jovem República positivista, ao destruir o arraial de Belo Monte, atingiu em cheio o Brasil real para construir um outro idealizado, segundo os parâmetros “civilizatórios” europeus. A sua fúria destrutiva contra uma simples comunidade autogerida de sertanejos pobres foi justificada via republicanismo (francês e norte-americano) que inspirou o modelo brasileiro; iluminismo racionalista, cientificista e fatalista da história e evolucionismo social, de inspiração darwiniana. Unidos para alimentar a ambição do lucro, esse ideário teria permanência garantida por boa parte do século XX, sob a indumentária de novos modismos, com teor neoliberal e tecnológico, submetidos aos mesmos interesses da soberana economia internacional-ocidental.
Quem destruiu Canudos – mais do que os canhões Krupp alemães e as tropas armadas de fuzis G’88 e metralhadoras Nordefelt – foi o ideário da elite-papagaio, educada para engolir o “positivismo” como pensamento formador de uma mentalidade incapaz de um esboço crítico à ideologia e aos interesses da “metrópole”.
No Rio de Janeiro, então capital da República, passada a orgia comemorativa e as patriotadas, os pobres soldados, rotos e famintos, sem terem moradias decentes, foram obrigados a ocupar os morros e os batizaram de “favelas” em homenagem ao Morro da Favela de Canudos, de onde posicionaram os canhões no bombardeio incessante à cidadela camponesa de Belo Monte, até a sua exterminação total.
Em São Paulo, as tropas de brasileiros pobres do exército nacional desfilaram pelas ruas, sendo saudadas com bandas tocando a Marselhesa, quando passaram em frente ao consulado francês. Supremo orgulho para a jovem República positivista, que tinha as mãos sujas de sangue. Se ontem era o positivismo, hoje é o neoliberalismo a imperar, como forma perversa de cegueira e alienação.
A Guerra de Canudos se prolonga, ainda visível, nos dias de hoje. O escritor e dramaturgo Ariano Suassuna põe o dedo na ferida aberta, quando escreve: “Em todos os lugares. Em todos os campos de atividade. Diariamente, incessantemente, [...] o Brasil (oficial) dos que incendiaram e arrasaram Canudos está atirando no Brasil real e matando seu povo”. Diante do massacre sem fim dos que estão embaixo, uma pergunta se impõe: com qual hino o neoliberalismo contemporâneo saudará as vítimas dessa política cruel e as novas procissões de miseráveis?

(*) Rosemberg Cariry, Cineasta e escritor
E-mail: ar.moura@uol.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30