xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 15/05/2011 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

15 maio 2011

Padre Cícero – O Filho mais ilustre do CRATO


http://4.bp.blogspot.com/-gJw4NvDTGuc/TdCmEy7CWlI/AAAAAAAAXLI/SQ6-H3P1Mfk/s1600/padre_cicero_retocada_por_dihelson_mendonca.jpg

Foto do Padre Cícero, publicada no site Cariri Cangaço, retocada por Dihelson Mendonça

Ediçao Especial - PADRE CÍCERO

Considerado o maior cearense do século XX, a figura enigmática do Padre Cícero continua a despertar polêmicas em todo o mundo, pois enquanto muitos desejam acreditar que ele foi um santo milagreiro, outros tantos o acusam de ser apenas um homem muito inteligente, que tinha acesso aos livros e periódicos que vinham da Europa, e aproveitou-se de um singular momento da históra, numa região desprovida das necessidades humanas mais básicas, sabendo construir habilmente em torno de si, uma imagem mítica e um messianismo que suplantaria a sua própria morte. Padre Cícero não negava as origens. Ele dizia sempre: "Eu sou filho do Crato, e Juazeiro é meu filho". Hoje o Blog do Crato homenageia um dos muitos cratenses ilustres, Padre Cícero, pois quer queiram ou não, foi AQUI, em CRATO, onde TUDO começou nesta região, inclusive a "lenda" ou "legenda" do Padre Cícero. - Por: Dihelson Mendonça

Cícero Romão Batista (Crato, 24 de março de 1844 — Juazeiro do Norte, 20 de julho de 1934) foi um sacerdote católico brasileiro. Na devoção popular é conhecido como Padre Cícero ou Padim Ciço. Proprietário de terras, gado e dono de diversos imóveis, o Padre Cícero fazia parte da sociedade e política conservadora do sertão do Cariri. Tinha no médico Floro Bartolomeu seu braço direito e integrava o sistema político cearense que ficou sob o controle da família Accioli durante mais de duas décadas. Carismático, obteve grande prestígio e influência sobre a vida social, política e religiosa do Ceará e da Região Nordeste do Brasil. Em março de 2001, foi escolhido O Cearense do Século em votação promovida pela TV Verdes Mares em parceria com a Rede Globo de Televisão.

Biografia

Nascido no interior do Ceará ( OPA!!! - Assim, a pessoa que escreveu o artigo na wikipedia deseja esconder que o Padre Cícero é natural do Crato - vamos corrigir isso agora ):

Nascido na cidade do Crato, no interior do Ceará, era filho de Joaquim Romão Batista e Joaquina Vicência Romana, conhecida como dona Quinô. Aos seis anos de idade, começou a estudar com o professor Rufino de Alcântara Montezuma. Um fato importante marcou a sua infância: o voto de castidade, feito aos doze anos, influenciado pela leitura da vida de São Francisco de Sales Em 1860, foi matriculado no Colégio do renomado Padre Inácio de Sousa Rolim, em Cajazeiras na Paraíba. Aí pouco demorou, pois, a inesperada morte de seu pai, vítima de cólera, em 1862, o obrigou a interromper os estudos e voltar para junto da mãe e das irmãs solteiras. A morte do pai, que era pequeno comerciante no Crato, trouxe sérias dificuldades financeiras à família, de tal sorte que, mais tarde, em 1865, quando Cícero Romão Batista precisou ingressar no Seminário da Prainha, em Fortaleza, só o fez graças à ajuda de seu padrinho de crisma, o coronel Antônio Luís Alves Pequeno.

Ordenação

Durante o período em que esteve no seminário, Cícero era considerado um aluno mediano e, apesar de anos depois arrebatar multidões com seus sermões, apresentou notas baixas nas disciplinas relacionadas à oratória e eloquência. Padre Cícero foi ordenado no dia 30 de novembro de 1870. Após sua ordenação retornou a Crato e, enquanto o bispo não lhe dava paróquia para administrar, ficou a ensinar latim no Colégio Padre Ibiapina, fundado e dirigido pelo professor José Joaquim Teles Marrocos, seu primo e grande amigo.

