xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 02/07/2014 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

02 julho 2014

Segurança Pública - Por Maria Otilia

Foi veiculado  em vários meios de comunicação,   que  policias lotados em alguns municípios do Cariri, fazem diligencias “ a pé “ por falta de viaturas. É lamentável  esta situação, tendo em vista que Segurança Pública de todos os cidadãos é um direito constitucional.
Aqui  no município do Crato ,constatamos também que muitos dos efetivos da polícia militar, mais especificamente Ronda do Quarteirão estão impossibilitados de fazer um bom trabalho por falta de  infraestrutura, principalmente com o estado sucateado das viaturas.

Quando foi lançado o Programa da Polícia Cidadã trazendo o Ronda do Quarteirão como polícia da boa vizinhança, ficamos felizes. O Projeto era interessante, inclusive com todas as condições de reduzir o número de violência e criminalidade em seus diversos aspectos. Já que teríamos uma polícia voltada para um trabalho preventivo. Infelizmente como a demais políticas públicas não está tendo  a devida continuidade . Lembramos que para que uma política pública se efetive de fato, faz-se necessário planejamento, monitoramento sistemático, avaliação e replanejamento.

No tocante a polícia militar ( Ronda do Quarteirão), não  está acontecendo  a efetivação da real função desta instituição por ocasião da sua implantação . Lembrando  que um dos objetivos era prevenir para que  reduzisse  o número de roubos, furtos, homicídios,etc. Hoje, estes policiais que foram preparados e admitidos para trabalhar uma polícia  preventiva,de mobilização social, são obrigados a fazer um trabalho ostensivo e de repressão, porque outras polícias preparadas para este fim, também estão sem as condições mínimas para realizar suas funções  e com pouco efetivo.
Conhecendo o trabalho do Comando e dos policias do  Ronda do Quarteirão aqui em Crato, podemos afirmar que eles fazem o que está ao seu alcance. Embora a sociedade por desconhecer as dificuldades  desta polícia, criticam, não confiam, não dão o devido valor para estes servidores públicos. E até com certa razão porque a grande maioria da população vive com medo, insegura, e muitos são vítimas desta violência urbana.

É ano de eleição, onde candidatos que querem se eleger começam a falação de que se estivesse em “ tal cargo” faria muito melhor. E  continuam com promessas mirabolantes que vão mudar em 360° graus ,as políticas públicas que não estão sendo executadas com sucesso. E por aí vai.... É hora  de  ficarmos alerta com plataformas destes  candidatos que vão fazer o verdadeiro “ milagre dos pães e peixes”.

É urgente e necessário rever toda a política de Segurança Pública, desde a formação dos policiais, a infraestrutura de funcionamento dos comandos, valorização profissional, acompanhamento com formações em serviço, etc. Bem  como um trabalho unificado das diversas policias, sem divisão de classes , em sintonia com o judiciário.

Queremos também políticas públicas voltadas para ações educativas dentro das escolas, desde a educação infantil, colaborando assim para a formação  de jovens de futuro.  Não se faz política desconhecendo a real necessidade da população. Não desenhamos uma política pública de sucesso  sem antes  um estudo prévio, sem uma agenda específica. Não pode e nem deve se configurar apenas o que cada governo faz ou deixa de fazer. Deve na sua essência ser vista  ao cumprimento de um fim: o bem-comum da população a quem se destina.
Como diz Bertold Brech

"Há homens que lutam um dia e são bons, há outros que lutam um ano e são melhores, há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis".

Precisamos de  gestores que  lutem não  apenas no palanque, de quatro em quatro anos, mas que permaneçam  prestando um serviço público de qualidade durante toda a sua vida pública.

Centenário da Diocese: livro com a biografia da Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva, é lançado oficialmente em Crato


(Texto e fotos: Patrícia Silva, da Assessoria de Comunicação da Diocese de Crato)



Da esquerda para direita: Armando Lopes Rafael, João Paulo Cabral Alves, Pe. José Vicente Pinto e Pe. Paulo Lemos. (Foto: Patrícia Silva)
Com o intuito de fazer ainda mais conhecida a história da Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva, jovem que morreu martirizada em Santana do Cariri- CE no ano 1941, e que está com o processo de beatificação no Vaticano, foi lançado oficialmente, no dia 2 de julho, às 9h, no Auditório do Geopark Araripe, em Crato- CE, o livro “Benigna Cardoso: um lírio do sertão cearense”. A cerimônia contou com a participação de devotos da jovem Benigna, autoridades religiosas e a imprensa local.

