xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 09/01/2011 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

09 janeiro 2011

MOMENTO DE PROSA - Por Claude Bloc

Professorinha
- Claude Bloc -

Sou professora desde que eu tinha 14 anos. Algo a estranhar? Pode ser, para as gerações mais novas que não conhecem e não sabem como era difícil, nessa época, se conseguir um professor que dominasse a Língua Francesa.

Quando comecei a dar aulas, eu tinha estado e na França por um ano - havia pouco tempo – e, estando lá, tinha estudado num colégio de freiras que eram amigas de minha avó Germaine, a quem eu carinhosamente chamava de Mamie Menotte. Isso me trouxe a experiência de conhecer a escrita do Francês e entender as “peripécias” da Língua no que tange às suas peculiaridades. Pois é, chegou o dia de enfrentar a primeira aula. No início, sem experiência tudo era difícil. Eu, professora, aos 14 anos, sozinha diante dos alunos, tentando captar a atenção deles... Bom, mas era uma tentativa. Madre Feitosa havia posto em minhas mãos um voto de confiança e eu teria que superar minha timidez e dar conta do recado.

Felizmente nessa época as salas de aula não pareciam, como hoje, um salão de festas com crianças barulhentas, parecendo “Gremlins” ou coisa assim. Não havia ninguém voando ou gritando pela sala, apenas vários pares de olhos me olhando esperando o desfecho daquele momento. Não posso dizer que foi esse o pior dia de minha vida, pois hoje sei o que pode ser bem pior, mas foi um passo difícil, pois tive que me superar, imitando meus mestres.

O fato é que acabei conquistando aquela turma e a pouca diferença de idade foi motivo de interação e não de afastamento. Eu e eles havíamos dado um passo à frente, todos aprendemos.

Hoje acredito ser muito importante na vida de um professor o momento em que ele vê que algo deu certo e com isso concluir que pode seguir adiante. Foi isso que fiz e nunca me esquecerei dessa lição e ao mesmo tempo de como trabalhar tão cedo foi útil e benfazejo para mim.

Nunca esquecerei igualmente de como, era nessa época, estar do outro lado da sala, sentada passivamente, como aluna, apenas bebendo da fonte. A simples menção do nome de algum professor mais austero já me provocava medo e fazia as cordas do meu coração darem um nó cego por dentro. Minha timidez era um verdadeiro fardo. Eu por exemplo, morria de medo de Alderico Damasceno. Não conseguia abrir a boca para falar palavra alguma perto dele. Se um dia eu tivesse tido a oportunidade de ter sido sabatinada por esse mestre acho que desabaria desmaiada aos pés dele. Ridículo, mas verdadeiro.

Daí porque decidi nunca agir com firmeza excessiva em relação aos meus alunos. Não quis adotar essa retaliação para não deixá-los exasperados. Creio que a idéia de nunca esquecer como é estar no lugar do aluno fez bem ao meu processo educativo. Mesmo diante de minha pouca experiência tirei minhas próprias conclusões. Aprendi com isso. Sem esquecer de como é gratificante ler o reconhecimento nos olhos de quem nos ouve.

Diante disso, concluí nesse processo, que todo professor não deve entrar em sala sem ter preparado sua aula. Essa é a regra primordial. O resto a gente aprende com o tempo, mas é sempre útil imaginar e supor como será a aula que preparamos e manter os pés no chão. Incentivar a aprender pelo prazer de aprender e não pela obrigação.

Enfim, posso dizer que embora nem tudo sejam flores, amo meu trabalho, sou apaixonada pela minha profissão. Dedico-me. E afirmo: continuo aprendendo, afinal tudo na vida é  um aprendizado. 

Claude Bloc

PADRE FREDERICO NIERHOOF - Por Armando Rafael.


Nascido em Gelsenkirchen, Alemanha, no dia 26 de Janeiro de 1916, Padre Frederico Nierhoff foi figura proeminente na cidade de Crato. Quando assumiu a Paróquia de São Vicente Ferrer – em 1948 – como segundo vigário, a igreja-matriz tinha proporções pequenas e acanhadas. Nos 20 anos nos quais administrou aquela paróquia (1948-1968), Padre Frederico comprou imóveis vizinhos ao templo e ampliou a igreja. Remodelou e ampliou, também, a casa paroquial dotando-a de ampla área anexa, uma espécie de área de lazer, destinada às crianças que se preparavam para a primeira comunhão. Construiu a Capela de São Miguel Arcanjo, hoje igreja-matriz da paróquia do mesmo nome.Padre Frederico foi o oitavo filho de um casal profundamente católico: Hermann e Adolfina Nierhoff.