Chegada a Tabuleiro Grande

No Natal de 1871, convidado pelo professor Simeão Correia de Macedo, Padre Cícero visitou pela primeira vez o povoado de Juazeiro (numa fazenda localizada na povoação de Juazeiro, que pertencia a cidade de Crato), e ali celebrou a tradicional missa do galo. O padre visitante, de 28 anos de idade, estatura baixa, pele branca, cabelos louros, penetrantes olhos azuis e voz modulada, impressionou os habitantes do lugar. E a recíproca foi verdadeira. Por isso, decorridos alguns meses, exatamente no dia 11 de abril de 1872, lá estava de volta, com bagagem e família, para fixar residência definitiva no Juazeiro. Muitos livros afirmam que Padre Cícero resolveu fixar morada em Juazeiro devido a um sonho (ou visão) que teve, segundo o qual, certa vez, ao anoitecer de um dia exaustivo, após ter passado horas a fio a confessar as pessoas do arraial, ele procurou descansar no quarto contíguo à sala de aulas da escolinha, onde improvisaram seu alojamento, quando caiu no sono e a visão que mudaria seu destino se revelou. Ele viu, conforme relatou aos amigos íntimos, Jesus Cristo e os doze apóstolos sentados à mesa, numa disposição que lembra a última Ceia, de Leonardo da Vinci. De repente, adentra ao local uma multidão de pessoas carregando seus parcos pertences em pequenas trouxas, a exemplo dos retirantes nordestinos. Cristo, virando-se para os famintos, falou da sua decepção com a humanidade, mas disse estar disposto ainda a fazer um último sacrifício para salvar o mundo. Porém, se os homens não se arrependessem depressa, Ele acabaria com tudo de uma vez. Naquele momento, Ele apontou para os pobres e, voltando-se inesperadamente ordenou: – E você, Padre Cícero, tome conta deles!

Apostolado

Uma vez instalado, formado por um pequeno aglomerado de casas de taipa e uma capelinha erigida pelo primeiro capelão padre Pedro Ribeiro de Carvalho, em honra a Nossa Senhora das Dores, padroeira do lugar, ele tratou inicialmente de melhorar o aspecto da capelinha, adquirindo várias imagens com as esmolas dadas pelos fiéis. Depois, tocado pelo ardente desejo de conquistar o povo que lhe fora confiado por Deus, desenvolveu intenso trabalho pastoral com pregação, conselhos e visitas domiciliares, como nunca se tinha visto na região. Dessa maneira, rapidamente ganhou a simpatia dos habitantes, passando a exercer grande liderança na comunidade. Paralelamente, agindo com muita austeridade, cuidou de moralizar os costumes da população, acabando pessoalmente com os excessos de bebedeira e com a prostituição. Restaurada a harmonia, o povoado experimentou, então, os passos de crescimento, atraindo gente da vizinhança curiosa por conhecer o novo capelão. Para auxiliá-lo no trabalho pastoral, Padre Cícero resolveu, a exemplo do que fizera Padre Ibiapina, famoso missionário nordestino, falecido em 1883, recrutar mulheres solteiras e viúvas para a organização de uma irmandade leiga, formada por beatas, sob sua inteira autoridade. Atuou sempre com zelo na recepção dos imigrantes, dentre eles pode-se destacar José Lourenço Gomes da Silva, líder do Caldeirão de Santa Cruz do Deserto.

Suposto milagre

No ano de 1889, durante uma missa celebrada pelo padre Cícero, a hóstia ministrada pelo sacerdote à beata Maria de Araújo se transformou em sangue na boca da religiosa. Segundo relatos, tal fenômeno se repetiu diversas vezes durante cerca de dois anos. Rapidamente espalhou-se a notícia de que acontecera um milagre em Juazeiro. A pedido de padre Cícero a diocese formou uma comissão de padres e profissionais da área da saúde para investigar o suposto milagre. A comissão tinha como presidente o padre Climério da Costa e como secretário o padre Francisco Ferreira Antero, contava, ainda, com a participação dos médicos Marcos Rodrigues Madeira e Ildefonso Correia Lima, além do farmacêutico Joaquim Secundo Chaves. Em 13 de outubro de 1891, a comissão encerrou as pesquisas e chegou à conclusão de que não havia explicação natural para os fatos ocorridos, sendo portanto um milagre. Insatisfeito com o parecer da comissão, o bispo Dom Joaquim José Vieira nomeou uma nova comissão para investigar o caso, tendo como presidente o padre Alexandrino de Alencar e como secretário o padre Manoel Cândido. A segunda comissão concluiu que não houve milagre, mas sim um embuste. Dom Joaquim se posicionou favorável ao segundo parecer e, com base nele, suspendeu as ordens sacerdotais de padre Cícero e determinou que Maria de Araújo fosse enclausurada.
Em 1898, padre Cícero foi a Roma, onde se reuniu com o Papa Leão XIII e com membros da Congregação do Santo Ofício, conseguindo sua absolvição. No entanto, ao retornar a Juazeiro, a decisão do Vaticano foi revista e padre Cícero chegou a ser excomungado, porém, estudos realizados décadas depois pelo bispo Dom Fernando Panico sugerem que a excomunhão não chegou a ser aplicada de fato. Atualmente, Dom Fernando conduz o processo de reabilitação do padre Cícero junto ao Vaticano. Em 1977 foi canonizado pela Igreja Católica Apostólica Brasileira (diferente da Igreja Catolica Apostolica Romana).

