xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 11/10/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

11 outubro 2009

BONS AMIGOS

NE: Ao querido Dihelson Mendonça, Ninha e a todos e todas que contribuem para esse blog, seja postando artigos, seja comentando ou apenas lendo!
Uma boa semana para vocês!

Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!
Machado de Assis

Família Sarney interfere em agenda do ministro do pré-sal

Grampo mostra que filho e aliado do senador têm ingerência em compromissos de Lobão
Fernando Sarney e Silas Rondeau incluem reuniões na agenda do ministério; Lobão cita amizade e diz que são "apenas solicitações".

O ministro encarregado pelo presidente Lula de administrar o pré-sal, a riqueza que representa o "passaporte para o futuro" do Brasil, é um aliado de José Sarney tão obediente que permite ao presidente do Senado interferir em sua agenda.

Conversas interceptadas pela Polícia Federal mostram que o filho mais velho de Sarney e um apadrinhado antigo do clã maranhense têm livre acesso ao ministro Edison Lobão (Minas e Energia) e a seu gabinete.

Nesses diálogos, eles ditam compromissos para Lobão ou para seus assessores e secretárias, marcam e cancelam reuniões do ministro sem avisá-lo previamente, orientam Lobão sobre o que dizer a empresários que irá receber, falam de nomeações no governo e discutem contratos que acabariam assinados pelo ministério.

As conversas, no entender da PF, configuram "tráfico de influência" -crime de solicitar ou obter vantagem para influir em órgão público-, que prevê de dois a cinco anos de prisão.

O relatório do inquérito diz que Fernando, o filho mais velho de Sarney, "coordenou a prática ilícita". Silas Rondeau, o aliado de Sarney que antecedeu Lobão no Ministério de Minas e Energia e de lá saiu em 2007 sob denúncias de corrupção, seria seu subordinado.

Obtidas pela PF com autorização da Justiça, as escutas fazem parte da Operação Boi Barrica (rebatizada de Faktor), que investigou negócios da família Sarney e culminou com o indiciamento de Fernando sob a acusação de crime de quadrilha, gestão de instituição financeira irregular, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Nas conversas, Lobão, Rondeau e Fernando se tratam quase sempre por apelidos. O ministro é chamado de "Magro Velho". Rondeau é o "Baixinho". Fernando é chamado de "Bomba", "Bombinha" ou "Madre", e José Sarney é chamado de "Madre Superiora".

Questionado pela Folha, Lobão negou que José Sarney, por meio de Fernando e Rondeau, interfira em sua agenda ou tenha influência sobre questões do governo. Eles "podem fazer solicitações", disse. "O [nosso] relacionamento é de amizade." O conteúdo de oito grampos a que a Folha teve acesso, porém, mostra que o ministro "terceirizou" aos colegas a sua agenda de compromissos.

Num diálogo de 16 de setembro de 2008, Fernando conversou com o então assessor de imprensa de Lobão -Antônio Carlos Lima, o Pipoca- e contou que marcou um jantar de negócios para o ministro para a semana seguinte: "Depois eu me acerto com ele [Lobão]". Nesse mesmo dia, Fernando falou com Lobão sobre dois compromissos que este teria no ministério e deu instruções.

O primeiro foi uma audiência com representantes de emissoras de rádio e de TV, para discutir como revogar o decreto presidencial que programava o início do horário de verão. Lobão resistiu. "Escuta e vê se é possível. Entendeu?", disse Fernando. "Tá bom."

O segundo foi uma reunião com Lauro Fiúza, da ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica). "Eu tinha acenado com ele que de repente você ia fazer um contato mais próximo. (...) Vão fazer uma exposição para você sobre os projetos", comunicou Fernando. Em 2008 Fiúza contratou por R$ 10 mil mensais a RV2 Consultoria, de Rondeau, para assessorar a ABEEólica.

Noutra conversa, datada de 30 de junho de 2008, Rondeau pediu à secretária de Lobão, Telma, para inserir na agenda do ministro um encontro com o grupo espanhol Gás Natural em 9 de julho. "Como é o nome da empresa?", perguntou Telma.

Rondeau explicou que "é parceira da Petrobras na distribuição de gás natural no Rio" (embora tenha sido exonerado da pasta em 2007 e denunciado à Justiça um ano depois, Rondeau continua no Conselho de Administração da Petrobras.)

Dois minutos depois de acertar com a secretária de Lobão a audiência, Rondeau ligou para um executivo da Gás Natural e disse que o ministro tinha "bastante interesse em ouvir que vocês estariam dispostos [a investir] em caso do Maranhão como um mercado gasífero".

Ainda em 30 de junho de 2008, Rondeau contatou a secretária para agendar outra reunião. "Dia 4 está bom. São dois donos da Engevix que querem tratar o assunto do Peru. Ele [Lobão] sabe o que é", disse.

