xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 23/11/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

23 novembro 2009

Lula defende visita de Ahmadinejad ao Brasil

Vale a pena dar um UP nesse tópico polêmico...


O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu neste domingo a visita de Mahmoud Ahmadinejad ao Brasil, logo depois de votar na eleição que vai definir o novo presidente do PT, na sede nacional do partido, em Brasília. Lula disse estar feliz por receber, em um espaço de 15 dias, três nomes influentes do Oriente Médio: o presidente de Israel, Shimon Peres, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e agora, Ahmadinejad.


Fonte: Agencia Estado


Comentário da postagem (Por José Sales) - Mahmoud Ahmadinejad é Eng. Civil/ PhD Engenharia de Transportes/ Professor Universitário. Em 2007, durante entrevista à rede americana ABC, Provocou profunda comoção internacional, ao colocar em dúvida as reais dimensões do Holocausto dos Judeus, durante a 2a Guerra Mundial perpretado pelo Governo Alemão sob o comando de Adolf Hitler.

Avaliação positiva do governo Lula sobe em novembro

BRASÍLIA (Reuters) - A avaliação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu em novembro como reflexo do desempenho econômico do país, avalia pesquisa Sensus encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgada nesta segunda-feira. O desempenho positivo do governo cresceu para 70 por cento em novembro, ante 65,4 por cento em setembro, enquanto a avaliação negativa passou para 6,2 por cento, em comparação com os 7,2 por cento anteriores. "Mais uma vez, a economia foi o carro-chefe", disse a jornalistas Clesio Andrade, presidente da CNT, citando aumento da renda e da geração de empregos.

Para 22,7 por cento dos entrevistados, o governo é regular, ante 26,6 por cento da sondagem anterior. Apesar de ter sido realizada após o apagão da noite de 10 de novembro, o instituto Sensus não incluiu esta pergunta na sondagem. Um total de 73,4 por cento dos entrevistados se mostra otimista com o ano de 2010, apostando que será melhor do que este --mais de dez pontos percentuais acima do índice de dezembro de 2008, quando atingiu 65,4 por cento. A pesquisa CNT/Sensus foi realizada entre os dias 16 e 20 de novembro com 2.000 entrevistados em 136 municípios. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

(Reportagem de Natuza Nery; Edição de Carmen Munari e Denise Luna)

Fonte: Yahoo Notícias
( Reuters )

Derretimento das geleiras: 28 trilhões de dólares em danos nas cidades

Seriam atingidas as 136 cidades portuárias mais importantes. WWF alerta que se nada for feito temperatura subirá 2°, em 2050.

As inundações em mais de cem grandes cidades costeiras com o derretimento das geleiras podem causar danos de 28 trilhões de dólares até 2050, segundo estudo do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) publicado nesta segunda-feira (23). "Se a temperatura aumentar entre 0,5 e 2 graus até 2050, é possível que o nível dos mares aumente em meio metro e provoque grandes prejuízos financeiros", explicou a responsável pelo departamento Clima e Energia da WWF Suíça, Ulrike Saul. Este cenário de aumento do nível dos mares pode provocar até 28 trilhões de dólares de danos nas 136 cidades portuárias mais importantes do mundo, segundo estudo realizado em parceria com a seguradora alemã Allianz. "Se as políticas atuais em termos de proteção do clima não mudarem, é mais provável que registraremos uma alta de 2º em 2050", insistiu Saul.

A costa noroeste dos EUA é uma região que deve ser muito afetada pela alta do nível dos mares, que pode aumentar 15 centímetros a mais em relação à média mundial. Em Nova York, "uma elevação do nível do mar pode ser agravada pelo aumento da frequência e da gravidade das tempestades e furacões", continuou o estudo.

Se a temperatura aumentar entre 0,5 e 2 graus até 2050, é possível que o nível dos mares aumente em meio metro e provoque grandes prejuízos financeiros". Associado à alta do nível dos mares, um furacão de categoria 4 que atingir esta cidade americana pode provocar mais de 5 trilhões de dólares de danos em 2050, contra 1 trilhão atualmente, segundo a WWF. "É a razão pela qual devemos fazer de tudo para impedir a alta das temperaturas superiores a dois graus em relação às temperaturas pré-industriais", advertiu um dos diretores do WWF Suíça, Walter Vetterli. Para isso, os países industrializados deverão reduzir suas emissões de CO2 em 40% até 2020, segundo a organização; e solicita aos governos que participarão da Cúpula da ONU sobre o Clima, em dezembro, em Copenhague, um "acordo ambicioso" para substituir o protocolo de Kyoto que expira em 2012.

Fonte: G1

Cientistas criticam proposta de "2012" e indicam cenários de fim do mundo


A Nasa (agência espacial norte-americana) criticou a Sony em outubro por sugerir, em sua campanha publicitária para o filme "2012", que o mundo acabaria em 2012.

No ano passado, o Cern (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares), também assegurou que o mundo não acabaria tão cedo --portanto, acho que tudo isso é uma boa notícia para quem fica nervoso facilmente. Com que frequência vemos duas instituições científicas top de linha como essas nos garantindo que está tudo bem? Por outro lado, é meio triste, se você estava ansioso por tirar umas férias das prestações do imóvel para financiar uma última festança. As declarações do Cern tiveram a intenção de aliviar temores de que um buraco negro sairia de seu novo Grande Colisor de Hádrons (LHC) e engoliria a Terra.

O pronunciamento da Nasa, na forma de vários posts em sites e um vídeo postado no YouTube, foi uma resposta a temores de que o mundo fosse acabar no dia 21 de dezembro de 2012, quando um ciclo de 5.125 anos conhecido como Grande Contagem no calendário maia teoricamente chegaria a um fim.

Filme

O burburinho em torno do fim dos dias atingiu o auge com o lançamento do filme "2012", dirigido por Roland Emmerich, que já trouxe desgraças fictícias para a Terra anteriormente, com alienígenas e geleiras, em "Independence Day" e "O Dia Depois de Amanhã". No filme, o alinhamento entre o Sol e o centro da galáxia, no dia 21 de dezembro de 2012, faz com que o astro fique ensandecido e lance na superfície da Terra inúmeras partículas subatômicas ambíguas conhecidas como neutrinos. De alguma forma, os neutrinos se transformam em outras partículas e aquecem o centro da Terra. A crosta terrestre perde suas amarras e começa a se enfraquecer e deslizar por aí. Los Angeles cai no oceano; Yellowstone explode, causando uma chuva de cinzas no continente. Ondas gigantes varrem o Himalaia, onde governos do planeta tinham construído em segredo uma frota de arcas, nas quais 400 mil pessoas selecionadas poderiam se abrigar das águas. Porém, essa é apenas uma versão do apocalipse. Em outras variações, um planeta chamado Nibiru colide com o nosso ou o campo magnético da Terra enlouquece.

Existem centenas de livros dedicados a 2012, e milhões de sites, dependendo de que combinação de "2012" e "fim do mundo" você digite no Google.

"Tolices"

Segundo astrônomos, tudo isso é besteira.

"Grande parte do que se alega que irá ocorrer em 2012 está baseada em desejos, grandes tolices pseudocientíficas, ignorância de astronomia e um alto nível de paranoia", afirmou Ed Krupp, diretor do Griffith Observatory, em Los Angeles, e especialista em astronomia antiga, em um artigo publicado na edição de novembro da revista "Sky & Telescope". Pessoalmente, adoro histórias sobre o fim do mundo desde que comecei a consumir ficção científica, quando era uma criança sem afeto. Fazer o público se borrar nas calças é o grande lance, desde que Orson Welles transmitiu a "Guerra dos Mundos", uma notícia falsa sobre uma invasão de marcianos em Nova Jersey, em 1938. No entanto, essa tendência tem ido longe demais, disse David Morrison, astrônomo do Ames Research Center da NASA, em Moffett Field, Califórnia. Ele é autor do vídeo no YouTube refutando a catástrofe e um dos principais pontos de contato da agência sobre a questão das profecias maias prevendo o fim dos dias.

"Fico com raiva de ver como as pessoas estão sendo manipuladas e aterrorizadas para alguém ganhar dinheiro", disse Morrison. "Não há direito ético que permita assustar crianças para ganhar dinheiro".

Desesperados

Morrison afirmou receber cerca de 20 cartas e mensagens de e-mail por dia de pessoas até da Índia, assustadas até o último fio de cabelo. Em uma mensagem de e-mail, ele anexou exemplos que incluíam uma mulher perguntando se deveria se suicidar, matar sua filha e seu bebê ainda no útero. Outra mensagem veio de uma pessoa questionando se deveria sacrificar seu cachorro, a fim de evitar o sofrimento de 2012. Tudo isso me fez lembrar os tipos de cartas que recebi no ano passado sobre o suposto buraco negro do Cern. Isso também era mais ficção científica do que fato científico, mas aparentemente não há nada melhor que a morte para nos aproximar de domínios abstratos como física e astronomia. Nessas situações, quando a Terra ou o Universo não estão nem aí para você e seus entes queridos, o cósmico realmente se torna algo pessoal. Morrison disse não culpar o filme por todo o burburinho, não tanto quanto os vários outros divulgadores das previsões maias e a aparente incapacidade de algumas pessoas (e isso se reflete em vários aspectos da nossa vida nacional) de distinguir a realidade da ficção. Porém, ele disse, "meu doutorado foi em astronomia, não em psicologia".

Em mensagens de e-mail, Krupp disse: "Sempre estamos incertos em relação ao futuro, e sempre consumimos representações dele. Somos seduzidos pelo romantismo do passado longínquo e pela escala exótica do cosmo. Quando tudo isso se junta, ficamos hipnotizados". O porta-voz da Nasa, Dwayne Brown, afirmou que a agência não faz comentários sobre filmes, deixando essa tarefa para os críticos de cinema. No entanto, quando se trata de ciência, disse Brown, "achamos que seria prudente oferecer um recurso".