Política

Era filiado ao extinto Partido Republicano Conservador (PRC). Foi o primeiro prefeito de Juazeiro do Norte, em 1911, quando o povoado foi elevado a cidade. Em 1926 foi eleito deputado federal, porém não chegou a assumir o cargo. Em 4 de outubro de 1911, Padre Cícero e outros dezesseis líderes políticos da região se reuniram em Juazeiro e firmaram um acordo de cooperação mútua bem como o comprimisso de apoiar o governador Antônio Pinto Nogueira Accioli. O encontro recebeu a alcunha de Pacto dos Coronéis, sendo apontado como uma importante passagem na história do coronelismo brasileiro Em 1913 foi destituído do cargo pelo governador Marcos Franco Rabelo, voltando ao poder, em 1914, quando Franco Rabelo foi deposto no evento que ficou conhecido como Sedição de Juazeiro. Foi eleito, ainda, vice-governador do Ceará. No final da década de 1920, o Padre Cícero começou a perder a sua força política, que praticamente acabou depois da Revolução de 1930. Seu prestígio como santo milagreiro, porém, aumentaria cada vez mais.

Ligação com o cangaço

Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, era devoto de padre Cícero e respeitava as suas crenças e conselhos. Os dois se encontraram uma única vez, em Juazeiro do Norte, no ano de 1926. Naquele ano, a Coluna Prestes, liderada por Luís Carlos Prestes, percorria o interior do Brasil desafiando o Governo Federal. Para combatê-la foram criados os chamados Batalhões Patrióticos, comandados por líderes regionais que muitas vezes arregimentavam cangaceiros. Existem duas versões para o encontro. Na primeira, difundida por Billy Jaynes Chandler, o sacerdote teria convocado Lampião para se juntar ao Batalhão Patriótico de Juazeiro, recebendo, em troca anistia de seus crimes e a patente de Capitão. Na outra versão, defendida por Lira Neto e Anildomá Willians, o convite teria sido feito por Floro Bartolomeu sem que padre Cícero soubesse. O certo é que ao chegarem em Juazeiro, Lampião e os quarenta e nove cangaceiros que o acompanhavam, ouviram padre Cícero aconselhá-los a abandonar o cangaço. Como Lampião exigia receber a patente que lhe fora prometida, Pedro de Albuquerque Uchoa, único funcionário público federal no município, escreveu em uma folha de papel que Lampião seria, a partir daquele momento, Capitão e receberia anistia por seus crimes. O bando deixou Juazeiro sem enfrentar a Coluna Prestes.

REPORTAGEM FOTOGRÁFICA DE WILSON BERNARDO ( com seus comentários )


Imagem viva do Santo Padre Cícero na colina do Horto


A urna em que os romeiros devotos guardam os pedidos em bilhetes, para a consagração do milagre


Orações ao Pé da estátua do meu Padim Cíço


Detalhes de uma estátua sobrecarregada com o tempo dos cajados messiânicos



Texto: Wikipedia
Wilson Bernardo – Fotografia

Homenagem ao Assistente Social - Por: Mônica Araripe


O Assistente Social é um profissional qualificado que, privilegiando uma intervenção investigativa, através da pesquisa e análise da realidade social, atua na formulação, execução e avaliação de serviços, programas e políticas sociais que visam a preservação, defesa e ampliação dos direitos humanos e a justiça social. Parabéns a todos os Assistentes Sociais do municipio do Crato que lutam no seu cotidiano por uma sociedade emancipada.

