18 abril 2010

Pipa - Por: José Flávio Vieira


Homenagem a Dr. Marcos Cunha.

O menino brincava com os dois irmãos menores numa casa humilde de uma cidadizinha mais simples ainda. Tempos em que a rua pertencia à infância e não aos carros. A rua era o simples playground das casas, um estádio livre para o exercício da “bicheira”, da peteca, da “bandeira” , do chicote –queimado, do esconde-esconde. A lua ainda não havia fugido dos céus, ofuscada pelo néon. Jogava, a molecada, uma espécie de bocha nordestina, com pedras. A moeda de troca eram cédulas confeccionadas com o papel de carteiras de cigarro. Quem o visse assim, de bermuda, sem camisa, tangido pelo vento, empenhado nos mistérios lúdicos do jogo das pedras, jamais imaginaria o homem que se gestava na infância prenhe do menino da rua.

Mas o tempo que engoliu a rua e triturou, pouco a pouco, a infância, não conseguiu destruir o moleque. Semana passada, muitos anos depois, ele subiu as escadas de um luxuoso hotel na paradisíaca Campos do Jordão, para receber um dos prêmios mais almejados na sua arte : o XI Prêmio Brasil de Medicina. Não parecia o médico querido e renomado que tantos cearenses aprenderam a admirar, carregava o sorriso maroto do guri redivivo, como se acabasse de ganhar algumas cédulas de papel de cigarro, após a colisão certeira no jogo das pedras.

É que não foram poucos os percalços na caminhada do menino. Crescera sem a presença marcante do pai, numa família tradicional, mas humilde de três filhos.Cedo entendeu que as notas reais eram bem mais difíceis de encontrar do que as das partidas de rua. As intempéries forjaram seu espírito e rápido aprendeu: as desigualdades do mundo, a felicidade de alguns e a desgraça de muitos não aconteciam por mero acaso, iam bem além do fortuito fatalismo. Existia uma histórica e bem arquitetada trama para que o paraíso fosse de alguns eleitos e o inferno o latifúndio de uma maioria. Em plena ditadura militar dos anos 60-70, estas disparidades ficaram bem mais perceptíveis nos seus deslumbrados olhos de estudante. Embrenhou-se na política , foi perseguido e dedurado. Terminou expulso do colégio junto com os irmãos. Para recuperar os anos em atraso, fez o Curso Científico de uma só vez no supletivo e enfrentou o vestibular de Medicina em Recife. Foi o orador da turma, assim como o fora na quarta série ginasial, quando proferiu o discurso que o levou à expulsão . Partiu para o Rio de Janeiro, onde fez a residência médica na especialidade de Neurologia e para aqui voltou, nos anos 80, onde se dedicou de corpo e alma ao seu ofício. Percebeu, rapidamente, que o Cariri carregava uma chaga: a Hanseníase atacava as classes mais desfavorecidas, com índices mundiais que só se comparavam aos da Índia. Mergulhou no meio dessa multidão de mutilados, combatendo com afinco nossa praga centenária, se tornando um dos maiores especialistas brasileiros nesta área. Este profícuo trabalho o levou a teses de Mestrado e Doutorado pela Universidade Federal do Paraná. Desde a escola primária , nunca se afastou da política, foi um dos fundadores do PT em nossa cidade, sendo candidato por duas vezes a prefeito de Crato, nos anos 80. Não satisfeito com toda trajetória vitoriosa, entendeu que a permanência do seu conhecimento só se exerceria se estendido a novas gerações e fez-se professor universitário. Em fins de 2009, o orador versátil voltou ao palanque proferindo brilhante discurso como paraninfo da turma de doutorandos daquele ano.

Enquanto subia as escadas para receber o prêmio Brasil, essas lembranças certamente afloraram na mente do menino Marcos Cunha. Até porque , a seu lado, braço dado, seguia-lhe o anjo da guarda de todo este percurso: D. Sônia. O menino tinha a plena convicção que sem ela , sem a sua firmeza e determinação, os sonhos teriam se estilhaçado no calçamento da rua. D. Sônia consubstancia em si todos os ingredientes das mães espartanas: pronta para corrigir quaisquer distorções na conduta dos filhos e, por outro lado, armada até os dentes a defendê-los em quaisquer situações e circunstâncias. A sua vida se compara a outras tantas heroínas da nossa história como Olga Benário e D. Bárbara; só que seu heroísmo é bem menos visível, está enfeixado entre quatro paredes, entre lágrimas , soluços, com batalhas ganhas a cada instante, a cada minuto, contra as adversidades da vida. Ela nem precisa de prêmios, observa seus troféus a cada dia: um médico e dois odontólogos , homens dignos, retos e probos.

