xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 07/08/2014 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

07 agosto 2014

Em doações para a campanha, Aécio arrecada mais do que Dilma e Eduardo Campos


A presidente Dilma Rousseff (PT) arrecadou no primeiro mês de sua campanha pela reeleição 35% a menos do que havia conseguido em doações no mesmo período da disputa de 2010. De acordo com a prestação de contas apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ela recebeu R$ 9,6 milhões este ano contra R$ 14,76 milhões (em valores atualizados pelo índice oficial de inflação) quatro anos atrás, quando se elegeu para suceder ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O candidato tucano à Presidência, senador Aécio Neves (MG), foi o que mais arrecadou neste primeiro mês, entre os principais presidenciáveis. A sua campanha informou ter obtido entre R$ 10 milhões e R$ 12 milhões. O valor representa mais do que o dobro recebido no mesmo período, em 2010, pelo então candidato tucano, José Serra: R$ 4,7 milhões.

O candidato do PSB, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, também conseguiu mais recursos do que a vice de sua chapa, a ex-senadora Marina Silva, obteve no mesmo período da eleição passada, quando ela disputou a Presidência pelo PV. Campos arrecadou em julho R$ 8,2 milhões — 39% a mais do que os R$ 5,9 milhões de Marina em 2010. O candidato do PSB conseguiu ainda fechar o primeiro mês com um saldo em caixa de R$ 3 milhões, já que fez gastos de R$ 5,2 milhões no mês de junho.



Fonte: Agências de Notícias



Calote da Argentina ocasiona um prejuízo de R$ 200 milhões ao fundo de previdência dos correios brasileiros


Os funcionários e aposentados dos Correios correm o risco de perder R$ 190 milhões com o calote da Argentina, que deixou de pagar sua dívida externa pela segunda vez em 13 anos. O fundo de pensão Postalis, dos Correios, aplicou R$ 370 milhões em papeis garantidos por títulos da dívida argentina. Cerca de metade desse dinheiro está praticamente perdido. Esses papeis, conhecidos como notas de crédito, potencializam os lucros mas também as perdas no caso de calote. São considerados um investimento de alto risco.
O investimento do Postalis é administrado pelo BNY Mellon. Na segunda-feira (4), o banco americano informou às autoridades reguladoras que a aplicação perdeu 51,5%. "Em virtude da suspensão do pagamento dos títulos da dívida externa da Argentina e da mudança na metodologia de avaliação de alguns títulos, foram realizadas provisões [reservas de dinheiro para cobrir perdas]", informou o banco. No site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), o patrimônio líquido do fundo Brasil Sovereign II Fidex caiu de R$ 384,4 milhões em 31 de julho para R$ 186,5 milhões em 1º de agosto. O Postalis é o único cotista desse fundo.  O Postalis é o 14º maior fundo de pensão do país. Administra quase R$ 8 bilhões e tem 200 mil participantes. O fundo amarga um déficit de quase R$ 1 bilhão.

(“Folha de S.Paulo”, 07-08-2014)
                                                                                                     


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30