xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 16/06/2012 | Blog do Crato
.

VÍDEO - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - Prefeito do Crato é escolhido um dos melhores prefeitos do Ceará pela PPE Eventos, em Fortaleza. ( 09-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

16 junho 2012

Dom Sebastião voltou – por Marco Antonio Villa (*)


(publicado no “Estado de S.Paulo”, deste sábado, dia 16)


Luiz Inácio Lula da Silva tem como princípio não ter princípio, tanto moral, ético ou político. O importante, para ele, é obter algum tipo de vantagem. Construiu a sua carreira sindical e política dessa forma. E, pior, deu certo. Claro que isso só foi possível porque o Brasil não teve - e não tem - uma cultura política democrática. Somente quem não conhece a carreira do ex-presidente pode ter ficado surpreso com suas últimas ações. Ele é, ao longo dos últimos 40 anos, useiro e vezeiro destas formas, vamos dizer, "pouco republicanas" de fazer política.

Quando apareceu para a vida sindical, em 1975, ao assumir a presidência do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, desprezou todo o passado de lutas operárias do ABC. Nos discursos e nas entrevistas, reforçou a falácia de que tudo tinha começado com ele. Antes dele, nada havia. E, se algo existiu, não teve importância. Ignorou (e humilhou) a memória dos operários que corajosamente enfrentaram - só para ficar na Primeira República - os patrões e a violência arbitrária do Estado em 1905, 1906, 1917 e 1919, entre tantas greves, e que tiveram muitos dos seus líderes deportados do País.

No campo propriamente da política, a eleição, em 1947, de Armando Mazzo, comunista, prefeito de Santo André, foi irrelevante. Isso porque teria sido Lula o primeiro dirigente autêntico dos trabalhadores e o seu partido também seria o que genuinamente representava os trabalhadores, sem nenhum predecessor. Transformou a si próprio - com o precioso auxílio de intelectuais que reforçaram a construção e divulgação das bazófias - em elemento divisor da História do Brasil. A nossa história passaria a ser datada tendo como ponto inicial sua posse no sindicato. 1975 seria o ano 1.

Durante décadas isso foi propagado nas universidades, nos debates políticos, na imprensa, e a repetição acabou dando graus de verossimilhança às falácias. Tudo nele era perfeito. Lula via o que nós não víamos, pensava muito à frente do que qualquer cidadão e tinha a solução para os problemas nacionais - graças não à reflexão, ao estudo exaustivo e ao exercício de cargos administrativos, mas à sua história de vida.

Num país marcado pelo sebastianismo, sempre à espera de um salvador, Lula foi a sua mais perfeita criação. Um dos seus "apóstolos", Frei Betto, chegou a escrever, em 2002, uma pequena biografia de Lula. No prólogo, fez uma homenagem à mãe do futuro presidente. Concluiu dizendo que - vejam a semelhança com a Ave Maria - "o Brasil merece este fruto de seu ventre: Luiz Inácio Lula da Silva". Era um bendito fruto, era o Messias! E ele adorou desempenhar durante décadas esse papel.

Como um sebastianista, sempre desprezou a política. Se ele era o salvador, para que política? Seus áulicos - quase todos egressos de pequenos e politicamente inexpressivos grupos de esquerda -, diversamente dele, eram politizados e aproveitaram a carona histórica para chegar ao poder, pois quem detinha os votos populares era Lula. Tiveram de cortejá-lo, adulá-lo, elogiar suas falas desconexas, suas alianças e escolhas políticas. Os mais altivos, para o padrão dos seus seguidores, no máximo ruminaram baixinho suas críticas. E a vida foi seguindo.

Ele cresceu de importância não pelas suas qualidades. Não, absolutamente não. Mas pela decadência da política e do debate. Se aplica a ele o que Euclides da Cunha escreveu sobre Floriano Peixoto: "Subiu, sem se elevar - porque se lhe operara em torno uma depressão profunda. Destacou-se à frente de um país sem avançar - porque era o Brasil quem recuava, abandonando o traçado superior das suas tradições...".

Levou para o seu governo os mesmos - e eficazes - instrumentos de propaganda usados durante um quarto de século. Assim como no sindicalismo e na política partidária, também o seu governo seria o marco inicial de um novo momento da nossa história. E, por incrível que possa parecer, deu certo. Claro que desta vez contando com a preciosa ajuda da oposição, que, medrosa, sem ideias e sem disposição de luta, deixou o campo aberto para o fanfarrão.

