xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 02/01/2015 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

02 janeiro 2015

Conflito de terra - Por: Emerson Monteiro

Isso de lembrar apresenta aspectos por vezes misteriosos. Numas horas, de manhã bem cedo, acordo querendo rever cenas de sonho da noite e, quanto mais pretendo, parece que as lembranças criam asas, fugindo quais fumaças no tempo infinito. Noutras, sem imaginar situações do distante passado, elas afloram com tamanha intensidade que chegam a impor ao pensamento histórias esquecidas de longa data, fincando garras e impondo condições, a ponto de prevalecer sobre preocupações contemporâneas.

Há coisa de cinco ou seis dias, cresceu nas vistas de minha recordação momento desses, de época em que, menino, vivi com meus pais nas terras dos meus avôs, em Lavras da Mangabeira.

No alpendre defronte à casa grande, observava movimento de homens a retirar do quarto das selas os arreios de dezena de burros e cavalos. Percebia algo de incomum nas atitudes, porquanto, além de esteiras, cabeçadas, selas, ferragens, via balas, cartucheiras, bornais, revólveres e rifles.

O patrão e seus comandados falavam baixo apenas necessárias palavras. Ainda assim, consegui compreender o que se dava. Nas extremas das terras, ao lado poente, depois do Riacho do Meio, vizinhos deslocaram os marcos divisórios e invadiam posições, motivo da apreensão manifestada.

Ao som de esporas, relhos, ordens e gritos aos animais, seguiram enfileirados, na direção do confronto. À frente, austero, de chapéu de massa escuro quebrado na testa, o coronel levava junto consigo fiéis caboclos. Cruzaram o brejo de cana, depois do estalar da cancela na cerca pegada ao engenho. De longe, ainda se ouvia o tropel da solene procissão, armas da religião arcaica da violência.

Abraçado em um dos balaústres da varanda, apreensivo, presenciara o desenrolar tardio daqueles costumes do desforço físico, testemunha inútil do que, por sorte, redundou numa solução negociada.

No mesmo período, a fazenda possuía vida própria. O sertão lhe permitia a mínima sobrevivência, no estrito penhor da gleba mantida a ferro e fogo, mundo feudal de antanho.

Por si, o quadro enfeixou nas lembranças, mostra do jeito humana de funcionar, guardiões que somos de carcomidos mundos sociais, psicológicos, físicos, urbanos, rurais, sentimentais, nas fronteiras tênues entre realidade e imaginação.

Era a veemência com que laboravam os fantasmas do drama de possuir de corpo e alma bens só transitórios largados depois lá onde permaneceram só no passado, a servir de medida ao volume das ilusões perdidas. Terras que logo  se desvalorizariam. Agregados, senhor, vizinhos, famílias, habitantes de paragens longínquas. Conflitos, no entanto, que prosseguem pelo caminho dessa gente: Palestina, Macedônia, Coréia, Colômbia, Irlanda, Paquistão, Ucrânia, Afeganistão, Iraque, etc.

Tudo algo que reclama mudanças de procedimento nas raias quentes do sonhado coração, todavia lições ainda pouco aprendidas, de pequenos a maiorais, nas lutas da liberdade verdadeira...

Professores de Crato e Juazeiro do Norte entram 2015 sem dinheiro no bolso e na conta. Será que foi combinado?

Sem-dinheiro

Educadores do Crato e Juazeiro do Norte querem saber se houve combinação entre os prefeitos das duas cidades. É que os professores dos dois maiores municípios da Região do Cariri entraram 2015 sem dinheiro no bolso e nem na conta. Até a manhã desta sexta-feira (2), os professores não tinham recebido seus vencimentos relativo ao mês de dezembro 2014.
Em Juazeiro do Norte, a situação é ainda mais crítica, pois não só os professores. Prestadores, Educação e Desenvolvimento Social estão desde setembro seu seus salários, incluindo aí o décimo-terceiro.
No início da semana, o empresário Émerson Maranhão, dono da Contrate, desmentiu o prefeito Raimundo Macedo, que teria anunciado em seu programa "Balanço Geral" - não sei de quê? na sua emissora de rádio (Vale FM), que já teria depositado na contrate o pagamento dos servidores terceirizados.
No Crato, o sindicato dos professores dizem que não há motivos para atraso, pois o repasse do Fundeb está em dia.

