xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 28/10/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

28 outubro 2013

VEJA O VÍDEO e ouça a nova gravação divulgada - Mais 2 vereadores são citados por Dárcio Luiz



www.blogdocrato.com
www.tvchapadadoararipe.com


Ex-prefeito Samuel Araripe divulga nova gravação onde vereador Dárcio Luiz aponta mais 2 vereadores


Nos últimos dias o Crato foi sacudido por uma grande agitação no cenário político. O ex-prefeito Samuel Araripe entregou à imprensa gravações reveladoras, onde o vereador Dárcio Luiz de Sousa aponta um "suposto" esquema onde 9 vereadores teriam recebido cada um, a quantia de 50 mil reais para votar as contas do ex-prefeito de forma contrária ao parecer favorável do Tribunal de Contas dos Municípios, tornando o ex-prefeito Samuel Araripe inelegível, e portanto fora de qualquer disputa eleitoral. 

Após divulgar na última semana 3 pequenas gravações, o ex-prefeito enviou à imprensa na tarde desta segunda-feira ( 28 ), mais uma gravação que fez com o vereador Dárcio Luiz, e que implica o nome de mais dois vereadores, Luciano Saraiva e Celso dos Frangos, totalizando até agora, 5 vereadores citados, como tendo participado também do mesmo esquema e da mesma reunião que ocorreu à noite na casa do prefeito do Crato, Ronaldo Gomes de Mattos, um dia antes da votação das contas do ex-gestor, reunião essa que foi confirmada pelo Presidente da Câmara Luis Carlos Saraiva, mas, que em nota à imprensa neste fim-de-semana, declarou que esta reunião não teria ocorrido conforme o Dárcio Luiz relata na sua gravação. 

A nova gravação enviada pelo ex-prefeito Samuel Araripe à imprensa é curta, porém reveladora. Em entrevista ao Jornal Diário do Nordeste, o ex-prefeito disse que a gravação total, sem cortes, só quem terá é o Ministério Público, e nesta semana, alguns deputados, incluindo o Deputado Fernando Hugo, já deram entrada no Ministério Público e pediram a apuração do caso.

Transcrição da gravação enviada à imprensa na tarde nesta segunda-feira dia 28 de Outubro:

Samuel fala: "Agora você, meu amigo velho, você vai me prejudicar a mim e a minha família toda com essa atitude; E eu só vou acreditar amanhã quando eu ver, porque eu não posso acreditar num negócio desses ( Pois é, diz Dárcio ), e eu vou ter lá os votos desses que eu lhe disse mesmo, pode esperar; Pessoas que são muito menos ligadas a mim, do que meu amigo Dárcio, muito menos, porque a minha relação com você vem de meu Pai ( Ossian Araripe ). 

Dárcio fala: "Eu venho de lá agora! Desde 4 horas até as 7 da noite nós lá. O Prefeito chamou 1 por 1...cinquentinha pra cada um...aí diz não...tudo bem! 
Luciano ( Saraiva ) ia votar com você e não vota mais.
Celso ( dos Frangos ) não vota mais..."

Na última quinta-feira, a sessão da Assembléia Legislativa do Estado foi praticamente dedicada à polêmica das  gravações e dos supostos 50 mil reais dos vereadores. O deputado Fernando Hugo concedeu nova entrevista sobre o assunto ao "Jornal de Leste a Oeste", onde diz que já encaminhou a matéria ao Ministério Público e à Secretaria de Segurança Pública do Estado do Ceará para uma ação de crimes contra o patrimônio Público.

Quem não reside no Crato, não faz idéia de como essa celeuma toda tem "balançado" a nossa cidade. Esperamos, sinceramente, que as autoridades já estejam no curso das investigações. Nesta terça-feira haverá sessão na câmara de vereadores. Que Deus ilumine essas pessoas para que no final, a verdade seja restabelecida, os inocentes sejam poupados, e a justiça seja feita.

www.blogdocrato.com


Rainha depois de morta - Por: Emerson Monteiro

Naquele tempo, as relações entre os reinos de Portugal e Castela seguiam-se tensas. Vale dizer que Portugal resultara do desmembramento de parte do reino de Castela, hoje Espanha, esta que muito e sempre quis reintegrá-lo, desde que houvesse chance.

