29 julho 2011

Compositor Haroldo Ribeiro presta Solidariedade a Dihelson Mendonça pela sua exclusão sistemática nos palcos da URCA


"Possivelmente o mais irrefutável, é que Dihelson ainda não entrou para os livros da história da cultura e dos homens de talento brasileiro, porque ele tem falhado como empresário. As pessoas mais bem sucedidas não são necessariamente as mais brilhantes, mas aquelas que conseguem jogar o jogo para chegar ao topo. Dihelson é um discípulo da cultura pura, em oposição à mercantil cultura aplicada, com pouca ou nenhuma facilidade em imaginar como lucrar com suas idéias. O mundo Neo liberal onde o imediato lucro econômico está acima de “tudo”, tem como principal objetivo evitar investimento, seja financeiro ou intelectual isto é, não existe o compromisso com a notoriedade de maneira apropriada. Visa-se apenas o consumo rápido, tipo fast food, que são imediatos mas não satisfazem.

Dihelson tem a idéia da criação da cultura baseada em experiências, ensinamentos, dedicação, onde o ser humano pode se desenvolver e ter acesso à grande soma de informações que os torna cada vez mais livre para pensar e tomar decisões, uma idéia assustadora a qualquer “capitalista de carteirinha”. Um verdadeiro gênio é alguém que não só é muito inteligente, mas também tem a imaginação, foco e criatividade para descobrir ou criar regularmente algo excepcional em seu campo e ele TEM!

Os donos do poder não sabem o que fazer com aqueles que são apenas altamente inteligentes, sem a centelha divina do gênio, imagine com o próprio! Que Você Dihelson, continue sendo essa pessoa que sempre encontra algo igualmente criativo e cultural para o bem da própria humanidade. Não se deixe abater. A cultura precisa de você. Sua inteligência incrível precisa de desafios!"

Haroldo Ribeiro
Músico - Compositor

Fortaleza, ceará - Julho de 2011

5 comentários:

  1. Meu querido amigo irmão Haroldo Ribeiro,em primeiro lugar que saudades,que bom ve-lo por aqui.
    Sobre o Dihelson Mendonça... não esquenta meu Dr.,pois ele é muito maior que isso,nós, você, eu e milhares de amigos que ele tem, sabemos da importância e o valor devido que ele merece,como também sabemos do valor artístico e cultural que o mesmo representa para o Crato e o resto país.

    Dihelson você nunca estará só nessa batalha,pois o melhor do homem é copartilhar a justiça.


    Jacques Bloc Boris
    Artista Plástico

    ResponderExcluir
  2. Sou solidário ao Dihelson, em suas publicações a respeito do palco sonoro 2011. Salientando, não concordâcia em sua totalidade.

    Quero aproveitar, parA esclarecer que quando um artista fica de "fora" por algum ou outro motivo..., de algum evento, sempre surge ou insurge aquele idéia de desabafo, rotulando a produção do evento de PANELINHA.

    Já tentei participar, do Festival Cariri da Canção, e não fui selecionado. No momento atribui também, conversando com amigos, o substantivo diminutivo PANELINHA ao festival. Acho isso normal...

    Quero lembrar, da luta do Dihelson por um palco alternativo na ExpoCrato, como também ressalto que já li publicações do Dihelson criticando o cachê, o som, a iluminação...em outras edições!!!

    Acho que o Dielson está certo. Mas também acredito que o artista seja menos exigente quanto existe possibilidades de quebrar imposições, como é o caso dos shows pago na ExpoCrato. Participando e tentando melhorar, com ajuda lógico!!!

    Só não entendo que as forças políticas do Executivo do Crato não enchergam, que há espaço para um palco alternativo gratuito na ExpoCrato, com cachê mesmo que seja simbólico, mas com um mínimo de qualidade, isso a URCA já tá conseguindo. Aqui no Pernambuco, todo evento, friso todo evento público/privado existe o palco alternativo, com qualidade.

    Finalizando, quero aqui parabenizar o Palco Sonoro da URCA, pois apesar de alguma deficiência, esse sim é alternativo e democrático, não acredito na exclusão por partidarismo ou vaidade. NÃO ACREDITO.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, Jacques, Obrigado Calazans!

