xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> A crônica do domingo: Que diabo significa esta expressão “caráter republicano”? – por Armando Lopes Rafael (*) | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

19 março 2016

A crônica do domingo: Que diabo significa esta expressão “caráter republicano”? – por Armando Lopes Rafael (*)


    Quem acompanhou nesta semana, que hoje finda, o deprimente noticiário político da mídia brasileira deve ter ouvido de alguns políticos (sempre eles!) a utilização das expressões: “de forma republicana”, ou “caráter republicano(sic). Como não existe nenhuma “tradição republicana” no Brasil, e como – para o povo comum – república foi e continua sendo sinônimo de desorganização (basta lembrar as antigas e atuais  “repúblicas de estudantes”), fui pesquisar o que seriam essas expressões ditas “republicanas”...
    Segundo Carlos Olivieri: “Ao se falar em república, nos dias de hoje, a primeira coisa que se pensa (de forma equivocada) é que estamos diante de um sistema de governo cujo oposto é a monarquia. Neste último, é a hereditariedade que determina o governante (o rei ou a rainha de hoje é o herdeiro do monarca anterior); enquanto na república o governante é eleito direta ou indiretamente". E continua o jurista: “Em primeiro lugar, república vem do latim res publica que significa "coisa pública", "coisa do povo". Nesse sentido, um governo republicano é aquele que põe ênfase no interesse comum, no interesse da comunidade, em oposição aos interesses particulares e aos negócios privados (Sic). Sob esse ponto de vista, a república não difere somente da monarquia, mas também da aristocracia e da democracia, conceitos que ressaltam o princípio do governo: de um, de alguns ou do povo. Ao contrário, a república se volta para a finalidade do governo: o interesse (o bem) comum”.
   Ah! Bom. Quer dizer que agir de “forma republicana” é agir com a finalidade de “atingir o interesse (o bem) comum”. Tá explicado porque essa "ré-pública" nunca funcionou no Brasil... E porque ela mostrou definitivamente sua verdadeira cara no regime lulopetista, que nos governa desde 2003...
    E pensei com meus botões: Graças à divulgação de uma conversa telefônica entre o esperto ministro Jaques Wagner com o “troglodita” presidente do PT, Rui Falcão, durou pouco a versão de que a entrada de Lula no Ministério da Casa Civil de Dilma teve “caráter republicano”, como ela própria – de boca cheia – apregoou na TV.
     Segundo Dilma a volta de Lula visaria unicamente a reforçar o time do fracassado governo da “presidenta incompetenta”. Mas, depois da conversa entre Jaques Wagner e Rui Falcão todos ficamos sabendo (e não resta mais nenhuma dúvida!) que a real motivação para Lula assumir o posto foi assegurar-lhe foro especial por prerrogativa de função (ou seja, o “foro privilegiado” previsto na 7ª  ( eu escrevi: sétima) constituição republicana brasileira e, assim, evitar que ele fosse preso pela Operação Lava Jato, pelas propinas recebidas de empreiteiras.
Como gosta de dizer o "presidente-operário": Nunca antes na História deste país se viu escancarada tramoia tão “antirrepublicana”! Com licença da má palavra..

 (*) Armando Lopes Rafael é historiador

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31