Rondeau ligou a seguir para José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix, e ouviu o pedido para que o acompanhasse à reunião com Lobão para tratar da construção de hidrelétricas no Peru com a participação da Eletrobrás, estatal ligada à pasta: "Sua presença é fundamental pelo fato de que os próximos passos já saem na hora com sua cooperação", afirmou Antunes.

Na tarde de 4 de julho, Rondeau ligou de novo para Telma e solicitou a ela que alterasse os registros da agenda oficial: "Tira do registro. Tu te lembras das fofocas de agenda, de registro. Você está bem vacinada. Para evitar qualquer ilação, tira meu nome. Se eu puder ir, eu vou, mas tira do agendamento".

No sistema interno do Ministério de Minas e Energia não há anotação de reunião de Lobão com a Engevix no dia 4 -apenas de outra, no dia 9. Dois meses depois, a Engevix assinou acordo com a Eletrobrás para estudar a viabilidade de construir seis usinas em território peruano, num negócio estimado em US$ 16 bilhões.

Além de interferir na agenda de Lobão, a PF concluiu que Fernando Sarney tratava de nomeações no ministério. É o que indica conversa de 27 de agosto do ano passado com o assessor de imprensa de Lobão.

"Tu te lembras hoje de manhã que tu me falaste daqueles cargos que tinha de R$ 800, R$ 900, aquele negócio todo?", pergunta Fernando. "Eu vou pedir para uma amiga minha, que se chama Lina, vou dar o teu telefone pra ela. Eu queria que tu botasse [ela] nesse esquema", pediu o filho do presidente do Senado. "Manda ela ir me visitar lá", disse Pipoca.

Fonte: Folha de São Paulo. Reportagem de Hudson Corrêa, Andréa Michel e Andreza Matais.

Nota da postagem: A que ponto chegamos, neste país. Tudo pela preservação de posições de poder. Quem quiser que questione. O debate está aberto e as posições chegam a ser indefensáveis. O importante Ministério das Minas e Energia virou mesmo um pedaço da Capitania do Maranhão e Amapá, que pertence "por direito"ao Senador José Sarney.

HOMENAGEM A NOSSA SENHORA APARECIDA- Por Maria Otilia

ROMARIA

Renato Teixeira


É de sonho e de pó
O destino de um só
Feito eu perdido
Em pensamentos
Sobre o meu cavalo
É de laço e de nó
De jibeira o jiló
Dessa vida
Cumprida a só
Sou caipira, pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha
O meu pai foi peão
Minha mãe solidão
Meus irmãos
Perderam-se na vida
À custa de aventuras
Descasei, joguei
Investi, desisti
Se há sorte
Eu não sei, nunca vi
Sou caipira,
Pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida
Me disseram, porém
Que eu viesse aqui
Prá pedir deRomaria e prece
Paz nos desaventos
Como eu não sei rezar
Só queria mostrar
Meu olhar, meu olhar
Meu olhar
Sou caipira, pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida.

Letra da música de Renato Teixeira - Postado por Maria Otilia

CRATO - Histórias e Estórias do Crato de Antigamente - Por: Ivens Roberto de Araújo Mourão


NE - E agora, temos a segunda sessão do dia de hoje da seção "Só no Crato".

A CONFUSÃO


O meu tio-avô Hermógenes Martins, tio do Luís, foi um personagem ímpar, no Crato. Homem de pouca instrução formal, mas detentor de um grande conhecimento, fruto de sua incrível curiosidade. Profundo conhecedor da geografia, da hidrogeologia do Vale do Cariri e da Serra do Araripe. Era o geólogo e o paleontólogo do Crato. Sabia classificar animais, plantas, pássaros, fosseis e árvores. E o Cariri é o maior depositário de fósseis de peixes do mundo. Recentemente foi descoberto um dinossauro carnívoro. Localizou e mapeou fontes e a estrutura mineralógica do sul do Ceará, com rara paciência e método beneditino. Qualquer cientista que chegasse à cidade, para desenvolver pesquisas, trazia o seu nome e endereço: Coronel Secundo, 8. Cientistas brasileiros, japoneses, americanos e europeus não davam um passo sem ter a assessoria do Tio Hermógenes. Abaixo, vemos o cartão do Dr. Shozo Yamamoto da Universidade de Tóquio.



Também dominava, como poucos, os estudos genealógicos. Foi ele quem descobriu onde nasceu o grande Delmiro Gouveia. Foi colaborador do Instituto Cultural do Cariri desde a sua fundação. Em sua casa recebia, sempre, com permanente bom humor, todas as caravanas estudantis ou de técnicos que vinham a busca de informações sobre a região. A cidade o homenageou com um nome de rua. Outra característica, que se sobressaia sobre as demais, era a facilidade de fazer amizades. Um dos seus grandes amigos era o notável Luiz Gonzaga, o sanfoneiro e o pai dele. A amizade era tanta que o velho Januário se hospedou durante quinze dias na casa do tio Hermógenes, para submeter-se a tratamento médico, enquanto o filho (fotos seguintes), famoso e querido de todos, fazia shows pelas cidades vizinhas.


