xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 18/10/2014 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

18 outubro 2014

Impostômetro atinge nível de R$ 1,3 trilhão em encargos

impostometro_srzd1

O Impostômetro, medidor que aponta o nível de impostos arrecadados no Brasil, atingiu neste sábado, 18, a marca de R$ 1,3 trilhão. As informações são da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A quantia se refere aos tributos que o cidadão brasileiro paga desde o primeiro dia do ano.

De acordo com Rogério Amato, o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), a carga tributário no Brasil não acompanha o crescimento financeiro do país.

Impostômetro. Foto: Reprodução de internet

"Apesar do baixo crescimento da economia, a arrecadação tributária continua se sustentando, embora num ritmo mais lento do que nos anos anteriores. O grande problema é que as despesas caminham num ritmo mais rápido e os resultados das contas públicas têm sido decepcionantes", disse Amato.

O medidor de imposto foi implementado em 2005 para alertar os consumidores sobre o valor pago em imposto em cada mercadoria comprada, ou serviço contratado. O impostômetro está localizado na Rua Boa Vista, centro de São Paulo. O Brasil é o país com as mais altas taxas tributárias do mundo.

Redação SRZD

Consumo elétrico no Brasil sobe em outubro, mas chuvas diminuem

eletricidade2De acordo com o ONS, a quantidade de chuvas nas regiões Centro-Oeste e Sudeste será 67% da média histórica, o que contrasta com a Região Sul, onde tem chovido acima da média, com 147%.

Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - O consumo de energia elétrica crescerá durante o mês de outubro e encontrará os reservatório das grandes usinas em níveis baixos, pela redução na quantidade de chuvas, principalmente no Sudeste e Centro-Oeste. As informações foram divulgadas sexta-feira (17) pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), no boletim do Programa Mensal de Operação (PMO), que é publicado semanalmente com um análise ampla do setor no país.

De acordo com o ONS, a quantidade de chuvas nas regiões Centro-Oeste e Sudeste será 67% da média histórica, o que contrasta com a Região Sul, onde tem chovido acima da média, com 147%. "Em comparação com as afluências da semana anterior, prevê-se para a próxima semana operativa, recessão nas afluências aos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, estabilidade nas afluências ao Subsistema Norte e aumento nas afluências ao Subsistema Sul", detalhou a ONS.

Na contramão da redução das chuvas, principalmente em estados como Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, houve aumento do consumo nas residências e no comércio, pela elevação da temperatura.

"Nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul, as taxas de crescimento previstas para o mês de outubro, relativamente ao mesmo mês do ano anterior, de 2,5% e 3,4%, respectivamente, refletem o aumento do consumo das classes residencial e comercial, em consequência do desconforto térmico provocado pelas elevadas temperaturas registradas nas capitais dessas regiões."

No Subsistema Nordeste, segundo o ONS, a expansão do consumo de energia nos segmentos residencial e comercial e a elevação na carga industrial contribuem para a taxa de crescimento de 3,2%, esperada para o mês de outubro. No Norte, há redução prevista de 1,3% no consumo elétrico, pela diminuição na atividade de uma grande indústria do setor de alumínio.

Agencia Brasil

Estudo revela traços de consciência em pacientes vegetativos



concienciaCientistas descobriram sinais no cérebro de pacientes vegetativos que sugerem que eles podem estar com um grau de consciência – mesmo que pequeno – quando se encontram neste estado.
consciência
Testes mostraram que certos pacientes têm atividade cérebral semelhante à de pessoas saudáveis
Médicos normalmente consideram que estes pacientes, que sofreram sérios danos cerebrais, não tomam conhecimento do mundo à sua volta, apesar de parecerem estar acordados.
Os pesquisadores esperam que seu trabalho ajude a identificar aqueles que estão de fato conscientes e apenas não conseguem se comunicar.
Depois de sofrer danos graves no cérebro, como os que podem ocorrer em acidentes de trânsito ou ataques cardíacos, algumas pessoas pessoas parecem estar acordadas, mas não reagem a acontecimentos ao seu redor.
Médicos descrevem este estado como vegetativo.
Normalmente, pacientes abrem seus olhos e olham ao seu redor, mas não têm reações a comandos e não realizam movimentos por vontade própria.-
Algumas pessoas podem ficar assim por muitos anos.
Mas pesquisas recentes sugerem que alguns pacientes podem estar de fato conscientes do que ocorre ao seu redor e só não conseguem se comunicar.
Uma equipe de cientistas da Universidade de Cambridge estudou 13 pacientes em estado vegetativo, mapeando a atividade elétrica de seus nervos e depois comparando os resultados com os de pacientes saudáveis. Em ambos os casos, os sinais encontrados foram bem parecidos.
- Isso sugere que algumas das redes neurais que dão suporte à consciência em adultos saudáveis podem estar bem preservadas em pessoas que se encontram em um estado vegetativo duradouro – disse o pesquisador Srivas Chennu, que liderou o estudo.
Num segundo estágio da pesquisa, os cientistas escanearam o cérebro com um aparelho de ressonância magnética enquanto pediam a eles para imaginarem que estavam jogando tênis.
Estudos anteriores haviam mostrado que a área do cérebro de pacientes vegetativos ligada a movimentos planejados se acendia quando era pedido a eles para realizar esta tarefa.
E o time de Cambridge descobriu resultados parecidos nos quadro de pacientes estudados, o que sugere que eles estavam conscientes o suficiente para entender a ordem e para decidir segui-la.
“Isso pode ser útil para as famílias dos pacientes e dos profissionais de saúde que cuidam deles”, afirmou Chennu.
O cientista Tristan Bekinschtein também fez parte do estudo e esclarece que o teste tem algumas limitações, mas que, junto com outros exames, isso pode ajudar na avaliação dos pacientes.
- Se as redes cerebrais da consciência de um paciente estão intactas, então, sabemos que eles provavelmente estão conscientes do que se passa à sua volta.

Por Redação, com BBC - de Londres

Fonte: http://correiodobrasil.com.br/

Quem ganha e quem perde com a queda dos preços do petróleo

petroleo12_reutersNa semana em que o preço do petróleo caiu a pique o responsável pelo ‘research’ de ‘commodities’ do Citi analisa no Financial Times quem ganha e perde com esta desvalorização.
Os preços do crude caíram 25 dólares, ou mais de 20%, desde meados de Junho, o que levanta numerosas questões. Os preços podem descer ainda mais? Se inverterem a tendência, em que nível irão estabilizar? Há alguma possibilidade de a Arábia Saudita e a OPEP decidirem que é necessário reduzir a produção no encontro agendado para Novembro? A produção de gás de xisto nos EUA pode ser afectada - e com que gravidade - a partir de que nível de preços?
Uma coisa é certa: há quem ganhe e quem perca com os actuais preços baixos. Entre os perdedores contam-se os produtores, os países e os governos. Se o Brent cair para 90 dólares (70 euros), os países da OPEP poderão perder cerca de 200 mil milhões do bilião de dólares (ou 157 mil milhões dos 784 mil milhões de euros) que encaixaram recentemente, comprometendo não só a sua capacidade de cobrir o aumento dos orçamentos no pós Primavera Árabe como também a capacidade de servir a dívida sem incorrer em incumprimento. Se os preços caírem ainda mais nos EUA, então, será preciso cortar nos gastos de capital para expandir a produção, o que vai, inevitavelmente, desacelerar a chamada "revolução do xisto".
Os preços caíram a pique por várias razões: o sentimento e os fundamentais do mercado tiveram alguma importância, mas o factor que mais pesou nesta equação foi a conjuntura geopolítica. Com efeito, o preço médio do barril de Brent tem rondado os 110 dólares (86 euros) desde que a ruptura na produção líbia retirou um milhão de barris por dia dos mercados. Apesar de a Arábia Saudita ter reforçado a produção em 2011, o Brent era negociado 25 dólares/barril acima dos valores anteriores à ruptura de produção na Líbia. Os sauditas só não conseguiram baixar os preços porque se tratava de Light Sweet (CL), isto é, crude de melhor qualidade e bastante líquido, que as refinarias não podiam substituir por petróleo mais concentrado.
Além disso, a economia mundial foi submetida ao equivalente a um gigantesco programa de ‘quantitative easing' para estimular o crescimento económico. A queda nos preços iria gerar ganhos inesperados no valor de 1,8 mil milhões de dólares/dia (1,4 mil milhões de euros). Ora, se aplicarmos isto aos preços da gasolina nos EUA, onde cada família gastou aproximadamente 2.900 dólares (2.271 euros) no ano passado, os ganhos inesperados traduzir-se-iam num reembolso de imposto ligeiramente abaixo dos 600 dólares (470 euros) por família. Esta situação teria um impacto positivo na poupança dos consumidores globais e dos países da OPEP em particular, onde já é habitual pagar pouco pelos combustíveis.
A partir de 2011, duas tendências distintas começaram a ganhar forma. A primeira tem a ver com os problemas políticos e sociais que os países exportadores de petróleo têm enfrentado. Antes de Fevereiro de 2011, apenas 400 mil barris/dia não chegavam ao mercado devido a rupturas na produção. Desde então, há momentos em que as perturbações podem ser superiores a 3,5 milhões de barris/dia, incluindo as sanções ao petróleo iraniano e ao crude da Nigéria, Sudão, Síria e Iémen, para citar apenas alguns exemplos que têm contribuído para a tensão geopolítica. A segunda tendência está directamente ligada ao enorme crescimento da produção petrolífera nos EUA. Os custos de produção e de ‘break-even' têm vindo a diminuir todos os anos para níveis inferiores a 75 dólares (59 euros) por barril.
Um dos dilemas que a OPEP enfrenta prende-se com o choque de interesses entre os produtores de crude ‘sour' (com uma percentagem de enxofre superior a 0,5%), médio e ‘heavy' (de menor qualidade) do Golfo e os produtores de crude ‘light' (com baixo teor de enxofre) dos países da África Ocidental e do Norte. O crescimento da produção norte-americana, por sua vez, deve-se essencialmente ao crude ‘light' e ‘sweet' (em que a percentagem de enxofre é inferior a 0,5%). Como os EUA inundaram o mercado global com estes tipos de petróleo, nenhum corte na produção saudita ou doutros produtores da OPEP vai corrigir o excesso de oferta de crude ‘light' no mercado.
A isto somam-se outros fundamentais. A economia global está fragilizada e a procura de petróleo aumenta a um ritmo inferior a 1 milhão de barris/dia. Se a actividade económica e a procura crescerem em 2015, isso quer dizer que haverá um excesso de 1 milhão de barris/dia e que o impacto nos preços será bastante grande, salvo se os países da OPEP reduzirem a produção. Os riscos políticos também pendem mais para o lado ‘bear' do que para o lado ‘bull', pelo menos no curto prazo. Se houver acordo sobre o programa nuclear iraniano ou se a produção líbia continuar a aumentar teremos mais petróleo no mercado.
Por último, a fragilidade dos preços do petróleo deu aso a uma série de teorias da conspiração com base no desconto que a Arábia Saudita terá feito aos seus clientes no continente asiático, entretanto igualados pelos produtores do Irão, Iraque e outros países do Médio Oriente. Segundo as declarações dos líderes sauditas, a produção americana será afectada se os preços descerem abaixo dos 90 dólares (70 euros). Se o barril de Brent estabilizar neste valor em 2015, o diferencial entre o Brent e o WTI vai aumentar e, consequentemente, fazer descer o preço do WTI para menos de 75 dólares (59 euros) por barril.
Mas será que estes rumores são verdadeiros? Só o tempo e a reunião de Novembro da OPEP o dirão. Mas é possível que, se os preços continuarem a cair, os produtores norte-americanos mostrem maior resiliência do que o esperado.

