xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 16/09/2012 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

16 setembro 2012

Bom Domingo! - Histórias e Estórias do Crato de Antigamente - Por: Ivens Mourão


MEU AMIGO!

No Crato existiram muitos projetos com financiamento da Sudene. José Justino foi um dos beneficiados pelo Projeto Asimov e também dera entrada em projeto na Sudene. Mas o tempo passava e não obtinha nenhuma resposta. Certo dia, lamentando esse fato numa conversa na Praça Siqueira Campos, estava presente o Juvêncio Bezerra (o do pássaro de dois bicos), que gostava de contar muita mentira e não fazia segredo disso. Então disse:
- “Mas Justino, por que você não me falou há mais tempo. Eu sou amigo de infância do João Gonçalves, o Superintendente da Sudene. Fomos criados juntos, em Lavras da Mangabeira. Tomei muito banho no riacho com o Gonçalves. Querendo, em vou a Recife com você e prometo que a gente desencava esse projeto!”.
Mas o Justino pensou que fosse mais uma brincadeira do Juvêncio, uma das suas mentiras. Passados alguns dias tornaram a se encontrar e o Juvêncio voltou a insistir:
- “Eu tenho que fazer um frete para Recife e você vai comigo, no meu caminhão!”
O Justino acabou aceitando a oferta. Ia arriscar! No entanto, foi pensando durante a viagem toda: “Eu vou passar é vergonha! Como é que o Juvêncio vai fazer esse homem tão importante lembrar dele quando ainda eram meninos?”. Chegando em Recife dirigiram-se para o prédio da Sudene. Ambos muito bem vestidos de paletó e gravata. Na ante-sala do Superintendente, o Juvêncio, com toda a intimidade, falando alto, foi logo dizendo que queria falar com o ‘Gonçalves’. A Secretária toda formal, folheando a agenda, perguntou:
- “O Senhor marcou audiência?”
- “Audiência coisa nenhuma, menina. Diz a ele que é o Juvêncio Bezerra que está aqui”.
O Justino tomou o maior susto! Abriu-se a porta do Gabinete do homem e ele saiu de lá, com os braços abertos e dizendo:
- “Mas Juvêncio velho!!!! Meu amigo!!!”
Foi aquele abraço de quebrar costela.

A BRECHA

O Superintendente da Sudene, com o braço no ombro do Juvêncio, levando-o para o Gabinete e este, por sua vez, segurou pelo braço do Justino e o arrastou com ele. A Secretária não entendeu nada! Começaram a conversar sobre os tempos de menino. O Superintendente:
- “Lembra quando a gente ia ‘brechar’ as meninas tomando banho nuas, no rio?”
- “Lembro demais! Tinha até uma espera (para caçar avoante) onde a gente se escondia e ia, um de cada vez, para apreciar as meninas!”
- “Teve uma vez que o Zezinho foi o primeiro a olhar e disse que naquele dia não estava prestando e que ninguém precisava olhar. E eu fui olhar. Quando olhei, vi foi a irmã dele nuinha. Aí eu disse: Pra mim está especial!!!”

MENTIROSO?

Depois de muita conversa, muito riso, o Superintendente perguntou:
- “Sim, e aí Juvêncio, você está precisando de alguma coisa de mim aqui na Sudene?”
Só então o Juvêncio apresentou o Justino e explicou o motivo da visita. De imediato, o Superintendente disse:
- “Está vendo aquela mesa ali, cheia de projetos? É capaz do projeto dele estar lá. Dá uma olhada, Juvêncio”.
Não se fez de rogado. Procurou, mexeu, remexeu e encontrou o projeto do Justino. Desencavou mesmo. Entregou na mão do Dr. Gonçalves que deu uma folheada, fez algumas perguntas ao Justino e disse:
- “Pode deixar, esta semana eu libero este projeto”.
De volta à Praça Siqueira Campos, o Justino passou a contar a história nos mínimos detalhes. E sentenciava:
- “Mentiroso é quem diz que o Juvêncio é mentiroso!”