O Tio Hermógenes teve quatro filhas: Ruth, Norma, Fátima e Célia. As três últimas eram pequenas, quando se hospedou o Sr. Januário. Uma delas foi atender alguém que batia à porta e, falando com um vozeirão, disse:

- “O velho Hermógenes está?”

- “Está lá dentro”
- “Pois diga que é o Luiz Gonzaga”.

A menina, meio confusa, pensando no primo Luís Gonzaga, disse para o pai:
- “Papai, tem um negro lá fora, dizendo que é o Luis Gonzaga!!”

Tio Hermógenes, a esposa Aracy e a filha Ruth logo após mudarem-se de Crateús para o Crato. Ao fundo, à direita, a casa onde moravam.


Tio Hermógenes e a esposa Aracy, pouco antes dele ser acometido da doença de Parkyson.

PÉ DE MESA

Nas cidades do interior, e o Crato não fugia a esta regra, todas as pessoas ficavam sabendo dos homens que tinham certas partes anatômicas do corpo avantajadas. Era sempre motivo de papos nas praças e calçadas. As putas não gostavam de ter como clientes aqueles a quem chamavam: “pé de mesa”. Estavam sempre avisando para as outras:

- “Não vai com fulano que ele é pé de mesa”.

E acabavam por contar para os clientes normais, que tratavam de espalhar pela cidade toda.
O “pé de mesa” mais famoso do Crato era um promotor que morou na cidade por um curto período. A Glorinha, para bajular o Doutor, avisou-lhe da chegada de uma menininha bem novinha linda de morrer. Só quinze anos. Ele foi logo experimentar esta preciosidade. A Glorinha, sabendo dos seus atributos, advertiu:

- “Olhe, vá com jeito. Seja moderado. A menina é nova e tem poucos quilômetros rodados.”
Poucos minutos depois que o casal entrou para o quarto, ouviu-se um barulho e um grito da menina:

- “Me acudam, me acudam, que este homem está me ‘ajojando’ !!!

Alguns dos fregueses, apavorados com os gritos, botaram a porta abaixo e depararam-se com a menina acocorada na cabeceira da cama e dizendo:

- “Tirem este jumento de lote daqui de dentro!”

RODILHA

A raça humana, como é hoje, surgiu após milhões de anos de evolução, há cerca de cem mil anos, no sul da África e às margens do Oceano Índico. Como eram nômades, se espalharam pelo mundo inteiro. Ou seja, desde aquela época já existia a globalização. Primeiramente na África. Quando chegaram no Oriente Médio, uns dobraram para esquerda e foram povoar a Europa. Outros dobraram para a direita e foram habitar a Ásia. Nesse período ocorreram duas glaciações, provocando o drástico rebaixamento do nível dos oceanos, possibilitando o acesso, a pé, das atuais ilhas do Pacífico e mesmo da Austrália. A América foi alcançada caminhando pelo estreito de Behring. Uma outra hipótese é que alguns chegaram à América do Sul cruzando o Oceano Atlântico reduzido, quando das glaciações. Estes nômades se alimentavam da caça e da colheita de frutas e raízes que a natureza oferecia. Desde o primeiro núcleo familiar, no sul da África, houve uma divisão de tarefas que perdura até hoje no nosso interior e, por conseguinte, no Crato. Os primeiros homens perceberam que as mulheres e as crianças não poderiam participar da caça. As mulheres falavam demais e as crianças faziam muito barulho, gritando e correndo. Com isso espantavam a caça. Assim, decidiram que as mulheres ficariam no acampamento, cuidando das crianças e da feitura dos alimentos. Uma outra tarefa estabelecida para elas foi a de abastecer o acampamento com água. Esta é uma tarefa, até hoje, século XXI, que as mulheres do sertão cumprem religiosamente, sem nenhum questionamento, como a coisa mais natural do mundo (na verdade é uma tradição de cem mil anos). As nossas sertanejas desenvolveram uma habilidade fantástica de equilibrar o pote ou a lata na cabeça. Mas evoluíram, usando um pano enrolado, conhecido como rodilha, que serve de proteção à cabeça e possibilita maior equilíbrio ao pote. Por isso surgiu um ditado: “Se não pode com o pote não pegue na rodilha”. Ou seja, se alguém não tem capacidade de desenvolver uma tarefa não deve nem tentar.

Mas tudo isso para dizer que uma sertaneja, “pupila” da Glorinha, no Crato, encontrou uma outra ‘função’ para a rodilha. Recebeu como cliente um conhecido ‘pé de mesa’. E ele, tentando convencê-la:

- “Mas minha filha, eu só ponho a cabecinha”.
- “Não, cabecinha sem ombro, não quero não”.
Conversa vai, conversa vem, até que ela se saiu com esta:
- “Tá bom, eu deixo, mas desde que você use esta rodilha como esbarro”.

