xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Relator da ONU diz haver 'alto grau' de tortura a presos interrogados no Brasil | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

14 agosto 2015

Relator da ONU diz haver 'alto grau' de tortura a presos interrogados no Brasil


Juan Méndez visitou delegacias e prisões temporárias no Brasil por 12 dias.

relator-da-onu


Relator da ONU Juan Méndez concede entrevista coletiva (Foto: Gustavo Garcia/G1)

O relator especial do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Juan Méndez, afirmou nesta sexta-feira (14) que existe um “alto grau” de atos de tortura na interrogação de suspeitos detidos em delegacias brasileiras. O relator afirmou também que não há punição para torturadores no país.
Responsável por visitar localidades com denúncias de violação aos direitos humanos, o argentino Juan Méndez esteve no Brasil, durante 12 dias, visitando delegacias, prisões temporárias, penitenciárias e centros de detenção juvenil nos estados de São Paulo, Maranhão, Sergipe, Alagoas e Maranhão, além do Distrito Federal. As visitas às carceragens foram feitas de surpresa e ocorreram a pedido de entidades que atuam em defesa dos direitos humanos.
“Há um alto grau do uso da tortura na interrogação. Há um alto grau de impunidade pela tortura. Perguntamos em muitos estados sobre tortura e maus tratos nas cadeias, o número de casos levados à Justiça e o número de condenações por tortura. Em todos os estados, se havia casos, era possível contar nos dedos da mão, [havia] muitos poucos processos. Não vimos uma condenação sequer por tortura, nem por abuso de autoridade”, declarou Méndez.

O relatório final da passagem pelo sistema prisional será divulgado no prazo de até três meses. O documento solicitará do governo brasileiro o compromisso de implementar medidas contra a tortura com cobranças para a resolução de problemas de superlotação nos presídios.
“Verificamos uma séria situação carcerária, sobretudo, produzida pela superpopulação que, em alguns casos, excede em 300% a capacidade máxima das penitenciárias. Houve um aumento muito rápido no número de prisões, o qual fez colapsar todos os sistemas”, explicou o relator da ONU.

Redução da maioridade
O relator da ONU também afirmou que “preocupa” a possibilidade de a maioridade penal ser reduzida no Brasil porque, além de “violar uma regra do direito internacional” pode resultar num inchaço ainda maior no sistema prisional.
A proposta que trata do tema foi aprovada em primeiro turno na Câmara e deve ser votada em segundo turno na Casa na próxima semana. A PEC reduz a maioridade para homicídio doloso (com intenção de matar), lesão corporal seguida de morte e crimes hediondos, como o estupro.

“Nos preocupa a possibilidade da redução da maioridade penal para 16 anos. Por um lado, porque viola uma regra de direito internacional, por outro lado, porque vai resultar numa maior superpopulação e maiores problemas de tratamento de crianças de 16 a 18 anos. Verificamos a situação de crianças em conflito com a lei [....]. Ass medidas socioeducativas, especialmente nos centros socioeducativo de rapazes, não estão cumprindo a sua missão, pois não são muito diferentes das prisões de adultos”, comparou o relator da ONU.

Porte de drogas
Mendéz criticou, ainda, a falta de uma legislação que diferencie o usuário de drogas do traficante no Brasil. "Os juízes condenam por tráfico de drogas baseados em relatórios de policiais. Não há uma especificidade quanto a isso. 26% dos presidiários, no Brasil, foram presos por tráfico de drogas. Mas a pessoa pode estar portando drogas sem o interesse de traficá-las", contestou.
Na próxima quarta-feira (19), o Supremo Tribunal Federal deve julgar a ação que pode descriminalizar o porte de droga para o consumo pessoal. O julgamento estava previsto para esta quinta (13), mas precisou ser adiado devido à demora para julgar outro caso.
Complexo de Pedrinhas
Méndez também demonstrou preocupação com a situação do Complexo Penitenciário dePedrinhas, no Maranhão. No início de 2014, a ONU pediu que o Brasil apurasse as recentes violações de direitos humanos e os atos de violência que ocorreram nos presídios do Maranhão, em especial no Complexo de Pedrinhas. Por conta disso, o governo maranhense iniciou sério de ações nos presídios do estado, o que gerou onda de ataques e ônibus e delegacias na capital, São Luís.
“Visitamos o presídio [de Pedrinhas], tenho a impressão que estão conseguindo resolver os problemas de conflitos entre grupos rivais, porque eles foram separados. Mas há graves problemas. Os internos que nós visitamos passam 23 horas numa cela. Em uma cela coletiva, é verdade, mas uma cela para 4 pessoas tem oito, 10, 11 pessoas”, considerou.

O especialista, no entanto, lembrou que o número de mortes no presídio está diminuindo desde 2013. “Depois de outubro de 2013, quando episódios de violência custaram a vida de 60, 80 presos, as mortes continuaram acontecendo em Pedrinhas, mas em menor quantidade. Foram 18 em 2014 e, neste ano, está em quatro por enquanto”, lembrou Mendéz.

Relatório deverá pedir compromisso do governo para combater tortura.
Do G1, em Brasília

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Dezembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 30