Flavio Pinto News

Presidente toma posse na calçada da Câmara

solenidadenacalcada

A solenidade ocorreu na calçada, porque a ex-presidente teria se recusado a entregar a chave do prédio

Uma situação inusitada foi registrada na primeira manhã de 2015 em Ibaretama, no Sertão Central. A cerimônia de posse da presidente da Câmara Municipal, Elis Regina Nogueira da Silva, ocorreu na calçada. A vereadora foi eleita no dia 30 de dezembro passado, pela maioria dos vereadores, para presidir a Câmara no biênio 2015/2016.

Segundo Elis Regina, a solenidade ocorreu na calçada da Câmara porque a sua adversária, apesar de colega de partido, Tereza Carla de Freitas, mais conhecida como Carlinha do Hospital, não reconheceu a sua vitória e por esse motivo não entregou as chaves do prédio. Na sessão do dia 30, Carlinha do Hospital disse ser a candidata oficial de seu partido (PSD) e marcou uma nova votação para 9 de janeiro, mas cinco dos 9 vereadores discordam da postura dela.

Como não houve tempo para requisitar por meio da Justiça as providências legais, Elis Regina decidiu assumir o cargo no meio do povo. O Diário do Nordeste tentou contato com Carlinha do Hospital, mas não foi possível localizá-la.

diario do nordeste

Principal “calo” na gestão de Cid Gomes, Segurança será prioridade no Governo Camilo

camiloposse1
Delci Teixeira, gesto da pasta, está disposto a abrir diálogo com todos que compõe a pasta. Ele ainda não checou os conflitos existente na polícia, que envolve o deputado Capitão Wagner

Camilo Santana escolheu um nome técnico, longe da política, para gerir a pasta de segurança (FOTO: Reprodução Facebook)
Um dia após se empossado, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), continua em Brasília. Nesta sexta-feira (2), ele acompanha a agenda do ministro da educação, Cid Gomes, somente retornando a Fortaleza no fim da tarde. Na segunda-feira (5), está marcada a primeira reunião com todo secretariado.

Ainda durante a cerimônia de posse, na quinta-feira (1º), Camilo ressaltou que uma das áreas prioritárias de seu governo será a de segurança pública. “Tenho como uma das minhas principais metas reduzir os índices de violência no Estado. Vou trazer essa questão para mim”. Para isso, ele conta com a ajuda do novo secretário da pasta, Delci Teixeira, que fez parte do Ministério da Justiça.

Em entrevista ao Tribuna do Ceará, Delci Teixeira informou que já se reuniu com seu antecessor Servilho Paiva. “Em princípio não haverá mudanças até que eu possa conhecer a todos. A mudança é minha vontade de trabalhar, de formar equipes e ouvir essas pessoas”.

Em sua gestão, o secretário enfatiza que estará aberto ao diálogo com todos que compõe o órgão, deixando sempre a “porta aberta”. Além disso, ressaltou que tomou conhecimento dos conflitos dentro da polícia, principalmente por conta da liderança do deputado estadual eleito com maior número de votos na última eleição, Capitão Wagner (PR). Sobre o ex-militar, Teixeira apenas salientou que não examinou o caso, mas que certamente irá checar a situação.


Secretariado

Já o deputado federal José Guimarães (PT) enfatizou que Camilo é uma liderança nova no Ceará e rapidamente se projeta. Além disso, ressaltou que o primeiro governador petista era garantir espaço estratégico para o partido. “Claro que o Camilo tinha que atender o conjunto dos partidos, mas é importante a participação do PT em áreas fundamentais. O secretariado do Camilo foi na medida”.

Expectativas

Durante a posse, o prefeito Roberto Cláudio (Pros) declarou que as duas áreas que atuará em conjunto com o governo são: saúde e segurança. A expectativa é de a gestão municipal continue tendo a mesma comunicação que já mantinha com a gestão estadual.

