xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 06/08/2012 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

06 agosto 2012

Coluna Armando Rafael - 07 a 12 de Agosto

Edição de 7 a 12 de agosto de 2012

Aviso aos navegantes: 
“Não leia com o intuito de contradizer ou refutar, nem para acreditar ou concordar,   tampouco para ter o que conversar, mas para refletir e  avaliar– Pensamento de Sir Francis Bacon.

Cariri ganha nova agência do BNB


O superintendente do BNB para o Ceará, Rivônio de Morais Pinho,  anunciou na última 5ª feira, dia 2, que Barbalha (foto acima) ganhará em breve uma agência do Banco do Nordeste. O BNB vai instalar  108 novas agências em municípios nordestinos com mais de 50 mil habitantes. Dezoito delas serão instaladas no interior do Ceará, beneficiando, dentre outras as cidades de Caucaia, Cascavel, Acaraú, Viçosa e Acopiara.

Barbalha de Santo Antônio

E por falar em Barbalha, no próximo dia 17 de agosto aquela cidade vai comemorar seus 166 anos de emancipação política. Barbalha pertencia a Crato. Mas as comemorações já começam no dia 13, com a abertura da Semana do Município. A Terra dos Verdes Canaviais ocupa hoje lugar de destaque no cenário cearense e não é só porque possui uma das melhores faculdades de medicina do Brasil. Barbalha é o único município do Ceará que faz parte do Plano Nacional de Desenvolvimento Urbano (PNUD) das Nações Unidas e do PAC das Cidades Históricas brasileiras. Viva Barbalha.
Dom Bertrand em Barbalha
Quem estará em Barbalha no próximo dia 11 de setembro é o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança (foto à direita). Ele é  trineto de Dom Pedro II e bisneto da Princesa Isabel, a Redentora e segundo colocado na ordem de sucessão do Trono brasileiro. Dom Bertrand vem fazer palestras, a convite de um grupo de jovens barbalhenses.
À noite do dia 11, o príncipe falará  – no Cineteatro Neroly Filgueiras – para produtores rurais, empresários e universitários quando defenderá a propriedade privada e a livre iniciativa.
Uma voz respeitada
No dia 12 de setembro, dom Bertrand pronunciará palestras nos Colégio Santo Antônio de Barbalha e Faculdade Paraíso de Juazeiro do Norte. Nesses encontros o príncipe brasileiro alertará para os efeitos deletérios dos movimentos ditos sociais, que querem afastar o Brasil dos rumos da Civilização Cristã, que sempre pautou a história desta nação. A agenda de dom Bertrand no Cariri ainda não está totalmente fechada e pode ser acrescida de novos compromissos. Contatos  poderão ser feitos com o professor Giuseppe Mallmann Sampaio, diretor do Colégio Santo Antônio, através do telefone celular 88340452. Em tempo: não consta, ainda, nenhuma atividade do príncipe na cidade de Crato.
Padres pernambucanos em Crato
1 – Da diocese de Floresta
