xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 06/02/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

06 fevereiro 2013

O crime do aborto - Por: Emerson Monteiro


O saber natural em sua ação persistente criou as condições de gerar filhos e os seres humanos em sua ignorância os expelem a sangue frio natimortos, quais eliminassem animais desnecessários, seus próprios semelhantes.

Houvesse leis pela preservação da vida em soberbas características de contenção dos desmandos praticados em redor do mundo e, decerto, a história mostraria inegáveis oportunidades de felicidade a esses tontos mortais esfomeados de prazer imediato.

Jamais, senão agora, demonstrações de ausência de lucidez parecem crescer no horizonte esfumaçado da destruição na flor da idade, em meio aos escombros da barbárie que toma conta dos séculos. Símbolos de paz viraram motivos de ausência de critério, nas promoções desencontradas de minorias vencidas.

Mas falávamos da covardia do aborto... Que pouca honestidade para com os semelhantes a nascer essa atitude dos legisladores lusitanos... Nem de longe se deve imaginar uma coisa dessas para o Brasil, povo originário dos avôs do outro lado das marés, que desta vez desistem de querer renovar a espécie. Exemplos melhores já nos deram, com certeza... Lições práticas de vida, a língua, o sentimento latino, o fervor, a musicalidade. Agora, contudo, quebraram a cara, e nós nos negamos a segui-los.

Tirar a vida, como querer? Não sabemos repor o viver de quem morre, por isso não se devem eliminar os seres humanos que aguardam as mesmas chances de brotar, crescer e conhecer.

A morte dos inocentes em gestação clama consciência, portanto. Falar na esperança dessas vidinhas em sumidouro, desejos de viver na lama dos ausentes, dói e requer disposição de ânimo aos que lutam pela paz. Aquilo que seria a festa das famílias, chegarem novos filhos, torna-se chama apagada no vento abusivo de vazias palavras soltas, derramadas.

E falar em amor exige coerência a uma civilização bandida, revirada nos laços das armadilhas, caminhos tortuosos, vilã matreira de poucas luzes. Gritos de promessas, entretanto, rasgam o espaço de sombra. A força de sobreviver, falando alto nas entranhas das gentes, indica o valor carinhoso de novos sonhos.

Quisessem reverter os quadros fantasmagóricos da indigência e praticassem hábitos justos e alegres de salvar os que, mais que antes, precisam nascer...

CRATO - Preço do feijão no Cariri tem aumento de 50%



Consumidores da região são prejudicados por causa da escassez de chuvas, que contribuiu para alteração do valor


Crato. Dispara o preço do feijão no Cariri. O aumento do produto chega a até 50%, contabilizando as altas sucessivas desde o início do ano. A principal causa é a escassez de chuvas. Ano passado, praticamente não houve produtividade e os pequenos agricultores chegaram a perder de 80% a 100% do cultivo. A esperança é que venha chuva nos próximos dias, para amenizar a situação. Os agricultores do Cariri continuam indo pegar as sementes do Programa Hora de Plantar, e a orientação é de iniciar o cultivo o quanto antes. O feijão-de-corda já teve alta desde janeiro e a tendência, com a escassez das chuvas, é que continue aumentando. Agricultores estão apreensivos com a safra deste ano FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS

Somente esta semana, o feijão chegou às feiras livres do Cariri com aumento de 10%, em relação à semana passada. Muitos feirantes, para evitar que o valor total da alta não seja repassado ao consumidor final, estão preferindo diminuir o lucro no saco de 60 quilos.

Expectativa

O produto está sendo adquirido para a região de estados como a Bahia e Minas Gerais. Com a alta de gasolina, a tendência é que o aumento para os próximos dias seja maior ainda. E o consumidor da região passa a comprar menos. A seca é a principal vilã nesse momento.

Depois do ano de 2012 com grandes prejuízos, janeiro passa a contar com poucas precipitações e se torna um agravante maior para a escassez dos produtos, como milho e feijão. Os animais continuam morrendo em alguns municípios, com sede e fome. Segundo o comerciante Francisco Nunes Viana, que há 40 anos comercializa feijão na feira livre do Crato, o aumento dos preços nos últimos meses tem sido contínuo e, praticamente, em toda semana. Os fornecedores, mesmo vendendo feijão provindo de irrigação, também têm atravessado dificuldades com a redução dos reservatórios, conforme o comerciante.