O PICOLÉ

No início da Sorveteria Glória, o Luís instalou o serviço de gelados. Eram sorvetes e picolés. Só no Crato tinha essa novidade. E, como não podia deixar de ser, o movimento era muito intenso. Como uma forma de organizar e dar um melhor atendimento aos fregueses, foi instituído um sistema de fichas. Para cada tipo de produto tinha uma ficha de uma determinada cor. A pessoa pagava na caixa registradora, recebia uma ficha correspondente e ia ao balcão dos gelados, se servir. Muitos vinham de longe, atraídos pela fama de que era tão gelado que queimava a boca.
Num determinado dia, uma senhora de meia idade foi à Sorveteria, experimentar a novidade. Pagou o preço de um picolé e recebeu uma ficha amarela. Devido ao grande movimento, ninguém percebeu que ela começou a chupar a ficha. Passados alguns minutos ela voltou ao caixa e, em altos brados, exclamou:
- “Vocês me roubaram! Esta porcaria não tem gosto e também nem queima a boca da gente!”

PULIÇA

Puliça era um bêbado comum. É o que se pode chamar de bêbado crônico. Magro, feio e sujo. Gostava de sentar-se na Praça Siqueira Campos sempre só e, claro, bêbado. Vivia resmungando algo que ninguém entendia. Não queria a companhia de pessoa alguma. Caso alguém sentasse ao seu lado, imediatamente mudava-se para outro banco. Também ninguém gostava de chegar perto dele, pela mania que tinha de não tomar banho. Certa manhã, num feriado, chegou ao Crato, proveniente de Cajazeiras/PB, uma excursão de jovens estudantes. Logo que uma delas desceu do ônibus e pisou na Praça, foi logo avistando um grupo de rapazes e exclamou para as outras colegas:
- “Gente, aqui tem muito rapaz bonito!”.
O Puliça, que estava sentado num dos bancos, imediatamente melhorou um pouco a postura (que era sempre encurvada), e exclamou bem alto:
- “E é porque ainda não tomei banho hoje!”

APROVEITE A DOR

Luiz Gonzaga, o ‘rei do baião’, era natural de Exu/PE, cidade vizinha ao Crato, localizada do outro lado da Serra do Araripe. Cresceu indo em lombo de animal, para a feira do Crato. Depois de famoso, todas às vezes que ia a Exu, visitar os pais, não deixava de ir à “Princesa do Cariri” rever os amigos e fazer shows. Um dos seus amigos era o Manelito Alencar, com quem chegou até a fazer uma música, em parceria:
Eu sou do banco
Do banco, do banco,
Eu sou do banco,
Do Banco do Nordeste,
Cabra da peste.
Por outro lado, tinha que passar pela cidade, pois utilizava o aeroporto local para suas viagens. Antes da Rádio Araripe, seus espetáculos eram no Cine Cassino, que tinha um acanhado palco onde mal cabiam Luiz Gonzaga e seus acompanhantes. Como era um artista popular e muito querido, muita gente não podia assistir a seus shows devido o espaço reduzido do Cassino. Assim, procurava fazer um show em praça pública, para o povão, como dizia. O Cassino ficava defronte à praça Siqueira Campos. Ele então resolveu cantar na própria praça. À procura de um espaço elevado para colocar seu palco, divisou a marquise da Sorveteria Glória. Disseram-lhe, então:
- “O dono da Sorveteria é seu xará. É Luís Gonzaga, também”.
- “É mesmo! Então vamos lá conversar com o meu xará”.
Ao chegar, foi logo se apresentando com aquela simplicidade que lhe era peculiar. O Luís (meu tio) disse:
- “Você não precisa se apresentar. Tem alguém que não o conhece neste Brasil? Em que posso ajudá-lo?”

Da Praça Siqueira Campos o Rei do Baião divisou a marquise da Sorveteria Glória. Vou fazer meu show dali de cima!

