xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> A fome do ouro - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

08 março 2016

A fome do ouro - Por: Emerson Monteiro


Midas era um rei que adorava Dioniso, o deus do vinho, nos mistérios de quem lhe instruíra o poeta Orfeu. Devido a isso, achava-se portador de alguma sabedoria. Num certo tempo, trazido por camponeses do reinado, veio ao palácio Sileno, sátiro velho e bêbado, amigo do seu deus de devoção.

Deveras impressionado com a visita inesperada, Midas cuidou de oferecer largos festejos ao visitante, logo transformado em objeto da admiração e do afeto de toda a corte, que o cercava de mimos e banquetes diários. Semanas seguidas e o rei se detinha a ouvir as longas histórias que o estrangeiro passou a transmitir nos salões admiráveis do reino. Dentre essas narrativas, Sileno deu notícia de, em algum lugar, existirem dois rios, num dos quais crescia árvore cujos frutos envelheceriam quem os utilizasse. No outro, do contrário, haveria, por sua vez, árvore de frutos rejuvenescedores, história contada e recontada pelo ancião. Até que um dia o sátiro resolveu convidar Midas para conhecer de perto Dioniso, ambos seguindo nesse propósito caminhando pelas margens do rio Pactolo. Chegados ao destino, o deus, feliz com o retorno do amigo, permitiu a Midas declinar qual o seu desejo maior e o satisfaria. De logo, o rei chegou a pensar nos frutos daquela árvore da juventude da história que ouvira do sátiro, porém escolheu mais riqueza, e pediu o dom de transformar em ouro tudo aquilo em que viesse a tocar.

Daí, o desejo se concretizou, motivo de euforia do soberano satisfeito, que viajou de volta aos seus domínios cheio da calorosa empolgação que nele despertara o atributo adquirido. Tocasse em pedras, gravetos, espigas de milho, o que fosse, transformava-os em ouro puro. No palácio, bem na chegada, tocou nos pilares, portões, móveis, e tudo reluzia de causar espanto aos súditos boquiabertos. Contudo, quando sentado à mesa, na hora da refeição, assustou-se por conta dos primeiros percalços da habilidade adquirida, porquanto ao pegar e levar à boca os alimentos, tão só mastigava peças ríspidas do metal precioso em que se transformavam pelo mínimo contato das suas mãos. Mesmo os dentes ofereciam igual resultado aonde penetrassem. Na verdade, por isso, uma aflição descomunal abalava o reino e o ânimo de Midas quando, descuidoso, abraçou o filho querido, virando-o de repente em estátua dourada. No auge do desespero devido a tudo à função, o rei buscou outra vez as posses do deus Dioniso, a qualquer custo; reclamava cancelar o dom e reaver o estado de pessoa comum que perdera. Após observar tais resultados práticos da lição da cobiça na vida do devoto, o deus acatou a postulação e ensinou que ele procurasse o rio Pactolo e ali banhasse o corpo durante longas horas. Em consequência, as águas corriam rebrilhantes, recamando de pepitas de ouro margens e barrancos. Exausto, triste, Midas perfez o caminho de casa, a lembrar saudoso da família e dos transtornos que causara. Ao recolher-se nos cômodos reais, inobstante, vejam o que sobreveio: Vivinho da silva, o filho, sorrindo, correu-lhe ao encontro, proporcionando o mais extremoso dos abraços ao velho pai realizado.

Por: Emerson Monteiro
www.blogdocrato.com



0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30