A SAUDADE

A Rua Nelson de Alencar era uma rua sui-generis. Tinha de tudo. Começava com um cabaré. No primeiro quarteirão todas as casas eram prostíbulos. Os mais famosos: Odilon, velho José Alves, Iraci, entre outros. Ali só circulavam os homens e as prostitutas. Quando um garoto atravessava aquele quarteirão proibido, as prostitutas iam ‘enredar’ ao pai. Os outros quarteirões eram familiares. Tinha indústria de mosaico, revendedora da Chevrolet, a sede da maçonaria, a praça Francisco Sá, hotel, uma rádio e um cinema, dentista, colégio, carpintaria e terminava com um cemitério. Quando o Crato teve a sua primeira Juíza, ela tomou uma decisão que os outros juizes não tiveram coragem (também eram usuários...): expulsou o cabaré da Nelson Alencar para a periferia da cidade. Aquele trecho da rua, então, passou a se chamar: Rua da Saudade...


Rua Nelson de Alencar, em 1950, vista na direção do Colégio Diocesano. Minha irmã Yara encostada no poste de madeira existente em frente ao portão da nossa casa. Ainda não existia a Rádio Araripe. Este poste e a parede delimitavam a “trave” nas nossas “peladas” com bola de meia ou de borracha.


Rua Nelson Alencar da Rua Bárbara de Alencar para o Ginásio do Crato em foto recente, colhida por mim. Ao fundo a Serra do Araripe. O poste, agora, é de concreto.

BAR DO TINGA...

O meu irmão Marcelo que se formou médico, antes de se radicar no Rio Grande do Sul, trabalhou no Crato por dez meses em 1975, logo após ter concluído a especialização em cardiologia, no Rio de Janeiro. Foi trabalhar na Casa de Saúde do Dr. Raimundo Bezerra, que leva o nome de seu pai, Sr. Joaquim Bezerra. Antes, nas férias da faculdade costumava passá-las no Crato, estagiando na Casa de Saúde do Dr. Raimundo. Foi testemunha de algumas estórias interessantes nesse seu breve regresso ao Crato. Conta ele que, no horário do almoço, antes de ir para a casa do Dr. Raimundo, costumava acompanhá-lo até o Bar do Tinga, famoso pela cerveja mais gelada do Crato. O Dr. Raimundo costumava dizer o seguinte, sobre esse Bar:

- Caso, um dia, alguém deseje escrever sobre a história do Crato, não poderá deixar de fora o Bar do Tinga. É o verdadeiro Hyde Park do Crato. Ali tudo é permitido falar.

Era um referência ao famoso parque londrino, onde existe uma tribuna livre para se falar o que quiser e sobre quem quiser. O Tinga, proprietário, tinha uma incrível habilidade de gelar as cervejas sem deixá-las congelar. Essas rodas de cerveja eram freqüentadas por diversas pessoas, das mais variadas profissões, desocupados, aposentados, comerciantes, médicos, advogados, políticos, produtores rurais, enfim tinha de tudo.

O bar tinha como vizinhos, à direita de quem entrava, um depósito de uma das conhecidas lojas de eletrodomésticos do Crato, e, à esquerda, uma casa de comércio com um produto insólito: urnas funerárias. O proprietário também freqüentava as rodas de cerveja do Bar do Tinga e atendia pelo apelido de “Caixão”. Era Caixão pra cá, Caixão pra lá, e não dava mostras de sentir-se incomodado.

Num desses dias, depois de já ter tomado umas a mais, ele se encheu de coragem e resolveu fazer um pedido formal, para os companheiros de bar:

- “Amigos, o meu ramo de comércio já é bastante desagradável. Eu vivo da infelicidade de alguém perder a vida e a família vir ao meu estabelecimento para comprar um caixão. Se não quiserem me chamar pelo nome, tudo bem, podem até botar outro apelido que eu vou aceitar”...


Seguiu-se um silêncio, até que um dos integrantes da roda, o Zé Aragão, filho do Sr. Chico Higino, espirituoso como o pai, tomou a palavra e disse, em tom muito sério:
- “Pessoal, o nosso amigo Caixão tem toda a razão. Nós estamos sendo insensíveis com ele. Não deve ser agradável ser chamado de Caixão a toda hora. Acho que todos nós estamos sensibilizados com o pedido dele. Da minha parte, a partir de hoje, ele passa a ser (batendo-lhe nas costas) o meu amigo ATAÚDE!”.
Foi uma explosão de gargalhadas no bar do Tinga... Quando serenou o ambiente, o recém nomeado Ataúde disse preferir continuar sendo chamado mesmo de Caixão.

