xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 28/10/2014 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

28 outubro 2014

Gol vai operar voo direto entre São Paulo e Juazeiro do Norte, no Ceará

aeroportojn

De acordo com a companhia, rota vai começar no dia 15 de novembro. Trecho contará com duas frequências diárias.

A Gol Linhas Aéreas Inteligentes anunciou nesta terça-feira (28) que vai iniciar no dia 15 de novembro uma rota, sem escalas, para Juazeiro do Norte, partindo do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Segundo a Gol, este será o primeiro voo direto que sai de Juazeiro do Norte com destino na região sudeste do país.

De acordo com a companhia, o trecho contará com duas frequências diárias, saindo do Aeroporto de Guarulhos às 00h30, com chegada às 2h20 em Juazeiro do Norte. A volta acontece às 2h50 no Aeroporto de Juazeiro do Norte, com pouso previsto para às 6h45, em São Paulo. As viagens serão realizadas em aeronaves modelo Boeing 737-700.

Juazeiro do Norte é conhecida como terra do Padre Cícero e um dos maiores centros de religiosidade popular do Brasil. A cidade também abriga grandes grupos varejistas nacionais e internacionais. Com a nova rota, a Gol vai deixar de operar o voo diário Recife/Juazeiro do Norte. De acordo com a Prefeitura de Juazeiro, o prefeito Raimundo Macedo já pediu à empresa a manutenção do voo direto para Recife. Para ele, a capital pernambucana tem uma estreita ligação com região do Cariri.

 

Do G1 CE

Papa Francisco diz que teorias do Big Bang e da evolução estão certas

PapaFranciscodizqueteoriasdoBigBangedaevoluoestocertas

FOTO: VINCENZO PINTO/AFP

O pontífice defendeu que podemos interpretar Deus como um "mágico com uma varinha", mas não necessariamente assim
O papa Francisco surpreendeu ao dizer nesta segunda-feira, 27, que as teorias científicas do Big Bang e da evolução estão corretas e não são incompatíveis com a existência de um criador. As considerações foram anunciadas na Academia Pontifícia de Ciências, onde ele inaugurou no local o busto do antecessor, Bento XVI.
Segundo ele, a teoria do Big Bang, que explica a origem do mundo, na verdade justifica um criador. "Quando lemos sobre a crianção no Gênesis, corremos o risco de imaginar que Deus era um mágico com uma varinha capaz de fazer tudo. Mas não é isso", completa.
Francisco afirma também que a teoria da evolução não de opões a ideia do criador divino. "Deus criou os seres humanos e permitiu que se desenvolvessem de acordo com leis internas que deu a cada um para que alcancem sua realização", explicou.


Mensagem
O papa Pio XII já havia tratado positivamente as teorias da evolução. Em 1996, ele disse que a evolução era "um fato comprovado". Bento XVI, por sua vez, chegou a defender a tese da seleção natural com um "design inteligente", implícito na evolução". Para ele, a evolução não seria um processo sem planejamento.
Sobre Bento XVI, Francisco disse que"ninguém pode dizer que o estudo e a ciência fizeram com que ele e seu amor por Deus e pelo próximo diminuíssem". "Ao contrário, o conhecimento, a sabedoria e a oração ampliaram seu coração e seu espírito", avaliou.

Redação O POVO Online com AFP

Foguete da Orbital Science explode durante lançamento

fogueteespacialexplode

Um foguete não tripulado da companhia Orbital Science explodiu, nesta terça-feira, seis segundos após o lançamento da missão de reabastecimento da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), informou a Nasa.

"O foguete Antares sofreu um acidente logo após a decolagem", reportou o centro de controle da missão da Nasa, em Houston, no Texas.

"Não há feridos e não falta ninguém do pessoal da base", informou o site da Nasa.

Chamas foram vistas na plataforma de lançamento costeira, depois que o foguete decolou na Ilha Wallops, Virgínia, no pôr-do-sol, às 18h22 locais (20h22 de Brasília).

As causas da explosão ainda não estão claras.

"Neste momento, parece que os danos estão limitados à instalação" de lançamento, informou um comentarista da Nasa.

O controle da missão da Nasa informou que o acidente aconteceu logo depois que a nave de carga não tripulada Cygnus foi lançada rumo à ISS, transportando quase 2,3 toneladas de provisões para os seis astronautas a bordo da estação orbital.

Este foi o primeiro lançamento noturno do foguete Antares, informou a Orbital.

A missão, conhecida como CRS-3, era a quarta viagem da Orbital para a ISS, contando com o voo de demonstração.

Na segunda-feira, o lançamento foi adiado por 24 horas, devido à presença de um navio no Atlântico, dentro do perímetro de segurança determinado para a operação.

A Cygnus deveria se acoplar à ISS em 2 de novembro. Quase um terço da carga (cerca de 700 toneladas) correspondia a material para experimentos científicos.

Um desses experimentos é sobre a irrigação do cérebro e do coração quando na ausência de gravidade. Os resultados dessa experiência podem ter efeitos no tratamento de doenças neurológicas, como o Mal de Alzheimer.

A missão que deveria iniciar nesta terça era a terceira prevista no contrato de US$ 1,9 bilhão firmado pela Nasa com a Orbital Sciences Corporation para o abastecimento da ISS.

A Orbital utilizou cápsulas Cygnus nas entregas feitas em janeiro e julho deste ano.

AFP - Agence France-Presse

STF determina que José Dirceu termine de cumprir pena em casa

josedirceu

Alan Sampaio / iG Brasília

Por Wilson Lima , iG Brasília

 

Decisão do ministro Luís Roberto Barroso acatou parecer da Procuradoria Geral da República (PGR) em favor da prisão domiciliar; ex-ministro deve deixar prisão na próxima semana

O ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu foi autorizado a terminar de cumprir em casa sua pena de 7 anos e 11 meses de prisão por envolvimento no escândalo do mensalão. A decisão foi anunciada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, nesta terça-feira (28).

 

Ex-ministro da Casa Civil é fotografado em seu primeiro dia de trabalho no semiaberto, em julho

Desde a segunda-feira da semana passada, Dirceu já tinha condições de fazer sua progressão de pena do regime semiaberto, ao qual ele está atualmente, para o regime aberto. Preso desde o dia 15 de novembro do ano passado, Dirceu somente iria progredir para o regime aberto em março do ano que vem, mas ele conseguiu descontar 142 dias de pena em função de cursos feitos na prisão, leituras e do trabalho que ele vem exercendo em um escritório de advocacia de Brasília.

Apesar da autorização do ministro Barroso, a progressão de pena somente se dará na próxima semana, quando Dirceu terá uma audiência na Vara de Execuções Penais de Brasília para saber detalhes de como será o cumprimento de pena a partir de agora.

