xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> O tempo da Eternidade - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

02 janeiro 2017

O tempo da Eternidade - Por: Emerson Monteiro

Há paz no olho do furacão. Pouco importa o movimento nas extremidades, vez habitar suavidade imperecível bem no íntimo das contradições, ali onde sobrevive a esperança dos dias melhores. Observar, pois, as bordas da boca e controlar o que ingere e dominar as palavras que nelas passam. Porquanto viver é preciso saber. Mas ouvir importa tanto quanto refletir, apresentar o colo da inspiração ao sabor das madrugadas de frio e alegria dos lençóis quentinhos.

Isso de aperrear e querer falar os nomes, os outros, de insistir revisar o firmamento, parece motivo de cobração dos descontroles, fofoca, fuxico, falsidade. Querer mandar nos outros sem mandar em si, apontar defeitos e fustigar as revisões quais perfeitos sendo, no entanto dos nos entantos quais

o quê, sujeitos de miolo mole, mudar o mundo e não mudar primeiro a si próprio, até quando sei lá não sei, vales inúteis. Olhar pra dentro e achar que espera nas curvas do caminho só na intenção de achar defeito, valha-me Deus, meu São João.

Novas luas preparam o céu às novas aventuras do tempo, que dorme na barriga da mãe Eternidade que não passa, quem passa é a gente nos ponteiros impacientes dos relógios, moleques apressados de mostrar a que vieram, e nós não. Ela, Dona Eternidade, a seu modo, observa calada o destrupiço dessa gente agoniada de vender e lucrar, a fim de correr caminhos e fazer poluição.

Dois ou mais ainda é pouco na velocidade dos ventos que varrem a sola dos pés. Os passantes ansiosos sabem pouco de quase nada, e desesperam nas horas que caem todo tempo. O tempo, esse senhor da razão, que nem explica tanta preguiça de viver que comprime o peito dos orgulhosos. E deixa que pratiquem o desejo, depois vem buscar os atrasados.

Ah, tempo filho da Eternidade mãe de tudo quanto...

Há paz no olho do furacão.

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30