Vieram nesse contexto as desconfianças profundas do soberano português, Afonso IV, por causa de tempestuoso romance do príncipe herdeiro Dom Pedro com Inês de Castro, linda jovem de família de Castela e dama de companhia da Princesa Constança, sendo que esta era a escolhida para noiva de Pedro.

Afonso olhava com profunda antipatia crescer as suas preocupações políticas entre os dois povos. A arrebatadora paixão do príncipe, no entanto, resultaria em alguns filhos do casal dos clandestinos amantes.

Em 1435, após Dom Pedro ficar viúvo de Constança, casar-se-ia às escondidas com Inês, segundo afirmaria em épocas posteriores, a justificar assim sua firme disposição de se manter sozinho no exercício do reinado, que chegou a ocupar com a morte do pai.

Por temer que seu filho conspirasse a favor da reintegração de Portugal a Castela, pela influência de Pérez de Castro, o pai da bela Inês, Dom Afonso organizou o episódio trágico perenizado por Luiz Vaz de Camões, no canto III de Os Lusíadas.

Numa ocasião em que o príncipe Pedro viajava para caçar longe das cercanias de Coimbra, onde vivia com Inês, Dom Afonso maquinou cruel sentença e invadiu o lar da jovem, prendendo-a e matando-a de modo torpe, além de lhe cortar o pescoço.


Tais contra Inês os brutos matadores, / No colo de alabastro, que sustinha / As obras com que Amor matou de amores / Aquele que despois a fez Rainha, / As espadas banhando e as brancas flores, / Que ela dos olhos seus regados tinha, / Se encarniçavam, fervidos e irosos, / No futuro castigo não cuidosos.

No regresso, dor imensa feriria D. Pedro ao descobrir o infausto crime. Em razão, a partir do homicídio, conflito sem precedentes desenrolaria nas relações entre ele e o pai.

Anos depois e Dom Pedro se tornaria o Rei de Portugal.

Das suas primeiras providências quando chegou ao poder foi ordenar a completa exumação dos restos mortais de Inês de Castro, desenterrando-lhe o cadáver e determinando sua coroação no trono de rainha, em meio às pompas do cerimonial palaciano. O espectro restaria exposto à reverência de toda a corte estupefata, rito acompanhado de perto pelos olhos frios do monarca endurecido.

Eis a história de quem depois de morta tornar-se-ia Rainha de Portugal.

Câmara de vereadores de Jardim aprova moção de solidariedade a Dom Fernando Panico

Por iniciativa da vereadora Donizete Maria Carvalho Coutinho, a Câmara Municipal de Jardim aprovou, por unanimidade, durante a sessão de 25 de outubro último, uma moção de solidariedade ao bispo diocesano de Crato, dom Fernando Panico.

Diz a moção aprovada que: “Diante do desconforto a que vem sendo submetido pela imprensa, o Exmo. Sr. Dom Fernando, uma vez que os fatos foram divulgados de forma irresponsável e sem respeitar os princípios de ampla defesa do contraditório, e consciente de que tudo isso não passa de uma dose exacerbada de maldade de uma corrente pervertida de uma sociedade desinformada, manifestamos nossa solidariedade ao Bispo Diocesano, manifestação partida da grande maioria do seu rebanho, residente no município de Jardim, que acredita na sua total inocência”.

A nota foi entregue a Dom Fernando Panico, durante  solenidade realizada na Igreja-Matriz de Santo Antônio de Jardim, na noite da última 6ª feira, dia 25 do corrente mês, quando da posse do novo administrador Paroquial daquele município, Padre Antônio Aldízio Nunes.

