xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 09/02/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

09 fevereiro 2013

A Praça dos Oitizeiros - Por Magali de Figueirêdo Esmeraldo

Quando chegamos à Praça da Sé, mesmo em qualquer hora do dia, temos para o nosso bem estar, uma agradável brisa que nos protege do calor. Tudo isso devido à preservação dos oitizeiros. Essas árvores estão ali há bastante tempo.  Elas dão sombra para o transeunte que deseja sentar no banco dessa praça acolhedora, além de liberar o oxigênio necessário para purificar o ar que respiramos. Como todas as praças do Crato, a Praça da Sé é muito bonita e bem conservada.

Hoje só se fala na preservação do meio ambiente. Observamos que os governantes cratenses, ao longo dos anos, preservaram e ajudaram ao meio ambiente, deixando os oitizeiros fazerem o seu papel para tornar a vida das pessoas que se dirigem a praça, mais saudável, prazerosa e livre do calor do sol. Além do mais, é obrigação das pessoas que dirigem a nossa cidade e de todos nós, cuidarmos do futuro do nosso planeta, deixando as árvores vivas e nos beneficiando com o seu oxigênio.

A sombra dos oitizeiros abrange toda a praça. Se uma pessoa decidir fazer caminhada, poderá fazê-la em qualquer horário, pois as árvores formam um verdadeiro teto ao redor da praça. O Crato tem a vantagem de ter belas praças que embelezam a cidade e dão melhores condições de vida à sua população.

Lembro-me que na minha infância, a Praça a Sé era a praça das crianças, dos adolescentes, estudantes, namorados e de todos os cratenses. Houve época que tinha até um lago com jacaré para divertir as crianças, embora fosse assustador.

Na festa da Padroeira, todos freqüentavam a praça à tardinha e à noite para aproveitar o parque de diversões.  Hoje também ainda continua sendo a praça dos cratenses.

Tenho boas lembranças do tempo que estudava no Colégio São João Bosco e, após as aulas, eu, meus colegas e minhas colegas, nos reuníamos abaixo da sombra de um oitizeiro para conversarmos. Mesmo sendo hora de sol quente, estávamos protegidos do calor pelas sombras das antigas árvores. Gostava tanto desses momentos que me esquecia do tempo e algumas vezes eu chegava em casa, atrasada para o almoço. Meu pai reclamava, pois ele queria a família reunida durante as refeições.

Muitos casais, há anos casados, namoraram nos bancos da Praça da Sé, às sombras dos oitizeiros. Eu e Carlos tivemos o privilégio de ter passado horas e horas nos bancos dessa praça no período de férias, conversando enquanto nos conhecíamos melhor. Nesses momentos matávamos a saudade do tempo de separação, quando ele tinha que viajar para Salvador, onde estudava. Por isso, um primo de Carlos até brincava com ele, dizendo que ele recebia a chave da praça do leiteiro e a entregava ao guarda noturno. A Praça da Sé era a praça dos namorados. E hoje, ainda é?

Por Magali de Figueiredo Esmeraldo

Do seriado “Coisas da República Brasileira” – por Armando Rafael


Nova poupança rende menos que inflação

O Banco Central prevê 5,73% de inflação neste ano. O índice já está acima do rendimento esperado para a nova poupança, 5,08% imposta pelo governo Dilma. Ou seja, o aumento dos preços compromete parte dos rendimentos de quem aplica na caderneta. E o Banco Central sempre erra na previsão, pois somente no mês de janeiro a alta de preços (que não computou os efeitos do último  aumento do preço da gasolina) chegou a 0,86%, o maior índice mensal dos últimos 10 anos.



 (Fonte: jornal "O POVO")

Afonsinho - Por: Emerson Monteiro


1977 em Crato. Segunda quinzena de dezembro. Fagner fizera apresentação na Quadra Bicentenário, em show que ajudamos a promover, época posterior ao seu disco Manera, Fru Fru Manera, trazido pelo empresário Francis Valle, nosso amigo. Com ele vieram Afonsinho, Amelinha, Wiron Batista e mais duas pessoas das quais não recordo os nomes. Permaneceram no Cariri quatro ou cinco dias. Organizamos um futebol no Itaytera Clube, num sábado à tarde, com a participação de Afonsinho, Fagner e Zé Luiz Penna, outro artista que também estava aqui na ocasião, hoje deputado federal e Presidente do Partido Verde. Passearam em Juazeiro do Norte. E eu os receberia na casa de meus pais durante o período que demoraram na região.

Pude, então, conhecer de perto Afonsinho (Afonso Celso Garcia Reis), atleta do futebol que ganhara a mídia nacional por se rebelar contra a situação do profissional jogador de futebol submetido a empresários e dirigentes, obtendo na Justiça o direito ao passe livre, de que foi o primeiro detentor, instituição sob cujo nome o cineasta Oswaldo Caldera realizara, em 1974, filme longa-metragem documentando o feito, que circulava as salas do cinema engajado pelo Brasil afora.

Figura ligada também à música popular, vinculado ao grupo dos cearenses da MPB, seria esse o motivo da sua aproximação com Fagner, Francis e Amelinha, que lhe trouxeram ao Nordeste naquele momento. Pessoa politizada, alegre, gostava de cantar samba, de trato leve e amigo. Conversador, admirador da literatura e dos bons valores culturais.  

