xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 17/05/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

17 maio 2013

O retorno à mão invisível. Por: Armando Ribas


Quanto mais informação recebo, mais sinto a confusão existente a respeito da natureza, das causas e das possíveis soluções à crise econômica atual, e em especial da crise européia. Basta ouvir a respeito de que se trata da crise do capitalismo, palavra primitiva para a esquerda como a essência mesma dos pecados capitais. Em particular, supostamente a cobiça, a avareza e a concupiscência. Esquece-se que foi graças a esse sistema mal chamado capitalismo, que não é sistema econômico, senão ético, político e jurídico que surgiu a liberdade e a criação de riqueza pela primeira vez na história.

Todas as vozes que se ouviram na última reunião do FMI e do Banco Mundial, inclusive a da diretora do FMI, a Srª Christine Lagarde, se expressaram na necessidade de mover o mundo para uma rápida recuperação (sic). Não se ouviu ninguém explicar qual é a política a implementar para conseguir a recuperação, nem tampouco quais são as causas pelas quais não se estão implementando nos principais países industriais. Eu diria que toda a aparente preocupação pela necessidade do crescimento, parece ou pretende ignorar qual foi a verdadeira causa da crise. E eu poderia argüir que ela deve-se à suposta virtude do altruísmo, que no fundo resgata o pecado capital da inveja.

Portanto, todos os ministros que se manifestaram lá parecem não ter consciência de que existe uma correlação inversa entre o crescimento econômico e o nível do gasto público. Assim podemos ver que a inflação parece ser a maior preocupação na zona e a respeito referiu-se Angela Merkell, pedindo taxas de juros mais elevadas. Não obstante, a Srª Lagarde propôs que que o BCE poderia atuar de maneira positiva para a recuperação. Nessa mesma tendência se manifestou o Sr. Davis Lipton (Segundo diretor do FMI) e a respeito disse: “O BCE provavelmente necessita fazer mais para apoiar a economia da Euro Zona, facilitando a política e ser mais ativo em enfrentar a fragmentação dos mercados financeiros da união monetária”.

Ao nosso juízo, essa posição foi destinada à Srª Merkell que, como já dissemos, pretende taxas de juros mais altas. Indubitavelmente que na Alemanha existe uma preocupação maior pela inflação, que como bem sabemos na Argentina, produz efeitos deletérios na economia. Porém, vou insistir em que parece ignorar-se que a causa determinante do processo recessivo foi o elevado nível do gasto público. Nos Estados Unidos pela primeira vez em sua história o gasto público alcançou 40% do PIB. Porém, a situação européia, encerrada no Estado de Bem-Estar, ao qual pretendem se aproximar dos Estados Unidos, é muito pior.

Não há um exemplo melhor para mostrar a validade da correlação inversa entre o crescimento econômico e o nível do gasto público do que os principais países europeus. Como bem disse George Gilder: “O gasto público não forma parte do produto, senão do custo de produzir”. Assim podemos ver que na década de sessenta a Alemanha cresceu 4,1% ao ano, a França 5,6% e a Itália 5,7%. Nesse período o gasto público desses países flutuava entre 15% e 22% do PIB. Na década de dois mil, os respectivos crescimentos foram: 0,9%, 1,1% e 0,2%.

Neste período considerado a inflação foi relativamente baixa, não obstante que todos esses países tiveram déficits fiscais superiores a 3,0% em violação dos limites impostos pelo acordo de Maashtricht. O caso da Inglaterra não é muito diferente dos anteriores, com a exceção de que já na década de sessenta o crescimento alcançou só 3% ao ano. A conseqüência desses déficits fiscais foi a criação de níveis de dívida impagável, que nos países mencionados alcançam entre 80% e 120% do PIB. Certamente o caso da Grécia é ainda pior, pois a dívida alcança 168% do PIB, mas a realidade é que a crise européia supera os problemas maiúsculos da Grécia e do Chipre.