Quando o Rei do Baião explicou o seu desejo, o Luís esclareceu que a marquise não era muito confiável. O prédio era velho e ela já apresentava sinais de trincas. Não poderia suportar muita gente. Então o Luiz Gonzaga disse que ele não se preocupasse, pois ficariam só ele com os dois acompanhantes e os aparelhos de som. E assim foi feito. O show foi um sucesso! Minha irmã Yara, com meu irmão Marcelo no braço, recorda-se bem do espetáculo. Não sei por que não fui também! Uma das músicas de maior sucesso foi aquela que ele conta o drama da mulher no parto. Ele reproduzia um fato verdadeiro, no qual as parteiras do interior comandam as mulheres a fazer mais força quando vem a dor. Então ele dizia:
- “Aproveita a dor!!”.
E o povão todo rindo! Não houve nenhum contratempo. A marquise resistiu ate à demolição do prédio, passados mais de cinqüenta anos de seu momento de maior glória!
Quem teve problemas foi o Luís, o da sorveteria! No dia seguinte, um padre, foi reclamar:
- Como é que o senhor permitiu aquele show indecente e imoral em plena praça pública?
- “Indecente e imoral por que?”
- “Aquela música de ‘aproveita a dor’...”

SUPOSITÓRIO

O Crato, desde há muito tempo, dispunha das facilidades de médicos e hospitais. Por essa razão, muitas estórias interessantes do pessoal da roça se receitando eram contadas nas reuniões dos boêmios, na Praça Siqueira Campos.
Recentemente tinha chegado a novidade do supositório, vindo eliminar aqueles terríveis processos de laxantes, como óleo de rícino. Um médico receitou para um senhor de meia idade, da zona rural, esta novidade, explicando como usá-lo. Forneceu até uma amostra grátis. O senhor ficou com aquela amostra na mão, sem entender bem onde teria que colocar. Muito constrangido, muito tímido, perguntou ao médico:
- “Doutor, o senhor falou para eu meter no ânus???”
O médico, percebendo que ele não conhecia aquele sinônimo, procurou falar um português mais claro:
- “É, sim senhor. Para meter no XX !!!”
E o pobrezinho do homem, já se tremendo:
- “Doutor, não se zangue comigo não!!!”

Por: Ivens Mourão - Todos os Direitos Reservados
Foto Ilustrativa: Postada na internet por Pe. Roserlândio
www.blogdocrato.com
Há 7 Anos, o Crato na Internet

A Força da Fé - Por Carlos Eduardo Esmeraldo


A nossa fé é um dom quase que inexplicável. É a ausência absoluta de qualquer tipo de dúvida. A certeza inabalável da existência do divino e dos dons que todos nós dele recebemos, sem que para isso nada precise nos ser provado. Algo semelhante a quando desejamos encontrar uma determinada rua ou o caminho para chegarmos a uma cidade desconhecida e indagamos a um estranho como encontrá-la. Não duvidamos da informação que nos foi prestada e seguimos em frente com toda confiança, sem a menor suspeita de que o informante poderia estar nos dizendo algo que nos levaria a um precipício ou a uma emboscada.

Às vezes já me perguntaram como sendo eu um professor de matemática, ciência para qual as propriedades necessitam de provas, poderia viver a minha fé. Se não me ocorria nenhum tipo de dúvidas. Respondo que até na matemática, que se rege pelo raciocínio lógico, há verdades axiomáticas para as quais acreditamos sem nenhum questionamento. Afirmações que todo o universo tem como verdadeiras sem necessidade de demonstração.

Para vivência da fé é indispensável a virtude da humildade. Reconhecermos que somos um pequenino grão de areia na imensidão do universo. É por isso que as pessoas mais simples e humildes possuem uma grandiosa fé.

Conta-se que um pobre lenhador vivia sozinho no meio de uma mata trabalhando sem interrupção durante todos os dias. E encontrava uma forma simples de entrar em contato com Deus para que tivesse forças para o trabalho e suportar as agruras da vida e da solidão. Em sua humilde oração ele tinha a mais absoluta convicção de que era atendido. Sua reza era apenas essa: "Senhor, eu sou Joaquim, o resto o senhor já sabe."   