(Fonte: Diocese de Crato)

A capela de São José Operário do bairro Lameiro – por Armando Lopes Rafael

Ao lado esquerdo, gravura de São José Operário, Padroeiro do Lameiro
Funesta destruição vem sendo feita ao patrimônio arquitetônico do Crato, levada a efeito por iniciativas governamentais e particulares, ante a omissão da nossa elite e meio acadêmico. Tal fato me fará escrever, vez por outra, sobre a história de algum prédio incorporado a nossa paisagem, mesmo de construção recente, como faço hoje.

Neste 2013 está completando 57 anos do início da construção da pitoresca capela de São José Operário do Lameiro. Devo ao prof. José Nilton de Figueiredo, lameirense ufanista, nascido e residente naquela localidade, ex-vice-reitor da Universidade Regional do Cariri, as informações abaixo transcritas sobre a mencionada capelinha. O prof. José Nilton as copilou a partir de dados de livro inédito deixado pela professora Dandinha Vilar.

A Capela de São José Operário do Lameiro foi iniciada em 1956 pelos padres Miguel e Geraldo, da Ordem Salvatoriana, vindos de Garanhuns, Pernambuco. A construção foi feita sob orientação de Dom Francisco de Assis Pires, segundo bispo do Crato. Naquele ano, a Igreja Católica devocionava universalmente a invocação a São José Operário, cuja festa é celebrada em 1º de maio, Dia do Trabalho. Daí a escolha de São José como orago da nova capelinha do então distrito, hoje bairro do Lameiro, àquela época desprovido de um templo católico.

O terreno para a edificação da capela foi doado pelo Sr. José de Alcântara Vilar, respeitável cratense e proprietário de vasta área rural no sopé da Serra do Araripe. Exerceu esse cidadão, por várias legislaturas, o cargo de vereador à Câmara Municipal do Crato. Chegou à presidência da Casa, proporcionando-lhe ocupar interinamente o cargo de Prefeito Municipal.

Monsenhor Rubens Gondim Lóssio, àquela época vigário da Paróquia de Nossa Senhora da Penha, a cujo território pertencia o Lameiro, foi o primeiro sacerdote a dar assistência espiritual a nova capela. Seguiram-lhe, nesse mister, os seguintes sacerdotes: padre Lurildo Linhares, padre Antonio Onofre de Alencar, padre Manoel Alves Feitosa, monsenhor José Edmilson de Macedo, monsenhor Antônio Feitosa, monsenhor João Bosco Cartaxo Esmeraldo, padre Francisco Ivan de Souza, padre Robério Felipe da Silva, frei Joaquim Dalmir Pinheiro de Almeida, padre Expedito Félix, padre Sebastião Pedro do Nascimento, padre José Vicente Pinto de Alencar e Silva e padre Francisco Roserlândio de Sousa. Atualmente dirige novamente a capela o padre Manoel Alves Feitosa. Em 1967 a Paróquia de N.Sra. da Penha sofreu grande desmembramento e o território do Lameiro passou a pertencer a recém criada Paróquia de N. Sra.de Fátima, do bairro Pimenta.

Muitos ajudaram e muitos ainda ajudam na manutenção da capela do Lameiro. Dos falecidos não se pode deixar de mencionar: Antonio Araújo Quesado, Carlina Pinheiro, Dandinha Vilar, Geraldo Costa, Jacinta Araújo de Menezes, José Pinheiro Gonçalves, Luiz Idelson Belém, Maria Dalvenisa Correia, Neusa Tavares da Silva, Vicença Ribeiro Caçula (D. Rosa). Dos vivos devem ser mencionados: monsenhor Ágio Augusto Moreira, Antônio Luiz Pereira, Irmã Santa, Joana D´Arc Ribeiro Brígido, Maria Leônia Ribeiro Barbosa, madre Rosália, Rosa Margarida da Silva (tia Rosa) e Sylvanna Vilar, todos benfeitores da capela. Somente no dia 1º de maio de 2003, decorridos 47 anos da fundação da capelinha, a escritura do terreno onde ela está erigida, devidamente lavrada em cartório, foi entregue oficialmente ao pároco Pe. Manoel Alves Feitosa, pelo então proprietário do terreno, o ex-deputado Dr. Ossian de Alencar Araripe e sua esposa dona Maria do Céu Vilar de Alencar Araripe.