A partir desta 2ª feira, dia 6, e por toda a semana estará no Centro de Expansão Dom Vicente Matos, o clero da diocese de Floresta, participando do seu retiro anual. O pregador será dom Fernando Panico. A diocese de Floresta foi criada em 1910, mas, devido às secas que assolavam constantemente o semiárido nordestino – provocando êxodo e inviabilizando economicamente parte do sertão do Pajeú  – em 1918  a diocese foi extinta e anexada à  de Pesqueira (PE).  Em 15 de fevereiro de 1964, o Vaticano recriou a  Diocese de Floresta e nomeou, nesta nova fase,  como seu primeiro bispo um sacerdote alemão que residia em Crato desde 1943: o padre Francisco Xavier Nierhoff.
2 – Da Diocese de Palmares
Já  o clero da diocese de Palmares  – tendo à frente seu bispo, dom Genival Saraiva de França – virá esta semana a Crato para uma romaria no Cariri. Como o Centro de Expansão Dom Vicente Matos já está ocupado pelos sacerdotes de Floresta, os padres de Palmares ficarão hospedados no Hotel Encosta da Serra. 
Sugerir não ofende
Em Crato foi iniciada, em 1998,  a construção de uma igreja, na subida da Chapada do Araripe, dedicada à Virgem Maria sob a invocação de “Mãe do Belo Amor”. Esta foi a primeira devoção mariana no Cariri.  Esta semana, em Minas Gerais, o governador daquele estado assinou decreto declarando “Atrativo Turístico de Especial Relevância”, o Santuário Nossa Senhora da Piedade, localizado no topo de uma serra nas cercanias de Belo Horizonte.  O  Santuário atrai milhares de peregrinos desde o século 18. E o que isso tem a ver com o Cariri? É que quando a igrejinha da Mãe do Belo Amor for concluída internamente poderia também ganhar status de Atrativo Turístico de Especial Relevância. Que tal terminá-la dentro dos festejos do centenário da Diocese do Crato?
Lembrando o prof. Álvaro Madeira
No livro “Exu, três séculos de história”,  de Thereza Oldam Alencar, consta o seguinte tópico: “Minha visão sobre a beleza do Crato é mais abrangente e mais profunda (...) a casa ao lado de onde eu morava (em Crato) era de dona Lígia e do Dr. Álvaro Rodrigues Madeira (foto ao lado), que me deram carinho e lições de vida. Certo dia, sobraçando livros, indo estudar com sua filha Lúcia, minha querida amiga, pedi que não dissessem que eu estava ali.  E ele, Dr. Álvaro, incorruptível, disse: “Fique tranquila minha filha, não direi a ninguém que você está aqui, a menos que me perguntem”.
Álvaro Rodrigues Madeira nasceu no Rio de Janeiro, em 9 de julho de 1892 e faleceu em Crato – onde viveu a maior parte da sua vida –, aos 77 anos de idade, em 21 de novembro de 1969. Seu pai era o médico Marcos Madeira, responsável pelo exame na cavidade bucal da Beata Maria de Araújo, durante a primeira comissão nomeada pelo bispo Dom Joaquim para apurar o chamado “Milagre da Hóstia” ocorrido em Juazeiro do Norte. O Professor Álvaro Madeira era muito respeitado na comunidade cratense mercê sua postura de católico praticante e cidadão de bem, além de sua reconhecida bondade e simplicidade.