O livro possui 103 páginas e é dividido em seis capítulos que contam a história da Mártir da Castidade, como também ficou conhecida Benigna, apresentando um contexto histórico, econômico e social da cidade de Santana do Cariri na época, relatando a vida da jovem desde a sua infância, adolescência, chegando ao martírio. Ele também faz um aparato sobre as romarias que acontecem em honra a Benigna, juntamente com testemunhos de graças alcançadas, que alimentam o desejo de comprovação de sua santidade junto a Santa Sé, em Roma. A obra é o resultado de dois anos de intensa dedicação aos estudos sobre este caso e possui a autoria de Armando Lopes Rafael, João Paulo Cabral Alves, Plácido Cidade Nuvens, Raimundo Sandro Cidrão e Ypsilon Rodrigues Félix, com o incentivo de Dom Fernando Panico, Monsenhor Vitaliano Matiolli e do Pe. Paulo Lemos.

Pe. Paulo Lemos, pároco de Santana do Cariri e Pe. José Vicente Pinto Alencar, vigário-geral da Diocese de Crato

Segundo Armando Rafael a escrita do livro foi muito emocionante por resgatar verdades da história de Benigna que nem todas as pessoas tinham acesso. Sobre a publicação da obra ele diz que ela tornará acessível ao povo fatos importantes viabilizados pela história e memória, trazendo o contexto histórico de todos os acontecimentos e dos passos que estão sendo dados até chegar a Beatificação.

O Bispo Dom Fernando Panico, autor da apresentação o livro, não pôde estar presente no lançamento, mas foi representado pelo Pe. José Vicente Pinto, vigário geral da Diocese, que demostrou grande satisfação pela Diocese de Crato está vivenciando este momento dentro do ano jubilar. Para ele o lançamento do livro permite que a história de Benigna alcance um maior número de pessoas.

Segundo o Pe. Paulo Lemos, pároco da Paróquia Senhora Santana de Santana do Cariri- CE, todos estavam na expectativa do lançamento oficial desta biografia uma vez que ela é a primeira biografia oficial da Serva de Deus, Benigna. “O livro vai servir como um instrumento de reflexão e aprofundamento da vida daquela que preferiu morrer do que cometer pecado contra a castidade. Ele traz muitas outras informações como quem foi Benigna antes do seu martírio, sua infância, seu testemunho de santidade já em vida. Certamente será um referencial para a pastoral, catequese, estudos e quem sabe um incentivo para o surgimento de novas obras que possam continuar aprofundando esta história de vida tão bonita que foi a Serva de Deus Benigna Cardoso”, afirmou.
Os exemplares da biografia estão disponíveis na Paróquia Senhora Santana, em Santana do Cariri- CE, serão encaminhados a todas as paróquias da Diocese e posteriormente estarão na cúria diocesana, em Crato, e custa o valor simbólico de R$ 10,00. O produto da venda será utilizado nas despesas com o processo de beatificação de Benigna.


Crato - Estradas vicinais - Por: José Nilton de Figueiredo


Senhores,

Foto ilustrativa: Dia de chuva do Parque Grangeiro - Foto: Armando Rafael

Não quero mostrar o estágio atual das estadas vicinais ( da conta da prefeitura) do Sítio Rosto a Adjacências. Este como sempre esteve um descalabro. As velhas estradas vicinais se batem contra direitos constitucionais – o direito e de vir – assim como ao direito do idoso que necessita de vias com qualidades de descolamentos seguros para seus deslocamentos. Por aqui ninguém anda seguro, é topada, trupicão, derrapagem, deslizes... e chão, sem falar da espera que as águas parem para que se possam todos chegarem às suas casas.

Continuando assim, deve-se pensar ante as autoridades públicas o grito de cidadania. Diz-se que gritar por aqui se corre perigo. Eu já estou me adiantando que vou gritar pelo Sítio Rosto, terra politicamente de ninguém. Estivera por aqui uma caravana legislativa que falou, falou e não deu em nada.E lhes adianto que nunca vou lutar pra melhoria do bairro pensando em proveito próprio. Não quero ser vereador, deputado, senador nem presidente. Só quero o dito, e a efetiva resolução de quem por aqui passou, como passou por toda urbe, tal qual um furação, prometendo a redenção da humanidade, que na sua consciência tivesse a hombridade de cumprir com palavras, atos, avisos e obras o que prometera. Ai, dona Lurdes!