Aí, em rápidas pinceladas, o esboço histórico da capelinha do Lameiro.

A queixa de Satanás a Cristo sobre a cidade do Crato - parte 1 - Samuel Duarte Siebra


A queixa de Satanás a Cristo sobre a cidade do Crato - parte 1

Em quarenta o satanás
Foi ao céu ligeiramente
Do que havia no mundo
Ele a Cristo fez ciente
E agora resolveu
queixar-se novamente

Dos antros negros da terra
Ligeiramente saiu
E foi ao alto do céu
Sem empecilho subiu
E lá bateu no portão
Veio São Pedro a porta abriu.

Depois de trololó
aperreio e apurrinhação,
São Pedro Foi se irritando e deu-se uma solução
Pra acabar com a insistência do velho e tinhoso cão.

São Pedro com muita raiva ao satanás disse assim
Por esta vez você entra
Cabra safado e ruim
Mas por favor nem tão cedo venha abusar de mim.

Para encontrar a razão
Satanás no céu entrou
Para falar com Jesus
Porém aí avistou
O povo todo na fila
E ele se admirou.

Nessa hora o satanás
Na fila se colocou
Até que chegou a vez
E ele perto ficou
O que o senhor deseja
Cristo lhe perguntou.

Eu estive aqui em quarenta
o senhor está lembrado
lhe avisei que o Crato
estava desmantelado
e para fiscalizá-lo
do senhor fui ordenado

O que viu demais por lá
Cristo a ele perguntou
Satanás disse sorrindo
O respeito se acabou
O desmantelo cresceu
O povo se enganou

A safadeza do Crato
Faz vergonha até contar
Mas vou lhe fazer ciente
E tudo lhe explicar
Tem gente que vai comigo
Antes do tempo chegar

Quero contar-lhe a miúdo
Do Crato a situação
a política está ruim
e sem muita salvação
depois o senhor me dirá
se tenho direito ou não

O senhor deve saber
Que meu direito é sagrado
De tomar de conta de quem
Não estiver ao seu lado
O povo lá revoltou-se
E vou ficar arrumado

A Política de lá
ninguém sabe como é
ora é quentinha do lado
cinco milhões de café
ora se fala em denuncia
De cinquenta por cada pé

Meu Jesus o Crato velho
Está de fazer piedade
O escândalo tomo conta
É uma felicidade
e se brincar só lá da câmara
eu fico com mais da metade

pois eu sei que aquele povo
não pode a vós pertencer
quem tiver com o rabo preso
como o povo defender?
e no inferno tem vaga
para este povo viver

De tudo tem no inferno
Tem farra a toda hora
Com o dinheiro do povo
Diária é sem demora
Do Crato pra Fortaleza
Sem sair o carro fora

Outro dia eu vi um velho
Um cratense consciente
Falando que era normal
Enganar assim tanta gente
o povo tem que lutar
pro Crato ficar mais descente

O senhor mesmo está vendo
Que o desmantelo faz dó
Até as casas da igreja
Vendidas a pão de ló
Desfizeram nas pressas
Pra não ficar mais pior

Medicamento e terreno servindo a um dono só
Enquanto o povo do Crato
Sofrendo pior que Jó
Sem falar no mensalão
Esse aí foi mais pior

Se no inferno tá quente
Mas água ainda se vê
Pior mermo é lá no Crato
Que não tem nem pra beber
Os político e os coroné
não deixa o povo nem vê

E as fonte vão se acabando
Pois a ganância e tamanha
Das guaribas ao lameiro
Sofrendo o povo apanha
Se ao menos pra rua fosse
Pra combater essa sanha.