Do (infindável) seriado “Coisas da República”
O Partido dos Trabalhadores–PT sempre se auto rotulou de honesto. O escândalo do mensalão provou o contrário. 6ª feira passada, ao encerrar suas 5 horas de denúncias sobre a roubalheira, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel (ele é primo do bispo-emérito de Crato, dom Newton Gurgel),  emocionado, citou  o trecho de uma música de Chico Buarque: "Dormia a nossa pátria-mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações...". Em tempo:  essa música e esses versos foram feitos para condenar o regime militar. São as voltas que o mundo dá...

Hermanos hasta la muerte!
Deu certo a estratégia urdida pelos presidentes da Argentina, Brasil e Uruguai para  aprovar a entrada da Venezuela  – pela porta dos fundos –  no moribundo Mercosul.  Quais as consequências desse tresloucado gesto? O trio garantiu  mais uma  “vitória” do ditador Hugo Chávez nas eleições marcadas para outubro. Este conquistará o terceiro mandato consecutivo, iludindo desta vez  eleitoralmente a massa ignara com a bandeira do Mercosul. O falastrão Chaves vai ficar  20 anos no poder. Triste!

Democracia bolivariana
A presidente Dilma Rousseff ao saudar o caudilho Hugo Chavez pela “posse” deste no Mercosul, disse que o “Paraguai voltará ao Mercosul quando o país retornar à democracia”. Ora, no Paraguai a imprensa é livre, os Poderes Legislativo e Judiciário legitimaram – por esmagadora maioria –  o processo de impeachment do incompetente presidente Fernando Lugo e  empossaram o vice-presidente para concluir o mandato do ex-bispo Já na Venezuela não há liberdade de imprensa; os Poderes Legislativo e Judiciário são subordinados a Chávez e os oponentes de Chavez  são presos ilegalmente. Qual é o país mais democrático: Paraguai ou Venezuela?

Torpedos
1 –– A revitalização do bairro do Seminário, em Crato, fruto do  Projeto Cidades do Ceará Cariri Central, do Governo do Estado, vai  estimular – além da melhoria da infraestrutura urbana – o crescimento do comércio naquela área da cidade. Empresários com estabelecimentos no centro da cidade estudam a instalação de farmácia, mercadinho, padaria e lanchonete, etc. no bairro do Seminário e adjacências. Seria um polo comercial semelhante ao que já existe no bairro da Caixa d’Água, oficialmente denominado de Ossian Araripe.
2 –– A Secretaria das Cidades do Ceará aguarda a aprovação, junto às instituições financeiras responsáveis pela operação do programa Minha Casa Minha Vida, para a construção de 8.644 casas em... Fortaleza. Enquanto isso, a cidade de Crato – berço natal do secretário Camilo Santana – não possui, até o presente dia, uma única casa construída dentro do programa “Minha Casa Minha Vida”. Triste.
3 –– O empresário cratense Eduardo André Teles, mais conhecido como Duda Teles, continua  investindo no setor da construção civil na conturbação Crajubar. Em Crato ele instalou, na Praça Siqueira Campos, o Duda´s Home Center.
4 –– Aumenta o vandalismo em Crato. Na recente reforma da Praça Alexandre Arraes o Governo do Estado colocou 4 equipamentos com pedais, destinados ao aquecimento dos que fazem caminhada naquele logradouro. Até domingo passado 3 pedais já tinha sido roubados.
5 –– Eis como a revista inglesa The Economist noticiou o início do julgamento do mensalão: "Cadeia para políticos corruptos no Brasil ainda pode ser algo improvável, mas já não é impensável".
6 –– Tô Fora! Por falar na ópera-bufa do mensalão, o tesoureiro da quadrilha, Delúblio Soares, postou no facebook: “Creio em Deus, no povo e na Justiça”. Jurou o nome de Deus em vão...
7 –– Entretanto, se bem conheço este meu país e, caso algum réu do mensalão seja condenado, o que vai acontecer com ele? Vai para a cadeia? Devolve o dinheiro desviado? Entra com um recurso e aguarda por longos  anos novo julgamento que terminará em prescrição?
8 –– O presidente do Irã negou que tenha havido o holocausto nazista. No Brasil, o ex-presidente Lula – e o comando do PT – negam que houve o mensalão. Qualquer semelhança não é mera coincidência...

SOS APAE CRATO -Por Maria Otilia

A APAE do Crato está  fazendo   a rifa de uma moto para adquirir recursos financeiros.Cada bilhete custa apenas 5,00(cinco) reais.
Atualmente este Instituto  passa por dificuldades e muitos  dos seus projetos não estão sendo  desenvolvidos.Através de muito esforço e determinação da  equipe de funcionários e educadores,vem desenvolvendo um brilhante trabalho com crianças, adolescentes e adultos com necessidades especiais.
 Através deste blog,chamamos a atenção de toda a sociedade cratense, órgãos governamentais para juntos buscarmos uma solução definitiva para esta instituição.
Mesmo com a possível efetivação de um Projeto de Inclusão, a APAE deverá continuar atendendo todos aqueles que necessitam de atendimento educacional especializado.

Nesta época de campanha eleitoral, chamamos a atenção de todos os candidatos, para que coloquem na sua plataforma de governo, uma política educacacional voltada para a Educação Especial.Chega de mendigar,de bater de porta em porta para que um direito constitucional seja efetivado.                                                                                                                                                                                                     SOS APAE JÁ !!!!

