23 maio 2011

MAIS QUE PALAVRAS... Por Claude Bloc


Para quem circula pelas estradas do Ceará, um cenário contundente. Enquanto a beleza da paisagem passa pela janela, os solavancos vão acabando com os transportes e com a paciência da gente. Os passageiros não têm o devido sossego no transcurso da viagem e vão se retorcendo nas poltronas suspirando de impaciência. Os motoristas precisam de atenção redobrada e não podem nem sonhar em mudar a rota.

São aproximadamente 235km de Sobral a Fortaleza. Um percurso que, em tempo normal, levaria umas 3 horas e meia de carro no máximo. Hoje, pela BR222 cheguei ao destino com os "bofes de fora", depois de 5 horas e 15 minutos.

Há trechos que nem mais asfalto tem. Umirim, por exemplo, na sua passagem urbana da BR222, está completamente esburacada. É uma bagaceira total de lama, piçarra solta, buracos de todos os tamanhos, remendos mal feitos e poeira "comendo de esmola".

As fotos falam por si.

Trecho da BR222 - nas imediações de Irauçuba

Trecho da BR222 - nas imediações de Irauçuba (mais adiante)

BR 222 - trecho nas imediações de Itapajé (a caminho de Umirim)


Trecho da BR222 ( a 29 km de Umirim)

BR222 - trecho na saída de Umirim (na cidade ainda é pior)

Saída de Umirim pela BR222
Por Claude Bloc

5 comentários:

  1. Parabéns, Claude Bloc, pela MARAVILHOSA reportagem, muito mais autêntica, verdadeira do que muitas que tenho visto. Nada como a gente conferir "In Loco" a calamidade porque passam as estradas cearenses.

    E no Trecho Crato - Nova Olinda acontece o mesmo problema. No trecho Faris Brito - Varzea Alegre, a estrada praticamente se desmanchou.

    Aliás, este trecho farias Brito Várzea Alegre já foi refeito umas 2 ou mais vezes há pouco tempo.

    Parece que a coisa já é feita no sentido de se desmanchar logo, materiais de terceira qualidade, ou mão-de-obra sem vergonha para que elas durem tão pouco.

    O Deputado Heitor Ferrer está aí tentando criar uma CPI para investigar as licitações e construtoras, porque não é possível que estradas feitas há tão pouco tempo já estão se desmanchando como sonrisal na água.

    Será que tem alguma marmelada nas construtoras que ganham as licitações ??

    Será que usam material fraco ??

    Porque antigamente o asfalto das estradas durava décadas e hoje não resiste a um inverno ? Alguma coisa mudou. Alguma coisa tá fedendo muito mal nessa história toda.

    Abraços, Claude!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo apoio. Dihelson.

    Eu que circulo pelos três trechos críticos citados aqui, digo a você que as viagens - que já são longas - quando acontecem por essas rodovias, tornam-se um suplício.

    E não dá pra escapar. Outro dia vim pela BR 116 e não foi nada melhor. Há um trecho (sobretudo) em reparo pro lado de Brejo Santo que nunca termina...Quando chove, perde-se mais de 1 hora para se andar 4 km.

    Abraços, Dihelson.

    Claude

    ResponderExcluir
  3. Ou seja, as estradas do ceará estão destruídas. Como eu disse, bom ouvir o relato de quem passa por elas. E eu sei que a Prof. Claude trafega por esses trechos.

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  4. Prezados Dihelson e Claude.

    O Mais vergonhoso de tudo é que no momento existe uma briga dos governos estadual e federal. Cada um mostra os buracos do outro, assim como se um buraco federal mais um buraco estadual não desse dois buracos. Como se um justificasse o outro. Pouca vergonha.

    ResponderExcluir
  5. pois é Dihelson.... é o descaso com a aplicação do dinheiro público. São os impostos que pagamos que são jogados no esgoto.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.