Fonte: http://economico.sapo.pt/

Cometa passará raspando por Marte neste domingo


Astro passará a distância que equivale a 1/3 do trajeto entre Terra e Lua.
Em Marte, sondas Curiosity e Opportunity apontarão câmeras para o céu.

cometa-marteIlustração mostra cometa 'Siding Spring' passando por Marte (Foto: AFP Photo/Nasa)


Um cometa está prestes a passar muito perto de Marte, em um encontro que acontece uma vez a cada um milhão de anos e que será abundantemente fotografado e documentado, informou a Nasa.
O cometa C/2013 A1, também chamado "Siding Spring", tem um núcleo de 1,6 km de diâmetro e é tão pouco sólido quanto um monte de talco.
O astro passará a toda velocidade a apenas 139,5 mil km do planeta vermelho. Se fosse passar tão perto do nosso planeta, a distância equivaleria a um terço daquela entre a Lua e a Terra.
"Siding Spring" passará pelo ponto mais próximo de Marte às 18h27 GMT (16h27 de Brasília) de domingo, 19 de outubro, informou a agência espacial americana.
Embora voe no espaço a uma velocidade vertiginosa de 202 mil km/h, o pequeno cometa tem poucas probabilidades de se chocar com a superfície marciana. Mas, de qualquer modo, os cientistas têm acompanhado com muito entusiasmo sua trajetória e seu rastro.
"Veremos meteoros na atmosfera de Marte? Os cometas são imprevisíveis", declarou Jim Green, diretor da divisão de ciências planetárias na sede da Nasa, em Washington. "Penso que é improvável que se destrua", explicou Green a jornalistas. "Mas nos interessa saber se manterá sua estrutura ou não", prosseguiu.
A Nasa pôs suas naves que orbitam Marte o mais distante possível do local por onde passará o Siding Spring, para evitar que sofram danos dos vestígios que o cometa soltar ao passar com toda a velocidade.
Embora as naves Mars Reconnaissance Orbiter, Mars Odyssey e MAVEN tenham sido reposicionadas para ficar a salvo da poeira estelar, espera-se que capturem um tesouro de dados sobre o cometa que fará a alegria dos cientistas.
Enquanto isso, em solo marciano, as sondas Curiosity e Opportunity apontarão suas câmeras para o céu avermelhado e enviarão à Terra fotos da passagem do cometa, que devem chegar nas próximas semanas ou meses.
O cometa foi descoberto por Robert McNaught no observatório australiano "Siding Spring", em janeiro de 2013.
Acredita-se que tenha se originado há 1 bilhão de anos na Nuvem de Oort, uma região distante no espaço, de onde partem cometas que "permanecem inalterados desde os primeiros dias do Sistema Solar", acrescentou a Nasa.
O cometa viajou mais de um milhão de anos para fazer esta primeira parada em Marte e só voltará dentro de outro milhão de anos, assim que completar uma volta ao redor do sol.


Da France Presse via G1

Horário de verão: relógios devem ser adiantados uma hora

horario_de_verao_vale_estaRelógios devem ser adiantados uma  hora - Arquivo/Agência Brasil

A partir da 0h deste domingo (19) os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste deverão adiantar seus relógios em uma hora. A edição 2014/2015 do horário brasileiro de verão terá uma semana a mais, para não coincidir com o carnaval, e terminará no dia 22 de fevereiro do ano que vem.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, mesmo com uma duração maior, a medida deverá resultar em uma economia menor do que no ano passado. A estimativa é que sejam poupados R$ 278 milhões com geração de energia térmica. Na edição anterior a economia foi R$ 405 milhões.

O valor é menor devido à escassez de chuvas que elevou o uso da energia gerada pelas usinas térmicas. A estimativa é reduzir 4,5% na demanda de energia no horário de pico, entre as 18h e as 21h, o que representa 2.595 megawatts.

Instituído pela primeira vez em 1931, o horário de verão é adotado sempre nesta época do ano para aproveitar melhor a luminosidade natural do dia e reduzir o consumo de energia, que cresce naturalmente por causa do calor e do aumento da produção industrial às vésperas do Natal.

Com a mudança de horário é possível reduzir a demanda por energia no período de suprimento mais crítico do dia, entre as 18h e as 21h, quando a coincidência da utilização de energia elétrica por toda a população provoca um pico de consumo. Com a redução, o uso de energia gerada por termelétricas pode ser evitado, reduzindo o custo da geração de eletricidade.

O horário de verão só é aplicado nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, porque nesses estados o consumo é maior e é onde os melhores resultados são alcançados. A aplicação no Norte e no Nordeste não foi recomendada, porque teria poucos benefícios em termos de economia de energia. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o aproveitamento da luz natural ao longo do dia no verão é maior em locais mais próximos aos trópicos. Nos locais mais próximos à Linha do Equador o aproveitamento é reduzido, porque há uma menor intensificação da luz natural ao longo do dia.

Agência Brasil

Robô de telepresença é sucesso na Semana de Ciência e Tecnologia

robotele

O robô de telepresença R1T1, primeiro da América Latina, chama atenção no Pavilhão de Exposição da 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em BrasíliaMarcelo Camargo/Agência Brasil

O robô de telepresença R1T1 não consegue passar despercebido pelo Pavilhão de Exposição da 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em Brasília. Guiado por controle remoto, ele atrai as crianças por sua autonomia e pelas interações por meio de câmera e tela acopladas ao “pescoço”.

Revestido de fibra de vidro e com, aproximadamente, 1,6 metro de altura, o robô teve seu nome inspirado no R2D2, personagem do filme Star Wars. Assim como seu colega do cinema, o R1T1 pode interagir com aqueles ao seu redor. Conforme o engenheiro Antônio Henrique Dianin, coordenador do Project Robot, da startup brasileira DMS Company, e idealizador do robô, o principal foco é a área hospitalar.

A primeira instituição a receber o projeto foi o Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM). Com estrutura arredondada, o R1T1não acumula resíduos e é fácil de ser esterilizado. Por isso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária permite que ele circule em todas as alas do hospital, inclusive nas UTIs.

“Também pensamos nas pessoas que ficam muito tempo em um hospital. Nas pediatrias, as crianças adoram. O robô consegue tirá-las desse ambiente. Elas podem se conectar e passear em exposições como essa ou visitar outras salas de aula. O melhor é que o robô pode substituir as famílias nos casos de dificuldades de contato com os pacientes”, ressaltou o engenheiro.

Segundo Dianin, o R1T1 também pode se conectar ao sistema do hospital, permitindo ao médico consultar dados do paciente. A próxima etapa será instalar equipamentos de ultrassom no robô. “Estamos idealizando uma cirurgia odontológica, com a utilização de câmeras na boca do paciente. O procedimento será feito pela tela do robô”, adiantou.

Lançado em 2013, após um ano de desenvolvimento, esta é a terceira versão do R1T1. A primeira custou R$ 100 mil ao grupo. “Consideramos o HUM nosso grande parceiro. Eles aceitaram o projeto na fase inicial, quando ainda era um protótipo bem rústico, cheio de fios e placas aparentes”, assinalou.