Fonte: Ivens Mourão, do seu livro "Só no Crato" - Direitos de Publicação concedidos ao Blog do Crato pelo autor. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Serra se irrita com declaração de Dilma e diz que disputa em 2010 não será entre Lula e FHC

Ministra disse que seria inevitável a polarização entre o PT e o PSDB na eleição e que o governo Lula não iria fugir desse duelo. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), reagiu na última sexta-feira (9) à declaração feita pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, sobre a inevitável comparação na eleição presidencial de 2010 do que fez pelo Brasil a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a de seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso.

- Uma certeza eu tenho com relação à disputa do ano que vem. É que não será entre o candidato Lula e o candidato Fernando Henrique. Haverá outros candidatos e a população vai analisar. Não é o Lula que vai concorrer a uma reeleição. O tucano falou em visita à cidade de Ribeirão Pires, na Grande São Paulo, para anunciar obras viárias no total de R$ 11,5 milhões. Pouco antes, pela manhã, Dilma disse na capital baiana que seria inevitável a polarização entre o PT e o PSDB na eleição presidencial de 2010 e que o governo Lula não iria fugir desse duelo. Líder nas pesquisas de intenção de votos, Serra é o provável nome do PSDB à Presidência da República. Dilma é a pré-candidata do Planalto à sucessão. O governador evitou polemizar mais sobre o assunto e encerrou a entrevista dizendo apenas que não condenava as comparações, mas elas não deveriam ser entre Lula e FHC. O duelo que Serra tem promovido com frequência em São Paulo é entre a sua gestão e a do governo federal. É raro um discurso do governador em cerimônias públicas que não tenha uma comparação entre projetos, gastos e investimentos das duas administrações. A forma, entretanto, é sempre muito sutil. Serra nunca menciona o nome do presidente Lula.

Fonte: Folha OnLine

Impunidade a perder de vista!

Há dias vejo o Darlan reclamando da falta de respeito na rua em frente ao determinado colégio, de fato aquilo tem que ter um fim.
Mas a impunidade não é só nesse sentido.
infelizmente há um mês venho tentando de todas as formas pedir que seja embargada uma obra na rua Padre Sucupira que está totalmente irregular, já liguei para o CREA e para todos os orgãos responsaveis, mas nada tem sifo feito.
Adoraria saber porque que não se tomam as providencias cabívéis, será necessário ocorrer um acidente grave para que esses orgãos se movimentem?
O fato é que a calçada esta interditada com entulhos e material de construação, fora que a construção é de mudança fisica na estrutura , ou seja estão fazendo uma casa de andar, sem nenhum arquiteto responsável ou engenheiro.
O mais grave e que os pedreiros arremessam os entulhos de cima da casa em tempo de acertar os pedestres ou carros, além de não estarem fazendo uso de equipamentos de segurança.

Pergunta que não quer calar: Qual o motivo destas entidades ainda não terem embargado essa obra?

Fica ai o cheiro de pizza no ar e a impunidade comendo de esmola!

Clã Brasil em Crato


Esse grupo estará na cidade do Crato no dia 17/10/2009 dentro da programação do festival"Cariri da canção".

EM FAMÍLIA Formado por três irmãs e uma prima, o quarteto paraibano Clã Brasil exibe um forró bem feminino. "Quero cantar as coisas da minha terra", diz a sanfoneira e estudante de música Lucyane.

Analisar o grupo Clã Brasil é fugir da metáfora sem destrancar-nos da poesia. Realidade cristalina, as meninas que formam esse núcleo de sublime construção musical são ao mesmo tempo doces, amorosas e guerreiras. São flores que têm lá seus espinhos guardiões da sua compreensão musical: a defesa inegociável das legítimas tradições estéticas oriundas de mestres como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Antônio Barros, Jacinto Silva, Gordurinha, Elino Julião, entre outros.

Levemos em conta também o fato de que o quarteto fantástico não caiu na pauta musical de pára-quedas. As quatro garotas são estudiosas, freqüentam os bancos acadêmicos e têm plena noção de teoria e prática na arte que escolheram por empunhar como suas espadas de peso justo. Não devemos ouvi-las com mas-mas e nem poréns. Devemo-las sagrar como realidade, conscientes de que é uma realidade que ainda evoluirá bastante, e que, excetuando mudança de ventos, será uma realidade nacional e, quiçá, internacional.
Jovens, sim, jovens. Mas não as tratemos como menininhas prodígios que merecem atenção apenas pela pouca idade. Poucos são os marmanjos que tocam como elas, hoje em dia.

Louvemo-las como grandes artistas desabrochadas e bafejadas pelo plenilúnio criativo. Elas sempre me emocionam. Seja no forró seja no chorinho o Clã Brasil é a fortuna musical que o Nordeste esperava para negar definitivamente as falsas bandas de forró. O diálogo musical aqui está em outro nível, as meninas catam inspiração nas nuvens alvas divinais. Não são mercenárias e nem se deslumbram. A música é Paixão e Sacerdócio para elas. E ninguém mais as represará. Porque, sem a menor dúvida, Deus está tocando com elas. E elas são tocadas por Deus.

