xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Uso da pimenta e nim combate praga | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

09 outubro 2015

Uso da pimenta e nim combate praga

nim

Iguatu. O uso de uma solução à base de extrato de pimenta e folhas de nim vem dando resultados positivos para produtores rurais deste município, na região Centro-Sul do Ceará. A fórmula natural combate o psilídeo, praga que ataca o cultivo de goiaba, uma das principais frutas produzidas na região.

O resultado da experiência reflete na melhoria da produção dos frutos, reduzindo despesas dos fruticultores e melhorando a renda na agricultura familiar. Na atual década houve um aumento no cultivo de goiaba em Iguatu, Jucás e Cariús. O mercado é favorável. A demanda é crescente. O fruto é saboroso, com boa aceitação entre os consumidores e também para a indústria de polpa e doces.

A facilidade de comercialização motivou produtores rurais locais investirem na produção irrigada do fruto, ampliando áreas. No sítio Varzinha, zona rural deste município, o cultivo de goiaba é feito em uma área de quatro hectares, onde estão plantados mais de dois mil pés da variedade palluma, fruta vistosa, bastante saborosa e bem aceita no mercado.

O aumento da produção resultou do ataque a pragas. A principal delas é o psilídeo. Um inseto pequeno, mas capaz de gerar muitos prejuízos, e se não cuidado em tempo pode devastar toda a plantação. De acordo com o produtor rural e técnico agrícola, Venâncio Vieira, o manejo teve suas consequências. A poda feita na planta, visando manter e ampliar a produção ao longo do ano, tem sido apontada como fator principal no aumento da infestação do psilídeo. Os insetos eliminam substâncias que acatam as folhas quando estão brotando. "É fácil identificar o ataque do inseto ao plantio. As folhas vão ficando enrugadas e se enrolando. Ficando roxa, com o aspecto de couve-flor".

Facilidade

Depois de experiências sobre o combate à praga, Venâncio Vieira e o técnico Welber Cristovam resolveram fazer o experimento de duas substâncias simples: as folhas de nim indiano e pimenta da variedade malagueta. A receita é simples e fácil de ser feita.

Há também uma alternativa apresentada pelo técnico quando utiliza os mesmo produtos já prontos, o extrato de pimenta (molho) e óleo de nim que pode ser adquirido em lojas de produtos agrícolas. A receita leva na mistura 100 ml de extrato de pimenta e 100 ml de óleo extraído da folha do nim. Tudo é colocado no pulverizador e acrescentado de 15 a 20 litros de água, dependendo do tamanho do aparelho. Está pronto para ser aplicado diretamente no plantio. Durante a aplicação, é necessário o uso de equipamentos de segurança, devido ao forte efeito de ardência da pimenta.

Resultados

Apesar da eficácia, não há comprovação científica, mas os resultados são surpreendentes. A ação é praticamente imediata após a aplicação, porque as substâncias têm dois princípios ativos, a piperina presente na pimenta que causa a ardência e azadirachtina, presente no nim que é repelente.

O produtor Leo Costa já estava desanimado pelo ataque em seu plantio e chegou a fazer uma aplicação de inseticida por semana nas goiabeiras, mas a praga ganhava cada vez mais resistência. "Depois que a gente passou a usar o nim com a pimenta, a infestação foi praticamente erradicada do plantio", disse. "Além do custo financeiro que é baixo existe a proteção ambiental".

O produtor deixou de aplicar agrotóxico, substituindo por produto orgânico. "Conseguimos bons resultados", reafirma Costa. Depois do uso do produto, o psilídeo praticamante não é mais visto na área de produção. Com isso, as plantas e frutas estão se desenvolvendo bem.

Leo Costa relata que normalmente realizava a pulverização em alto volume com produtos tóxicos, mas sempre a infestação permanecia no plantio. Os inseticidas não surtiam os efeitos esperados. "Os resultados estão surpreendendo os produtores", ressalta Vieira. O uso abusivo de agrotóxico ocorre em muitas plantações. "Pode ser substituído por produtos naturais", disse Vieira. "Os frutos ficam sadios e podem ser consumidos no campo". Costa contou que gastava R$ 11 mil por ano em inseticida.

|Diario do Nordeste - Regional

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30