xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 05/09/2010 | Blog do Crato
.

VÍDEO - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - Prefeito do Crato é escolhido um dos melhores prefeitos do Ceará pela PPE Eventos, em Fortaleza. ( 09-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

05 setembro 2010

Em busca da felicidade II – Por Magali e Carlos

* Magali de Figueiredo Esmeraldo
* Carlos Eduardo Esmeraldo

Confesso que a primeira vez em que eu ouvi falar em Tomé-Açu, as bases da minha estrutura emocional balançaram. Estava há dois meses em Belém, trabalhando no setor de orçamento e licitação da Engenorte Ltda, uma construtora paraense, especializada em obras de saneamento. Foi numa manhã de um sete de setembro, quando eu assistia ao desfile militar do sesquicentenário da nossa independência, no 12° andar do prédio onde funcionava o escritório da empresa. Terminado o desfile, o dono da construtora veio ao meu encontro e comunicou que eu iria gerenciar a obra de pavimentação primária de uma estrada entre Tomé-Açu e Paragominas. E laconicamente me disse que eu viajaria no dia seguinte. Aconselhou-me viajar de barco, para melhor apreciar as belezas da mata amazônica. O mesmo barco que iria conduzir os tratores, caminhões e demais equipamentos necessários ao desenvolvimento dos trabalhos.

Na verdade, o barco não era bem um barco, mas um barulhento rebocador, com uma cabine coberta, como se fosse um coxo, onde havia dois estrados nas laterais. Saímos às oito horas da noite, de modo que não foi possível apreciar as belezas da selva amazônica. Assim também, como foi difícil conciliar o sono, com o barulho ensurdecedor do motor do rebocador.

Cheguei a Tomé-Açu pela manhã. Era uma cidade triste, às margens de um rio bastante largo, com construções simples, todas elas de madeira e repleta de rostos orientais. Fiquei sabendo que ali era a terra da pimenta do reino, plantada em grande quantidade pela colônia de japoneses e seus descendentes, radicados no Pará há mais de trinta anos.

No hotel, indicaram-me um certo Osamu, nissei de voz macia e muito simpático, ao qual contratei seus trabalhos de transporte numa Kombi, enquanto não chegava uma picape que serviria para meus deslocamentos.

Osamu conhecia tudo na região. Depressa me mostrou os locais do município, composto por duas vilas: Quatro Bocas da Jamic, onde ficava o aeroporto, a sede da cooperativa dos plantadores de pimenta, a igreja e o padre italiano, com o qual depressa fiz amizade. A outra vila seria Quatro Bocas do Breu, onde ao lado da estrada eu escolhi o local para montar o acampamento.

Enquanto Carlos trabalhava para economizar um pouco para alugar e comprar os móveis da nossa casa, eu terminava meu curso de História em Crato. Para amenizar as saudades, escrevíamos todos os dias um para o outro. Dávamos muito trabalho aos carteiros. Contávamos os minutos e os segundos para chegar esse tão esperado dia. Tínhamos certeza que nossa união ia ser para a vida toda. Seria muito bom que todos os casais pensassem assim, pois haveria menos separações.

Depois de três meses de trabalho em Tomé-Açu, solicitei cinco dias de licença para casar, aproveitando o feriado de oito de dezembro, o final de semana e os dias necessários à nossa viagem. Para minha surpresa, o meu chefe me liberou até o dia vinte de dezembro e me deu a passagem aérea até Fortaleza, como presente. Após nosso casamento, chegamos a Quatro Bocas do Breu no dia 18 de dezembro e no dia seguinte fomos a Belém, pois tinha que participar da licitação de uma obra.

