xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 06/02/2015 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

06 fevereiro 2015

Em uma semana, casos de Sarampo dobram no Ceará

 sarampo

O total de casos passou de 13 para 27, entre 31 de janeiro e 6 de fevereiro. Sete bairros da Capital passam por varredura de imunização

Em uma semana, o número de casos confirmados de Sarampo no Ceará passou de 13 para 27. Fortaleza e Caucaia passam por varredura de imunização. Na Capital, sete bairros recebem atenção especial: Cidade 2000, Papicu, Autran Nunes, Bom Jardim, Granja, Conjunto Esperança e Parque São José.A circulação do vírus ainda acontece, mesmo com apenas 2% dos municípios cearenses sem o alcance mínimo da cobertura vacinal (Ibaretama, Tarrafas e Missão Velha).Em 2014, o Ceará registrou 1.1160 casos da doença.

De acordo com Boletim Epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), os casos em investigação passaram de 48 para 50 em uma semana (entre 30 de janeiro e 6 de fevereiro), enquanto os casos descartados aumentaram de 47 para 72. "Fizemos capacitações para identificação da doença, então a tendência é de que o número de casos aumente, porque há mais acessibilidade", explicou o coordenador de Promoção e Proteção à Saúde da Sesa, Márcio Garcia. O objetivo agora, conforme ele, é acompanhar o monitoramento do percentual de casos confirmados.

A varredura de imunização consiste na vacinação das pessoas que tiveram contato com os casos suspeitos notificados. Márcio Garcia explicou que, mesmo que já tenha havido contato com alguém doente, o período de incubação do vírus (de aproximadamente 12 dias) minimiza as chances de contágio. "Na verdade, vai haver uma competição entre o vírus e o sistema imunológico da pessoa", afirmou.

Sem nenhum óbito registrado, o Ceará deverá interromper a circulação do vírus, acredita Márcio Garcia. Para ele, a cobertura vacinal total do Estado, que é maior do que 100%, deverá impedir que o aumento de casos continue. "Estamos desenvolvendo um plano para intensificar as ações que estão sendo executadas e a expectativa é interromper a circulação do vírus o mais rápido possível", disse.

Redação O POVO Online

Irrigação consome 62% da água no Ceará; 13% vai para a indústria

 

O Estado segue tendência nacional e destina 62,1% da água bruta para a atividade agrícola, em grandes projetos ou plantações locais. Com a estiagem, apenas três dos 14 perímetros irrigados estão sem restrições

 

irrigao-cear-opovo

Irrigação consome 62,1% da água bruta de mananciais do Ceará

A agricultura é responsável pelas maiores retiradas de água dos mananciais do Ceará. O percentual do recurso destinado à irrigação no Estado é de 62,1% - seja para grandes projetos ou pequenos agricultores. O número não reflete o que ainda pode ser perdido com o desperdício. A segunda maior demanda da água bruta é o abastecimento urbano (18,6%), seguida pelos fins industriais (13,5%). O retrato da Agência Nacional de Águas (ANA) é de publicação lançada em 2012 e tem variações mínimas a cada novo estudo, de cinco em cinco anos.

A destinação da água no Ceará não diverge da tendência nacional, analisa João Abner Guimarães, doutor em Recursos Hídricos e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Irrigação, centros urbanos e indústria também têm as maiores retiradas de água bruta no País. Quando a água é pouca, a irrigação deve ser a primeira atividade afetada para priorizar os consumos humano e animal, explica.

Onze dos 14 perímetros irrigados no Ceará já tiveram abastecimento alterado devido à estiagem. Seis já precisaram parar a produção, enquanto outros cinco ainda operam em racionamento.

A intervenção não deixa de trazer prejuízos. Segundo Laucimar Loiola, diretor de produção do Dnocs, o perímetro Tabuleiro de Russas já está com 3 mil hectares parados. “E quando você produz menos, o aumento dos preços vem como consequência”, diz.

Desperdício

Sistemas defasados de irrigação agravam a falta de água em tempos de escassez.Pelo menos oito perímetros irrigados precisam renovar os sistemas de irrigação para economizar a água retirada. Os pedidos junto ao Ministério da Integração já resultaram em obras de modernização em Icó-Lima Campos (em andamento) e duas licitações para os perímetros Várzea do Boi e Ayres de Souza. Conforme Laucimar Loiola, há propostas de conseguir recursos para readequar cinco projetos: Forquilha, Ema, Curu-Pentecoste, Curu-Paraipaba e Morada Nova.

O POVO solicitou entrevistas com representantes da Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH) e da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) para ter informações sobre os usos múltiplos da água durante o período de estiagem no Ceará. As solicitações foram enviadas à Coordenadoria de Imprensa do Governo na segunda-feira, 2. A assessoria informou ao O POVO que as entrevistas são concedidas apenas por Francisco Teixeira, titular da SRH, que esteve em Brasília durante a semana.

Destinos-da-agua-no-ceara

Saiba mais

A terceira atividade que mais utiliza água bruta no Ceará é a indústria. Restrições no abastecimento para este setor são necessários de acordo com o caso, defende o professor João Abner Guimarães. “É preciso analisar que tipos de prejuízo cada empresa causa e estimular o uso racional”.

Proporcionar o múltiplo uso das águas é um dever da gestão dos recursos hídricos, segundo a lei federal 9.433/97, que institui a Política Nacional de Recursos Hídricos.

A Assembleia fará debate sobre a estiagem no próximo dia 27. Na reunião, serão discutidas as ações governamentais.

O POVO

Risco de faltar energia no Nordeste é zero

 eletricidade1

Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, o risco da falta de energia é de 6,1%

O risco de déficit de energia nas regiões Sudeste eCentro-Oeste subiu de 4,9% em janeiro para 7,3% este mês. No Nordeste, o índice manteve-se estável, em 1,2%. Os dados foram divulgados na última quarta-feira, 4, pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), grupo técnico do governo que estuda o setor.

O CMSE também divulgou um percentual de risco de déficit considerando um cenário com despacho pleno de usinas térmicas. Nesse caso, o risco de faltar energia foi estimado em 6,1% para as regiões Sudeste e Centro-Oeste e de zero para o Nordeste.

Nos dois casos, o índice supera a margem de 5% de risco, considerada tolerável pelo Conselho Nacional de Política Energética.

De acordo com o comitê, o Sistema Interligado Nacional tem condições estruturais para o abastecimento de energia no país, embora as principais bacias hidrográficas onde estão os reservatórios das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste tenham enfrentado uma situação climática desfavorável no período úmido do ano anterior.

O informativo apresentado pelo CMSE diz ainda que no mês de janeiro choveu abaixo da média histórica na maior parte do país, incluindo a totalidade das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, a maior parte da Região Norte e a maior parte do estado do Paraná.

As afluências verificadas em janeiro foram de 38% da média histórica nas regiões Sudeste e Centro-Oeste e de 26% no Nordeste.

“Mesmo com o sistema em equilíbrio estrutural, ações conjunturais específicas podem ser necessárias, em função da distribuição espacial dos volumes armazenados”, diz a nota divulgada pelo comitê.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) deverá adotar as medidas adicionais com o objetivo de preservar os estoques nos principais reservatórios.