Segundo nossos profetas
O tempo já se venceu
Quero com antecedência
Ajeitando o que é meu
Mas nessa hora Jesus
Ao satanás respondeu

Mas pode esse povo do Crato
de tudo se arrepender
-E pode ser perdoado?
Satanás só fez dizer
Assim dessa maneira
Perdoado eu hei de ser

Mas tu não te arrependestes
Disse Deus e não convém
Te arrependeres agora
Porque um jeito não tem
Disse o diabo eu me arrependo
Vou ficar santo também.

Por: Samuel Duarte Siebra
Adaptação de “A 2ª queixa de santanás, sobre a corrupção no mundo” de José Faustino Vilanova, Bezerros 2005
Publicado no www.blogdocrato.com

Prefeito Ronaldo Gomes de Mattos parabeniza servidores pelo Dia do Servidor Público


Mensagem ao Dia do Servidor Público

O Prefeito do Crato, Ronaldo Sampaio Gomes de Mattos, parabeniza, neste Dia do Servidor Público, todo o funcionalismo municipal do Crato, pelo zelo dedicado à função de levar ao público, através de suas funções diárias, o trabalho voltado ao atendimento da população, na busca de promover qualidade de vida e o desenvolvimento da cidadania cratense, em todos os seus aspectos, desde o cultural, o social, econômico, na área da saúde e também na educação. São essas as condições indispensáveis para moldar o futuro do nosso Município. Parabéns, em especial, aqueles que têm uma vida dedicada ao bem servir, contribuindo fortemente para um Crato melhor. Que todos os servidores sempre façam a diferença, por uma sociedade mais feliz.

São os votos do Prefeito do Crato, neste Dia do Servidor Público.

Prefeitura do Crato e Grupo de Tradições Afro realizam oficina de dança afro

O Governo do Crato, através das Secretarias de Cultura e de Trabalho e Desenvolvimento Social, juntamente com o grupo Olu Odo - Grupo de Danças e Tradições Afrodescendentes, realiza o projeto “Respeite as diferenças”, uma oficina de dança afro. O projeto busca inicialmente criar um grupo de dança, trabalhando a lei 10.639, através da mitologia dos Orixás, uma valorização da identidade social e cultural dos caririenses, através da arte e educação.

Com intuito de quebrar o preconceito ainda arraigado contra as manifestações de matrizes afrodescendentes, o grupo pretende realizar ações educativas, como palestras e capacitação de facilitadores. A facilitadora do curso, Yaskára Rodrigues, afirma o trabalho tem um compromisso com o fortalecimento das culturas afro brasileiras, tão presentes na região, através de práticas artísticas, culturais e teóricas, como a dança, interpretação, aulas teóricas baseadas em autores com a temática afro brasileira, música, entre outras. “Temos uma grande expectativa em relação ao grupo, que além de preparar o corpo, prepare as pessoas para uma vivência de mundo, rompendo preconceitos e paradigmas, e que as ajude a se reconhecerem e identificarem-se com suas raízes, explica.”

O grupo se organiza para em breve fazer apresentações abertas em espaços públicos, a fim de interagir com a comunidade em geral.As oficinas acontecem aos sábados, das 14h às 16h, no hall do Teatro Municipal Salviano Arraes, em três etapas. A primeira etapa terá duração de dois meses, com estudo e pesquisa dos orixás; a segunda etapa, mais dois meses, com confecção de material e figurino e a terceira etapa, quatro meses, com circulação de apresentação.