Atualmente, o ex-ministro-chefe da Casa Civil dorme na Centro de Progressão Penitenciária, uma unidade de cumprimento de regime semiaberto e passa o dia trabalhando em um escritório de advocacia no Centro de Brasília. Com a mudança de regime, Dirceu continuará trabalhando no escritório mas poderá dormir em casa. A tendência é que ele não seja monitorado por uma tornozeleira eletrônica.

Último a se pronunciar nos julgamentos do STF, Celso de Mello foi pressionado para votar contra a validade de recursos do mensalão, mas se manteve a favor. Foto: Alan Sampaio / iG Brasília

Além disso, no regime domiciliar, o preso é obrigado a ficar em casa das 21h e 5h da manhã e qualquer saída que não seja fora dos padrões deve ser autorizado pelo juiz da Execução Penal. Além disso, Dirceu não pode ser flagrado conversando com outros condenados no mesmo processo e ele precisa se apresentar bimestralmente à Vara de Execuções Penais para relatar sobre o cumprimento de sua pena.

 

Mesmo cumprindo pena em casa, Dirceu não pode ser flagrado portando armas, ingerindo bebida alcoólica, freqüentando bares e também não deve participar de atividades políticas públicas.

Com a liberação de Dirceu, todo o núcleo do PT condenado no mensalão passará a cumprir pena domiciliar. O ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro da legenda Delúbio Soares também já estão cumprindo pena em casa.

     

http://ultimosegundo.ig.com.br/

Obama defende medidas dos EUA contra Ebola e apoia voluntários na África

obama4O presidente norte-americano, Barack Obama, fala sobre a resposta dos EUA ao surto de Ebola, na Casa Branca, em Washington, nesta terça-feira. 28/10/2014 REUTERS/Kevin Lamarque

ATLANTA/WASHINGTON (Reuters) - Depois que a segunda de duas enfermeiras infectadas enquanto tratavam um paciente com Ebola deixou um hospital de Atlanta, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta terça-feira que as políticas adotadas por seu país não deveriam desestimular os norte-americanos dispostos a combater o surto na África Ocidental.

Foi a primeira manifestação de Obama desde que Estados como Nova York e Nova Jersey impuseram quarentenas automáticas de 21 dias, tempo máximo de incubação do vírus, a médicos e enfermeiras que voltarem dos três países mais afetados pela epidemia, regras que extrapolam as diretrizes federais.

“Não queremos desencorajar nossos agentes de saúde a ir para as frentes de combate e lidar com isto de maneira eficaz”, declarou Obama a repórteres no gramado sul da Casa Branca.

Obama afirmou que estes profissionais, muitas vezes voluntários de grupos humanitários internacionais, deveriam ser “aplaudidos, apoiados e receber agradecimentos”.

“E podemos fazer com que, quando voltarem, sejam monitorados de forma prudente. Mas queremos fazer com que se entenda que estão lá trabalhando para Deus. E estão fazendo isso para nos manter a salvo”, acrescentou.

Alguns Estados impuseram suas próprias salvaguardas, como quarentenas obrigatórias para médicos e enfermeiras vindos da Libéria, de Serra Leoa e da Guiné, argumentando que as medidas federais não protegem o público adequadamente. Alguns parlamentares, especialmente republicanos, classificaram a reação do governo Obama de inepta.

Autoridades de saúde federais e outras criticaram as medidas mais rígidas por serem potencialmente contraproducentes, dizendo que podem impedir médicos norte-americanos e outros profissionais de saúde de se oferecerem para ajudar a combater o surto em sua origem no oeste africano.

“Não queremos fazer coisas que não são baseadas na ciência e nas melhores práticas, porque senão só estamos colocando mais um obstáculo para alguém que já está fazendo um trabalho importante por nossa causa”, declarou o mandatário, observando que conter o surto na África protegerá mais os cidadãos de seu país do Ebola.


QUARENTENAS

A primeira pessoa posta em quarentena de acordo com a política de Nova Jersey foi Kaci Hickox, enfermeira que testou negativo para o vírus, mas ficou isolada durante dias na tenda de um hospital de Newark. Ela disse que seus “direitos constitucionais básicos” foram violados.

Em outro sinal de como os temores do Ebola afetaram muitas comunidades, um pai processou uma escola primária de Connecticut nesta terça-feira alegando que sua filha foi discriminada e expulsa da escola por ter comparecido a um casamento na Nigéria.

Em Atlanta, a enfermeira Amber Vinson, de 29 anos, foi liberada do Hospital Universidade Emory depois de ser declarada livre da doença na sexta-feira passada. Obama disse ter conversado com Vinson por telefone nesta terça-feira.

A outra enfermeira, Nina Pham, de 26 anos, que trabalhava no hospital Texas Health Presbyterian, de Dallas, também teve diagnóstico negativo para o vírus na sexta-feira, foi liberada no mesmo dia e se encontrou com Obama no Salão Oval da Casa Branca.

No momento em que as preocupações com a disseminação da febre hemorrágica aumentam, o Pentágono anunciou que o secretário de Defesa, Chuck Hagel, cogita uma recomendação dos principais comandantes militares: um período “estilo quarentena” de monitoramento de 21 dias para todos os soldados norte-americanos voltando ao país depois de participar dos esforços de reação ao Ebola no oeste da África.

O anúncio se segue a outro, de segunda-feira, do Exército, informando que está isolando soldados recém-chegados de sua missão africana em sua base em Vicenza, no nordeste da Itália, embora não exibam sintomas da infecção, nem se acredite que tenham sido expostos ao vírus.

(Reportagem adicional de Colleen Jenkins, Doina Chiacu, Chris Helgren, Roberta Rampton, Phil Stewart e David Alexander)

 

Por Tami Chappell e Roberta Rampton

Bancos cortaram 3,3 mil empregosBancos cortaram 3,3 mil empregos

graficodescendente
Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e feita em parceria com o Dieese aponta que, embora 904.913 novos empregos tenham sido criados pela economia brasileira entre janeiro e setembro deste ano, 3.325 postos de trabalho foram fechados pelo setor financeiro no mesmo período.

De acordo com o estudo, elaborado com base no números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), 20 estados apresentaram saldos negativos de emprego entre janeiro e setembro de 2014. As maiores reduções ocorreram em São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais, com 1.091, 704, 562 e 534 cortes, respectivamente.

Ainda segundo o levantamento da Contraf-CUT/Dieese, além do corte de vagas, a rotatividade continuou alta no período. Os bancos brasileiros contrataram 25.702 funcionários e desligaram 29.027. A remuneração dos trabalhadores também foi abordada pela pesquisa. O salário médio dos admitidos pelos bancos nos primeiros oito meses do ano foi de R$ 3.321,80 contra o salário médio de R$ 5.251,76 dos desligados.