Quando chegamos a Quatro Bocas do Breu, um pequeno povoado no meio da Floresta Amazônica, que pertencia à cidade de Tomé Açu, no Pará, eu fiquei emocionada ao pisar pela primeira vez na casinha branca, toda de madeira, que seria o nosso lar. Após seis dias de casados, três dos quais enfrentando a longa viagem de Crato a Tomé Açu, foi um alívio chegarmos para vivenciar a nova etapa de nossas vidas. Tudo era novo para mim, que chegava ali pela primeira vez. Carlos já estava há seis meses trabalhando e, foi ele que organizou nossa morada. Tudo muito simples, pois ele não sabia até quando ficaríamos ali. Está ainda bem nítido na minha memória como era a casa e o que tinha dentro dela. Uma cozinha com um fogão de quatro bocas e um pequeno armário de madeira rústica, construído lá mesmo. Um pote com água e uma quartinha, pois não havia energia elétrica. A energia chegava só a noite, de um motor da Construtora Engenorte e as luzes se apagavam as nove horas da noite. A sala tinha uma mesa feita também com madeira local envernizada de amarelo e quatro tamboretes. Havia um banheiro. No canto da sala tinha a escadinha que subia para o nosso quarto. Os móveis do quarto eram no mesmo estilo dos da sala. Simples e rústicos. Um guarda roupa e uma cama de casal. Carlos tinha um rádio de pilhas que não pegava durante o dia, somente à noite. Tínhamos também uma radiola portátil de pilhas e alguns discos e livros.

Embora tivéssemos recebido muitos presentes de casamento: pratarias, bandejas de inox, bomboniere, nada disso iria servir para essa vida que levaríamos. Por isso ficaram guardados no Crato, na casa de meus pais.

Havia um único armazém na vila, que era composta por uma pequena rua de casas, que cortava a estrada em cruz, daí a origem do nome Quatro Bocas. O interessante é que no dia seguinte à nossa chegada, fomos abastecer nossa casa nesse armazém. Nele compramos panelas, pratos, talheres, copos e produtos alimentícios. O armazém era muito sortido, quase um mini-mercado dos dias de hoje. Seu proprietário era um japonês muito simpático que também era dono da casinha de madeira onde morávamos.

Mesmo morando nesse pequeno povoado da Floresta Amazônica, vivendo com simplicidade e tendo que tomar toda semana remédios para evitar a malária, eu e Carlos aceitamos a nova vida e enfrentamos os desafios para fazermos a felicidade um do outro. Isto nos provou que podemos ser felizes na simplicidade. A verdadeira felicidade não vem das coisas materiais, do conforto, mas sim do amor, do respeito, da compreensão, da união, do diálogo e da confiança em Deus.

Carlos trabalhava todos os dias e folgava apenas no domingo à tarde. Mas vinha almoçar em casa. Nas tardes de domingo saímos passeando pelos igarapés (riachos), e muitas vezes ele me ensinava a dirigir. Aproveitávamos para ir à missa numa outra vila próximo a Tomé-Açu. Às vezes o padre italiano passava filmes antigos no salão paroquial. Para um lugar que não tinha televisão, mal pegávamos as rádios, era um ótimo programa.

Quando eu ainda estava em Crato, Carlos trabalhando em Tomé-Açu, ele me contou que viu uma onça grande atravessando a estrada em plena selva. Intensifiquei minhas orações pedindo a Deus que o livrasse de todos os perigos. Quando já estávamos casados, o horário dele chegar em casa era sempre seis horas da tarde. Um belo dia, ele teve que atravessar o Rio Capim para acompanhar os trabalhos da estrada próximos a Paragominas, e não pode chegar cedo, nem tinha com me avisar, pois não havia telefone. Passou do horário em que ele costumava chegar. E eu fiquei muito preocupada, pensando ter acontecido alguma coisa, pois já eram nove horas da noite. Chorava e fazia minhas orações pedindo a Deus que Carlos estivesse bem, pois naquele momento estávamos começando a construir nossa vida a dois, em busca da felicidade. Para a minha alegria, Deus ouviu minhas preces e logo ele chegou são e salvo.

Não havíamos completado um mês que nós dois morávamos nessa casinha, quando começaram as chuvas. Chovia tanto, e com tanta intensidade, como jamais eu havia visto na minha vida. Nossos trabalhos foram paralisados, pois até os tratores atolavam no lamaçal em que se transformou o solo paraense. Foi então que recebi pelo malote uma ordem para me apresentar com urgência à direção da empresa em Belém. Pensei que fosse um aviso de demissão. Mas quando lá cheguei, fui convidado para almoçar com o meu chefe em seu apartamento. No final do almoço fui informado que a obra de Tomé-Açu ficaria paralisada até julho e seriamos transferidos para outra estrada em Goiás. Outra viagem, novas aventuras.