Iniciou seus estudos teológicos em Oberhundem, transferindo-se depois para a cidade de Lebenhan Grave, na Holanda. Ainda estudante de Teologia – pertencente à Congregação dos Missionários da Sagrada Família – devido às incertezas da Segunda Guerra Mundial, deixou a Alemanha em sete de Março de 1938, com destino ao Brasil, onde deu continuidade aos seus estudos na cidade de Recife. Ali foi ordenado sacerdote no dia 1º de maio de 1941.Antes de residir em Crato, exerceu atividades pastorais nas cidades de Picos e Pio IX (no Piauí), Saboeiro, Arneirós e Aiuaba (no Ceará). Em Crato, além de suas atividades no âmbito espiritual, construiu escolas, postos de saúde e capelas na zona rural na então vasta Paróquia de São Vicente Ferrer.

Era um homem de grande dinamismo e enorme capacidade de trabalho. Deve-se ao Padre Frederico a construção de um conjunto de casas populares no sítio Malhada – que leva o nome da mãe daquele sacerdote, Adolfina Nierhoff – ainda hoje modelo de assentamento rural com geração de emprego e renda.Nos anos 40 e 50 do século passado o Cariri cearense era conhecido no Brasil como um dos maiores focos de tracoma, infecção que afeta os olhos e, se não for tratada, pode causar cicatrizes nas pálpebras e cegueira. Padre Frederico selecionou voluntários da zona rural de sua paróquia para ajudar a "Campanha Federal Contra o Tracoma", iniciativa do Departamento Nacional de Saúde Pública. No início da década 60 essa moléstia tinha sido erradicada da zona rural do município de Crato.Desgostoso com a redução da Paróquia de São Vicente Ferrer a um território de poucos quarteirões no centro de Crato, Padre Frederico desligou-se em 1969 da diocese de Crato e foi ser vigário de Custódia (Pernambuco) onde renovou a pintura interna e retelhou a cobertura da nave central da Igreja de São José, padroeiro daquela cidade. Apesar do pouco tempo em que ali foi pároco, ainda modificou e reformou a casa paroquial, comprou um prédio comercial e fundou o Lions Clube de Custódia.

Dali saiu para ser pároco e vigário-geral da diocese de Floresta (PE), aonde no dia 31 de outubro de 1975 sofreu um enfarte enquanto dirigia um carro. Este, desgovernado, capotou ocasionando a morte do Padre Frederico.Sua repentina e inesperada morte foi muito lamentada em Crato, onde o Padre Frederico trabalhou com dedicação e carinho juntos aos mais necessitados e onde possuía muitos amigos.

Por: Armando Rafael. Historiador – Escritor e Jornalista.


Lixo Espacial – Um Novo Planeta? - Por: Luiz Domingos de Luna*


Outro dia, como de costume, fui ao meu Planeta Natal Aquarius depois de passar por todo o processo, já devidamente relatada na série aquarianos, cheguei à assembléia, passei pelo revisor de anti-matéria, ocupei minha cadeira e fiquei aguardando o conferencista. O Tema já devidamente exposto no computador central. Um telão bem grande em três dimensões, girando sempre com a mesma temática, O Que querem os humanos?

O revisor de ondas magnéticas repassou o chip aquariano para todos nós, quando recebi o meu, fiquei com dois, pois se esqueceram de pedir o da Terra, o conferencista foi logo dizendo os terráqueos querem conquistar o cosmo, basta ver o lixo espacial que existe na galáxia da via láctea, não tarda ter um planeta terra feito de lixo circulando o planeta Terra Real. A não ser que os seres humanos estejam construindo um planeta de lixo para ter mais força e poder no espaço sideral. Ou já estão desconfiando que exista vida fora da terra e estão pensando em vender o material descartado do planeta real, para nós.