Ele adquire saco de feijão tipo manteiga, que é o de corda com melhor qualidade, por até R$ 800, 00, o saco de 60 quilos. A média de preços para repasse ao consumidor chega a R$ 8,00, por quilo. A fava, até o ano de 2009, tinha o saco de 60 quilos comercializado a R$ 30,00. Hoje, se encontrar no mercado, o produto chega a até R$ 1 mil.

A farinha de mandioca está por R$ 4,00, o quilo. Ano passado, chegou a ser comercializada por Francisco Nunes por até R$ 1,00. Edson Pereira, vendedor da feira livre do Crato, afirma que o consumidor tem se afastado um pouco das feiras e até mesmo reduzido as compras do produto. "Mesmo sendo algo que não pode faltar à mesa das pessoas", diz ele.

Para Edson, aquelas pessoas beneficiárias do Bolsa Família também estão sendo prejudicadas, por só terem praticamente essa renda e os custos do produto terem aumentado bem mais em relação ao benefício. As compras da segunda-feira estão reduzidas, segundo a agricultora Antonilda de Sousa. Ela afirma que toda semana adquire 4 quilos de feijão para o consumo da família. Cerca de R$ 28,00 tem pesado no orçamento. "Realmente fica difícil, principalmente, para nós que somos agricultores. Em outros anos, tínhamos em casa o produto, e com esse dinheiro já comprava outro item da alimentação", afirma.

Preocupação

O proprietário de armazém, Flávio Batista, se diz preocupado com a alta dos preços toda semana. Segundo ele, para que o feijão e o milho tenham saída no mercado, o repasse para o consumidor final é menor do que o previsto. "Mas, mesmo assim, ainda considero o valor alto e não podemos fazer nada", ressalta. A saída do produto continua, por ser um item que não pode faltar em casa. "Agora, exige maior sacrifício do cidadão. É altamente inflacionado", conta. A feira do Crato é uma das mais tradicionais da região e, segundo o comerciante Nunes Viana, acaba servindo de termômetro para a realidade de seca que o Cariri vem atravessando nos últimos anos. Conforme ele, que comercializa feijão desde criança com o pai, há mais de 40 anos, nunca se viu tanta crise como agora. O feijão mulatinho, o tradicional carioquinha, é um dos mais em conta e teve aumento desde a semana passada de R$ 4,00 para R$ 4,50.

Fartura

A expectativa agora é quanto aos próximos dias. Há uma preocupação dos comerciantes e consumidores de forma generalizada em relação ao fim dessa fase de estiagem, e o feijão, item essencial na mesa do nordestino, chegue com fartura. A agricultura Antonilda acredita que isso poderá acontecer, mas acha muito difícil por já estar em pleno mês de fevereiro, sem garantias para uma boa safra. O feijão que plantou está prestes a se perder, caso não chova nos próximos dias.

Mais informações:

Mercearia
Nova Aliança
Rua Madre Ana Couto
Centro - Crato
Telefone: (88) 9608.8684
Região do Cariri

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaboradora do Blog do Crato e Portal Chapada do Araripe Internet


Quem não lembra Dom João? - Por Antonio Morais


É possível alguém do Crato não ter conhecido João Aires de Aquino, o saudoso Dom João? Não ter frequentado o seu Bar? Não ter conhecido sua farta historia de humor? Ali se encontrava a cerveja mais gelada da cidade, o melhor petisco para tira gosto, o melhor atendimento, e, o melhor papo entre os amigos.

Dom João fez economia, juntou dinheiro e adquiriu  um carro. Na primeira viagem a Juazeiro do Norte fez uma  manobra arriscada e bateu de cara com um ônibus. Acabou o carro e foi parar no Hospital São Francisco, morre num morre, em estado grave. 

Depois de transferido para o quarto, passado o perigo, recebeu a visita do poeta José Landim.  Conversa boa,  lero animado,  satisfação pela rápida recuperação. Mas, como todo poeta tem as suas, José Landim apanhou um lenço de papel e fez este verso deixando-o  em cima da mesa da quartinha da agua:

O amigo João Aires de Aquino
Um solteirão bem traquino
Que fala de todo mundo
Num acidente de veiculo
Quebrou o par de testículos
E as quatro pregas do fundo.

Foi motivo de intriga para Dom João.