Olha, apesar de você, nessa semana mesmo, vamos, os da comunidade, tapar um famigerado buraco que se assim continuar, vai quebrar nossos carros, os pés do nossos velhos e inviabilizar a subida para as nossas casas.

Caso a Prefeitura desconte no valor cobrado da taxa de água do que vamos gastar na cratera, já é de bom alvitre. Terá contemplação para isto no direito púbico? Vamos abrir a discussão.
O direito serve pra gente viver condignamente.

Por: José Nilton de Figueiredo
Professor


Cagece construirá o Centro de Pesquisa em Esgoto (CPE)


A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) deverá iniciar neste mês um novo empreendimento. O Centro de Pesquisa em Esgoto (CPE) será onde novas tecnologias para tratamento de esgoto poderão ser testadas e validadas. Para efetuar todos os testes, pequenas estações de tratamento serão implantadas, com capacidade para tratar o efluente de até 300 habitantes.

A primeira etapa do Centro está orçada em R$ 900 mil e contempla dois conjuntos paralelos de tratamento, iniciando as obras por uma estação elevatória e uma linha de recalque para condução do esgoto gerado pela população do entorno da Cagece localizada do bairro Pici, em Fortaleza. O CPE será instalado no Pici, onde as pesquisas iniciais contemplarão reatores UASBs, filtros biológicos percoladores, lagoas de alta taxa e leito de secagem. Novos estudos serão implantados em um segundo momento, como filtros submersos aerados e unidades de desinfecção. Numa segunda etapa, o efluente tratado poderá ser utilizado na urbanização do Pici, incluindo a rega dos jardins e de canteiros e do campo de futebol do Pici, como forma de diminuir o uso de água da unidade.

O Centro também servirá como unidade de teste de equipamentos de fornecedores e treinamento.
  
Assessoria de Comunicação da Cagece


TCM envia nesta quinta-feira para o TRE a relação dos gestores que tiveram as contas desaprovadas



O presidente do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), Francisco Aguiar, entrega na tarde desta quinta-feira (3), à presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE), desembargadora Maria Iracema Martins do Vale, e ao procurador Regional Eleitoral, Rômulo Moreira Conrado, a relação dos gestores municipais cearenses que tiveram contas desaprovadas pela Corte, em caráter definitivo, nos últimos oito anos. O TCM cumpre, assim, o que determina a legislação sobre o assunto.
Durante entrevista coletiva à imprensa, na sede do TCM, no Cambeba, haverá detalhamento sobre os dados que compõem a listagem. As informações ficarão expostas na página oficial do Tribunal na internet (www.tcm.ce.gov.br), disponíveis para consulta pelo público, cujo conteúdo digital permitirá conhecer o andamento de cada processo, do início ao fim, incluindo todos os seus aspectos.

Via Jornalista Flávio Pinto


As três candidaturas do antigo bloco hegemônico da política cearense - Por: Luiz Cláudio Ferreira Barbosa




As três principais candidaturas para governador do Estado do Ceará poderiam ser classificadas como três polos distintos: situação, oposição e terceira via. Eu analiso de maneira diferente, pois são apenas três sub-conjuntos do antigo conjunto do condomínio político-administrativo do governador Cid Gomes (2007 – 2014).

No último pleito eleitoral estadual de 2010, os três principais concorrentes a vaga de governador fizeram parte do mesmo palanque. O deputado estadual Camilo Santana (PT) foi eleito na mesma chapa proporcional que elegeu a deputada Eliane Novais (PSB), como também, ambos pediram votos, para o candidato ao senado Eunício Oliveira (PMDB), que era companheiro de chapa majoritária do governador Cid Gomes (PROS) na sua reeleição à frente do executivo cearense.