Sabedor do seu poder, desqualificou todo o passado recente, considerado pelo salvador, claro, como impuro. Pouco ou nada fez de original. Retrabalhou o passado, negando-o somente no discurso.
Sonhou em permanecer no poder. Namorou o terceiro mandato. Mas o custo político seria alto e ele nunca foi de enfrentar uma disputa acirrada. Buscou um caminho mais fácil. Um terceiro mandato oculto, típica criação macunaímica. Dessa forma teria as mãos livres e longe, muito longe, da odiosa - para ele - rotina administrativa, que estaria atribuída a sua disciplinada discípula. É um tipo de presidência dual, um "milagre" do salvador. Assim, ele poderia dispor de todo o seu tempo para fazer política do seu jeito, sempre usando a primeira pessoa do singular, como manda a tradição sebastianista.

Coagir ministros da Suprema Corte, atacar de forma vil seus adversários, desprezar a legislação eleitoral, tudo isso, como seria dito num botequim de São Bernardo, é "troco de pinga".

Ele continua achando que tudo pode. E vai seguir avançando e pisando na Constituição - que ele e seus companheiros do PT, é bom lembrar, votaram contra. E o delírio sebastianista segue crescendo, alimentado pelos salamaleques do grande capital (de olho sempre nos generosos empréstimos do BNDES), pelos títulos de doutor honoris causa (?) e, agora, até por um museu a ser construído na cracolândia paulistana louvando seus feitos.

E Ele (logo teremos de nos referir a Lula dessa forma) já disse que não admite que a oposição chegue ao poder em 2014. Falou que não vai deixar. Como se o Brasil fosse um brinquedo nas suas mãos. Mas não será?

(*) Marco Antonio Villa, historiador, é professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

                                                                                       

CRATO NÃO PRECISA DE INDÚSTRIAS POLUENTES - PRECISA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL


O Crato não precisa de indústrias poluentes. Hoje, em todo o mundo, vive-se o desafio de promover o desenvolvimento sustentável, ou seja, trazer desenvolvimento pensando no ser humano e no meio ambiente. Precisamos investir em coisas que não tragam poluição à nossa cidade. 
Precisamos investir por exemplo, em TURISMO, em Qualidade de vida. Eu quero um Crato como a cidade de Campos do Jordão-SP, cidade de primeiro mundo, sem poluição, cidade bela, que ganha milhões de reais oferecendo vida digna, harmonia com a natureza. Eu não quero o Crato como Cubatão, terra da fumaça e da poluição. 
Quem quiser trazer suas indústrias poluentes ao Cariri, que leve para outro lugar, por exemplo, para Juazeiro, que aceita e quer isso. Crato tem outra vocação, precisa antes de tudo de infraestrutura e de QUALIDADE DE VIDA. Não apoiarei nenhuma candidatura a prefeito neste ano que não traga como meta principal o Desenvolvimento sustentável. Quem quiser poluir o Crato ou o AR da nossa cidade não vai ter meu apoio e nem de milhares de Cratenses que pensam como eu.

Dihelson Mendonça
www.blogdocrato.com
Há 7 Anos, o Crato na Internet

Zona Marrom será implantada em Juazeiro do Norte


A Prefeitura de Juazeiro e o DEMUTRAN, objetivando disciplinar, organizar e proporcionar uma maior fluidez no transito de Juazeiro do Norte, implantarão segunda-feira, 18, o Zona Marrom nos principais pontos da cidade. O Zona Marrom é um sistema de estacionamento rotativo, pago por meio de cartão, que garante a permanência do veiculo de carga e descarga por um período máximo de 1 hora, em locais devidamente sinalizados, sujeitos a fiscalização.  Se desobedecidas as novas medidas, os Agentes de Transito e Transportes aplicarão a lavratura do AIT – Auto de Infração de Trânsito, de acordo com o Código de Transito Brasileiro. Os usuários do novo sistema deverão seguir as seguintes operações de carga e descarga:

- Até 5,9t (TARA) LIVRE;
- 6t até 8t (TARA) a partir das 13h;
- 8,1t a 14t (TARA) 15h;
- Carretas das 18h30min até às 7h.
 
PARA SABER:  “TARA” (Direito) peso próprio do veículo, acrescido dos pesos da carroçaria e equipamento, do combustível, das ferramentas e acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio e do fluido de arrefecimento, expresso em quilogramas.
(Transporte) peso de uma unidade de transporte intermodal ou veículo sem carga; ao se pesar o total subtrai-se a tara, chegando-se assim ao peso da carga.
 