Por Magali de Figueiredo Esmeraldo e Carlos Eduardo Esmeraldo

A GENTE SOMOS UNÚTEL?

                  

O meu cavalo alazão
Come capim toda hora
Por que motivo ou razão
Vou me importar com quem chora?


Os Mestres da Cultura ainda não receberam o dinheiro referente as apresentações na Exposição Agropecuária do Crato - ExpoCrato-2010. Não vou escrever muitas linhas sobre este tema tão recorrente que, para mim, é como uma cantilena grilenta, fastidiosa.  Uma pessoa como Mestre Antonio Aniceto possui uma sabedoria tão simples que é difícil de ser captada pela mente espelhada na vaidade. Antonio imita o Pato Donald, vocês sabiam?  É como comer tamarindo sorrindo!, você me entende? Não?! Que tal farinha lactea com pimenta do reino encantado do esquecimento? O que sei é que a grana pra pagar essa gente é tão pouca que se a gente promovesse um bingo... Ah!, deixe pra lá!...

Ulisses Germano
Crato, 
domingo antes da 
da pendência de nossa independência. 



P.S.
O meu cavalo alasão
De Pégaso é amigo
Inspira inspiração
Quimeras do meu umbigo

Desfile cívico 2010 em ponta da serra Por: Antonio Correia Lima

Há alguns anos, as escolas da Zona Rural do município do Crato vêm realizando os desfiles cívicos em data anterior ao dia 7 de setembro, visando oportunizar as pessoas prestigiar o desfile da cidade.

Nesse sentido, a E.E.I E.F José Bizerra de Britto e a E.E.M. Joaquim Valdevino de Brito, ambas situadas na sede do distrito de Ponta da Serra, realizaram o desfile cívicos deste ano, na manhã deste sábado, dia 4, pelas principais ruas da sede.

O evento que contou com, aproximadamente, 1.200 alunos, teve no seu palanque oficial o Senhor Prefeito Samuel de Alencar Araripe, o Secretário de Agricultura, Erasmo Ferreira, o padre Raimundo Ribeiro Filho, pároco da Paróquia de São José Operário, Antonio Ferreira Leite ( Ex-vereador) e os suplentes de vereador Antonio de Mano, Gury e Henrique Leite.

“Política e Cidadania” foi o tema principal deste ano, trabalhado durante a semana, inclusive, com a realização de um simulado do Plebiscito, que está sendo aguardado com grande expectativa pela população do distrito, que irá dize, em breve, sim ou não a sua emancipação política.

A cobertura jornalística do evento ficou por conta da TV Verde Vale e do Sistema de Comunicação de Ponta da Serra( Amplificadora, Jornal e Blog).

Estão de parabéns os organizadores de mais esse grande evento realizado na comunidade Isso vem mostrar que Ponta da Serra, realmente, já deve ser emancipada.

Coletivo promove oficina de formação para novos integrantes


Umas das exigências para ser do Coletivo Camaradas é estudar sobre arte numa perspectiva histórica e social. O grupo desenvolve um trabalho de arte que envolve a compreensão da arte relacionada com a estética, política, cultura e educação.


Os Camaradas visando agregar novos integrantes e possibilitar o entendimento das idéias defendidas pelo Coletivo realizará no período de 16 a 18 deste mês, no auditório do Centro Cultural do Araripe, no Crato, a Oficina “O que é o Coletivo Camaradas?”.


A oficina tem como objetivo abordar temas como a história do coletivo, arte e marxismo e o papel político do Coletivo Camaradas. Além das abordagens teóricas e informativas serão realizadas intervenções urbanas, na qual os participantes poderão vivenciar um pouco do fazer e pensar artístico do grupo.