Desigualdade entre homens e mulheres Embora as mulheres representem metade da categoria e sejam mais escolarizadas, continuam ganhando menos do que os homens quando são contratadas e quando são desligadas dos seus postos de trabalho.

Enquanto a média dos salários dos homens na admissão foi de R$ 3.766,64 nos primeiros nove meses do ano, a remuneração das mulheres ficou em R$ 2.856,42, valor 24% inferior à remuneração de contratação dos homens.

Já a média dos salários dos homens no desligamento foi de R$ 6.017,79 no período, enquanto a remuneração das mulheres foi de R$ 4.425,34. Isso significa que o salário médio das mulheres no desligamento é 26% menor que a remuneração dos homens.

Terra

'Não fugi, eu salvei minha vida', diz Pizzolato após ser solto na Itália

pizzolatoJustiça italiana negou pedido de extradição do ex-diretor do Banco do Brasil. Condenado pelo mensalão, ele fugiu em 2013 e foi preso em fevereiro.

 

Solto nesta nesta terça-feira (28) pela Justiça da Itália, o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do mensalão, afirmou, ao sair da cadeia, que sua condenação foi injusta. Questionado se tinha valido a pena ter fugido do Brasil, ele respondeu: "Eu não fugi, eu salvei minha vida. Você não acha que salvar a vida não vale a pena?", afirmou, em entrevista a jornalistas.
"Fiz meu trabalho no banco, o banco não encontrou nenhum erro no meu trabalho. O banco sempre disse que não sumiu um centavo. Não é um banco pequeno, é o maior banco da América Latina, é um banco que tem um enorme sistema de controle", disse.

Mais cedo, a Corte de Apelação de Bolonha negou o pedido de extradição do governo brasileiro. Preso desde fevereiro, Pizzolato foi libertado ainda nesta terça, por ordem da mesma decisão que negou a extradição.

Condenado no Brasil a 12 anos e 7 meses de prisão por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro, Pizzolato fugiu para a Itália em setembro do ano passado, mas foi preso em Maranello em fevereiro deste ano. Desde então, ficou preso em Modena aguardando o julgamento da extradição. Com a decisão desta terça, poderá responder ao processo em liberdade.

A PGR já anunciou que vai recorrer da decisão, que pode ser revertida em última instância na Corte de Cassação de Roma. O Ministério da Justiça informou que atuará em conjunto com a Procuradoria e a Advocacia-Geral da União em recurso contra a decisão. Mesmo que a Justiça decida pela extradição, a decisão final ainda caberá ao governo italiano.

Na audiência desta terça, em Bolonha, os três juízes que compõem a Corte de Apelação local decidiram negar o pedido de extradição acatando argumentos da defesa, que demonstrou  possibilidade de ele ser submetido a condições degradantes ou desumanas no Brasil.

Os advogados do brasileiro também alegaram que ele não teve direito de recorrer da decisão, pois foi julgado no Supremo Tribunal Federal, a mais alta instância do Judiciário. As razões da decisão de Bolonha só serão publicados em 15 dias. Só depois, o governo brasileiro e o Ministério Público da Itália poderão recorrer.

Alessandro Silvelli, advogado de defesa de Pizzolato, declarou que o ex-diretor do Banco do Brasil não entendeu a sentença assim que ela foi lida. "Ele está desorientado. Sua saúde está melhor. Pode ser que esta noite ele volte à cadeia em Modena e somente amanhã a sua casa, mas não temos certeza ainda".

Silvelli afirmou que "não foi permitido o recolhimento de provas para uma investigação paralela" e que pesou sobre a decisão do juiz "a denúncia sobre as condições das prisões no Brasil". Ainda segundo a defesa, o juiz considerou que o ex-diretor não deveria ter sido julgado no STF porque não era congressista.

Pizzolato ainda responde a processo por ter entrado na Itália usando documento falso, mas pode responder em liberdade.

Sessão
O julgamento do pedido foi realizado na Corte de Apelações do Tribunal de Bolonha. Pizzolato estava detido no presídio Sant’Anna di Modena, na cidade italiana de Modena, chegou por volta das 10h locais (7h de Brasília) ao tribunal, onde acompanhou a audiência. Ele foi transferido em um veículo da Polícia Penitenciária.

A sessão começou às 11h locais (8h de Brasília) e foi suspensa às 15h locais (12h de Brasília). Nesse horário, os juízes responsáveis entraram em uma sala reservada para tomar sua decisão.

O julgamento do pedido teve início em 5 de junho, mas as juízas responsáveis pelo casoconcederam na época um prazo para que a defesa de Pizzolato analisasse documentos apresentados pelo Ministério Público Federal sobre as condições dos presídios brasileiros.

O Ministério Público da Itália havia se posicionado de forma favorável à extradição no primeiro semestre deste ano. Em maio, a Justiça do país europeu havia rejeitado o pedido da defesa para que ele pudesse aguardar em liberdade a decisão sobre o processo de extradição.

O caso é polêmico porque ele tem dupla cidadania (brasileira e italiana) e, por isso, o governo italiano, que tem a decisão final, poderia se recusar a extraditá-lo, mesmo com aprovação da Justiça. No entanto, ao contrário do Brasil, não há proibição na legislação italiana para a extradição de nacionais.

De acordo com a Procuradoria-Geral da República, o procurador Eduardo Pellela está desde a última sexta (24) na Itália e irá acompanhar o julgamento. Nesta segunda (27), ele se reuniu com procuradores italianos, para trocar informações sobre o processo.
Em entrevista coletiva em julho deste ano, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o Brasil apresentou à Justiça italiana documentos que comprovam que o presídio da Papuda, no Distrito Federal, e as penitenciárias de Santa Catarina, onde o Pizzolato tem domicílio, têm condições de abrigar o ex-diretor do Banco do Brasil em condições que “respeitam os direitos humanos”.

“Uma das linhas de defesa era dizer que os presídios brasileiros não têm condições de receber o preso. Como o réu também tem direito de cumprir pena em presídios próximos ao domicílio, pedi que indicassem dois presídios em Santa Catarina. Fizemos relatório sobre esses dois presídios para demonstrar que, no cumprimento da pena, não havia ofensa aos direitos humanos”, disse Janot.
* Colaborou o G1, em Brasília

Do G1, com informações do Jornal Nacional

Paraibano, Hulk ataca jornalista que chamou Nordeste de 'retrógrado' e 'bovino'


hulk

Hulk reclamou de comentário feito por jornalista sobre o Nordeste

O atacante Hulk, que é paraibano, decidiu entrar em defesa do Nordeste após a polêmica do resultado das eleições presidenciais, realizadas no último domingo. Ele se revoltou com comentário feito pelo jornalista Diogo Mainardi, da GloboNews, que descreveu a região como "retrógrada" e "bovina" por concentrar votos na candidata Dilma Rousseff, do PT, e não em Aécio Neves, do PSDB - Dilma foi reeleita com 51,64% dos votos.