 SESP / DEMUTRAN
Telefones: 3587-3305/3571-5822/3571-5826
Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte

Banda Cabaçal dos Irmãos Anicetos festeja 176 anos de existência


Crato. Dos antepassados indígenas à modernidade, a tradição de repete por quatro gerações. A Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto comemora 176 anos, no passo trançado da cultura e da alegria de poder continuar o legado da família. Dos seis integrantes da banda, dois deles ainda fazem parte da terceira geração, que é o Mestre Raimundo Aniceto e Antônio Aniceto. Mas o mestre é o responsável pela condução do grupo e constrói os instrumentos. A banda é uma das mais representativas da cultura popular no Estado e já realizou apresentações pelo Brasil e Europa. Dividiu palco até com grandes nomes da música, a exemplo de Hermeto Pascoal e do grupo Quinteto Violado. Os Aniceto Mirim estão no rumo, também aprendendo, para dar continuidade ao legado.

Uma renovação do Sagrado Coração de Jesus, na casa de Mestre Raimundo, na noite de ontem, no bairro Seminário, em Crato, foi o grande momento dos festejos para marcar o aniversário, que rememora o mês de maio. A data mais precisa poderia ser em 10 de maio, mas Adriano Aniceto afirma que é no dia 1º de julho o marco de nascimento da banda. Descendentes dos índios Cariri, atualmente, é composta por José Vicente, Raimundo, Antônio, Cícero, Joval e Adriano Aniceto, todos agricultores. Da roça para a alegria de criar, Adriano, que há 20 anos participa da banda, diz que são muitos os números musicais e a dança que caracterizam o grupo de artistas. Antes eram quatro integrantes, mas foram acrescentados instrumentos além dos pífanos, que têm mestre Raimundo e Antônio Aniceto; o zabumba, com Adriano; a caixa com Cícero. José Vicente toca o tarol e os pratos ficam com Joval. A sonoridade diferenciada e o ritmo desses dois instrumentos encantaram os integrantes da bandinha. Foram adotados ao longo dos anos.

Com brigas de galos e de facões, as danças deixam o público apreensivo, demonstrando a habilidade não só dos músicos, mas dos dançarinos-coreógrafos, que fazem arte por pura diversão e explica a longa existência do grupo FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS

A principal inspiração para criar as danças e os sons vem da natureza. O canto dos pássaros, o rastejar de uma cobra, um camaleão ou o simples arrastar de uma enxada. "Mesmo com o trabalho pesado da roça, procuramos transformar isso em alegria e cultura", diz o zabumbeiro, ao ressaltar o carinho que a população tem de receber o grupo, que fez fama e se tornou um dos mais requisitados em apresentações de eventos. Mas, a tradição religiosa do grupo é o mais forte.

E não seria diferente a comemoração. Dentro da programação, além da reza, também foi apresentado um filme, em telão, no quintal da casa de Mestre Raimundo, sobre os mestres da cultura. A organização aconteceu com apoio da Organização não Governamental Carrapato Cultural. Um dos seus integrantes, Paulo Fuísca, da Secretaria de Cultura do Crato, afirma que a iniciativa tem como forma prestigiar uma das bandas cabaçais mais tradicionais da região. Mestre Cirilo, do reisado, e outros integrantes de bandas também estiveram presentes. É, segundo Paulo, um momento de encontro e congraçamento para a cultura popular.

A performance do grupo chama a atenção por onde ele passa. A dança diferenciada, o trançado, e um repertório para mais de dois dias, segundo Adriano, empolgam. Os números mais antigos e tradicionais, normalmente são feitos em pequenas apresentações. Mesmo com um repertório grande e que não para de aumentar, a dança da Cachorra, da Cobra e da Onça; Briga de Galo; Tirador de Abelhas; Severino Brabo; e a da Coruja e do Caboré estão entre as mais comuns nas apresentações.

O índio José Lourenço da Silva, avô lá atrás de Adriano, foi o criador do grupo. As danças tribais dos Cariri vem seguindo no prumo de todas essas décadas sem se abalar. Para Paulo Fuísca, essa velha tradição mostra uma forma de vida dos próprios integrantes da banda. "Conviver com o Mestre Raimundo é uma grande honra", diz ele. E essa marca tem um reconhecimento nacional. Ele cria e desenvolve os instrumentos do grupo, orienta no passo da tradição, ensina como seguir em frente. É o chefe, como traduz Adriano. Além disso, é reconhecido como Mestre da Cultura Nacional e Mestre da Cultura do Estado. "É do trabalho que tiramos a diversão", afirma Adriano. Talvez esse seja um dos grandes segredos para a marca da alegria deixada por mais de um século e meio por onde os Aniceto passam.