Recuperados os sinos da Catedral de Crato




   Por iniciativa do Cura da Catedral de Nossa Senhora da Penha, padre Edimilson Neves Ferreira, os sinos de bronze da Sé de Crato passaram por trabalho de restauração. Os dois sinos há muitos anos tinham sido pintados com tinta óleo. No trabalho de restauração foram retiradas as camadas de tinta, reaparecendo, agora, somente o bronze com os desenhos e as datas de fabricação existentes naqueles sinos. O trabalho de restauração faz parte das providências que vêm sendo efetuadas para comemorar – no próximo ano – o centenário de criação da Diocese de Crato e de elevação daquele templo à dignidade de catedral. 

   Os sinos da catedral de Crato estão localizados na torre do lado sul daquele templo, construída entre 1852 e 1863, pelo então vigário colado, padre Manoel Joaquim Aires do Nascimento. O historiador Irineu Pinheiro – no livro “Efemérides do Cariri” – escreveu que “o sino que dobra finados foi fundido em 1869 e denominavam-no, inicialmente de “Sino das Almas”. Batizaram-no com o nome de Miguel. Quanto ao sino menor, que durante décadas recebeu a pancada do martelo do relógio da torre, fundido em 1848, chamavam-no Manuel”.

   No momento, o histórico relógio da Sé Catedral de Crato encontra-se sem funcionar. Entretanto, o padre Edmilson Neves está coletando informações de profissionais para que o relógio passe também por serviços de conserto e restauração.

(Postado por Armando Rafael)

Aumento dos combustíveis serão mais frequentes para acompanhar cotações internacionais, diz Mantega


Aumento dos combustíveis serão mais frequentes para acompanhar cotações internacionais, diz Mantega
O último aumento noa gasolina ocerreu semana passada

As mudanças nos preços dos combustíveis serão mais frequentes para acompanhar com mais agilidade a cotação internacional do petróleo, disse nesta terça-feira (5) o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele evitou dizer se o governo cogita, para breve, um novo reajuste da gasolina e do óleo diesel, mas informou que o governo alterou a política de preços da Petrobras.

"Nós acabamos de dar um aumento para a gasolina, então não me parece oportuno falarmos em novo reajuste. Agora, a nossa tendência será acompanhar, cada vez mais, a evolução dos preços do petróleo, porque o preço dos combustíveis tem de ter uma correlação com o preço internacional do barril. Esse é o valor que a Petrobras paga quando importa derivados", disse Mantega.

De acordo com o ministro, nos últimos cinco anos, os preços dos combustíveis aumentaram 85% nas refinarias. No mesmo período, a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) somou 60%. Ele esclareceu que esses reajustes, na época, não foram repassados aos consumidores porque o governo compensou as altas de preços com reduções na Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

Apesar do aumento superior à inflação nas refinarias, o ministro ressaltou que os preços internacionais do petróleo provocaram impacto nas contas da Petrobras nos últimos anos. "O problema foi a cotação internacional do petróleo, que subiu mais que os preços nas refinarias, então houve descolamento no preço para importar a gasolina", avaliou.

Mantega recusou-se a comentar as declarações da presidenta da Petrobras, Graça Foster. Em entrevista coletiva para comentar o balanço da estatal, ela disse que considerava insuficiente o aumento de 6,6% no preço da gasolina e de 5,4% do preço do diesel nas refinarias. Sobre a queda de 8% nas ações ordinárias (com direito a voto) da estatal hoje na Bolsa de Valores de São Paulo, o ministro declarou apenas que oscilações nos preços de ações são naturais.

"Em renda variável, isso costuma acontecer. Eles [os preços das ações] vinham subindo há semanas, aí caem em outra semana. Às vezes, o fator é externo. Ontem, por exemplo, as bolsas estavam caindo no mundo todo", argumentou.

O ministro deu as declarações depois de se reunir por mais de duas horas com a presidenta Dilma Rousseff. Mantega não informou se a política de combustíveis foi discutida no encontro.