Para o idealizador, o R1T1 é o primeiro robô de telepresença da América Latina e um dos mais avançados do mundo, pois tem autonomia (a bateria funciona 24 horas) e movimentação. O projeto já ganhou prêmios e tem parcerias com universidades nacionais e internacionais. “É muito difícil desenvolver um projeto desse no Brasil. Além da burocracia, a visão e a cultura é muito diferente do exterior. Infelizmente, o apoio para pesquisa é maior fora do nosso país”, lamentou o técncico.

Antônio Dianin acredita que os robôs farão parte do dia a dia da sociedade em futuro bem próximo.  “Ano que vem, lançaremos um robô de limpeza. Todos precisarão de um em casa. O custo ainda será alto, mas tende a baratear. Teremos robôs na educação, marketing e em games. Vislumbramos um horizonte que o cinema muitas vezes apresenta em estágio avançado. Inicialmente, eles auxiliarão nas pequenas atividades", explicou.

De acordo com o engenheiro, haverá uma migração de áreas de especialidade. “Os seres humanos precisarão estar cada vez mais preparados, com mais estudo, de modo que transitem de atividade corriqueiras para as de desenvolvimento. Para fazer tecnologia avançada, é preciso pessoas preparadas e isso requer muito estudo. Os robôs forçarão essa migração, ao mesmo tempo que engrandecerão o ser humano”, observou.

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia será encerrada amanhã (19) em todo país. Em Brasília, as exposições, palestras e oficinas ocorrem no Pavilhão de Exposição do Parque da Cidade.

Agência Brasil

Brasil lamenta atraso para acordos de facilitação do comércio internacional

omc
Em seu posicionamento mais recente no Comitê de Negociações Internacionais da Organização Mundial do Comércio (OMC), no fim desta semana, o diretor-geral da instituição, o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo, informou que, apesar de todos os esforços, seus membros não encontraram uma “solução para desbloquear” o impasse para cumprir o prazo para o Acordo de Facilitação do Comércio. Segundo Azevêdo, “esta pode ser a situação mais grave que a organização já enfrentou”, com impacto em diversas áreas de negociações e gerando “uma crescente desconfiança”, com “efeito paralisante” sobre o trabalho da OMC.

O Brasil sempre foi um dos países mais empenhados na construção de um acordo comercial multilateral. De acordo com o Itamaraty, "o Brasil empenhou-se pela aprovação do conjunto de acordos aprovados em Bali, em dezembro de 2013, que abrange, além de facilitação do comércio, questões de interesse prioritário para o país como administração de quotas tarifárias para produtos agrícolas e a elaboração de um programa de trabalho para conclusão das negociações de Doha”. Por conta disso, é grande a preocupação do governo brasileiro quanto a um possível fracasso das negociações.

“Os atrasos em relação à implementação desses acordos na OMC são lamentáveis, mas é importante ter presente que os obstáculos não se restringem à implementação do Acordo de Facilitação do Comércio. O governo brasileiro atua de forma construtiva, em Genebra, para aproximar posições com vistas à superação do impasse e permitir a retomada das negociações na OMC, de forma equilibrada e que contemple todos os interesses do país", informou o Itamaraty.

Celebrado em dezembro de 2013, o Acordo de Bali foi a primeira negociação comercial global fechada pela OMC, após um período de quase 20 anos sem avanços. No início do ano, durante audiência pública no Senado, Azevêdo declarou que o acordo deve reduzir os custos de comércio internacional em torno de 13% a 15%.

Ao falar com os representantes dos países-membros da OMC, no que chamou de uma “avaliação franca”, Azevêdo, que assumiu o comando da organização em 2013, usou expressões como “dias difíceis”, “grande impasse”, “consequências graves”, “crescente desconfiança” e “paralisia” para descrever a situação. “É o meu sentimento que uma continuação da atual paralisia serviria apenas para degradar a instituição, principalmente em sua função de negociação”, declarou.

O diretor-geral da OMC pediu para que os representantes dos países-membros reflitam sobre o que a situação atual significa para a organização. Alertou que o impasse se tornou uma posição familiar e não estão sendo capazes de superá-la. Conforme Azevêdo, a construção do acordo em Bali deu esperança para “uma nova OMC”. Acrescentou que voltaram à situação de incapacidade de consensos, de impasse, consequentemente de paralisia. “Vimos essa situação muitas vezes. Portanto, não podemos continuar com essa forma ineficiente e ineficaz, que é tão propensa à paralisia”, disse.

Reforçando a posição de franqueza, Azevêdo ressaltou que vários representantes têm conversado sobre outras opções, não-multilaterais, que estão abertas a seus países. "É possível ver o desengajamento de alguns, buscando outros caminhos". Para seguir em frente, o diplomata observou que é preciso pensar como a OMC pode trabalhar e responder algumas perguntas, principalmente sobre o que deve ser feito com as decisões tomadas em Bali, o desenvolvimento da agenda pós-Bali e como podem avaliar o futuro pilar de negociação da OMC.

Agência Brasil

Candidatos com registro negado somam quase 3 milhões de votos

eleicoes2014No primeiro turno das eleições deste ano mais de 2,8 milhões de votos foram dados a 680 candidatos que concorreram com o registro de candidatura negado. A maioria (404) concorreu a uma vaga de deputado estadual, 253 tentaram vaga para deputado federal, 15 para deputado distrital, cinco para senador e três para governador. Eles aguardam decisão da Justiça Eleitoral sobre os recursos apresentados para saber se conseguiram o número de votos suficientes para assumir a vaga.

Segundo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), apenas o estado do Tocantins não conta com candidatos nesta situação. O Rio de Janeiro lidera o número de barrados, com 274 candidatos, 40,23% do total; São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, ficou em segundo lugar, com 163 candidatos com registro negado, 23,93%. Além de problemas com a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010), os candidatos estão nessa situação por quitação eleitoral, indispensável para que um cidadão possa ser votado.

A certidão de quitação eleitoral, que deve ser apresentada no momento do pedido de registro de candidatura, abrange, exclusivamente: a plenitude do gozo dos direitos políticos, o regular exercício do voto; o atendimento a convocações da Justiça Eleitoral para auxiliar os trabalhos relativos ao pleito, a inexistência de multas aplicadas, em caráter definitivo pela Justiça Eleitoral, mas não pagas; e a apresentação de contas de campanha eleitoral.

Até que não haja mais possibilidade de recurso, os votos desses candidatos ficam zerados. A expectativa do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli, é que 100% dos processos sejam julgados até o fim deste mês. Quase 95% foram julgados antes do primeiro turno.

Ao todo, a lei prevê 14 hipóteses de inelegibilidade, quem for pego um uma delas está sujeito a ficar até oito anos longe da disputa como candidato.

Agência Brasil

Obama pede à população para não ceder à histeria e ao medo do ebola


obamaebolaBarak Obama temea histeria e o medo do povo norte-americano Arquivo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu hoje (18) à população norte-americana para não ceder à “histeria ou ao medo” por causa do vírus ebola. Obama considerou que o país e o mundo enfrentam uma “doença grave”, mas que “não se pode ceder à histeria ou ao medo, porque isso só torna mais difícil transmitir às pessoas as informações necessárias”. Com mais de 4,5 mil vítimas fatais, a crise provocada pelo vírus tem atingido, sobretudo, os países africanos da Guiné, Libéria e Serra Leoa.

“Temos de ser guiados pela ciência”, comentou o presidente no discurso semanal ao país. Informou que tem enfrentado falsos alarmes, incluindo no Pentágono, onde uma entrada foi fechada depois de uma mulher ter vomitado em um estacionamento. Mais tarde foi divulgado que não havia provas de contágio da mulher.

A posição de Obama surge um dia após o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, ter avisado que a batalha contra a doença estava sendo perdida. Segundo Kim, isso se deve à falta de solidariedade internacional nos esforços para conter a epidemia, já que alguns países estão preocupados apenas com as suas fronteiras.

Porta-voz das Nações Unidas, Jens Laerke, informou que o dinheiro para combater a crise tem chegado diariamente, na sequência do apelo, feito há um mês, para reunir US$ 1 bilhão.

Agência Brasil

Exposição do mestre surrealista Salvador Dalí começa amanhã em São Paulo

dali
A exposição Salvador Dalí será aberta ao público hoje (30), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro. A mostra é formada por 150 obras do artista surrealista catalão (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Obras de Salvador Dalí serão expostas a partir de amanha no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.Tomaz Silva/Agência Brasil

Conhecido por retratar sonhos e fantasias e também por manter um bigode extremamente fino e com as pontas levantadas para o alto, o artista catalão e surrealista Salvador Dalí (1904-1989) será homenageado a partir de amanhã (19), em são Paulo, com uma mostra no Instituto Tomie Ohtake.

São 218 obras do pintor, divididas entre 24 pinturas, 135 gravuras e desenhos [muitas delas ilustrações para livros como Alice no País das Maravilhas, Fausto, Dom Quixote e O Velho e o Mar], 15 fotos, 40 documentos, quatro filmes [entre eles o famoso O Cão Andaluz, dirigido com Luis Buñuel] e até uma grande sala retratando a atriz norte-americana Mae West (1893-1980) como um apartamento. A sala atrai curiosos [em filas geralmente longas] em busca de uma foto sentado em poltrona simulando a boca da atriz.

Dalí foi um dos principais nomes do surrealismo, movimento artístico bastante influenciado pelas teorias do médico neurologista e criador da psicanalise Sigmund Freud (1856-1939) e que enfatiza o inconsciente. Foi pintor, desenhista, ilustrador, cineasta e cenógrafo. Suas pinturas retratam geralmente figuras recorrentes como relógios, muletas e corpos mutilados.