Marcos Cunha é o médico mais completo que conheço. Carrega em si ingredientes dificílimos de se enfeixar numa única pessoa. Estudioso, profundo conhecedor da sua arte, despojado, ético e dedicado ao paciente como um monge tibetano. Não bastasse tudo isso , profundamente politizado, sabe perfeitamente que a doença, a maior parte das vezes, tem bem pouco a ver com o estetoscópio: só se cura com atitude política. E mais que tudo, humilde e simples. Talvez ninguém tenha percebido, mas não foi o médico de cabeça branca que recebeu o troféu consagrador em Campos de Jordão, mas o menino inquieto da Padre Sucupira, que jogava pião e empinava pipa, firmando os pés na terra mas lançando, premonitoriamente, as asas para o céu...

Por: José Flávio Vieira

21 comentários:

  1. Sou filho do Crato. Nasci nesta cidade de cidadãos tão criativos e singulares naquilo que se determinam a exercer em sua passagens pelo nosso planeta.
    Me orgulho de pertencer a comunidade cratense, que gerou gente como esse exemplo de trabalho e humildade.E lembro da época em que essa personalidade era candidato a prefeitura da nossa bela cidade, via a alegria da sua mãe, na casa branca de portas azuis que já não mais existe, na nossa Praça da Sé.Que essas personalidades (Dr. Marcos Cunha e D. Sônia) sirvam de exemplo aos jovens, aos velhos, e aos que virão...
    Parabéns, Dr.Marcos!!!!

    Heinz Limaverde

    ResponderExcluir
  2. Parabens Flavio por essa grande postagem em homenagem a essa fera que é Marcos Cunha. Esse merece.....

    ResponderExcluir
  3. Uma Homenagem muito merecida a este fantástico médico Dr. Marcos Cunha, que tive o Prazer imenso de encontrá-lo nesta semana nas ruas do Crato, e poder dar-lhe os parabéns pessoalmente.

    Uma comenda muito merecida.
    Parabéns, Dr. Marcos Cunha

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  4. Como sabemos, a "INVEJA" se encontra catalogada como um dos sete pecados capitais.
    Pois bem, não temos nenhum constrangimento em afirmar, DE PÚBLICO, que toda vez que lemos esse "monstro sagrado" (Zé Flávio, que esperamos conhecer pessoalmente, algum dia), nos deixamos por ela possuir.
    Que facilidade construtiva, contundência, graça e sensibilidade em seus textos.
    Constitui-se um orgulho e privilégio, pois, prá todos nós, cratenses, tê-lo como conterrâneo.
    Quanto ao Marcos Cunha, certamente deverá "tremer nas bases" com tão estupenda homenagem.

    ResponderExcluir
  5. É verdade!

    Simplesmente Maravilhoso. Eu nao tenho mais palavras para investar a fim de elogiar o Zé Flávio.

    É UM GÊNIO!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  6. Zé Flávio, parabéns a você e ao Marcos Cunha. Linda a homenagem! Eu e Carlos temos uma grande admiração pelos dois.

    Abraços


    Magali

    ResponderExcluir
  7. Agradeço ao Heinz, ao Luiz Wellington,ao Dihelson, à Magali/Carlos pelos comentários. agradeço ainda ao Mariano pelas palavras carinhosas sobre o texto e pelos elogios . Fico todo "pabo" mas imagino que a figura do Marcos inspira qualquer um a escrever , tãao éica e pedagógica é a sua história. Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  8. Dr. Marcos Cunha e'um exemplo de cidadão. Ético,coerente e excelente figura humana.Nossa familia é muito grata por tudo que o mesmo tem feito ao longo dos anos, cuidando da saude de minha mãe. O Crato deve se orgulhar do filho ilustre e competente! Parabens Dr. Marcos e obrigado por voce existir!!!!

    ResponderExcluir
  9. Jose Flavio,voce se supera a cada instante em que escreve,e hoje nos sensibilizou com tao brilhante e merecida homenagem ao nosso querido marquinhos.
    parabens .Deus esta orgulhoso d evoces dois.
    beijos Joao marni e fatima

    ResponderExcluir
  10. O Crato perdeu a oportunidade de ter uma pessoa com os dotes de Marcos Cunha, para dar a cidade o valor que ela merecia.
    Marcos Cunha com o seu brilhantismo, não se ofuscou com essa batalha perdida, e foi buscar com competência, os louros que realmente lhes seriam auferidos, por um cabedal de virtudes que poucos tiveram estrada para chegarem ao menos nas veredas de acesso.
    Zé Flávio foi um mestre, como sempre, nas colocações postados.
    Ao Marcos Cunha mais do que admiração, um sentimento de respeito e orgulho, em vê-lo galgar tão merecida homenagem reconhecida.
    Aos que lhe deram um voto de confiança, e sonharam com um Crato em uma posição de destaque no cenário político, fica uma alegria guardada no peito, de terem com convicção, optado por uma pessoa
    que realmente guardava uma posição de destaque para abrilhantar a história dessa cidade.