Certa vez, uma emissora de rádio, num de seus programas populares, colocou uma de suas ouvintes no ar. A mulher dizia estar passando muita fome, e por isso quase prestes a morrer, acrescentava. Mas tinha certeza que Deus a livraria daquela situação. Haveria de ser atendida e receberia seu alimento por alguém de bom coração. Um rico capitalista que se deslocava para sua casa com o rádio do carro ligado, ouvindo aquele apelo murmurou: "Quanta ignorância! Quero ver se essa mulher tem a fé que ela diz ter diante da prova que lhe farei". E ordenou aos seus empregados que enchessem o bagageiro do carro com uma grande feira, os mais diversos tipos de alimentos e levassem para ela com uma recomendação. Quando a mulher perguntasse quem lhe mandou aquelas compras, eles lhe dissessem que foi o demônio. E assim foi feito. A pobre mulher, posta diante de tantos mantimentos agradecia a Deus por ter escutado a sua voz. Mas os empregados daquele ricaço, insistiram:

- "A senhora não vai perguntar quem lhe mandou essas compras?"
- "Não me interessa. Deus ouviu o meu clamor."   

Então os homens disseram:
- "Olhe, quem lhe mandou essa rica feira foi o diabo!"
- "Como o meu Deus é grande! Até o diabo obedece a Ele!" Respondeu a fé daquela humilde mulher.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Marcos Valério afirma que Lula era o ‘chefe’ do mensalão


Numa reportagem de capa, a revista Veja traz revelações sobre o mensalão atribuídas ao publicitário Marcos Valério. Segundo a revista, o publicitário teria afirmado que o ex-presidente Lula era o chefe do esquema e que o desvio de dinheiro teria sido muito maior do que o divulgado até agora. Marcos Valério já foi condenado pelo supremo por corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro. A reportagem está na capa da revista, que promete revelar os segredos de Marcos Valério, pivô do escândalo do mensalão, mas está baseada em declarações do publicitário a amigos e interlocutores.

Caixa do PT

Valério teria calculado em R$ 350 milhões o caixa do PT — quase três vezes mais que o apurado pela polícia federal no esquema do mensalão. E acusa o ex-presidente Lula de "ter se empenhado pessoalmente na coleta do dinheiro". No auge do escândalo, os denunciantes do caso sustentaram que lula não sabia de nada. Segundo a reportagem, Valério agora diz que "Lula era o chefe" e afirma que o ex-presidente só não foi acusado porque ele, Delúbio Soares e José Dirceu se calaram.

Promessa de proteção

Revela ainda que o tesoureiro do PT tinha intimidade com o então presidente, que até dormia no Palácio da Alvorada, segundo a Veja, Valério teria recebido a "promessa de proteção" e "esforço para retardar o julgamento e amenizar a pena". Ele teria medo de ser assassinado. O advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, desautorizou a reportagem. Afirma que o publicitário não dá entrevistas desde 2005 e não confirma as declarações atribuídas a ele. Marcos Valério já está condenado no STF (Supremo Tribunal Federal) por três crimes e ainda responde por outros dois. O ministro Marco Aurélio Mello declara que a reportagem não influenciará no julgamento, porque o supremo se baseia apenas na denúncia do procurador geral. O presidente Lula passou o sábado (15) em compromissos de campanha e não comentou o caso. A executiva do PT, que se reúne na segunda-feira (17), também não deu declarações oficiais. Alguns petistas mostraram indignação com a reportagem, que chamaram de mentirosa e exemplo de mal jornalismo. O líder do partido na câmara desqualificou as supostas declarações de Marcos Valério.

Fonte: R7

Seu Espedito Seleiro - MADE IN NOVA OLINDA


Pense rápido: o que há em comum entre Regina Casé, Luciano Huck e Guel Arraes? São famosos, “globais” e calçam sandálias de Espedito Seleiro. Ou mais precisamente, Espedito Veloso Carvalho, mas para o Brasil e para o mundo, é Espedito Seleiro com “s”, faça o favor.

Para ver a nova criação de seu Espedito Seleiro basta ir ao cinema e assistir ao "O Homem que desafiou o diabo", com Marcos Palmeira. A roupa de vaqueiro que o ator usa foi confeccionada por seu Espedito, que não precisou mais que algumas medidas passadas por telefone. “Quando chegou no destino, caiu como uma luva: nem sobrava, nem faltava”, orgulha-se. Quem viu o filme diz que o Marcos Palmeira ficou um pão!