"Morando tanto tempo fora do Brasil, o jornalista Diogo Mainardi não demonstra conhecimento pela importância do Nordeste ao país e principalmente respeito com a população nordestina", reclamou Hulk, em sua conta no Instagram, antes de citar nomes importantes da cultura brasileira, como o escritor Gracialiano Ramos, o cineasta Gláuber Rocha, o cantor Gilberto Gil e o ator José Wilker, todos nordestinos.


Bate-Bola também é política: comentaristas falam sobre reeleição de Dilma e relação com o esporte

O atacante do Zenit, da Rússia, também afirmou que Mainardi mostra "ignorância" e "arrogância" ao criticar o Nordeste, e ressaltou a "luta com humidade" dos nordestinos em busca de melhores condições de vida nos últimos anos.

"Infelizmente, o Mainardi demostra ignorância e arrogância quando crítica o Nordeste. Nossa população tem dificuldades e luta com humildade para melhorar sua condição de vida. As maiores dificuldades foram impostas pelos diversos Governos ao longo dos anos. Mainardi, respeite o Nordeste!", bradou Hulk.

Na eleição, Dilma saiu vitoriosa em todos os Estados do Nordeste, bem como em boa parte do Norte e em metade do Sudeste. Já Aécio mostrou força principalmente nas regiões Sul e Centro-Oeste, além de São Paulo.

Leia a postagem de Hulk no Instagram:

Morando tanto tempo fora do Brasil, o jornalista Diogo Mainard não demonstra conhecimento pela importância do Nordeste ao País e principalmente respeito com a população nordestina. Já que ele fala também de cultura, será que ele sabe a importância destes homens para o Brasil: Graciliano Ramos, Rui Barbosa, Glauber Rocha, Jorge Amado, Suassuna, Renato Aragão, Caetano Veloso, Gilberto Gil, José Wilker e Chico Anisio. Cito 10 importantes nomes nascidos no Nordeste em vários períodos que contribuíram para a evolução do Brasil. São escritores, poetas, pensadores, atores e compositores que ajudaram e são referências do Brasil no exterior. Infelizmente o Mainard demostra ignorância e arrogância quando crítica o Nordeste. Nossa população tem dificuldades e luta com humildade para melhorar sua condição de vida. As maiores dificuldades foram impostas pelos diversos Governos ao longo dos anos. Mainard, respeite o Nordeste!


'Dilma pode mexer na estrutura do futebol ainda neste mandato', diz Juca Kfouri

 

REUTERS

Filme contra drama da desocupação de favela para Olimpíada

cinema3
Enquanto as obras para os Jogos Olímpicos estão a todo vapor e por toda a cidade do Rio de Janeiro, o escritor, psicólogo, professor de roteiro da Universidade Federal Fluminense, e agora cineasta, Felipe Pena preferiu registrar o que ele chama de lado B das Olimpíadas. “Se Essa Vila Não Fosse Minha” é um documentário que conta um pouco da história da desocupação da favela da Vila Autódromo, que fica incrustada no que será futuramente o Parque Olímpico de 2016, onde há uma longe disputa entre moradores e a prefeitura pela posse do terreno.

O filma está inscrito em vários festivais internacionais - e é fora do país que Felipe Pena espera conseguir dobrar a intenção da prefeitura de acabar com a comunidade antes de 2016. No dia 18 de Janeiro, o filme terá sua primeira exibição no Rio apenas para convidados.

Durante oito meses, Felipe e sua equipe ouviram história de cerca de 583 famílias que moravam e moram no local. Isso porque muitas já saíram por conta de realojamentos feitos pelo município. Mas muitos preferiram ficar. E que os que ficaram viram seu local se transformar em uma verdadeira zona de guerra, pela destruição dos imóveis que foram desocupados.

Terra: Quando você foi pela primeira vez à Vila Autódromo e quando teve a ideia do documentário?

Felipe Pena: A história e inusitada. Sou pesquisador de televisão e ano passado fui a um evento em Cannes, na França. Na volta, vim ao lado de alguém da comunicação do Comitê Olímpico de Londres, que me convidou a visitar as obras do Parque Olímpico. Acabei não indo com ela, mas a Vila Autódromo me chamou a atenção. Entrei e comecei a conversar com as pessoas e tive a ideia de registrar isso. Chamei uns amigos e falei que não tínhamos dinheiro, mas que tínhamos uma missão de mostrar o que estava acontecendo.

Terra: A prefeitura alega que fez acordo para que os moradores saíssem e que quem não quisesse não precisava sair. A história é essa mesmo?

Felipe Pena: A prefeitura acenou com um grande pavão de um condomínio habitacional a dois quilômetros dali. Metade se encantou com o projeto e isso causou uma divisão e faz com a Vila Autódromo atual pareça a Berlim de 45. Isso porque uma família se muda, a prefeitura vai lá e destrói a casa. E quem fica, fica em um ambiente insalubre. Mas as pessoas resistem. Tem gente que tem registo de imóveis e até agora não tem decisão judicial obrigando que elas saiam. A prefeitura está forçando as pessoas a sair. É uma comunidade que existe lá há 40 anos. Agora eu pergunto: por que é que ali nunca houve um programa favela-bairro? Será que é porque o metro quadrado custa 9 mil reais? Estou perguntando. Todas as pessoas tem certificado de posse. A politica habitacional do rio é excludente.

Terra: Você chegou a saber das pessoas que saíram, se elas melhoraram de vida, se estão arrependidas?

Felipe Pena: A maioria se arrependeu de ter saído, mas não querem voltar. Uma das que saiu me disse: ”as pessoas que ficaram serão massacradas. Porque a prefeitura quer aquelas terras”. A prefeitura usou o poder de forma mais perversa. Teve gente que ficou feliz em se mudar sim, claro. O que me motivou a fazer o filme é mostrar que mesmo mesmo com toda violência muitas pessoas insistem em ficar. Muitos criaram os filhos e os netos ali, tem história no lugar. É a história de suas vidas e elas não querem deixar isso para trás.

Terra: Você acha que com o filme vai conseguir mudar a intenção da prefeitura?

Felipe Pena: Minha tese é a do Leon Tolstói: quando você fala de sua vila, você fala do mundo inteiro. Esse é um exemplo. Não acho que o filme vá ter grande repercussão no Brasil. Minha esperança são os festivais internacionais. Fomos selecionados para o festival em Pequim, na China. Os chineses estão interessados porque eles tiveram olimpíadas e aconteceram coisas muito parecidas por lá. Agora estou esperando a resposta de outro festival no Egito. Se tiver pressão internacional talvez a prefeitura faça algum tipo de urbanização no local. Existe até um projeto pronto. A Vila onde está não atrapalha em nada o projeto das Olimpíadas.