Tudofel: Arrastaí!

Tudofel: Arrastaí!: Em 1979, no governo de João Figueiredo, derradeiro presidente da ditadura militar instaurada em 1964, foi concedida uma ampla anistia p...

Uma luta cívica - Por: Emerson Monteiro


Em todos os quadrantes, a mobilização da sociedade requer lideranças necessárias, porquanto a ação só se realiza dentro do âmbito da iniciativa de condutores dos grupos sociais. Nisso também, e portanto, a redução e a completa eliminação do cancro das drogas, no seio da humanidade, que reclama tais valores de comando.

Sabe-se à fartura quantas preocupações e prejuízo acarretam as drogas ilícitas (maconha, cocaína (crack) e morfina) e lícitas (cigarro e álcool). Jamais viveu-se tanta crise, como a intensificação da violência, em face do consumo dessas substâncias, sobretudo entre a mocidade, coisa que atinge milhões de famílias, no País inteiro.

As alternativas sadias de combate a essa medusa de mil tentáculos não parecem levar vantagem na guerra contra o uso das drogas, agente destrutivo de lares, vidas e esperanças em uma sociedade mais harmônica.
A utilização continuada desses elementos conduzem à degenerescência humana, parasitando alegria, saúde, inteligência e aptidões de gerações sucessivas, nos tempos de consumo e ganância de lucros dagora. Os números dos recursos financeiros movimentados pelas drogas, no mundo, perdem apenas para a indústria armamentista, o que denota a crise moral dos seres humanos, nesta quadra histórica.

No entanto, a luta há de prosseguir, dados os indivíduos sãos que ainda persistem, à frente de cruzadas e lideranças. Mediante a prática dos princípios corretos e heróicos, salvar-se-ão os esteios e as instituições. Nisso a matéria prima impera no seio das famílias e na alma dos cidadãos. 

A solução, por isso, exigir atenção de políticos, educadores, pais da família, religiosos, autoridades, para fazer face à avalanche crescente. Uma empreitada monumental se impõe a todos, face ao desequilíbrio das crises econômicas e seus efeitos na ausência de emprego, de políticas adequadas de formação de mão-de-obra, condução realista de métodos repressores e saneadores antidrogas e o outras limitações, sobretudo nos países mais atrasados.

Essa consciência benfazeja envolve as lideranças naturais, donde, por certo, resultarão posições e efeitos válidos.De nada adiantaria apenas protestar do escuro e não nenhuma providência concretizar neste sentido de encontrar alternativas de criatividade que acendam as luzes de largas transformações para salvar a juventude. 

O egoísmo de muitos ocasionou o desinteresse e produziu maus exemplos. A indiferença compromete, inclusive, o amanhã. E ações úteis de uma cruzada constante e firmes propósitos renovarão os sonhos do futuro. 
    

Termina hoje o prazo para publicação da prestação de contas de campanha.


Termina hoje (06), o prazo para partidos, coligações e candidatos divulgarem pela Internet, relatório discriminando todos os recursos em dinheiro ou estimáveis que tenham recebido para financiamento de campanha eleitoral e gastos realizados. A divulgação deve ser feita em um site criado pela Justiça Eleitoral.

A segunda prestação de contas vai de 28 de agosto a 2 de setembro, também pela Internet. Para aqueles que disputarem somente o primeiro turno, caso dos municípios do Cariri, o prazo final é 6 de novembro e, nesse último, os candidatos ou representantes partidários devem comparecer pessoalmente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), munidos de documentação que comprove os financiamentos da campanha.

Enviado por Ricardo Monteiro de Carvalho

Tudofel: A solidão dos vales (a cidade e a serra)

Tudofel: A solidão dos vales (a cidade e a serra): Uma parte da cidade do Crato estar situada em uma cavidade topográfica que lembra uma grande cratera. Na verdade, uma depressão que se ...