O grupo também ressalta que o período de chuvas deste ano ainda não está consolidado. “Com isso, a avaliação conjuntural do desempenho do sistema e de riscos de déficit associados deve ser feita de forma cuidadosa”, diz o CMSE, reforçando a necessidade de um monitoramento permanente.

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico foi criado em 2004 com a função de acompanhar a continuidade e a segurança do suprimento de energia no país. Participam do grupo representantes de órgãos como o Ministério de Minas e Energia, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Operador Nacional do Sistema Elétrico, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Agência Brasil

Romaria reúne 400 mil e transforma Juazeiro do Norte em “mar de luz”

 

Com lamparinas e velas, fiéis lotam centro da tradicional cidade do Ceará na "procissão das Candeias”, festa incentivada há mais de 120 anos pelo Padre Cícero

POR JULIANA BACCI, DE JUAZEIRO DO NORTE (CE)

|

Estátua do Padre Cícero em Juazeiro do Norte, no Ceará (Foto: Editora Globo)

Há mais de 120 anos, todo dia dois de fevereiro milhares de romeiros tomam as ruas da cidade de Juazeiro do Norte, no Ceará, portanto lamparinas e velas. O principal objetivo da chamada Romaria de Nossa Senhora das Candeias, incentivada por Cícero Romão Batista, o Padre Cícero, é a renoação da fé.

A procissão marca o encerramento da romaria que tem duração de seis dias. O período é de intensa atividade para os fiéis que chegam, principalmente, dos Estados de Alagoas e Pernambuco, seguidos pela Paraíba, Rio Grande do Norte e Piauí. Eles participam de missas especiais, encontros, shows musicais e apresentações de grupos folclóricos.

Além de aquecer os setores de hotéis, bares e restaurantes, os romeiros movimentam o comércio religioso informal da região do Cariri - formada pelos municípios de Juazeiro do Norte, Crato e Barbalha. É grande a concentração de barracas e ambulantes no centro da cidade. Camisetas com imagens de santos, velas, santinhos, chaveiros, adesivos e terços custam, em média, entre R$ 2 e R$ 20.

procicaocandeiasMilhares de romeiros se reúnem no "mar de luz"

Nste ano, a Central de Apoio ao Romeiro estima que 400 mil pessoas tenham comparecido à procissão das Candeias, formando um verdadeiro “mar de luz” ao redor da igreja matriz. O número é calculado com base no cadastro oficial que os religiosos são incentivados a preencher durante as atividades. Zailma Macedo, voluntária responsável pelo setor, lamenta o baixo envolvimento dos romeiros com a iniciativa.

“Cerca de 10% dos participantes nos procuram para o registro. Se mais pessoas fizessem o cadastro, teríamos informações mais concretas sobre as romarias do Ceará”, diz. Ao longo de 2014, 215 mil se cadastraram na central durante as festividades.
O grupo coordenado por Zailma é ainda responsável por auxiliar crianças perdidas, guardar documentos e pertences encontrados pelas ruas, informar sobre horários dos eventos da festa e anotar pedidos especiais e intenções para oração.
Mais do que renovar a crença na religião ou realizar pedidos, a procissão das Candeias é vista por muitos dos participantes como uma oportunidade de lembrar graças alcançadas ou ainda pagar promessas e dívidas com o “Padim Ciço”, como é popularmente chamado o sacerdote. São comuns os testemunhos de verdadeiros “milagres”.
É com grande sacrifício que os que menos têm chegam a Juazeiro do Norte. Parte dos romeiros usam suas economias e enfrentam dias de viagem em caminhões, carros ou ônibus fretados, além de alimentação, higiene básica e hospedagem precárias.
Para quem circula no “mar de luz”, entre os milhares de romeiros com as mãos erguidas ao céu e os olhos cheios de lágrimas, a impressão é de que falta tudo. Só não falta fé.

revistagloborural.globo.com

Termina prazo de adesão à ação coletiva nos Estados Unidos contra Petrobras

br2

Termina nesta sexta-feira (6) o prazo de adesão de investidores interessados em participar, nos Estados Unidos, da class action – ação popular coletiva de perdas financeiras contra a Petrobras. O advogado André de Almeida, coautor da ação com o escritório americano Wolf Popper, disse hoje,  em nota, que “a Petrobras terá momento processual adequado para se defender das alegações associadas à má governança corporativa e suspeitas de fraudes”.

A assessoria de imprensa do escritório Almeida Advogados informou que a expectativa é que a ação corra no prazo de até dois anos, na Corte Sul do Distrito de Nova York, onde o juiz da causa, Judge Rakoff, deverá unir todos os pleitos formulados, iniciando, então, a fase judicial do processo.

Podem participar da class action quaisquer investidores, brasileiros ou estrangeiros, que tenham adquirido ações da Petrobras nos Estados Unidos, conhecidas como ADRs (sigla, em inglês, de American Depositary Receiptes).

Na petição que será entregue ainda hoje à Justiça norte-americana constam casos de aposentados brasileiros que perderam, respectivamente, US$ 1,5 milhão e US$ 638 mil. De acordo com a nota divulgada por André de Almeida, esses investidores “não são tubarões de mercado, grandes e suspeitos bancos ou aparelhados fundos de pensão. São real people (pessoas de verdade), que perderam real money (dinheiro de verdade)”.

A ideia é mostrar à Justiça dos Estados Unidos que a má governança corporativa da Petrobras afetou toda a sociedade na qual está inserida, e que os fatos deflagrados pela Operação Lava Jato, iniciada em março do ano passado, prejudicaram os investidores da empresa.

(Agência Brasil)

Aneel aprova metodologia de reajuste no preço da energia elétrica

eletricidade3

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta sexta-feira (6) a metodologia de reajuste extraordinário solicitada por mais de 30 distribuidoras. A justificativa é repassar ao consumidor o aumento de custos com a geração de energia. O percentual de aumento varia de acordo com as despesas arcadas por cada empresa. A metodologia será levada a audiência pública entre os dias 9 e 19 de fevereiro.

De acordo com a diretoria da Aneel, o cálculo leva em consideração os R$ 23,21 bilhões necessários à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Essa conta foi criada para universalizar o acesso à energia elétrica e promover fontes alternativas de energia, caso das eólicas, solar, pequenas centrais hidrelétricas, biomassa e carvão mineral, por exemplo.

A metodologia aprovada nesta sexta-feira leva em conta o aumento de custo da energia de Itaipu. Presidente da Associação Brasileira das Distribuidoras e Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite disse que a carga tributária cobrada sobre o setor é um dos fatores responsáveis pelo alto custo de energia fornecida ao consumidor. Ele, no entanto, elogiou as medidas adotadas pela Aneel.

(Agência Brasil)

Operação Fumacê faz controle da dengue no Carnaval

fumace2_2015

Nesta segunda-feira (09), o Governo do estado, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), inicia a operação de pulverização espacial UBV pesado (fumacê). A ação acontecerá antes e depois do Carnaval para o controle do mosquito transmissor da dengue e da febre Chikungunya em 21 municípios. Serão utilizados dez equipamentos Ultra-Baixo Volume (UBV) pesado acoplado em veículos e duas equipes de UBV portátil (costal motorizado) para cobrir um total de 7.739 quarteirões, sempre nos locais de maior fluxo de foliões. A Operação Fumacê acontecerá de 9 a 14 de fevereiro e, após o carnaval, de 23 a 28 do mesmo mês, percorrendo os mesmos 7.739 quarteirões.