UM ABRAÇO CARINHOSO EM TODOS VOCÊS...Em especial a minha cunhada Ticiana, pelo ótimo trabalho desenvolvido na Secretaria Municipal de Assistência Social do Crato.

Mônica Araripe

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - Romaria do ´Meu Padim´ chegará em 26 Municípios


Uma média de 2 mil pessoas visita o caminhão do Padre Cícero em cada cidade. O Município de Mauriti foi o primeiro a receber a caravana. Faltam mais 25 cidades, que receberão o projeto
FOTOS: ANTÔNIO VICELMO.

Os moradores das cidades visitadas sobrem no caminhão e se vislubram com as peças Relíquias e objetos pessoais do Padre Cícero Romão Batista poderão ser contemplados pela população e devotos.

Mauriti. "O Padre Cícero ao alcance de todos". Esta é a definição para a Romaria do Meu Padim que percorrerá os 26 Municípios do Cariri, conduzindo relíquias e objetos pessoais do Padre Cícero Romão Batista, para serem vistos e contemplados pela população e devotos. "Um caminhão pau-de-arara foi transformado em museu móvel com a finalidade de fazer o caminho contrário das romarias. É uma romaria de dentro para fora, que vai ao encontro dos romeiros em suas cidades de origem", diz o jornalista Marcelo Fraga, coordenador do projeto.

O pau-de-arara é também um estúdio itinerante onde estão sendo gravadas entrevistas com personalidades, empresários, políticos e devotos de Padre Cícero. "Estão sendo colhidos depoimentos importantes que, com certeza, vão enriquecer a história do Padre Cícero e de Juazeiro", diz Fraga, acrescentando que, posteriormente, todo material audiovisual será transformado em um grande documentário.

Primeira cidade

A caravana iniciou a sua trajetória na cidade de Mauriti. Lá, a exposição tem sido bastante visitada por pessoas de todas as idades. Desde crianças até idosos, que se emocionam ao ver os pertences do "Padim Ciço". São cerca de 100 peças, dentre as quais louças, talheres, candelabros, castiçais, baús, chapéus, documentos, cartas e bilhetes que foram adquiridos pelo organizador. O acervo mais importante foi doado pela escritora Fátima Menezes. O jornalista mostra, com orgulho, o Título de Eleitor do Padre Cícero e um bilhete do sacerdote que comprova sua participação na guerra de 14, confronto ocorrido em 1914 entre as oligarquias cearenses e o Governo Federal provocado pela interferência do poder central na política estadual, nas primeiras décadas do século XX.

Num bilhete endereçado aos chefes da chamada "Sedição de Juazeiro", o Padre Cícero escreve: "O Sr. José Xavier vai como meu encarregado para ajudar na boa direção de todos os combatentes e soldados de Nossa Senhora das Dores... Peço que o obedeçam como a mim, todos se comportem como filhos da Santíssima Virgem e meus. A todos abençoou e espero que obedeçam aos chefes...". No final, depois da assinatura, ele adverte: "Não atirem à toa e de festejo, como alguns gostam".

O conflito ocorreu no sertão do Cariri, e centralizou-se em torno da liderança de Floro Bartolomeu e Padre Cícero Romão Batista. Contando com homens que vinham de todas as partes para se unirem ao Padre Cícero, o exército de Juazeiro chegou ao número de cinco mil homens. Como tática de guerra, esses revoltosos cavaram uma trincheira de 9km de extensão, chamada "círculo da mãe de Deus", em redor da cidade.

Centenário

Com este patrimônio histórico e cultural, o projeto pretende dar uma grande contribuição para o Centenário de Juazeiro que será celebrado no dia 22 de julho. A peregrinação da caravana é uma forma de comemorar, junto à população, os 100 anos da cidade. "Além de contribuir para a integração do Cariri, estamos conhecendo a região, descobrindo valores e fazendo história", comemora o jornalista. É uma forma de valorizar os Municípios, a cultura, a história e o dia a dia do povo caririense, um registro histórico no centenário da cidade idealizada por Padre Cícero, o Cearense do Século, o Padroeiro das Florestas e o grande mentor do desenvolvimento regional e espiritual. Para Fraga, "Juazeiro 100 anos, terra de oração e trabalho".