    Ao calazans, eu quero parabenizar pela sua participação no Palco Sonoro. É um artista que há muito tempo busca o seu espaço, Eu sou testemunha desse comentário dele questionando se havia uma panelinha no Festival da Canção, no ano passado, acho, quando a sua música, infelizmente, não foi escolhida para participação. Calazans, se a coisa se repetir por 5 anos, velho, você vai ter a certeza que eu tenho hoje.

    Eu fiz aquele grito de guerra puxando a brasa para minha sardinha sobre o palco da Urca, pelo fato de que eu tenho sido sistematicamente ( todos os anos ) excluído.

    A mentira dos organizadores que eles tentam passar para as pessoas ingênuas, é que eu seria uma pessoa exigente e que poderia atrapalhar a organização DELES. Tudo mentira, pois eu realizo meus shows e concertos no Centro Cultural Banco do Nordeste, no SESC e em todos os lugares há 25 anos e nunca tive problemas com ninguém. Sempre cumpri meus compromissos, como maestro, fui arregimentador e coordenador de inúmeros eventos. pelo contrário, meu senso de organização de eventos é que me tornou uma pessoa muito reconhecida, quando muitos colegas operavam de forma amadorística e irresponsável.

    É desculpa esfarrapada. O fato é que eles tem mêdo de concorrência. Mas isso é o que eles vão ter daqui pra frente. Eu vou construir um esquema tão brilhante que EU é quem convidarei quem eu quiser. Eu tenho condições para isso. Espaços e apoio de todos os órgãos não me faltam. Cansei de esperar por essa turma aí que se faz de amigo e alguns pode-se dizer que são uns tremendos filhos da puta! - Sempre apunhalando a gente pelas costas.

    Eu já tive paciência demais com certas pessoas dessa cidade. Gente que se mete a fazer cultura, mas são uns babacas, que se aproveitam dos colegas músicos, que são os verdadeiros astros, pra usa-los como escadinhas para seus patéticos shows, empurrando-os em papéis secundários. Como Dihelson Mendonça não se dobra a isso...

    Mas quero aqui parabenizar todos os participantes dos eventos. Eles são nossos colegas músicos, estão nessa batalha. Eles não tem culpa pelo mal que os cartolas fazem. Há 4 anos excluído do processo, mas eu ainda iria fazer uma ampla cobertura fotográfica e de filmagem, quando me caiu a ficha e pensei "Cara, deixa de ser idiota, esse pessoal te queima todos os anos e você ainda vai fazer cobertura pra eles de graça ?" Então eu pensei "Sabe que é mesmo ?"

    A gente também tem que se dar valor!

    Abração, Calazans, Daniel Boris e ao meu irmao Haroldo Ribeiro, que é uma sumidade em música, tem composições gravadas por inúmeros artistas Brasileiros, e elogiado no exterior, mas sua humildade em saber que isso não aumenta nem diminui os dias nessa terra, o impedem de querer aparecer mais.

    Salute!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  4. A meu ver criticas feitas para profissionais competentes deveriam ser sempre bem-vindas e não significar exclusão, do músico no caso; ao contrário se deveria ter com ele o respeito de convida-lo, esclarecendo os limites e as vantagens que teria participando, para que ELE decida se aceitar ou não as condições que o evento oferece.

    Ao final existe um contrato?
    E como ter um grande nome como Fernanda Montenegro hospede na cidade e não convida-la para a inauguração de um teatro, porque se ouviu dizer que ela criticou o teatro de outra cidade.
    Isso seria igualmente escandaloso, imoral.

    É questão de princípios, quando temos que dar o exemplo para as novas gerações acreditar que preparando-se melhor profissionalmente estudando mais, serão reconhecidas e não ficarão adquirindo sucessos imerecidos no futuro, com sorrisos e favores.

    Todo mundo teria mais qualidade de vida porque o conceito é geral, hoje não pudemos nem nos lamentar-mos se quer, para o técnico da geladeira ter feito um mal trabalho e ter cobrado caro, porque tudo funciona de forma errada.