Detran-CE adia início de multas por falta de extintor ABC para fevereiro


Resolução foi adotada devido à falta do produto nos estabelecimentos.
Multa não será aplicada apenas em locais onde o Detran-CE tem gerência.

extintorTroca do extintor BC pelo ABC é obrigatório por lei (Foto: Reprodução/TV Tem)Troca do extintor BC pelo ABC é obrigatório por lei
(Foto: Reprodução/TV Tem)

O Departamento Estadual de Trânsito doCeará (Detran-CE) fará fiscalização apenas educativa sobre a presença de extintores do tipo ABC nos veículos. Os agentes do Detran vão orientar os motoristas sobre a importância do novo equipamento, obrigatório nos veículos desde 1º de janeiro, mas não haverá multa. Outras irregularidades vão gerar multas normalmente.

A resolução do Detran foi definida nesta segunda-feira (2) devido à falta do produto nos estabelecimentos do Ceará e de outros estados brasileiros. Segundo o departamento, centenas de motoristas reclamaram sobre a falta do extintor, o que levou ao Detran adiar o período de multa pela ausência do item.

Até a manhã desta sexta-feira, o Detran mantinha a posição de que iria iniciar a fiscalizar e multa motoristas sem o extintores atualizados.

 

A fiscalização educativa deve ocorrer até fevereiro deste ano, período em que o comércio deve renovar o estoque dos novos extintores.

O Detran alerta que a resolução vale apenas para rodovias estaduais e locais que órgão tem gerência. Nas rodovias federais, por exemplo, a fiscalização é feita Polícia Rodoviária Federal, que pode efetuar as multas em caso de ausência dos extintores do tipo ABC.

A lei entrou em vigor neste dia 1º de janeiro de 2015 e todos os carros precisam estar equipados com o extintor ABC. Quem for pego sem o equipamento está sujeito a multa de R$ 127 e leva cinco pontos na carteira de habilitação.

Motoristas que têm carros fabricados até 2004 têm que se adequar. O novo extintor da categoria ABC tem a validade de cinco anos e não pode ser recarregado. Com ele é possível apagar incêndios em todos os tipos de material. Já o mais antigo, modelo BC, usado até hoje, não tem a mesma eficiência.

Do G1 CE

Ceará foi o estado que mais disponibilizou grãos a preços subsidiados

MILHO

O Ceará foi o estado que mais disponibilizou milho em grãos a preços subsidiados aos pequenos criadores e produtores rurais, de janeiro a dezembro de 2014.
O resultado abrange todos os estados da região coberta pela Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) atingidos pela seca.
Foram comercializadas cerca de 51,5 mil toneladas do produto, por meio do Programa de Vendas em Balcão Especial, totalizando mais de 42 mil atendimentos aos agricultores.
O segundo estado com maior comercialização de milho para o programa foi o Piauí, com aproximadamente 32,7 mil toneladas vendidas em 2014, seguido do Rio Grande do Norte, com cerca de 32,5 mil toneladas. As informações são do Setor de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento (Sepab), da Conab no Ceará.
O programa funciona como uma espécie de venda controlada, em que os preços dos produtos, quantidade a ser vendida e o perfil dos compradores, no caso, criadores e agroindústrias de pequeno porte, são preestabelecidos pelo governo federal. Entre os produtos negociados estão arroz, milho, feijão, trigo e castanha.

Redação O POVO Online

Delegação chinesa quer fortalecer relações com o Ceará

Nicolle-Barbosa-recebe-comitiva-chinesa-020115

No dia seguinte após sua posse no Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), que em breve será transformada em Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), a nova presidente Nicolle Barbosa já iniciou seus trabalhos e nesta sexta-feira, 02, conheceu a estrutura do Cede e da vinculada Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece). Nicolle recebeu ainda hoje uma delegação da China que veio ao Ceará com o intuito de estreitar laços e fortalecer relações comerciais e de cooperação.

