xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 18/01/2014 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

18 janeiro 2014

Crato-CE: BPMA retira mais um paredão de som do “páreo” por perturbar o sossego dos Cratenses


Paredão de som foi apreendido em uma chácara

Militares da 4ª Companhia do Batalhão de Polícia de Meio Ambiente (BPMA) apreenderam mais um paredão de som causando perturbação ao sossego público no início da madrugada deste sábado. Foi na Chácara Nossa Senhora de Fátima situada na Rua Amélio Gomes Batista, 3738 do Sítio Luanda no município de Crato, onde estiveram o Cabo Hertz e os Soldados Moreira e Rodrigo.

Eles foram acionados a partir da CIOPS (Companhia Integrada de Operações Policiais e Segurança) que já havia recebido várias reclamações de populares. Os policiais levaram para a delegacia o auxiliar administrativo Antonio Wesley Alencar dos Santos, de 24 anos, proprietário do som e residente na Rua Ermeson Barbosa (Seminário) em Crato.

Segundo a polícia, ele estava com o som do seu paredão a uma altura de 93 decibéis que fica bem acima dos limites permitidos pela legislação configurando contravenção penal. Os PMs levaram ainda para a delegacia equipamentos como duas caixas de som, 10 Alto falantes, seis cornetões, quatro twiters, duas baterias, três módulos, uma carregador de bateria, um seqüenciador, uma toca CD, um painel de lado e um reboque com dois eixos.

Demontier Tenório
Site Miséria


Justiça nega desbloqueio de bens a ex-secretária de Educação do Crato da gestão Valter Peixoto


A Justiça negou pedido de desbloqueio de bens e valores feito pela defesa da ex-secretária de Educação do Crato (a 504 km de Fortaleza), Luciana Maria Brito Rodrigues. Ela e outros cinco ex-gestores do município respondem a processo por supostos atos de improbidade administrativa.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado (MP-CE), o caso ocorreu entre 2004 e 2005, no fim da gestão do então prefeito Francisco Valter Peixoto. Entre as irregularidades, foi constatada alteração no período letivo, com prejuízo à carga horário exigida pelo Ministério da Educação (MEC), bem como a interrupção do transporte escolar, devido à falta de pagamento às empresas que prestavam o serviço.

Em setembro de 2007, a Justiça determinou o bloqueio dos bens e da conta bancária de todos os envolvidos, atendendo à ação movida pelo MP.

Em sua defesa, Luciana alegou que a interrupção do transporte escolar durou pouco e não chegou a prejudicar os alunos. Além disso, afirmou que não houve redução do período letivo e que obedeceu integralmente à legislação. A ex-secretária solicitou ainda a liberação dos bens bloqueados.

Contudo, ao analisar o caso, o juiz José Batista de Andrade negou o pedido, alegando que as garantias apresentadas pela ex-secretária para desbloquear os bens eram incompatíveis com o caso.

Fonte: O Povo
Via www.blogdocrato.com


Porta larga, porta estreita - Por: Emerson Monteiro

Há momentos quando vêm considerações a propósito dessa afirmação de Jesus (Buscai a porta estreita, porque larga é a da perdição. Mateus 7), uma vez que a existência sempre corre junto das constantes escolhas, o tempo todo. Isso que acontece nas decisões nos passos, pé à frente de pé, e aceitar as contingências exige o mínimo de equilíbrio, concentração no que se faz no decorrer da caminhada.

Permanecer preso a erros do passado, por exemplo, nada acrescentará à saúde física e mental. Além do mais reclama presença de nós próprios na escolha de quais sentimentos dominam a tela das prioridades individuais em nossas ações do que classificam vida.

Curtir frustrações, ou inimizades, derrotismos, pessimismos, recalques, série extensa das atitudes perversas, sujeitam manter as criaturas presas aos dramas antigos, na história da raça. Olhar só o lado escuro das condições oferece de mão beijada a atenção aos prazeres, aos instintos, ideações negativas em relação a si e aos demais, o padecer dos excessos nessa dependência larga da falta de jeito, pedindo ciência do bom viver.

Por isso, a sabedoria da máxima de selecionar a melhor parte ainda que custe em termos de sacrifício das humanas vaidades permite plenitude e oferece novo merecimento.

A decisão principal representa, pois, acomodação de alienado fora da realidade, que sujeitam fixar os olhos no egoísmo dos interesses próprios, indiferentes às posições que sustentam até chegar ao abuso das liberdades.

Sábio excelente, luz da Eternidade, o Mestre divino significa identificação nos valores imortais que já trazemos no íntimo, porta estreita que pede consciência e prática, caminho da salvação de um estado limitado de existir e, no outro lado, a porta da libertação.

