xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 10/11/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

10 novembro 2016

Tempos bíblicos - Por: Emerson Monteiro

Há um amigo meu que, vez em quando, o acho nas praças ao lado de outros missionários portando cavalete com revistas que falam na Bíblia. Seguem denominação religiosa que trabalha o livro santo. Saem às ruas, às praças, na firme intenção de propagar o que vem ali escrito de séculos, até de milênios antigos. Histórias de povos que elegeram a fé qual razão principal, e seguiram adiante no propósito de revelar a si e aos demais o caminho de Deus, da Salvação.

Eles permanecem horas e horas na expectativa de ver chegar alguém que queira saber mais dos segredos transmitidos de geração em geração os quais falam da confiança nos profetas, nos Céus, na Consciência, nos santos que sacrificaram vidas em busca de um Reino guardado lá por dentro no refolho das almas.

Sim, a confiança maior de todas. Vencer as angústias dominantes da razão dos homens. Alternar dúvidas com esperança, viver tempos de luz, invés de só expedientes de ganhar as picuinhas desse chão, reino de vaidades e perdidas ilusões.

Nisso, ao girar de volta aos dias atuais, títulos principais dos noticiários são guerras, as ansiedades na procura do pão, gotas grosseiras de periculosidade e sensacionalismo que aos ares de quem domina o vil metal. Os chefões dos capitais. Cidades feericamente iluminadas de carros de luxo e prédios indiferentes. Chaminés enormes de fumaça contínua, lucros e capitais sem pátria. Mesmos tempos de horas distantes. Desertos de refugiados, praias sem destino, luta íntima de povos largados ao destino.

Vozes que clamam à procura dos meios de obter a paz nos corações. Chegam às horas e eles se levantam, arrastam os instrumentos da divulgação das palavras santas e regressam aos pousos, tais pássaros que festejam o nascer do Sol. Quanta maravilha na certeza dos dias de felicidade. Que exemplo de fidelidade a propósitos superiores nessas pessoas, que insistem pela convicção dos ventos favoráveis de quando todos seremos irmãos e reinará perfeita a mais pura das Eternidades.

Proclamação da República: vem aí mais um feriado

 (matéria publicada no jornal O NORTE, de Montes Claros-MG, edição de 05-11-2016)
 
Antes mesmo de terminar o “feriadão” de Finados, iniciado na quarta-feira 2 – e que só terminará mesmo nesta segunda 7 –, muitas pessoas já estão planejando o próximo que, aliás, não está tão distante: terça-feira, 15 de novembro, data em que se comemora a Proclamação da República, resultado de um levante político-militar que instaurou a forma republicana federativa presidencialista após derrubar a monarquia parlamentarista do então Império do Brasil.

Bem, voltando aos entusiastas de um bom feriadão, para alguns não importa nem mesmo saber, por exemplo, se foi o Marechal Manuel Deodoro da Fonseca ou Cristóvão Colombo quem protagonizou o feito de 1889 – que derrubou Dom Pedro II, portanto, há 127 anos. Importante é o feriadão. Foi isso que a repórter Janaína Gonçalves também registrou, com muito humor, ao falar com alguns montes-clarenses sobre o assunto.


Alguém lembrou? 3ª feira, 15 de novembro, vai ser feriado

A data assinala o golpe militar que implantou a República no Brasil, em 1889,  sem consultar o povo
UM PLEBISCITO QUE ASSUSTOU
Em 1993, quando realizado o Plebiscito sobre a Forma e Sistema de Governo, muitas pesquisas informais, realizadas após palestras principalmente, indicavam a vitória da Monarquia Parlamentarista, dobrando em dois até os mais fervorosos republicanos. No entanto, as oficiais apontavam que ao menos um quarto da população brasileira iria votar pela restauração monárquica.

Mesmo diante de todos os empecilhos impostos pelo Estado, a começar pela cédula mal formulada, passando pela antecipação do pleito, como a mudança da data de 7 de Setembro, Dia da Pátria, data magna para os monarquistas, para 21 de Abril, feriado de Tiradentes, data favorável aos republicanos, e tantos outros que geraram desigualdade de posições, a Monarquia Parlamentarista recebeu 13,4% dos votos válidos. Uma vitória moral, após mais de 104 anos de silêncio imposto aos defensores do regime monárquico.

Contou-se na imprensa internacional que, assustado com o crescimento da Monarquia nas pesquisas, o Presidente da República, Itamar Franco, que sucedeu Collor de Melo após o seu impeachment, retirou de seu escritório no Palácio do Planalto o quadro do primeiro Imperador do Brasil, Dom Pedro I, e “trocou com toda pressa” por um busto de mármore de outro herói da Independência, provavelmente José Bonifácio de Andrada e Silva, para “exorcizar” o crescimento monárquico.

A anedota, real, foi contada pelo jornal italiano “La Repubblica”, em 31 de Março de 1993; Hoje, após o mesmo episódio de impeachment, jornais italianos acusam que cresce novamente no Brasil o desejo pelo retorno da Monarquia, desta vez, de maneira orgânica, fomentada pela debilidade da corrupta instituição da Presidência da República, na qual os últimos dois Presidentes e o atual estão sendo investigados em negociatas.

Pesquisas informais, realizadas por portais da internet, como o Terra em 2013, em lembrança aos 20 anos do Plebiscito, pelo Financial Times, o gigante e prestigiadíssimo jornal britânico de negócios, e pela apresentadora Mariana Godoy, da RedeTV!, ambas realizadas neste ano, mostram todas a Monarquia Parlamentarista com uma aceitação entre 65% a 80% dos Brasileiros. Resta saber: será que o quadro de Dom Pedro I continua no escritório da Presidência no Planalto?

Foto abaixo: Os Príncipes Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, e Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil, na época do Plebiscito de 1993.
 ..

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30