Na ocasião, o Presidente da Adece, Roberto Smith fez uma apresentação sobre a realidade socioeconômica do estado. Foram elencados os principais investimentos realizados pelo Governo, como ações em infraestrutura, educação, logística e recursos hídricos. A localização privilegiada do Ceará e os grandes empreendimentos atraídos nos últimos anos foram destacados.

Chen Hua, membro permanente do Partido Comunista da China (autoridade local) na província de Fujian fez uma apresentação e destacou a parceria entre seu território e o estado cearense, que mantém um Protocolo de Amizade desde 2001. Dentre as principais potencialidades econômicas da região estão investimentos no setor têxtil, autopeças, pescados, equipamentos digitais e na área de mineração. Em 2014, os investimentos de Fujian no exterior quadruplicaram, num esforço do governo chinês de estimular o intercâmbio comercial e econômico de suas províncias.

Nicolle Barbosa agradeceu a visita da Delegação e enfatizou a importância da relação com a China, principalmente pelo alto grau de crescimento do país nos últimos anos. Identificando-se como oriunda do setor privado e pela primeira vez enfrentando o desafio de gestão num órgão público, Nicolle destacou que pretende implementar celeridade nas ações e oferecer no estado o ambiente necessário para o desenvolvimento de negócios e fortalecimento das relações de comércio exterior. Dentre os encaminhamentos do encontro está a retomada de relações para fortalecer as parcerias entre o Ceará e a localidade asiática.

Fujian é uma província com cerca de 36 milhões de habitantes, num território de 121 mil quilômetros quadrados, localizada no leste do país, sendo banhada parcialmente pelo mar da China. Também participaram da reunião o Cônsul-Geral da China em Recife, Wang Xian, o ex-presidente do Cede, Gotardo Gurgel, o diretor de atração de investimentos da Adece, Cláudio Frota, o economista Cláudio Ferreira Lima, o empresário, Marcus Vinicius Saraiva, além de técnicos da comitiva chinesa.

cearaagora.com.br

Novo ministro da CGU diz que será implacável com a corrupção

valdirsimoes
Valdir Moysés Simão disse que vai lutar pela regulamentação da Lei Anticorrupção (12.846/13) e espera fechar ainda em janeiro o projeto
O novo ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Valdir Moysés Simão, prometeu que o órgão será “implacável” no combate à corrupção. Ao receber nesta sexta-feira o cargo do ex-ministro Jorge Hage, o novo chefe da CGU disse que “transparência” será a palavra de ordem do órgão responsável pela defesa do patrimônio público e pelo combate à corrupção.

“É tarefa da CGU ser implacável com aqueles que não andarem na linha. Se por um lado haverá mão que orienta, por outro, haverá mão que julga e pune com rigor os desvios. Como disse a presidenta Dilma [Rousseff] ontem, a corrupção deve ser extirpada da sociedade. Temos que punir, sem trégua, a corrupção, que rouba o poder legítimo do povo; a corrupção que ofende e humilha os trabalhadores, as empresas e os brasileiros honestos e de bem”, afirmou.

Simão disse que vai lutar pela regulamentação da Lei Anticorrupção (12.846/13) e espera fechar ainda em janeiro o projeto, para depois submetê-lo à presidenta Dilma. “A Lei já é autoaplicável; o decreto é importante para as questões operacionais e para garantir simetria nos processos de responsabilização em cada um dos órgãos. São os últimos detalhes que estamos ajustando. É uma regulamentação complexa e tem muito a ver com a dosimetria das penas”, disse.

Ao comentar, com jornalistas, sobre os casos de corrupção envolvendo a Petrobras, Simão defendeu a necessidade de as empresas públicas e os órgãos do governo criarem estruturas de governança voltadas para a prevenção da prática.

“É um trabalho de médio prazo, e eu tenho certeza que tem muito a se fazer do ponto de vista da governança e de ampliação do controle das empresas. Existem medidas no campo legal, mas também no campo operacional, medidas de controle, de investimento em estruturas e tecnologia, de troca de informações com a CGU e com os demais órgãos de controle que vão trazer mais transparência”, afirmou.