A mostra apresenta, principalmente, a década de 30, o auge do movimento surrealista. Ela já foi apresentada no Rio de Janeiro e chega a São Paulo com algumas novidades, entre elas cinco novas obras da Fundação Gala-Salvador Dalí e outras duas do Museu Reina Sofia, instituições detentoras de 90% dos trabalhos expostos. Uma delas retrata o pequeno óleo sobre madeira O Espectro do Sex-Appeal (1934), em que Dalí mostra o temor pela sexualidade, e O Piano Surrealista (1937), fruto de sua colaboração com os irmãos Marx. A curadoria é de Montse Aguer, diretora do Centro de Estudos Dalinianos da Fundação Gala-Dalí.

“Estamos apresentando uma mostra antológica de Dalí, centrada em seu período surrealista. Também mostramos a evolução de sua carreira e como desenvolveu seu estilo”, salientou a curadora, em entrevista hoje (18) à Agência Brasil.

De início, o visitante encontra, por exemplo, telas do período de formação do pintor, tais como Desnudo (1924) e Retrato de Miinha Irmã (1925). “Creio que a exposição é muito importante para se aprofundar em Dalí e no surrealismo, movimento que não está muito presente no Brasil, mas que será muito bem entendido [pelos visitantes]”, salientou a curadora. “É um movimento que apela à imaginação, aos sonhos e ao inconsciente. Dalí se definia como uma máquina de pensar e dizia que queria abrir as janelas mentais”, explicou.

Paralelamente, duas mostras de cinema ocorrem para apresentar filmes de Dalí ou com temática surrealista. A primeira integra a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, iniciada na última quinta-feira (16) e que vai apresentar O Cão Andaluz e A Idade do Ouro (1930). A segunda está programada para dezembro, no Museu da Imagem e do Som (MIS), e será denominada Surrealismo no Cinema.

A exposição é gratuita, de terça-feira a domingo, das 11h às 20h, até 11 de janeiro. Para participar, os visitantes precisam apenas de uma senha, que será distribuída no local, a partir das 10h. A exposição estará aberta para visitação em três horários: 11h, 14h e 17h. Mais informações no site do instituto.

Agência Brasil

Fogo na região serrana do Rio atinge área mais alta do Parque Nacional


incendiorioUma sucessão de incêndios florestais de grandes proporções se alastra na Região Serrana. Brigadistas e guarda-parques combatem incêndio na mata em Araras (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Uma sucessão de incêndios florestais de grandes proporções se alastra pela região serrana. Aronaves do Ministério da Defesa, do governo do Rio e da Polícia Civil foram disponibilizadas para o combate ao fogoFernando Frazão/Agência Brasil

O incêndio florestal que atinge o Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso), na região serrana do Rio de Janeiro, atingiu hoje (18) a área dos campos de altitude, um dos ecossistemas mais raros da Mata Atlântica. O avanço do fogo foi constatado durante sobrevoo, pela manhã, de representantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Ibama.

De acordo com o Ibama, até ontem o fogo estava restrito ao Morro do Mamute e tinha controle das brigadas federais na parte oeste, próximo de Itaipava, em Petrópolis. O combate ao incêndio foi reforçado hoje com uma aeronave da Polícia Civil, que transportará até 40 brigadistas do acampamento, no Morro do Mamute, para a nova frente das chamas. Agora à tarde, um helicóptero do Ibama iniciará o lançamento aéreo de água.

Ontem (17), a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, sobrevoou a região. Ela anunciou o aumento da fiscalização do Ibama no entorno do parque, já que há indícios de que queimadas ilegais tenham desencadeado o incêndio que já destruiu cerca de 590 hectares no Parnaso e 550 hectares no entorno da área de proteção ambiental de Petrópolis.

A equipe, com seis fiscais da superintendência do Ibama no Rio de Janeiro e do escritório regional de Nova Friburgo, já está no Parnaso. Eles investigarão a origem suspeita do fogo nas regiões de Itaipava, Jacó, Bonfim e Macumba, além de monitorar as margens da rodovia Petrópolis-Teresópolis.

O combate ao incêndio começou no dia 8 e conta com 28 brigadistas especializados do Ibama/Prevfogo/RJ e 26 do ICMBio/RJ. Mais 21 brigadistas do instituto Chico Mendes foram deslocados pela manhã dos parques nacionais da Tijuca e de Jurubatiba. Uma sala na sede do parque foi destinada à organização do controle dos incêndios.

Em nota divulgada hoje, a Defesa Civil do estado informa que aproximadamente 200 bombeiros estão mobilizados para esse trabalho. “As equipes contam com o apoio de 19 viaturas e três aeronaves (duas do governo do Rio e uma da Marinha).

O Ministério da Defesa disponibilizou dois helicópteros, cada um com capacidade para transportar 1,6 mil litros de água, e está negociando a liberação de um avião Hércules C-130, que pode lançar até 12 mil litros de água.

Segundo o Ibama, o último grande incêndio no Parnaso ocorreu em 1998.

Agência Brasil

Ativistas protestam no Rio contra fechamento do Museu da Maré

ativistasrio
Moradores do complexo de favelas e artistas plásticos protestam com caminhada e performances contra o fechamento do Museu da Maré, centro de referência histórica e cultural da comunidade (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Moradores do complexo de favelas e artistas plásticos protestam contra o fechamento do Museu da MaréFernando Frazão/Agência Brasil

Artistas, ativistas e moradores do Complexo da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, e de outros locais da capital fluminense fizeram hoje (18) um ato em defesa do Museu da Maré. Durante todo o dia, eles promoveram atividades artísticas e participaram de fizeram performances para pedir a permanência no espaço na Avenida Guilherme Maxwell, que, desde 2003, é um centro de referência para os moradores da região. O ato terminou com uma passeata pela Avenida Brasil.

Segundo o coordenador e fundador do museu, Luiz Antonio de Oliveira, o espaço deve ser desocupado e entregue até dia 9 de dezembro. "O Grupo Libra de Navegação é proprietário do espaço do museu e nós tínhamos um contrato de comodato, estamos aqui desde 2003. O contrato terminou no fim do ano passado, fizeram uma minuta de renovação, a gente assinou mas não voltou ainda, e agora chegou o pedido para que nós deixássemos o espaço. E ele não dizem o que pretendem fazer aqui, se está à venda. A gente fica só especulando, tem a questão da UPP [Unidade de Polícia Pacificadora] que está para entrar aqui na Maré, pode ser especulação imobiliária, ou pode ser outra coisa”, disse Oliveira.

O espaço tem biblioteca, arquivo, laboratório de informática, espaço de artesanato e oferece oficinas culturais, além da exposição permanente sobre a comunidade, com fluxo de 400 a 500 pessoas por semana. “Gera um clima de insegurança, insatisfação e indignação também, já que aqui é um espaço importante em relação à memória, para a Maré e para a cidade. Se a gente sair por causa da especulação imobiliária, é ate um contrassenso, porque a entrada do Estado pressupõe segurança para o território acompanhada de educação, cultura e cidadania, e vai levar a saída de um espaço de referência para o morador da Maré”, destacou o diretor.

Moradores do complexo de favelas e artistas plásticos protestam com caminhada e performances contra o fechamento do Museu da Maré, centro de referência histórica e cultural da comunidade (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Ato público teve participação de moradores da Maré e de outras regiões do RioFernando Frazão/Agência Brasil

Um dos participantes do ato, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) disse que pretende fazer pressão política para que o espaço seja mantido. “Não é só o morador da Maré que tem que lutar para a manutenção do museu, eu acho que a cidade inteira não pode permitir que um espaço de cultura seja ameaçado porque o Estado resolveu entrar aqui. A primeira consequência da entrada do Estado seria a perda de um dos espaços culturais mais importantes que a cidade tem? Isso não faz o menor sentido. Então eu espero que esse prédio possa ser desapropriado e entregue à cultura do Rio de Janeiro, não só aos moradores da Maré.”

O vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Rio de Janeiro (OAB-RJ), Aderson Bussinger, foi ao ato para entender melhor a questão, depois de a entidade ter recebido uma carta relatando o caso. De acordo com ele, a OAB se compromete em fazer um parecer jurídico sobre a situação.

“Durante a semana eu pretendo designar um advogado civilista especialista em direito imobiliário para fazer um parecer sobre essa situação, [examinar] a legislação de museus, para analisar isso não só do aspecto possessório, mas do aspecto cultural. Vamos reunir tudo isso e vamos fazer um parecer jurídico da OAB a respeito desse problema. Solidários nós somos, porque isso aqui é uma iniciativa cultural e só tem a contribuir positivamente para o local.”

Moradora da Maré, a dona de casa Maria José Correia, 40 anos, relata que as duas filhas, de 3 e 15 anos, frequentam o museu e, se ele fechar, elas ficarão sem atividades. “Eu vim apoiar porque minha filha pequena faz balé e a maior faz hip hop. É importante porque as crianças, em vez de ficar na rua, ficam aqui, têm várias atividades. Eu acho importante para a comunidade. Se fechar é ruim porque tudo que tem aqui vai acabar, tem muita coisa.”

O apoio ao museu veio também de moradores de outras parte da cidade, como a artista plástica Marta Pires Ferreira, de 75 anos, que vive em Santa Teresa. “Vim com uma turma para dar um apoio para o museu. Eu acho importantíssimo isso aqui, é um patrimônio histórico, de memória, de resistência. Estou realmente impressionada com a organização do museu e a beleza do trabalho.”