Em Fortaleza serão cumpridos oito itinerários em oito bairros. Na segunda-feira (09), receberão pulverização espacial 163 quarteirões da Praia do Futuro II, das 16h30min às 20 horas. Até o sábado (14), serão ainda cobertos os bairros do Cais do Porto, Jacarecanga, Mucuripe, Praia de Iracema, Praia do Futuro I, Meireles, Varjota e Vicente Pinzon. Na capital serão cobertos 1.240 quarteirões. A orientação aos moradores é para que abram às janelas durante a passagem do fumacê para que o inseticida possa agir e eliminar os mosquitos adultos.

Além de Fortaleza, a operação vai percorrer os municípios de Aquiraz, Pindoretama, Acacati, Itaiçaba, Icapuí, Fortim, Beberibe, Cascavel, Jijoca de Jericoacoara, Acaraú, Itarema, Cruz, Amontada, Itapipoca, Trairi, Paraipaba, Paracuru, São Gonçalo do Amarante, Caucaia e Camocim, com cobertura de fumacê nas sedes dos municípios e praias do Litoral Leste e Litoral Oeste. O fumacê, nome popular para a Pulverização espacial UBV, é um procedimento que consiste na liberação via aérea de gases, que agem, por contato, atingindo os mosquitos adultos em voo. Cerca de 90% dos focos do Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue, são encontrados dentro de casa.

Boletim Epidemiológico

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado na sexta-feira, 30 de janeiro, foram confirmados este ano 116 casos de dengue em 22 municípios, com três casos de dengue com sinais de alarme nos municípios de Aracati (um caso) e Barbalha (dois). Além de Aracati, os municípios de Beberibe, Caucaia, São Gonçalo do Amarante e Fortaleza, que receberão a operação fumacê, confirmaram casos de dengue em 2015. Cascavel, Trairi e Amontada notificaram casos suspeitos da doença.

Com relação à febre Chikungunya, em todo o ano de 2014, o Ceará notificou 53 casos suspeitos, descartou 17 e seis foram confirmados, todos importados de pessoas que viajaram para países com transmissão da doença, República Dominicana, Suriname e Taiti, registrados nos municípios de Fortaleza (4 casos), Brejo Santo (1) e Aracoiaba (1). Os principais vetores da febre Chikungunya são os mesmos da dengue – os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus – e os sintomas são muito parecidos, com febre, dores no corpo, dor de cabeça, vermelhidão no corpo, dores nas juntas (artralgia), náuseas e vômitos. A população brasileira é considerada vulnerável porque o vírus nunca circulou antes no país e ninguém tem imunidade.

Para evitar a transmissão dos vírus da dengue e da febre Chinkungunya, é fundamental que as pessoas reforcem as ações para a eliminação dos criadouros dos mosquitos. As medidas são as mesmas para o controle da dengue, ou seja, verificar se a caixa d’ água está bem fechada; não acumular vasilhames no quintal; verificar se as calhas não estão entupidas; e colocar areia nos pratos dos vasos de planta, entre outras iniciativas deste tipo.

 

Assessoria de Comunicação da Sesa

Estoque de sangue é preocupante

doadorsangueO Hemocentro de Iguatu, maior município da região, atende a 30 hospitais e a 25 municípios, além de dar suporte para todas as unidades da rede no Estado

FOTO: HONÓRIO BARBOSA

Crato. A aproximadamente uma semana para o início do Carnaval, as seis unidades que integram a Hemorrede no Ceará estão mobilizadas para ampliar o estoque de bolsas de sangue. O clima é de expectativa e de preocupação para o período. O temor dos profissionais que atuam nas unidades é ocasionado por causa do aumento da demanda, devido aos excessos cometidos durante as comemorações. Nas unidades regionais campanhas de divulgação estão sendo realizadas como forma de atrair doadores e aumentar o estoque de bolsas de sangue neste período.

Em Crato, onde funciona o Hemocentro Regional do Cariri, responsável pelo atendimento a 28 municípios, 45 hospitais e cinco agências transfusionais, sendo duas instaladas em Barbalha, uma no Hospital Regional do Cariri (HRC) e outras duas nos municípios de Brejo Santo e Campos Sales, respectivamente, a campanha "Carnaval da Solidariedade é no Hemoce - Doe Sangue" foi iniciada no último dia 29 de janeiro.

A ação tem como finalidade atrair novos doadores e garantir a continuidade de auxílio das pessoas que, costumeiramente, participam de atividades deflagradas pelo equipamento.

Na unidade, o atual momento é de alerta. Embora o estoque de bolsas de sangue esteja estável, conforme afirmou a diretora regional do Hemocentro Cariri, Fabíola Alencar, é necessário que as doações aconteçam em maior volume, evitando-se, desta forma, a falta de abastecimento nos locais de atendimento. "Desde o mês de dezembro passado nós efetivamos um trabalho de prevenção já visando o período do feriado de Carnaval. A situação, embora não seja crítica, nos oferece um estado de alerta".

"A campanha lançada no fim do mês passado tem justamente a intenção de manter o estoque de bolsas estável e garantir o abastecimento aos hospitais, municípios e agências transfusionais que são atendidas pelo Hemocentro do Cariri", disse.

A unidade possui media mensal de coleta de cerca de 2 mil bolsas de sangue. Deste total, 800 bolsas são destinadas ao município de Barbalha, tido como centro de referência no setor da saúde em toda a região. Outras 700 bolsas de sangue são, mensalmente, enviadas ao Hospital Regional do Cariri e. As bolsas de sangue restantes, cerca de 500, são divididas entre outros 45 hospitais na região.

"É um trabalho que demanda muito a participação da sociedade. Infelizmente, em alguns períodos do ano, há defasagem em relação ao estoque de bolsas de sangue. A luta dos Hemocentros têm sido constante no sentido de atrais a participação da população. No Cariri, pelo menos, há um trabalho de fidelização muito intenso realizado pelo Hemocentro. Esse trabalho nos auxilia na manutenção do estoque em períodos mais difíceis",comentou Fabíola Alencar.

A diretora regional informou, ainda, que as maiores dificuldades são vivenciadas entre os meses de maio, junho e julho, por conta das festividades realizadas em municípios da região. "Nestes meses, o número de festas é muito grande. Com isso, há o aumento da ingestão da bebida alcoólica e, naturalmente, o afastamento dos nossos doadores", explicou.

Na região Centro Sul, a situação também é de preocupação. O Hemocentro de Iguatu, maior município da região, atende a 30 hospitais e a 25 municípios, além de dar suporte para todas as unidades da rede no Estado. "A nossa estratégia para este período foi a de intensificar as coletas externas que realizamos em outros municípios", frisou a coordenadora local, Luana Cavalcante. Ontem, técnicos do hemocentro de Iguatu realizaram coleta externa na cidade de Icó.

A média mensal de coleta de bolsas de sangue no Hemoce de Iguatu é de 400 e apenas 20% são oriundos de doadores voluntários. De acordo com a coordenadora de Captação de Doadores, Valeria Vasconcelos, os estoques do Hemoce Regional Norte, em Sobral, estão muito abaixo do esperado.