Neste processo de crescimento, portanto, as determinações da Natureza impõem normas que incluem a participação no mecanismo da Verdade  que se revela através da autenticidade.À frente é que se anda, no dizer do povo.

(Foto: Jackson Bola Bantim).

GRAVÍSSIMO - CORREIOS Apresentam VIOLAÇÕES EM ALGUMAS ENCOMENDAS - Alguém está sumindo com as Notas Fiscais dos Produtos comprados via correios, perdendo a garantia.



CRATO - Temos recebido já várias reclamações. Alguém continua retirando as notas fiscais dos produtos comprados via internet e que são entregues pelos correios. Algumas mercadorias estão chegando VIOLADAS. Funcionários dos correios do Crato dizem que teria sido a Receita Federal, mas não há nenhuma comprovação disso. Além do mais, porque a Receita Federal iria ficar com as Notas Fiscais dos produtos, fazendo com que os mesmos perdessem a garantia ? Isso é mais um absurdo do Crato, e é mais um absurdo do CEARÁ e pedimos para que as autoridades tomem uma providência. Aí está um vídeo, produzido por nosso amigo Almeida Junior AJ, relatando o problema que aconteceu com ele nesta semana.

Por: Dihelson Mendonça 
www.blogdocrato.com


E o País que se lixe


(Editorial d’O Estado de. S.Paulo, de 17 de janeiro de 2014)


Os brasileiros não estão propriamente com o coração na boca à espera do que decidirá a presidente Dilma Rousseff sobre a reforma ministerial depois que tiver voltado, no dia 29, de um peculiar rolê por Davos, Havana e Caracas. Por dever de ofício a imprensa registra os encontros entre ela e seu vice, Michel Temer, presidente de facto do PMDB, assim como as reuniões entre ele e a cúpula da agremiação, sedenta por mais ou melhores posições na Esplanada.
Mas o público sabe intuitivamente que, na mais caridosa das hipóteses, o governo continuará sendo a lástima que é em matéria de competência administrativa do seu primeiro escalão, sejam lá que siglas e quais dos seus ungidos se aboletarão nas pastas que vagarem com a saída de titulares que pretendem se candidatar a mandatos eletivos ou pela substituição dos interinos.
Fala-se, evidentemente, daqueles Ministérios passíveis de barganhas com a base aliada, o que exclui, por definição, os 18 em posse do PT, do enxundioso Gabinete de 39. Envolvem repartições poderosas ou insignificantes. Entre as primeiras o PMDB saliva pela Integração Nacional, como é designado o que, em essência, é um Ministério do Nordeste, com recursos e empregos para oligarca nenhum pôr defeito.
Celebrizada por sua voracidade, a legenda - a segunda maior da Câmara e a primeira do Senado - se considera sub-representada no Executivo, com cinco pastas. Só que o seu poder de pressão ficou enfraquecido com as atribulações maranhenses do soba José Sarney e o desgaste do seu sucessor na presidência do Senado, Renan Calheiros, depois da sua grotesca tentativa de repassar ao contribuinte a conta do implante capilar a que se submeteu.
Sabem que a prioridade para Dilma é abrigar na Esplanada o maior número de siglas, a exemplo do PTB, que se desgarrou do Planalto depois que o seu chefe Roberto Jefferson denunciou o mensalão e arfa pela oportunidade de voltar, na pessoa de seu presidente Benito Gama, cotado para o Turismo. Os enlaces partidários de Dilma não visam à multiplicação dos seus palanques pelo Brasil afora. Disso Lula cuida. O que ela quer é ter no horário eleitoral tempo à farta, o que se consegue incluindo mais letrinhas na sopa da coligação. A meta é ter pelo menos tempo igual ao de todos os outros candidatos somados. Se pudesse, criaria tantos quantos "Ministérios da Reeleição" fossem necessários para satisfazer todos os interessados. E o País, como disse aquele deputado da opinião pública, "que se lixe".
   

Anos de Chumbo - Livro do Professor Jurandy Temóteo ( Por: Edmilson Martins )


Prezado Dihelson.

A ditadura militar causou estragos em todo o Brasil, com grande retrocesso social e político. Muitos livros já foram escritos sobre as prisões, perseguições, torturas e mortes nos anos de chumbo.

De um modo geral, esses livros trataram dessas nefastas ações da ditadura somente nos grandes centros políticos do país, como Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, etc. Esse livro do professor Jurandy é muito oportuno e interessante, porque mostra os anos de chumbo também em cidades do interior, evidenciando que o povo brasileiro se mobilizava e crescia politicamente em todo o Brasil.