Estado

No Romeirão, Guarani de Juazeiro empata com Crato em 1 a 1



Com ponto ganho, Leão do Mercado ainda segue na liderança do Cearense

O líder Guarani de Juazeiro recebeu o Crato no Estádio Romeirão e acabou empatando a partida em 1 a 1. O duelo aconteceu na noite desta terça-feira (5), válido pela 11ª rodada do Campeonato Cearense.
Foto: Normando Soracles

O Leão do Mercado segue na liderança do Estadual, agora com 20 pontos. O Crato aparece na 5ª posição, com 12 pontos conquistados. Sem movimentação em campo, Guarani de Juazeiro e Crato fizeram um jogo fraco no primeiro tempo. O Crato conseguiu o gol em um lance de bola parada. Aos 39 minutos, George acertou um grande chute de fora da área, após cobrança falta, fazendo o primeiro gol da partida.
Guarani empata na etapa final

Líder do Cearense, o Guarani tentou ir para o ataque e igualar o placar no Romeirão. O time juazeirense até teve mais posse de bola do que o Crato, mas não chegava com perigo no gol de Jaime. Assim como no primeiro tempo, o gol de empate saiu de um lance de bola parada.
Confira os gols da partida   

Aos 14 minutos, Netinho cruzou na área do Crato. Moré subiu, e de cabeça, deixou tudo igual no Romeirão. O placar permaneceu inalterado até o apito final.

12ª rodada Na próxima partida, sábado (9), às 16h, o Guarani de Juazeiro enfrenta o Ferroviário. No mesmo dia e horário, o Crato joga contra o Maracanã, no Estádio Alcides Santos.

Verdes Mares

CARNAVAL com clássicos do BLUES no João e Maria Boteco, dia 08 de fevereiro às 21h.



CARNAVAL com clássicos do BLUES no João e Maria Boteco, dia 08 de fevereiro às 21h.
Postado por EditorAgenda Cultural, Cariri, TOP, TOP2terça-feira, 5 fev 2013, 06:56

Noite de CARNAVAL com clássicos do BLUES que contam com músicas de B B KING, GARY MOORE e outros vários artistas renomeados. A banda vem mostrar um estilo de Blues diferente para a região do Cariri. No João e Maria Boteco, dia 08 de fevereiro às 21h. Carnaval in Blues!
E em março tem mais Blues Cream! Encontraremos a banda cheia de energia num ambiente no sopé da Serra: Chico da Cascata, dia 09 março 2013.

www.blogdocrato.com

URCA e Fundetec promovem encontro com prefeitos eleitos e reeleitos do Cariri



O encontro aconteceu na manhã de ontem, na URCA e na Fundetec, em que foram debatidas questões a exemplo da lei de acesso à informação e municipalismo

Prefeitos eleitos e reeleitos de várias cidades do Cariri, Centro-Sul e representantes de cidades do interior do Pernambuco foram recepcionados ontem, na Universidade Regional do Cariri (URCA) e na Fundação de Desenvolvimento Tecnológico do Cariri (Fundetec). O objetivo do encontro foi promover uma aproximação com os novos gestores e apresentar projetos que podem ser desenvolvidos por essas instituições em prol do desenvolvimento regional, por meio de parceria integrada com os municípios.

Na URCA, os gestores foram recepcionados pela Reitora, professora Otonite Cortez, o Vice-Reitor, Patrício Melo, Pró-Reitores da Instituição e diretores de centro, além de servidores de diversos departamentos e setor administrativo, durante almoço, servido no Pátio de Pedagogia. Prefeitos de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Várzea Alegre, Jardim, Farias Brito e representantes de outros municípios, instituições financeiras como o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), tiveram a oportunidade de manter o contato direto com a Universidade, a mais influente instituição de ensino superior com legado de ensino e formação profissional de 26 anos.

Para o Prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo, o encontro é uma espécie de chamamento aos municípios, para haja uma parceria maior entre as prefeituras e a Universidade, como o seu papel em prol da educação de qualidade e desenvolvimento. “É uma iniciativa muito importante, no início da gestão, para que a gente venha debater”, diz ele. Segundo o prefeito, é importante perceber os serviços que essas instituições podem oferecer, sem que seja necessário buscar fora da região. Durante o encontro, o prefeito firmou um novo encontro com a Reitora, para que seja feita uma reunião com representantes da Universidade e secretarias municipais, como forma de fortalecer ainda mais a parceria de trabalho.

Já o prefeito da cidade de Barbalha, José Leite, destacou a contribuição que a Universidade pode dar para as comunidades. “Estamos trabalhando muito próximo da  URCA com a questão do Geopark, que hoje envolve grande parte dos municípios da região”, afirma. O prefeito também ressalta a capacitação técnica que pode ser oferecida por meio da URCA e da Fundetec nos municípios, através de um apoio qualificado para as ações municipais. “Os prefeitos poderiam ir mais às universidades, para conseguirem parcerias importantes em projetos para os municípios”, diz ele. 

