18 março 2015

VLT divide opiniões após cinco meses de operação

vltsobralApesar de facilitar a vida de muitos, a obra ainda é alvo de críticas

Foto: Karison Mesquita

Sobral. Desde que começou a circular pelas em Sobral, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) tem sido o único transporte usado por Maria das Dores Sarmento para ir e vir todos os dias ao trabalho. Moradora do Bairro Cohab II, um dos mais populosos da cidade, a doméstica diz que tem economizado bastante, já que a passagem ainda não é cobrada. A velha bicicleta, muitas vezes usada para se deslocar pela cidade, também foi deixada de lado. "Eu moro bem perto da estação do meu bairro, que fica longe de onde eu trabalho. Com o VLT eu chego cedo e volto meio-dia, sem gastar nada. Quando eu tenho folga na semana, ainda vou visitar os parentes em outro bairro, o que não dava pra fazer com os três filhos, sem gastar", afirmou.

Após três anos de espera, o VLT entrou em fase de testes em outubro do ano passado. A chamada operação assistida, programada para ser realizada por cerca de seis meses, colocou, literalmente, o "trem nos trilhos", numa ação normativa a todo sistema de transporte sobre trilhos urbanos de passageiros, mas sem seguir um atendimento regular. O momento ainda é de ajustes e regulagens numa simulação de operação comercial mas sem o compromisso formal com horário e regularidade. Segundo a Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos, o transporte é o primeiro no País a ser instalado em uma cidade do Interior com circulação apenas urbana, o que o difere do instalado na região do Cariri, de circulação urbana mas com ligação entre as cidades de Juazeiro do Norte e Crato.

Com velocidade máxima operacional de 60km/h, o VLT corta parte da cidade levando todos os dias, para o trabalho, o auxiliar administrativo Josias da Silva Paixão, que assim como Maria das Dores, vê no novo transporte público a resposta para os gastos com passagens, mesmo que temporário. "Eu tive até uma certa resistência em andar de VLT, acho que por falta de informação, mas a curiosidade me fez experimentar, e gostei. Sei que em breve teremos que pagar, mesmo assim a cidade ganha com essa opção", disse.

Ressalvas

Se de um lado o passageiro, que usufrui do VLT todos os dias, diz que aprova a proposta; do outro, moradores que foram diretamente atingidos pela demorada obra de requalificação das vias públicas para a instalação do equipamento, se sentem prejudicados. Em alguns pontos do percurso, como na Avenida John Sanford, onde árvores tiveram de ser derrubadas, boa parte da via se transformou numa espécie de "gargalo", pois a ciclovia VLT, cedeu espaço aos trilhos, colocados a poucos metros das calçadas das casas. O momento é de tensão, quando o VLT, com capacidade para 230 passageiros em seus 29 metros de comprimento, divide espaço com condutores de veículos, motociclistas, transporte de carga, ciclistas e pedestres.

A coordenadora do curso de mestrado em geografia pela UVA, Virgínia Holanda, trata de questões relacionadas à problemática urbana, e chama essas e outras áreas identificadas ao longo do percurso do VLT, de territórios diários de tensão, pois, segundo ela, ferem a Política Nacional de Mobilidade Urbana, "que objetiva a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas no território do município. Por exemplo, as calçadas, que seriam o lugar de segurança para quem anda a pé, também são territórios do comércio informal, e de estacionamento para motos e carros", alerta.

Para Virgínia Holanda, "as ações de gestão pública em Sobral demonstram preocupação com o crescimento da cidade e não com o desenvolvimento, pois isso levaria em conta as pessoas, o que não acontece. O VLT não considera nem mesmo a integração entre os diferentes modos de transporte, posto no Plano Nacional de Mobilidade".

Iniciadas em março de 2011, com previsão de conclusão em 18 meses, as obras de implantação do VLT sofreram paralisações, por parte do Ministério Público do Estado (MPE), por apresentarem, segundo o MPE, problemas nos projetos e indenizações. Na época, as críticas também apontavam para a falta de estudos de impactos ambientais e os valores orçados, que saltaram de R$ 54 milhões (2010) para R$ 90 milhões (2014).