Eu vivi em Crato nos anos 1950 e conheci alguns dos personagens citados no livro. Valdesley, se não me engano, era, na época do golpe, funcionário do Banco do Brasil e dinâmico ativista político. A família Arraes, eu a conheci de perto. Grande contribuição, para a História real  nosso país, dá o professor Jurandy. Gostaria de saber como adquirir o livro. Entendo que os 21 anos de chumbo da ditadura militar, que tanto prejudicaram o país, social e politicamente, precisam ser frequentemente analisados e denunciados. Aquilo foi uma página infeliz da nossa História que precisa ser lida e conhecida pelas novas gerações.

Sobre os anos de chumbo, eu mesmo já escrevi dois livros: "Bancários - Anos de Resistência (1964-1979) e "Removendo Pedras". Parabéns ao professor Jurandy pela brilhante iniciativa e que outros escrevam livros sobre o assunto. Nosso país merece.

Abraços
Edmílson Martins -Rio de Janeiro - RJ


Cantor do Alto Sertão da Paraíba dispara com a música 'Wi-fi da Roça'


Alissin Vieira, Cultura da nova geração. Ouça as músicas do novo talento musical da cidade de Conceição-PB.


Nos tempos atuais a música popular cultural e regional tem perdido seu espaço para músicas com letras imorais, que fazem apelações a bebedeiras, ostentação e até mesmo desvalorização da mulher. O forró atual “Forró de plástico” é um exemplo disso, embora grande parte da juventude curta.

Porém é preciso lutar e defender a cultura nordestina, fazendo com que as tradições, os costumes e o forró típico não se acabe, pois o Nordeste é rico em relação a esse tipo de arte musical, haja vista, os grandes nomes existentes no cenário forrozeiro, como: Flávio José, Amazan, Pinto do acordeom, Alcymar Monteiro, Jorge de Altinho, Os Nonatos, Santana, Elba Ramalho e porque não lembrar os saudosos Dominguinhos e Luiz Gonzaga.

Nesses traços originais surge um novo talento na arte forrozeira, o jovem poeta conceiçoense Alissin Vieira, que apesar da pouca idade “22 anos” desponta em todas as emissoras de rádio paraibanas com canções ricas em cultura, que falam de amor, saudade, família e do campo. Por exemplo, sua canção de maior sucesso atual chama-se Wi-fi da Roça, que refere-se aos costumes do homem do campo em relação a globalização. Dono de uma voz típica para o forró e das canções que interpreta, Alissin é exemplo de cultura, e merecedor de todo reconhecimento.

Enviado por: Cleodon Jacobino.


‘Eu, coxinha’, por Lobão - Antonio Sávio


Durante esses últimos anos, venho recebendo de parte da militância petista uma série de adjetivações pretensamente desqualificadoras, que poderiam ter algum efeito não fosse eu um cara desgrilado, um ser alegre a cantar.

Mas, depois do lançamento do Manifesto do Nada na Terra do Nunca, a petizada militante se enfureceu. Na verdade, antes mesmo de o livro chegar às livrarias, houve quem clamasse pela sua proibição ou queima imediata. A minha estreia como colunista de VEJA aumentou essa fúria, que culminou em um ataque apoplético coletivo por ocasião da minha participação no Roda Viva. Um ilustre deputado petista chegou a pedir a cabeça do Augusto Nunes por ter convidado para o programa um “doente mental” (eu).

E, com aquela falta de imaginação, de humor e de argúcia, característica de certas mentes esquerdistas, puseram-se a vociferar palavras de ordem e impropérios contra mim: “Reacionário!”, “filhinho de papai!”, “coxinha!”. Isso para não citar os mais cabeludos (bicha, maconheiro, cheirador, matricida, esquizofrênico…).

Mas vou concentrar a atenção no “coxinha”, que é o mais recente qualificativo do curto vocabulário dessa rapaziada.

Após esses mais de dez anos do PT no governo, a sociedade está percebendo como se forma o aparato de repressão política, censura e difamação montado pelo partido. Se você tem alguma objeção a ele, vira um pária político, moído e asfaltado pela máquina de propaganda estatal, cujos operadores ─ blogueiros e militantes de plantão na internet ─ se encarregam do trabalho sujo, na forma de ataques pessoais e truculentos disparados contra qualquer alma que se insurja contra a ideologia oficial. A tática desses operadores é achincalhar o oponente baseados em sua própria e nanica estatura moral.