As ações vivenciais serão desenvolvidas pelos artistas Ricardo Campos, Marlon Torres, Fatinha Gomes, Amanda Priscila e Edival Dias.


A estudante Janaina Felix, integrante do Coletivo, destaca a importância da oficina para aproximação com o próprio universo da arte. Ele frisa “defendemos que a arte faça parte da nossa vida”.


A atriz Sâmia Xavier enfatiza que o coletivo não faz arte pela arte, mas uma arte política, com um aspecto revolucionário. “Esse talvez seja o nosso diferencial e fazemos questão de mostrar”, ressalta a atriz.


O artista e acadêmico do curso de Artes Visuais da Universidade Regional do Cariri, Ricardo Campos diz que a sua motivação em participar do Coletivo é a idéia de discutir e propor ações nas periferias. Ele comenta ainda que é importante a ponte feita pelos Camaradas em propiciar o dialogo da arte contemporânea com o povo.


A oficina é direcionada para as pessoas que tenham interesse em ingressar no Coletivo. As inscrições poderão ser efetuadas pela internet, basta enviar um e-mail manifestando o seu interesse para coletivocamaradas@gmail.com


Serviço:
Oficina “O que é o Coletivo Camaradas?”
Dias 16 e 17 de setembro, das 18h30 às 21h00
Dia 18, das 8h00 às 12h30
Local: Auditório do Centro Cultural do Araripe
Informações adicionais:
(88)99772082

Padarias espirituais no Cariri - Por Emerson Monteiro


Recebemos do jornalista e escritor Franco Barbosa um e-mail informando que, nesta segunda-feira (06 de setembro de 2010), chegarão ao Cariri 12 toneladas de livros encaminhados de Brasília por Elmano Pinheiro Rodrigues. Esse material se destina às bibliotecas comunitárias de Juazeiro do Norte, aos assentamentos do Crato e às bibliotecas comunitárias de Mauriti, Barbalha, Araripe e Antonina do Norte CE, dando seguimento ao projeto das Padarias Espirituais iniciado por Elmano Rodrigues em todo o Brasil. A proposta de Elmano é incentivar a preservação da memória das personalidades locais nas comunidades onde elas viveram e prestaram serviço, as quais, com o passar do tempo, ficariam esquecidas na memória social, adotando seus nomes para as novas bibliotecas fundadas por ele. Um dos exemplos que apresenta: Abelardo Arrais, líder no distrito de Quincuncá, em Farias Brito, o qual, para resgatar memória e obra do líder, realizou na localidade a instalação do que considerar uma padaria espiritual, referência ao movimento literário cearense do final do século XIX, em Fortaleza, capitaneado por vários intelectuais, dentre os quais o escritor Antônio Sales. Tinham preocupação idêntica, de fomentar o gosto pela leitura no seio da grande população, através de constantes atividades de divulgação das obras literárias.

No seu ofício profissional, Elmano Rodrigues se movimenta com desenvoltura junto às editoras e autoridades, tanto na Capital Federal quanto no Sudeste do Brasil, reunindo por doação livros e conseguindo o transporte destes aos lugares mais distantes que sejam do território brasileiro.
Os livros são adquiridos junto a ministérios, editoras, universidades e secretarias, sobretudo no Distrito Federal.

Para iniciar uma padaria espiritual, ele oferece a primeira cota de 500 livros, aos quais depois virá reunir novas publicações, a depender do interesse de quem se dispuser a levar em frente o trabalho inicial.

Coluna Armando Rafael -- notícias do Cariri


A unanimidade de Crato
Uma multidão – calculada em cerca de 50 mil pessoas – desceu dos bairros e encheu a Praça da Sé e adjacências, na última quarta-feira, dia 1º. Todos queriam participar da procissão em honra a Nossa Senhora da Penha, Rainha e Padroeira de Crato. Quem mais poderia juntar tanta gente nesta cidade? Ninguém! Só a Mãe da Penha consegue tal proeza. Sua devoção está enraizada no sentimento religioso de todas as camadas sociais desta heráldica e nobre Cidade de Frei Carlos. Há tempos se vem dizendo que com o crescimento das seitas religiosas, a ambição do consumismo desenfreado, a televisão imoral e a dissolução dos bons costumes, a porcentagem de católicos em Crato estaria diminuindo. Balela! O que se assistiu na última quarta-feira foi a maior manifestação religiosa já acontecida nesta maltratada Princesa do Cariri. Deveria servir de reflexão...