O guia de turismo Janderson Dias mora na favela do Cerro-Corá, na zona sul, e diz que o Museu da Maré é uma inspiração para outras comunidades. “A gente tem o mesmo projeto de criar um museu no Cerro e a gente veio aqui apoiar o Museu da Maré e juntar forças nessa luta. Lá no Cerro, a gente não tem um espaço para dizer que é nosso e fazer nossas atividades. Aqui na Maré tem esse espaço tão grande, que é uma referência para a gente, que quer preservar a memória do Cerro-Corá. Deixar esse espaço se perder é muito triste. O Museu da Maré resiste tanto pelos moradores daqui quanto pelos moradores de fora.”

 

Agência Brasil

Evangelização além-fronteiras, padre da Diocese de Crato que exerce sua missão em Portugal, recebe a cidadania europeia – por Patrícia Silva

Pe. Raimundo Elias celebrando a Santa Missa na Cúria Diocesana. (Foto: Patrícia Silva)
No dia 3 de outubro o Pe. Raimundo Elias Filho, que exerce sua missão sacerdotal como pároco das Paróquias de Mundão, Caverlandio e Cepõe, Diocese de Viseu, na cidade de Viseu, Portugal, recebeu a nacionalidade portuguesa, cidadania europeia, fato que facilita o seu exercício missionário nos países da Europa, sem maiores burocracias impostas pela lei, e contribui para que através de seu sacerdócio possam nascer novas vocações em meio à crise vocacional existe no continente europeu.
Na história dos 100 anos da Diocese de Crato, esta é a primeira vez que um padre originário desta Igreja-Particular consegue a cidadania estrangeira, fato importante porque durante muito tempo, baseado na colonização brasileira, eram os estrangeiros que vinham até o Brasil e se naturalizava brasileiros e, agora, a Diocese de Crato, como todo o Brasil envia auxílio para evangelização, através de sacerdotes e missionários, para outros países que antigamente os tinham em excesso e hoje possuem em menor quantidade.
O Pe. Raimundo Elias diz ser bem acolhido na Europa, porém o excesso de nacionalismo às vezes dificulta o trabalho missionário exercido por ele, o que com o título de cidadania europeia não acontecerá mais. Agora ele deixa de ser estrangeiro para se tornar um dos europeus com documento de identidade que o permite sair, morar, trabalhar em qualquer um dos 27 países da União Européia. Apesar da burocracia para se conseguir a cidadania durar cerca de um ano, no caso do padre foi realizado em tempo recorde, apenas três meses e meio. “Fiquei muito feliz, mas sou do Crato, recebi esse titulo lá, mas não perco minha nacionalidade de origem. Se tivesse que perder a nacionalidade brasileira eu não aceitaria”, afirmou.
Pe. Raimundo Elias também falou do sonho que tem de voltar ao Brasil. “O sonho da gente mostra onde queremos estar e o meu sonho é voltar para a minha Diocese. Quando terminar o doutorado pretendo voltar. Meu coração está aqui” disse. Sobre o exercício missionário realizado em Portugal o sacerdote falou que a Europa hoje é terra de missão, ao contrário de algum tempo atrás, por isso é necessário que os padres da América Latina, África e Ásia estejam presentes no continente europeu para não deixar morrer os trabalhos de evangelização iniciados por eles séculos atrás. “Lá, atualmente, não tem vocações, não desperta no coração dos jovens este interesse por isso é necessário estarmos juntos nesse auxílio”, falou.
A taxa de natalidade em Portugal é de 1.2 para cada casal, ou seja, um filho para cada cônjuges enquanto no Brasil é uma média de 3 a 4 filhos, o que para o padre gera uma consequência social, mas favorece o calor humano da evangelização. “O fato é que a Europa não tem gente e nós temos gente, não tem padre e nós temos padres, não tem fervor na igreja e nós temos fervor na igreja, então é justo missionariamente que nós possamos contribuir para que este fervor também exista lá”, explicou.
Por este momento importante, para o Pe. Raimundo Elias e para toda Diocese de Crato, está acontecendo dentro do primeiro centenário diocesano, o sacerdote se demostrou emocionado e recordou sua caminhada vocacional até hoje, com 25 anos de ordenação. “Lembro-me de que, como pároco da Catedral, recém ordenado, eu organizei a festividade dos 75 anos de criação da Diocese de Crato e musiquei o hino que se cantava na Diocese inteira. O prazer de 25 anos atrás eu trago para hoje, somos uma Diocese jovem, começamos agora mas já fizemos muito. Somos privilegiados por termos uma grande presença humana, a Diocese é rica em cultura, em assistência social. Neste primeiro centenário temos a missão de olhar para trás em função do futuro e aprimorar o que de bom já fizemos, corrigir erros que cometemos porque somos humanos. Tenho sensação de gratidão por pertencer a esta Diocese”, afirmou.
O Padre
Pe. Raimundo Elias Filho, que mora reside em Portugal há 6 anos, é natural da cidade de Jardim (CE), e foi o último padre ordenado pelo 3º bispo da Diocese de Crato, Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, fato ocorrido em 1988. Foi pároco da Catedral Nossa Senhora da Penha, em Crato,  por um ano, e logo mais tornou-se pároco da Paróquia de São Francisco, em Crato, por sete anos e meio. Passou mais dois anos facilitando curso de parapsicologia. Depois, mais quatro anos como pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, na Batateira, em Crato, sendo encaminhado posteriormente para a comunidade das Guaribas, no Sítio Boa Vista, onde exercia trabalho com os leigos voltados para saúde alternativa.
Ganhou uma bolsa de estudo pela Conferencia Episcopal Espanhola, a pedido de Dom Fernando, e hoje está preparando a defesa da sua tese  para a conclusão do doutorado sobre Filosofia Clínica, com inclinação voltada para Hipnose Clínica. O Pe. Raimundo Elias veio a Diocese de Crato para participar do encerramento do centenário diocesano que acontecerá próximo domingo. Nesta 6ª feira, 17, ele celebrou a Santa Missa na Capela da Cúria Diocesana, localizada no Palácio Episcopal Bom Pastor.

                                                                                                                                         

NESTE SÁBADO E DOMINGO: "Preta Bigode Bar"

pretabigodeDias 18 e 19 as 20h no Velosos bar em Crato
(em frente a COELCE)

"Um bar, uma cerveja, uma música, vários amores... Pessoas entrelaçadas por histórias de encontros e desencontros, esperanças desfeitas e corações desiludidos, onde se desenha a essência de relações outras, únicas, porém análogas a qualquer indivíduo. Embalado ao som de clássicos do brega, o espetáculo é um convite a celebração de um grande amor, ainda que não concretizado!"
Grupo: Companhia Ortaet de Teatro - Núcleo Cariri
Texto: Rafael Barbosa
Direção Geral: José Filho
Direção Musical: Werbto Sales
Elenco:
EdCeu Barboza
Faeina Jorge
José Filho
Rita Cidade
Yarley De Lima
Música: Willames Nunes Rodrigues
Produção: Cirlaedna Pereira

Aécio está 13 pontos à frente de Dilma - Nova pesquisa ISTOÉ/Sensus mostra o candidato tucano com 56,4% das intenções de voto e a petista com 43,6%

IEpag56a58Pesquisa_Attuch√.indd

 

IEpag56a58Pesquisa_Attuch√.indd
Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada entre a terça-feira 14 e a sexta-feira 17 mostra a consolidação da liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff no segundo turno da sucessão presidencial. De acordo com o levantamento, o tucano soma 56,4% dos votos válidos, contra 43,6% da presidenta. Uma diferença de 12,8 pontos percentuais, que representa cerca de 19,5 milhões de votos. Se fossem considerados os votos totais, Aécio teria 49,7%; Dilma, 38,4%; e 12% dos eleitores ainda se manifestam indecisos ou dispostos a votar em branco. A pesquisa indica que nessa reta final da disputa os dois candidatos já são bastante conhecidos pelos eleitores. O índice de conhecimento de Dilma é de 94,4% e de Aécio, de 93,3%. “Com os candidatos mais conhecidos, a tendência é a de que o voto fique mais consolidado”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. O levantamento, que ouviu 2.000 eleitores de 24 Estados, revela também a liderança de Aécio Neves quando não é apresentado ao eleitor nenhum candidato. Trata-se da chamada resposta espontânea. Nesse quesito, o tucano foi citado por 48,7% dos entrevistados e a petista, que governa o País desde janeiro de 2011, por 37,8%.

São Paulo (SP)
No maior colégio eleitoral, o PSDB
prepara uma vitória sem precedentes

Realizada em 136 municípios, a pesquisa ISTOÉ/Sensus também constatou que a campanha petista não conseguiu reduzir o índice de rejeição à candidata Dilma Rousseff. Quase metade do eleitorado, 45,4%, afirma que não admite votar na presidenta de maneira alguma. Com relação ao tucano, segundo o levantamento, a rejeição é de 29,9%. “Isso significa que a margem de crescimento da candidata Dilma é menor do que a de Aécio”, avalia Guedes. Os números mostram, segundo a pesquisa, uma forte migração para o senador tucano dos votos que foram dados a Marina Silva (PSB) no primeiro turno. “Hoje estamos juntos em torno de um programa para mudar o Brasil”, disse Marina na sexta-feira 17, ao se encontrar com Aécio em evento público na zona oeste de São Paulo.