O simulacro de impropério é construído em torno da miserabilidade do ofensor, que, ofendido com a própria natureza, desanda a chamar os não alinhados daquilo que mais enxerga em si mesmo, na vã tentativa de escapar de sua jocosa e aflitiva condição. Sendo o grande alvo dessa patocracia delirante a classe média ─ e sendo o militante de esquerda uma espécie de burguês pós-moderno ─, o xingamento “coxinha” aparece como um desses casos de projeção psicológica flagrante.

O militante de esquerda é o mauriçola gauche, é aquele tipo que se traveste de ativista de passeata e gasta o seu tempo útil em manifestações inúteis, no afã de exorcizar sua flacidez comportamental, sua virgindade existencial, sua pequena farsa pessoal. É invariavelmente um “multiculturalista”, que acredita que um rap é superior a Bach. É o sujeito moldado na previsibilidade comportamental dos doutrinados, que expele seu déficit de percepção da realidade através da soberba convicção dos imbecis. Refém da uniformidade acachapante dos clichês entrincheirados em sua mente vacante, profere as frases mais gastas e cafonas que se pode imaginar.

Para esse tipo de pessoa, tenho aqui um par de versos de Adam Mickiewicz (1798-1855) que cairá como uma luva:  “Tua alma merece o lugar a que veio

Se, tendo entrado no inferno, não sentes as chamas”.

Assim, convido todos aqueles que, como eu, são agraciados pela esquerda com essas e outras adjetivações a acolhê-las com benevolência e humor, com a percepção de estarmos sob a égide de frouxocratas histéricos que teimam, em sua monomania vã e molenga, em nos assolar com seus fantasmas internos e suas abissais impossibilidades.

E, usando o rebote como mantra, proferirei, contrito: coxinhas de todo o Brasil, uni-vos!

Publicado na edição impressa de VEJA - LOBÃO

Publicado no Blog do Crato por Antonio Sávio


E o ano começou – Por José de Arimatéa dos Santos


Início do ano e a “ressaca” das festividades de fim de ano se sobressai e parece que todo o país entrou de férias. Só não dão um tempo os impostos a pagar que começam a pipocar nas nossas caixas de correspondência. Impressiona-me a volúpia de todos os governos em arrecadar mais e mais e quem sempre paga a conta é o simples contribuinte que sente no final do mês seu salário cada vez mais achatado. Preços majorados de muitos produtos e o fantasma da inflação que sempre ronda todos nós. 

Ah, tem aquela máxima que diz que no Brasil o ano só começa depois do carnaval. Então vai demorar começar esse novo ano, pois a folia momina só acontecerá em março. Sabemos que é apenas um mito bem brasileiro essa afirmativa, pois os brasileiros são trabalhadores. Pena que a valorização para quem leva nas costas esse país é bem pouca. O ano já começou, contudo em “marcha lenta” e este promete por que vão acontecer vários eventos importantíssimos, além do carnaval.

Este ano teremos mais uma Copa do Mundo de Futebol e aqui no nosso país em que o ufanismo de boa parte da mídia ultrapassa todos os parâmetros e contagia a grande maioria do povo brasileiro. Quando a seleção brasileira entrar em campo, a partir de junho, veremos uma verdadeira transformação da atmosfera e a torcida é por uma grande vitória na final desse torneio. O que vai certamente destoar um pouco e ao mesmo tempo se inserir na torcida por uma retumbante conquista serão os protestos, ao menos nas sedes da copa, pelos astronômicos gastos públicos com o evento, além da corrupção e pouco ou quase nunca punição aos corruptos e corruptores.

Teremos também as eleições em outubro em que decidiremos os destinos da nação. E de uma importância crucial e até mais do qualquer coisa, pois os eleitos terão a responsabilidade de melhorar mais ainda as condições de vida de todos os brasileiros. E é aí que o “bicho pega”, pois grande parte da população não lembra mais em quem votou na eleição passada. Acaba elegendo figuras "carimbadas", fichas sujas, obscuras, corruptas e que no parlamento e no governo vão beneficiar, em vez da maioria do povo, quem os financiou.

Vamos acreditar no Brasil pela sua grandeza em todos os seus aspectos positivos e principalmente por essa capacidade de todos nós sermos otimistas por natureza. Por que a alegria e o orgulho das vitórias no dia a dia tem que se complementar com o cuidado de escolher pessoas sérias e transparentes na política, cobrar mais trabalho, o fim da corrupção e do famigerado “jeitinho brasileiro”. E que além do hexacampeonato dentro das quatro linhas possamos entrar no verdadeiro caminho de outras conquistas e cobrar e comemorar efusivamente um país com uma educação de qualidade e paralelamente mais saúde, segurança e oportunidades para todos. O ano já começou.

José de Arimatéa dos Santos, professor



Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30