Seu Espedito Seleiro mora e trabalha em Nova Olinda que é uma cidadezinha do Cariri sertão do Cariri, calma e quente, como um sem número de cidades do sertão. Ele ganhou a alcunha graças a seu pai, que por sua vez, a ganhou do pai dele. Junto com ela, a profissão de seleiro faz parte do pacote da família. Antes da fama e do gibão de Marcos Palmeira, ele produzia vestimentas para vaqueiros e seus cavalos: algibeira, perneira, gibão, sela, luva e demais peças para o arreio do animal. No entanto, com a chegada de veículos automotores no sertão, o cavalo e a profissão de vaqueiro foi desaparecendo, junto com eles os seleiros e a cultura do artesanato em couro.

A saída de seu Espedito foi incrementar seus negócios, torná-lo mais fashion, por assim dizer. Sua primeira criação foi a “sandália de lampião”, e sobre ela seu Espedito conta essa história: “Um dia chegou na oficina do meu pai um cabra de Lampião - o Rei do Cangaço - com uma sandália. Todo mundo sabia pra quem era a sandália e meu pai fez ligeiro. O molde ficou comigo e quando recebi um pedido de um amigo pra fazer uma igual todo mundo gostou”.
Essa foi a primeira de muitas. Logo veio a sandália “Maria Bonita”, um sucesso com o público feminino. Utilizando de talento e criatividade Espedito inseriu elementos das indumentárias dos vaqueiros nas criações das peças. O design é inovador e rústico, as cores fortes colorem as formas harmoniosas. Não demorou muito para as peças ganharem o Brasil e o gosto de consumidores famosos.

O currículo de seu Espedito é admirável: além de confeccionar a roupa de vaqueiro que Marcos Palmeira usa no filme, ele inspirou e produziu peças para a marca Cavalera, aliás, seu Espedito foi convidado de honra no desfile da marca para o São Paulo Fashion Week. Os estilistas da Cavalera foram até Nova Olinda conhecer o artesão e acompanhar de perto todo o processo de criação. Saíram de lá impressionados e trataram de produzir toda a coleção de 2005 inspirada nas peças de Seu Espedito Seleiro.

Bolsas, carteiras, botas, sapatilhas, pastas, chaveiros, sandálias, chapéus, cadeiras, selas e tudo que acompanha o vaqueiro e seu cavalo pode ser encontrados na loja de seu Espedito. Na oficina que também funciona lá, dez funcionários, dentre eles filhos seus, ajudam a confeccionar os produtos todos feitos à mão e em couro legítimo. Nesses mais de 60 anos de profissão, seu Espedito orgulha-se de ter “mostrado ao Brasil e ao mundo que sabia fazer alguma coisa”. Mas o que o deixa satisfeito é passar o ofício adiante, a tradição do artesanato em couro, tão própria do Nordeste: de pai para filho, até que se costurem gerações a fio e couro.

Overmundo

Soldadinho-do-araripe é destaque em publicação inglesa sobre espécies ameaçadas de extinção


O soldadinho-doararipe habita as nascentes das encostas da Chapada do Araripe, no sul do Ceará Foto: Cid Barbosa

Cinco espécies brasileiras de animais – entre elas o nosso soldadinho-do-araripe (Antilophia bokermanni) – estão entre as cem destacadas em publicação lançada ontem (11 de setembro), pela Sociedade Zoológica de Londres (ZSL), no Congresso Mundial de Conservação, na Coreia do Sul. As espécies brasileiras citadas no livro, que pode ser traduzido como “Inestimável ou Sem Valor?”, incluem também o macaco muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), duas borboletas (Actinote zikani e Parides burchellanu) e uma espécie de preá (Cavia intermedi). A lista abrange 48 países diferentes. “Todas as espécies listadas são únicas e insubstituíveis. Se elas desaparecerem, não haverá dinheiro que as traga de volta”, disse Ellen Butcher, da ZSL, co-autora do relatório, no evento.