O atual governador Cid Gomes (PROS), não manteve a coesão do seu condomínio político-administrativo para a sua própria sucessão estadual. Cid Gomes compreendeu que não manteria os seus antigos aliados no mesmo palanque, por isso as rupturas já esperadas nos últimos meses. A primeira ruptura com o seu antigo partido, com isso a ida da deputada estadual pessebista Eliane Novais, para a oposição ao seu futuro palanque, no final do segundo semestre de 2013. A segunda ruptura se deu quando não aceitou a pressão do seu mais antigo aliado político-eleitoral, o senador peemedebista Eunício Oliveira (PMDB), como o seu candidato natural, na sucessão estadual do Ceará, com isso o PMDB, foi para oposição no primeiro semestre de 2014.

O deputado estadual petista Camilo Santana representa em tese o candidato do governador Cid Gomes (PROS), como o seu herdeiro político – administrativo, com a manutenção da maioria dos partidos da base aliada do Governo estadual, na sua coligação, para o pleito eleitoral de 2014. O senador Eunício Oliveira (PMDB) recebeu o apoio de uma frente partidária de oposição (PSDB – PR – DEM – PPS e outros) para a sua candidatura ao Governo do Estado do Ceará, que não tinha uma candidatura natural e nem competitiva, por isso da adesão, a essa candidatura dissidente. A deputada estadual Eliane Novais (PSB) será candidata à sucessão estadual, para construir um palanque local, para o presidenciável Eduardo Campos (PSB).

O senador Eunício Oliveira (PMDB) e os deputados estaduais Camilo Santana (PT) e Eliane Novais (PSB) são representantes do mesmo grupo hegemônico da política cearense dos últimos oito anos. A pulverização de postulantes ao Governo do Estado do Ceará é um fenômeno político novo, pois são todos oriundos de mesma matriz política – eleitoral, que se dividiu em três filiais distintas.

Por: Luiz Cláudio Ferreira Barbosa
Sociólogo e consultor político


Zona franca do CARIRI pode vir por aí


Comissão Especial da Câmara dos Deputados debaterá Zona Franca no Cariri


Coordenador e vice-presidente da Comissão Especial da Câmara dos Deputados em favor aprovação da Lei da Zona Franca do Semiárido Nordestino, o deputado federal tucano Raimundo Gomes de Matos informa: promoverá debate sobre o tema segunda-feira próxima, das 9 às 12 horas, em Juazeiro do Norte. O parlamentar convoca autoridades, empresários, prefeitos e presidente de Câmaras Municipais da Região do Cariri para o evento, que ocorrerá no auditório da Secretaria da Fazenda. Segundo Gomes de Matos, estarão presentes parlamentares da comissão, inclusive, o Presidente deputado Hugo Motta (PMDB-PB) e o deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE) e relator da proposta.

O Povo Online


PF vai investigar advogado de Genoino, após pedido de Joaquim Barbosa


A Polícia Federal abriu inquérito para investigar o advogado do ex-deputado José Genoino, Luiz Fernando Pacheco. A investigação atende à Procuradoria da República no Distrito Federal e foi motivada por pedido do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que acusou Pacheco dos crimes de desacato calúnia, difamação e injúria.

No dia 11 de junho, durante uma sessão da Corte, Joaquim Barbosa mandou seguranças da Corte retirarem o advogado do plenário. Barbosa deu a ordem após Pacheco subir à tribuna para pedir que o presidente liberasse para julgamento o recurso no qual Genoino pedia para voltar a cumprir prisão domiciliar.

Segundo Pacheco, a abertura da investigação ajudará a esclarecer os fatos. “Achei bom. O inquérito é um instrumento para provar que apenas e tão somente clamei pelos direitos de meu constituinte [Genoino], sem cometer crime algum”, afirmou.

Na ocasião, ao subir à tribuna e interromper um julgamento para cobrar de Barbosa a liberação do recurso, Pacheco foi questionado pelo presidente: “Vossa Excelência vai pautar [a Corte]?”. O advogado respondeu: “Eu não venho pautar. Venho rogar a Vossa Excelência que coloque em pauta, porque há parecer do procurador-geral da República [Rodrigo Janot] favorável à prisão domiciliar deste réu, deste sentenciado. Vossa Excelência, ministro Joaquim Barbosa, deve honrar esta Casa e trazer aos seus pares o exame da matéria”, respondeu Pacheco.

Após dizer duas vezes: “eu agradeço a vossa excelência”, na tentativa de cortar a palavra de Pacheco, Barbosa determinou a retirada do advogado do plenário. “Eu vou pedir à segurança para tirar este homem”, disse Barbosa.

