01 dezembro 2010

Um depoimento que levarei para a eternidade - Da minha primeira professora - Por: Dihelson Mendonça


Meus amigos, não é todo dia que temos o prazer de receber um presente como o que acabei de receber: Um depoimento de uma das minhas primeiras professoras, quando ainda estudava na cidade de Farias Brito-CE. Francisca Francineide de Oliveira, nome que nunca me saiu da memória, e que guardo com extremo carinho os seus ensinamentos. Para mim, muito mais valiosos do que muitos diplomas e troféus que já recebi na vida:

"Dihelson, te conheci criança. Menino simples, estudioso e já apontava em ti essa força, essa determinação de vencer na vida. Você ao nascer, já trouxe nas veias o dom da música, pois a família MENDONÇA tinha no seu seio um integrante que tocava um instrumento musical com exímia perfeição. Afirmo isso porque pude presenciar essa pessoa da qual estou falando ( seu tio), tocar muito bem um sax. Olha a quem você "PUXOU". Menino homem, te admiro muito, parabéns pelo sucesso que vens fazendo em todas as tuas atividades. Sinto-me com a coragem de te enviar esse comentário, porque há algum tempo atrás, na minha cidade de Farias Brito fui tua professora, na sala de Alfabetização e nessa época você já era responsável, estudava bastante e eu te amava muito por todas as ações e atitudes que praticavas na tua iniciação estudantil. Mais uma vez te parabenizo, pois és uma pessoa maravilhosa, mesmo fazendo algum tempo que não tenho contato contigo pessoalmente, porém estou sempre acessando o seu Blog.

Um abraço afetuoso da tua ex-professora:

Francisca Francineide de Oliveira Lima"

Preparei aqui uma pequena resposta para minha querida amiga Francineide:

"Minha querida e amada professora, Francisca Francineide de Oliveira; Nome que jamais saiu da minha memória em qualquer tempo; Pessoa a quem amo como quem ama a própria família. Sou-te grato não só pelas belas palavras que pronunciaste, mas sobretudo, pelo imenso amor, dedicação de todas as horas durante todo aquele período, e o exemplo de vida, que nos inspira. Na verdade, eu sempre a idolatrei, e és de todos os professores que já tive, a minha principal fonte de inspiração na retidão e nos grandes valores ensinados.

Se hoje eu sou algo, e gozo de uma vida feliz, devo em grande parte aos teus ensinamentos, tão sábios. Pois foi através de ti e ainda de uns poucos, que aprendi a arte do respeito ao ser humano, do eterno gosto pelas ciências, o despertar para grandiosos e elevados sentimentos e admiração aos desbravadores das ciências, que se consumariam numa torrente de realizações que hoje marcam a minha existência.

Não é pois, nenhum exagero da minha parte quando faço uma pausa para render-lhe louvores pela tua existência. Deus, em sua infinita sabedoria e extrema bondade, a pôs diante de mim, para que meus caminhos pudessem ter se alargado em conhecimentos, e formado avenidas cada vez mais ilumidadas e felizes.

Neste momento sublime, sinto lágrimas a escorrerem freneticamente por sobre a minha face. Mas não são lágrimas de tristeza, e sim, de felicidade, de realização. São lágrimas que durante anos ficaram guardadas, esperando o momento oportuno de virem ao mundo como filhas únicas, e testemunhas importntes de momentos tão únicos.

Agradeço mui e gentilmente pelas tuas carinhosas palavras. Mas agradeço muito mais por tudo que sou, que devo em grande parte a ti. Toda uma geração passou pelas tuas mãos. E se há algo que precisamos exercitar e manter no constante aprendizado da vida, é a reverência aos nossos mestres, a gratidão, a retidão de caráter, e o amor, que deve sempre nortear aqueles que desejam para si e para o nosso mundo um local de paz e de harmonia.

Obrigado, por uma vida de dedicação a essa grandiosa arte do magistério. Farias Brito deve se orgulhar de ti como todos nós que fomos teus alunos, e devemos externar essa nossa gratidão quando ainda estamos percorrendo esta breve passagem aqui pela terra.