Terra

Inadimplência das empresas brasileiras dispara 13,4% em setembro

Inadimplencia-626x356

SPC Brasil informa ainda que havia cerca de 55,04 milhões de CPFs levados para registro no SPC ao final de maio – foto: Arquivo EM TEMPO

A inadimplência das empresas registrou alta de 13,4% em setembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo pesquisa da Serasa Experian, divulgada nesta terça-feira (28).

É a maior alta desde outubro de 2012, quando índice ficou em 13,8%. Em relação a agosto, no entanto, houve queda de 0,5%. Já no acumulado de janeiro a setembro, o indicador também registra elevação de 7,4% em relação aos nove primeiros meses do ano passado. As informações são da Agência Brasil.

Os economistas da Serasa creditam o resultado ao fraco desempenho da atividade econômica, que prejudica a geração de caixa das empresas. Eles destacam também a elevação dos custos, tanto financeiros quanto operacionais, como fator que leva ao endividamento.

Entre as despesas que prejudicam a saúde financeira das empresas, os economistas destacam os juros em patamares mais elevados e o aumento dos salários, acima dos ganhos de produtividade.

A leve queda mensal no indicador (-0,5%) foi influenciada principalmente pelo decréscimo das dívidas de cheques sem fundos, com variação negativa de 11,9%. As dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços) também tiveram declínio de 0,2%.

Dívidas com bancos

A inadimplência com bancos, por sua vez, ficou relativamente estável, variação de 0,1%. Houve elevação apenas no segmento de protestos com alta de 6,8%.

O valor médio dos cheques sem fundos caiu 6,2% no acumulado de janeiro a setembro ante igual período do ano passado, ficando em R$ 2.297,56. Também houve decréscimo (2,7%) no valor das dívidas com os bancos (R$ 4.934,87).

Os títulos protestados (9,8%) e as dívidas não bancárias (7,3%), por outro lado, tiveram acréscimo nos valores, ficando em R$ 2.254,12 e R$ 867,56, respectivamente.

Por Folhapress

Suíça inicia testes de vacina contra ebola

Ebola-storyA Suíça iniciará, na próxima sexta-feira (31), os primeiros testes de uma vacina experimental contra o vírus ebola, desenvolvida pela farmacêutica britânica GlaxoSmithKline. A vacina já está sendo testada no Reino Unido, nos Estados Unidos e no Mali, na África.

Os testes serão feitos no Hospital Universitário de Lausanne, com a participação de 120 voluntários e suporte da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os pacientes serão monitorados durante seis meses - tempo suficiente para avaliar a segurança e eficácia da vacina. Entre os voluntários estão estudantes de medicina e profissionais de diferentes áreas de saúde, que viajarão para o território africano, onde vão ajudar a combater o ebola.

O professor Blaise Genton, chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital de Lausanne, disse que confia na segurança da vacina. “É a mesma tecnologia que tem sido usada na vacina contra malária”, observou.

A estudante de medicina Marie Schmidhauser está entre os voluntários que participarão dos testes. “Eu fui muito bem informada, recebi informações precisas. Se todo mundo tiver medo, não será possível fazer os testes necessários e encontrar uma solução para o problema”, disse ela.

Os resultados dos primeiros testes garantirão informações necessárias para o planejamento de estudos maiores, envolvendo milhares de participantes.

Agência Brasil

Assembleia Geral da ONU volta a pedir fim do embargo americano a Cuba

cuba-bandeira

A AssembleiaGgeral da Organização das Nações Unidas (ONU) voltou a pedir hoje (28), por ampla maioria, o fim do embargo econômico, comercial e financeiro imposto a Cuba pelos Estados Unidos há 52 anos. A resolução foi aprovada por 188 votos a 2 e 3 abstenções. Os Estados Unidos e Israel votaram contra. As abstenções foram das Ilhas Marshall, a República de Palau e os Estados Federados da Micronésia.
Com 193 Estados-Membros, o órgão plenário das Nações Unidas adotou a resolução pela primeira vez em 1992. A votação desta terça-feira foi a 23ª consecutiva.
O embargo econômico contra Cuba foi imposto pelos Estados Unidos em 1962, depois do fracasso da invasão da ilha para derrubar o regime de Fidel Castro em 1961. O bloqueio mantém-se em vigor, mesmo depois de o presidente norte-americano Barack Obama ter- se manifestado pela abertura no início de seu primeiro mandato.

Em Lisboa, a embaixadora de Cuba em Portugal, Johana Tablada de La Torre Lisboa, disse que a resolução aprovada hoje na ONU confirma a condenação internacional de uma "política injusta" e atualmente contestada pela sociedade norte-americana. “É um dia importante”, disse a embaixadora. “Estamos em um ponto em que é quase impossível manter essa política por muito tempo”, acrescentou Johana. Para ela, o tempo é de mudança, e os Estados Unidos têm de ouvir a comunidade internacional, inclusive a voz de sua sociedade.
A embaixadora destacou ainda que os norte-americanos começam a ter a percepção das mudanças que ocorrem em Cuba. “Os Estados Unidos veem que o país segue em frente com mudanças importantes na estrutura econômica para desenvolver-se de maneira próspera e sustentável. E com novas leis de investimento, com oportunidades de participação de outros países”, concluiu.

Agência Brasil

Exposição sobre centenário de Dorival Caymmi chega a Brasília

 

caymi-1-15

Com  seu  inseparável violão,  o  cantor  e  compositor
baiano  passeia  na  praia   José  Cruz/Agência  Brasil

O Museu dos Correios abriu hoje (28), em Brasília, a exposição Caymmi 100 Anos, que poderá ser visitada até o dia 4 de janeiro.
A mostra, que já passou por São Paulo, celebra o centenário de nascimento do cantor e compositor baiano Dorival Caymmi, é dividida em quatro partes: Linha do Tempo, Música, Vida Familiar e Rádio. Na primeira, o filho de Caimmy, Danilo, que também é compositor, e a neta Stella, idealizadora da exposição, falam sobre a vida e as obras do cantor em um bate-papo com música.
"Nada mais importante do que fazer isso na abertura da exposição, porque quem vem já entra no clima”, diz Stella.

Dorival Caymmi nasceu em Salvador, no dia 30 de abril de 1914. Em 60 anos de carreira, gravou 20 discos e teve inúmeras composições gravadas por outros intérpretes. Entre seus maiores sucessos, estão O Que É Que a Baiana Tem?, Modinha para Gabriela, Samba da Minha Terra e Samba da Bahia. O compositor morreu no Rio, onde vivia, no dia 16 de agosto de 2008.

Para Stella, que passou os últimos 25 anos escrevendo sobre Caymmi, a mostra é a materialização de um sonho. ”O principal aqui é mergulhar na obra de Caymmi, mergulhar na imagética dele, nos temas. Caymmi emoldura o folclore e registra a vida dele, registra a época dele musicalmente, pelas letras e pelos ritmos. As músicas são chamadas postais, porque existe visualidade na música. E, em uma exposição, [isso] fica abundante.”