Aquecimento global

Se você quer ter algo para se preocupar, afirma a maioria dos cientistas, deve refletir sobre as mudanças climáticas globais, asteróides ou guerra nuclear. Porém, se a especulação sobre as antigas profecias mexem com você, aqui estão algumas coisas, segundo Morrison e outros, que você deve saber. Para começar, os astrônomos concordam que não há nada especial em relação ao alinhamento do Sol e do centro galáctico. Isso ocorre todo mês de dezembro, sem nenhuma consequência física além do consumo exagerado de panetones. De qualquer forma, o Sol e o centro galáctico não vão exatamente coincidir, nem mesmo em 2012. Se houvesse outro planeta lá fora vindo em nossa direção, todo mundo já teria percebido. Quanto às violentas tempestades solares, o próximo auge do ciclo das manchas solares só ocorrerá em 2013, e será no nível mais suave, afirmam astrônomos.

O apocalipse geológico é uma aposta melhor. Já houve grandes terremotos na Califórnia, e provavelmente haverá outros. Esses tremores poderiam destruir Los Angeles, como mostrou o filme, e Yellowstone poderia entrar em erupção novamente com uma força cataclísmica, mais cedo ou mais tarde. Nós e nossas obras somos, de fato, apenas passageiros frágeis e temporários na Terra. Porém, neste caso, "mais cedo ou mais tarde" significa centenas de milhões de anos --e haveria bastante aviso quando chegasse a hora. Os maias, que eram astrônomos e cronometristas bons o suficiente para prever a posição de Vênus 500 anos no futuro, merecem coisa melhor. O tempo maia era cíclico; especialistas como Krupp e Anthony Aveni, astrônomo e antropólogo da Colgate University, afirmam não haver evidências de que os maias achassem que algo especial ocorreria quando o marcador da Grande Contagem atingisse 2012. Existem referências em inscrições maias a datas antes e depois da atual Grande Contagem, afirmam os especialistas.

Sendo assim, continue pagando suas prestações normalmente.

DENNIS OVERBYE do New York Times ( Via Folha OnLine )

Crack e seus efeitos- Por Alessandra Bandeira

O crack diferente de qualquer droga vicia logo, numa linguagem mais clara: "de cara", ´por tanto se você é pai ou mãe , está acostumado a suprir sua ausencia com tudo que seu filho quer,não impõem límites, não procura saber o que seu filho ou filha faz, onde anda, com quem anda, comece a prestar atenção nesses sintomas.O Crack não escolhe suas vítimas, tanto faz ser rico ou pobre, a devassidão que essa droga causa é enorme, e você pode se espantar ao descobrir que aquele bebe que você viu crescer caia nesse mundo triste de drogas, mas lembre-se se houver mais dialogo, menos repressão, menos hipocrisia, pois não adianta falar sobre uso de drogas se você está com uma cartela de diazepan na mão e um copo de whisky na outra, haja com clareza, afinal pais são exemplos para os filhos, na maioria dos casos os jovens entram no mundo da droga por sentirem um grande vázio ou para chamar atenção dos pais, por tanto meus caros revejam seus conceitos antes de criticar.


Princípio ativo:


O crack é uma mistura de cocaína em forma de pasta não refinada com bicarbonato de sódio. Esta droga se apresenta na forma de pequenas pedras e pode ser até cinco vezes mais potente do que a cocaína. O efeito do crack dura, em média, dez minutos.
Sua principal forma de consumo é a inalação da fumaça produzida pela queima da pedra. É necessário o auxílio de algum objeto como um cachimbo para consumir a droga, muitos desses feitos artesanalmente com o auxílio de latas, pequenas garrafas plásticas e canudos ou canetas. Os pulmões conseguem absorver quase 100% do crack inalado.


Efeitos:


Os primeiros efeitos do crack são uma euforia plena que desaparece repentinamente depois de um curto espaço de tempo, sendo seguida por uma grande e profunda depressão. Por causa da rapidez do efeito, o usuário consome novas doses para voltar a sentir uma nova euforia e sair do estado depressivo.
O crack também provoca hiperatividade, insônia, perda da sensação de cansaço, perda de apetite e conseqüente perda de peso e desnutrição. Com o tempo e uso constante da droga, aparecem um cansaço intenso, uma forte depressão e desinteresse sexual.
Os usuários de crack apresentam um comportamento violento, são facilmente irritáveis. Tremores, paranóia e desconfiança também são causados pela droga. Normalmente, os usuários têm os lábios, a língua e a garganta queimados por causa da forma de consumo da substância. Apresentam também problemas no sistema respiratório como congestão nasal, tosse, expectoração de muco preto e sérios danos nos pulmões.
O uso mais contínuo da droga pode causar ataque cardíaco e derrame cerebral graças a um considerável aumento da pressão arterial. Contrações no peito seguidas de convulsões e coma também são causadas pelo consumo excessivo da droga.


Fonte Terra


Por Alessandra Bandeira

BlogHumor - Classificados Engraçados...

CARROS
Vendo - Chevetão zero bala, 74 jóia, boneca, tetéia. Todo amarelo, com alguns pontinhos cinza (alguns são marcas de bala, mas a maioria é durepox).
Só não sobe ladeiras, mas desce que é uma beleza.
Tratar com Zé Mecânico.
Tel: 5634-3232
---------------------------------
BMW 0KM
Apenas 5 mil reais. Direto deL Paraguay. Documentación completa, pero aconsejo trocar la placa. No és preciso nueta fiscal, la garantia soi yo. <>Tel: 6346-3443
---------------------------------
ACOMPANHANTES
Lucrécia - Sou uma mulher séria, carente, carinhosa e quero me casar. Procuro homem solteiro, rico, com mais de 65 anos e com sérios problemas de saúde.
Tel:2343-4556
Bip:1234
---------------------------------
ZUCA
Negão sarado, 2,15m. Tenho algo maior que a barriga. Venha e descubra porque meu apelido é bomba de gasolina.
---------------------------------
CURRICULUNS
Dgito curriculus na ora, mais rapido que todos zotros digitadors,pelospresso mais barato.
Tel: 2234-56788.
---------------------------------
DETETIVE
Profissional de ótimo gabarito. Sigilo absoluto, qualquer tarefa. Não me procure, eu o encontrarei.
---------------------------------
IMÓVEIS
2 dormitórios - Venha morar num lugar onde todas as mulheres dão em cima de você. Aluga- se o porão do Motel Ping-Pong. Tratar com João Cafetão.
Tel:987-6543.
---------------------------------
APARTAMENTO
Vendo apartamento grande, com varandão, salão, quartão, banheirão e cozinhão.
Tratar com Nelson Ned.
Tel: 5432- 1098
---------------------------------
CELA
Alugo cela de penitenciária com pouquíssimo uso.
Tratar com juiz Nicolau dos Santos Neto.
Tel: (171)-2254-9798 - Ramal 171
---------------------------------
NAMORADA
Precisa-se de namorada com automóvel. As interessadas devem mandar fotografias... do automóvel.
---------------------------------
OFERTAS/TROCAS
Adolescente troca caixas de brinquedos por revistas pornográficas.
---------------------------------
CÃO
Procuro cão e sogra perdidos. Recompensa... só pelo cão.
---------------------------------
MÁQUINA
Vndo máquina d scrvr faltando uma tcla.
---------------------------------
CAMISINHA
Troco caixas de preservativos vagabundos por roupas de bebê.
---------------------------------
ÓTIMO NEGÓCIO
Troco sogra por víbora. Pago a diferença.
---------------------------------
LÍNGUA
Troco pastor alemão por um que fale português.
---------------------------------
PRÓTESES
Troco lindo Pitbull muito bravo por mão ortopédica e perna mecânica

Fonte: Texto enviado por E-mail

Bilionário russo compra na Alemanha carro que pertenceu a Hitler

Depois de contratar um comerciante alemão especializado em automóveis antigos, um bilionário russo cuja identidade não foi revelada conseguiu comprar um carro que pertenceu a Adolf Hitler. O veículo, modelo 770 K de edição limitada (foram fabricados apenas 205 exemplares), foi encontrado por Michael Fröhlich, negociante de Düsseldorf (oeste da Alemanha) que recebeu a missão por meio de um intermediário. Após procurar "como um louco, em todos os lugares", ele acabou localizando o automóvel "em uma garagem, a apenas uma hora de Düsseldorf", disse. No local, além do carro que foi de Hitler, havia outros cinco modelos similares, um deles utilizado pelo ministro das Relações Exteriores do 3º Reich, Joachim von Ribbentrop (1893-1946).

Fröhlich disse que ainda não recebeu o pagamento, e que guardou os automóveis em um lugar secreto. Segundo ele, não há dúvidas sobre a autenticidade do veículo, pois além de ter encontrado os dados correspondentes a ele em documentos históricos, tem uma garantia do fabricante confirmando que se trata do automóvel original de Hitler. O comerciante explicou ainda a trajetória do automóvel desde o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Primeiro, foi levado à Áustria, e depois ficou exposto em um museu do automóvel de um hotel de Las Vegas (EUA). De lá, retornou à Alemanha, onde foi adquirido por um magnata da cerveja. Após a morte do empresário, em 2008, sua viúva ficou com o carro e só agora conseguiu vendê-lo.

da Efe, em Berlim
Fonte: Folha OnLine

Lula defende enriquecimento de urânio para fins pacíficos no Irã

NE - É preciso cuidado! Quem não tem muita experiência com algo, mais cedo do que tarde, acaba mexendo num vespeiro...


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu hoje o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad e defendeu, em pequena coletiva à imprensa, o direito do país de desenvolver seu programa nuclear para fins pacíficos. "O que nós temos defendido há muito tempo é que o Irã tenha o direito de desenvolver enriquecimento de urânio para fins pacíficos, tanto quanto o Brasil está se desenvolvendo. É simples", disse Lula. Segundo o presidente, o Brasil tem um modelo de desenvolvimento de energia nuclear reconhecido pelas Nações Unidas, modelo que pode ser adotado pelo Irã. "O que defendemos para nós, defendemos para o outros", afirmou.