Contagem (MG)
Petistas tentam evitar crescimento tucano na terra de Aécio

Desde 1989, quando o Brasil voltou a eleger diretamente o presidente da República, é a primeira vez que um candidato que terminou o primeiro turno em segundo lugar começa a última etapa da disputa na liderança. A pesquisa Istoé/Sensus divulgada no sábado 11 já apontava esse movimento, quando revelou que Aécio estava com 52,4% das intenções de voto. Na última semana, os levantamentos que são feitos diariamente pelo comando das duas campanhas também mostraram a liderança de Aécio. É com base nessas consultas que tanto o PT como o PSDB planejam a última semana de campanha. E tudo indica que o tom será cada vez mais quente. No PT há uma divisão. Um grupo sustenta que a campanha deve aumentar o tom dos ataques contra Aécio e outro avalia que a presidenta deva imprimir um ritmo mais propositivo à campanha. O mais provável, no entanto, é que a campanha de Dilma continue a jogar pesado contra o tucano. Segundo Humberto Costa, líder do PT no Senado, o partido vai insistir na tese de que é necessário “desconstruir a candidatura tucana”. “Não basta ficar defendendo nosso governo”, disse o senador na sexta-feira 17. Claro, trata-se de um indicativo de que a campanha de Dilma vai continuar usando a mesma tática. “Se deu certo contra Marina, deverá dar certo contra Aécio”, afirmou Costa.

No QG dos tucanos, a ordem é não deixar nada sem resposta e continuar mostrando ao eleitor os inúmeros casos de corrupção que marcam as gestões petistas, particularmente os quatro anos do governo de Dilma. “Não podemos nos colocar como vítimas. O que precisamos é mostrar nossas propostas, mas em nenhum momento deixar de nos defender com veemência das armações feitas pelos adversários”, disse um dos coordenadores da campanha de Aécio Neves. “Marina tentou apenas fazer a campanha propositiva e acabou atropelada pela máquina de calúnias do PT.” Nessa última semana de campanha, Aécio vai intensificar a agenda em Minas e no Nordeste, principalmente na Bahia, em Pernambuco e no Ceará. Não está descartada a possibilidade de que os nomes de novos ministros venham a ser divulgados pelo candidato.

Reportagem: ISTOÉ

crajubatur02

 

fonte musical logomarca

Shopping_residence400

Número de queimadas no Ceará cresce 36% em 2014, segundo Inpe

fortalezaqueimada
Inpe registrou 700 incêndios em 2014, em todo o Ceará.
Ceará ocupa a 19ª posição em número de queimadas entre os estados.
Incêndio no Parque do Cocó (Foto: Matheus Schommer/Vc no G1)
Incêndio no Parque do Cocó nesta quinta-feira(Foto:
Matheus Schommer/Vc no G1)
A quantidade de queimadas no Ceará entre 1º de janeiro e 17 de outubro aumentou 36% em relação ao mesmo período de 2013. As informações são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O Instituto monitora as queimadas via satélite, em todo o país. Em números absolutos, o Inpe registrou 700 queimadas nos 10 meses de 2014 e 514 queimadas no mesmo período de 2013. De acordo com o monitoramento, o Ceará ocupa a 19ª posição em número de queimadas entre os 26 estados brasileiros e o Distrito Federal.
Na média histórica, a maior quantidade de queimadas contabilizadas no Ceará ocorreu em 2003, com 14.426. Em 1999 o número de ocorrências foi o menor, com 1.695 registros. Tradicionalmente, as queimadas aumentam nos meses de outubro, novembro e dezembro, quando a temperatura  sobe e os ventos ficam mais fortes. Segundo o Inpe, o Ceará aparece com risco de alto a crítico para queimadas e incêndios nas próximas 48 horas.
saiba mais
Incêndio atinge área do Parque Ecológico do Cocó, em Fortaleza
Nesta quinta-feira (16), um incêndio foi registrado em uma área de mata fechada do Parque Ecológico do Cocó, em Fortaleza. Duas equipes do Corpo de Bombeiros e até um helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações de Aéreas (Ciopaer) trabalharam no local controlar as chamas. O incêndio começou por volta das 14 horas e só no fim da tarde foi debelado. A causa ainda é desconhecida. A área atingida pelo incêndio fica próximo à Avenida Sebastião de Abreu. O Parque Ecológico do Cocó abriga a maior área verde de Fortaleza.
Monitoramento
Os satélites do Inpe conseguem diagnosticar todos os focos de incêndio que tenham pelo menos 30 metros de extensão por um metro de largura. De acordo com o Instituto, quase todas as queimadas  são causadas pelo homem, seja de maneira proposital ou acidental. Estão entre as razões de incêndios e queimadas estão limpeza de pastos, preparo de plantios e desmatamentos
Segundo o Inpe, as queimadas destroem a fauna e a flora nativas, causam empobrecimento do solo e reduzem a penetração de água no subsolo, além de gerar poluição atmosférica com prejuízos à saúde de milhões de pessoas e à aviação. Denúncias de incêndios criminosos podem ser feitas ao Corpo de Bombeiros, às prefeituras, às secretarias estaduais do Meio Ambiente e ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).
queimadas620
Quadro mostra quantidade de queimadas registradas no Ceará (Foto: Inpe)

Do G1 CE

Ceará ocupa a 11ª posição entre as piores estradas do País

estradasce
O Estado teve 25% das estradas avaliadas como ruins ou péssimas. A 18ª Pesquisa CNT de Rodovias foi divulgada pela Confederação Nacional de Transportes. Foram avaliados 3.523 quilômetros de estradas no Ceará
notícia 2 comentários  
        

Na pesquisa, 25% das estradas federais e estaduais do Ceará foram classificadas como, de maneira geral, ruins ou péssimas

Viadutos do CocóObra está 90% pronta, segundo a Prefeitura(0) VIADUTOSTrânsito(0) CEApós furto ao Detran, sargento do Exército tem seu veículo clonado(0)


As rodovias estaduais e federais que cortam o Ceará ocupam a 11ª posição entre as piores do País. O levantamento divulgado ontem faz parte da 18ª Pesquisa CNT de Rodovias 2014, realizada pela Confederação Nacional de Transportes (CNT). Um total de 25% das estradas federais e estaduais do Ceará foi classificado como sendo, de maneira geral, ruim ou péssimo. A avaliação considerou os 26 estados e o Distrito Federal.


A pesquisa compreende as condições de toda a malha federal pavimentada e, na malha estadual, dos trechos mais relevantes para o transporte de cargas e de passageiros. O Ceará ocupa a 20º colocação quando a avaliação passa a ser das melhores estradas do Brasil.


Foram considerados os seguintes aspectos para a catalogação: tipo de rodovia, condição da superfície de pavimento, condição da faixa central, condição das faixas laterais, placas de limites de velocidade, placas de indicações, visibilidade e legibilidade das placas. Além disso, também foi avaliado se as rodovias possuíam estrutura de apoio, como borracharia, restaurantes e lanchonetes, concessionária e oficina mecânica, além de postos de combustíveis.


Entre os estados com melhor classificação, São Paulo ficou na primeira colocação, com 78,4% de estradas avaliadas como em boas ou ótimas condições. Entre as regiões do País, o Sudeste atingiu 51,8% de rodovias melhor classificadas. O Nordeste conquistou 34,6% das estradas como boas ou ótimas.


Nesta 18ª edição, foram pesquisados 98.475 km, um acréscimo de 1.761 km (1,8%) em relação ao ano passado. Alguns estados têm tanto condições ruins como péssimas de suas estradas. O Acre, por exemplo, tem apenas 4,3% de rodovias consideradas ótimas e boas.


Recursos
 
A pesquisa auxilia estudos para que as políticas do setor de transporte, projetos privados, programas governamentais e atividades de ensino e pesquisa possam se transformar em ações que promovam o desenvolvimento do transporte rodoviário de cargas e de passageiros.

 

Os valores autorizados pela União para investimento em infraestrutura de transporte, conforme dados do Portal do Orçamento Siga Brasil, do Senado Federal, passaram de R$ 3,6 bilhões, em 2003, para R$ 16,2 bilhões, em 2013, o que representa um crescimento real de 159,5% dos recursos disponibilizados. Ao longo desses dez anos, mais de 69,8% do total autorizado pelo Governo Federal para investimento em infraestrutura de transporte foi destinado às rodovias, principais vias de deslocamento de cargas e passageiros no Brasil, segundo informações da CNT.


Considerando os recursos autorizados para 2014, a União destinou R$ 16,8 bilhões para o transporte, dos quais cerca de 70% (R$ 11,9 bilhões) estão reservados para a infraestrutura rodoviária.
 

O POVO entrou em contato com a assessoria de imprensa do Departamento Estadual de Rodovias (DER), no início da noite de ontem, mas a assessoria de imprensa informou que o titular da pasta estava viajando. O POVO tentou falar com o superintendente Sérgio Azevedo, mas o celular estava fora de área.

 

Ranking


Classificação dos Estados e do Distrito Federal quanto a condições ótimas ou boas das rodovias


78,4% -São Paulo
61% -Rio de Janeiro

50,3% -Alagoas
49,3%- Paraná

47,4% -Distrito Federal
45,5% -Rio Grande do Norte

40,3% -Santa Catarina
40,1% -Espírito Santo

39,9% -Bahia
39,9% -Paraíba

38,9% -Piauí
38% -Mato Grosso do Sul

37,3% -Sergipe
36,9% -Goiás

34,5%- Rondônia
34% -Minas Gerais

28,7% -Pernambuco
29,2% -Maranhão

28,2% -Roraima
23,5% -Ceará

20,9% -Tocantins
14,7% -Mato Grosso

14,2% -Amapá
10,4% -Pará

6,7% -Amazonas
4,3% -Acre

 

FONTE: CNT

Relógios serão adiantados hoje

katsujiKatsuji Watanabe, que trabalha há 47 anos na Cidade, começou ontem a acertar o horário dos relógios / Foto: Eisner Soares

 

O Horário de Verão começa à meia-noite de hoje. Com isso, os relógios devem ser adiantados em uma hora. Segundo o Ministério de Minas e Energia, esta temporada terá 126 dias de vigência e vai até o próximo dia 22 de fevereiro. A circulação dos ônibus metropolitanos e das composições da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) continuarão até as 2 horas de domingo (equivalente a 1 hora do horário antigo), quando habitualmente a operação das empresas é encerrada. Do ponto de vista da saúde, a mudança pode alterar diretamente o sono e o sistema biológico das pessoas, provocando irritação, estresse, problemas de concentração e perda do sono. Em Mogi, o relógio da Praça Oswaldo Cruz, no Centro, só será reajustado na segunda-feira.