Ao tratar da possibilidade de restrição orçamentária, em razão das medidas de austeridade que o governo anunciou, Simão disse que pretende “fazer mais com menos”. “Nós vamos enfrentar um período de ajuste, e todo o governo tem que contribuir. Eu acredito que é possível evoluirmos e ter critérios de atuação que utilizem a tecnologia e facilitem nosso trabalho”, defendeu Simão. Ele acrescentou que em hipótese alguma haverá retrocesso no alcance da atuação da CGU em 2015.
publicidade

Tanto Simão quanto Hage citaram o Portal da Transparência como um exemplo de uso das tecnologias de informação para auxiliar o controle das contas públicas. Simão, em particular, disse que irá intensificar o uso das tecnologias de informação para incrementar a atuação da CGU. Valdir Simão é auditor de carreira da Receita Federal e exerce, desde o início de fevereiro deste ano, o cargo de secretário executivo da Casa Civil.

Agência Brasil

Governo proporá aumento do salário mínimo acima da inflação até 2019


Informação foi dada pelo novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.
Proposta para formato de correção do mínimo sai nos próximos meses, diz.

 

nelson3034

Novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa abraça sua antecessora, Miriam Belchior, ao receber o cargo em Brasília nesta sexta-feira (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, declarou que o governo proporá que o salário mínimo continue tendo aumento real, ou seja, acima da inflação, entre 2016 e 2019. O atual formato de correção do mínimo vai somente até 2015. Barbosa assumiu o cargo nesta sexta-feira (2), no lugar de Miriam Belchior, em cerimônia em Brasília.

