25 setembro 2012

Dimensões do mistério - Por: Emerson Monteiro



Quando o mistério é muito grande, não se ousa desobedecer. (Antoine de Saint-Exupéry, in O Pequeno Príncipe)

Por vezes isto acontece no decorrer da vida, de coisas superarem a capacidade para interpretá-las, impondo condições inarredáveis de jeito a que não se saiba agir ou vislumbrar alternativas, reduzindo os seres a meros joguetes do destino, coadjuvantes de dramas de proporções gigantescas, nos quais a pequeneza invade o horizonte, sem chance de determinar coisa alguma além da espera passiva dos desdobramentos a virem. 

Nessas horas de rara solenidade, busca-se de dentro porta e janela que, de alguma forma honrosa, salvariam dessa voragem inevitável, porém tudo se fecha à visão interna e, qual diante de tempestade portentosa, cai-se em crises de apatia, sujeitos até ao desvario das comoções cerebrais extremas, ou, à margem da razão, vira-se testemunha cúmplice das conseqüências de tudo isso, aspecto selvagem dos problemas indomáveis que a vida traz.
São esses os apocalipses pessoais. Eras tombadas em cataclismos tenebrosos, revirando as estranhas, pedras rolantes das dores em queda livre nas encostas de almas debilitadas na dor, individualidades impotentes face aos momentos difíceis. Horas de partos sangrentos, marcas tortuosas de feridas abertas no peito, em rios de emoções desvairadas, corrosivas, torturantes...

Em tais lapsos de tempo, a procura de Deus acelera seus passos e as vaidades perdem seu fulgor fantasioso de pequenez do ser beira às raias da insignificância, restando só o direito de existir ao ímpeto da multiplicidade dos eventos incessantes. 

O mistério dessas horas rasga o peito em variantes inéditas, semelhantes aos córregos lamacentos que se formam depois das chuvas voluptuosas. Neles descem os coágulos da sangria imensa que avassala corações macerados. Morrer, verbo inútil dessas sofridas instâncias.

Contudo algo ocorre de dentro para fora, numa mostra clara da presença de força até então desconhecida, no âmbito das respostas dos outros mistérios rotineiros, que parecem configurações intelectuais e racionalizações passageiras.

O mistério maior, esse, sim, desmistifica as crenças só convenientes e conceitos de algibeira, e impõe respostas jamais previstas, comprimindo todas as partes do sistema íntimo existencial ao fluxo dos acontecimentos grandiosos. Deixar acontecer, porquanto não possuir meios de reverter ações verificadas. Não recalcitreis contra o aguilhão, avisa Paulo de Tarso. 

Mais forte do que a morte, eis a força dos acontecimentos. Incrível a força que as coisas parecem ter quando têm que acontecer, assevera Friedrich Nietzsche. Por isso, após a tempestade vem a bonança, no dizer popular. Resistir enquanto resistir, a bússola dos sentidos, na existência vacante das medíocres criaturas joguetes da sorte.

Caso um dia queira a dor superar a disposição da resistência, sobrará encontro da resposta que acompanha fiel as indagações que compõem o mistério de coisas bem maiores, pois a inexistência absoluta de qualquer coincidência, no fluir das energias da Natureza sanciona que coisa alguma existe fora da ordem universal soberana. Nisso cabe a força do Amor, antídoto dos males possíveis e imagináveis, ou inimagináveis, ou impossíveis. Nada resiste e tudo se completa no Poder, cabendo aos eleitos felizes merecerem a Iluminação do fim do túnel, na existência desse chão poeirento.

Por: Emerson Monteiro
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.