Ricardo Anísio
Crítico musical, poeta e produtor
fonte:http://www.clabrasil.com.br/biografia.php

Saudades

Saudades, essa é a palavra que define bem esse momento!
Depois de alguns dias fora , fiquei ansiosa para saber o que estava acontecendo aqui no Blog.
Parecia que algo estava fazendo falta!
Sentindo falta das postagens de Mariano, do Vale, Armando, Rafael , Darlan, Janinha e de todos os que contribuem para fazer o Blog.
Sobre Dihelson, esse é melhor nem falar, como faz falta falar com ele!
Enfim meninos e meninas como é bom estar de volta, mesmo me afastando novamente!
Espero que continuem fazendo a alegria dos nossos dias!
Por Alessandra Bandeira

Há cinco anos Brasil perdia Fernando Sabino, um de seus maiores escritores


Em 80 anos de vida, o escritor publicou mais de 40 livros, editados no Brasil e no exterior Considerado um dos maiores nomes da literatura brasileira do século 20, Fernando Sabino morria há exatos cinco anos, em 11 de outubro de 2004, vítima de um câncer que surgiu em seu fígado e se propagou para outras áreas do corpo. Autor de títulos de sucesso como "O Encontro Marcado", "O Homem Nu" e "O Grande Mentecapto", o escritor criou o seu próprio epitáfio, que diz: "Aqui jaz Fernando Sabino. Nasceu homem, morreu menino". A morte do menino Sabino, nascido em Belo Horizonte no Dia das Crianças, ocorreu um dia antes do consagrado escritor completar 81 anos. Alfabetizado pela mãe aos sete anos, aos 12 ele já era locutor de um programa infantil de rádio. Aos 17, decidiu que seria gramático e escreveu uma crítica sobre o dicionário de Laudelino Freire, que foi publicada no jornal "Mensagem".

Ao lado de Hélio Pellegrino, Otto Lara Resende e Paulo Mendes Campos, Sabino integrava o famoso e talentoso quarteto de escritores mineiros que publicava artigos literários em "O Diário". Formado em direito, ele exerceu cargos públicos nas secretarias de Finanças e de Agricultura de Minas Gerais, no Registro de Interdições e Tutelas da Justiça, no Rio de Janeiro, na embaixada do Brasil em Londres e no Escritório Comercial do Brasil e no Consulado Brasileiro, em Nova York. Em julho de 1999, Fernando Sabino ganhou da Academia Brasileira de Letras o prêmio "Machado de Assis" pelo conjunto de sua obra. Em 80 anos de vida, ele escreveu contos e crônicas para diversos jornais e revistas brasileiras, além de ter publicado mais de 40 livros, editados em diversos países.

Fonte: Folha OnLine

Em blog, Delúbio diz que PT é seu DNA e descarta filiação a outro partido


Em artigo publicado no blog do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares afirma que seu DNA é o PT e que não se sentiria bem em disputar um mandato por outro partido. "30 anos de PT. Esse é o meu DNA. Partido que ajudei a construir e a consolidar em todo o Brasil, tornando-se uma legenda de esquerda, popular e respeitada. Não me sentiria bem, nem seria verdadeiro se disputasse um mandato por outro partido, embora respeite todos."

Para ele, estar ou não estar filiado é questão secundária. "O fundamental é a similaridade de pensamento, a história comum, a sincera devoção a uma bandeira de luta empunhada décadas afora." Ele diz que, às vésperas do prazo final para filiação partidária para quem vai concorrer nas eleições de 2010, recebeu convites de partidos políticos. "Generosamente, ofereciam-me a possibilidade de disputar as eleições em 2010. Fiquei grato e encarei com respeito aquela oportunidade oferecida pelos que militam na vida pública de meu Estado."

Delúbio afirma ainda que, em 19 de março, pediu para retornar ao PT, mas que alguns integrantes do diretório nacional da legenda acharam que aquele ainda não era o momento. "Assim, em 8 de maio, retirei meu pedido de refiliação, embora parte significativa da base partidária a apoiasse e manifestações públicas de grandes lideranças partidárias estivessem em favor dela. Fica para a próxima."

Fonte: Folha OnLine

CRATO - Histórias e Estórias do Crato de Antigamente - Por: Ivens Roberto de Araújo Mourão


NE - E agora, uma das seções mais esperadas e festejadas do Blog do Crato, o quadro: "Só no Crato" de Ivens Mourão, que tem recebido inúmeros elogios, e já tem até cadeira cativa para ler as histórias. Hoje teremos duas sessões. às 20:00 teremos a segunda.

MAMA MIA


Sr. George Lucetti foi um grego que muito fez pelo Crato. Foi comerciante, industrial e grande construtor. Os mosaicos da sua fábrica eram coloridos com tinta importada da Inglaterra. A Praça Siqueira Campos utilizou mosaicos doados por ele. Homem inteligente, poliglota, pessoa de conversa extremamente agradável. Grande admirador de música clássica.