De acordo com Stella, a exposição chama a atenção pelas vertentes de Caymmi, pelas imagens que ele constrói. “As músicas dele não são abstratas, são vivas. Tem quatro vertentes principais: as praieiras, em que aparecem a jangada e toda a mitologia praieira, com a Iemanjá, tem as pinturas ligadas ao mar; os postais da Bahia; as músicas que descrevem a Bahia, sua culinária, como O Que É Que a Baiana Tem?, a arquitetura da música Você Já Foi à Bahia?, em que ele fala da capoeira; e as mulheres”, completou Stella.

O Museu dos Correios fica no Setor Comercial Sul, área central de Brasília. A entrada é gratuita e a mostra pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h às 19h, e aos sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h.

Editor Nádia Franco

Agência Brasil

Exposição sobre centenário de Dorival Caymmi chega a Brasília

 

caymi-1-15

Com  seu  inseparável violão,  o  cantor  e  compositor
baiano  passeia  na  praia   José  Cruz/Agência  Brasil

O Museu dos Correios abriu hoje (28), em Brasília, a exposição Caymmi 100 Anos, que poderá ser visitada até o dia 4 de janeiro.
A mostra, que já passou por São Paulo, celebra o centenário de nascimento do cantor e compositor baiano Dorival Caymmi, é dividida em quatro partes: Linha do Tempo, Música, Vida Familiar e Rádio. Na primeira, o filho de Caimmy, Danilo, que também é compositor, e a neta Stella, idealizadora da exposição, falam sobre a vida e as obras do cantor em um bate-papo com música.
"Nada mais importante do que fazer isso na abertura da exposição, porque quem vem já entra no clima”, diz Stella.

Dorival Caymmi nasceu em Salvador, no dia 30 de abril de 1914. Em 60 anos de carreira, gravou 20 discos e teve inúmeras composições gravadas por outros intérpretes. Entre seus maiores sucessos, estão O Que É Que a Baiana Tem?, Modinha para Gabriela, Samba da Minha Terra e Samba da Bahia. O compositor morreu no Rio, onde vivia, no dia 16 de agosto de 2008.

Para Stella, que passou os últimos 25 anos escrevendo sobre Caymmi, a mostra é a materialização de um sonho. ”O principal aqui é mergulhar na obra de Caymmi, mergulhar na imagética dele, nos temas. Caymmi emoldura o folclore e registra a vida dele, registra a época dele musicalmente, pelas letras e pelos ritmos. As músicas são chamadas postais, porque existe visualidade na música. E, em uma exposição, [isso] fica abundante.”

De acordo com Stella, a exposição chama a atenção pelas vertentes de Caymmi, pelas imagens que ele constrói. “As músicas dele não são abstratas, são vivas. Tem quatro vertentes principais: as praieiras, em que aparecem a jangada e toda a mitologia praieira, com a Iemanjá, tem as pinturas ligadas ao mar; os postais da Bahia; as músicas que descrevem a Bahia, sua culinária, como O Que É Que a Baiana Tem?, a arquitetura da música Você Já Foi à Bahia?, em que ele fala da capoeira; e as mulheres”, completou Stella.

O Museu dos Correios fica no Setor Comercial Sul, área central de Brasília. A entrada é gratuita e a mostra pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h às 19h, e aos sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h.

Editor Nádia Franco

Agência Brasil

Neymar entra na disputa

neymar10Rafael RibeiroNeymar brilhou na Copa, mas sofreu contusão e viu o Brasil cair

Zurique (AE) - A Fifa anunciou oficialmente ontem uma lista prévia de 23 nomes indicados ao prêmio de melhor jogador do mundo de 2014. E Neymar e Diego Costa, este naturalizado espanhol, são os únicos brasileiros figurando no grupo de finalistas à Bola de Ouro da entidade, que será entregue no próximo dia 12 de janeiro, em Zurique, na Suíça.

 

Principal nome do Brasil na Copa do Mundo de 2014, o atacante do Barcelona, porém, é um azarão nesta premiação, assim como Diego Costa, que realizou um Mundial ruim pela Espanha, depois de ter se destacado como goleador com a camisa do Atlético de Madrid e em seguida se transferido para o Chelsea.
A Alemanha, atual campeã mundial, conta com seis finalistas e é o país com maior número de indicados ao prêmio. São eles: Toni Kroos, Philipp Lahm, Thomas Müller, Manuel Neuer, Mario Götze e Bastian Schweinsteiger.
O argentino Lionel Messi, vencedor de quatro edições seguidas da Bola de Ouro, e o português Cristiano Ronaldo, atual vencedor da honraria, também estão entre os 23 finalistas.
Treinadores
A Fifa também anunciou ontem uma lista de dez nomes que concorrem ao prêmio de melhor técnico do ano. O Brasil não conta com nenhum representante nesta disputa, sendo que Felipão foi o único dos quatro treinadores que levaram suas respectivas seleções às semifinais da Copa de 2014 a não integrar o grupo de concorrentes. Os outros são Joachim Löw, campeão pela Alemanha, Alejandro Sabella, vice pela Argentina, e Louis van Gaal, terceiro colocado com a Holanda.
A Fifa irá anunciar no próximo dia 1º de dezembro os três jogadores finalistas à Bola de Ouro, sendo que a decisão derradeira sobre o vencedor a ser eleito está nas mãos de capitães e técnicos de seleções nacionais masculinas, assim como na de jornalistas escolhidos pela “France Football”, revista que organiza a premiação em conjunto com a entidade que controla o futebol mundial.

http://tribunadonorte.com.br/

OS GROTÕES DE MISÉRIA, DESPOLITIZADOS.


Vimos aí no dia 26 de Outubro, a continuação de uma velha história; Não a vitória de uma pessoa, mas de um sistema secular, o voto da ignorância. Mas eu não culpo o povão pela ignorância. Povo é apenas massa de manobra; Foi-lhes dito que o candidato da oposição Aécio Neves acabaria com o BOLSA MISÉRIA de que eles vivem pendurados, porque o governo não tem capacidade para gerar emprego e renda, além de outros tipos de TERRORISMO ELEITORAL.. Nos grotões de pobreza que os políticos mantem há décadas para se perpetuarem no poder, as pessoas são despolitizadas ( São os chamados inocentes úteis ). Na verdade, geograficamente falando, a maior parte do Brasil que pensa politicamente, começa da metade para o sul. E os políticos não estão interessados de forma alguma em erradicar a miséria e formar um povo politizado, conhecedor das realidades do resto do mundo, porque um povo que tem a capacidade de pensar e interagir, ainda é o maior perigo para os políticos desonestos. Continuamos, amiúde, a seguir o padrão VIDAS SECAS, tão bem retratado na obra de Graciliano Ramos, onde o povo serve apenas de instrumento para a perpetuação no poder, de uma corruptocracia.