Barbalha cresce
Bulandeira, Estrela e Lagoa. Estes nomes de antigos sítios – localizados nas cercanias de Barbalha – servem agora para nominar novos bairros citadinos da Terra de Santo Antônio dos Verdes Canaviais. Devido ao grande número de construções os novos bairros estão a exigir investimentos em pavimentação, redes de água e esgoto, etc.

Centro de Convenções, o lado claro
Finalmente, os blocos de construção do Centro de Negócios e Convenções do Cariri (maquete ao lado) – localizado na Avenida Padre Cícero, esquina com a futura Avenida Fábio Pinheiro Esmeraldo, no município de Crato – estão prontos. A próxima etapa será a de aquisição dos móveis e equipamentos, a ser feita dentro de noventa dias. O Centro de Convenções é um projeto de equipamento de alcance regional, cujo objetivo é abrigar feiras, seminários, congressos, convenções e eventos os mais diversos. Conta com áreas para exposições, auditórios (principal e menores), salas multiuso, dentre outros. Outro benefício dessa construção será a exigência de pavimentação das vias públicas urbanas próximas ao Centro de Convenções, o que vai beneficiar diretamente o novo bairro Conjunto Padre Cícero, um dos que mais crescem em Crato.

O lado escuro
Mas nem tudo são flores nas cercanias do Centro de Negócios e Convenções do Cariri. A edificação mostrou que as construções naquela região da cidade (Conjunto Padre Cícero, Muriti e São José) proporcionaram impacto ambiental, como o lançamentos de dejetos no Riacho São José. Considere-se que a vasta área citada tem deficiência no abastecimento d’água, iluminação elétrica pública, transportes e coleta de lixo, além de não ser servida por rede de esgotamento sanitário. Também não dispõe de espaços públicos de recreação (praças, parques ou passeios). Enfim, são problemas análogos aos que hoje afetam a conurbação Crajubar.

Já era esperado
Finalmente o Governo do Ceará informou o que todos suspeitavam: o Metrô do Cariri está dando prejuízo. Vários fatores contribuem para que o Metrô esteja no vermelho. Dentre eles, a má localização das estações que não atingem os principais bairros periféricos de Crato e Juazeiro do Norte, pois foram aproveitados os antigos trilhos da antiga Reffesa, instalados em 1926. Hoje ônibus e "vans" – utilizados no percurso Crato-Juazeiro – transitam pelos principais bairros mais de ambas as cidades, deixando os passageiros próximos ao destino, o que não ocorre com o Metrô. Mal planejado, o Metrô do Cariri precisa ter seu projeto original repensado.

Paisagem cinzenta
Chegaram os meses do bê-erre-obró que encerrarão este pífio 2010. Além do calor, a bela paisagem caririense já começa a ficar cinzenta. Há mais de sessenta dias não chove no verde vale. Focos de queimada já aconteceram. Agora é ter paciência e pedir a Deus que em janeiro ocorram as primeiras chuvas. Enquanto isso lembramos mais uma vez: a Secretaria de Meio Ambiente do Crato precisa providenciar um carro pipa para aguar as palmeiras adultas que foram plantadas em diversos locais da cidade. Nas avenidas José Alves de Figueiredo e Maildes de Siqueira algumas árvores já apresentam folhagens secas e correm o risco de morrer se não receberem água.