A reunião na Fundetec contou com a participação do representante da Prefeitura do Crato, o vice-prefeito Raimundo Bezerra Filho. De acordo com o gestor, a iniciativa da URCA e da Fundetec proporcionou um momento importante para a troca de ideias, dentro de um contexto de integração, no intuito de avançar num conhecimento maior do que a Fundação pode oferecer, dentro das suas competências de atuação, a exemplo de concurso público, ofertas de cursos, entre outros projetos que podem ser realizados por um órgão genuinamente caririense, com respaldo de uma instituição como a URCA.

Para a Reitora, Professora Otonite Cortez, este foi um momento de congraçamento entre os gestores municipais e os órgãos parceiros, que contribuem com a Universidade para a promoção do desenvolvimento regional. “A ideia foi mostrar para esses gestores eleitos e reeleitos os cursos que temos, além dos serviços que podem ser ofertados por meio da Universidade, no âmbito do ensino, pesquisa e extensão, através da parceria com os municípios e pela região”, ressaltou.

Os temas debatidos na Fundetec estiveram relacionados à previdência própria, lei de acesso à informação e municipalismo. “Essa teia de relações se fortalece e nós queremos continuar trabalhando com os municípios, num compromisso com o desenvolvimento local e regional, reafirmado no contexto da pesquisa, ações extensionistas e de recursos humanos”, completa a Reitora.

ASSESSORIA DE IMPRENSA
UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI - URCA
www.urca.br - Contato 88 8812.5525/3102.1213
Rua Cel. Antônio Luiz, 1161 – Pimenta – Crato - CE

Rebanhos dizimados - Por: Emerson Monteiro


Sei que a Natureza possui leis justas; algumas vezes, duras, porém justas, inquestionáveis. Leis que exigem adaptação e obediência; e que obedecê-las representa norma de sabedoria na evolução dos modos de viver no movimento das atividades humanas.

Tais avaliações significam a obrigação para fazer a leitura correta das estiagens recentes nas chuvas do Nordeste brasileiro, reduzidas que foram a padrões inferiores, até dizimando parte da criação do gado bovino, de si já diferenciado e restrito a raças fortes, indubrasil, zebu, mestiça, quase só espécies aclimatadas aqui desenvolvidas. No entanto, dessa vez, impossível de resistir aos resultados impiedosos ocasionados após a soma dos sucessivos estios de épocas consecutivas.

Esses índices pluviométricos caracterizaram outra das denominadas secas verdes em anos interligados, trazendo pouca água aos reservatórios, afetando a produção agrícola e eliminando os pastos, longe dos períodos fartos das fases decantadas pelos poetas e trovadores populares noutras horas.

A realidade dos três derradeiros anos culminou, nesse ano de 2012, em calamidade que trouxe à memória o ano de 1958, de triste recordação, quando os rebanhos do centro-sul de nosso Estado praticamente se viram eliminados sob a inclemência da ausência das chuvas. Vítimas da escassez do líquido precioso e do alimento, reses morreram abandonadas ao relento das vastidões ensolaradas e impessoais, mostradas em páginas do cancioneiro nordestino, a exemplo de Luiz Gonzaga, na canção Jesus Sertanejo: Na serra, nos campos / Ai desencanto que a gente tem / E o vento, que sopra, ressoa / Ai sequidão que traz desolação, uma letra impecável de Janduhy Filizola.  

De dezembro a fevereiro, os viajantes que percorreram municípios do sertão, do Ceará e de outros estados vitimados pela calamidade, testemunharam o quadro dantesco das carcaças viradas em couro e ossos, restos que minguavam as prendas valiosas dos moradores da zona rural. Houve fazendeiro de perder algo por volta de 20 animais num único dia de penúria, na quadra adversa da seda dos seus queridos rebanhos.

A reflexão que sobra qual lição: Encontrar onde tudo identifica a linguagem da Natureza, que representa o quanto ainda necessitamos conhecer da vocação do território da caatinga, no semi-árido, ora desabitado e virgem das soluções indicadas pelos meios oferecidos aos habitantes, séculos depois de exploração e frutos limitados a vozes do clima característico desta área geográfica.  

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30