“Mas, se tomarmos ações imediatas, podemos dar a elas chances de lutar pela sobrevivência. Mas isso requer que a sociedade apoie a posição moral e ética de que todas as espécies têm direito de existir”, acrescentou. O soldadinho-do-araripe vive apenas na Chapada do Araripe, no Ceará. A população é calculada em 779 indivíduos, que, devido aos hábitos reprodutivos restritos às nascentes, só existem ali e são muito vulneráveis. O relatório destaca que a principal ameaça é a “destruição do habitat, devido à expansão da agricultura, unidades de recreação e parques aquáticos”. O biólogo cearense Weber Andrade de Girão e Silva é co-responsável pela descoberta do soldadinho-do-araripe. Ele era ainda estudante de Biologia quando, em 1996, participou da descoberta e esse episódio influenciou a sua trajetória profissional e pessoal. Há 15 anos ele vem desenvolvendo o Projeto Soldadinho-do-Araripe na área de incidência da ave, e, por isso, acabou se mudando para a região, no sul do Ceará. Os resultados positivos do projeto, em conservação de habitat e da espécie, dependem do envolvimento de proprietários das áreas de ocorrência, bem como da comunidade local. Para isso o pássaro foi transformado na espécie bandeira da região, influenciando no fortalecimento das Unidades de Conservação (UCs) públicas e incentivo à criação de UCs particulares e outras modalidades de conservação de áreas naturais na região.

Emblemáticas

Em entrevista exclusiva, ao blog Gestão Ambiental, Weber destaca que o livro selecionou cem espécies emblemáticas no Planeta que constam na lista das criticamente em risco de extinção para alertar sobre a importância da preservação da biodiversidade. “É importante destacar que é impossível dizer quem são as cem mais ameaçadas porque há várias situações. Há, por exemplo, populações de mil indivíduos que estão em declínio e outras de 500 que estão e restabelecendo”, explica. Weber esclarece que a publicação não é um artigo científico, mas um belo livro que chama a atenção para a necessidade da conservação e, neste sentido, destaca o texto da abertura, do duque de Cambridge, His Royal Highness:”Este livro não se limita a dizer-nos quais espécies estão mais ameaçadas, ele nos mostra como podemos salvá-las. Desafia-nos a assumirmos o compromisso de assegurar o nosso patrimônio natural de valor inestimável para as futuras gerações”. Sobre o soldadinho-do-araripe, Weber acredita que o fato de  já ser considerado um ícone pela BirdLife International, entidade internacional voltada à preservação das aves, deve ter ajudado na seleção. Disse, ainda, que a notícia foi recebida com grande alegria por todos que trabalham pela preservação da espécie.

Outras espécies

O muriqui-do-norte, maior macaco das Américas, só encontrado na Mata Atlântica, no Sudeste do País. A população é calculada em menos de mil macacos, principalmente em algumas dezenas de reservas privadas e do governo. “O desmatamento em larga escala e um passado de corte seletivo de madeira reduziu o ecossistema único do muriqui-do-norte para uma fração de sua extensão original, e as pressões de caça também afetaram as populações locais”, destaca o relatório. A publicação cita também o preá Cavia intermedia, que existe apenas nas Ilhas Moleques do Sul, em Santa Catarina, tem população de apenas 40 a 60 indivíduos, e que sugere que haja mais fiscalização no parque estadual onde estão as ilhas, além de regulamentação do acesso à área. As borboletas Actinote zikani, que vive na Serra do Mar, perto de São Paulo, e a Parides burchellanus, com uma população de menos de cem indivíduos no Cerrado brasileiro, completam a lista.

Incentivo

Em maio passado, projeto de Weber Girão foi selecionado como representante do bioma Caatinga no Programa Empreendedores da Conservação (E-CONS). Iniciativa da ONG curitibana Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) em parceria com o HSBC, com o objetivo de reconhecer e estimular o trabalho de pessoas comprometidas com a conservação da biodiversidade em diferentes biomas brasileiros. A perda da biodiversidade é considerada preocupante no Planeta, pois, com a redução de áreas naturais, perdem-se também os serviços ambientais prestados por essas áreas. Alguns exemplos desses serviços são o controle de pragas e polinização para a agricultura, controle de erosão de solos, recarga e manutenção de recursos hídricos, essências de medicamentos e fontes de inspiração para novas tecnologias. O trabalho dos E-CONS contribui diretamente para a manutenção desses e outros serviços ambientais, que geram inúmeros benefícios à sociedade.