Ao ser abordado pelos seguranças, o advogado protestou: “Isso é abuso de autoridade!”, gritou. Joaquim Barbosa ainda retrucou: “Quem está abusando de autoridade é Vossa Excelência. A República não pertence a Vossa Excelência, nem à sua grei (grupo). Saiba disso”.

Fonte: Agência Brasil


A Quem Interessa o Golpe? - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

O histórico de Golpes de Estado no Brasil é extenso e vem desde os tempos do Império, para decretar maioridade de Dom Pedro II antes dele completar 14 anos, no que ficou conhecido como "golpe da maioridade de Dom Pedro II ".

Em seguida houve o golpe militar da Proclamação da República, liderado pelo Marechal Deodoro da Fonseca. A mudança do sistema de governo foi realizada sem nenhuma participação do povo que ficou totalmente indiferente aos acontecimentos daquele 15 de novembro de 1899.

Os primeiros anos da República foram de muitas dificuldades, tanto econômicas, quanto administrativas. O país viveu sucessivas crises. O Marechal Deodoro, que assumira o cargo de chefe de governo, tentou solucionar essas crises impondo autoritarismo: dissolveu o Congresso e decretou Estado de Sítio, suspendendo todos os direitos individuais e políticos dos cidadãos. A reação a esse golpe foi intensa em todo o país e a crise se agravou a tal ponto que ao Marechal Deodoro, velho, doente e cansado, somente restou a renúncia em 23 de novembro de 1891. Seu conterrâneo, o também alagoano Marechal Floriano Peixoto, vice-presidente, assumiu o governo.
 
Em 1964, há 50 anos portanto, um governo legitimamente constituído foi deposto através de um golpe militar. Naquela época, temia-se a implantação de uma ditadura comunista, a exemplo da revolução acontecida em Cuba no ano de 1959. Partidos políticos  conservadores há mais de vinte anos na oposição, aliados aos meios de comunicação social, articularam a deposição do presidente João Goulart, pois segundo justificavam, o país  estava na iminência de um golpe de esquerda, às portas de uma ditadura sindicalista de inspiração comunista. Alguns setores conservadores do clero amedrontavam toda a classe média brasileira, com receio de que nos tornássemos vítimas de um regime comunista e ateu, no qual haveria a proibição de cultos religiosos e o fechamento das igrejas. A gestação do golpe foi lenta e contínua, com alguns períodos de calmaria. Mas resultou numa ditadura militar que durou 21 longos anos, camuflada para fins externos, como sendo um regime "democrático" de faz de conta. Mas internamente com censura à  imprensa, muitas prisões e torturas.

O histórico desse golpe teve início há mais de três décadas, nas eleições presidenciais de 1930, que como todas as eleições realizadas anteriormente, foram fraudadas e repletas de vícios. Júlio Prestes, o presidente eleito à "bico de pena", não chegou a tomar posse. Um golpe militar colocou no poder Getúlio Vargas, o candidato derrotado naquela eleição. A denominada "Era Vargas" durou 15 anos, incluído nesse período a "Ditadura do Estado Novo", que vigorou de 1937 até de outubro de 1945, quando Vargas foi deposto. Antes disso, pressentindo que o seu tempo se expirava,  Getúlio Vargas preparou o retorno do país à democracia permitindo a criação de novos partidos políticos, entre os quais: a UDN, o PSD, o PTB, entre outros, inclusive legalizando o Partido Comunista.   

Em dezembro de 1945 ocorreu o que se denominou como a "primeira eleição realmente democrática do país", tendo sido eleito o General Eurico Gaspar Dutra, cujo governo destacou-se pelo respeito à constituição.

A partir de 1950, com novas eleições presidenciais, quando então Getúlio Vargas foi reconduzido à presidência da república, intensificou-se a reação da UDN, sob a liderança de Carlos Lacerda. Havia acusações de corrupção, principalmente com relação ao empréstimo efetuado pelo Banco do Brasil ao jornalista Samuel Wainer, empréstimo esse autorizado pelo Presidente Vargas, para que seu amigo fundasse o jornal "Última Hora", cuja finalidade era defender o governo das constantes acusações da imprensa conservadora, acusações essas, cujo objetivo principal era a deposição de Getúlio.   