Em seu discurso, Lula falou de aspirações comuns dos dois países nas áreas de energia e desenvolvimento científico. O presidente frisou que o comércio bilateral dobrou durante seu governo, e que há a intenção de dar mais vigor Às trocas comerciais. "O Irã poderá voltar a ser o maior destino [comercial] no Oriente Médio", disse. Foram firmados hoje vários acordos de cooperação, nas áreas de geração de energia elétrica e de segurança alimentar. Uma visita do presidente Lula está marcada para abril ou maio do próximo ano a Teerã. Logo após Lula, Ahmadinejad discursou e disse que Brasil e Irã defendem um mundo de paz e solidariedade, sem armas nucleares, e defendeu o direito de seu país de fazer pesquisas nucleares para fins pacíficos. "O Brasil apoia o direito do Irã de dominar todo o ciclo nuclear", disse o presidente iraniano, citando o discurso de Lula. Ahmadinejad também disse apoiar o que chamou de "avanços" do Brasil no domínio da tecnologia nuclear.

O programa nuclear iraniano está no centro de uma polêmica internacional, com pressão ocidental para que o país envie seu urânio para ser enriquecido no exterior. O Irã assegura que tem apenas finalidades pacíficas, mas a descoberta de uma central nuclear clandestina em Qom aumentou as suspeitas de que o programa se destina à construção de armas nucleares. O Irã alega que suas atividades nucleares são exclusivamente civis, mas não consegue afastar as suspeitas em torno de sua suposta intenção de desenvolver um programa militar.

Visita

O iraniano chegou hoje a Brasília por volta das 9h, procedente do Senegal. Após a reunião reservada com Lula, os dois líderes devem seguir para encontro com empresários de ambos os países. Ahmadinejad chegou ao Brasil acompanhado pelo ministro de Relações Exteriores, Manoucher Mottaki, e do vice-ministro para a América Latina, Ali Reza Salari. Também veio ao país seu ministro de Minas e Indústrias, Ali Akbar Mehrabian. Vieram ainda membros do Parlamento iraniano e uma grande delegação de empresários que participará de um encontro empresarial Brasil-Irã. Ao lado de Ahmadinejad, veio ainda o embaixador brasileiro em Teerã, Antônio Luis Espínola Salgado. Desde 2005, quando assumiu o poder, Ahmadinejad tenta estabelecer vínculos com líderes sul-americanos de esquerda e mantém relação próxima com Hugo Chávez. Depois do Brasil, o presidente iraniano completará sua viagem latino-americana de cinco dias com visitas a Bolívia e Venezuela, para depois retornar a Teerã com escalas no Senegal e em Gâmbia.

SOFIA FERNANDES
colaboração para a Folha Online

O que restou dos nossos pensamentos libertários? por José do Vale Pinheiro Feitosa


“Fui assaltada por dois bandidos de bicicleta na praia do Flamengo. É lamentável ele agirem como fossem donos da rua em plena luz do dia.” Ninguém lê uma frase como essa sem emoção. Raramente analisará seu conteúdo. Buscará além do fato narrado. Exemplo, como funciona a cabeça de quem disse a frase. Num destes programas jornalístico da TV aberta vi uma matéria sobre a nova moda do automobilismo. Falo do GPS: você ainda terá um para o mesmo trajeto de ida e retorno de casa para o trabalho. Aliás, o GPS apenas servia para reforçar outra idéia: a realidade da pirataria e seus riscos. E aí surge o mesmo personagem da frase anterior que até pode ser você.

Era uma senhora, na verdade bem moça, como estas heroínas independentes, que têm “pensamento próprio”, ganham seu dinheiro e têm seu carrinho. Depois de atingir o pico da vida, compram um GPS e assumem aquela fala de uma canção do Billy Blanco: “Não fala com pobre, não dá mão a preto, não carrega embrulho./ Pra que tanta pose doutor?/ Pra que esse orgulho? Pois falava a senhora sobre os perigosos do “GPS pirata”: poderia me levar para o interior de uma favela. E quem iria pagar o risco dela no meio daquela subumanidade? Qual vampiro que suga a vida das pessoas em suas telas de Cristal Líquido. Jamais perdoaria a possibilidade que os “piratas”, através de um “GPS”, tramassem as vias tortas pelas quais iria chegar bem no meio das ruas de uma favela qualquer. Especialmente destas que derrubam helicópteros.

Os dois casos são a pirataria do pensamento televisivo na mente desta classe média bem posta pelo grande poeta Patativa do Assaré: está no purgatório, entre o céu e o inferno. Quando era para todos crescerem, aprenderem a pensar com liberdade, pois têm a convivência diária com a realidade social, política, cultural e material do mundo. Abdicam de tudo e se tornam ventríloquos de uma mídia efetivamente a serviço da ideologia de classe. A classe dominante, consciente de que é preciso criar ódio contra pobres para que as classes médias jamais os tenham em humanidade e a eles se juntem noutra ordem social, política e material possível. O assunto é vasto como dizia o poeta: mundo, mundo, vasto mundo, se eu não me chamasse Raimundo, seria uma rima, não seria uma solução. É vasto, mas há tempo de retornar aos termos da primeira frase. Se ao invés de colocar “bandidos” a dona da frase tivesse dito, “pessoas”, não haveria como enunciar a frase seguinte (nos dois casos são mulheres). Pois é aí mesmo que existe o efeito ideológico: as ruas estão cheias de bandidos à luz do dia. E como estão cheias de bandidos, ou melhor, foram tomadas por eles, existem duas ações complementares: refugiem-se nos shoppings com segurança privada e aparelhem a segurança pública para uma guerra de retomada das ruas. Uma guerra contra quem? Contra pretos, pobres, favelados, prostitutas, gays, comunistas, drogados e todo dia um novo item será acrescido na lista da mídia.

Pensar por si pode ser difícil. Pode até inaugurar outro mundo em que este cubículo chaveado não mais seja necessário. Inclusive pode fazer nascer em a idéia que a vida é algo maior do que este peso consumista que se tornará nada no segundo da morte. Pode até levar para o vasto mundo do pensamento humano e suas tramas milenares para trás e para frente. Conquistar a era, aquela que faz de hoje a revisão do passado e a estimativa do futuro.

Por: José do Vale Feitosa

Ministério Público do Ceará quer paralisar obras do Metrô do Cariri


O Ministério Público do Estado do Ceará, por meio dos promotores de Justiça de Juazeiro do Norte e de Crato, Alessandra Magda Ribeiro Monteiro e Élder Ximenes Filho, respectivamente, ingressou, ontem (dia 22), com uma ação civil pública com tutela antecipatória em caráter de urgência já distribuída para o juíz da 3ª Vara de Juazeiro do Norte, Gúcio Carvalho Coelho, requerendo que seja determinado ao Estado do Ceará, ao METROFOR, ao DETRAN-CE, ao DEMUTRAN – Juazeiro do Norte e ao DEMUTRAN – Crato, a obrigação de não inaugurarem nem iniciarem a operação do chamado “Metrô do Cariri”, enquanto não houver sido comprovada perante o Judiciário a colocação de toda a sinalização horizontal, especificamente as pinturas das caixas e “cruzes de Santo André” e dizeres respectivos (obedecendo a legislação de trânsito) em todas as passagens de nível ao longo da via férrea.

Ou que o juiz determine ao Estado do Ceará, ao METROFOR, ao DETRAN-CE, ao DEMUTRAN – Juazeiro do Norte e ao DEMUTRAN – Crato, a obrigação de não fazerem circular composições ferroviárias do chamado “Metrô do Cariri” enquanto não houver sido comprovada perante o Judiciário a colocação de toda a sinalização horizontal, especificamente as pinturas das caixas e “cruzes de Santo André” e dizeres respectivos (obedecendo a legislação de trânsito) em todas as passagens de nível ao longo da via férrea – independentemente da inauguração formal do mesmo.

Os promotores pretendem que o magistrado ordene que o Estado do Ceará, o METROFOR, o DETRAN-CE, o DEMUTRAN – Juazeiro do Norte e o DEMUTRAN – Crato, realizem campanha educativa de segurança no trânsito especificamente voltada para a orientação da população quanto à próxima entrada em operação do “Metrô do Cariri”, enfatizando a obrigatoriedade das paradas em todas as passagens de nível (nos termos do Código Nacional de Trânsito e regulamentações) – a ser iniciada no prazo de 15 dias, sendo no mesmo prazo juntado aos autos plano de estratégia de mídia detalhado, informando como tal campanha deverá ser levada a efeito e qual a duração da mesma – independentemente da inauguração formal da mesmo.

Em caso de descumprimento, os promotores solicitam que seja cominada multa diária de R$ 50.000,00, pro rata, para cada dia em que houver a circulação de composições ferroviárias referentes ao “Metrô do Cariri” e para cada dia de atraso na execução da campanha educativa. Segundo a ação, os representantes do MP requerem que os DEMUTRANS de Crato e Juazeiro do Norte e o DETRAN-CE apresentem, no prazo de 15 dias, de laudos técnicos listando cada um dos pontos em que a linha de ferro cruze com estradas, ruas ou avenidas em todo o seu percurso, informando qual a sinalização horizontal e vertical adequada (cancela e/ou pinturas no solo e/ou placas e/ou sinal luminoso e/ou sinal sonoro) conforme a localização, fluxo de veículos e pedestres de cada local.”

Fonte: Site do MPT-CE

CRATO - Coletivo Camaradas é eleito para coordenação nacional do CUCA


Artistas, produtores e militantes de diversos estados brasileiros definirão a atuação do Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA para os próximos três anos. O evento ocorreu no Centro de Artes Hélio Oiticica.

