06 setembro 2013

Balzac - Por: Emerson Monteiro


Nas suas memórias, conta o escritor Dino Segre Pitigrilli que, certo dia, numa das visitas do explorador Alexander von Humboldt a Paris, este revelou ao seu amigo Dr. Blanche, conhecido pelo tratamento revolucionário que desenvolvia junto aos doentes mentais, o propósito de almoçar com um dos pacientes medicados pelo célebre estudioso, reconhecido precursor na arte da cura nervosa.

- Coisa nada fácil, nesse momento, Humboldt – advertia o médico. – Mesmo assim, verei o que posso fazer para atender-lhe o pedido.

Dessa forma, logo no dia posterior, encontraram-se à mesa da refeição Humboldt, Blanche e mais dois outros senhores, um dos quais trajava longa casaca preta, abotoada de cima a baixo, fechada por gravata escura, larga, que repontava, no ambiente, longos olhares sombrios de homem taciturno e misterioso.

Durante todo o almoço, tal cavalheiro permaneceria fiel à impressão que de início despertara no visitante. Ao chegar, dirigiu-se a Humboldt cumprimentando-o com gestos eloquentes, indo aquietar-se formal numa das extremidades da mesa. Comeria moderado. Beberia algumas taças do vinho que serviram, sem, todavia, nada pronunciar que lhe identificasse mínimos sinais de personalidade.

O outro senhor, por sua vez, ao contrário do primeiro, parecia um vulcão ativo, flamejante; de cabelos desgrenhados, casaco azul e alguns botões fora da casa, depunha os cotovelos impacientes sobre a mesa, que, a cada instante sob o seu peso, sacolejava de causar medo.

Ansioso, comia em ritmo acelerado. Engolia quase sem mastigar. Falava, falava, e perguntava muitas e insistentes vezes. Impaciente, era ele quem se respondia, antes de aguardar as respostas solicitadas. Cortava pelo meio as falas dos interlocutores. Despejava palavras através de todos os poros. Emendava assunto em outro, uma história na outra, o presente no passado, e esse no futuro.

Tempos após, à hora da sobremesa, Humboldt chamou de lado o seu anfitrião para, juntos, tecerem alguns comentários a propósito dos pacientes convidados, segundo imaginou o visitante.

Nessa hora, indicando com os olhos o segundo personagem, aquele da casaca azul, de atitudes eufóricas, que multiplicava palavras, chistes, anedotas e extensas tiradas filosóficas, balbuciou-lhe ao ouvido:

- Muito interessante o doente que me trouxeste. Seu paciente bem que nos diverte bastante, nesta ocasião. Parabéns pela feliz escolha do que solicitei.

Nisso, ligeiro, o médico reagiu contrafeito diante da avaliação do amigo:

- O quê? Não, não, senhor!

E insistiu a objetar: - Mas o doido que eu lhe trouxe não é ele, não, o que está pensando. É, sim, o outro, o da casaca escura – acrescentou Dr. Blanche.

- O que nada falou e permaneceu calmo todo o tempo? – indagou admirado o célebre alemão.
- Sim, sim! É ele o meu paciente, em fase de bem sucedido tratamento. Vê-se no controle do comportamento apresentado.

– E esse que pensei que fosse ele, então, de quem se trata? – quis saber Humboldt.

- Esse é Balzac, meu amigo Honoré de Balzac, o inigualável gênio da literatura francesa – com isso, ambos, silenciosos, voltaram aos seus lugares a fim de concluir o repasto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.