Por: Antonio Vicelmo
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaborador do Blog do Crato e Portal Chapada do Araripe

Blitze coibem ocupação ilegal de espaço público, em Juazeiro do Norte


NE - E no Crato, quanto teremos isto também ?


Fiscalização feita pelo Ministério Público, Polícia Militar e Prefeitura de Juazeiro recolheu cadeiras e demais equipamentos de bares e restaurantes que estavam em local público - FOTOS: CHINÊS. Churrasqueiras também foram apreendidas durante a blitz nas ruas de Juazeiro do Norte na noite de quinta-feira. Mesas, cadeiras e churrasqueiras foram apreendidas em fiscalização de bares em ruas de Juazeiro

Juazeiro do Norte. Uma ação anunciada desde o ano passado começa a se cumprir, depois de recomendação e trabalho educativo. A desocupação dos espaços públicos por parte do comércio informal, bares e restaurantes da cidade de Juazeiro, além de outros pontos comerciais, começou na noite desta quinta-feira, na Praça Padre Cícero e áreas próximas e, ontem, na Avenida Castelo Branco. A ação foi desencadeada pelo Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria, com a parceria das Secretarias Municipais de Segurança, Finanças, Meio Ambiente, Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros e Vigilância Sanitária. Caso não haja cumprimento da ação, o Ministério Público poderá entrar com ação civil pública contra o Município e os comerciantes reincidentes.

A recomendação ocorreu em abril do ano passado, com mais 180 dias para a adequação. Alguns estabelecimentos resolveram cumprir, mas a maioria continuou ocupando os espaços público, o que o promotor José Carlos Félix da Silva considerou um abuso, além do descumprimento do Código de Postura e Lei Orgânica do Município e do Código de Trânsito federal.

A maior parte dos bares ocupa os espaços das ruas, em torno da Praça Padre Cícero, na Rua São Francisco, por volta das 18 horas. E foi após esse horário que o promotor, juntamente com as secretarias e órgãos fiscalizadores decidiram agir. Para José Carlos Félix, essa foi uma atitude mais enérgica, já que foram movidos outros órgãos fiscalizadores, que estão não apenas verificando os espaços ocupados, mas questões relacionadas à alimentação, alvarás, situação das instalações, entre outros pontos.

A ação do Ministério Público, segundo o promotor, se dá pela inércia da administração não ter cumprido anteriormente a fiscalização para a retirada do comércio nos espaços públicos. A situação, com o crescimento acelerado da cidade, tem se agravado e colocado em risco a própria população.

Apreensão

Na ação realizada no primeiro dia, foram apreendidas mesas, cadeiras e churrasqueiras a carvão e gás, que funcionavam nas calçadas. No Bairro Lagoa Seca, outro ponto onde a situação era considerada crítica, os bares e lanchonetes, além dos trailers, desocuparam os espaços públicos no primeiro período da recomendação.

O prazo foi dado, segundo o promotor, por entender que isso acabou se tornando algo quase cultural na cidade. Muitos comerciantes solicitaram mais uma prazo para se adequar à nova realidade, tendo que reduzir os seus espaços de comercialização. Foram dados mais três meses. O prazo foi encerrado em fevereiro deste ano.

Além da distribuição de panfletos educativos, foi realizada audiência pública na cidade. Spots com mensagens educativas foram veiculadas na rádios e em carros de som. Nesta fase coercitiva, exigimos do Estado e do Município o apoio necessário para realizar a retirada. "Vamos continuar não só agora, mas em outros momentos, para coibir os excessos. Mesmo sabendo que não vamos acabar com esses abusos", diz o promotor.

Em muitos casos, os comerciantes saem dos espaços das calçadas, invadindo as ruas, até a calçada do outro lado da rua. "Pessoas até se organizaram, e, dentro dos seis meses, como não houve fiscalização, voltaram e até alugaram estabelecimentos vizinhos para ampliar esses espaços de ocupação irregular", afirma. Esse trabalho vale para todos os comerciantes que estão ocupando indevidamente os espaços públicos da cidade. A própria Prefeitura vai notificar as pessoas e, em seguida, caso não seja cumprida a adequação, haverá a punição dos reincidentes, com multas que podem ir de R$ 300 a R$ 20 mil. Todos os que tiveram as cadeiras e mesas retiradas dos espaços públicos, além das churrasqueiras, foram autuados e irão pagar multa. Segundo o promotor, vários fatores elevam o valor da multa.

