xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Aquele samba de latada - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

27 julho 2015

Aquele samba de latada - Por: Emerson Monteiro

Desde cedo da noite que o coronel percebera no ar sons imprevistos de harmônica, zabumba, pandeiro e triângulo, em pleno meio de semana. Naquelas bandas, as autorizações para os sambas de latada cariciam de longa preparação. Até o delegado havia de ter conhecimento e permitir, quando fossem realizar, nas fazendas, as promoções, de si tão violentas quanta a natureza rústica dos caboclos habitantes do lugar. Nada disso constava houvessem providenciado.

O primeiro portador até ali não retornara com as notícias. Despachado logo cedo para acabar com o festejo e saber dos responsáveis, sumira de tudo, sem vir, nem mandar qualquer recado. Essa a razão da impaciência do proprietário das terras, na sala principal da casa grande, a andar num pé e noutro, transferindo contrariedade aos ouvidos tensos da esposa. Sentada perto de uma janela, a mulher fixava os olhos no escuro do terreiro, à espera dos acontecimentos.

Nessa hora, resolveram chamar outro morador e encaminhá-lo com a mesma finalidade.

Outro tanto de tempo, quase uma hora depois, e nada de resultado. Algo, na verdade, de esquisito existia naquilo tudo. As ordens do fazendeiro jamais seriam desconsideradas do jeito que, naquele momento, se verificava. Esperariam só mais um pouco.

O vento soprava das bandas do lugar, trazendo nítido o calor da farra, ouvindo-se gritos e gargalhadas misturados com a música.. Lá longe, a casa de taipa fervia de animação, acrescentando as preocupações do apreensivo casal.

Ainda não retornara o segundo emissário, quando resolveram que o coronel iria em pessoa examinar de perto a afronta dos agregados. Nem imaginavam que tivera tamanha audácia de desobedecê-lo. Ultimados preparativos, ele equipou-se para entra na dança e seguiu na escuridão da noite sem lua.

A mulher tratou de fechar portas e janelas, e permanecer de sentidos em alerta. Contudo isso durou pouco; rendendo-se ao enfado, caiu no sono profundo. De manhã, Sol nas alturas, despertou escutando o marido que, desconfiado, empurrava a escora da porta, com os olhos vermelhos de quem dormiu pouco ou não dormiu. Nisso foi dizendo:

- Pense num homem divertido, o compadre Lampião. Dançou o tempo todo sem demonstrar qualquer cansaço – falou, e seguiu no rumo da cama, pois passara a noite em claro, batendo zabumba lá na festa dos cangaceiros que se arrancharam numa mata da propriedade do coronel.

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31