CRONIQUETA - POSTADO POR ANTONIO MORAIS


É muito comum achar que a alegria está no que ainda vamos conquistar. Quando eu casar, quando eu tiver minha casa, quando eu tiver filhos, quando meus filhos crescerem, quando eu me aposentar... sempre achamos que depois de algo é que vamos estar realizados.
Precisamos entender que, se não soubermos viver bem e ser felizes no presente, dificilmente seremos felizes algum dia. Mais do que no futuro, agora é a melhor hora para ser feliz. Quem deposita sua esperança somente no futuro deixa de ser feliz no presente.
Perdemos inúmeras oportunidades de sermos felizes por não percebermos o que Deus tem para nós hoje. Para viver bem hoje é preciso seguir o exemplo de Daniel. A Bíblia mostra que Daniel foi um homem de decisão firme. O que fará do nosso momento um tempo bom ou mau depende da decisão que tomamos hoje. Josué tomou uma séria decisão quando disse que serviria ao Senhor com os de sua casa. Jó fez uma aliança com seus olhos para não olhar de forma adúltera para uma mulher. Toda decisão requer uma ação. Daniel, depois que decidiu não comer dos banquetes do rei, pediu ao chefe dos oficiais a permissão para fazer isso.
Para ser feliz, o dia de hoje deve ser um dia de ações, mais do que de decisões. Temos o mau costume de planejar muito e deixar a ação para amanhã. Teremos um dia mais feliz quando agirmos mais e planejarmos menos. Toda ação deve ser acompanhada de fé. O texto diz que Deus concedeu a Daniel misericórdia e compreensão da parte do chefe dos oficiais.
Agir com fé é o que nos faz felizes. Lembrar que tudo depende de Deus. Independentemente de nossa força, o Senhor realizará sua obra. Teremos dias melhores quando colocarmos nossas decisões e ações nas mãos de Deus. O maior presente é o tempo presente!

Histórias e Estórias do Crato de Antigamente - Por: Ivens Mourão


Os “carros de praça” alinhados em espinha de peixe na Praça Siqueira Campos. Ao lado, os respectivos motoristas.

O CACHORRO E O BOLO
Certo dia, de movimento fraco, o Luís resolveu fechar a Sorveteria Glória mais cedo. Preferiu participar de uma roda de conversa em um bar em frente, na própria Praça Siqueira Campos. O proprietário era o Edson Donizetti, sobralense que casara com uma cratense, a Sarita, irmã do Dr. Quixadá Felício, bastante conhecido na cidade. Este, por sua vez, quando ficou viúvo casou com uma irmã do Edson.
Na calçada do bar, que era de esquina, estavam várias freqüentadores sentados em torno de uma mesa. O Luís sentou-se numa cadeira de costas para a rua e de frente para o bar. Ao lado dele, na mesma situação, estava o Melito. Todos os demais, inclusive o proprietário, estavam acomodados de frente para a rua e de costas para o bar.
O Edson estava explicando o motivo da grande quantidade de pessoas da família Frota em Sobral, bem como a origem do nome.
No bar existia um “fiteiro” que é uma espécie de balcão onde eram guardados os bolos e outras guloseimas. Na parte da frente tinha vidro, para que todos pudessem ver os produtos expostos. Fechando o fiteiro, na parte de trás, existiam portas de correr. Naquele dia todas estavam abertas.

 
O bar, local da “farra” do cachorro ficava na esquina, à direita.