Projeto “Gestão de Carreira do Profissional da Arte Popular” é aprovado pelo Ministério da Cultura

O Governo do Crato, através da Secretaria de Cultura, teve o projeto "Gestão de Carreira do Profissional da Arte Popular", aprovado pela Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura. Com a maior pontuação do país, o projeto, elaborado pela SECULT, em parceria com a Pró-reitoria de Extensão, da Universidade Regional do Cariri (URCA), e através da Fundação de Desenvolvimento Tecnológico do Cariri (FUNDETEC), que será a instituição de ensino realizadora do curso, dará continuidade às ações de formação no campo da economia criativa.

A ideia de realizar o curso de Gestão de Carreira do Profissional Popular surge a partir do potencial cultural de artistas, diretores, produtores, técnicos e grupos existentes na região do Cariri Cearense. Através desta qualificação, o projeto irá colaborar para o reconhecimento da região enquanto polo criativo no que diz respeito as mais variadas linguagens artísticas. A presente proposta será uma possibilidade para a dinamização da atuação dos profissionais da cultura, a partir do empoderamento que estes agentes culturais obterão com os conhecimentos repassados de forma a melhor conduzir suas carreiras, colaborando para a melhoria na organização e na produção cultural do povo artista caririense. 

Um dos desafios da gestão cultural é a permanente necessidade de mecanismos de sustentação para artistas e grupos, principalmente no que concerne à sua atuação profissional mediante ao mercado de outras formas de expressão cultural existentes. 

Fonte: PMC


Folha defende mensaleiros - Por: Pedro Cardoso da Costa


No dia 11 de setembro a Folha de S. Paulo escancarou sua defesa em prol dos mensaleiros. Já havia feito no início do julgamento do mensalão. O jornal foi categórico: “algo que, vale repetir, esta Folha não incorpora. Aderindo ao princípio de que a pena de prisão só deve ser aplicada, em tese, aos casos de patente periculosidade física dos condenados, este jornal não vê motivo de satisfação no espetáculo de trancafiar, entre aplausos, este ou aquele figurão”.

Por essa ótica, quem usurpar milhões de dinheiro público não merece ir para a cadeia, a não ser nos casos de patente periculosidade física dos condenados.

Talvez os editorialistas nunca tenham presenciado ou nunca souberam de inúmeros assassinatos praticados em quase todos os casos que envolvem corrupção pesada e sempre com requinte de crueldade. Até alguns prefeitos já foram nessa. Celso Daniel, de Santo André e Toninho do PT, de Campinas, são apenas exemplos de destaque.

Fica claro, ainda, que seria mais grave uma pessoa dar um tapa ou ameaçar outra de uma surra do que um ministro “desviar” milhões de verba pública e, em decorrência, retirarem a merenda das crianças e pessoas morrerem nos hospitais sem atendimento médico.

No fundo, essa manobra matreira das verbas publicitárias que o jornal recebe do governo federal, e se colocar contra malfeitores da Administração Pública requer interesse maior, que não se encontra em jornais dependentes dos diversos governos. Além disso, a lei deve ser aplicada a todos quando está em vigência, sem distinção em razão da posição social. São essas mazelas do andar de cima que afundam este país e isso é do conhecimento de todos.

Por equívoco similar, o Sistema Globo de comunicação carregava o estigma, e muitos tinham dúvida, de ter defendido a Ditadura Militar. A certeza veio depois de 25 anos da reabertura democrática. Após longas justificativas de como imaginava que seria o golpe, o jornal O Globo assumiu o apoio e reconheceu seu erro.

Na atual conjuntura, a imprensa precisa estar em consonância com a sociedade, considerando que é um segmento que está na garganta da maioria. As manifestações agressivas contra jornalistas são prova inconteste da necessidade de não haver um divórcio conflituoso entre imprensa e sociedade.

Talvez seja exclusividade da Folha não associar corrupção à violência. Seus editorialistas podem ficar tranquilos porque, geralmente, corruptos de primeira não dão socos nem pontapés; o risco é bem maior, pois corruptor de verdade não deixa hematomas, apenas rastros de sangue e órfãos de pai e mãe.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP
Bacharel em direito



Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30