Em sua campanha para derrubar Vargas do poder, Lacerda usava o seu próprio jornal "Tribuna da Imprensa", fazia aparições na televisão, palestras em colégios, em associações de classe, onde quer que fosse possível. Por isso mesmo temia sofrer atentados. Então solicitou segurança ao Ministro da Justiça, na época, o Sr. Tancredo Neves. O Ministro colocou a policia à disposição de Lacerda e sugeriu que ele escolhesse o pessoal de sua confiança. Mas Lacerda preferiu cercar-se de amigos militares. E no inicio de agosto de 1954, ao chegar à sua residência em Copacabana, Lacerda sofreu um atentado à bala que atingiu o seu pé. Um outro tiro ceifou a vida de um de seus amigos, o major da aeronáutica, Rubens Vaz. Comandantes militares das três armas se revoltaram contra o presidente. A crise desencadeada com esse atentado, sob suspeitas de ter sido perpetrado pela guarda pessoal do presidente, levou Getúlio Vargas a optar pelo suicídio em 24 de agosto de 1954.

Em 1955, novas eleições presidenciais foram realizadas, com nova derrota da UDN e vitória de Juscelino Kubtschek do PSD.  Houve um breve período de crise, pois Carlos Lacerda desejava impedir a posse do presidente Juscelino, felizmente sem obter êxito.

A quem interessa um Golpe de Estado como o ocorrido em 1964? Em primeiro lugar aos políticos conservadores, submissos aos interesses das grandes potencias internacionais. Políticos esses  contrários ao combate à pobreza e à redução das desigualdades sociais. "Qualquer política voltada para extinção da pobreza é prontamente combatida pelos que detêm o poder econômico". Conclusão essa a que chegaram os bispos latino-americanos reunidos na III Conferencia Episcopal Latino-americana, realizada em Puebla no México em fevereiro de 1979.

Finalmente, um golpe como o de 1964 interessa diretamente às grandes potências mundiais que desejam para si as riquezas da nossa Amazônia e o nosso lençol petrolífero à águas profundas.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

O tempo da memória - Por: Emerson Monteiro

Umas tantas vezes, chegava na casa de minha mãe e ela perguntava nomes de pessoas que queria lembrar e parecia esquecer. Via escorregar da paisagem da memória as suas pessoas de outras horas, e buscava sustentar essas presenças ainda que fosse às lembranças. Espécie de preocupação queria tomar dominar as saudades que guardara a duras penas. Quando obtinha êxito nas indagações, abria um sorriso largo, alegre de vitória, assim como que diz, um a zero para mim.

Essas pelejas representam bem o decorrer do tempo nas vidas; de repente, as pessoas que ali estavam, naquele canto, desaparecem da memória, somem caprichosamente. O esforço do cérebro de completar a sinapse restaria frustrado e o circuito da recordação se interrompe, deixando tremendo nada avassalador em forma de ausência. Gentes, coisas e acontecimentos sumiriam feito encanto desfeito, num assustador e tremendo susto de pedaço de chão que as águas da correnteza levam.

Certa vez, perguntaram a Leonel Brizola se ele gostava de ler. Respondeu que sim, que já lera muito, muitos livros, jornais, revistas. Mas, em face dos compromissos, naquela hora se via distante da leitura, prazer que muito apreciava.

- Hoje leio as pessoas, pois cada um de nós é um livro aberto – seguiu dizendo. Nisso lembrou provérbio africano que afirma: Quando morre um indivíduo se fecha uma biblioteca.

São inúmeras as informações depositadas pela existência na mente, que vagam neste mundo entre as criaturas, experiências inéditas aos demais que circulam entre as circunstâncias, a preencher o espaço da memória de valores, vivências, lembranças, lampejos raros, inspirações, criações, imaginações, viagens, sentimentos, livros lidos, filmes vistos, histórias ouvidas, segredos revelados, climas, jornadas de trabalho, etc.

Nada mais desesperador, portanto, do que procurar uma doce recordação depositada em locais íntimos da alma e achar apenas restos amarelados de saudades e distâncias intransponíveis. Dor de não ter tamanho sentir tais amarguras. O outro lado de igual situação aparece quando se revira as dobras dos dias que passaram e, lá embaixo, reaparecem as ternuras antigas que, acesas e risonhas, em jeito de música, de palavras, emoções, perfumam os refolhos do coração da gente.


Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30