Nesse momento entra no bar, pelo outro lado da esquina, um “freguês” nada desejável: um cachorro vira-lata, hoje chamado “street dog”. Dirige-se para a parte de trás do fiteiro e vai direto num bolo “Bem Casado”. Trata-se de um bolo amanteigado e mole. Imaginando o que poderia acontecer, o Luís faz menção de avisar ao Edson e é interrompido bruscamente pelo Melito que o segura pelo braço e o encara firmemente, dizendo:
- Luís, deixa o Edson contar a história dele! Por favor, não atrapalha! O Luís “captou a mensagem” e, percebendo a verdadeira intenção do Melito, ficou quieto. E os dois ficaram observando o cachorro e ouvindo “de longe” a história de uma Maria da Frota, de Camocim.
O cachorro, a cada mordida que dava no bolo, espirrava “Bem Casado” pelas laterais da boca. Ele dava nova mordida e mais bolo era espirrado. Por fim, enjoou desse bolo e foi para o vizinho, conhecido como “Sousa Leão”. Estava partido em diversas fatias. Por ser um bolo de boa consistência o cachorro pode abocanhar várias fatias e sair com elas para comer tranqüilamente na rua. Quando terminou, lambeu o paralelepípedo em busca das últimas migalhas do bolo. Sentou-se nas patas traseiras e ficou lambendo os dentes e a boca.
Percebendo que o cachorro estava satisfeito, o Melito resolveu comunicar o fato ao proprietário e disse:
- Oh Edson, vai dar um copo d’água a este cachorro!
- Por quê?
- Ele comeu todos os bolos do teu fiteiro e o bichinho agora está com sede!...
O que se viu, em seguida, foi o proprietário aos chutes e aos maiores impropérios enxotar o vira-lata. Mas, na sua desabalada carreira, ele ia, graças ao Melito, saciado, embora com sede...

NUM PNEU
No Crato era comum as pessoas chegarem a uma idade bem avançada, quase centenárias. Alguns desses foram encurvando, provavelmente por algum problema de coluna. Um que estava com este problema muito acentuado mereceu o seguinte comentário do Chico Soares, na Praça Siqueira Campos:
- “Sabe o Sr. Salim? Ele tá encurvando tanto, tá tão encurvado que, quando morrer vai ser enterrado dentro de um pneu...”

CORNO INDO E VOLTANDO
Chico Soares tinha um filho de nome Chico Pão. Destacava-se bem no futebol do Crato. Certo dia vinha dirigindo seu jeep quando percebeu o pai atravessando a rua, calmamente. Resolveu, então, brincar com ele. Ao passar perto, gritou:
- Sai do meio da rua, “seu” corno velho!Chico, sem nem olhar para o motorista, respondeu, a todo pulmão:
- Corno é teu pai, “seu fela” da puta!

INGLÊS FLUENTE
Uma Universidade americana resolveu desenvolver um projeto de auto-suficiência em uma região de um país sub-desenvolvido, no intuito de aproveitar a potencialidade local e investir no seu desenvolvimento. O Presidente da OEA de então, que era brasileiro e cearense, ao tomar conhecimento do interesse da Universidade, indicou a região do Cariri, no Ceará, para a implantação dessa idéia. Assim, foi firmado um convênio entre a Universidade americana e a Universidade Federal do Ceará, para implantação do Projeto Asimov. Vieram vários técnicos americanos, todos jovens falando ainda um português bem atravessado. Só com muita boa vontade era possível entendê-los. Anos depois, no começo da década de oitenta, realizei um trabalho num projeto com o Banco Mundial. Um dos técnicos me chamou a atenção, pois falava bem o português, mas com um forte sotaque caririense. Conversando com ele, soube que fizera parte desse projeto, tendo morado no Crato. Perdera o sotaque americano, mas o do Crato... Muitas indústrias foram implantadas, tendo à frente pessoas da região.
Posteriormente foi oferecida, a alguns dos participantes do projeto, a oportunidade de conhecer os Estados Unidos. Dentre eles foi o José Justino, habitual freqüentador da Praça Siqueira Campos. Uma viagem dessas, na década de sessenta, era um acontecimento! Um mundo totalmente novo! O José Justino, que é moreno, resolveu assistir um filme. Ao entrar no cinema, pensando que estava no Cassino, foi barrado por não ser branco. Encarou, porém, esse fato com naturalidade, já que não estava em seu país. Procurou um cinema só para pretos. Quando ia entrando, foi novamente barrado: não era preto! O José Justino, perplexo, perguntou:
- “Que diabo eu sou, então? Não sou gente, não?”Esta viagem rendeu muitos outros acontecimentos pitorescos. O José Justino contou ao Luís o seguinte fato: um dos viajantes resolveu comprar um relógio, para levar de lembrança. Não falava uma palavra de inglês, mas isso não era problema, pois tinha certeza de que falava inglês fluentemente. Com a maior naturalidade, dirigiu-se à vendedora e, apontando para um relógio, falou, enrolando a língua:
- “Quanta custar esta relógia?”A moça totalmente atarantada, sem entender nada. E ele novamente falou:
- “Mim falar bem devagar. Mim querer esta relógia. Mim querer esta relógia. Quanto custar preço desta relógia?”.O José Justino, vendo aquela presepada, chegou e disse:
- “O que o senhor está falando não é inglês não. A moça não está entendendo nada!”E ele, indignado com aquele comentário:
- “Como não!!! Não é esse o inglês que os gringos falam pra gente lá no Crato e a gente entende tudo!...”