Curtas
*** Quem vai chegando a Missão Velha à noite, avista de longe a torre da Matriz de São José toda iluminada. A iluminação – com várias cores – modificou a paisagem noturna de Missão Velha. Beleza! Uma ótima iniciativa que deveria ser imitada pelos demais párocos do Cariri.
*** Piora, a cada dia, os problemas do trânsito na conurbação Crajubar. Somente em Juazeiro do Norte existem dez concessionárias de motos que vendem cerca de 900 desses veículos todo mês, ou seja, cerca de 10.800 motos por ano.
*** Tão logo retorne de Bogotá, no final deste mês, dom Fernando Panico fará nova viagem ao exterior. Desta feita a Santiago de Compostela, Espanha, aonde representará a CNBB num encontro sobre congressos eucarísticos.
*** Aos 93 anos de idade, monsenhor Ágio Augusto Moreira começou a escrever novo livro. Abordará os fundamentos e a história da invocação a Nossa Senhora das Dores.
*** O escritor e jornalista Prof. Daniel Walker – que era o maior entusiasta das comemorações previstas para o Centenário de Juazeiro do Norte – desiludiu-se com o andar da carruagem. Pediu afastamento da comissão que prepara as festas centenárias da vizinha cidade.
*** No Cariri, o prefeito de Juazeiro do Norte, Manoel Santana (PT) é o que tem maior desgaste junto à população, certo? Errado! Quando o assunto é desgaste, o prefeito de Barbalha, José Leite (PT), proporcionalmente ganha disparado do desgastado colega juazeirense.
*** O Prêmio Jabuti é a maior honraria concedida a um livro brasileiro. Em 2010 ele será outorgado a 21 obras selecionadas entre diversas categorias. Para ganhar o prêmio deste ano o livro tem que ser inédito e ter sido editado entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2009. Entre os finalistas para ganhar o Prêmio Jabuti de 2009 está o livro Padre Cícero – Poder, fé e guerra no sertão, do jornalista e escritor Lira Neto. A obra esteve – durante algumas semanas –entre as mais vendidas no Brasil, conforme levantamento da revista Veja.

A POÉTICA DE WILSON BERNARDO...CARIRI ENCANTADO de AMORES PERDIDOS.


A FRITURA DA ALMA.


Nosso amor sempre foi
Feito do sal
Quando amanheceu insosso
Veio outro alguém e temperou
Com uma pitada de mar
Não me queira má
De tudo um dia poderemos
Um peixe fritar.


Wilson Bernardo (Poema & Fotografia)

PALHAÇOS E PALHAÇOS - Xico Bizerra

Gosto dos palhaços! Dos de verdade, dos patrões da fantasia, não daqueles que praticam palhaçadas tristes e vergonhosas nos planaltos brasileiros nos dia-a-dias de hoje. Gosto dos palhaços que fazem rir de alegria as crianças e seus avós. E hoje eles são tão poucos, quase não os vemos mais. Não choremos: os palhaços de verdade ficarão para sempre. Os outros, se irão na poeira da vergonha, da hipocrisia. Ficará a alegria dos alegres, daqueles que mesmo desconfiando que enquanto nos fazia rir sua esposa o traía no camarim do mágico. Mas isso ele resolveria depois. Naqueles momentos, seus olhos pintados, sua bocarra vermelha, sua máscara tinham também o objetivo de ocultar do mundo seu sofrimento, sua dor. Seu ofício, nobre, era nos fazer rir. Ainda hoje gosto dos palhaços. Apenas dos de verdade. Não tolero o Guia Eleitoral.

VÍDEO - Prefeito Samuel Araripe fala aos Cratenses sobre o Problema do LIXO na nossa cidade



Em entrevista concedida ao Blog do Crato já há algum tempo, o Prefeito Samuel Araripe falou coisas muito importantes no que diz respeito ao comportamento que deve ter o cidadão à respeito da Coleta do Lixo, e os seus projetos em relação à reciclagem e ao destino final. Um assunto interessante para quem não assistiu ainda e que vale a pena ver de novo para quem já assistiu.

Dihelson Mendonça
TV Chapada do Araripe

Centro Cultural Banco do Nordeste - Pacotão de Teatro !

Se você gosta de teatro, o Centro Cultural Banco do Nordeste oferece ótimas opções nos próximos dias. Confira a Programação:

bnb teatro 03


bnb teatro 02

bnb teatro 01


Fonte: Centro Cultural Banco do Nordeste-Cariri

Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30