xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 29/03/2015 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

29 março 2015

Aécio Neves ganha status de líder político latino-americano –– por Armando Lopes Rafael

   Existem vitórias que são, na prática, derrotas. Foi o que aconteceu no maior estelionato eleitoral da historia do Brasil, ou seja, nas eleições presidenciais de 2014, o qual se constituiu numa "vitória de Pirro" do PT.  Conta a história que depois da batalha de Ásculo, o rei Pirro, parabenizando seus generais, depois de constatar o estrago que seu exército vitorioso sofrera teria dito: –– “Mais uma vitória desta e estarei acabado”. Desde então, a expressão “vitória de Pirro” é usada para expressar uma vitória com sabor de derrota.
   Uma autêntica “vitória de Pirro” foi conquistada por Dilma Rousseff, ao vencer por pequeno percentual de votos o senador Aécio Neves, em outubro do ano passado.  De lá para cá, de simples líder da oposição brasileira, Aécio Neves galgou a posição de líder pelas lutas democráticas na América Latina.
    Nesta semana ele foi o único brasileiro convidado para participar do seminário “Foro de Lima – América Latina: desafios e oportunidades”, realizado na capital do Peru, entre 26 e 27 de março. Aécio foi recebido em Lima pelo escritor e prêmio Nobel Mário Vargas Llosa, que preside a Fundação Internacional da Liberdade promotora do evento.  O senador Aécio Neves acompanhou, no primeiro dia do evento, a palestra que tratou sobre a violação de direitos humanos na Venezuela. Essa palestra foi ministrada pelas esposas dos líderes oposicionistas presos pelo governo Nicolás Maduro: Mitzy Ledezma, mulher do prefeito de Caracas, Antônio Ledezma, preso em fevereiro último, e Lílian López, esposa do ativista Leopoldo Lopez, preso desde fevereiro de 2014.
     No segundo dia do seminário o senador Aécio Neves fez a mais esperada palestra do evento, quando reiterou as críticas aos governos do PT, que se aboletou do poder no Brasil nos últimos doze anos. Na sua fala, Aécio Neves detalhou os tópicos abaixo alinhados:
–– “Assistimos no Brasil as maiores manifestações populares desde o fim do regime autoritário. Não há outro paralelo com o que ocorre hoje no Brasil se não a campanha pelas Diretas Já no ano de 1984, exatamente 30 anos atrás. E nós, líderes partidários, tivemos sempre o cuidado de não nos apropriarmos desse momento, dessas manifestações. Quanto mais da sociedade elas forem, quanto mais naturais elas forem, mais legítimas e fortes elas serão”.
–– “Em primeiro lugar, tenho que dizer, não foi o PT que inventou a corrupção no Brasil. A corrupção sempre existiu por manifestações individuais, de caráter, pelas próprias condições do sistema político. O que houve de diferente nesses últimos doze anos é que a corrupção se institucionalizou no país para manter um projeto de poder”.
–– “Não acreditamos que seja possível administrar um país, construir as reformas que hoje são absolutamente urgentes no Brasil com o quadro partidário que se alarga a cada dia. Hoje, são 28 partidos funcionando no Congresso Nacional e mais 40 partidos com pedido de registro junto à Justiça Eleitoral”.
–– “O Brasil tradicionalmente foi um país de equilíbrio nas suas relações externas, reconhecido, inclusive, por estas posições. Mas desde o governo Lula o Brasil opta por um alinhamento ideológico na região. Se apequena do ponto de vista da sua influência natural, pela sua dimensão territorial, populacional e, mesmo, econômica. E repito o que dizia ontem, há uma omissão hoje grave de governos eleitos democraticamente em relação à escalada autoritária que toma conta de alguns países. No caso do Brasil, é muito mais do que uma omissão, é uma cumplicidade extremamente grave com esses regimes”.
–– Ao longo desses 12 anos do PT, enquanto o Peru, o Chile e a Colômbia consagraram dezenas de acordos bilaterais, o Brasil constituiu três acordos com Israel, Egito e com a autoridade Palestina. Em 12 anos, os únicos acordos bilaterais constituídos pelo país. Há uma negociação com a União Europeia feita pelo MERCOSUL que se arrasta por mais de uma década. E nós sabemos que se a Aliança Transatlântica, entre Estados Unidos e União Europeia, se consolidar antes da nossa aliança, certamente os prejuízos para o Brasil serão extraordinários, serão históricos por algumas décadas”.
       Entusiasticamente aplaudido, Aécio falou longamente sobre outras mazelas vivenciadas pelo Brasil do PT. E já marcou uma visita à Venezuela para se juntar ao povo daquele país, que vive mergulhado no desemprego, falta de gêneros alimentícios, censura à imprensa, prisão arbitrária e total falta das liberdades democráticas... 
        Dá-lhe Aécio.
                                                     