(foto: Felipe Redó- Coordenador Geral do CUCA, Juana Numes - Coordenadora Geral de Mobilização e Articulação em Rede da Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura e Alexandre Lucas - Coordenador do Coletivo Camaradas)

Durante o 10º. Seminário do Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA da União Nacional dos Estudantes – UNE realizado no período de 19 a 22 de novembro, no Rio de Janeiro que contou com intensa programação e participação de representantes de cucas e de coletivos de artistas de diversos estados brasileiros ocorreu a aprovação de diretrizes e eleição da coordenação nacional da organização para os próximos três anos. O evento constou de lançamento de livros, palestras, apresentações artísticas, intervenções urbanas, conferência livre de cultura e assembléia. O Coletivo Camaradas foi eleito para integrar juntamente com os coletivos GIRA – DF e Bota a Cara – RJ, a coordenação nacional, tendo em vista, que já integravam a rede do Programa de Interferência Ambiental – PIA do CUCA. O Instituto Cuca agora será dirigido por Felipe Redó, atual diretor de Cultura da UNE. O Coletivo Camaradas também foi responsável na região do Cariri pela criação do CUCA Cariri que atualmente é coordenado pelo músico e artista/educador, Jean Alex.

Para o coordenador do Coletivo Camaradas, Alexandre Lucas que esteve presente no Seminário, a participação do grupo na coordenação nacional do Cuca representa um desafio no sentido de ampliar e consolidar uma rede nacional de coletivos de artistas. Ele destaca que o PIA/CUCA deverá elaborar uma proposta de trabalho coletivo para ser apresentado no Centro de Artes Helio Oiticica no Rio de Janeiro, tendo vista, a sinalização favorável da diretora Centro, Ana Durães.

Camaradas fazem intervenção em zona de prostituição no Rio

Durante Seminário foi realizada uma intervenção com cartazes com o nome “vende-se” sob uma imagem de uma bunda. Os cartazes foram afixados em zona de prostituição no Centro do Rio de Janeiro. O material ainda foi distribuído para ser reproduzido em outros estados brasileiros. Além deste trabalho, o PIA desenvolveu uma intervenção/oficina de Parangoles para lembrar os trabalhos do grande artista intervencionista Hélio Oiticica.

Fonte: Alexandre Lucas - Coletivo Camaradas

Conheça o polêmico livro de Clarice Lispector que a "Veja" chamou de "lixo"


"Lixo, sim: lançamento inútil". Foi como definiu, em julho de 1974, a revista "Veja" o livro "A Via Crucis do Corpo", de Clarice Lispector. Não foi a única crítica impiedoso. Até o "Jornal do Brasil", onde ela trabalhou, disparou: "teria sido melhor não publicar o livro, em vez de ser obrigada a se defender com esse falso desprezo por si própria como escritora".

Os episódios são relatados no livro "Clarice,", biografia escrita pelo jornalista americano Benjamin Moser. "Meus filhos gostaram e esse é o julgamento que mais me interessa", disse Clarice. Os ataques a "A Via Crucis do Corpo" estão relacionados ao toque pornográfico do livro.

"A Via Crucis do Corpo é notável como retrato da vida criativa de Clarice captado em tempo real, a ficção invadindo a vida cotidiana, e sua existência de mãe e dona de casa constantemente penetrando e minando sua ficção. Os contos imaginativos, ficcionais, alternam-se com anotações corriqueiras de suas atividades diárias: o telefone toca; ela topa com um homem que conheceu no passado; seu filho Paulo chega para almoçar. Essas telas alternadas compõem um quadro de 11 a 13 de maio de 1974, os dias que Clarice passou escrevendo o livro. Aquele fim de semana, significativamente, incluía o Dia das Mães, 12 de maio. E o tema que une os contos coletados não é, na verdade, o sexo. É a maternidade. Um transexual tem uma filha adotiva, para a qual ele é uma 'verdadeira mãe'", analisa Moser, na biografia.

Esse livro traz o conto "A Língua do 'p'", no qual Lispector escreveu sua única descrição explícita de um estupro, destaca Moser. O aspecto é importante, porque a mãe da escritora sofreu essa violência por soldados russos, na Ucrânia, contraindo sifílis. Pela lenda local, uma gravidez serviria para curar a doença, mas Lispector nasceu, e sua mãe acabou morrendo.

da Livraria da Folha

"Os dilemas da comunicação no Brasil" - Postado por Darlan Reis

"Os proprietários dos grandes meios de comunicação no Brasil defendem, entre seus ideais, a liberdade de expressão, a pluralidade, a competição e o livre mercado. No entanto, o poder midiático no Brasil está concentrado nas mãos de um pequeno grupo de famílias e suas respectivas empresas, que dominam o sistema de produção e difusão de informações e detém a imensa maioria dos recursos de publicidade. Se fossem coerentes deveriam defender uma revolução capitalista na comunicação brasileira, com mais proprietários, mais veículos, mais produtores de comunicação, produtos de melhor qualidade, consumidores mais exigentes e descentralização dos centros produtores."

O artigo é de Joaquim Ernesto Palhares, diretor da Carta Maior.

'O setor da comunicação no Brasil não reflete os avanços que ao longo dos últimos trinta anos a sociedade brasileira garantiu em outras áreas. Isso impede que o país cresça democraticamente e se torne socialmente mais justo. A democracia brasileira precisa de maior diversidade informativa e de amplo direito à comunicação. Para que isso se torne realidade, é necessário modificar a lógica que impera no setor e que privilegia os interesses dos grandes grupos econômicos'. Este é um trecho do Manifesto da Mídia Livre, movimento lançado no ano passado, reunindo jornalistas, estudantes, trabalhadores da mídia, professores e representantes de movimentos sociais. O diagnóstico apresentado neste manifesto coloca-se como um desafio para a Conferência Nacional de Comunicação. Os proprietários dos grandes meios de comunicação no Brasil defendem, entre seus ideais, a liberdade de expressão, a pluralidade, a competição e o livre mercado. No entanto, o poder midiático no Brasil está concentrado nas mãos de um pequeno grupo de famílias e suas respectivas empresas, que dominam o sistema de produção e difusão de informações e detém a imensa maioria dos recursos de publicidade (públicos e privados).

O maior grupo de comunicação do país, a Rede Globo, possui mais de 220 veículos, entre próprios e afiliados. É o único dos grandes conglomerados que possui todos os tipos de mídia, a maioria dos principais grupos regionais e a única presente em todos os Estados brasileiros. Sozinha, a Globo controla mais da metade do mercado televisivo brasileiro. Segundo dados da Associação Nacional de Jornais, relativos ao período 2001-2003, apenas seis grupos empresariais concentram a propriedade de mais da metade da circulação diária de notícias impressas no país. Sozinhos, estes veículos respondem por cerca de 55,46% de toda produção diária dos jornais impressos. Além do imenso poderio da Globo, outros seis grandes grupos regionais se destacam. A família Sirotsky comanda a Rede Brasil Sul de Comunicações, controlando o mercado midiático no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. A família Jereissati está presente no Ceará e em Alagoas. A família Daou tem grande influência no Acre, Amapá, Rondônia e Roraima. A mídia da Bahia pertence à família Magalhães. No Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, os negócios são controlados pela família Zahran. E, por fim, a família Câmara tem grande influência em Goiás, Distrito Federal e Tocantins. Em suas manifestações editoriais, todas essas empresas afirmam a independência como um valor que, supostamente, definiria seu trabalho. Independentes do quê e de quem, exatamente? Essa pergunta nunca é respondida. E não o é, porque a resposta mostraria que o rei está nu!
Qualquer menção à necessidade de democratizar esse cenário é rebatida fortemente por artigos e editoriais enfurecidos destes grupos hegemônicos. Quem defende a democratização da produção e do acesso à informação é imediatamente acusado de “autoritário” e “inimigo da liberdade de imprensa”. O poder das grandes corporações midiáticas é muito forte, estendendo-se também às escolas e universidades que formam os futuros profissionais da comunicação. A imensa maioria de quem se prepara para entrar no “mercado da comunicação” quer arrumar um emprego na Globo, na Folha de São Paulo, na Veja, no Estadão, na RBS, etc. Profissionais ligados direta ou indiretamente a essas empresas garimpam sistematicamente talentos nos bancos escolares. Os professores que procuram navegar contra a corrente são, o mais das vezes, taxados como excêntricos e confinados a guetos.

É importante ter em mente que esse não é um fenômeno exclusivamente brasileiro. A realidade midiática mundial não é distinta. O escritor francês Paul Virilio, ao falar sobre o papel da mídia no mundo de hoje, definiu bem o tamanho do problema a ser enfrentado. A mídia contemporânea, disse Virilio, é o único poder que tem a prerrogativa de editar suas próprias leis, ao mesmo tempo em que sustenta a pretensão de não se submeter a nenhuma outra. A justificativa para tal procedimento trafega entre o cinismo e a treva: uma vez afetada a liberdade de imprensa, todas as liberdades estarão em perigo. Cinismo, denuncia, porque esta reivindicação agressiva trata de negar o óbvio: os meios de divulgação e de formação de opinião vêm se concentrando, de forma brutal, no mundo inteiro, nas mãos de grandes empresas. A transformação dos veículos de comunicação em grandes empresas, com interesses que vão muito além daqueles propriamente midiáticos, fez da informação, definitivamente, uma mercadoria regida pela lógica que comanda o mundo do lucro. Ela, a informação, progressivamente, deixa de ser um bem e um serviço público. Isso se reflete diretamente na qualidade dos noticiários que assistimos todos os dias nos jornais, rádios, televisões e sites. A economia passou a reinar nestes espaços. Todo o resto passou a ser tratado de forma secundária e como um espetáculo. Esse fenômeno é mais dramático na política, onde a cobertura tornou-se, no mais das vezes, uma exploração de fofocas, intrigas e banalidades. As pautas e os espaços prioritários passam a ser definidos pelos interesses econômicos estratégicos dessas empresas. Esse poderio econômico tem repercussão direta na vida política e social do país. Assim, falar da necessidade de democratizar a mídia implica, diretamente, falar da necessidade de democratizar o poder político e econômico. Os interesses econômicos e as articulações políticas decorrentes destes interesses refletem-se diretamente na qualidade da informação oferecida ao público. No Brasil, a cobertura política dos grandes veículos nos últimos anos mal consegue disfarçar seus interesses econômicos e políticos.
Infelizmente estamos caminhando nesta direção, no Brasil e no mundo. A queda na qualidade do jornalismo é algo assustador que ameaça o futuro da própria democracia. Não se trata, portanto, de um debate restrito aos profissionais do setor, mas de uma agenda de toda a sociedade. É o direito de dispor de uma informação de qualidade que está em jogo. E por isso, é preciso começar já. E um dos primeiros passos é o fortalecimento da articulação política entre todos aqueles setores preocupados com a democratização da mídia no Brasil. Mais do que declarações genéricas de apoio, precisamos construir iniciativas concretas que mostrem à população a natureza do problema e como ele influencia na sua vida diária. Essa é uma das agendas que deve avançar na Conferência Nacional de Comunicação.
Esse debate interessa aos próprios empresários do setor que apresenta alguns números preocupantes. Em artigo publicado no Observatório da Imprensa, Carlos Castilho revela alguns dados da surpreendente queda na venda avulsa dos grandes jornais brasileiros. O artigo relata:

