25 abril 2013

De lixos e tapetes - Por: Emerson Monteiro


Será mesmo que aqueles de nós que andam às gargalhadas detrás dos vidros esfumaçados dessas naves prateadas, hermeticamente lacrados nas suas preocupações esclarecidas, imaginam andar nas nuvens acima do bem e do mal assim flanando indiferentes? Será mesmo que quando chegam aos pousos dormem a sono solto de virar noites longe das inquietações cotidianas e dos comentaristas dos programas policiais? Ou a frase restou longa a ponto de perder o sentido e abandonarem o texto antes de receber a carapuça?
E a sociedade a que pertence pertence a quem? A ninguém e a todos, quero imaginar. Os pedaços que sobrarem irão nutrir os cães dos senhores de governo, avalio, pois.

Outro título dessa matéria seria Cumplicidade indecorosa, ou Uma falsa cumplicidade, ou As avestruzes circulares...

Esse ranço folclórico é que hoje de manhã dei de cara com um pedinte jovem, preto, desgrenhado, largado, mal trajado, revoltado, e outros ados, porque as pessoas que lhe davam algum prato de comida haviam ouvido a língua de outros a que deixassem de fazer aquilo, que viciavam a pessoa, pois a família dele bem que podia custear seu sustento de mendigo pobre, e coisa e tal. Achava-se traído pela coletividade, que até então aceitou a condição dele pedir restos de comida e passar do jeito que a natureza dava oportunidade. 

Porém resolveu abandoná-lo de vez, que sua barriga (e mostrou a barriga quando levantou a camisa encardida) começara a reclamar. E agora a balança pareceu virar no sentido contrário... Que há cinco dias andava com fome, querendo a todo custo, um lenitivo de forrar a paz nas ruas onde anda livre, conformado.

Bom, o assunto é esse, apresentar o quadro qual tema do interesse e da participação de todos, até dos que fogem aos compromissos boêmios das religiões, sob o pretexto de cuidar dos afazeres, pagar impostos, manter a família, votar de dois em dois anos, guardando atenção às novelas, anestesias ausentes da realidade real, com história lá de longe via satélite.

Ainda assim caberá parcela importante nesse mar infinito, nas horas das pequenas lembranças siderais, de desenhos trançados com os fios de teias semelhantes a mistérios de mundos orientais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.