"Vamos enviar ao Congresso no momento oportuno [uma proposta para o formato de correção do salário mínimo nos próximos anos]. Vamos propor uma nova regra para 2016 a 2019 nos próximos meses. Continuará a haver aumento real do salário mínimo", declarou Barbosa a jornalistas.
O atual formato de correção do salário mínimo contempla a variação da inflação do ano anterior, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior, mais o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.
Salário mínimo em 2015
Decreto presidencial publicado na última terça-feira (30) no "Diário Oficial da União" reajusta o salário mínimo para R$ 788 a partir do dia 1º de janeiro de 2015. O novo valor representa reajuste de 8,8% sobre o salário mínimo atual, de R$ 724. De acordo com o decreto, o valor diário do salário mínimo corresponderá a R$ 26,27 e o valor horário, a R$ 3,58.
Em agosto, quando foi apresentado o Projeto de Lei Orçamentária elaborado pelo governo, o salário mínimo determinado era de R$ 788,06. Segundo a assessoria do Ministério do Planejamento informou na ocasião, o impacto do aumento do salário mínimo nas contas públicas, com o pagamento de benefícios, seria de R$ 22 bilhões em 2015.
Ajustes nas contas públicas
O novo ministro do Planejamento afirmou, em seu discurso na cerimônia de transmissão de cargo, na manhã desta sexta-feira, que a política fiscal teve papel importante de absorver choques econômicos "via redução temporária de nosso resultado primário", mas acrescentou que ela já "cumpriu o papel que lhe foi posto e atingiu seu limite".
"Agora, iniciamos uma nova fase de nosso desenvolvimento. Uma fase na qual é necessário recuperar o crescimento da economia, com elevação gradual do resultado primário e redução da inflação. Para atingir estes objetivos serão necessários alguns ajustes na política econômica. Ajustes, que, apesar de seus eventuais impactos restritivos no curto prazo, são necessários para recuperar o crescimento nos próximos quatro anos", declarou ele.
Barbosa acrescentou, porém, que os ajustes que serão implementados "nunca são um fim em si mesmos". "Ajustes são medidas necessárias para a recuperação do crescimento da economia, que por sua vez é condição indispensável para continuar nosso projeto de desenvolvimento econômico", afirmou.
Medidas já anunciadas e objetivos do governo
O governo já anunciou, nas últimas semanas, medidas para tentar reequilibrar as contas públicas. De janeiro a novembro, as contas do setor público registraram um déficit primário – receitas ficaram abaixo das despesas, mesmo sem contar juros da dívida – de R$ 19,64 bilhões, segundo números divulgados pelo BC.
Foi a primeira vez desde o início da série histórica do BC (em 2002 para anos fechados), que as contas do setor público registraram um déficit nos 11 primeiros meses de um ano. Até o momento, o pior resultado, para este período, havia sido registrado em 2002 (superávit de R$ 53,73 bilhões).
Recentemente, o ministro indicado da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou a recomposição do chamado superávit primário (economia para pagar juros da dívida pública) para 1,2% do PIB em 2015 e para, ao menos, 2% do PIB em 2016 e 2017. O esforço fiscal prometido para 2015 é de R$ 66,3 bilhões, dos quais R$ 55,3 bilhões referem-se à parcela do governo.
Para ajustar as contas públicas no próximo ano, e registrar o superávit primário prometido, economistas avaliaram que o governo federal poderá elevar tributos e cortar benefícios.
Nesta semana, foi confirmado o aumento do IPI de carros, que já está valendo, assim como mudanças de regras na concessão do seguro-desemprego, abono salarial, pensões por morte e auxílio-doença, medidas que vão justamente nessa direção.
As mudanças no seguro-desemprego, no seguro-defeso, pensões por morte e auxílio-doença, vão significar uma economia de R$ 18 bilhões por ano para o governo a partir de 2015, informou nesta segunda-feira (29) Nelson Barbosa, indicado pela presidente Dilma Rousseff para ser ministro do Planejamento no segundo mandato.
Além disso, o governo também subiu a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que serve de referência para empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e subiu os juros de linhas de crédito do banco estatal para o setor produtivo - nas linhas de crédito do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Essas medidas contribuem para diminuir o valor dos subsídios em 2015.
Orçamento de 2015 e investimentos
O novo ministro do Planejamento e Orçamento avaliou que "atrapalha um pouco" começar o ano de 2015 sem orçamento aprovado pelo Congresso Nacional.
"Para esse tipo de eventualidade, com aprovação da LDO, podemos trabalhar com os duodécimos [1/12 dos gastos previstos podem ser feitos mensalmente]. Vamos trabalhar com essas autorizações até que o Congresso aprove o orçamento. É sempre bom ter o orçamento. Espero que o congresso aprove na volta dos trabalhos", declarou Barbosa.
Ele avaliou ainda que, aumentando a confiança dos investidores na economia brasileira, principalmente na retomada do crescimento, haverá uma melhora no ambiente de confiança e, consequentemente, dos investimentos na economia.
"Investimento depende de receita esperada e de rentabilidade esperada. Nós estamos adotando várias medidas que, ao recuperar a capacidade de o governo produzir resultados primários recorrentes, reduzindo a inflação, isso melhora o ambiente de confiança, principalmente de que a economia vai crescer mais rapidamente", explicou Barbosa.
Agenda de infraestrutura
Nelson Barbosa declarou ainda que se somará, ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), ao Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) e às Parcerias Público Privadas (PPP), a coordenação do Programa de Investimento em Logística (PIL) - como forma de estimular o investimento de longo prazo.
"Avançamos muito nos últimos anos, mas ainda temos muito a fazer na área de infraestrutura. Precisamos aumentar nossa produtividade, sobretudo em um contexto de competição internacional cada vez mais acirrada, que nos impõe pressa e eficiência. Mas a nossa carência de infraestrutura não é justificativa para fazer investimentos a qualquer preço", disse ele, durante cerimônia de transmissão de cargo.
Segundo o ministro, o desafio é avaliar e viabilizar os projetos de investimento de forma justa, com foco em sua eficácia e eficiência. "O equilíbrio entre esses dois polos, entre a urgência do investimento e o custo e qualidade dos projetos, é o maior desafio que se coloca ao governo, não só ao executivo, mas também a todo sistema de supervisão e controle do Estado brasileiro", disse.
Acrescentou que o governo buscará soluções que agilizem a realização e reduzam custos dos projetos de infraestrutura, aumentando a participação privada no seu financiamento. "Ao mesmo tempo, fortaleceremos a transparência e os instrumentos de controle. Para isso contamos com a parceria do TCU e com o aperfeiçoamento nos marcos legais de compras governamentais, regulação e licenciamento", concluiu.