Com informações da Agência Reuters
Por Maristela Crispim

Castelão: Comitiva da FIFA e COL visitam arena com obra mais avançada do Brasil



Com 87,48% das obras concluídas, o Castelão caminha para ser referência também no quesito operacional. A Arena mais avançada das 12 sedes da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 é a única que já conta com parte da obra em operação. Durante toda a sexta-feira (14), representantes da FIFA e do Comitê Organizador Local (COL) responsáveis por operações de estádios conheceram o ritmo acelerado da obra e avaliaram como a Arena vai operar durante os jogos que vai sediar em 2013 e 2014. A meta é garantir conforto, acesso rápido, segurança, limpeza e organização. “Ninguém melhor do que a FIFA, entidade máxima do futebol, para nos mostrar a maneira ideal de operar o Castelão. O intuito dessa inspeção é contribuir para que a gente possa fazer desse equipamento um local de convivência diária com os cearenses e visitantes”, ressaltou o secretário Especial da Copa 2014, Ferruccio Feitosa.

Os técnicos da FIFA e do COL aproveitaram a visita para trocar informações sobre assuntos relacionados a tráfego, segurança, tecnologia, credenciamento, ingressos, imprensa, estrutura para transmissão de TV e hospitalidade, entre outros assuntos. Fulvio Danilas, diretor do escritório da FIFA no Brasil, ressaltou que as áreas que envolvem a operação do Estádio estão sendo planejadas com detalhes. “Todos podem ter certeza que tudo está sendo estudado com cuidado para atender bem a todos que vierem, desde a chegada até a saída do estádio. Estamos organizando as áreas estratégicas para que funcionem da melhor maneira possível em 2013 e 2014”, reforça.
O diretor-executivo de operações e competições do COL, Ricardo Trade, disse que o grupo está satisfeito com o que viu na capital cearense. “Nós queremos mostrar o melhor serviço em todas as áreas. Vamos atuar em conjunto com o Governo do Estado para garantir o melhor nível de serviço. Esse é o intuito da visita. Não viemos observar o andamento das obras, mas não posso deixar de dizer que o Castelão, estádio mais avançado entre as 12 sedes que vão sediar jogos da Copa do Mundo da FIFA, é o resultado de um belíssimo trabalho do Governo do Estado. Pra nós é muito gratificante chegar aqui e ver que tudo está caminhando à contento”, afirmou.

Realizadas a cada seis meses pela FIFA e COL, as inspeções começaram com reuniões virtuais, em que os projetos foram analisados por meio de vídeos, fotos e plantas projetados numa tela. Após o acompanhamento virtual, a comitiva iniciou as visitas in loco, quando os grupos de cada área abordada se reuniram com representantes da Secopa e do Consórcio responsável pela obra. O segundo Inspection Tour chegou à Fortaleza encerrando sua programação do semestre. Antes da capital cearense, a comitiva formada por cerca de 50 integrantes passou pelo Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, São Paulo, Salvador e Recife.
 
Coordenadoria de Comunicação da Secopa
Lisiane Linhares e Ana Martins

Cid Gomes apresenta potencial energético cearense na França


O governador Cid Gomes se reuniu neste sábado (15) com a diretoria da Voltalia, em Paris, França. Durante a reunião, Cid Gomes apresentou ao CEO da empresa, Sebastien Clerc; ao diretor do Fundo de Investimento do Creadev, Bertrand de Talhouet, e ao diretor da empresa do Brasil, Robert Klein, o potencial energético do Ceará, que atualmente, é o maior produtor de energia eólica do Brasil e tem a primeira usina de energia solar do País.
A Voltalia é produtora de energia elétrica com base renovável. Com filiais na Guiana Francesa, Brasil e Grécia, a empresa desenvolve centrais elétricas utilizando várias fontes e analisa quais delas se adaptam melhor onde serão utilizadas e produzidas, tais como: energia hidráulica, eólica, biomassa e solar. A Voltalia desenvolve ainda o modelo de produção de energia que concilia a questão financeira e que respeita o meio ambiente.