Protestos “Fora Dilma”, do dia 15 de março: Brasil autêntico e cristão apresentou sua verdadeira face

Por: Frederico Abranches Viotti (*)
Descontentes com os rumos da Nação, milhões de brasileiros de todos os quadrantes se congregaram para protestar, de forma ordeira e pacífica, revelando apreciáveis qualidades de alma do nosso povo

“Esta manifestação está muito esquisita: as pessoas esbarram na gente e pedem desculpa!”Assim resumiu um dos manifestantes o clima de cordialidade reinante na Av. Paulista, em São Paulo, onde mais de um milhão de brasileiros, de todas as classes sociais e de todas as idades, protestaram contra a situação do País. Nenhum incidente grave foi reportado. A própria Polícia Militar, habituada a enfrentar provocações em protestos anteriores, foi recebida com aplausos. Os manifestantes, até mesmo crianças, pediam para tirar fotos ao lado do Batalhão de Choque. O mesmo se repetiu pelo Brasil afora.
Descontentamento crescente
Foto ao lado feita em Salvador (BA), Foto: João Alvarez
Era algo novo, surpreendente, mas não propriamente inesperado. O descontentamento com os rumos do País estava muito vivo nas ruas e era percebido na Internet e em conversas entre amigos ou mesmo entre desconhecidos.
A enorme quantidade de medidas pretensamente “populares”, adotadas ou ampliadas pelo Governo em apoio aos chamados “movimentos sociais”, de fato impopulares, gerou numerosos desagrados, primeiramente em setores específicos da opinião pública brasileira. Não demorou a que esses desagrados se transformassem em uma desconfiança e esta, por sua vez, em um grande descontentamento generalizado.


O divórcio entre a Nação e o Estado 
abaixo, à direita, foto feita em Brasília, por Lula Marques
Há certos fenômenos de opinião pública que se assemelham ao estouro de uma garrafa de champanhe. A aparência de tranquilidade da garrafa em repouso esconde a pressão nela contida. No momento da abertura, aquela pressão é liberada. Assim também ocorre entre os homens. Quando o primeiro diz o que todos pensam em silêncio, a opinião contida, a exemplo da pressão dentro do champanhe, cede lugar a uma explosão de consonâncias.
No último dia 15 de março, o Brasil assistiu a uma dessas grandes consonâncias entre pessoas das mais variadas origens e condições. Não era o Brasil retratado pela grande mídia ou pelos sociólogos e analistas políticos de índole mais ou menos esquerdista, mas um Brasil profundo, verdadeiro, ordeiro e pacato, fazendo ouvir sua voz em um mesmo tom e ao mesmo tempo.
Duas manifestações, duas mentalidades
“Que diferença de público entre a sexta-feira e o domingo. São dois países diferentes. O primeiro era triste, raivoso, invejoso, igualitário… No domingo, um Brasil cheio de luz, alegre, leve, calmo, sereno, ordeiro, pacífico, disciplinado, mas firme, reativo, indignado contra a corrupção e contra o PT. São dois mundos, filhos de duas mentalidades diversas”.
(*)Frederico Abranches Viotti é professor, jornalista e líder católico em Brasilia.
Paulistanos ironizam chavão criado por ministros de Dilma

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30