Então a pergunta pendente é: quais são as políticas de crescimento específicas recomendadas pelo FMI para superar a crise e conseguir o crescimento necessário para reduzir o desemprego? Evidentemente a resposta não parece se encontrar nas recomendações da Srª Lagarde. A respeito, lembro sempre as sábias palavras de Sêneca: “Para o que não sabe aonde vai, não há vento favorável”. E a situação é mais grave, pois aparentemente não sabemos porquê estamos aonde estamos.

A realidade dessa ignorância se estabelece na suposta alternativa entre crescimento e austeridade, enquanto que a aparente sabedoria é que o suposto crescimento se conseguiria mediante a política Keynesiana de aumentar o gasto público ou, no melhor dos casos, não reduzi-lo a fim de aumentar a demanda. Ignora-se que quando Keynes fez aquela recomendação o gasto público nos Estados Unidos alcançava tão só 8% do PIB, e a economia havia caído 35%. Portanto, havia capacidade produtiva ociosa, enquanto que hoje o problema é que não há produção suficiente para pagar o gasto. E mais ainda: não existe o interesse em produzir ou trabalhar frente ao Estado de Bem-Estar.

Já deveríamos saber, certamente, que o nível do gasto foi e continua sendo o fator determinante da crise. Portanto, me atrevo a assinalar que a única forma de resolver o problema no longo prazo, é reduzindo o gasto público e por conseguinte, o nível de impostos. Só uma maior disponibilidade de ingressos do setor privado, baseado no respeito ao direito de propriedade, pode provocar um incremento na investimento privado, que é a única via para a criação de riqueza, ou seja, o crescimento proposto. Essa política deve ser seguida por uma política monetária expansiva do BCE. Certamente essa expansão monetária haverá de ter um efeito inflacionário, porém já deveríamos saber que não elegemos as alternativas senão que elegemos entre alternativas disponíveis. Essa é a única forma de pagar o elevado nível da dívida e salvar o sistema financeiro, para evitar o ocorrido durante a crise de trinta.

Portanto, podemos concluir que o crescimento não é uma alternativa política, senão o resultado de uma política adequada que o produza. Então, como disse antes, não resta mais remédio do que reduzir o gasto público, particularmente o que se refere à burocracia estatal que, além disso, gera uma grande corrupção, tal como destacou um recente artigo do instituto CATO. Igualmente se requer baixar os impostos a fim de que se incremente o investimento privado, e lembremos as palavras de Adam Smith a respeito: “Um imposto injusto oferece uma grande tentação para evadi-lo. Porém, as penas pela evasão aumentam na proporção da tentação. A Lei contrária a todos os princípios ordinários da justiça primeiro cria a tentação, e depois castiga os que caem nela”.

Para concluir então, tomemos consciência uma vez mais das virtudes da mão invisível e dos vícios que engendra a mão visível do Estado na pretensão de que a burocracia superaria a burguesia. Ou seja, como reconheceu Adam Smith: “O indivíduo perseguindo seu próprio interesse, freqüentemente promove o da sociedade mais eficientemente do que quando realmente tenta promovê-lo. Eu não soube jamais de muito bem feito por aqueles que pretendem atuar pelo bem público”. Remeto-me aos fatos.

Tradução: Graça Salgueiro

A que servem os valores morais - Por: Emerson Monteiro


Valores, ou seja, as bases sobre as quais estruturar o comportamento nas relações entre as pessoas, sociedades e natureza. Afinal se busca níveis melhores que dimensões arcaicas, de quando animais e bárbaros, dos tempos das cavernas. Eles evoluíram desde que o homem é homem, de quando resolveu aprimorar realizações no decorrer da história. São padrões mais refinados de convivência que resultam nos estados de justiça e civilização.

A que servem esses tais valores morais? Só visam estabelecer pactos em favor dos grupos, ou indicam crescimento dos indivíduos nos planos elevados da ética e do progresso de sonhos maiores?