A Folha de S.Paulo, considerada um dos três mais influentes jornais do país, vendeu em média 21.849 exemplares diários em bancas em todo o território nacional entre janeiro e setembro de 2009. Em outubro de 1996, a venda avulsa de uma edição dominical da Folha chegava a 489 mil exemplares. Segundo o Instituto Verificador de Circulação (IVC) a Folha é o vigésimo quarto jornal em venda avulsa na lista dos 97 jornais auditados pelo instituto, atrás do Estado de S.Paulo, em 19° lugar e O Globo, em 15° lugar. Somados os três mais influentes jornais brasileiros têm uma venda avulsa de quase 96 mil exemplares diários, o que corresponde a magros 4,45% dos 2.153.891 jornais vendidos diariamente em banca nos primeiros nove meses de 2009. O atual perfil da imprensa brasileira mostra que os três grandes jornais nacionais agarram-se à classe média para manter assinantes e influenciar na agenda política do país, mesmo com tiragens reduzidíssimas, correspondentes a menos de 5% da média da venda avulsa nacional. Esses números indicam claramente que algo vai mal na imprensa brasileira. Indicam, sobretudo, a necessidade de profundas mudanças. Para utilizar uma expressão ao gosto dos grandes empresários do setor, precisamos de uma revolução capitalista na comunicação brasileira. Mais proprietários, mais veículos, mais produtores de comunicação, produtos de melhor qualidade, consumidores mais exigentes, descentralização dos centros produtores para garantir o direito de todos os brasileiros terem informação e comunicação de qualidade. Isso, porém, não será feito no modelo atual, fortemente monopolista e excludente. Os empresários da comunicação precisam decidir se querem mesmo fazer comunicação, entendida como um bem de utilidade pública, ou seguirão tratando-a como uma mercadoria qualquer, cujo sucesso, depende de esmagar os competidores a qualquer preço. Mas há boas notícias neste cenário. Nos últimos anos, essa hegemonia de grandes grupos midiáticos começou a ser enfrentada por um crescente número de iniciativas. A internet tornou-se um espaço privilegiado dessas iniciativas, mas não o único. Os movimentos de Software Livre, de rádios comunitárias, de construção de redes de comunicação de movimentos sociais, de sites , blogs e publicações alternativas abriram brechas no bloco monopolista da grande mídia. Além disso, jornalistas que conheceram de perto o funcionamento desses grupos passaram a desenvolver um trabalho de exposição das entranhas da imprensa brasileira. O conjunto dessas iniciativas contribuiu para a acumulação de um inédito capital crítico sobre o poder dessas empresas. Um poder, importante assinalar, que segue muito forte. Falar de uma comunicação de qualidade, neste cenário, significa falar, entre outras coisas, em liberdade de criação, de difusão e de acesso. Significa compartilhar conhecimentos, recursos, práticas e iniciativas. As palavras “liberdades” e “compartilhamento” expressam, em boa medida, o que é sonegado hoje à maioria da população. Elas apontam para uma visão generosa de um mundo mais solidário, onde a comunicação, o diálogo com o próximo e a criatividade não são reduzidas à condição de mais uma mercadoria destinada a gerar lucro máximo a custo mínimo. Esse é o espírito que deve animar nossos debates na Conferência em busca da construção de um espaço que propicie o encontro, o diálogo, a criação e a partilha de informações, práticas e experiências. Um espaço que, fundamentalmente, enxergue a comunicação como uma prática a serviço da verdade, da justiça e da liberdade e não como meramente mais uma fonte de lucro."

A economia e cultura Cratense (1989-1999) – 1ª Parte – por Pedro Esmeraldo


Antes, vamos dar uma ligeira pincelada que significa economia: ao nosso ver, a economia é o controle para reduzir as despesas e controlá-la a rigor; por isso, temos de olhar com cuidado e preparar com dados especiais o verdadeiro significado, o que podemos mostrar o critério econômico de uma cidade. Para nós, significa como ciências sociais e das riquezas.
Não conseguimos bem dados suficientes para relatar e esboçar o critério económico do Grato referente aos anos de 1989 a 1999: assim o pouco que nós sabemos, podemos revelar com minúcias, esmiuçando um pouco que temos de bom da nossa economia agrícolas.
Para nós, a economia agrícola do Crato houve um retrocesso, devido à queda do movimento açucareiro e a falta de trabalho técnico na indústria canavieira que provocou o desgaste económico da agricultura regional, já que todos os métodos agrícolas se tornaram ultrapassados e o Crato sentiu um grande abalo económico na evolução açucareira; ás vezes, devido a falta de incentivo das administrações e das autoridades federais, pois deixaram a nossa região totalmente esquecida no setor agrícola.
Outro fator prejudicial a economia local foi a queda do algodão, visto que uma praga de insetos foi jogado no Nordeste, prejudicando totalmente o setor agrícola desta região, pois se tornou aniquilada por esse inseto proveniente dos Estados Unidos com o intuito de enfraquecer totalmente a produção algodoeira do Nordeste. Por isso, Crato foi prejudicado, o homem não souber compreender a realidade e ficou totalmente acomodado, sem direção para seguir seu caminho.
Por outro lado, no ramo industrial fomos contemplados com pequenas e médias indústrias: como a instalação da Grendene e outras indústrias com médio porte e com a recuperação da fábrica de papel, modificando-a para a fabricação de papel higiénico e ainda outras que não podemos mencionar por falta de espaço.
Também, o comércio evoluiu muito, instalando-se aqui grandes firmas que vieram contemplar o nosso comércio.

Texto: Pedro Esmeraldo

A economia e a cultura cratense – (1989 – 1999) – 2ª parte – por Pedro Esmeraldo


Continuando com o trabalho anterior, vimos que Crato, sempre foi alvo de personagens de escol que percorriam os anos maravilhosos do passado e que perduram até o presente, dando mostra de qualidade cultural fazendo jus ao título Capital da Cultura.
Em tempos passados, tivemos figuras notáveis como cego Aderaldo (Aderaldo Ferreira de Araújo), nascido em Crato no ano de 1882 e falecido em Recife em 1967. Além dele ouve outros valores que tivemos como figuras notáveis citando por exemplo o poeta Zé de Matos, que foi um cratense crítico que desafiava a todos com suas poesias satíricas. Tivemos outros vultos da história cratense que podemos equiparar com estudos notórios mostrando que brilharam em nossa cultura popular, como o Maestro Azul e ainda podemos observar os irmãos Aniceto e os reisados referenciados como o mestre Aldemir que trouxeram idéias florescentes na arte popular, culminando com o desenvolvimento cultural.
Nesse período de (1989 a 1999) tivemos parte brilhante no folclore que sempre impulsionou pelo maestro Azul e enaltecido pelas figuras do mestre Elói (Elói Teles de Morais) e “Correinha” (Francisco Correia Lima) ambos falecidos prematuramente, deixando-nos uma lacuna na cultura cratense. Essas duas figuras que foram os expoentes máximos do folclore do Crato.
Também queremos enaltecer outros grandes empreendedores culturais cratenses com que os cratenses souberam granjear com coragem e arrojo a expansão do desenvolvimento, elevando o nome do Crato por esse Brasil afora.
Também queremos estimular a figura do senhor Prefeito municipal, agradecendo-o pelo trabalho intenso na revolução cultural: temos como exemplo a criação na Escola Cultura e Arte (Encarte); favorecendo a aprendizagem das crianças constituída de 120 alunos; a construção do espaço cultural; a conclusão do teatro Cultural Salviano Saraiva; Centro Cultural do Araripe e apoiou o Museu Histórico J. de Figueiredo Filho; a biblioteca Luiz Cruz etc.; resgatou o Festival Cariri da Canção e ainda deu apoio ao grupo folclórico musical e arte etc. Infelizmente o povo não chega a dar muito valor a esses artistas natos e nem contribui com o prefeito pois, sempre elevou com muito amor a arte popular do município do Crato; por isso devemos elevar o nosso espírito e mostrar-nos que estamos evoluindo em torno da cultura popular, afirmando que podemos equilibrar o novo acervo, trazendo grandes artistas que sempre souberam conduzir com otimismo e perseverança, já que devemos deixar de lado de lado o pessimismo doentio e mostrarmos que o Crato tem forças suficientes em qualquer posição que se encontra.