''Por ser volta das férias e muito em cima do Carnaval, as pessoas se afastaram muito da doação, causando uma baixa ainda maior dos estoques. Atualmente, precisamos de 1.500 bolsas de sangue coletadas por mês para suprir as demandas dos 58 municípios que compõe a Zona Norte do Estado, como também os hospitais da cidade de Sobral:Santa Casa, Hospital do Coração, Unimed, Unidade Mista, Hospital Regional".

Incentivo

Em Sobral, as estratégias para aumentar o número de doações vão desde a captação de doadores, a realização de coletas externas, que acontecem diariamente, na Cidade e nos municípios da regional, e o incentivo ao voluntariado (empresas, escolas, universidades, dentre outros), para a realização de caravanas da solidariedade. Além disso, o Hemocentro Regional de Sobral funciona de segunda à sexta-feira de 7h às 18h, e aos sábados de 8h às 12h.

Para doar sangue é preciso estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos; pesar no mínimo 50kg; estar descansado, alimentado e apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial.

Mais informações

Hemocentro Regional do Cariri
Rua Coronel Antônio Luís, 1.111
Bairro Pimenta - Crato
Fones: (88) 3102.1260
(88) 3102.1261

Roberto Crispim/Sucursais
Colaborador

Diario do Nordeste - Regional

Chuva é registrada em 130 cidades

chuva

Fortaleza. 130 municípios cearenses registraram chuvas ao longo do dia de ontem. Apesar da previsão pessimista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) para a quadra invernosa de 2015, as precipitações serviram para renovar as esperanças da população, tanto na zona rural, quanto no perímetro urbano.

A maior chuva foi registrada em Pires Ferreira, com 91 milímetros. Em segundo lugar aparece o município de Saboeiro, com 80 mm, seguido pela cidade de Icó, com 77 mm. Ibiapina e Redenção completam a lista das cinco localidades do Estado que receberam as maiores chuvas, respectivamente com 75 mm e 71,6 mm.

As precipitações de ontem foram as que abrangeram o maior número de municípios, desde o início desta semana. Na segunda-feira, choveu em 40 cidades, enquanto no dia seguinte este número subiu para 71. Já na quarta (4), houve chuvas em 87 municípios cearenses.

Clima agradável

Em Icó, as precipitações tiveram início por volta das 18h15min desta quarta (4) e se estenderam até às 4h da manhã desta quinta (5). Várias ruas e avenidas amanheceram com poças d'agua. O calor intenso, característico do lugar em qualquer época do ano, foi substituído pela sensação de clima agradável.

Para evitar problemas, como alagamentos, inundações e demais prejuízos ocasionados pelo acúmulo de água, a Defesa Civil dos municípios recomenda o cuidado de não obstruir as galerias pluviais e os bueiros com lixo e outros materiais.

Segundo a Funceme, a previsão meteorológica para o dia de hoje é de predomínio de céu parcialmente nublado no Ceará, com possibilidade de chuva isolada no litoral.

Diario do Nordeste - Regional

Dinheiro para poços profundos retido no Dnocs

poco2A perfuração de poços tem se mostrado eficaz para amenizar a falta d'água

FOTO: WALESKA SANTIAGO

Iguatu. A crise de escassez d'água é considerada cada vez mais grave e já atinge áreas urbanas e centenas de localidades rurais. Uma das alternativas apresentadas para enfrentar os efeitos da estiagem é a perfuração de poços profundos. Entretanto, a burocracia vem impedindo e atrasando esse tipo de ação. O Dnocs tem uma verba de R$ 4,2 milhões para perfurar 134 poços em 15 municípios, mas o órgão aguarda licenças ambientais e outorgas. Já a Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra) tem nada menos que 500 poços à espera de instalação.

O quadro tende a se agravar nos próximos meses e a burocracia das normas estaduais impõe paralisia das ações administrativas em socorro às famílias que necessitam de abastecimento de água. "Para perfurar um poço, as normas do governo do Ceará exigem autorização e outorga prévias, com localização georreferenciada e vazão", disse o coordenador estadual do Dnocs, José Falb Ferreira Gomes. "Isso é um absurdo, pois como posso dar essas informações se o poço não foi cavado".

Recentemente, o coordenador estadual acompanhou o diretor geral do Dnocs em audiência com o secretário de Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, que teria se manifestado contrário às exigências atuais e iria sugerir ao governador mudanças urgentes nas normas vigentes.

"O secretário verbalmente autorizou o Dnocs a perfurar os poços e só depois fazer a regularização, mas o diretor achou conveniente aguardar parecer da Controladoria Geral da União (CGU) e da Procuradoria Federal", revelou Falb.

Enquanto isso, o processo permanece paralisado e a população necessitando de abastecimento de água. "Acho que teremos uma boa solução, mas não temos uma data precisa para a assinatura da ordem de serviço e o início dos trabalhos", observou o coordenador estadual. "Só dependemos dessas licenças e outorgas e do parecer dos órgãos consultados".

O diretor geral de Infraestrutura do Dnocs, Glauco Mendes, disse que o órgão é sensível à crise hídrica que o Estado enfrenta e reafirmou que o atraso na liberação da verba depende das licenças exigidas pelo Estado. "Estamos preocupados com o risco de colapso, mas há condicionantes jurídicos que impedem as nossas ações".

Demanda crescente

A demanda por poços profundos vinda do Interior é permanente e crescente. Aumentou desde 2012, quando começou o mais recente ciclo de seca, considerado um dos mais graves dos últimos 60 anos. Apesar dos esforços, a capacidade de atender os inúmeros pedidos vindos do sertão é insuficiente e o problema se agrava mediante a demora na instalação e funcionamento.

Atualmente, são mais de 500 poços perfurados à espera de instalação de rede hidráulica, elétrica e aquisição de equipamentos (bombas e motores). Afeta localidades isoladas e centros urbanos. No Dnocs há mais de dois mil pedidos oriundos de prefeituras e comunidades rurais. No momento, o órgão faz a manutenção de três máquinas perfuratrizes. Segundo a Coordenadoria Estadual, o Dnocs perfurou em 2014, 480 poços diretamente e contratou mais 500.

Em fins de 2013, o caderno Regional do Diário do Nordeste mostrou que havia na Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra) 2400 pedidos oriundos do Interior do Ceará. A capacidade de perfuração era de cerca de 300 poços por ano. A Sohidra dispunha de somente seis perfuratrizes para atender todo o Estado. De lá para cá os pedidos só aumentaram.

Atualmente, o Estado possui 11 máquinas perfuratrizes, quase o dobro em relação há dois anos. Em 2012, foram perfurados 280 poços e em 2013, 300. Somente, nos últimos três meses de 2014, foram 216. Um número recorde em comparação com períodos anteriores. De acordo com a coordenadoria de Comunicação do governo do Estado, a demanda atual caiu para 200 poços e a prioridade são os centros urbanos para socorrer com abastecimento de água uma população mais numerosa.

Em 2015, o esforço é manter a média mensal de perfuração de 70 poços. Entretanto, há um descompasso entre o serviço de perfuração e o de instalação dos poços. Uma das dificuldades é a demora na aquisição de canos, motores e bombas. Outro atraso refere-se à implantação de rede elétrica, sob a responsabilidade da Coelce. Em muitas comunidades são meses de espera. No Ceará, 530 poços estão perfurados e aguardam instalação de bombas e energia. A coordenadoria de Comunicação informou que já foi iniciada a solicitação desse serviço e o prazo é de seis meses a partir da ordem de serviço.