Na Cidade, o relojoeiro Katsuji Watanabe, que trabalha há 47 anos na área, já começou a acertar ontem o horário de um relógio modelo carrilhão. “Para adiantar é fácil. É só avançar os ponteiros de 15 em 15 minutos, quando ele toca uma espécie de sino. O problema é quando sairmos do Horário de Verão, porque ele não pode simplesmente ser atrasado sem a desmontagem por alguém que entende”, disse ele, sobre a raridade.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), com o adiantamento no horário, estima-se reduzir em 4,5% a demanda por energia nos horários de pico. Isso significa que as usinas deixarão de gerar 1.970 MW, o que corresponde a quase duas vezes a carga no horário de pico de Brasília, que abastece cerca de 2,6 milhões de habitantes.

Algumas ações podem ser adotadas para a economia de energia no período, como o uso da luz solar por maior tempo durante o dia, além da utilização do chuveiro na posição “verão”, onde o consumo pode ser reduzido em até 30%, segundo a EDP Bandeirante.

Muitas adequações devem ser feitas no momento da transição para o Horário de Verão. Entre elas está o atendimento no transporte público. A CPTM manterá a circulação dos trens até às 2 horas de domingo. Os relógios somente serão alterados após o encerramento do expediente, quando o serviço é retomado às 4 horas, já no novo horário.

Do ponto de vista da saúde, é preciso se adaptar gradativamente. Uma das formas é ir dormir uma hora mais cedo, segundo a médica especialista em sono, Renata Federighi. “As pessoas que menos padecem são as que conseguem estabelecer uma rotina mais rápida de sono, alimentação e compromissos diários”, disse.

 

Ajustes

Em Mogi, o horário do relógio instalado na Praça Oswaldo Cruz só será ajustado na segunda-feira devido à exigência de equipamento especial que alcance sua altura. Inaugurado em 1º de julho de 1960, ele foi um presente da colônia japonesa pelos 400 anos da Cidade. (Jamile Santana - Especial para O Diário)

O Diário

ANA concorda com pedido da Sabesp para uso de 2ª cota

cantareira-seca

Seca no Sistema Cantareira, em São Paulo: no total, a reserva técnica II tem 106 bilhões de litros
Luciana Collet, do Estadão Conteúdo
São Paulo - A Agência Nacional de Águas (ANA) concordou com o pedido feito pela Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp) para uso da segunda parcela da reserva técnica - o chamado volume morto - no Sistema Cantareira.

Para a agência, a utilização desse volume adicional "se demonstra necessária em função da severa estiagem que levou à redução acentuada das vazões afluentes ao Sistema Equivalente neste ano".

A ANA propõe, no entanto, que a utilização desse volume adicional deve ocorrer mediante a autorização de "parcelas sucessivas". O diretor da agência, Vicente Andreu, já havia indicado que liberaria apenas em parcelas a segunda cota.

"A autorização por etapas é uma condição (para a autorização) porque estamos usando a última possibilidade de recursos hídricos da região e, por isso, nossa posição não é a de permitir o uso a longo prazo, até abril. A intenção é liberar parcelas de utilização do volume a partir das previsões que vão embasar o trabalho que deverá ser encaminhado à ANA", afirmou Andreu no último dia 10 de outubro.

Em ofício encaminhado hoje ao Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE), a agência diz entender que a utilização dos volumes adicionais "deve ocorrer por meio de regras que visem a maior segurança dos reservatórios".

E aponta que as autorizações devem considerar uma meta de volume mínimo a ser garantido no final do período úmido, em 30 de abril de 2015, o ajuste entre as vazões afluentes previstas e efetivamente verificadas e, ainda, as demandas para a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) e as Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ).

A ANA solicitou que o DAEE providencie, caso concorde com a posição da agência federal, uma proposta de volumes adicionais e correspondentes cotas nos reservatórios do Sistema Cantareira, inicialmente considerando a parcela do volume morto II necessária até 30 de novembro de 2014, "para que não haja risco de descontinuidade no abastecimento da RMSP e das Bacias PCJ".

A agência salientou que a proposta deve considerar a retificação das cotas mínimas dos reservatórios tendo em vista a atual operação do Reservatório Atibainha abaixo da cota autorizada.

Nesta semana a ANA informou que uma vistoria feita por seus técnicos constatou que a Sabesp tinha "invadido" a segunda cota do volume morto nesse reservatório.

A inspeção, feita às 17h de terça-feira (14), registrou que o nível de água na represa já estava na cota 776,62 metros, ou seja, "38 centímetros abaixo da cota limite autorizada" à Sabesp para captar o primeiro volume morto, que era até 777,00 metros.

Pela manhã, a falta de dados atualizados sobre o nível de armazenamento no Sistema Cantareira, disponibilizados diariamente pela Sabesp, havia gerado especulações de que a companhia teria recebido a autorização para incorporar a segunda parcela do volume morto.

A Sabesp disse que se tratava de um problema tecnológico, mas os dados dos demais mananciais que atendem a Grande São Paulo foram atualizados.

Por isso, fontes próximas à empresa diziam que a área técnica da companhia estaria preparando a inclusão da segunda parcela do volume morto.

No total, a reserva técnica II tem 106 bilhões de litros, o que corresponderia a cerca de 10 pontos porcentuais adicionais ao nível de armazenamento do sistema, que estaria hoje em 3,9%

Exame

Seca em Minas Gerais deixa 160 municípios em situação de emergência

 

seca2013Foto: Imagem ilustrativa

Cento e sessenta municípios de Minas Gerais estão em situação de emergência por causa da seca. De acordo com boletim divulgado pela Defesa Civil do estado, o quadro de seca vem desde o começo do ano. Em função do fenômeno climático, aumentou os focos de incêndio na região. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), só em outubro foram registrados, até a metade do mês, 3.553 focos. Em 2014, esse número já chega a 10.646.

Além dos focos de incêndio, a seca em Minas Gerais prejudica a qualidade do ar e compromete o abastecimento de água. É o caso de Formiga, o município está sob estado de calamidade pública desde terça-feira (14). Hoje (17), a prefeitura decidiu suspender as aulas nas escolas municipais a partir de segunda feira (20) por causa do precário abastecimento de água na cidade.

Para amenizar o problema de falta de água no município, a prefeitura de Formiga restaurou o poço artesiano localizado na antiga indústria Santa Rita, que fica as margens da Rodovia MG-050. O poço tem uma vazão de 30 mil litros de água por hora e abastecerá os caminhões-pipa a fim de atender parte da cidade.

O prefeito Moacir Ribeiro disse, por meio de nota, que o momento é de calamidade e pede o apoio da população. “Estamos enfrentando uma seca histórica em Formiga. O nível da vazão de água nunca esteve tão baixo no Saae [Serviço Autônomo de Água e Esgoto]. O momento é realmente de calamidade. É hora de unirmos forças para enfrentarmos esta situação. A administração municipal está fazendo todo o possível para minimizar os impactos da seca sobre a população de Formiga. Contamos com o apoio, a união, a compreensão, a solidariedade e a paciência de todos os formiguenses”.

Agência Brasil

Relatório da OMS aponta falhas da própria agência no combate ao ebola


ebola-bbc2Documento interno obtido por agência de notícia diz que a organização falhou ao não ter reconhecido a seriedade da situação de surto do ebola na África.

