xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Renan Calheiros defende reduzir poder de Dilma | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

14 março 2016

Renan Calheiros defende reduzir poder de Dilma


Considerado o último obstáculo ao desligamento completo do PMDB do governo Dilma Rousseff, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse a aliados que considera o impeachment a "saída mais traumática" para a crise, mas prega que qualquer outra alternativa passa obrigatoriamente pela diminuição dos poderes da petista no Planalto. A narrativa vai ao encontro da ofensiva que ele deflagrou ao lado do senador José Serra (PSDB-SP) na semana passada em nome da implantação do "semipresidencialismo" no Brasil. Aliados de Renan dizem que a mudança poderia ser uma "saída honrosa" para a petista, que, para evitar o impeachment, teria que aceitar dividir seus poderes com a figura de um primeiro-ministro escolhido pelo Congresso. Haveria ainda outra opção para reduzir a influência de Dilma nos rumos do governo: a entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um ministério. Segundo pessoas próximas, Renan acredita que o ingresso de Lula poderia dar alguma sobrevida à gestão do PT. Isso, no entanto, só aconteceria se o ex-presidente tivesse carta branca para fazer mudanças profundas, o que, na prática, também significaria esvaziar Dilma. Há, nesse cenário, um problema, admitem aliados do peemedebista. Lula vem sendo alvejado por investigações sobre sua conduta, assim como o próprio Renan, que é alvo da Lava Jato. A incógnita que cerca os desdobramentos da operação faz com que Renan se mantenha em posição dúbia sobre o petista. Na última semana, o presidente do Senado deu duas demonstrações dessa hesitação. Primeiro, logo após tomar um café da manhã com o ex-presidente, disse à imprensa que planejava também se reunir com os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e José Sarney (PMDB) para ouvi-los sobre o cenário nacional. Com isso, Renan sinalizou que, se era para ouvir ex-presidente, ouviria todos. Logo depois, no mesmo dia em que esteve com Lula, jantou com a cúpula do PSDB no Senado. Do encontro surgiu a primeira sinalização formal de que o PMDB e os tucanos vão "trabalhar juntos para encontrar uma saída para a crise".

Fonte: Folha de São Paulo



0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30