23 julho 2013

Peregrinos e fiéis se emocionam com a chegada do papa


Rio de Janeiro – Milhares de pessoas, entre brasileiros e de diversos países, se reuniram na Catedral do Rio para ver de perto o papa Francisco. Alguns esperaram por mais de cinco horas para tentar se aproximar. Na Catedral, o pontífice trocou o carro fechado pelo papamóvel, de onde acenou e abençoou os fiéis.

Entre os peregrinos, estava um grupo de 199 argentinos. Justo Mac era um dos integrantes. Músico, ele cantava nas missas celebradas pelo então arcebispo de Buenos Aires, Jorge Bergoglio, hoje papa Francisco. Ele e o seminarista uruguaio Matías Cerviño - que há cinco anos trabalha com a comunidade Padres de Schoenstatt, em Buenos Aires - lembraram da época em que o religioso desenvolvia trabalhos para ajudar os mais pobres na Argentina. “ O trabalho dele pelos mais pobres e nas favelas de Buenos Aires foi muito bom”, disse Matías. O grupo vai encontrar com o papa na quinta-feira (25). O encontro foi um pedido de Francisco. “ É muito emocionante porque agora ele é o papa. É legal e bacana para ver, porque ele é muito próximo”, comentou. Para seguir a vontade do papa de cuidar dos pobres, a juventude precisa se aproximar dos mais carentes. “Tem que conhecer a realidade segundo a visão deles. Não pode ficar indiferente frente à dor e à pobreza e se encontrar com Deus”, avalia Matías.

A irmã da Ordem de Santa Clara, Beatriz Maria de Jesus Salvador, foi para o local para ver a passagem do papa junto com mais três freiras. Elas conseguiram chegar próximo ao pontífice. “Estou completamente emocionada. É um renovar e se voltar para Cristo”, informou a irmã Beatriz Salvador, que viu o papa Bento XVI, na viagem que ele fez ao Brasil em 2007.  A irmã Maria Mônica, da Divina Misericórdia, ficou surpresa com o animação dos jovens. “Dizem que a Igreja Católica está perdendo católicos. A gente vê que não está perdendo não. É só ver tantos jovens”, contou. Já a aposentada Rita de Cássia ficou frustrada por não ter conseguido ser abençoada pelo santo padre. “Valeu a emoção, mas fiquei triste porque não houve tempo dele olhar para cá. Fiquei decepcionada, porque quando o outro papa [João Paulo II] esteve aqui, lá no Aterro do Flamengo, passou pertinho. Mas eu vou atrás dele. Ele vai à Copacabana, vai na Quinta da Boa Vista. Eu ainda vou ver ele de frente”, disse.

O italiano Silvano Olivero, marido da aposentada, se mostrou satisfeito por estar ao lado de tantos jovens. “O sentimento de cada pessoazinha dessa engrandece o Brasil. Provavelmente, eles têm uma formação básica de família. Acho que este mundo não está totalmente perdido não”, analisou. Para ele, o papa é a única personalidade mundial capaz de reunir tanta gente com um só pensamento. “Não é questão de religião, do catolicismo ou o que seja. É o indivíduo”, disse. De acordo com o comandante do Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas, tenente coronel Joseli Cândido da Silva, cerca de 5 mil pessoas se concentraram no pátio da catedral. Segundo o coronel, 50 policiais participaram do esquema de segurança da área interna da catedral.“[Não houve] Nenhum incidente. Tudo transcorreu muito bem, não teve qualquer transtorno”, comentou.

Durante a Jornada Mundial da Juventude, os policiais irão distribuir folhetos aos turistas e peregrinos com dicas de segurança em cinco idiomas (português, inglês, francês, italiano e espanhol).

Ateus e agnósticos protestam em São Paulo contra gastos públicos na recepção ao papa

São Paulo – Membros da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) protestaram hoje (23) contra os gastos públicos para recepção do papa Francisco e realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Brasil. Com um secador de cabelos, eles promoveram uma "desbatismo" em frente à Catedral da Sé, centro da capital paulista. Após secar simbolicamente a água do sacramento do batismo, a pessoa recebia um certificado de participação no ato.

“Podemos receber o papa, mas isso não significa que temos de gastar R$ 850 mil em uma recepção para ele, que os aviões da FAB [Força Aérea Brasileira] tenham de ir até o Vaticano para buscar o jipe dele”, disse o presidente da Atea, Daniel Sottomaior. Ele criticou também o fato de a prefeitura do Rio de Janeiro ter decretado quatro dias de feriado, dois deles parciais, por causa da visita do pontífice.

Para Sottomaior, os gastos com a vinda do pontífice são um exemplo de como a laicidade (doutrina ou sistema que preconiza a exclusão das igrejas do exercício do poder político e administrativo) do Estado é desrespeitada no Brasil. “As autoridades sempre fizeram isso nesses 120 anos de República, pondo símbolos religiosos nas repartições públicas, pondo [a frase] 'Deus seja Louvado' no dinheiro, dando dinheiro para as religiões. Todos nós somos católicos e evangélicos à força, com a imunidade tributária que as igrejas recebem”, afirmou.

O professor Marcelo Carvalho ficou sabendo do protesto ao ouvir as críticas de uma apresentadora de TV ao ato. Ele destacou que também não é contra a recepção ao papa Francisco, mas acha que a festa não deveria envolver dinheiro público. “É mais o gasto público com a vinda dele, não necessariamente a vinda dele”, ressaltou Carvalho.

Edição: Carolina Pimentel
Fonte: Agência Brasil
Foto: G1



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.