Sr. George Lucetti numa foto com um grupo de rotarianos, no Crato Tênis Clube.

O Sr. George gostava muito de ficar horas conversando com o Luís, na Imobiliária Santa Marta, quando não estava lendo o jornal. Faleceu com mais de noventa anos em total lucidez. Lembro-me muito dele, pois fomos vizinhos. Nasci na casa vizinha à sua, que era a mais bonita da Praça Francisco Sá.
Um dia o Luís perguntou:

- “Sr. George por que o senhor veio morar no Brasil?”.
- “Luís como você sabe. Eu sou natural da ilha de Creta, filho de mãe italiana, daí o nome Lucetti. Minha mãe tinha o nome que eu dei para milha filha: Areti. Um dia foram nos visitar umas primas italianas. Elas falavam e eu não entendia nada. Mas quando elas disseram ‘mama mia!’, fiquei apaixonado por aquela língua. Disse para mim mesmo: eu vou morar num país da América que fale uma língua parecida com esta. Inicialmente vim morar em Buenos Aires, na Argentina e depois vim para o Brasil, sempre encantado com esse idioma. Por isso estou aqui. O ‘mama mia!’ que ouvi daquelas primas italianas me fez cruzar meio mundo e estou hoje, aqui com vocês!”

A PATIÑO

Da Argentina o Sr. George Lucetti veio para o Brasil, atraído pela possibilidade de fazer fortuna na construção da estrada Madeira-Mamoré. Chegando lá, a situação era bem diferente daquela que imaginara. As condições insalubres foram responsáveis pelo enorme número de mortos. Dizem até que, para cada dormente colocado morreu um trabalhador. Segundo ele foi lá que dormiu pela primeira vez em rede. Estava mesmo predestinado a vir para o Ceará. O Sr. George era um homem elegante, alto, preservando ainda a beleza da juventude. O acampamento onde morava era próximo de uma cidade boliviana, onde vivia uma família chamada Patiño, muito rica e dona de minas de estanho. Por sinal, Simon Patiño, na década de 20, chegou a ser o terceiro homem mais rico do mundo. Uma das suas filhas apaixonou-se pelo Sr. George, mas não se declarou abertamente. O Sr. George também manteve certa reserva, pois a época não permitia maiores intimidades. No entanto, esse ‘amor platônico’ já lhe propiciava certas regalias e, por conseqüência, para os seus amigos mais chegados. Um dia, quando estava dormindo no acampamento, na sua rede, foi despertado pelo cutucar de uma bengala de um colega, que dizia:
- “Ô George, George casa com a Patiño...”.

Simon Patiño, ex-futuro sogro do Sr. George Lucetti

O SILÊNCIO

Conheci o Sr. Artur Pirão trabalhando com o Sr. George Lucetti. Parecia um personagem saído de um livro de Machado de Assis. Andava sempre de colete, camisa branca, de mangas compridas, relógio de algibeira e óculos. O terno era preto. Não era baixo. Magro e bem empertigado para a idade, próxima, acredito, dos 90 anos. Parecia uma pessoa do século XIX. A manga da camisa era maior que o braço, pois sempre tinha uma dobra, na altura do antebraço, presa com uma espécie de liga. Gostava de cheirar um rapé, que guardava numa latinha (aliás, de nome muito estranho: boceta). Fumava também cigarro de palha, cujo fumo ele mesmo preparava, pisando num couro. Deve ser essa a origem do ditado: “apanha mais que couro de pisar fumo!”. Quando estava trabalhando no escritório tinha sempre à testa um protetor de luz, preso à cabeça por um elástico. Acredito que o Sr. George, homem de bom coração, mantinha-o no trabalho como uma forma de ajudá-lo na sua velhice. Encerrado o expediente, o Sr. Artur ia sempre aperuar um jogo de gamão, no ponto de Sr. Zeba, próximo ao comércio de rapadura. Ele ia, assistia, entendia do jogo, mas não fazia nenhum comentário. Chegava calado e saia sem dizer uma palavra.

O principal jogador de gamão era o Zé Leitim. Ao contrário do Sr. Artur, falador, contador de piada. Estava sempre procurando fazer o Sr. Artur falar. Durante um jogo, para que os dados dessem um determinado número, ele cantava a pedra. Por exemplo, ele queria um terno e dizia, antes de jogar os dados: “Terno do peito amante”. Quando saia o terno, se dirigia para o Sr. Artur:

- “Tá vendo Artur. A gente tem que adular os dados!”