A reportagem tentou ouvir o secretário de Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, e o gerente de poços da Sohidra, Demócrito Gomes, mas não houve retorno das ligações. Sem nomeação de diretores e de superintendentes de órgãos públicos, muitos setores governamentais estão à espera de novos gestores.

No campo e nas cidades, o sofrimento de milhares de moradores que enfrentam a escassez de água vem aumentando. Os gestores reclamam da demora no atendimento aos pedidos de perfuração de poços profundos. "É um fato", disse o presidente da Aprece, Expedito Nascimento. "Houve avanços, mas ainda há muitas solicitações que aguardam uma resposta do governo do Estado".

A secretária de Agricultura do município de Iguatu, Edileuza Pereira, defende a aquisição de mais máquina perfuratrizes e descentralização dos equipamentos por macrorregiões. "O governo federal deveria firmar parceria com o Estado e os municípios, financiar ou mesmo doar essas máquinas por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)", disse. "As pessoas moram nas cidades, onde os problemas acontecem".

O prefeito de Iguatu, Aderilo Alcântara, lembrou que esperou por mais de três meses para a perfuração de um poço. Cansado de esperar, perfurou três com recursos próprios. "Temos um programa de poços rasos, nos aluviões, mas precisamos de apoio para a perfuração de poços profundos", disse. "Atualmente, 32 comunidades rurais enfrentam escassez de água".

Em 2014, o governo do Estado perfurou cerca de 400 poços por meio do programa 'Água para todos'. Houve ainda perfurações feitas pela Sohidra, Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) e pelo Exército. O esforço é coletivo, mas insuficiente, mediante o quadro de escassez de recursos hídricos que vem se agravando desde 2012. O governo reclama da burocracia, dos atrasos nas licitações. Além desse aspecto administrativo há questões geológicas. Mesmo com estudos geofísicos modernos, os dados mostram que 25% dos poços ficam inviáveis mediante a reduzida vazão.

Perfuração

A geologia do Ceará apresenta pelo menos duas estruturas. A perfuração em rocha cristalina é rápida, feita em um dia, com profundidade média de 80 metros. Em subsolo sedimentar (aluvião), de três a quatro dias. Cerca de 70% do Estado apresentam composição do cristalino. As manchas sedimentares estão em áreas de aluvião, várzeas, na Região do Cariri, parte do Centro-Sul e litoral. Estas têm lençol freático mais favorável.

O preço de perfuração de um poço profundo varia segundo o tipo do terreno e a profundidade. No cristalino, o metro perfurado custa em média, na região de Iguatu, entre R$ 150,00 e R$ 200,00. Em aluvião, é necessário que seja colocado tubo e o preço do metro escavado está em torno de R$ 200,00. No cristalino, a profundidade média é de 60m; e no sedimentar, 20m.

Mais informações

Secretaria de Desenvolvimento Agrário - SDA
Fone: (85) 3101. 8112
Sohidra
Fone: (85) 3101. 4713

Honório Barbosa
Colaborador

Diario do Nordeste - Regional

Ministério Público, Governo do Estado e prefeitura firmam acordo para construção de nova cadeia em Lavras da Mangabeira

mpce

O Ministério Público do Estado do Ceará, o Governo do Ceará e a Prefeitura de Lavras da Mangabeira firmaram um Termo de Ajustamento de Conduta sobre a construção de uma nova cadeia pública no município e a desocupação do atual prédio. As primeiras obras devem começar no dia 11 de março. O documento foi assinado pelo promotor de Justiça Leonardo Marinho de Carvalho Chaves; pelo coordenador jurídico da Secretaria da Justiça do Ceará (Sejus), Carlos Eduardo Nunes de Sena; e pelo prefeito municipal, Gustavo Augusto Lima Bisneto.
O prédio onde funciona atualmente a cadeia pública de Lavras da Mangabeira é tombado pelo Município, mas está em condições precárias. O Governo do Ceará, através da Sejus, se comprometeu em iniciar a reforma da cobertura predial até o dia 11 de março. A conclusão ficou marcada para o dia 11 de abril.
Já a nova cadeia pública será construída em um terreno localizado às margens da BR-230. Como o bem imóvel pertence à União, serão feito esforços na Superintendência do Patrimônio da União para conseguir a cessão para o domínio do Estado do Ceará e construir o novo prédio da cadeia pública de Lavras da Mangabeira. Com isso, a partir da autorização do governo estadual, o Município se compromete a providenciar no prazo de 60 dias o estudo topográfico e o serviço de terraplanagem, além de promover a ligação pública do sistema hidráulico e elétrico.
O TAC estabeleceu o dia 30 de junho de 2017 como prazo limite para a construção do novo prédio que servirá a cadeia pública e a desocupação do atual prédio. Em caso de descumprimento, o Governo deverá pagar multa diária no valor de R$ 10 mil e o Município, R$ 1 mil.
(MPCE)

flavio pinto

Cariri Garden Shopping recebe placa de "entidade colaboradora" do Geopark/Urca

GEOPARK-ARARIPE

Uma parceria em prol do desenvolvimento sustentável do Cariri, com diversas ações já realizadas, será consolidada com o recebimento de uma importante Placa de Entidade Colaboradora pelo Cariri Garden Shopping , que será firmado entre a Universidade Regional do Cariri (URCA) e o Cariri Garden Shopping. A solenidade acontece no próximo dia 11, às 15 horas, no empreendimento, em Juazeiro do Norte. O shopping, com isso, passa a ser a Entidade Colaboradora do Geopark Araripe.
O projeto do Geopark vem sendo desenvolvido pela Universidade desde 2006, inserido na Rede Global de Geoparks, da Unesco. O Geopark Araripe foi o primeiro criado nas américas e este ano passará por nova avaliação para revalidação do selo internacional.
Durante a solenidade a ser realizada no shopping, haverá a afixação de uma placa no empreendimento, destacando a parceria, reconhecendo o shopping como Entidade Colaboradora juto às ações do Geopark, que possui nove geossítios em seis cidades da região do Cariri, incluindo Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Missão Velha, Nova Olinda e Santana do Cariri.
A finalidade do convênio é a realização de atividades conjuntas para o desenvolvimento regional sustentável. Nesse aspecto, várias ações já foram realizadas em conjunto, a exemplo da Exposição Talhado, realizada em 2013, pelo Geopark Araripe, apresentando o projeto Jovens Paleontólogos, e ano passado, mais uma exposição sobre o Geopark Araripe, que trouxe mais uma vez o universo da riqueza geológica, paleontológica, da biodiversidade e cultura da região.
(Assessoria do Cariri Garden Shopping)

Santana do Cariri recebe Centro de Educação Infantil do Governo do Estado

 

Onalia

Onélia Leite falou da importância do equipamento. (Foto : Flávio Pinto )