"Nós queremos é fazer uma conscientização, e se não for possível, vamos entrar com uma ação civil pública, contra a o Município e aqueles comerciantes reincidentes", destaca. O trabalho está sendo registrado com fotografias e os nomes de todos os proprietários dos estabelecimentos. A ação para os reincidentes poderá resultar até em cassação de alvarás de funcionamento desses pontos comerciais.

Enquete - Polêmica

"Podemos dizer que houve uma inércia do Município. Mas agora a Prefeitura dá apoio, com os órgãos competentes" José Carlos Félix da Silva, Promotor

"Sem mesas nas ruas, acaba o movimento dos bares, e eu fico prejudicado. Muita gente queria estar no campo livre" João Faustino da Silva, Comerciante

"Vejo que a cidade está se modernizando. Tem cidade grande que evolui nessa questão de liberar os espaços públicos" Geraldo Prereira da Silva, Comerciante

Elizângela santos
Repórter do Jornal Diário do Nordeste

Colaboradora do Blog do Crato e Portal Chapada do Araripe

MAIS INFORMAÇÕES
Ministério Público, 2ª Promotoria da Justiça Civil, Av. Marcionília, 800, Lagoa Seca, Juazeiro do Norte
Telefone: (88): 3566.4124

Apenas um jogo de futebol - Por José de Arimatéa dos Santos

Ultimamente o futebol brasileiro anda muito violento. Não vou falar da violência dentro de campo e sim fora dele. Time nenhum pode ser desclassificado do campeonato que disputar e logo alguns torcedores picham os muros do clube. Quando não esperam os jogadores no aeroporto para xingar e às vezes querer agredir seus ídolos. Parece que os torcedores valentões ganharam esse jogo e o exemplo mais contundente é que a final do campeonato mineiro entre Cruzeiro e Atlético na cidade de Sete Lagoas só terá torcedores do Cruzeiro. Isso simplesmente desvirtua o sentido do esporte que é o congraçamento entre seres humanos, enfim uma festa.
Na europa os casos de violência foram praticamente banidos dos estádios por atitudes em coibir esses torcedores violentos. Brigou ou fez alguma baderna, simplesmente o indivíduo tem que se apresentar a uma delegacia de polícia na hora do jogo do seu time. A lei é cumprida na risca para quem vai a um estádio de futebol para arrumar encrenca. Está mais do que na hora de aplicar penas desse tipo aqui no Brasil e jogos como o clássico mineiro possa ter atleticanos e cruzeirenses em um mesmo espaço torcendo, vibrando e fazendo tudo que um torcedor faz em uma praça esportiva.
O brasileiro é o indivíduo que entende de futebol e a discussão e a paxão pelo seu clube não devem extrapolar e chegar a violência. Já chega a violência que está nas ruas de praticamente todas as cidades brasileiras e o jogo de futebol é apenas um jogo de futebol. Um esporte e que é normal a vitória ou a derrota. Meu time pode perder ou ganhar e minha vida segue sem problemas. Aliás, o problema é aguentar as brincadeiras dos colegas no outro dia quando o time que a gente torce perde. Mas isso é normal. Tudo bem.
Acredito que o ser humano tem que ver seu semelhante como um irmão que tem sua preferência e que pode pensar diferente. Esse é um direito inalienável de qualquer cidadão poder torcer em paz por seu clube, usar com orgulho a camisa do time ou ainda ir para as arquibancadas dos estádios para se divertir. A Constituição Federal assegura a liberdade do ir e vir. O amor entre os seres humanos deve ser o principal golaço que a torcida brasileira deve marcar e cenas de selvageria e violência nos estádios ou fora dele têm que acabar. Assim penso.

Guarani de Juazeiro é Campeão do Interior


Após o empate de 2 a 2 entre Horizonte e Guarani de Juazeiro, no jogo de ida, com uma goleada em seus domínios, no estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte, neste sábado (14), o Leão do Mercado conquistou a Taça Padre Cícero e tornou-se Campeão do Interior do Ceará.

A vitória sobre a equipe horizontina (4x0) foi conseguida com o domínio do time caririense e a confirmação da bela campanha em 2011, como segunda equipe que mais conquistou pontos e a vaga para a Série D do Campeonato Brasileiro.

Via Yuri Guedes - Colaborador - Icó é Notícia

Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31