    O que queremos qualidade ou quantidade? O que fazemos para obterás?

    Essa é uma causa minha também a favor da justiça pela arte, arte com a qual trabalho e convivi a vida inteira, preciso defender a responsabilidade que se tem, para que o entusiasmo da minha profissão continue sem mecanicismo, enxergando o melhor do que vinha feito no passado, porque o melhor transmite, identifica o presente e o presente de um artista do passado ajuda a construir o nosso presente.

    Dihelson tem razão plena quando quer o melhor no palco aonde se apresenta e deve ser sofrido para ele, quando tem que respeitar os limites dos organizadores porque não se tem o que fazer para o que vai apresentar seja o melhor.

    É o extremo do respeito para o público que ele está tendo com a sua atitude e o público deveria entender e aprovar isso.

    Dar valor a quem merece é realmente o mínimo que o Crato deveria aprender a fazer com quem dá o melhor de se por essa cidade.

    Agradeço e me desculpo para o meu português.

    Maria Gabriella Federico

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pelas palavras, Gabi,

    Infelizmente somos obrigados a sempre repensar SE o Crato vale a pena.

    A luta para se transformar essa cidade em algo melhor é grande demais. Há muitas pessoas que pensam de forma justa, que trabalham por uma vida melhor para esta cidade, mas há uma maioria esmagadora que atrapalha, que arrasta o Crato para trás, que não quer ver essa cidade se desenvolver e ser feliz.

    O Blog do Crato é uma espécie de resistência a tudo isso. Como uma luz tentamos mostrar que é possível se imaginar um futuro melhor, e nossos inimigos tentam ESCONDER esse espaço dos olhos do público, como tentaram na Mostra Crato de Cinema e Vídeo, ao omitir a parceria que a Secretaria de Cultura tinha para com o Blog, o apoio que nós damos, como tentaram esconder o nome do Blog do Crato naquele evento que premiou uns 500 artistas aqui do Cariri.

    Mas isso é apenas para provar a imensa INNVEJA que esse pessoal tem de nós. Ninguém pode ser invejado se não for grande, pois não se invejam os que estão por baixo, apenas os que estão por cima.

    De modo que este espaço já existe há 6 anos, e acho que temos contribuído e MUITO para movimentar as idéias de um Crato renovado, de uma cidade que busca resgatar seu espaço, o espaço que antes tinha e foi perdido com o tempo.

    Talvez eu não viva para ver ainda as grandes coisas, as sementes que o Blog do Crato já lançou para os caminhos indefinidos do futuro, mas nossos filhos hão de ver as milhares de crônicas de autores caririenses, a crônica de uma cidade, as notícias que movem os nossos destinos.

    No plano pessoal, a única coisa que consegui por sacrificar uma carreira artística em ascenção foram milhares de noites e dias sem dormir, um envelhecimento precoce, e várias doenças decorrentes de stress e de cansaço extremado, como hipertensão, Labirintite, zumbido no ouvido, Retinopatia Serosa Central, que debilitou muito a minha visão por passar 8 horas na frente de um computador, além de várias outras.

    Tanto esforço por uma cidade onde os cartolas não reconhecem o nosso esforço. Por isso, Gabi, hoje em dia acho que já me doei demais a essa cidade de pessoas tão medíocres, que produzem uma espécie de arte tão primária como o faziam no século XIX quando o Gardner estêve aqui, mas vivem a se rejubilar e ousam chamar de arte, celebrada por aqueles outros que nada entendem, e endeusados por seus próprios bajuladores.

    De certa forma, há tanta coisa ruim sendo feita, que é bom manter mesmo uma distância desses "processos" primitivos.

    Sempre lamentei muito que você, Gabi, tenha largado um ambiente de Arte e de Cultura verdadeira, como a cidade de Roma, para viver na irritação de uma cidade aonde os idiotas é que fazem a festa. Minha amiga, repense a sua existência enquanto é tempo. Esta cidade e este povo podem não valer a pena mesmo, e você pode estar certa desde o início!

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.