A primeira-dama do Estado, Onélia Leite entregou nesta sexta-feira (6), mais um Centro de Educação Infantil (CEI) para o município de Santana do Cariri. O CEI Maria Leal de Alencar, localizado no distrito de Brejo Grande, vai atender 100 crianças de 2  6 anos da zona rual do município.  Além da primeira-dama, estiverem presente ao evento o secretário do Desenvolvimento Social e Trabalho,  Josbertini Clementino e a prefeita de Santana do Cariri,  Danieli Machado ( PSL ).
O CEI oferece condições adequadas para a promoção da educação infantil de qualidade para crianças,  através de um conjunto de ações nas áreas da saúde,  estimulação,  educação,  alimentação,  além do apoio e acompanhamento às famílias.  O equipamento foi orçado em R$ 347.146, 18 com contrapartida do município em pouco mais de R$ 100 mil.
O segundo CEI mantido pelo Governo do Estado em Santana do Cariri é a Centro Adail Silva, no distrito de Araporanga.
A primeira-dama Onélia Leite ressaltou a importância de entrega aos caririenses do seu primeiro equipamento.  "Estou orgulhosa desse centro de educação,  pois o resultado virá nos anos futuros. Daqui sairão crianças com educação e saúde que podem mudar esse município", disse Onélia.
Após a entregado equipamento,  à convite da prefeita de Santana do Cariri, Onélia Leite participou da inauguração do calçamento da rua São José,  no distrito de Brejo Grande.

flavio pinto

Governo Federal estuda ampliação do horário de verão

horario-de-verao-

“A ampliação do horário de verão por mais um mês é uma das alternativas que estão sendo estudadas pelo governo para diminuir o consumo de energia neste ano. Segundo o Ministério de Minas e Energia, uma reunião na próxima quinta-feira (12), com a presença de representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica e da Empresa de Pesquisa Energética, vai discutir se o prazo do horário diferenciado deverá ou não ser ampliado.
O horário de verão começou no dia 19 de outubro para os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e, em princípio, acabaria no dia 22 de fevereiro. O principal objetivo da medida é reduzir o consumo de energia no horário de pico, registrado a partir das 18h, aproveitando melhor a luminosidade natural.
Um dos argumentos que será debatido pelos técnicos é o deslocamento que vem sendo verificado neste horário de maior consumo de energia, que ultimamente tem sido registrado por volta das 14h. Neste caso, a prorrogação do horário de verão não seria necessária.
Segundo o ministério, não há, em princípio, uma predisposição do governo em ampliar o período de vigência do horário de verão, esta é apenas uma das alternativas que estão em estudo, mas não há nada definido. No início do horário de verão deste ano, a estimativa do governo era uma economia de R$ 278 milhões, com geração de energia térmica no horário de pico. Na edição anterior, a economia foi R$ 405 milhões.”
(Agência Brasil)

Para Você Refletir ! - Por Maria Otilia

Atualmente  vivemos neste mundo onde cada um luta por seu espaço,e na maioria das vezes ignora quem está ao seu lado.E agora na era digital,  para muitas pessoas ,  o diálogo, o olho no olho, a conversa amiga, o escutar, já não acontece mais. E ficamos ilhados em nosso próprio mundo. Assim sendo para sobrevivermos melhor, não conseguimos ser verdadeiros, transparentes. Ficamos no faz-de-conta de que está tudo bem. E nessa relação de mão única, deixamos muitas vezes de dizermos o que pensamos, nossas opiniões,  de realmente enxergar o mundo real. Não temos a coragem de falar  para um amigo, certas verdades, de criticar e ser criticado, etc. Podendo afirmar que tudo isso acontece por uma questão de falta de sensibilidade.Para refletirmos  mais um pouco, posto um texto de Daniel da Luz. Boa leitura.

             Uma questão de sensibilidade

Uma viajante em um aeroporto foi a uma loja e comprou um pequeno pacote de biscoitos para comer enquanto lia seu jornal. Sentou-se em uma poltrona em frente a uma mesinha e começou a ler seu jornal.
De repente, ela ouviu um ruído. Olhando por cima do jornal ficou espantada ao ver um homem bem vestido pegando os biscoitos que ela comprara. Sem querer fazer escândalo, ela inclinou-se e pegou um biscoito também.
Depois de um ou dois minutos ela ouviu o ruído mais uma vez. Ele estava pegando mais um biscoito! A essa altura eles já haviam chegado ao final do pacote… Ela estava irada, mas evitou dizer qualquer coisa.
Então, agindo como se tivesse a intenção de agravar mais ainda a indignação da viajante, o homem quebrou o último biscoito ao meio, deixou metade para ela, comeu a outra e saiu.

Ainda furiosa, quando anunciaram seu vôo, a mulher abriu sua bolsa para pegar sua passagem. Para seu choque e vexame, lá estava seu pacote de biscoitos, fechado.

É fácil fazer suposições sobre o que se passa à nossa volta. Esperamos que as coisas sejam baseadas em uma experiência passada por nós ou pelos outros. Suposições nem sempre são errôneas, mas não podemos confiar nelas. Muitas vezes elas levam à vergonha e ao constrangimento.
Algumas pessoas tentam evitar assuntos que podem provocar conflitos com a intenção de agradar e não brigar. Mas fazer isso com as pessoas que amamos não contribui para o relacionamento. Primeiro, porque não é preciso brigar, podemos dizer o que nos incomoda com carinho, no desejo de manter a relação feliz. Se optarmos por silenciar, duas coisas podem acontecer: o ressentimento e a raiva irão se acumulando até desgastar a relação e não daremos chance ao outro de mudar e crescer. Fale sobre os aspectos ou as atitudes que o incomodam, mas faça-o de modo amoroso e construtivo, sem raiva ou agressividade. Afinal, são duas pessoas administrando sua
própria felicidade.

O orgulho e a falta de sensibilidade levou a mulher nessa história a supor que ela estivesse certa e que o homem estivesse errado. Em vez disso sua precipitação tornou-a completamente cega no tocante à bondade dele para com ela.
Quando você se encontrar em conflito com os outros, evite suposições precipitadas.
Só fale com certeza, utilizando o seu maior grau de sensibilidade.

                                         “Não há fatos, só interpretações” (Nietzsche).

Em busca da cultura.

ESCRITO POR OLAVO DE CARVALHO | 04 FEVEREIRO 2015 


Em artigo escrito já há algum tempo (http://siterg.terra.com.br/post/2014/03/18/procura-se-uma-nova-classe-alta-por-nizan-guanaes/), o publicitário Nizan Guanaes observa que às nossas classes altas falta, sobretudo, cultura. Pura verdade, mas por que somente às classes altas? Ao longo da quase totalidade da história humana, o conjunto dos homens mais cultos e sábios raramente coincidiu com o dos mais ricos e socialmente brilhantes. “Livros e dinheiro são uma mistura perfeita para elegância, savoir faire e bom gosto”, diz Guanaes. É certo. Mas também é certo que elegância, savoir faire e bom gosto não são propriamente a alta cultura: são a vestimenta mundanizada que ela assume quando desce do círculo das inteligências possantes e criadoras para o âmbito mais vasto dos consumidores abonados, da sociedade chique. São cultura de segunda mão.

O que falta no Brasil não são apenas ricos educados. O que falta são intelectuais capazes de educá-los. Um indício claro, entre inumeráveis outros, é que nenhuma universidade brasileira, estatal ou privada, foi jamais incluída na lista de cem melhores universidades mundiais do Times de Londres (Times Higher Education World Ranking, http://www.timeshighereducation.co.uk/news/the-100-most-international-universities-in-the-world-2015/2018125.article). Não há nessa exclusão nenhuma injustiça. Rogério Cezar de Cerqueira Leite explicou o porquê em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/202892-producao-cientifica-e-lixo-academico-no-brasil.shtml.