Mais informações:

Mestre Raimundo Aniceto
Rua Manuel Macedo, 301
Bairro Seminário
Crato - CE
Telefone: (88) 3523.7275

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter do Diário do Nordeste
Colaboradora do Blog do Crato e Portal Chapada do Araripe

Hospital Regional do Cariri realizou, em quase um ano, cerca de 40 mil procedimentos


NE - Só uma curiosidade: Porque a Secretaria de Saúde não divulga também quantas pessoas já morreram no Hospital Regional do Cariri ? Jogando pra debaixo do tapete ?

A poucos dias de completar o primeiro ano do início das internações, o Hospital Regional do Cariri [HRC], realizou até o último dia 12, 3.280 internações, 3.826 cirurgias e 189.329 procedimentos de apoio diagnóstico e terapêutico. Os dados foram divulgados pela Secretaria da Saúde do Estado. O prédio foi inaugurado pelo Governo do Estado e está localizado em Juazeiro do Norte. O HRC é considerado a maior emergência pública do Interior do Ceará, em funcionamento desde 23 de agosto do ano passado, e fez, em menos de dez meses, 40.286 atendimentos.

Os números mostram que a população de 1,5 milhão de habitantes dos 44 municípios da macrorregião do Cariri tem garantia de acesso à assistência e a serviços de saúde antes, na rede pública, só oferecidos anteriormente na Capital. No ano passado, em pouco mais de seis meses, o total de internações no HRC foi de 1.417. Este ano, em pouco mais de cinco meses, as internações já somam 1.863. Das 3.280 internações registradas no HRC, 728 foram na unidade de Clínica Médica I, 618 em Clínica Médica II, 1.195 em Clínica Cirúrgica, 538 em Traumato-Ortopedia e 201 em UTI.

As primeiras cirurgias foram realizados pelo HRC em 27 de julho do ano passado. Dessa data até o dia 26 de dezembro, o hospital realizou um total de 1.085 cirurgias. Este ano, o HRC realizou mais de 2.700 cirurgias. Os números do Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapêutico tiveram crescimento exponencial, passando de 47.419 procedimentos até dezembro de 2011, para os 189.329 atuais, quase 142 mil procedimentos somente em 2012. Já são 1.096 exames de ressonância magnética, serviço que, na rede pública, só era oferecido no Hospital Geral de Fortaleza [HGF].

O atendimento na emergência obedece o Protocolo Manchester de Classificação de Risco, com a triagem dos pacientes feita com base no nível de gravidade. Os que apresentam situação mais grave recebem no acolhimento da emergência uma pulseira vermelha e são atendidos de imediato.

Pulseiras laranjas são colocadas no braço dos pacientes que terão atendimento em até 10 minutos. A cor amarela é adotada para os que podem receber assistência em até 60 minutos, a cor verde entre pacientes menos graves e serão atendidos em até 120 minutos e a cor azul em até 4 horas. Desde o início do funcionamento da emergência, 640 pacientes receberam pulseiras vermelhas, 12.023 pulseiras laranjas, 16.844 amarelas, 8.946 verdes e 1.038 azuis. A procedência dos pacientes atendidos no HRC confirma a abrangência regional. No mês de maio, os 383 pacientes que deram entrada em internação procediam de 28 municípios diferentes da região de cobertura do hospital. Na emergência, os 4.891 pacientes atendidos no mês de maio eram moradores de 50 municípios diferentes.

NÚMEROS DO HRC
Maio de 2011 até 12 de junho de 2012
- Internações: 3.280
- Cirurgias: 3.826
- Atendimento na emergência: 40.286

SERVIÇO DE APOIO DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICO GERAL
Radiologia geral 19.659
Ultrassonografia geral e intervencionista 5.693
Ressonância magnética 1.096
Tomografia computadorizada 4.915
Mamografia 133
Litotripsia 1
Endoscopia digestiva alta – EDA 1.268
Endoscopia digestiva baixa – Colonoscopia 59
Endoscopia respiratória – Broncoscopia 30
Eletroencefalograma 2
Eletrocardiograma 2.829
Ecocardiografia 565
Análise clínica 119.664
Análise histopatológica 907
Fisioterapia 28.166
Hemodiálise 1.648
Hemotranfusões 2.615
Outros 79

TOTAL 189.329

* Com informações da Assessoria de Comunicação da Sesa

Sobre o ideal da fama como finalidade, e não como consequência


A FAMA FÁCIL QUE NÃO DURA - Luíza do Canadá, Família "Para nossa alegria", BBB...