    ResponderExcluir
  11. Elmano, O Crato perdeu a oportunidade, mas o Marcos Cunha está vivo, e se Dr. Marcos quisesse ser candidato de novo, faríamos tudo novamente, com todo prazer. Eu faria, porque trabalhei e muito em sua campanha.

    Dr. Marcos não faz idéia do quanto o Crato gosta dele e precisa.

    Dr. Marcos, se estiver me lendo, saiba que em nossos projetos, muitas vezes desistimos, sem saber que estávamos como jamais estivemos, tão pertos da vitória. A sua desistência da vida pública frustrou a todos nós Cratenses "com o Crato no Coração".

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  12. Parabéns:
    J. Fávio.
    Parabéns:
    Dr. Marcos Cunha.
    Parabéns:
    Para todos nós Cratenses.
    César Mousinho SP/SP.

    ResponderExcluir
  13. Agradeço ao Mouzinho, ao Alfredo ( há quanto tempo não o via?), ao Elmano, ao João Marni que dão a precisa idéia de quanto o Marcos é querido por nessa terra.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns ao Dr. José Flavio, pela maravilhosa, espetacular postagem além da merecidíssima homenagem ao Ilustre filho cratense, Dr. Marcos Cunha.

    Quero pedir licença para fazer as minhas palavras o que foi dito pelo amigo José nilton mariano, em seu comentário.

    Sugiro ao nobre administrador do blog do Crato, Dihelson Mendonça, se for possível, que a postagem seja reeditada para o ínicio da página, para que mais leitores que normalmente visitam o blog no final de semada, possam ter acesso a essa justa homenagem. Digo isto, por observar que a página está ficando muita curta e as postagens desaparecem rapidamente.

    J. Tavares - Fortaleza-CE.

    ResponderExcluir
  15. Tavares, seu desejo é uma órdem!

    Um grande abraço,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  16. Mais uma vez, uno-me no reconhecimento da grande personalidade que é o nosso caríssimo Marcos Cunha. Parabéns a ele! Parabéns a você, Zé, pela forma sublime que encontrou para homenageá-lo.
    Um forte abraço para ambos.

    Pe. Roserlândio

    ResponderExcluir
  17. Foi com grande emoção que li a homenagem feita ao dr. Marcos Cunha que reflete compromissadamente a vida do valioso médico. Ninguém melhor que Zé Flavio poderia fazê-lo.
    Parabéns aos amigos de tantos anos.
    Ao dr. Marcos, a minha incorrigível admiração.

    Inês Costa

    ResponderExcluir
  18. Simplesmente maravilhoso!!!personagem descrito com maestria pelo autor.....fico extremamente orgulhoso de ser cratense, apesar de morar distante. Me faz sentir o gosto e o cheiro do Cariri.

    Humberto Nobre

    ResponderExcluir
  19. Obrigado ao Tavares e ao dihelson pela re-postagem da matéria e pelas palavras carinhosas que devem sim ser creditadas na Conta Corrente do Marcos.Subscrevo ainda as palavras do Roserlânio,da Inês Helena e do Humberto Nobre que engrandecem a homenagem que se iniciou em São Paulo. Grato a todos!

    ResponderExcluir
  20. “Toda nudez será castigada”. Esse nudismo histórico a que Flávio Vieira me expõe, certamente não. Os excessos ficam por conta do nosso bem querer um ao outro. Ele me conhece em fatos e sentimentos.
    Também bondosos, foram os comentários de muitos amigos, alguns há tempo não os vejo. Os verdadeiros amigos são aqueles que toleram nossos sucessos. Nesse momento, o “blog do Crato” é o pátio de encontro de grandes amigos. Os elogios e a alegria de muitos cratenses amigos é o grande Prêmio que tenho orgulho de receber. Esse faço questão de definir como o melhor na minha vida.
    À minha família, aos meus amigos e pacientes dedico o Prêmio Brasil de Medicina 2010, sem nenhum valor se eu não tivesse vocês como parte dessa vitória. Também ao Crato, minha terra por opção, a quem devo o entusiasmo e a razão de continuar minha missão de médico. Com a minha gratidão, Marcos Cunha.

    ResponderExcluir
  21. Parabéns Dr. Marcos Cunha! Esse prêmio representa a materalização de toda uma emoção depositada em um propósito, vencer na vida! Propósito atingido, parabéns!
    Thiago Teles

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.