Foto: Dihelson Mendonça
Texto: Pedro Esmeraldo

Dom Piacenza: evangelização não necessita de sacerdotes “showman”


Dia de estudo em Roma sobre comunicação e sacerdócio

ROMA, sexta-feira, 20 de novembro de 2009. “Para a evangelização, não servem os sacerdotes showman que vão à televisão”, declarou o secretário da Congregação para o Clero, arcebispo Mauro Piacenza.

O prelado falou nessa quarta-feira em um Dia de Estudo sobre “A comunicação na missão do sacerdote”, organizado pela Faculdade de Comunicação da Universidade Pontifícia da Santa Cruz, em Roma.

Ele afirmou que “a comunicação deve favorecer a comunhão na Igreja, que, do contrário, converte-se em protagonismo individual ou, o que ainda é mais grave, introduz divisão”.

Também indicou que “o sacerdote não deve improvisar quando utiliza os meios de comunicação, nem deve comunicar a si mesmo, mas os dois mil anos de comunhão na fé”, uma mensagem que “só pode ser transmitida através da experiência própria e da vida interior”.

Também interveio o professor Philip Goyret, professor de eclesiologia e teologia sacramental na Universidade Santa Cruz.

Ele explicou que, de alguma maneira, a dimensão comunicativa pertence à essência de todo sacerdote, “seja em si mesmo enquanto que sacramentalmente representa Jesus Cristo e portanto deve viver conforme aquilo que representa, ou enquanto portador de graça e ministro da Palavra de Deus”.

Portanto, acrescentou, “consagração e missão são correlativas: a Palavra dá sentido ao testemunho e o testemunho dá credibilidade à Palavra”.

O professor Sergio Tapia-Velasco, docente na Faculdade de Comunicação da Santa Cruz, afirmou que a homilia dominical pode-se converter em um momento privilegiado da transmissão da Palavra.

E lamentou que em contrapartida se assista frequentemente a “tantas homilias longas e chatas”.

Fonte: ZENIT.org
Postagem: Océlio Teixeira de Souza

VITÓRIA DA GUERRILHA!!!

A LUTA DAS ARTES CONTINUA

O mais audacioso movimento em defesa das artes cênicas do Cariri, intitulado Guerrilha do Ato Dramático Caririense, foi encerrado ontem, domingo, dia 22, depois de uma maratona iniciada no dia 7 de novembro, contabilizando 16 espetáculos de teatro e dança. Todos do Cariri!

Foi apresentado o espetáculo BÁRBARO, com o Grupo Ninho de Teatro, dirigido por Jânio Tavares e Joaquina Carlos, e texto de Caio Fernando Abreu, Salete Maria, Joaquina Carlos e Rita Cidade.

BÁRBARO - ESPETÁCULO DO GRUPO NINHO DE TEATRO

Em seguida, todas as companhias receberam o Troféu Juscelino Leal Lobo Júnior e seus membros foram contemplados com certificados participação no grande evento.


Companhias participantes: Cia. Teatral Anjos da Alegria, Cia Teatral Livremente, Associação dos Artistas e Amigos da Arte de Juazeiro do Norte, Cia. Cearense de Teatro Brincante, Grupo Cênico da SCAC, Cia. teatral Boca de Cena, Cia. Wancylus Gat Produções, Grupo Ninho de Teatro, Allysson Amancio Cia. de Dança, Cia. Mandacaru de Arte e Eventos.

Quase 5.000 pessoas, entre visitantes e público da região, prestigiaram o evento, promovido pela Sociedade Cariri das Artes e Sociedade de Cultura Artística do Crato, Pontos de Cultura do Brasil, no Teatro Rachel de Queiroz, em Crato-CE.

Estimular e fortalecer a produção regional em artes cênicas, valorizando artistas e grupos locais como importantes na consolidação da identidade caririense, preparando a região para intercâmbio que não exclua o valoroso patrimônio cênico do nosso povo, eis alguns dos objetivos elencados pelo idealizador do evento, o dramaturgo Cacá Araújo, ressaltando a criação de uma cooperativa de artes cênicas como uma meta emergencial do movimento.









Ainda sobre a Revolta da Armada - por Armando Lopes Rafael

Cédulas da "República dos Estados Unidos do Brasil" nome oficial do nosso País de 1889 a 1967
Primeira bandeira do Brasil republicano. Que só durou quatro dias pois o povo carioca não aceitou esta imitação servil da bandeira dos EUA

A nota colocada por Dihelson, nesta segunda-feira, sobre a Revolta da Armada inspirou-me a agregar o comentário abaixo. O que vou relatar abaixo está no livro "A Diplomacia do Marechal", resultado de longas pesquisas do embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Correia de Castro, após vasculhar arquivos dos Estados Unidos. O livro traz à tona um acordo entre o governo republicano brasileiro e o governo norte-americano.

Vamos aos fatos: em 6 de setembro de 1893, cansados de presenciar os desmandos do governo Floriano Peixoto um grupo de oficiais da Marinha brasileira se rebelou para derrubar o sanguinário ditador. Entre os insurgentes estava o lendário patriota Almirante Saldanha da Gama, conhecido por suas convicções monarquistas.
Floriano sentiu que não tinha como derrotar a Marinha brasileira. Apelou para o governo de Estados Unidos da América, dizendo que a "restauração da Monarquia seria, daquele momento em diante, o objetivo dos insurgentes". Feito isso, deslocou um homem de sua confiança, Salvador de Mendonça, a fim de obter ajuda junto ao Secretário de Estado Americano, Mr. Gresham, para sufocar o movimento nacionalista dos brasileiros.
Mendonça foi subserviente, mas competente! Lembrou às autoridades dos EUA que o Governo Cleveland tinha contribuído para a restauração da monarquia no Hawai. E argumentava Mendonça: "Não seria demais duas restaurações para só uma administração democrata"? Por fim, sentenciou: se os Estados Unidos não ajudarem Floriano, o Brasil volta a ser uma monarquia, como no tempo de Dom Pedro II, quando éramos mais ligados à Inglaterra. Ou seja, os norte-americanos perderiam os privilégios que vinham desfrutando depois do golpe militar de 15 de novembro de 1889.
O governo Yankee não se fez de rogado. Mandou três possantes cruzadores ao Rio de Janeiro: o Charleston, o Newark, e o Detroit. Aos três se juntaram depois mais dois navios de guerra, sob o comando do Almirante Benham, para acabar com o bloqueio dos navios brasileiros ao porto do Rio de Janeiro.
Chegando ao Rio o Almirante americano alvejou com um tiro, do Detroit, a armada brasileira. E ameaçou por a pique os demais navios brasileiros. Para evitar derramamento de sangue, ante a superioridade norte-americana, o Almirante Saldanha da Gama capitulou. Entrou pelo interior para preparar a resistência. Perseguido, foi assassinado no Rio Grande do Sul.
Floriano Peixoto tornou-se o dono da situação, e deu um banho de sangue, passando a fio de espada os cadetes da Escola Naval. Estava assegurada a manutenção da atual República brasileira. Por conta da intervenção norte-americana no Brasil.
E o alagoano Floriano Peixoto, de quebra, ganhou o título de "Marechal de Ferro". E ordenou o "holocausto" dos humildes camponeses nordestinos, que rezavam e trabalhavam em Canudos, sob a liderança do Beato Antônio Conselheiro, num episódio que ainda é uma ferida não cicatrizada na história brasileira.
Estes são fatos pouco comentados da história do Brasil!
Texto e postagem de Armando Lopes Rafael

CARIRI - Fotógrafo lança novo olhar sobre as romarias - Reportagem: Antonio Vicelmo


O fotógrafo dadá Petrole fez mais de 500 fotos dos romeiros e do ambiente, ao longo da estrada. Destas, apenas 30 serão aproveitadas no livro que publicará.

O fotógrafo cratense Dadá Petrole está de volta ao Cariri, para concluir trabalho que se transformará em livro. Crato. Cada dia que passa, novas câmeras fotográficas são lançadas no mercado, com capacidades, efeitos e tecnologias para facilitar a vida dos amadores da fotografia. Porém, nenhum instrumento substitui a sensibilidade do fotógrafo, que vê o mundo em detalhes, muito mais com o coração do que com as lentes de uma máquina. É com esta visão emocional que o fotógrafo Dadá Petrole lança um novo olhar sobre as romarias do Padre Cícero. Depois de ser premiado como um dos melhores trabalhos fotográficos de "design" dos países de língua alemã, com o projeto ´Moderatrix", o fotógrafo cratense Dadá Petrole está de volta ao Cariri, nas carrocerias de caminhões paus-de-arara, carregados de romeiros, com o objetivo de concluir um trabalho que será transformado em livro, sobre o comportamento e os rituais destes nordestinos que saem de seus lares, empurrados pela fé, em busca de Juazeiro que, para eles, é a nova Canaã, a terra prometida por Deus aos hebreus.

É um documentário sobre os romeiros. A cultura, a tradição, o imaginário popular e a questão social são os aspectos pesquisados para a formulação da concepção desse trabalho. "É um livro de fotografia que mostra a realidade nua e crua e, ao mesmo tempo, o sentimento de fé e alegria dos devotos do Padre Cícero", diz o fotógrafo. A primeira carona ocorreu no interior da Bahia, mas o caminhão apresentou problemas logo na saída. O segundo pau-de-arara estava muito cheio. Ele teve que mudar para um terceiro veículo que, segundo afirma, foi mais interessante porque transportava romeiros típicos de uma comunidade, localizada entre os Estados da Bahia, Pernambuco e Piauí. Eram nordestinos rústicos que tinham dificuldades de socialização com outras pessoas. A presença do fotógrafo os intimidava. Com o passar das horas, eles foram se familiarizando com o "cristão novo" que se integrava ao grupo.