Ei, você que lê esse texto! Me diz uma coisa: por acaso você sabe por onde anda a família "Para Nossa Alegria"? Ou a Luiza, aquela que "foi pro Canadá" mas voltou pra ganhar um dinheiro fácil depois que o pai falou, distraidamente, que ela andava por lá? Mais ainda, você sabe onde está a Sthefany Cross Fox, a menina feiosa que fez o vídeo caseiro namorando um carro e que virou sensação momentânea da internet?

Sim, meus amigos!! ESSAS PESSOAS SUMIRAM!! Acabou! O legado de horrores dessas celebridades efêmeras passou. E é isso que sempre acontece com emergentes de internet e toda e qualquer pessoa alçada à condição de estrela por conta de um viral, um relacionamento oportuno, uma brincadeira compartilhada por milhares de espectadores ou qualquer outra forma de aparecer sem conteúdo algum. Some! Oba!

Claro, esses personagens bizarros que citei no primeiro parágrafo continuam lutando por mais alguma fama e aquele espaço do passado. A família "Para Nossa Alegria" teve um sopro de vida adicional graças à generosidade do pessoal do Pânico na Band, pois ninguém mais falava deles. Que eu saiba, eles tentaram um novo vídeo engraçadinho. Mas ficou uma bela duma merda, pois fizeram algo produzido, fake e sem a espontaneidade que os consagrou. A "Luiza do Canadá" passou a vender produtos de uma rede conhecida, que tem o mesmo nome, mas sumiu. E a Sthefany Cross Fox deve estar por aí, brigando por mais cinco minutos de fama. Que, convenhamos, nunca mais virão.

A fama tem essas coisas tentadoras. Sempre digo que, por conta de um gigantesco e inadmissível erro de formação moral desse país, nós temos dois tipos de Brasil: o das pessoas comuns e o das pessoas famosas. O primeiro tipo enquadra a grande maioria da população. É a turma raçuda, guerreira, que mata um leão por dia e "namora" o segundo tipo - a galera que parece ter as portas abertas a todo instante, o passe-livre para festas, presentes, mimos, orgias e regalias mil. Óbvio que não é nada disso, mas a glamourização da fama e a "romantização" do ideal de ser famoso faz com que muita gente acredite nessa ilusão — e passe a brigar para ser, apenas, alguém famoso.

Houve um tempo em que o ideal de um jovem era "ser doutor". Não peguei essa fase. Faz tempo... quem nos conta isso são os livros do Machado de Assis, alguns sambas mais antigos e os nossos avós. Paulinho da Viola, em sua música "14 anos", fala que o pai lhe chamou para perguntar-lhe o que queria estudar: Filosofia, Medicina ou Engenharia? "Tinha eu que ser doutor/ mas a minha aspiração/ era ter um violão/ para me tornar sambista". Acho que o Paulinho da Viola nem imaginava que hoje os pais perguntam mais se o filho não prefere ser artista porque dá mais dinheiro que ser doutor!

Depois, e essa fase eu peguei, o lance de um jovem era vislumbrar a carreira de Jogador de Futebol. Na minha infância, só se falava de futebol. O Pelé tava saindo de cena como um herói nacional, outros arrasavam em campo e os artistas de música e TV não tinham o mesmo potencial que os mestres das bola. Claro que hoje muita gente ainda quer ser jogador de Futebol, até porque hoje sim se ganham riiiiiiios de dinheiro com a bola... mas na minha infância o sonho dourado de profissão rentável era mais ligado ao Esporte do que ao Show-Business.

E agora estamos aqui. Nos nossos dias atuais, com tudo que se imagina e deturpa da vida dos famosos, o melhor negócio do mundo parece ser esse, sim. Ser famoso. Há essa idealização absurda da vida pública, e isso é alimentado por uma indústria bizarra. Programas como o BBB enaltecem a vocação da fama como finalidade, não como consequência de um trabalho e de uma obra, como sempre deveria ser. Um jovem quer muito mais ingressar na casa do BBB do que fazer uma faculdade decente, pois na "casa mais vigiada do Brasil" ele pode sair com 1,5 milhão, bem como o passaporte para festas onde vai ganhar para sorrir e sumir, uma pá de gostosas e sei-lá-o-quê-mais de coisas.