A psicologia evita o âmbito da religiosidade, mantendo compromisso restrito ao campo das reações aparentes das pessoas. Contudo há limites inatingíveis no desconhecido. Pois a ânsia das soluções bate de cara nalgumas impossibilidades científicas, estação provisória do conhecimento. E a dor segue doendo pedindo paz aos organismos enfermos da coletividade.

Nessas horas restam os valores, decisões pessoais estabelecidas no íntimo de vencer o vazio existencial nas criaturas humanas. Algo que deve existir plantado no território silencioso da solidão visando balizar as dificuldades existenciais. Nessas paragens longas e angustiosas, luzes acendem quando guardadas. Lembram a parábola cristã das virgens loucas, que não mantiveram o azeite de acender as lâmpadas, na chegada imprevisível dos noivos. E ficaram lá perdidas nas trevas do abandono, enquanto as prudentes revelavam suas localizações.

Nas noites e febres do isolamento a que se submetem os desavisados vagando pelos mundos incertos, o plantio e a colheita bem aos moldes daqueles que aperfeiçoam valores morais servem nas ingratas situações da sorte e reduz a fome de Amor desse tempo transitório. 

Corte do Jatobá abre ritual da Festa do Pau da Bandeira


Considerado um dos pontos altos dos festejos do padroeiro, o momento mobiliza 150 homens do Sítio Flores
Barbalha. O esforço é pela fé. Uma multidão segue em carreata até a mata do Sítio Flores, neste Município, para seguir um ritual que atravessa mais de oito décadas. O corte do Pau da Bandeira, para a Festa de Santo Antônio de Barbalha, que começa no dia 2 de junho, com o cortejo do mastro do padroeiro da cidade, ocorreu na manhã de ontem. Cerca de 500 pessoas, em sua maioria carregadores do pau, foram presenciar o momento que consideram sagrado. O jatobá de 23 metros, pesando cerca de duas toneladas, foi retirado da mata com apoio de um guindaste e, finalmente, colocado na chamada “cama do pau”, a mais de dois quilômetros do local onde foi cortado, no Sítio Roncador.
PaudabendeiracorteA árvore escolhida tem 23 metros de altura e pela duas toneladas
fotos: elizângela santos

