xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Sopa esquisita - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

13 julho 2015

Sopa esquisita - Por: Emerson Monteiro

Casal vivia fase difícil mediante as repetidas farras do chefe da família, bebedor contumaz, boêmio frequentador assíduo de bares e botecos, gerando abatimento moral na esposa fiel, sempre a recebê-lo prestimosa em cada retorno das suas rondas viciosas.

Para manter a ordem da casa, era ela que lutava as pelejas de apurar dinheiros escassos e remediar os negócios, bordando, cortando cabelo, arrumando e faxinando residências, criando um bicho aqui, fazendo um bolo ali, um salgado acolá; forçando os filhos a sair vendendo aonde pudessem, contudo que nunca lhes faltasse o sustento. Pessoa de fibra só o tanto, dessas que existem aos milhares pela vida afora, de preservar o corpo da prole unido, chovesse, fizesse sol.

No entanto, como doíam a todos as incertas voltas do pai, cada noite. Por vezes, chegava mais cedo, mais tontos que acontecessem os porres, entrava aos tombos, revirava a cozinha à procura do jantar; sentava no chão, forrava o bucho, bebia água e caía na cama feito pedra, até amanhecer o outro dia. Isso quando não teimava com a mulher, lhe dando empurrões, quebrando alguns dos raros trastes da morada e terminando o roteiro da cozinha para o quarto da choça precária.

Outras ocasiões, avançado nas horas silenciosas, derrubava a cadeira que escorava a porta da frente, sacolejava no escuro a rede dos meninos adormecidos no meio da sala, nisso chegando ao fogão para pegar o prato, comer e dormir abandonado pelos cantos.

Dessa vez, trombudo, rumou à cozinha, caçou o alimento e avistou coisa parecida em cima do armário. De tão bêbado, achou ser aquele o prato a ele reservado. Sentou, comeu, ainda que notasse ruim de comer, fermentado, mas comeu... Reclamou por dentro, vez que houvesse o que houvesse, jamais deixava de passar bem nos cuidados da esposa. Reservou os protestos ao dia seguinte:

- E que comida esquisita foi aquela sopa que tu deixou pra mim ontem de noite, Maria? – logo cedo, indagou agressivo, olhos injetados e boca gosmenta seca da ressaca.

- Sopa? Que sopa, Zé?! A janta não nem foi sopa! – retrucou pesarosa a esposa.

- Sopa, sim. E cheia dumas misturas meio azedas, meio adocicadas, tipo gororoba. 

Intrigada com aquilo, a mulher se dirigiu à cozinha e abriu o forno, achando intacto o prato que, de noite, deixara para o marido. Olhou em volta e se lembrou da lavagem do porquinho que, há meses, vinha cevando no quintal, a fim de vender pelo final do ano e auxiliar nas despesas dos meninos durante o término da escola.

- Mas, Zé, tu comeu foi a lavagem do bacorim, homê! Precisa disso? Cria mais juízo, home, e procura melhorar as coisas dentro dessa casa.

O acontecido mexeu na consciência do marido e, de vergonha, desde aquela data nunca mais quis saber de botar um gole de bebida alcoólica na boca, livre do costume ingrato com a força da vontade, decisão e personalidade que causaria espanto dos velhos camaradas de ócio.  

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30