O Projetista de viagens espacial pediu a palavra e perguntou, É útil para nós comprar dos terráqueos o Lixo Espacial? O desmaterializador disse: depende, o conferencista, depende de que?-Para nós seria um ótimo investimento, pois assim nós poderíamos estudar a cultura, a tecnologia, e enfim, todo o processo existencial dos seres humanos. Com certeza o lucro imaterial nosso seria muito alto, uma civilização toda em nossas mãos em troca de alguns trocados.

Convoque então os nossos peritos cósmicos para uma possível compra do lixo espacial que circula ao redor do Planeta Terra, vez que a assembléia já decidiu que é um ótimo negocio para nós, além de poder armazenar em nossos computadores todos os dados dos terrestres, evitando assim viagens cansativas e onerosas ao nosso cofre virtual.

O Perito que estava sentado na câmara de registro desceu calmamente, cumprimentou a assembléia, ficou maravilhado com a idéia, parabenizou a todos, - Eu em minha cadeirinha fui logo ficando desconfiado, vez que em Aquarius não existe emoção, e o irmão perito vibrava, como uma torcida de futebol lá na terra.

Por fim explanou os dados técnicos. Querida assembléia, considerando que nós vamos comprar o Lixo Espacial dos terráqueos, primeiro temos que louvar a nossa missão que é a de sempre manter a paz e harmonia no universo, essa constância é motor primeiro de nossa existência, porém, existe um grande problema antes desta comemoração de emoção balofa.

O Conferencista perguntou: Qual é o problema?

Quando a gente comprar o lixo espacial, com certeza o universo fica limpinho, aparentemente, é um gesto nobre para a família universal.

O Conferencista disse: como aparentemente?

Depois da compra os terráqueos não mais que 10 anos enviarão o triplo de lixo que nós compramos - ao espaço sideral.

O Conferencista protestou, mas doutor o tempo real para nós não existe, isto é não e problema para os Aquarianos, mas sim para os Terráqueos.

O Perito perguntou: Que problema?

- O do tempo

O perito sabiamente respondeu, eu pensei que fosse o do lixo.

(*) Procurar na web


Está no Blog do Juaonline -- postado por Armando Rafael


Esta beleza de painel publicitário do governo do Estado foi “flagrada” pela câmara fotográfica do blog http://www.blogdojuaonline.rg3.net/ no bairro Novo Juazeiro. Pode ser que na próxima reforma ortográfica da Língua Portuguesa "Secretaria" se escreva assim.
Postado por DANIEL WALKER

A POÉTICA DE WILSON BERNARDO...CARIRI ENCANTADO de FOMES.

A MULTIPLICAÇÃO.
Um peixe!
Um só bastaria
Para que a crendice
Da multiplicação fizessem
Deuses em açudes.

Wilson Bernardo(Poema & Fotografia)

MENSAGEM PARA UM DIA DE DOMINGO-Por Maria Otilia

Posto aqui um lindo poema que fala da mudança. Mudança esta que deve está incorporada em nosso interior. Não somente mudanças no cenário político, religioso, social, etc. Mas uma verdadeira mudança de postura frente as inúmeras picuinhas que exitem em nosso trabalho, em nossas famílias, nas nossas convicções às vezes consideradas como únicas e verdadeiras. Vamos refletir e analisar o que realmente precisa ser mudado em nós para que mudemos o mundo.
Ato de coragem!
(Beatriz Kappke)

Mudar é um ato de coragem
Muitos ficarão à margem.
Longa é a caminhada
Curta porém pode ser a vida
Ao chegar à encruzilhada
Preciso estar decidida!

Aceitação plena do desafio
Firmeza e fé nos propósitos
Ir além dos limites perfeitos
Sair do pensamento irrefletido
Abandonar padrões cristalizados
Se necessário, quebrar a tradição

Renunciar à mesmice
Fugir do ostracismo...
Livrar-me da couraça
Abrir as fechaduras

Ousar, inovar, refletir, analisar...
Buscar aventuras,
Viver mistérios ,
Para então, algo essencial descobrir:
O sentido verdadeiro do amor e da bondade
E com os outros repartir !

Chegar ao paraíso
Ao céu de estonteante claridade
Sentir que Fernão Capelo Gaivota
Está dentro do meu ser
E assim entender finalmente,
Que é preciso MUDAR para CRESCER!

Poema dedicado ao verdadeiro “Fernão Capelo Gaivota” que habita dentro de cada um de nós e para todos os vereadores da Cãmara Municipal eleitos pelo povo cratense. Que saibam realmente defender e honrar a verdadeira função desse espaço público, em defesa do bem comum.