A preparação dos carregadores começa cedo, com o caldo, no Mercado Central, para o reforço do trabalho que vem pela frente. São cerca de 9 quilômetros para chegar ao local, que foi visitado por mais duas vezes, para a seleção de cinco árvores, um angico e quatro jatobás, no dia 14 de abril, e, no último domingo, para a escolha do Pau da Bandeira da festa deste ano. O angico, considerado o mais adequado para o corte, não foi autorizado pelos órgãos ambientais. O trabalho contou com acompanhamento do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio).
Bênçãos
Antes do deslocamento até o Sítio Flores, a equipe de carregadores pediu as bênçãos do santo padroeiro da cidade e uma carreata seguiu para a Matriz. Para o capitão do pau, Rildo Teles, esse é um momento de fé do povo de Barbalha e um dos pontos mais altos da festa. “Me sinto imensamente feliz de poder estar à frente dessa tarefa de conduzir o Pau da Bandeira, com os carregadores”, afirma. Desde 2001, ele é eleito como o líder do grupo, que chega a pelo menos 150 homens.
Antes do primeiro golpe de machado para o corte do mastro, mais uma oração, com a imagem de Santo Antônio nas mãos, para abençoar o rito. A árvore é retirada da mata nativa, fora da Área de Proteção Ambiental (APA). A escolha passa por critérios também entre os carregadores. O mastro deve ser retilíneo, longo e de preferência com um peso que facilite a condução durante o cortejo. São cerca de seis quilômetros, a partir da saída, no dia 2, às 11 horas. A chegada este ano será antecipada e a previsão é hastear a bandeira do santo às 17 horas.
Segundo o secretário de Cultura da cidade, Antônio Sisnando, a partir da próxima segunda começa o processo de ornamentação da cidade. As cores de uma das maiores festas alusivas ao santo casamenteiro do Brasil invadem as ruas de Barbalha, que durante este ano recebeu o título, reconhecido por lei estadual, de Capital da Festa de Santo Antônio. E com referência a esta denominação, o secretário afirma que a cidade comemora.
Público
“Será o principal tema da festa, que irá acolher milhares de pessoas”, afirma. A estimativa é mais de 350 mil pessoas estejam na cidade durante o primeiro dia do cortejo, que atrai turistas doe várias partes do Brasil.
A preocupação de chegada na Matriz mais cedo que o ano passado, segundo o secretário, é justamente para atender à expectativa dos turistas, imprensa e população em geral e tornar a festa mais segura. E o apelo foi repassado para os carregadores pelo capitão, durante o começo da concentração, ontem. “Esse ato vem sendo renovado há muitos anos, e não temos como descrever a fé e tudo que envolve esse momento mágico”.
Segundo ele, exercer a função de capitão do pau é uma das coisas mais importantes, mas a responsabilidade é o fruto da fé. “Temos alguns excessos, mas há o zelo e o cuidado pelas pessoas”, ressalta. O professor e pesquisador Josier Ferreira, acompanha todo o processo de retirada do jatobá. Há vários anos ele realiza pesquisa sobre o ritual, a tradição e a sustentabilidade ambiental, numa integração do homem com a natureza.
Devoção
Segundo o professor, o porte das árvores retiradas da área da Chapada do Araripe é condicionada por alguns fatores ambientais. Numa análise de foto de satélite, ele afirma que as maiores estão próximas aos cursos de águas superficiais.
No caso do jatobá, com cerca de 35 anos, a retirada aconteceu bem próximo ao leito do Riacho Seco. Para ele, duas coisas caracterizam a festa de Barbalha: uma delas, a devoção do padroeiro; e a outra, as condições de floresta que o município tem agregado a uma área de Bacia Sedimentar, na encosta. Em praticamente todos esses anos, as árvores eram retiradas do Sítio São Joaquim e, a partir de 2000, começaram, a ser retiradas também do Sítio Flores.
“É uma floresta que seca, mas mantém algumas espécies da própria vegetação da Chapada do Araripe, como é o caso do Jatobá”, explica. A festa ainda passa por um processo de reconhecimento, junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como patrimônio imaterial. A programação se estenderá do dia 2 até 13 de junho, encerrando com a procissão do padroeiro.
ENQUETE
Por que a festa é importante para a região?
“A festa reúne fé e natureza. A existência da natureza condiciona a prática afetiva no imaginário das pessoas, utilizando o culto a Santo Antônio a partir de um contato com a natureza”
Josier FerreiraPesquisador
“É uma tradição que se repete há mais de oito décadas e hoje há uma preocupação maior relacionada à retirada da árvores, de uma Área de Proteção Permanente (APP). A tradição deve ser preservada
Cícero TiagoAmbientalista e carregador do pau
Mais informações
Secretaria de Cultura e Turismo de Barbalha, Rua da Matriz, 25
Centro
Barbalha – Cariri
Telefone : (88) 3532.1708
ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaboradora do Blog do Crato e Portal Chapada do Araripe

