12 maio 2016

O fracasso do regime republicano no Brasil: Em 90 anos só 4 presidentes conseguiram terminar o mandato

Fonte: site Terra

Completam o quarteto de "invictos" Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), com dois mandatos, e Eurico Gaspar Dutra (1946-1951) e Juscelino Kubitschek (1956-1961). Os outros 20 presidentes escolhidos nas urnas em quase um século foram depostos por golpes de Estado (João Goulart em 1964), renunciaram (Fernando Collor em 1992 e Jânio Quadros em 1961), se suicidaram (Getúlio Vargas em 1954), eram vice-presidentes que substituíram o líder da chapa ou morreram antes de assumir (Tancredo Neves em 1985).
A lista não inclui os cinco militares que assumiram a presidência durante a ditadura que governou o país entre 1964 e 1985. Em 126 anos de República, instaurada após o golpe de Estado de 1889 que depôs e mandou para o exílio o imperador Pedro II, o Brasil teve 36 presidentes, dos quais só um terço (12) foi eleito democraticamente e completou seu mandato. Neste espaço tivemos dois longos período ditatoriais (Getúlio Vargas, 15 anos e Militar, 20 anos).
Em sua curta história, a democracia brasileira foi desfigurada por 12 estados de sítio (suspensão das garantias constitucionais), 17 atos institucionais (que permitem ao governante da vez violar a Constituição), seis dissoluções forçadas do Congresso e duas renúncias presidenciais. No mesmo período, quatro líderes foram depostos, nove governos assumiram características autoritárias, três decisões parlamentares impediram posses presidenciais e várias rebeliões militares ameaçaram o poder civil.
Após a renúncia de Collor em 1992, os brasileiros tiveram a oportunidade de pronunciar-se em um referendo sobre o sistema de governo e o presidencialismo obteve uma ampla vitória (66%) sobre a monarquia e o parlamentarismo.
Deu no que deu...