O que chamou mais a atenção do fotógrafo foi a solidariedade entre eles. "É um exemplo de partilha, companheirismo e alegria". Dadá acrescenta que, além dessa solidariedade, eles cantam e rezam. A refeição é feita nas paradas no meio da estrada. A maioria traz de casa farnéis com farinha, rapadura, pão e batida. O clima é de satisfação entre eles. Nem mesmo o fotógrafo se cansou durante a viagem, onde ele fez mais de 500 fotos dos romeiros e do ambiente, ao longo da estrada. Destas fotos, apenas 30 serão aproveitadas para o livro que será publicado. O trabalho teve continuidade em Juazeiro, onde ele acompanhou os rituais dos romeiros nos locais que eles consideram "sagrados". A odisséia dos romeiros no caminho para Juazeiro é o novo projeto desse cratense que fez da máquina fotográfica, não somente um instrumento de trabalho, mas, principalmente, um meio de comunicação social. A linguagem da fotografia usada por Dadá Petrole não é de uma foto convencional, jornalística ou documentária. É o retrato do inusitado que mistura tradição com modernidade.

Visão surrealista

A seca, o agreste, a Caatinga, a Serra do Araripe, os fósseis e a gente simples do sertão são contrastados com os últimos lançamentos da moda. É dentro dessa visão surrealista e contemporânea, que o fotógrafo mostra o Cariri para o mundo. Ele diz que estas paisagens estão muito presentes no seu trabalho por conta de suas origens.

Dadá Petrole nasceu no Crato com o nome de Adailton, transformado no meio familiar em Dadá, apelido que foi oficializado como nome próprio. Estudou em escolas públicas. Como seu pai, eletricista, não possuía casa própria, ele percorreu seis grupos escolares da cidade. Formou-se em Letras pela Universidade Regional do Cariri. Esta vida nômade, numa cidade do Interior do Ceará, contribuiu para sua formação profissional. Arrastado por uma paixão por uma alemã, ele foi para a Alemanha, onde se formou em "design" da mídia, com especialidade em fotografia. No próximo ano, ele inicia doutorado na área de fotografia e educação. Em casa, ele montou um laboratório fotográfico para revelação de fotos em preto e branco.

Antônio Vicelmo
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaborador do Blog do Crato e Jornal Chapada do Araripe

CRATO - Previsão do Tempo e Almanaque - Dia 23 de Novembro de 2009


BOM DIA!

Hoje, Segunda-Feira, 23 de Novembro de 2009. Dia de muitas coisas a se resolver. Dia da tradicional feira do Crato, que quase não existe mais. Ontem fizemos uma espécie de recesso no Blog do Crato. Eu propositalmente, postei bem menos, a fim de que as excelentes e diversas postagens dos nossos escritores pudessem brilhar mais, já que na última semana fomos agraciados por tantas postagens interessantes. Hoje voltamos à ativa, e em breve as novidades desta Segunda-Feira aqui no Crato.

Previsão do Tempo

A previsão do tempo para hoje, Segunda-feira, dia 23 de Novembro de 2009, não muda. Dia de Sol, com algumas núvens e sem chuva. Devo dizer que independentemente das previsões dos websites de meteorologia, estamos com temperaturas bem melhores agora. No momento, 28 graus ( boa, se comparadas aos 32 graus da semana passada ). Mas o Climatempo prevê máxima de 30 e mínima de 20 graus para o Crato hoje.


ALMANAQUE

23 de novembro. Dia de São Clemente I

Clemente foi o quarto papa da Igreja de Roma, ainda no século I. Vivia em Roma e foi contemporâneo de são João Evangelista, são Filipe e são Paulo; de Filipe era um dos colaboradores e do último, um discípulo. Paulo até citou-o em seus escritos. A antiga tradição cristã apresenta-o como filho do senador Faustino, da família Flávia, parente do imperador Domiciano. Mas foi o próprio Clemente que registrou sua história ao assumir o comando da Igreja, sabendo do perigo que o cargo representava para sua vida. Pois era uma época de muitas perseguições aos seguidores de Cristo. Governou a Igreja por longo período, de 88 a 97, quando levou avante a evangelização firmemente centrada nos princípios da doutrina. Enfrentou as divisões internas que ocorriam. Foi considerado o autor da célebre carta anônima enviada aos coríntios, que não seguiam as orientações de Roma e pretendiam desligar-se do comando único da Igreja. Através da carta, Clemente I animou-os a perseverarem na fé e na caridade ensinada por Cristo, e participarem da união com a Igreja.

Restabeleceu o uso do crisma, seguindo a tradição de são Pedro, e instituiu o uso da expressão "amém" nos ritos religiosos. Com sua atuação séria e exemplar, converteu até Domitila, irmã do imperador Domiciano, também seu parente, fato que ajudou muito para amenizar a sangrenta perseguição aos cristãos. Graças a Domitila, muitos deixaram de sofrer ou, pelo menos, tiveram nela uma fonte de conforto e solidariedade. Clemente I expandiu muito o cristianismo, assustando e preocupando o então imperador Nerva, que o exilou na Criméia. A essa altura, assumiu, como papa, Evaristo. Enquanto nas terras do exílio, Clemente I encontrou mais milhares de cristãos condenados aos trabalhos forçados nas minas de pedra. Passou a encorajá-los a perseverarem na fé e converteu muitos outros pagãos.

A notícia chegou ao novo imperador Trajano, que, irritado, primeiro ordenou que ele prestasse sacrifício aos deuses. Depois, como recebeu a recusa, mandou jogá-lo no mar Negro com uma âncora amarrada no pescoço. Tudo aconteceu no dia 23 de novembro do ano 101, como consta do Martirológio Romano. O corpo do santo papa Clemente I, no ano 869, foi levado para Roma pelos irmãos missionários Cirilo e Metódio, também venerados pela Igreja, e entregue ao papa Adriano II. Em seguida, numa comovente solenidade, foi conduzido para o definitivo sepultamento na igreja dedicada a ele. Na cidade de Collelungo, nas ruínas da propriedade de Faustino, seu pai, foi construída uma igreja dedicada a são Clemente I. A sua celebração ocorre no dia da sua morte.

Eventos históricos

* 1863 - Guerra Civil Americana: tropas nortistas comandadas por General Grant enfrentaram as tropas de Bragg na Batalha de Chattanooga
* 1891 - Primeira Revolta da Armada: o almirante Custódio de Melo ameaça bombardear o Rio de Janeiro, forçando a renúncia do presidente Deodoro da Fonseca
* 1908 - Inauguração da Linha do Vouga
* 1913 - É fundada a primeira universidade tecnológica do Brasil, sendo a décima escola de engenharia do país, a Universidade Federal de Itajubá
* 1925 - Os negócios do falsário Alves dos Reis começam a despertar a atenção do jornal O Século
* 1937 - Albert D. Schroeder é designado por Joseph Franklin Rutherford como Superintendente de Filial da Grã-Bretanha das Testemunhas de Jeová
* 1941 - Shiogama recebe estatuto de cidade
* 1942 - O marechal Zhukov realiza o cerco aos alemães na cidade de Stalingrado
* 1944 - Primeiro doutoramento de uma mulher na Universidade do Porto: Leopoldina Ferreira Paulo doutora-se em Ciências Biológicas com a tese Alguns caracteres morfológicos das mãos dos portugueses
* 1961 - Um jato Comet 4 de prefixo LV-AHR das Aerolineas Argentinas cai logo após decolar do Aeroporto Internacional de Viracopos, na cidade de Campinas, provocando a morte de 52 pessoas
* 1963 - Emancipação política do Município de São Jorge d'Oeste, estado do Paraná
* 1971 - A República Popular da China ganha a vaga da República da China no Conselho de Segurança da ONU
* 1991 - Em uma declaração gravada em seu leito de morte, Freddie Mercury finalmente divulgou que tinha AIDS
* 2008 - A banda norte-americana Guns n' Roses lançou o album mais esperado da década:O Chinese Democracy
* 2009 - É instituído o dia nacional do engenheiro eletricista no Brasil, pela Lei Nº 12.074, de 29 de Outubro de 2009

Nascimentos

* 912 - Oto I da Germânia, imperador do Sacro Império Romano (m. 973)
* 1760 - François Noël Babeuf, conhecido como Gracchus Babeuf, jornalista e revolucionário francês (m. 1797)
* 1804 - Franklin Pierce, décimo quarto presidente dos Estados Unidos (m. 1869)
* 1837 - Johannes Diderik van der Waals, físico holandês (m . 1923)
* 1838 - José Gonçalves da Silva, primeiro governador constitucional da Bahia, na República, único deposto pelo povo.
* 1883 - José Orozco, pintor mexicano (m. 1949).
* 1887 - Boris Karloff, ator britânico (m. 1969).
* 1890 - El Lissitzky, artista, designer, fotógrafo, professor, tipóografo e arquiteto russo (m. 1941).
* 1899 - Mestre Bimba, criador da capoeira regional brasileiro (m. 1974).
* 1919 - Claudio Santoro, compositor e maestro brasileiro (m. 1989).
* 1922 - Võ Văn Kiệt, político vietnamita (m. 2008).
* 1926 - Sathya Sai Baba, educador e líder indiano.
* 1931 - Joel Antônio Martins, futebolista brasileiro (m. 2003).
* 1933 - Joãosinho Trinta, carnavalesco brasileiro.
* 1935 - Vladislav Volkov, cosmonauta russo (m. 1971).
* 1941 - Franco Nero, ator italiano.
* 1954
o Bruce Hornsby, cantor, pianista e compositor norte-americano.
o Elizabeth Savalla, atriz brasileira.
o Ross Brawn, chefe de equipe da Brawn GP.
* 1956 - André de Biase, ator brasileiro.
* 1962 - Carlinhos Brown, compositor e cantor brasileiro.
* 1965 - Sergio Vázquez, ex-futebolista argentino.
* 1966 - Vincent Cassel, ator francês.
* 1969
o Olivier Beretta, piloto monegasco de corridas.
o Byron Moreno, ex-árbitro de futebol equatoriano.
* 1972 - Alf-Inge Håland, ex-futebolista norueguês.
* 1973 - Evans Wise, futebolista trinitário.
* 1976 - Page Kennedy, ator norte-americano.
* 1979
o Kelly Brook, atriz e modelo britânica.
o Nihat Kahveci, futebolista turco.
* 1982 - Asafa Powell, velocista jamaicano.
* 1984 - Lucas Grabeel, cantor e ator norte-americano, que interpreta Ryan Evans em High School Musical.
* 1984 - Marcos Curvelo Luz, membro consagrado da comunidade Recado.
* 1985 - Ahn Hyun-Soo, patinador sul-coreano.
* 1992 - Miley Cyrus, cantora e atriz norte-americana.