´Cariri Cangaço´ começa amanhã com cavalgada


Também será debatido o cangaço e o ciclo do coronelismo no Nordeste durante o encontro na região
LampiaoLavras da Mangabeira. A programação itinerante do Cariri Cangaço começa neste ano por esta cidade, localizada no Sul do Ceará, distante 430 km de Fortaleza. O evento será aberto amanhã, a partir das 15 horas com a chegada de uma cavalgada oriunda de Jaguaretama. Depois haverá debate sobre o cangaço, o ciclo do coronelismo no Nordeste, a participação de lideranças locais no contexto histórico da sedição de Juazeiro, cujo centenário transcorre em 2014.Está prevista para o fim da tarde de amanhã, uma apresentação cultural com declamação de cordel de autoria de José Teles da Silva, que descreve sobre a passagem de Lampião, em 1927, sobre Lavras da Mangabeira
A secretária de Cultura do município de Lavras da Mangabeira, Cristina Couto, disse que a cidade vive a expectativa de realização do evento, que já promoveu seminários, exposições e debates nas cidades de Barbalha, Crato, Aurora, Barro, Juazeiro do Norte, Missão Velha e Porteiras. “Neste ano, o enfoque será dado para a discussão sobre a Sedição de Juazeiro”, frisou. “É uma oportunidade das pessoas conhecerem acerca da história do Ceará”, completou.
A Cavalgada Lêla Férrer é um acontecimento anual e de resgate histórico, coordenado pelo deputado estadual, Heitor Férrer, descendente da matriarca Fideralina Augusto Lima, que no século passado exerceu com determinação e força, liderança política regional. Na época, a família comprava animais da região do Riacho do Sangue e os trazia em tropas para Lavras.
Neste ano, a chegada de 12 cavaleiros que vão se juntar a 50 vaqueiros vai coincidir com a abertura do 4º Seminário Cariri Cangaço. Após a solenidade de abertura a ser realizada no plenário da Câmara Municipal de Lavras da Mangabeira, haverá apresentação de um vídeo produzido pela Assembleia Legislativa sobre a história de vida de Fideralina Augusto Lima.
Matriarcas
“Ela foi uma das cinco matriarcas do Nordeste, com poder de mando, quando naquela época esse papel não era reservado à mulher”, observou Cristina Couto. “Estava à frente do seu tempo”. Ainda à tarde, haverá palestra com o historiador Dimas Macedo, que vai abordar o tema ´Entre canetas e bacamartes´. Integram os debates, os professores Calixto Júnior, Napoleão Tavares e Bosco Andrade.
Está prevista para o fim da tarde, uma apresentação cultural com declamação de cordel de autoria de José Teles da Silva, que descreve sobre a passagem de Lampião em 1927 sobre Lavras da Mangabeira, e de número de dança de xaxado por um grupo de estudantes da Escola de Ensino Fundamental Assis Lucena. No domingo pela manhã, a programação inclui um encontro dos participantes do evento com o prefeito, Gustavo Augusto Lima Bisneto (Doutor Tavinho), descendente (trineto) da matriarca Fideralina Augusto.
Visitações
Em seguida, haverá uma visita da comitiva à casa da líder política, ainda preservada no centro da cidade, onde também morou a artista plástica, Sinhá D´Amora. O evento será concluído com a saída do grupo para o sítio Tatu, que era propriedade de Fideralina Augusto, trisavó do atual prefeito e do deputado estadual Heitor Férrer. “Os alunos conhecem sobre a história de Roma, da Grécia, mas pouco ou quase nada sabem acerca dos acontecimentos do Ceará e muitas vezes aprendem de forma distorcida e pejorativa”, observou o gestor, Doutor Tavinho. “Esse seminário vai debater e divulgar fatos ligados à época do coronelismo e das oligarquias no início da República”.
O pesquisador Manoel Severo Barbosa é o curado do Cariri Cangaço, um grupo de estudos, que reúne professores e escritores, ligados à Sociedade Brasileira do Cangaço. Os próximos eventos estão marcados para julho, nas cidades de Souza e Nazarezinho, na Paraíba.
Mais informações
Prefeitura Municipal de Lavras da Mangabeira
Secretaria de Cultura
Região Centro-Sul
Telefone: (88) 3536. 1600
HONÓRIO BARBOSA
Repórter do Jornal Diário do Nordeste

Escultor cearense está entre finalistas de concurso internacional


Assis Filho inscreveu três obras para concorrer à bolsa de estudos. Escultura finalista já foi desmanchada por autor da obra.