Coreia do Sul

Durante a semana, o governador Cid Gomes se reuniu com a diretoria da indústria GS Caltex, sediada em Seul, na Coreia do Sul. A pauta da reunião foi a busca de parceiros comerciais para a instalação da Refinaria Premium II no Ceará. Durante a reunião, Cid Gomes expôs o projeto da refinaria cearense. O Governador visitou ainda as instalações da refinaria de petróleo GS Caltex, a 450 quilômetros de Seul, na Coreia do Sul, acompanhado do presidente da companhia S.H.Chyun e dos vice-presidentes T.O. Kim e H.S.Moon. A GS Caltex importa óleo cru da Rússia assim como do Oriente Médio. Com uma capacidade de refinaria de 775,000 BPSD (barris por dia corrente) e facilidade de dissolver querosene e diesel, emprega tecnologia de ponta para produzir derivados do petróleo de alta qualidade. A sugestão na busca de parceiros para a Refinaria Premium II partiu da própria presidente da Pretrobras, Graça Foster, em reunião com o governador Cid Gomes, no último mês de julho.
 
A instalação da refinaria Premium II é considerada fundamentel para que a Petrobras possa atender o mercado interno de derivados de petróleo. A demanda de combustíveis estimada para 2020 no País é de aproximadamente 3,4 milhões de barris por dia.  A refinaria terá capacidade de processar 300 mil barris de petróleo por dia, abastecendo o mercado com Óleo Diesel 10 ppm (63,5% da produção), Nafta Petroquímica (15,3%), Querosene de Aviação (12,6%), Coque (2,8%) e Óleo Bunker (1,6%). A GS Caltex é uma refinaria de petróleo sul-coreana, fundada em 1967. A companhia mudou seu nome de LG Caltex Oil Corporation para GS Caltex Corporação em 27 de janeiro de 2006. Ela é de propriedade conjunta da Chevron e Grupo GS . É a primeira companhia petrolífera privada na Coreia do Sul. A GS Caltex fornece mais de um terço das necessidades de petróleo daquele país e exporta mais de 50% de seus produtos. A empresa tem instalações de refino de petróleo bruto, com uma capacidade de 775.000 barris por dia.  A GS Caltex produz ainda óleo base e lubrificantes.

Durante a viagem do Governador, assume interinamente o Executivo Estadual, o  presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, desembargador José Arísio Lopes da Costa. Ele é o terceiro na linha de sucessão que tem a prerrogativa de assumir o Governo do Estado. O vice-governador Domingos Filho declinou do direito usando como justificativa o parágrafo 7º do artigo 14 da Constituição Federal que trata da inelegibilidade para parentes caso venha a assumir a função no período  inferior a seis meses da eleição. O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Roberto Cláudio, também declinou de assumir o Governo do Estado também devido aos requisitos da inelegibilidade.

SEFAZ - CE

Ministros do Supremo podem transformar-se em referências morais - Blog de Ricardo Setti


Amigas e amigos do blog, talvez alguns de vocês ainda não saibam, mas ministros do Supremo Tribunal Federal — que como regra geral levam vidas discretíssimas, e dos quais a esmagadora maioria da população ignora até os nomes – vêm sendo reconhecidos e aplaudidos em restaurantes, shopping centers e parques públicos em Brasília.
A começar, pelo que se poderia prever, pelo severo relator do caso, ministro Joaquim Barbosa. O vento purificador que, até agora, vem soprando desde o Supremo Tribunal Federal no trato implacável que a maioria de seus ministros tem conferido ao processo do mensalão faz sentir seus efeitos. Repito, para alguns leitores apressados: A MAIORIA de seus ministros. Não todos.
 
Não sei como terminará o julgamento. Ainda falta muita coisa — muitas acusações a serem comprovadas, muitos réus a serem escrutinados, muitas horas de trabalho dos ministros. Mas, sem querer parecer otimista, ouso dizer que uma condenação rigorosa de altos figurões da República, como se esboça, possa ser um divisor de águas num país que há décadas vem melhorando em quase todos os setores, em quase todos os indicadores sociais e econômicos — mas que ainda chafurda na miséria moral da impunidade dos poderosos, no escárnio dos que roubam o dinheiro público, na empáfia de quem frauda e assalta o alheio sorrindo, de gente capaz de falsificar remédio para câncer a fim de ganhar dinheiro sabendo que não vai para a cadeia, ou de matar pelas costas uma ex-namorada, ser réu confesso e ainda assim, com advogadões, conseguir permanecer dez anos em liberdade após ser condenado antes de, finalmente, ser encerrado numa cela.

Por: Antonio Morais - Blog do Sanharol


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30