Acidentes

O transporte, que circula entre as linhas Norte (cobrindo 5,7 Km e 5 estações) e Sul (com 6,4 Km e 6 estações) tem chamado a atenção da população por conta do número de acidentes. Em novembro de 2012, o site G1 Ceará registrou um deles, na Avenida John Sanford, Bairro Junco, que vitimou um motociclista, que, segundo testemunhas, teria caído da moto depois que um dos pneus se prendeu aos trilhos. O trecho onde ocorreu o acidente não tem divisória entre o espaço onde percorre o trem e o asfalto. Em novembro do ano passado, foi a vez de um veículo colidir com o próprio VLT, quando o transporte público saía de um dos terminais com destino à Cohab III. Ninguém se feriu.

Mas, em dezembro do mesmo ano, o enfermeiro Janielson Marciano morreu ao colidir com uma das cancelas de segurança, no Bairro Campo dos Velhos. Em janeiro deste ano outro acidente foi registrado numa passagem de nível, no Bairro Santa Casa, onde os moradores reclamaram da falta de sinal sonoro e cancela de segurança.

Outra reclamação é que a falta de funcionamento da cancela entre o cruzamento da Avenida John Sanford e Rua Antônio F. Ibiapina (Bairro Junco), também tem sido motivo de acidentes, segundo a comerciante Solange Ribeiro. "A cancela, vez por outra, apresenta defeito e não baixa. Isso faz com que os motoristas avancem para a avenida, mesmo com o VLT sinalando que está próximo. Acho que, na maioria dos acidentes, a responsabilidade é dos próprios motoristas, que não diminuem a velocidade ou não respeitam o espaço do trem", disse.

Pesquisa

A aluna de mestrado em Geografia da UVA, Luciana de Andrade, está desenvolvendo uma dissertação, que pretende discutir a mobilidade urbana de Sobral, analisando as políticas públicas propostas nessa área, enfatizando suas influências e impactos naqueles que circulam nos espaços da cidade. Numa observação preliminar, Luciana observa que é grande a aceitação do transporte por parte de estudantes e trabalhadores que nele circulam todos os dia.

"Em minha pesquisa, conversei com pessoas que falaram do conforto, tempo ideal de deslocamento e segurança, principalmente para quem se via refém do precário serviço de topics e de mototaxistas, que cobravam acima do preço ajustado de R$ 3, para o deslocamento até bairros mais distantes. Mesmo sabendo da futura cobrança tarifária, ao final dos testes, ainda assim, para eles, a opção do VLT é positiva. A circulação de idosos e jovens pela cidade tem aumentado, pois o transporte tem proporcionado lazer para os mesmos, em passeios e acesso ao que a cidade oferece", destacou.

A mestranda também chama atenção para os conflitos existentes na implantação do transporte. "Para quem possui veículo próprio, o VLT parece representar empecilho e atraso para o fluxo dos carros", afirmou.

Paralisação

Os passageiros que circulam entre as estações Cohab II e III ficaram, na quinta-feira passada, sem transporte, por cerca de 15 minutos. O que gerou expectativa. De acordo com a assessoria de imprensa da Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos, a paralisação se deu por ordem técnica, que seria necessária nessa fase de operação assistida. Os testes continuam diariamente, com os trabalhos relativos ao fluxo de pessoas, testes dos trens e demais sistemas que o compõem. Ainda de acordo com a assessoria, cerca de 1.800 pessoas utilizam o VLT de segunda a sexta-feira, gratuitamente, das 8h ao meio-dia.

Integração

A Prefeitura já anunciou a instalação do Sistema Integrado de Transporte Coletivo (Sitrans), que criaria uma integração direta de 25 midi-ônibus com o atendimento do VLT, em sincronização de horários, o que permitiria que o passageiro pagasse apenas uma passagem ao se deslocar usando as duas conduções. De acordo com o projeto, o Sitrans teria cobertura de 95% do território de Sobral. A ideia é implantá-lo quando o VLT passar a circular comercialmente.

Marcelino Júnior
Diario do Nordeste - Regional

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.