Escultorce‘Solitary Man’ está entre trabalhos finalistas. Autor da
obra, Assis Filho afirma que a fez apenas para
estudo. (Foto: Assis Filho / Arquivo Pessoal)
Um escultor cearense está na lista dos 10 finalistas que concorrem à bolsa de estudos de verão da  Florence Academy of Art, em Florença, na Itália. Morador de Caucaia, na Região Metroplitana de Fortaleza, Assis Filho, de 25 anos, concorre com a obra Solitary Man (Homem Solitário), um trabalho que ele fez apenas para praticar e que já não existe mais.
“Essa eu já desmanchei há muito tempo, era uma peça de estudo. Eu tinha feito o retrato do meu pai para o concurso”, conta o escultor que enviou a imagem de três obras para a disputa na academia: o retrato do pai (My Dad), uma mulher de corpo inteiro (Reflecting) e a finalista. Todas as obras foram esculpidas com plastilina, uma massa de modelar que não seca e preserva a escultura.
Assis conta que fez a escultura finalista em dois dias e que ainda não tinha finalizado a peça quando decidiu inscrevê-la. “Trabalharia mais um dia nela”, destaca ele, afirmando ainda que moldar um escultura e desmanchar é um procedimento normal.
O concurso
Desde o dia 6, a academia vem divulgando um finalista do concurso por dia. O nome de Assis Filho foi anunciado nesta terça-feira (14), o 9º da lista. Na quarta-feira (15), será divulgado o nome do 10º e último concorrente. No dia 17, o nome do vencedor da bolsa de estudos de verão será conhecido.
“Sou bem realista, não gosto de ficar com muita esperança”, afirma o escultor que, apesar da cautela, já providencia passaporte e têm aulas de inglês. Caso fique com a bolsa, Assis passará o mês de julho em Florença se especializando em esculturas.
OutrasÀ esquerda, a escultura ‘Reflecting’; no Centro, o busto encomendado em Baturité e, à direita, o retrato do pai de Assis Filho. A escultura ‘My dad’ foi feita especialmente para o concurso. (Foto: Assis Filho / Arquivo Pessoal)


Formação
De família de classe média, Assis Filho viu o interesse por esculturas e desenhos nascer ainda criança, quando brincava com massa de modelar. A medida que foi crescendo, as esculturas foram melhorando. “Eu comecei a fazer topos de bolos de casamento personalizados”, conta.
Em 2011, participou de um curso de um ano ministrado pelo escultor Alex Oliver, famoso por trabalhos nos estúdios ILM, Weta Workshop, Blizzard. No período, Assis aprendeu a trabalhar com esculturas figurativas, tornando-se assistente de Oliver. “Eu deixei esse trabalho em março (2013). Comecei a assumir muitos projetos sozinhos”, afirmou ele, que desistiu até da faculdade de artes visuais quando descobriu que não estudaria esculturas.
Atualmente, Assis Filho vive da venda de suas obras e começa a ser reconhecido pelo seu trabalho. “Fiz um busto para uma praça em Baturité [interior do Ceará], foi um dos trabalhos mais bem pagos que já tive”, conta o escultor.
Diana Vasconcelos Do G1 CE