Postado por Maria Otilia



Dep. Ely Aguiar esclarece fatos sobre a Estrada de Santa Fé e a Estátua a N. S de Fátima

Governo do Estado deverá Estadualizar estrada de Santa Fé, orçada em 5 milhões

Dep. Ely Aguiar envia fotos do estágio atual da estátua a N. S de Fátima em Crato. Conforme os nossos leitores podem ver, as obras já estão em estado avançado, tendo sido concluída já a base de sustentação e começado as estruturas superiores.


http://1.bp.blogspot.com/_WY3qKeZY6L0/TSn2oXrcRHI/AAAAAAAAUr4/0pAKUyNBNT0/s1600/Dsc_0064a.jpg


http://1.bp.blogspot.com/_WY3qKeZY6L0/TSn2oj3_UxI/AAAAAAAAUsA/qPPfp-q_yoc/s1600/Dsc_0111a.jpg


Dihelson, tudo bem ?

Estou remetendo duas fotos do atual estágio do Projeto Nossa Senhora de Fátima, no alto do Barro Branco, na cidade do Crato. Se o amigo quiser pode ir lá na segunda-feira pela manhã, onde uma equipe comandada pelo engenheiro Welington Nunes, está trabalhando. A previsão para conclusão da obra é julho deste ano, dependendo do rigor do inverno. Na foto primeira, vê-se o Pe. Edmilson, Vigário Geral do Crato.

SANTA FÉ. Quanto ao projeto de recuperação total da estrada de Santa Fé, vale dizer que o projeto de engenharia, que eu e o Prefeito Samuel entregamos ao Secretário de Infraestrutura do Estado, Dr. Adail Fontenele, foi EXECUTADO pelo própio governo, atráves do DER, ou seja, o projeto foi o próprio Estado quem elaborou com custo zero para a Prefeitura.

Vale salientar que para o " orçamento 2011 " do governo estadual, eu e o deputado Roque colocamos duas emendas que foram aprovadas pela Assembleia. O governador Cid Gomes, acatando sugestão nossa poderá, ( tanto é que já consultou o Procurador Geral do Estado ), " ESTADUALIZAR " a estrada de Santa Fé.

Pois sendo do Município fica inviável, por lei, a sua recuperação pelo Estado. Assim sendo, a estrada estadualizada será recuperada pelo DER, com participação " ZERO " da Prefeitura do Crato, que na realidade não dispõe, em caixa de recursos próprios, na ordem de 5 milhões, preço do último projeto, para executar a obra. Essa é a verdade dos fatos. Um abraço...Ely Aguiar. O importante, para o povo daquela região, é que ela seja recuperada. Isso é o que interessa....

Dep. Estadual Ely Aguiar

Tudo pior do que dantes no quartel de Abrantes. Por: Ubiratan Iorio


Não é pessimismo. É pura e irrefutável constatação. Senão, vejamos rapidamente o que vem acontecendo na política, na economia, na ética e no plano dos indivíduos.

A frase "está tudo como dantes no quartel d'Abrantes" remonta ao início do século XIX, quando Napoleão invadiu a Península Ibérica e Portugal foi tomado pelas forças francesas. Uma das primeiras cidades invadidas por Jean Androche Junot foi Abrantes, próxima a Lisboa, em 1807. Lá, o general francês instalou seu quartel-general e se fez intitular duque d'Abrantes. Como D. João VI e sua corte no Brasil, Portugal estava politicamente acéfalo, o que permitiu a Junot se manter no poder sem resistências, gerando - a qualquer pergunta sobre como estavam as coisas - a resposta irônica, que passou desde então a designar situações em que nada muda.

A verdade é que o Brasil vem se transformando visivelmente em um gigantesco quartel de Abrantes, porém com uma diferença: a impressão que se tem é que, ao invés de tudo estar como dantes, tudo parece estar cada vez pior. Não é pessimismo. É pura e irrefutável constatação. Senão, vejamos rapidamente o que vem acontecendo na política, na economia, na ética e no plano dos indivíduos.

