xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> As luas do coração - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

15 outubro 2016

As luas do coração - Por: Emerson Monteiro

Pois ele tem lá suas fases. Flutua quais marés de sentimentos. Vem num ritmo e desanda, e anda, e desanda. E anda de novo. Que seja eterno enquanto dure. (MORAES, 1962) Sofre e faz sofrer por isso. Vacila e erra por isso. Mas acerta por isso, também. Morre, nasce, reascende no Nascente.

Ah, coração! que recebe tanta culpa e condenação diante das vezes quando cruzava linhas imaginárias de amar e buscar a felicidade. Sofre e ama, verbos tão primos entre si. Primos que se amam. Bem dos primos.

Na teoria, o coração passeia feito as palavras, que nem sabem ler. Sai vagando nas flutuações e oscila no céu das contraditórias criaturas. Ora alimenta tradições clássicas; ora naufraga nos folhetins da perdição. Quarto minguante. Crescente. Cheia. Nova.

Em uma jornada imaginária, aventureira, ofereceria prazer aos outros, venderia o corpo freguês a fregueses ocasionais; sujaria a alma; desvairaria; e padeceria ali de junto. Fases escandinavas, contraditórias, de quem quer ser feliz à toa, nas incertezas sem conta. Desesperada mergulharia fundo nas noites e aprenderia noutros universos bem longe dali. Nas mágoas e desgostos. São as tais funções de crescer pela dor, jeito estúpido de evoluir, porém que existiria.

Vacila e morre o coração. Vacila e revive, no entanto, o heroico coração imortal. Muda de fases como quem troca de roupa, e descobre, um dia, que existe salvação. Nisso largará de lado seu jeito de lua e diferentes sabores dos instantes, e revelará natureza plena, que seja definitiva, o Sol de si. O Si, o sol de tantos fulgores e horas que ficaram pelo caminho.

Porquanto o itinerário dos corações é chegar no Sol, ser sol certo dia. Nisso haverá de reunir o teto do amor maior, centro de tudo; equilíbrio; o Sol das gerações que antes percorriam a janela do Tempo. E pousará assim o campo de marte da Eternidade.

Quantas fases, até tocar o piso do Sol, ninguém saberá antes do dia. De Lua a Sol, transcurso das evoluções de tantas luas correndo os céus do sentimento... E um sol que brilhará no todo e sempre.

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31