Ceará lidera ranking nacional de transplante por número de habitante


Hospital Walter Cantídio assumiu a liderança em transplante no Brasil. Nos três primeiros meses, o Ceará realizou 43 transplantes de fígado.
Transplante2-285x236Com 31 transplantes de fígado realizados nos três primeiros meses de 2013, o Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), da Universidade Federal do Ceará (UFC), é o hospital líder em número de transplantes de fígado por habitante, do Brasil. O estado também tem o maior índice de transplante de fígado no país, em números relativos à população.
De acordo com o médico Hwygens Garcia, chefe do Serviço de Transplante Hepático do HUWC, apesar do excelente desempenho, a falta de doação de ógãos ainda é o maior entrave para a realização dos procedimentos. “Talvez por desinformação da família, mas o percentual de negação familiar, no Ceará, se encontra entre 30% e 40%”. Os dados de transplantes realizados no Brasil são catalogados pelo Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).
Três hospitais de Fortaleza são habilitados pelo Ministério da Saúde a realizar esse tipo de procedimento. Nos primeiros três meses deste ano, o Ceará realizou 43 transplantes de fígado: 31 no HUWC, nove no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e três no Hospital São Carlos. “A equipe do Hospital São Carlos é a mesma que atuas no HUWC”, diz o médico. Para cada transplante de fígado é mobilizada uma equipe multidisciplinar composta por oito cirurgiões, cinco anestesistas, seis clínicos, além de enfermeiras, psicólogos e terapeutas.
“O Hospital Walter Cantídio realiza, em média, 10 transplantes de fígado por mês. Se houvesse mais doadores, teríamos condições de aumentar esse número para até 15 por mês ou, pelo menos, 13, se esse número de negativas diminuisse”, lamenta o médico Huygens Garcia. De acordo com Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos do Estado, a lista de espera para transplante de fígado no Ceará é de 145 pessoas.
Para o médico, é preciso que a população seja esclarecida quanto aos procedimentos de transplantes. Quando é detectada a morte cerebral de um paciente comprovado que todas as funções do cérebro pararam de funcionar de maneira irreversível, a equipe médica fala com a família sobre a  possibilidade de se fazer a doação dos órgãos da vítima. “Caso haja concordância por parte da família, é preciso que eles saibam que todo o processo é sério, que vai ser atendido o primeiro da fila em gravidade e que não existe a possibilidade de fraude nesse processo”, esclarece o médico.
Verônica Prado Do G1 CE

Ceará lidera ranking nacional de transplante por número de habitante


Hospital Walter Cantídio assumiu a liderança em transplante no Brasil. Nos três primeiros meses, o Ceará realizou 43 transplantes de fígado.
Transplante2-285x236Com 31 transplantes de fígado realizados nos três primeiros meses de 2013, o Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), da Universidade Federal do Ceará (UFC), é o hospital líder em número de transplantes de fígado por habitante, do Brasil. O estado também tem o maior índice de transplante de fígado no país, em números relativos à população.
De acordo com o médico Hwygens Garcia, chefe do Serviço de Transplante Hepático do HUWC, apesar do excelente desempenho, a falta de doação de ógãos ainda é o maior entrave para a realização dos procedimentos. “Talvez por desinformação da família, mas o percentual de negação familiar, no Ceará, se encontra entre 30% e 40%”. Os dados de transplantes realizados no Brasil são catalogados pelo Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).
Três hospitais de Fortaleza são habilitados pelo Ministério da Saúde a realizar esse tipo de procedimento. Nos primeiros três meses deste ano, o Ceará realizou 43 transplantes de fígado: 31 no HUWC, nove no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e três no Hospital São Carlos. “A equipe do Hospital São Carlos é a mesma que atuas no HUWC”, diz o médico. Para cada transplante de fígado é mobilizada uma equipe multidisciplinar composta por oito cirurgiões, cinco anestesistas, seis clínicos, além de enfermeiras, psicólogos e terapeutas.
“O Hospital Walter Cantídio realiza, em média, 10 transplantes de fígado por mês. Se houvesse mais doadores, teríamos condições de aumentar esse número para até 15 por mês ou, pelo menos, 13, se esse número de negativas diminuisse”, lamenta o médico Huygens Garcia. De acordo com Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos do Estado, a lista de espera para transplante de fígado no Ceará é de 145 pessoas.
Para o médico, é preciso que a população seja esclarecida quanto aos procedimentos de transplantes. Quando é detectada a morte cerebral de um paciente comprovado que todas as funções do cérebro pararam de funcionar de maneira irreversível, a equipe médica fala com a família sobre a  possibilidade de se fazer a doação dos órgãos da vítima. “Caso haja concordância por parte da família, é preciso que eles saibam que todo o processo é sério, que vai ser atendido o primeiro da fila em gravidade e que não existe a possibilidade de fraude nesse processo”, esclarece o médico.
Verônica Prado Do G1 CE

Programação Cultural do Cariri!


Cômodo Marfim se apresenta no boteco João e Maria, sábado a partir das 21:00h!
Janinha Brito se apresenta no Boteco João e Maria, em Crato, a partir das 21:00h, sexta feira!

Blog Cultura No Cariri

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30