Na política, a briga por cargos entre a chamada base aliada do governo, especialmente entre o PT e o PMDB, é de causar indignação até a um inocente pardal pousado em um fio de uma rua de um bairro da periferia de qualquer cidade, tamanha a desfaçatez com que as hienas, abutres e corvos que se alimentam da carne do dinheiro público - vale dizer, dos "contribuintes" - lançam-se sobre os despojos. A disputa - que nada tem de nova, uma vez que costuma acontecer sempre que mudam governos -, está, sem meias palavras, atingindo as raias da indecência, já que nos oito anos do governo Lula o estado brasileiro foi inchado, intumescido e estufado por uma mistura de ideologia com ganância por cargos. Poderia escrever bem mais sobre a deterioração política, mas deixo-o deliberadamente de fazer por razões de asco. Estado limitado? Contenção de poder? A política brasileira está, sem dúvida, pior do que dantes.

Na economia, o dilema entre o regime fiscal irresponsavelmente deficitário e a preocupação do Banco Central com a inflação vai certamente obrigar o último a aumentar fortemente a taxa de juros básica, já que a bomba-relógio deixada por Lula, em sua ânsia de fazer sua sucessora para poder voltar em 2014, terá que ser desarmada, sob pena de voltarmos a correr um risco que não experimentamos desde 1994, quando o plano Real foi implantado: o risco da inflação fora de controle e, no limite, o da hiperinflação. As reformas que vêm sendo proteladas há anos - previdenciária, tributária, trabalhista e administrativa - não serão realizadas pelo governo da companheira Rouseff, por motivos óbvios.

Como o governo dos Estados Unidos vem emitindo dólares de maneira leviana, o ingresso de capitais externos vem ocorrendo a um ritmo prestíssimo, o que está levando os heterodoxos do novo governo a estudarem medidas inócuas para conter a valorização do real, como novos aumentos no IOF e a chamada quarentena, ou seja, restrições ao ingresso de capitais externos. Se essas práticas são certamente inofensivas para conter a queda do dólar, são bastante restritivas ao crescimento da economia, porque sem investimentos externos, a economia brasileira não terá condições de crescer a taxas razoáveis! As pessoas - e, entre elas, a maioria dos economistas, devido a defeitos crônicos em sua formação -, ainda falam barbaridades como "o dólar está fora do lugar", como se a taxa de câmbio não fosse um preço que, sob o regime de flutuação, deve oscilar mesmo. Os lobbies do setor exportador aumentarão suas pressões para que o dólar "volte para o seu lugar certo" que, certamente, pode ser definido como aquele que lhes permitirá lucrar mais...

A chamada "classe média baixa", que aparentemente melhorou em decorrência das políticas eleitoreiras de Lula, está endividada até o pescoço, haja vista o aumento na taxa de inadimplência registrado pelas associações comerciais.

A carga tributária, que vem aumentando governo a governo desde os tempos do eterno-poderoso Sarney (sendo que seu aumento nos oito anos de Lula superou todos os anteriores) deverá continuar subindo. Também na economia tudo está, sem dúvida, pior do que dantes.

Sobre o plano ético e moral - que deve sustentar os dois anteriores (o político e o econômico) - basta observarmos que, se aqueles estão tão mal, é porque os princípios éticos e morais estão visivelmente deteriorados. Apenas para citar um exemplo, a atitude do ex-presidente Lula, no último dia de seu mandato, apenas para proteger sua camarada Rouseff, de negar, ao arrepio do direito internacional e da boa diplomacia, a extradição do terrorista Cesare Battisti, condenado na Itália por diversos crimes comuns (decisão que vinha protelando há muitos meses), foi de causar vergonha ao Brasil perante o mundo democrático e civilizado. Um gesto imoral, sim senhor, porque reflete os pesos e medidas diferentes com que seu governo sempre avaliou diferentes condenados, de acordo com suas ideologias: Battisti é quase um herói sob o ponto de vista do Itamaraty de Lula, enquanto o cubano que fazia greve de fome e que acabou morrendo sem que o nosso Grande Guia o defendesse diante do ditador Raúl Castro, alegando o princípio da "autodeterminação dos povos", seria um anti-herói.

A ética e a moral do Itamaraty do ex-presidente é estranha mesmo. Um bandido julgado em seu país, a Itália, uma democracia, não é um bandido, é um "perseguido político", enquanto um cubano contrário à ditadura cinqüentenária dos Castro, julgado em seu país, uma ditadura, não é um perseguido político, mas um bandido, um condenado comum. Este único exemplo - dentre tantos outros, como o mensalão, o desrespeito de Lula em relação aos outros dois poderes e suas afrontas à legislação eleitoral - são suficientes para concluirmos que, em termos de ética e moral, também tudo parece estar pior do que dantes no quartel d'Abrantes.