Daqui segui com eles a Orós, residência dos pais de Fagner, onde permanecemos dois dias, com Wiron, um dos filhos do industrial Eliseu Batista. Era véspera do Natal, que juntos comemoramos, e, no dia seguinte, viajamos até Fortaleza, e ainda permaneci, poucos dias mais, com o mesmo grupo.

Agora me voltam esses fragmentos de memória depois de assistir, na televisão, a matéria extensa quanto às relações que existiram entre o futebol e a política nos anos da ditadura militar, citando inclusive o desempenho marcante de Afonsinho, que ergueu a bandeira da autonomia profissional dos atletas em meio à repressão e aos conchavos da corrupção no esporte e nos palácios. Era fase perversa, tempos da Operação Condor, tristes idos que mancharam de sangue a história, com as alianças escusas dos regimes ditatoriais da América Latina deixando rastro de dolorosas perdas.

Afonsinho chegou a defender times conhecidos, quais Olaria, Botafogo, Flamengo, América de Minas, Santos, Vasco da Gama, Fluminense e Madureira. Envergara a camisa do Botafogo na segunda metade dos anos 60, e conquistara diversos títulos, tais o Campeonato Carioca de 1967 e 68, e o Brasileiro de 1968.

Praça Siqueira Campos - Por Antonio Morais


"In Memoria" do saudoso amigo e camarada Chico Soares.

No Crato tivemos campanhas politicas memoráveis. Grandes personalidades, Deputado Federal, Deputado Estadual, vice-governador, presidente da Assembléia Legislativa, Senador da Republica e por ai vai. Tudo isso o Crato já ofereceu ao Ceará. Temos muitas proezas contadas das nossas eleições e muitos exemplos de homens públicos.

Numa delas, em décadas do século passado, Zé Tinindo era candidato a Deputado Estadual. Num discurso emocionado, em cima de um palanque completo de grandes lideranças, Zé Tinindo afirmava para uma platéia atenta e curiosa que: "Eu estou a poucos metros da Assembléia Legislativa do Ceará". Chico Soares, observando o movimento a certa distancia arrematou com um grito retumbante: "A 600 kms mermo"!

Notícias/Reflexões para este sábado (por Armando Rafael)

Moro num país tropical...


O general Golbery do Couto e Silva dizia que a memória da opinião pública brasileira só durava 15 dias. Isso se não fosse véspera de carnaval ou período de  Copa do Mundo de futebol, quando a memória da “brava gente” é ainda mais curta. Estamos em pleno carnaval. Mesmo assim relaciono algumas notícias divulgadas neste sábado...

 
A década perdida


Hoje o governo federal administra a queda da produção e redução do  lucro da Petrobrás; a volta da inflação (que registrou quase 1% somente em janeiro último); a dívida federal astronômica; a paralisação das obras do PAC, e denúncias de desvios de verbas na transposição do Rio São Francisco; os “pibinhos” humilhantes dos últimos anos; o escândalo do  mensalão; a violência ocupando metade do horário dos noticiários na televisão; os fichas-sujas assumindo a presidência do Senado e da Câmara...

Destino das estatais

Quem tinha R$ 50 mil de ações da Petrobrás em 2007 (aí incluído o Tesouro Nacional) hoje tem esses papéis valendo menos de R$ 19 mil. Fruto do governo Lula da Silva, que resultou na crise ora enfrentada pela ex-maior empresa brasileira. No churrasco do Lula, Gabrielli comeu filé. No churrasco da Dilma, Graça Foster rói o osso...

Tá feia a coisa

O valor de mercado da Petrobrás caiu 65,5%. Voltou ao mesmo valor de 1999. Hoje a Petrobrás vale menos que a Ambev, devido a falta de investimentos no setor durante os governos petistas. Os trogloditas da esquerda já encontraram a solução para isso: estatizar a Ambev e privatizar a Petrobrás.

Povo marcado, povo feliz

Escárnio, ignorância ou má fé? Além de quebrar esse símbolo da pujança nacional (lembram-se da campanha “O petróleo é nosso”?) O “Cara” ainda anunciou que o Brasil iria virar uma nova “potência mundial” com as descobertas do petróleo do pré-sal. Foi com este mote que ele conseguiu um estelionato eleitoral para eleger dona Dilma...

De leão rompante a gatinho siamês

Um dia depois da bravata de posse, quando declarou que a última palavra sobre cassar ou não os quatro deputados envolvidos no mensalão – condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF– seria da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) recuou. Após visitar o presidente do STF, o presidente da Câmara Federal declarou à imprensa: "a possibilidade de a Casa não cumprir determinação do STF sobre a perda de mandato dos condenados do mensalão é zero".

Casa de Mãe Joana

O embaixador da Venezuela no Brasil, Maximilien Sánchez Averláiz, participou de um ato de apoio a José Dirceu. No evento foram feitas críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) por ter condenado o ex-deputado do PT, que liderou o maior escândalo e corrupção da história republicana brasileira. A ditadura de Hugo Chávez separa o joio do trigo e fica com o joio. Na Colômbia o companheiro bolivariano financia e apoia os narcoterroristas das FARC. No Brasil apoia e prestigia os políticos corruptos...

Uma boa notícia

Mas, no meio de tantos notícias ruins, um fato bom que não foi noticiado domo devia ser feito:  o Ministério Público de São Paulo denunciou 72 pessoas que invadiram a Reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em novembro de 2011. Eles foram enquadrados por crimes de formação de quadrilha, dano ao patrimônio público, desobediência legal e pichação.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31