A história, que tanto vimos em nossas aulas, assistiu o levantar-se de gênios, de cientistas, de grandes artistas. Não por mero acaso, mas porque além do talento inato, estes tiveram a sorte de haverem estado diante de grandes mestres. E como já disse alguém muito antes de nós, vê-se muito mais longe quando se está por sobre os ombros de um gigante.Tu és um desses gigantes.

Um terno e carinhoso abraço.
A minha eterna gratidão.
Francineide, esta flor da foto que eu fiz, é dedicada a ti.

Dihelson Mendonça

5 comentários:

  1. Eu me considero uma pessoa difícil de chorar. Na dor e na alegria. Recentemente, estive doente. Uma doença que lembrava uma obstrução intestinal que me fez me retorcer como um louco, um condenado, com dores nsuportáveis por uma noite inteira, sem pregar o olho e sem forças nem discernimento para ir a uma urgência hospitalar.

    A dor era de tal modo insuportável, que achei incompatível com o nível de sofrimento a que um ser humano pode ser submetido e faz a gente até duvidar nessas horas da existência de um ser superior. Uma tia minha que já sofreu deste problema disse que esse tipo de dor é superior à dor do parto. Só que a diferença é que é um parto que dura a noite inteira.

    E nas horas das agruras, ainda assim, eu segurei as lágrimas. Lágrimas que teimavam em não vir.

    Mas ao ler esse depoimento da minha querida Francisca Francineide de Oliveira, as lágrimas escorreram pela face como cachoeiras, com um choro incoercível.

    Isso de algum modo me tornou mais humano, ou me fez sentir-se mais humano, como há muito tempo eu não sentia. As lágrimas de puro sentimento e não de dores povoaram o meu rosto, e eu sou extremamente grato. Que bom, chorar de FELICIDADE. Melhor presente de natal, impossível !

    Eu só tenho a agradecer à minha amiga Francineide, e quero manter sempre esse contato.

    Francineide, meu e-mail é:

    blogdocrato@hotmail.com

    Telefone de recados:
    088-3523-2272

    Um forte abraço,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Dihelson. É muito importante a gratidão aos professores, pois além da instrução, recebemos também a formação. Assim como os nossos pais, eles ajudam a nos tornarmos pessoas de caráter.

    Um abraço

    Magali

    ResponderExcluir
  3. Com certeza os aspeto da sua personalidade que a professora descreve de quando era pequeno eu reconheço de adulto, parabéns Dihelson para no tempo e passando para as dificuldades da vida você conseguiu se manter o mesmo.
    Abraço,
    Gabí

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado, Magali e Gabi.

    Magali está certíssima no nosso respeito aos mestres. Hoje em dia, os jovens não se ligam mais tanto quanto nossa rígida educação foi, de aprender a reverenciar os mestres, respeitá-los e aprender a amá-los.

    Gabi, obrigado também pelas suas palavras. Há uma espécie de paralelo entre as palavras da D. Francineide e as suas, como um laço de continuidade, atestando o que a outra disse. E isso me deixa muito FELIZ, porque ela me acompanhou no início da vida, moldeou meu caráter e me observou. E hoje, essa tarefa é muito observada e acompanhada por ti.

    Fico feliz por eu nestes 44 anos não haver se distanciado "muito" da minha personalidade. O espírito da Ciência, a fome do saber que existia naquela época, continua mais vivo do que nunca. Espero que daqui a mais 44 anos eu possa ser ainda uma pessoa empolgada, que acredita na vida, e batalha por um mundo melhor para todos.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  5. Dihelson, você não pode imaginar como fiquei feliz e orgulhosa por ter lido o texto que você escreveu referindo-se a minha pessoa. Mais uma vez estais demonstrando que a tua essência é de pura bondade. Te agradeço de coração pelas palavras que fizeram com que eu me emocionasse tanto.
    Muito grata.
    Deus ilumine a tua vida.
    Um abraço da amiga

    Francisca Francineide de Oliveira Lima

    Meu e-mail:
    franciscafrancinide@bol.com.br

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.