Os tempos podem ser outros e envergonhar os nossos avós... Mas a regra ainda é clara: muda o tempo, muda o mundo, mas se você não tem nada a dizer com o seu trabalho, você vai cair. Se você quer acontecer porque tem uma boa bunda, fez UMA piada engraçada, um vídeo bacanudo, teve UM relacionamento oportuno e midiático, UMA única oportunidade de aparecer mas não trouxe um pingo de conteúdo, você vai se contentar apenas com os cinco minutos de fama que terá.

O mundo ainda é justo nesse sentido: quem não tem nada a dizer ou não sabe transformar positivamente o mundo à sua volta com a oportunidade que ganhou, rapidamente vai ser substituído por quem saiba. Ou, o que ainda é ruim, por alguém mais safado que vai tentar fazer isso em condição de mais nova sub-celebridade. Eis que surgirão novas "Sthefany's Cross Fox" novas famílias "Para Nossa Alegria" e novas "Luizas do Canadá". Triste.

Mas o bom é que esses novos engodos midiáticos também passarão. Portanto, brinde antecipadamente o fim da dupla que quer o "Tchú e quer o Tchá" e já tome um porre pelo nascimento da outra que vai cantar uma versão qualquer no estilo "Minha rolinha quer comer sua aranha". E por aí vai...

Por Rafael Cortez

TRF concede liberdade a Carlinhos Cachoeira


Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, durante CPI em Brasília (Foto: A/ Arquivo)O desembargador Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, determinou nesta sexta-feira habeas corpus para a soltura imediata do bicheiro Carlinhos Cachoeira.Porém, como há outro mandado de prisão contra o bicheiro, ele não será liberado do presídio da Papuda, em Brasília.

Esse segundo mandado foi expedido pela quinta Vara de Justiça do Distrito Federal, e é relacionado à Operação Saint Michel, da Polícia Federal, posterior à Operação Monte Carlo, que culminou na prisão de Cachoeira.

O mesmo desembargador que decidiu favoravelmente ao contraventor nesta sexta-feira, também julgou um outro habeas corpus apresentado pela defesa de Cachoeira, pedindo que fossem declaradas ilegais as escutas da operação da PF. Tourinho Neto votou a favor ao pedido, argumentando que a autorização para a realização das escutas não foi bem fundamentada. Mas pedido de vista de outro desembargador adiou a decisão, que ainda está pendente. Cachoeira está preso desde o final de fevereiro no complexo penitenciário da Papuda, em  Brasília.

*Com informações da Agência O Globo

SESC - Show João do Crato e Parceiros - Neste dia 17 de Junho


Caso do SUSHI - Supermercado São Luiz foi condenado pela Justiça pela intoxicação de 30 pessoas no Crato

 
A Justiça condenou o supermercado  São Luis, na cidade do Crato, Ceará a pagar indenização de R$ 20 mil a cliente que sofreu intoxicação ao comer sushi no local. O caso ocorreu em abril deste ano, na cidade do Crato, no Sul do estado. Na época, mais de 30 pessoas receberam atendimento médico alegando ter passado mal após ter comido o sushi do local. Um exame do Laboratório Central de Saúde Pública havia constatado a presença da BACTÉRIA SALMONELLA.

A ação foi ingressada por uma cliente do supermercado requerendo o pagamento o pagamento de 39 mínimos por danos morais e um salário mínimo por despesas com remédios e transporte. Em contestação, o supermercado apresentou laudo emitido pelo Núcleo de Tecnologia Industrial do  Ceará (Nutec) que não constatou a presença de nenhuma bactéria.

Em nota, a assessoria jurídica do estabelecimento afirmou que não foi oficialmente notificado sobre a decisão e que deve recorrer da condenação. O juiz da ação, Matheus Pereira Júnior, considerou que a comprovação pela Vigilância Sanitária do Crato da contaminação do sushi e as evidências da infecção intestinal da cliente, nos mesmos dias em que vários consumidores do produto foram internados com sintomas semelhantes, “são suficientes para aferir a responsabilidade do promovido pelos danos decorrentes”.

O juiz atendeu o pedido da cliente na indenização de R$ 20 mil, mas negou o pagamento de um salário mínimo referente às despesas de transporte, por entender que ela não comprovou as supostas despesas.

Fonte: Ely Aguiar

 

Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30