O ENTERRO
O Brigadeiro Macedo tinha uma fama de birrento, ruim. Ele não ligava a mínima. Até gostava. Tornou-se grande amigo do Chico Soares, conhecido como, ele próprio se dizia, o maior caloteiro do Crato. Na verdade, o Chico era um grande brincalhão e não se sabia o que de verdade tinha nessa fama de caloteiro. O Brigadeiro, justificava esta grande amizade dizendo que, já que falavam que ele não prestava, tinha que fazer amizade com quem não prestava também! Um dia estavam os dois na Praça Siqueira Campos, quando ia passando o enterro da primeira esposa do Professor José do Vale que, aliás, foi meu professor. Lembro-me que, ao atravessar a porta da sala de aula, já ia fazendo o sinal da cruz e rezando o “padre” nosso. A classe inteira, instantaneamente, ficava de pé e rezava com ele.
A esposa do professor, também professora, era muito estimada. Uma multidão acompanhava o féretro. Os alunos dos diversos colégios, todos uniformizados, faziam parte do cortejo. O Brigadeiro perguntou para o Chico Soares:
- “Chico, será que no meu enterro vai ter tanta gente assim?”
- “Depende, Brigadeiro, se você for enterrado vivo!...”

O ENTERRO
O Brigadeiro Macedo tinha uma fama de birrento, ruim. Ele não ligava a mínima. Até gostava. Tornou-se grande amigo do Chico Soares, conhecido como, ele próprio se dizia, o maior caloteiro do Crato. Na verdade, o Chico era um grande brincalhão e não se sabia o que de verdade tinha nessa fama de caloteiro. O Brigadeiro, justificava esta grande amizade dizendo que, já que falavam que ele não prestava, tinha que fazer amizade com quem não prestava também! Um dia estavam os dois na Praça Siqueira Campos, quando ia passando o enterro da primeira esposa do Professor José do Vale que, aliás, foi meu professor. Lembro-me que, ao atravessar a porta da sala de aula, já ia fazendo o sinal da cruz e rezando o “padre” nosso. A classe inteira, instantaneamente, ficava de pé e rezava com ele.
A esposa do professor, também professora, era muito estimada. Uma multidão acompanhava o féretro. Os alunos dos diversos colégios, todos uniformizados, faziam parte do cortejo. O Brigadeiro perguntou para o Chico Soares:
- “Chico, será que no meu enterro vai ter tanta gente assim?”
- “Depende, Brigadeiro, se você for enterrado vivo!...”