G1

Abastecimento de energia em 2014 está garantido, diz o ONS

 

 

eletricidade2Brasília - O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, reiterou que o abastecimento de energia está garantido neste ano.

Segundo ele, se chover 70% da média esperada nos próximos três meses, os reservatórios das usinas hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste devem atingir um nível de 33% em abril.

Com essa quantidade de água armazenada, os reservatórios poderiam atravessar o período seco e chegar a um nível de 10% em novembro, suficiente para assegurar o suprimento de energia elétrica no País este ano.

Anne Warth, doEstadão Conteúdo

Índice abre 2015 baixo, com dúvidas sobre economia

 

economiaDilma em cerimônia de posse: "Não há disposição em se aumentar o investimento em ações no Brasil enquanto não se retomar a confiança", disse o analista Marco Aurelio Barbosa

Paula Arend Laier, daREUTERS

São Paulo - A Bovespa abriu 2015 com fortes perdas e giro reduzido, um dia após a presidente Dilma Rousseff tomar posse de seu segundo mandato, em meio à desconfiança do mercado antes do anúncio de medidas visando os amplamente aguardados ajustes na economia.

O quadro externo pouco ajudou, com dados de dezembro confirmando no feriado do Ano Novo a fraqueza na atividade industrial na China, enquanto indicadores na zona do euro e nos Estados Unidos apresentaram desaceleração da indústria.

O Ibovespa caiu 2,99%, a 48.512 pontos. O volume financeiro do pregão somou 5,3 bilhões de reais.

"Não há disposição em se aumentar o investimento em ações no Brasil enquanto não se retomar a confiança", disse o analista Marco Aurelio Barbosa, da CM Capital Markets.

"Não estou falando isso pelo movimento desta sexta-feira, porque com o volume reduzido não se pode assumir tendência. Mas a equipe econômica precisa começar a entregar resultado para que a confiança seja retomada aos poucos e os investidores se animem a voltar para o mercado", afirmou.

Na véspera, em seu discurso de posse, a presidente Dilma afirmou que a retomada do crescimento econômico do país passa pelo ajuste das contas públicas e que a corrupção precisa ser extirpada.

O ex-diretor do Banco Central Mario Mesquita, que comanda a área de economia do Banco Brasil Plural, avaliou que a fala de Dilma foi "econômica em autocrítica e generosa em promessas difíceis de cumprir, como um ajuste fiscal indolor".

"Foi, em um sentido amplo, consistente com a aparente mudança para uma nova política econômica mais próxima do mercado, mas com o habitual viés estatizante-nacionalista", disse Mesquita, em nota a clientes nesta sexta-feira.

Em Brasília, nesta manhã, o novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse que agora são necessários ajustes para a retomada do crescimento.

Os papéis da Petrobras, quem têm sinalizado o sentimento de agentes financeiros quanto ao novo governo, enquanto a companhia atravessa um gigante escândalo de corrupção, ficaram entre os principais destaques de baixas, com as preferenciais caindo 6,59%.

A queda do petróleo no exterior corroborou o viés de baixa para os papéis da estatal.

O setor financeiro também pressionou, com destaque para Banco do Brasil, caindo 4,71%. O Banco Central aprovou a parceria do banco com a empresa de cartões Cielo, mas proibiu o BB de lançar no balanço o impacto financeiro positivo de cerca de 3,2 bilhões de reais com a operação.

Ações do setor de educação também foram destaques negativos, em meio a mudanças nas regras do programa de financiamento ao ensino superior Fies, com Estácio e Kroton caindo 7,43 e 4,52%, respectivamente.

Os papéis da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) chegaram a liderar as poucas altas do índice, mas reverteram e fecharam em queda de 6,15%.