Segundo um relatório interno da OMS, a própria entidade reconhece que falhou no combate ao ebola (Foto: BBC)
Um relatório interno da Organização Mundial da Saúde (OMS) culpa a própria entidade por ter prejudicado os esforços para impedir a propagação do ebola no oeste da África.
O documento – revelado pela agência de notícias Associated Press - diz que agência foi muito lenta para agir no combate ao vírus por causa da falta de informação sobre ele e também por "incompetência" de suas equipes.
O relatório diz que a OMS "falhou ao não reconhecer a seriedade da situação, conforme o número de infectados crescia" e ressaltou principalmente o que foi chamado de "compromissos de motivação política" na liderança exercida pelos escritórios da OMS em cada país da região.
"Quase todos os envolvidos na resposta ao surto não conseguiram ver uma escrita bastante simples na parede", diz o relatório, segundo a agência.
A ONG Médicos Sem Fronteiras alertou a OMS em abril sobre a epidemia do ebola dizendo que era "o surto do vírus estava se tornando incontrolável."
De acordo com um correspondente da BBC na Genebra, a acusação à OMS não é nova – mas o relatório interno evidencia a falta de comunicação da organização enquanto a epidemia do ebola se espalhava das vilas mais remotas avançando as fronteiras até as cidades mais centrais da África.
Ao mesmo tempo, o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, disse que o mundo estaria perdendo a guerra contra o ebola porque não está agindo de forma unificada.
Ajuda
O envio de equipes internacionais e de equipamentos à África para combater o ebola ainda não teve nenhum impacto na epidemia, segundo o Médicos Sem Fronteiras.
Christopher Stokes, membro da entidade, disse que a doença ainda está totalmente fora de controle.
Segundo ele, "é ridículo que os voluntários que trabalham por caridade arquem com o ônus dos cuidados das vítimas do ebola nos países mais afetados."
"Nós estamos pedindo e chamando a atenção para a necessidade do envio de uma ajuda gigantesca nos últimos meses, mas a ajuda que chega é sempre menor do que a necessária", disse.
A Action Aid, outra ONG envolvida no combate ao ebola, também se manifestou pedindo mais ajuda dos países no combate ao vírus. O líder humanitário da entidade, Mike Noyes, fez outro apelo.
"Ainda há uma demanda urgente em países como Libéria e Serra Leoa por mais médicos, enfermeiras, suprimentos médicos e apoio para medidas preventivas"
Situação
Mais de 4,5 mil pessoas já morreram por causa do ebola – a maioria delas no oeste africano. A ONG Médicos Sem Fronteiras toma conta de 700 das 1.000 camas disponíveis para tratamento do vírus na Libéria, Serra Leoa e na Guiné.
Segundo o correspondente da BBC Mark Doyle, na base logística da ONU para o ebola em Gana, já se reconhece que seriam necessárias pelo menos três vezes mais camas para tratar os doentes no local.
As doações vindas de vários países para o combate ao ebola nas agências das Nações Unidas já atingiram US$ 400 milhões (cerca de R$ 973 milhões), depois de um apelo lançado em setembro por uma meta de US$ 988 mi (R$ 2,4 bi).
Separadamente, a ONU está tentando arrecadar US$ 1 bilhão para um fundo de investimento do ebola para providenciar um recurso flexível de ‘back-up’ para combater o vírus.
Mas o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon fez um novo apelo na última quinta, dizendo que o fundo teria recebido US$ 100 mil da Colômbia, quando o prometido teria sido US$ 20 mi.

Da BBC

Obama nomeia 'czar' do ebola, e surto entra no debate político

Ron-Klain

Republicanos criticam indicação de figura política para gerenciar uma crise na área da saúde. Advogado Ron Klain trabalhou com Al Gore e Joe Biden

Ron Klain coordenará a resposta dos Estados Unidos à epidemia de ebola
Ron Klain coordenará a resposta dos Estados Unidos à epidemia de ebola (Andrew H. Walker/Getty Images North America/AFP)

Com seu governo cada vez mais criticado pelos esforços tímidos na resposta aos casos de ebola identificados no país, o presidente Barack Obama decidiu nomear um ‘czar’ para coordenar a resposta de sua administração ao vírus mortal. O escolhido foi Ron Klain, advogado que foi chefe de gabinete dos vice-presidentes Al Gore e Joe Biden.

A função principal do ‘czar’ será ajudar a controlar um assunto que parece sair do controle da Casa Branca, como destacou um funcionário de alto escalão do partido Democrata ao jornal The New York Times. “Ele controlará a mensagem muito melhor do que a maioria das pessoas o faria. Isso é muito importante de um ponto de vista econômico e da saúde, mas também de uma perspectiva política”, afirmou a fonte. “Se alguém pode controlar a forma como o assunto está sendo divulgado e discutido em um período curto de tempo, ele é essa pessoa”.

Muitos republicanos reclamaram da nomeação de Klain, por sua falta de experiência na área de saúde. No entanto, ele tem muito conhecimento em administração de crises, algo que a Casa Branca busca para este momento pré-eleições de meio de mandato. Bill Cassidy, médico que representa a Louisiana na Câmara dos Deputados e que tenta uma vaga no Senado, divulgou um comunicado dizendo que a nomeação de Klain “deixa claro que o presidente vê o ebola como uma crise política, não como uma crise de saúde”.

O republicano Ted Cruz, senador do Texas, foi duro na crítica a Obama. “Nós não precisamos de outro ‘czar’, precisamos de liderança presidencial. Essa é uma crise de saúde pública e a resposta não é outra figura política na Casa Branca”, disse, em comunicado. “A resposta é um comandante em chefe que lidere, banindo voos de nações atingidas pelo ebola e agindo decisivamente para garantir a segurança em nossa fronteira no sul”.

Uma das atuações de destaque do advogado foi na supervisão, pelo lado democrata, da recontagem de votos das eleições presidenciais de 2000. Em um filme da HBO sobre o assunto, ele foi interpretado por Kevin Spacey. Além da experiência em gerenciar crises e supervisionar operações complexas, Klain também tem boas relações com lideranças do Congresso, o que poderá ser crucial quando o governo pedir ao Legislativo a aprovação de recursos adicionais para ajudar na resposta ao ebola. A solicitação poderá ser feita depois das eleições do dia 4 de novembro.

O ‘czar’ responderá diretamente a Lisa Monaco, conselheira de segurança interna de Obama, e a Susan Rice, conselheira de segurança nacional. A Casa Branca declarou que as duas conselheiras estão fazendo um trabalho “excelente” diante desse desafio, mas como têm outras crises para supervisionar – o combate aos terroristas do Estado Islâmico, por exemplo – precisavam de ajuda em relação ao ebola.

Pânico – A ansiedade entre os americanos cresceu diante das falhas observadas em um hospital no Texas onde o primeiro paciente diagnosticado com ebola nos Estados Unidos foi tratado. Duas enfermeiras que trataram do paciente em Dallas, no Texas, também contraíram a doença e as autoridades disseram que outros cinquenta funcionários do hospital podem ter sido expostos ao vírus, por isso, estão sendo monitorados. O temor aumentou com a notícia de que uma enfermeira infectada viajou em um avião. Embora especialistas descartem qualquer possibilidade de uma epidemia do vírus ocorrer no Ocidente, diversos americanos já se mostram alarmados com o alcance da doença e céticos em relação à preparação das instituições de saúde para lidar com o problema. O reflexo poderá ser sentido nas urnas.

Leia também:
Origem, transmissão e como o ebola age no corpo
Ebola: como o vírus 'burro' se tornou uma epidemia

Cargo vago – Em artigo para o Wall Street Journal, Linda Killian, do Woodrow Wilson Center, centro de pesquisas com sede em Washington, explicou que a nomeação de Klain poderia ter sido evitada se o cargo de ‘médico chefe’ dos Estados Unidos não estivesse vago há mais de um ano. Quem ocupa essa função chefia o Serviço de Saúde Pública do país e coordena as atividades do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, dos Institutos Nacionais de Saúde e de profissionais da área em todo o país. Também é o responsável pela comunicação com o público sobre temas de saúde – exatamente o que os EUA precisam agora.

A pessoa nomeada para a função, há cerca de um ano, era uma figura controversa demais. Vivek Murthy defende que a questão das armas é um tema de saúde. Ele pediu que armas de assalto fossem banidas e se indispôs com a Associação Nacional do Rifle, criticando sua influência no Congresso. Seu nome acabou não sendo votado no Senado.

Veja

Militantes filipinos ligados à Al Qaeda libertam reféns alemães

stefan-okonek
Reféns foram capturados em abril em um iate em alto mar.
Eles estavam sendo mantidos no interior da ilha remota de Jolo.

Foto de arquivo divulgada pela polícia das Filipinas mostra Stefan Okonek, à direita, e sua companheira Henrike Dielen, no esconderijo de militantes muçulmanos na ilha de Jolo  (Foto: AP Photo/Philippine National Police)
Foto de arquivo divulgada pela polícia das
Filipinas mostra Stefan Okonek, à direita,
e sua companheira Henrike Dielen, no
esconderijo de militantes muçulmanos
na ilha de Jolo (Foto: AP Photo/Philippine
National Police)
Militantes islâmicos ligados à Al Qaeda nas Filipinas libertaram dois reféns alemães nesta sexta-feira (17), informou uma autoridade de alto escalão da polícia, pouco após o grupo Abu Sayyaf ter ameaçado decapitar um dos cativos.
Os reféns, capturados pelos militantes em abril em um iate em alto mar, estavam sendo mantidos no interior da ilha remota de Jolo, cerca de 960 quilômetros ao sul de Manila, a capital filipina.
Viktor Stefan Okonek, médico alemão de 74 anos, e sua mulher, Henrike Dieter, de 55, foram sequestrados em abril quando navegavam pelo sudoeste das Filipinas, mas só em 24 de setembro os islamitas começaram a fazer as ameaças de morte.
“Agora eles estão sãos e salvos em um acampamento do Exército”, disse à Reuters um policial, que pediu anonimato pois não tinha autorização de falar com a imprensa. Ele disse que soldados e policiais receberam o homem e a mulher em um posto de verificação da polícial.
O policial confirmou uma declaração de Abu Rami, porta-voz do grupo pequeno mas violento, a uma estação de rádio sediada na cidade de Zamboanga, no sul do país, anunciando a libertação dos reféns.
Os rebeldes haviam exigido um resgate de US$ 5,6 milhões e o fim do apoio da Alemanha aos ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos na Síria, e ameaçaram matar um dos detidos na tarde desta sexta-feira.
Rami disse que o Abu Sayyaf recebeu o valor integral, mas sua afirmação não pôde ser verificada de imediato pelas autoridades filipinas.
Fontes do governo alemão declararam à Reuters que o ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, havia destacado um enviado especial às Filipinas para negociar um acordo com os rebeldes. O enviado, Ruediger Koenig, chegou em Manila na noite de quinta-feira.

Da Reuters


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31