SOLIDARIEDADE
Um grande amigo do Luís recebeu um representante comercial de Fortaleza, com quem tinha negócios, e este desejou visitar a Glorinha. Foi levá-lo para conhecer a mais famosa boate da cidade. A sua esposa, por acaso, passou dirigindo o carro dela em frente à boate da Glorinha. Para sua surpresa, viu o carro do marido estacionado lá. Parou e foi confirmar de perto. Conferiu a placa. Ficou um tempo pensando no que fazer. Depois saiu. Nisto, o guardinha que cuidava dos veículos, entrou e foi avisar à Glorinha que a esposa do amigo do Luís tinha reconhecido o carro dele. Imediatamente foi acionado o esquema de proteção a marido infiel. A Glorinha fez parar um carro, dirigido por um homem, e explicou-lhe a situação. Enfiaram o amigo do Luís no banco de trás, com a ordem de despejá-lo, urgente, na Praça Siqueira Campos.
A esposa, ainda transtornada, ficou rodando na cidade, arquitetando um plano para dar um flagra no marido. Pensou em buscar a ajuda de umas amigas a fim de invadir o cabaré da Glorinha. Nisto, passou na Praça Siqueira Campos e avistou-o, tranqüilamente sentado num banco, numa roda de amigos. Estacionou o carro. Chegou perto do marido e ele se adiantou, com a cara mais sonsa do mundo:
- “Oi, Amor! Você por aqui! Senta aqui.”
- “Onde é que está o teu carro?”
- “Ah, Bem! Eu emprestei para aquele meu amigo de Fortaleza! Ficou de me devolver agora, às 10 horas. Tô esperando por ele.”

MUITO MOVIMENTO
Um dia apareceu no Crato uma pessoa de Altaneira, que estava se mudando para a cidade. Procurava um ponto comercial para comprar. O Bantim, grande contador de estórias, tinha um amigo proprietário de uma bodega quase sem nenhum movimento. O negócio estava muito ruim e essa era uma oportunidade para ele se ver livre daquele péssimo comércio. Então, propôs vender o ponto com tudo dentro, pois estava querendo ir embora para Fortaleza. Marcou com o interessado para ir conhecer a bodega. Mas, por sugestão do Bantim, combinou com vários amigos para entrarem na bodega, um após o outro, e ‘comprar’ algum produto. Um comprava um rolo de fumo, outro um litro de querosene, mais outro cigarro, alguém perguntando se algum produto já tinha chegado etc. Ou seja, não parava de entrar freguês. Quando os “atores” terminaram a encenação, o interessado disse:
- “É, estou vendo que o seu ponto é muito movimentado. Mas, não era bem isso que eu estava querendo não. Estou procurando um ponto de pouco movimento, só para eu passar o tempo e não ficar dentro de casa”.

A CHUVA
Um dia o Chico Soares ia saindo de casa com a esposa e percebeu que estava “bonito para chover”, como diz o cearense. Sugeriu, então:
- “Antonieta vamos voltar para casa que vai chover”.Como de fato. Foi só chegar e começou uma chuva pesada. Então ele saiu-se com o seguinte comentário, que mereceu o devido protesto da Dona Antonieta:
- “Antonieta, se esta chuva fosse de rapariga, eu ia destelhar a casa, com a tua ajuda, tapar todos os esgotos para enchê-la todinha de rapariga!”

NÃO IA MAIS SAIR DE LÁ
O Chico Soares também era um freqüentador do cabaré da Glorinha. Ia mais para bater papo. Um dia, estava com a esposa na Praça Siqueira Campos quando ia passando a Glorinha. Falou para ela:
- “Antonieta você não conhece a Glorinha, não é? Olha, é aquela ali. Aquela loura!”
- “Eu quero lá saber de rapariga! Respeite-me, Chico”.
- “É porque você nunca foi lá! Se você fosse, não ia mais querer sair de lá!”

Por: Ivens Mourão - PROIBIDA A REPRODUÇÃO SEM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR       


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30