xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Peixes mais consumidos estão sumindo do mar cearense a cada ano | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

04 setembro 2015

Peixes mais consumidos estão sumindo do mar cearense a cada ano

 

pescadorgaiolaFortaleza. É mais comum se dizer que "o mar não está para peixe" na expressão de que algo não vai bem, uma analogia das dificuldades básicas sobre qualquer assunto. Falta dizer que as águas marítimas não estão para peixe mesmo, sem metáforas, por conta da pesca indiscriminada. Em outras palavras, a forte concentração de pesca de mais de dez espécies, sem importar o tamanho ou a idade, está aproximando os peixes mais consumidos do desaparecimento no mar do Ceará.

Pargo, cioba, ariacó, dentão, guaíba, sirigado, robalo, badejo, serra, cavala, lagosta, pescadas amarela e branca estão sob forte risco de irem menos para a mesa do cearense. Até não irem mais.

A pesca de animais que ainda não chegaram à fase de reprodução é um dos principais problemas apontados em relatório do Centro de Desenvolvimento de Pesca Sustentável do Brasil (Cedepesca).

A Organização Não Governamental reuniu dados como o tempo de maturação de cada espécie e a forma e quantidade com que tem sido pescada, comprada e consumida no Estado do Ceará.

Classificação de risco

Com risco estão pescadas amarela e branca, pargo, cioba, ariacó, dentão, guaiuba, sirigado, robalo, badejo, serra, cavala e lagosta; atum tem risco médio e carangueijo, somente, sob risco baixo. "As espécies mais populares na mesa dos cearenses encontram-se em risco de uma exploração não sustentável", afirma o estudo da Cedepesca.

Muito antes, e com palavras simples, esse problema é sentido nos pescadores de comunidades como Redonda, em Icapuí. Vão na madrugada para o mar e muitas vezes só trazem a lagosta que vale o almoço de um dia.

"Só quem é pescador sabe como é complicado você subir o manzuá e não ter uma lagosta", explica Tobias Sousa, da associação de pescadores de Redonda.

 

Defeso

"A lagosta, pelo menos, tem período de defeso e normas para o tamanho da captura, embora nem essa legislação seja cumprida", explica Vladila Oliveira, da Cedepesca. À lagosta se soma o pargo entre as espécies consumidas no Estado com período de defeso. Conforme o estudo, somente pargo, lagosta, caranguejo, robalo e badejo possuem tamanhos mínimos legais de captura determinados, medida que deve ser adotada para dar oportunidade as espécies de se reproduzirem pelo menos uma vez. O departamento de fiscalização do Ibama afirma contar com poucos funcionários para a fiscalização da lagosta e, quando consegue, é com uma embarcação que faz o principal trabalho de acompanhamento da atividade no mar do Ceará. Se o produto sujeito à fiscalização está à revelia, é ainda pior a situação dos pescados sem normativas.

Espécies

Mas pode ser ainda mais trágico: segundo os técnicos da Cedepesca, não existe pesquisa biológica sistemática sobre a situação dessas espécies.

Diario do Nordeste - Regional

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Outubro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31