Falecimentos

* 955 - Rei Edred de Inglaterra (n. 923)
* 1616 - Próspero Alpini, médico e botânico italiano (n. 1553).
* 1979 - Judee Sill, cantora e compositora americana. (n. 1944)
* 1982 - Adoniran Barbosa, compositor, cantor, humorista e ator brasileiro. (n. 1912)
* 1990 - Caio Prado Júnior, escritor, político e editor brasileiro (n. 1907)
* 1991 - Klaus Kinski, ator alemão (n. 1926)
* 2005 - Isabel de Castro, atriz portuguesa (n. 1931)
* 2005 - Marco Uchôa, repórter brasileiro (n. 1969)
* 2006 - Philippe Noiret, ator francês (n.1930)

Feriados e eventos cíclicos

* Feriado na Vila de Gavião
* Dia do Engenheiro Eletricista.

Fontes: Climatempo, Edições Paulinas, Wikipedia

A primeira Revolta da Armada é o tema do HOJE NA HISTÓRIA


HOJE NA HISTÓRIA


A primeira Revolta da Armada

Em novembro de 1891, registrou-se como reação à atitude do presidente da República, marechal Deodoro da Fonseca, que, com dificuldades em negociar com a oposição representada pela elite cafeicultora, em flagrante violação da Constituição recém promulgada em 1891, ordenou o fechamento do Congresso. Unidades da Armada na Baía de Guanabara, sob a liderança do almirante Custódio de Melo, sublevaram-se e ameaçaram bombardear a cidade do Rio de Janeiro, então capital da República. Para evitar uma guerra civil, o marechal Deodoro renunciou à Presidência da República (23 de novembro de 1891).

Com a renúncia de Deodoro, passados apenas nove meses do início de seu governo, o vice-presidente Floriano Peixoto assumiu o cargo (1892). A Constituição de 1891, no entanto, previa nova eleição se a Presidência ou a Vice-Presidência ficassem vagas antes de decorridos dois anos de mandato. A oposição acusou, então, Floriano de manter-se ilegalmente à frente da nação.

A segunda Revolta da Armada

Começou a delinear-se em Março de 1892, quando treze generais enviaram uma Carta-Manifesto ao Presidente da República, marechal Floriano Peixoto. Este documento exigia a convocação de novas eleições presidenciais para que, cumprindo-se o dispositivo constitucional, se estabelecesse a tranquilidade interna na nação. Floriano reprimiu duramente o movimento, determinando a prisão de seus líderes.

"Concidadãos, Contra a Constituição e contra a integridade da própria Nação, o chefe do Executivo [Floriano Peixoto] mobilizou o Exército discricionariamente, pô-lo em pé de guerra e despejou-o nos infelizes estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Contra quem? Contra o inimigo do exterior, contra estrangeiros? Não. O vice-presidente armou brasileiros contra brasileiros; levantou legiões de supostos patriotas, levando o luto, a desolação e a miséria a todos os ângulos da República (...).

Sentinela do Tesouro Nacional como prometera, o chefe do Executivo perjurou, iludiu a Nação, abrindo com mão sacrílega as arcas do erário público a uma política de suborno e corrupção. (...)

Viva a Nação Brasileira! Viva a República! Viva a Constituição!
Capital da República, 6 de setembro de 1893.
Contra-Almirante Custódio José de Melo" (in: Jornal do Brasil)

Em 6 de setembro de 1893, um grupo de altos oficiais da Marinha exigiu a imediata convocação dos eleitores para a escolha dos governantes. Entre os revoltosos estavam os almirantes Saldanha da Gama, Eduardo Wandenkolk e Custódio de Melo, ex-ministro da Marinha e candidato declarado à sucessão de Floriano. Sua adesão refletia o descontentamento da Armada com o pequeno prestígio político da Marinha em comparação ao do Exército. No movimento encontravam-se também jovens oficiais e muitos monarquistas.

A revolta teve pouco apoio político e popular na cidade do Rio de Janeiro, onde diversas unidades encouraçadas trocaram tiros com a artilharia dos fortes em poder do Exército. Houve sangrenta batalha na Ponta da Armação, em Niterói, área guarnecida por aproximadamente 3.000 governistas, os quais eram compostos entre outros por batalhões da Guarda Nacional.[1][2] A capital do Estado do Rio, então em Niterói, foi transferida para a cidade de Petrópolis em 1894, da onde só retornou em 1903. Sem chance de vitória na baía da Guanabara, os revoltosos dirigiram-se para sul do país. Alguns efetivos desembarcam na cidade de Desterro (atual Florianópolis) e tentaram, inutilmente, articular-se com os federalistas gaúchos.

O presidente da República, apoiado pelo Exército brasileiro e pelo Partido Republicano Paulista conteve o movimento em março de 1894, para o que fez adquirir, às pressas, no exterior, novos navios de guerra, a chamada "frota de papel".

Fonte: Wikipedia

Pensamentos do Dia - 23 de Novembro de 2009

Acima: Foto do Escritor Marcel Proust

"A felicidade de um amigo deleita-nos. Enriquece-nos. Não nos tira nada. Caso a amizade sofra com isso, é porque não existe."

Jean Cocteau

"O melhor modo de vingar-se de um inimigo, é não se assemelhar a ele."

Marco Aurélio

"Antes o reprovamento por um génio do que um louvor de um idiota."

Marco Aurélio

"As pessoas querem aprender a nadar e ter um pé no chão ao mesmo tempo."

Marcel Proust

"Aquilo que é estrangeiro tem sempre uma aparência aristocrática para nós."

Otto Bismarck


"É preciso ter dúvidas. Só os estúpidos têm uma confiança absoluta em si mesmos."

Orson Welles

Notícias da URCA - Dia 23 de Novembro de 2009

XII Semana de Iniciação Científica da URCA será aberta hoje, com mais de mil inscritos e oito instituições

Será aberta, na manhã de hoje, no Salão de Atos da Universidade Regional do Cariri (URCA), a XII Semana de Iniciação Científica da Instituição, o maior evento na área da pesquisa científica na região. O tema será “Ciência e Sociedade: Caminhos para o Futuro”. Mais uma vez a URCA supera o número de inscritos, com mais de 1000 participantes e cerca de 600 trabalhos de iniciação científica, para serem apresentados durante o evento, que se prolonga até a próxima sexta-feira, com palestras, mini-cursos, apresentação de trabalhos e painéis.

Segundo o Pró-Reitor de Pòs-Graduação e Pesquisa, Professor Álamo Feitosa os trabalhos a serem apresentados de forma resumida estarão dentro dos princípios básicos que norteiam as normas de pesquisa científica, sendo importante estímulo ao desenvolvimento dessas atividades no âmbito acadêmico. Álamo ressalta estarem participando do evento, a ser aberto pelo Reitor da Instituição, Professor Plácido Cidade Nuvens, oito instituições de ensino superior.

O objetivo da XII Semana, segundo ele, é avaliar os trabalhos de cerca de 140 bolsistas do CNPq, Capes e Funcap. Outro ponto importante é propiciar uma interligação da pesquisa dentro da Universidade, além estimular o aluno que inicia essa atividade a treinar a sua desenvoltura a apresentar trabalhos científicos em público. “Esse evento expressa a vitalidade da Universidade, apoiando o aluno pesquisador e fortalecendo a Instituição”, explica o Pró-Reitor. A palestra de abertura, na manhã de hoje, será proferida pelo Professor Doutor, Josué Mendes Filho, com a temática “Ciência, Um Caminho Para o Futuro”.

Reitor faz entrega dos kits de móveis para CA’s

Em solenidade no último dia 19, o Reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), Professor Plácido Cidade Nuvens, fez a entrega oficial dos novos kits de móveis para os Centros Acadêmicos da Universidade, adquiridos por meio da Pró-Reitoria de Administração. A entrega simbólica dos móveis, que inclui mesas, cadeiras e estante para cada sala, contou com a presença da Vice-Reitora, Otonite Cortez, e dos Pró-Reitores, além dos estudantes e representantes dos CA’s da URCA. O Reitor Plácido Cidade Nuvens destacou a importância da expressão, acima de tudo, da vitalidade da Universidade, apoiando o movimento estudantil, no sentido de fortalecer a própria Instituição. Já o Pró-Reitor de Assuntos Estudantis, José Cavalcanti, ressalta o fortalecimento da base estudantil para se ter um lugar definido dentro da Universidade, como forma de garantir uma estrutura também voltada aos estudantes. A idéia é convocá-los para que também seja criado um CNPJ para esses centros. Cavalcante traduz esse momento pioneiro na URCA, com um olhar diretamente voltado aos estudantes da Instituição. Em relação aos CA’s que ainda se encontram sem uma sala, o Pró-Reitor admite que o objetivo agora é poder garantir os espaços para que os cursos mais recentes da URCA, como Ciências Sociais, possam ter a sua sala. Durante a solenidade, a Professora doutora da Instituição, Zuleide Queiroz, proferiu palestra aos estudantes. Em seguida, foi sérvio um coquete aos estudantes.

Contato:
Assessoria de Comunicação
Universidade Regional do Cariri - URCA
(88) 3102-1212 ramal 2617
www.urca.br - Elizangela Santos.
Crato, 23 de novembro de 2009.

Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31