Foi talvez sentindo obscuramente a gravidade desse estado de coisas que o próprio Guanaes mandou seu filho estudar na Phillips Exeter Academy, de New Hampshire, tida como a melhor escola preparatória americana, na esperança de colocá-lo depois em alguma universidade da Ivy League, como Harvard, Yale, ou Columbia.

Sem deixar de cumprimentar o publicitário pelo seu zelo paterno, observo que suas próprias ações provam antes o meu diagnóstico da situação do que o dele: se cultura faltasse somente aos homens ricos, bastaria enviar seus filhos a alguma universidade local ou fazê-los conviver com intelectuais de peso em São Paulo ou no Rio, e decorrida uma geração o problema estaria resolvido. Mas aí é que está: faltam universidades que prestem e os grandes intelectuais morreram todos, sendo substituídos por duas gerações de tagarelas incompetentes, cabos eleitorais e cultores da própria genitália, como documentei abundantemente em O Imbecil Coletivo (1996) e O Mínimo que Você Precisa Saber para Não Ser Um Idiota (2014), além de centenas de artigos, muitos deles neste mesmo Diário do Comércio.

Ricos e até governantes incultos não são, por si, nenhuma tragédia, desde que haja em torno uma classe intelectual séria, capaz de lhes impor certos padrões de julgamento que eles não precisam compreender muito bem, só respeitar. Foi assim na Europa ao longo de toda a Idade Média e até épocas já bem avançadas dentro da modernidade, quando a casta nobre considerava que a única ocupação digna da sua posição social era a guerra, deixando os estudos para os padres e demais interessados. O Imperador Carlos Magno só começou a aprender a ler – de má vontade – depois dos trinta anos. Afonso de Albuquerque, sete séculos depois, ainda considerava que saber línguas estrangeiras era coisa para subalternos. A alta cultura não era sinal de posição social elevada, era um ofício especializado. Daí a palavra clerc, “clérigo”, que não designava só os sacerdotes, mas, de modo geral, toda pessoa letrada.

Complementarmente, os homens de estudos eram o que podia haver de mais diferente do grand monde, dos ricos e elegantes. Até bem recentemente, mesmo nos EUA, os intelectuais, sobretudo universitários, primavam por uma vida austera, sem divertimentos nem confortos, a não ser que, por coincidência, viessem eles próprios de alguma família rica.

Tudo mudou nos anos 80, com o advento dos yuppies. Um yuppie é um jovem com diploma de universidade prestigiosa, um emprego regiamente pago em alguma cidade grande, um círculo de amigos importantes que se reúnem em clubes chiquérrimos e uma cabeça repleta de regras de polidez politicamente corretas, um conjunto formidável de não-me-toques que facilitam a aceitação social na mesma medida em que dificultam o pensamento. Foi aí que formação cultural começou a significar elegância, bom gosto e refinamento em vez de conhecimento e seriedade intelectual.

Esse foi um dos danos maiores produzidos pela desastrosa administração Jimmy Carter. Até os anos 70 os EUA ainda tinham a melhor educação do mundo, toda ela fruto da iniciativa autônoma da sociedade. A intervenção estatal, associada ao império do esquerdismo chique e ao açambarcamento de toda  atividade cultural pela burocracia universitária, iniciou o processo de degradação intelectual documentado por Russell Jacoby em The Last Intellectuals: American Culture in the Age of Academe e por Allan Bloom em The Closing of the American Mind, ambos de 1987.      

No Brasil, a palavra “Harvard” ainda pode significar altíssima cultura, mas nos EUA ela evoca antes a pessoa de Barack Hussein Obama, que chegou a diretor da Harvard Law Review sem ter ultrapassado o nível das redações ginasianas e depois fez fama de autor com dois livros escritos inteiramente por Bill Ayers, um terrorista doublé de talentoso artista da palavra.           

Nada mais expressivo do vazio intelectual de Harvard do que o sucesso de John Rawls, o qual, segundo a boutade de Eric Voegelin, escreveu uma Teoria da Justiça sem notar que se tratava de uma teoria da injustiça.

O que hoje resta da antiga pujança intelectual americana refugia-se em grupos autônomos, como o círculo de discípulos do próprio Eric Voegelin, as redações de New Criterion e Commentary, meia dúzia de editoras high brow ou o time seleto de scholars que compõem a equipe de Academic Questions, uma revista acadêmica dedicada ao estudo... da decadência acadêmica.

Em comparação com o que temos no Brasil, é muito, é uma abundância invejável, mas, para o antigo padrão americano, é quase miséria. Os EUA só continuam sendo o paraíso dos estudos superiores no sentido yuppie do termo. Não por coincidência, Guanaes cita como protótipo de pessoa culta a riquíssima, chiquíssima e politicamente corretíssima Ariana Huffington, fundadora do Huffington Post, um front de antijornalismo obamista empenhado em manter acesa a chama do “Yes We Can” contra todos os fatos, contra toda evidência e contra todo o descrédito geral.

Não quero me meter na vida da família Guanaes, mas mandar um filho estudar nos EUA – digo nas grandes universidades, e não nos círculos dos happy few -- é um meio de defendê-lo contra a debacle cultural brasileira? Sim, se o que você quer para ele é uma carreira de yuppie e uma alta cultura constituída de “elegância, savoir faire e bom gosto”. Não, se você quer fazer dele um estudioso sério, capaz de compreender o Brasil e ajudar o país a sair do atoleiro.

Digo isso, também, por outro motivo. Cultura não é só aquisição de conhecimento, é a formação de uma personalidade ao mesmo tempo arraigada na realidade histórico-social concreta e capaz de transcendê-la intelectualmente. Essa formação só é possível se ela começa pela absorção da cultura local na língua local e se prossegue nesse caminho até abarcar essa cultura como um todo e, então sim, tiver necessidade de ampliar o seu horizonte pelo contato mais aprofundado com outras culturas. Se um jovem ignorante da sua cultura nacional é transplantado para o ambiente acadêmico de outro país, é melhor que ele fique por lá mesmo, pois, se voltar, dificilmente chegará a compreender o lugar de onde saiu. O Brasil está repleto de diplomados de universidades estrangeiras, cujos palpites sobre a situação nacional superlotam as colunas de jornais com amostras de incompreensão que raiam a alienação psicótica. O projeto “Ciência Sem Fronteiras” está se encarregando de produzir mais alguns com dinheiro público.

Pode-se retrucar que, nas presentes condições, a aquisição da cultura brasileira se tornou inviável porque o jovem interessado não encontra guiamento nem na universidade, nem fora dela. Não tenho resposta pronta para isso, mas desde quando a dificuldade de resolver um problema torna desnecessário resolvê-lo?