Por: Dihelson Mendonça



Rescaldo das urnas - Por: Emerson Monteiro

Quase nem se comenta mais dos acordos pela governabilidade, envolvendo partidos antes impossíveis de aliança, mas que hoje completam maleáveis quóruns, suficientes da tramitação de matérias essenciais. As formas de negociação da liderança petista ensinam lições inovadoras da política. Quem chegou a dar maior trabalho nos jogos de poder vinha dos próprios quadros partidários. Aqueles caciques históricos das legendas conservadoras se adaptaram com extrema facilidade às novas regras, a ponto de quase inexistir, no Brasil de hoje, frente de oposição considerável.

O estilo ortodoxo das origens do Partido dos Trabalhadores disseminou métodos de consenso jamais previstos, alojando cascas e nós no seio da máquina administrativa, o que representa hoje a soma dos resultados, inclusive nos votos da derradeira eleição.

No entanto, diante das comentadas boas habilidades do novo governo, resta perguntar pela efetividade daquilo que importa, ou seja, os resultados fiéis à grande expectativa da população antes sem voz, nem voto. E agora representada pelos seus pares.

Nisso tudo, indagações afloram no rumo de saber qual o jogo de cintura das ações presidenciais reformistas, naquele mundo burocrático de Brasília, feito de meio milhão de funcionários oficiais e representações estrangeiras, pedaço frio e distante da realidade nacional.

Até onde chegarão as reformas em termos palpáveis, para modernizar a sociedade com leis suficientes de conotação igualitária, justa e democrática? – pergunta que vem à tona antes e depois dos debates.

Um país extenso clama por comando inspirado na sensatez e no cumprimento do dever das autoridades. Valores sociais hão de predominar, a fim de permitir plena marcha à gente esquecida, enjeitada no berço por interesses antes egoístas.

A rica árvore da Nação quer frutos limpos, em que o peso da honestidade prevaleça na alma dos que chegam aos cargos elevados no intuito de bem servir e não de serem servidos, livres de corrupção, negociatas, corporativismos perniciosos. Disso condições existem, paridas no eito do trabalho e no suor penoso dos pequenos, que sonham e nutrem esperanças e certezas.

Por seu lado, preparo, boas vontades, união sem subterfúgio, superam dívidas e problemas estruturais, conquanto trazem padrões sadios e elementos imprescindíveis a resultados permanentes.

De tal forma, transpostos embates congressuais, entrarão em campo os indicadores sociais que irão mostrar a cara nova; sem prazos específicos, que mostrem, porém, mudanças verdadeiras, sob um ordenamento coerente da máquina institucional.  Que cheguem, pois, as decantadas reformas!

CRATO - Caminhada Outubro Rosa



31 de Outubro, em Crato
Apoio: www.blogdocrato.com


Camilo, Governador - Por: Jorge Carvalho


Nota do Blog do Crato - Cratense Camilo Santana é eleito Governador do Ceará


Julho, 2014: mês das convenções para homologação das candidaturas às eleições. No nosso estado, o governador Cid Gomes, de maneira inteligente e de necessidade estratégica e condicional à vitória, indica o nome do cratense e por consequência, caririense: nasceu em Crato, estudou em Juazeiro e fixou residência – com os familiares – em Barbalha. Nesta última, iniciou sua militância política que culmina com a virtude de galgar o cargo de chefe do executivo cearense. Lembro, no início do artigo... de maneira inteligente... pois sendo Camilo da Região Metropolitana do Cariri, sua vice, a professora Izolda Cela da Região Norte, possibilitou votação expressiva às referidas candidaturas nas duas importantes e populosas regiões do nosso estado. Outra qualidade do postulante ao cargo ao executivo cearense, foi ser jovem o que possibilita renovação política e aproximou a juventude de referida candidatura.

Outro meio de estratégia eleitoral, por parte do senhor governador, foi ser o Camilo do Partido dos Trabalhadores (PT) o que, talvez tenha evitado divisão da referida sigla nas disputas 2014 no nosso estado – oque levaria provavelmente a uma derrota por parte da situação. Não sendo Eunício o candidato, Cid com certeza escolheria Zezinho, Isolda ou Leônidas porque não teriam um adversário competitivo. Camilo foi um nome extremamente competitivo, nome leve, novo, carismático, representa a nova política, tem sangue político na veia, é da região do Cariri onde teve larga vantagem de votos por ser filho da terra. A cidade de Sobral é outra que garantiu folgada vitória para o candidato de Cid, visto ser sua vice esposa do atual prefeito da Princesa do Norte. A escolha de Cid foi uma escolha de um mestre da política. Cid jogou para ganhar. O candidato sendo do PT ainda reforçou a imagem da Dilma e Lula, com isso, ganhou adeptos no interior e na capital.

A candidatura do Eunício foi composta por nomes velhos na política, Cid optou por nomes novos na disputa deste ano como Mauro, Camilo e Izolda. A população quer renovação. Finalizando, observo e lembro ao ouvinte e/ou leitor que, no caso nosso – dacidade do Crato – como em outras cidades cearenses, o POVO foi o grande apoiador da candidatura Camilo. Não credenciar, citar, como determinado locutor, na carreata do sábado, 25, que falou:“vereador A, vereador B, político A, político B, estão aqui como apoiadores do Camilo”. Negativo. Quem apoiou e escolheu, com larga maioria de votos, o Camilo Governador, foi o povo do Crato, essa população que reconheceu a importante atenção do governador Cid para com a nossa cidade, trazendo necessárias obras físicas para o nosso município nos últimos dez anos. A vitória do Camilo faz justiça, após tantos e tantos anos a atuação política, idealista, nacionalista, democrática, coerente dos senhores: Raimundo Bezerra, Josio Araripe, Dona Eneida Figueiredo, Walmir Farias, Eudoro Santana – seu pai – e a virtude ideológica de Eloi Teles, Juvendio Mariano, Geraldo Formiga, Arrudinha, Zé de Brito, Olival Honor, José Mendes de Sá Roriz...