Por fim, no plano individual, parece que a palavra de ordem é a velha "lei de murici", segundo a qual cada um deve cuidar de si, sem qualquer consideração para com os semelhantes. Um exemplo recente ilustra isso: no final do ano, fiz uma viagem à região dos lagos fluminenses e, obviamente, tive que enfrentar engarrafamentos, tanto na ida, no dia 29 de dezembro, quanto na volta, no dia 4 de janeiro. Fiquei impressionado com a quantidade de veículos que trafegavam pelos acostamentos, com o único propósito de passar a frente dos que se mantinham nas pistas em que o tráfego é permitido. Senti-me como se aqueles sujeitos, de diversas classes sociais, dirigindo desde fusquinhas 75 até carrões de última geração, estivessem todos gritando para mim: "você é um otário, porque obedece a lei". O pior é que não vi nenhum deles ser multado.

Pessoas com tamanho grau de egoísmo podem reclamar das roubalheiras de políticos? O que fariam caso fossem, digamos, deputados e lhes surgisse uma oportunidade de burlar os contribuintes para tirar proveito próprio? Pobre quartel de Abrantes!

Fonte: http://www.ubirataniorio.org/
Foto: Antonio Savio

Nova esperança no recomeço das obras da BR-116 no Cariri – postado por Armando Lopes Rafael


Obra no Cariri retomada nesta segunda
Fonte: O POVO, 09-01-2011
Rita Célia Faheina, repórter


O trecho em obras da BR-116, entre os municípios de Milagres e Brejo Santo e entre Jati e Penaforte, na Região do Cariri, terá a reforma retomada a partir desta segunda-feiras, 10. A informação é do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), com sede em Brasília. Os serviços, numa extensão de 70 quilômetros, são de responsabilidade da Construtora Delta que teve de paralisar os trabalhos por falta de pagamento por parte do Dnit. O órgão alegou que a suspensão do repasse do dinheiro para a empresa foi por conta de uma auditoria que seria feita para verificar se havia ou não irregularidades na execução dos serviços.


Segundo informações da assessoria de imprensa do Dnit, em Brasília, nesta segunda-feira, as obras de reconstrução da rodovia, pavimentação asfáltica e construção de pontes vão ser reiniciadas, mas não há ainda prazo para serem concluídas. Foram liberados em torno de R$ 13 milhões para a conclusão dos trabalhos. Com as chuvas que começaram a cair na região do Cariri, em dezembro do ano passado, o tráfego pelo trecho em obras ficou cada vez mais complicado. Um trecho que estava servindo de desvio para os motoristas teve de ser interditado porque o lamaçal e os estragos na pista impediam a passagem dos carros e, principalmente, de veículos pesados como caminhões e ônibus.
Foi necessário o prefeito de Brejo Santo, Guilherme Landim, autorizar o envio de um trator para a retirada das barreiras caídas e tornar a estrada improvisada possível ao trânsito novamente. Mas não havia sinalização no trecho. Na altura da ponte sobre o rio Tamamduá, a sete quilômetros de Brejo Santo, os próprios motoristas tinham de organizar o trânsito - que ficou muito lento, pois só permitia a passagem de um veículo por vez.
Manifestação
Caminhoneiros e políticos da região participaram de uma manifestação no dia 20 de dezembro do ano passado para chamar a atenção das autoridades federais sobre a situação da rodovia. Na ocasião, durante uma hora, o trecho ficou interditado para o tráfego de veículos e a população levou faixas e cartazes para o local - altura do quilômetro 493,5, nas proximidades de Brejo Santo. Segundo o deputado Wellington Landim, que encabeçou a manifestação, foram encaminhados requerimentos ao Dnit e à Construtora Delta para que os serviços fossem reiniciados.

Entenda a notícia
Desde 2010, as obras de recuperação da BR-116 foram paralisadas no trecho de 70 quilômetros na região do Cariri, provocando transtornos aos motoristas que trafegam entre Milagres e Brejo Santo. O motivo da paralisação foi suspeita de irregularidade na condução da reforma.

Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31