Publicado no Diário do Comércio.
Pintura de Gerrit-Van-Honthors

http://olavodecarvalho.org

Coisas da República: O “clima pesado” que tomou conta do Senado

(Fonte: jornal "O Globo")

Um dia depois do confronto, oposição decide boicotar reuniões com Renan Calheiros.Líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO) vai recorrer ao STF contra o acordão para cargos da Mesa
A oposição já decidiu que vai boicotar reuniões com Renan. E, com disposição de não dar “nem um dia de trégua” a Renan, o líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), vai impetrar um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra o acordão patrocinado pelo PMDB, PT e outros partidos da base que deixou de fora dos cargos da Mesa diretora o PSDB, o PSB e DEM.
— O Renan praticou dois atentados e dois crimes imperdoáveis no Parlamento: descumpriu a proporcionalidade ditada pelo voto do povo e desqualificou os líderes. O tratamento que deu aos líderes é inaceitável e nosso único caminho agora é o Supremo — disse Caiado.
Sem meias palavras, o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), disse que Renan formou uma Mesa para "se blindar" de futuros problemas. Ele não citou diretamente a Operação Lava Jato, mas Renan já foi citado e há temores de que novas denúncias ocorram.
— Quem acha que o Renan fez um movimento de ataque ontem (quarta-feira)... Ele fez um movimento de defesa. Na batalha de ontem, ele montou as trincheiras para a guerra que está por vir. Não há mais como fazer negociações na Presidência. Renan optou por ser presidente dos 49 senadores que o votaram nele — disse Cássio Cunha Lima.
O presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), disse que o clima é "zero" para dialogar com Renan.
— É um clima inédito no Senado, que vai produzir muitas situações difíceis. Foi uma truculência sem limites e isso vai gerar sequelas. O clima é zero para fazer reuniões na Presidência da Casa. A civilidade vai permanecer, mas as relações políticas estão definitivamente abaladas — disse Agripino.
No PMDB, a avaliação de caciques foi de que Renan exagerou. O líder do PMDB, Eunício Oliveira (CE), ficou numa posição constrangedora, porque isso pode prejudicar eventuais acordos para sua eleição em 2017. O acordo é que ele sucederia Renan. Além disso, como líder, ele terá que conversar com os demais partidos.
— Sobrou para mim — brinca Eunício.

Governo pode aumentar em 83% teto de cobrança extra da energia e estender o horário de verão até março

Fonte: jornal “Folha de S.Paulo

A proposta do governo para revisão das bandeiras tarifárias prevê um aumento de 83% para a faixa vermelha, que é a mais cara. Essa classificação define as cobranças extras sobre a energia quando são usadas formas complementares de abastecimento, como as usinas termelétricas –elas têm custos mais altos do que as hidrelétricas.
A bandeira tarifária amarela deve ter aumento de 66,7%. Além dela e da vermelha, há também a faixa verde, que mantém as cobranças inalteradas.
Nesta quinta, Eduardo Braga, ministro de Minas e Energia, havia garantido que o aumento não seria superior a 50%.
O valor máximo cobrado atualmente, da bandeira vermelha, prevê um aumento da conta de luz de R$ 3 a cada 100 kilowatt-hora (kWh). A ideia agora é que esse valor passe para R$ 5,50 pela mesma quantidade de energia consumida.
Os novos valores serão levados para aprovação da diretoria da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) nesta sexta-feira (6) durante reunião extraordinária.
A bandeira vermelha, mais cara, vai indicar não apenas que as usinas térmicas estão sendo usadas em larga escala, mas também que as empresas estão tendo de comprar muita energia extra para atender a demanda ou que o risco hidrológico aumentou (diferença entre energia contratada e a entregue pelas geradoras).
No caso da bandeira amarela, que sinaliza uma situação intermediária desses gastos, o valor que será proposto será de R$ 2,50.
Atualmente o preço adicional a cada 100 kWh consumidos é de R$ 1,50 quando a bandeira está nesta cor. Um aumento de 66,7%.
A Aneel ainda irá submeter as alterações por audiência pública. Após esse período, que deve ser curto, os novos valores começam a valer. Ao que tudo indica, já para o mês de março.
ECONOMIA
O governo também informou que estuda estender o horário de verão por mais um mês, na tentativa de economizar energia em um momento que o setor enfrenta dificuldades.
O assunto será discutido internamente pelos técnicos do governo no próximo dia 12, segundo reportagem do Jornal Nacional.

Mais revelações prestadas sobre o esquema das roubalheiras na Petrobrás

(Fonte: jornal “Folha de S.Paulo”)
(Obs. os valores citados abaixo são em dólares. Na cotação de ontem 1 dólar valia R$ 1,74 reais)
Em depoimento concedido em acordo de delação premiada, Pedro José Barusco Filho, ex-gerente de engenharia da Petrobras, estima que o PT tenha recebido entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões entre 2003 e 2013 de propina retirada dos 90 maiores contratos da Petrobras, como o da refinaria Abreu e Lima, em construção em Pernambuco.
Barusco afirma que o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, teve "participação" no recebimento desse suborno. Vaccari Neto, de acordo com ele, ficou, até março de 2013, com US$ 4,5 milhões.
Ainda segundo ele, em outra fase, houve pagamentos até fevereiro do ano passado.
O depoimento foi prestado no dia 20 de novembro último e veio à tona nesta quinta-feira (5).
Segundo Barusco, Vaccari participou pessoalmente de um acerto fechado entre funcionários da Petrobras e estaleiros nacionais e internacionais relativos a 21 contratos para construção de navios equipados com sondas, contratações que envolveram ao todo cerca de US$ 22 bilhões.
"Essa combinação envolveu o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, João Vaccari Neto, o declarante [Barusco] e os agentes de cada um dos estaleiros, que deveria ser distribuído o percentual de 1%, posteriormente para 0,9%", declarou Barusco.
Segundo o delator, desse 1% sobre o valor dos contratos, a divisão se dava da seguinte forma: "2/3 [dois terços] para João Vaccari; e 1/3 para 'Casa 1' e 'Casa 2'". Barusco envolveu outros funcionários da Petrobras no esquema.
A "Casa 1", segundo o ex-gerente, era o termo usado para "o pagamento de propina no âmbito da Petrobras, especificamente para o diretor de Serviços Renato Duque e Roberto Gonçalves, o qual substituiu o declarante na gerência executiva da Área de Engenharia".
A "Casa 2" referia-se "ao pagamento de propinas no âmbito da Sete Brasil, especificamente para o declarante, João Carlos de Medeiros Ferraz, presidente da empresa e, posteriormente, também houve a inclusão de Eduardo Musa, diretor de participações da empresa".
Durante o depoimento, Barusco entregou à força-tarefa da Lava Jato uma série de documentos que, segundo ele, comprovam os pagamentos realizados pelos estaleiros para contas bancárias localizadas na Suíça e sob controle de diversos operadores do esquema, incluindo Renato Duque, ex-diretor de Serviços indicado pelo PT e que teve recentemente a prisão relaxada por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), em habeas corpus.
Barusco disse que um dos pagamentos foi de US$ 2,1 milhões do estaleiro Jurong para Renato Duque, na Suíça.
Até março de 2013, segundo Barusco, João Vaccari já havia recebido um total de US$ 4,52 milhões do estaleiro Kepell Fels. Vaccari era identificado numa tabela de pagamento de valores pela sigla de "Moch", que significava "mochila", "uma vez que o declarante quase sempre presenciava João Vaccari Neto usando uma mochila".
Ele apntou ainda Milton Pascowitch como operador da Engevix no esquema. Ele foi levado nesta quinta-feira (5) à Polícia Federal para ser ouvido sobre movimentações de dinheirono exterior.
As tabelas com as inscrições foram entregues por Barusco à Polícia Federal.

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30