Crato/CE, 28 de outubro de 2014
Jorge Carvalho - Professor
Foto: Wilson Bernardo



Pra não dizer que não falei das flores - Por: Jorge Emicles Pinheiro


Passados os calores da campanha eleitoral, talvez seja o momento oportuno para se fazer algumas reflexões, que até o domingo último certamente seriam vistas como propaganda direta ou indireta para ou contra algum dos candidatos. O que precisamos verdadeiramente em matéria de política não é elegermos salvadores da pátria, nem verdades absolutas e muito menos encetarmos no debate político qualquer visão maniqueísta e excessivamente simplista da vida. O momento presente exige uma análise séria e realista da realidade, porque por mais que se afirme que a democracia brasileira esteja consolidada, a manutenção de um regime de liberdade sempre será tênue e exigirá perpétua vigilância. Acima das cores partidárias, deverá estar a defesa de valores essenciais a todos coletiva e individualmente considerados, no que ressaltamos as liberdades em geral e a dignidade da pessoa humana em particular. Não se trata de admoestar o leitor com qualquer discurso constitucionalista, mas na verdade de sobrelevar esses valores como acima de qualquer ciência, de qualquer ideologia ou mesmo de qualquer oportunismo eleitoral.

Em junho de 2013, alguns maravilhados outros temerosos, todos testemunhamos a tomada das ruas das principais cidades do país por uma massa disforme e pujante de manifestantes que essencialmente propugnavam mudanças, não se sentiam representados nem pelos políticos nem pelos partidos do presente. Não era somente os trinta centavos do aumento pretendido das tarifas públicas de transporte, mas a indignação contra a corrupção que invade todos os rincões de poder país adentro; a falta de compromisso dos parlamentares com as verdadeiras causas populares; o engodo ao qual a cada dois anos todos os nacionais se submetem em cada eleição, sejam as locais, sejam as nacionais ou regionais. Havia uma patente insatisfação não somente com os políticos e partidos que os aglomeravam, mas antes disso com o próprio sistema político estruturado a partir da Constituição Federal brasileira. Pouco mais de um ano depois, as urnas nos informam que aquele sentimento de renovação deu lugar a um incompreensivo continuísmo de todas as forças políticas estabelecidas antes daquele histórico marco. Se a presidência da República continua sob o jugo do PT, o governo do estado mais rico e populoso do país segue entregue ao PSDB. No Rio de Janeiro, se reelege o Governador que não por acaso era o vice daquele a quem exigiam a imediata renúncia. No Ceará, assim como findou sendo a regra em quase todo o Nordeste, é eleito o ungido do Governador de plantão. Será que mudamos tanto e tão profundamente que acabamos igual ao que éramos antes? Que lições tirar das manifestações de junho em comparação ao resultado das eleições de outubro?

Muitos tratados haverão ainda de serem escritos sobre esse tema. Os cursos relacionados às ciências sociais terão muito material sobre o qual se debruçar e esmiuçar suas detidas vistas, por meio dos quais certamente sacarão dezenas de mirabolantes teorias. Para nós, preliminarmente nos parece certo que os manifestantes de junho não mudaram de ideia nesse pouco mais de um ano, para se sentirem magicamente representados pelos mesmos governantes de antes. Seguem não estando representados pelo Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Executivo tanto quanto antes. A conclusão primeira que nos parece advir das urnas é a da falência do sistema que por detrás do discurso de que somente por intermédio da democracia se conquistarão todas as liberdades, exclui espuriamente desse mesmo sistema representativo uma significativa massa de estudantes, intelectuais, artistas e vanguardistas de diversas espécies, que foram aqueles que saíram às ruas em protesto mas que nada de positivo obtiveram como resposta das urnas. Estranhamente, a democracia brasileira exclui do efetivo poder decisório as melhores cabeças e os mais ávidos a dar cabo das desigualdades e injustiças sociais reinantes. Se observarmos bem, a constatação é ainda mais tenebrosa, pois não é somente a democracia brasileira que exclui seus melhores quadros da participatividade, mas a democracia mundial, pois é inevitável aferir que a democracia europeia, por exemplo, também padece do mesmo e talvez irremediável mal de não representar os verdadeiros interesses da sociedade. Em seu Ensaio Sobre a Lucidez, o prêmio Nobel de Literatura, o português José Saramago nos impinge tenebroso alerta: o inimigo dos tempos modernos é o próprio governo democraticamente eleito.

A democracia por si mesma não nos representa, pois os eleitos são paridos das práticas das dezenas de espécies de abuso. A democracia, ensina por exemplo o sábio eleitoralista Fávila Ribeiro, pressupõe uma completa igualdade entre os competidores, pois que do contrário, ela não espelhará uma decisão soberana. No Brasil é cediço o conhecimento no sentido de que aqueles que não abusarem do poder, jamais serão eleitos. E o abuso por si só desequilibra a igualdade da competição. Logo, outra conclusão se impõe quanto a todos os eleitos do presente processo eleitoral (talvez quase sem exceção), que é a de que só lograram vitória no pleito graças à prática de alguma espécie de abuso de poder. Nesse sentido, lembramos que abusar do poder não significa exclusivamente a compra direta de votos, mas também o uso da máquina pública em favor de candidaturas, a maquiagem falaciosa do marketing político, e às vezes até a superioridade cultural de uns sobre os outros, além de tantas outras espécies. Assim, a mazela da nossa democracia está antes de tudo na miséria do nosso povo. Se é importante dar comida aos famintos, como fazem os programas sociais da atualidade, mais ainda é instruir e dignificar os miseráveis, pois somente a educação libertará verdadeiramente o homem, tornando-o em definitivo igual aos demais membros da mesma sociedade. E a educação, convenhamos, é o tema sobre o qual pouco se debate e muito menos ainda se estabelecem práticas efetivas para a sua concretização. O Plano Nacional de Educação fala em dez por cento do PIB para a educação nacional, porém é de se indagar a porcentagem desse valor que será destinada ao aparelhamento estatal dos partidos políticos, tomada a efeito por intermédio da corrupção, a exemplo do que se vem acontecendo com a Petrobras. É triste, mas nos parece óbvio que os prometidos recursos do pré-sal não ficarão imunes a esta nefasta realidade.

Não se tratará jamais de defender o fim da democracia, mas de chamar a sociedade nacional à responsabilidade e consciência no sentido de que para nos afirmarmos como uma nação verdadeiramente livre e democrática, precisamos muito mais que simplesmente comparecermos às urnas a cada dois anos. O sufrágio praticado da forma pela qual fazemos no Brasil longe está de espelhar uma verdadeira democracia, pois uma democracia sem liberdade, sem a possibilidade de verdadeira participação, sem se permitir representar os milhares de brasileiros que acorreram, indignados, às ruas em junho do ano pretérito, definitivamente não espelha nenhuma liberdade. Democracia sem liberdade não é democracia, mas um engodo dela. Cuidado para não transformarmos nossa sociedade em uma democracia de falácias, onde no discurso da televisão somos livres e nas práticas da mídia e do governo escravos. Se somente a educação conscientiza e liberta verdadeiramente, somente poderemos nos declarar uma democracia efetiva desde quando toda a nossa população venha a ter acesso a uma educação plena, integral e libertadora. Chega de testemunharmos eleições onde a miséria do povo seja o fator decisório do sufrágio.

Por: Jorge Emicles Pinheiro - Advogado



Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30