A empresa divulgou após o fechamento do último pregão de 2014, que seu conselho de administração renovou programa de recompra, com até 34,6 milhões de ações, que vai durar até 31 de março de 2015.

"Entendemos que o mais prudente para a companhia seria focar na melhora de alavancagem nesse momento", afirmou o BTG Pactual em nota a clientes. "Não apostamos que recompra seja totalmente executada", acrescentou.

O primeiro pregão de 2015 ainda incluiu o rebalanceamento do Ibovespa. A terceira prévia da carteira que vai vigorar de 5 janeiro a 30 abril confirmou a exclusão de Rossi Residencial , da Cosan Log e da Eletropaulo. Ao mesmo tempo foi confirmada a entrada de Multiplan.

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Luta contra Ebola continua dura, mas pode ser vencida neste ano, diz ONU

Ebola-story

ACCRA (Reuters) - O mundo pode acabar com o surto de Ebola na África Ocidental até o fim deste ano, mas meses de trabalho árduo devem continuar, disse o coordenador da missão contra o Ebola da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira.

O surto, primeiramente identificado no sul remoto da Guiné no início de 2014, afetou seis países da África Ocidental, com Guiné, Serra Leoa e Libéria arcando com o peso das 20 mil infecções e aproximadamente 8 mil mortes.

Enfrentando críticas de que o mundo não estava fazendo o suficiente, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, estabeleceu a missão Resposta de Emergência ao Ebola (UNMEER, na sigla em inglês) em setembro para coordenar esforços globais.

"Nós não chegamos nem perto de acabar com a crise. Fizemos muito em 90 dias em uma resposta muito bem-sucedida, mas temos um caminho longo e difícil para percorrer", disse Anthony Banbury a jornalistas em Accra, onde a missão da ONU está baseada.

"Vai continuar não apenas por algumas semanas, porém mais alguns meses. Mas acredito que conseguiremos em 2015 e conseguiremos isso trabalhando de perto não apenas com os governos dos países, mas com as comunidades", disse ele.

Banbury será substituído pelo oficial veterano humanitário Ould Cheikh Ahmed, da Mauritânia, no sábado.

(Reportagem de Kwasi Kpodo)

Reuters

Crescendo igual a rabo de cavalo: Brasil deve perder para a Índia o 7º lugar entre as maiores economias


(Fonte: jornal “Folha de S.Paulo”, 02-01-2015)

O fraco crescimento do Brasil deverá fazer o país perder o posto de sétima maior economia do mundo para a Índia já em 2015. A previsão é da consultoria britânica EIU (Economist Intelligence Unit). Segundo a EIU, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro deverá somar US$ 2,12 trilhões em termos nominais neste ano, ante US$ 2,48 trilhões da Índia, que também deixará para trás a Itália, hoje a oitava maior economia.
A tendência já era antevista por economistas para algum momento desta década por causa das altas taxas de expansão do país asiático. O cenário de persistente fraco crescimento do Brasil e recuperação da economia indiana depois de percalços nos últimos anos contribui para a possível materialização da projeção em 2015.
O PIB brasileiro se expandiu a modestos 2% ao ano desde 2011, cerca de metade da taxa média que era projetada para o país em meados da década passada. A Índia também desacelerou. O crescimento do país, que atingiu dois dígitos em 2010, chegou a cair para 4,7% dois anos depois. Mas, em 2014, a economia indiana ensaiou uma recuperação, ao contrário da brasileira, que deve ter ficado praticamente estagnada.
Neste ano, a expectativa é de nova aceleração na Índia –a EIU projeta alta de 6,5%, ante 6% em 2014– e outro ano de expansão fraca no Brasil, inferior a 1%. Mudanças de posição no ranking das maiores economias do mundo não são incomuns e, às vezes, provam-se insustentáveis. O Brasil chegou a desbancar o Reino Unido e alcançar a sexta posição em 2011, para recuar, novamente, em 2012. A ascensão da Índia, porém, tende a ser definitiva devido à expansão demográfica e à urbanização, que favorecem altas taxas de expansão no país asiático.

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30