O Sr. Artur calado estava, calado ficava.
Um dia, após o Sr. Arthur se retirar, o Zé Leitim impaciente com aquele mutismo, falou:
- “Pessoal, vamos pregar uma peça no Sr. Artur. Vamos fazer ele falar”.
Eram uns seis ou sete, entre jogadores e “perus”. Dentre estes tinha um que ficou com um apelido de Gagarín (acento tônico na última sílaba). Tudo por ter feito o seguinte comentário, durante um jogo, seguido de uma gargalhada geral:
- “Tem um russo “avoando” arriba de nós. Um tal de Gagarín”
No dia seguinte, como de costume, o Sr. Artur chegou. De acordo com o combinado alguém falou para o Zé Leitim:
- “É verdade que você, quando menino, andou fazendo umas besteiras?”
- “Eu sei o que é que você está querendo dizer. É verdade. Eu não nego não. Mas, você sabe, eu era menino. E menino é bicho sem vergonha. Faz coisas que não sabe nem o que é. Mas também foi só uma vez. Nunca mais!”

E o Sr. Artur calado, apenas arregalou os olhos. Em seguida, o outro jogador:

- “Pois comigo, quando menino, foi mais de uma vez. Já estava até me viciando. Aí a minha mãe descobriu, me deu uma surra. Sabe aquelas surras que se dá em galinha para largar o choco? Se não fosse essa surra, eu acho que ainda hoje eu estava com esse “vício”.

O Sr. Artur calado. Apenas olhava para um e depois para o outro. Seguiram-se as outras “confissões”, inclusive do Gagarín. O Sr. Artur ainda calado. Apenas olhando fixamente para cada um. Fazia parte dessa roda de “perus” o então Deputado Federal, Ossian Alencar Araripe. Como os outros, também fez a sua “confissão”. O Sr. Arthur, espantado, o olhou de cima a baixo. Ficou, então, aquele silêncio. Todos esperando um “depoimento” do Sr. Artur. Finalmente, o silêncio foi rompido:
- “Querem saber duma coisa? Eu vou é embora, porque aqui só tem veado.”

PORRADA...

José Batista foi uma das figuras mais características do Crato dos anos cinqüenta. Vestia a camisa para quem trabalhava. Tinha sempre funções operacionais, mas falava como se fosse dono da empresa. Servira nos fuzileiros navais, no Rio de Janeiro. Após ter dado baixa, voltou para o Crato. Chegou falando chiado e cheio de gírias. Um ‘carioquês’, que os gozadores de plantão da cidade não poderiam deixar passar em brancas nuvens! E a oportunidade logo surgiu. Como gostava de jogar futebol, não perdia oportunidade de participar de ‘peladas’. Por ser bem alto e forte, tinha preferência por jogar na defesa. E, para intimidar os atacantes adversários, bradava com entonação carioca:

- “Não vem que ‘dou-te’ um pôôôrrrraaaada...”

Não teve outra! Foi rebatizado de Zé Porrada...
E o nome ficou. Para alguns ele admitia, para outros não. Quando ligava para o Luís, em Fortaleza, se identificava como José Batista. O Luís se fazia de desentendido, até que ele assumia:

- É o Zé Porrada!

- E como vão os porradinhas? (eram os filhos).

Fonte: Ivens Mourão - Do seu livro "Só no Crato" - Direitos de Publicação concedidos ao Blog do Crato pelo autor. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

PT do Ceará pode negar apoio à releição de irmão de Ciro

Para evitar que Ciro Gomes (PSB) seja candidato à sucessão de Lula, o PT cearense, orientado pela direção nacional do PT, ameaça lançar candidato ao governo do Estado.

Cid Gomes, irmão de Ciro, governa o Ceará e é candidato à reeleição - por ora com o apoio do PT.
Vejam o que disse a respeito Luizianne Lins (PT), prefeita de Fortaleza, em entrevista ao jornal O Povo:

"Bom nós estamos trabalhando com dois cenários. O primeiro cenário é a possibilidade, é o nosso desejo de confirmar o apoio ao governador e candidato Cid Gomes. Desde que haja a garantia de que o próprio PSB vai ajudar a gente a constituir um palanque pra Dilma aqui no Ceará. Como isso pode acontecer?

Bom, caiu a verticalização. Então não há a obrigatoriedade da coligação repetir a coligação lá de cima. Então nós vamos aqui buscar fechar um leque de partidos que mesmo que estejam apoiando o governador Cid Gomes em caráter local, eles vão estar, nós vamos buscar deles o apoio – isso que falo do PCdoB, do PMDB, e dos partidos que vão compor a coligação, a gente vai disputar o apoio desses partidos para a eleição da ministra Dilma.

Então isso é uma coisa que é preciso deixar claro. Caso isso não ocorra, ou seja, caso fique muito difícil essa situação, nós não podemos descartar o cenário B. O cenário B seria o PT ter candidatura própria no próximo ano. Não seria a estratégia que nós estamos prioritariamente esperando, mas também não podemos descartar isso. Eu acredito que, eu particularmente não tenho nenhum interesse, não serei candidata à sucessão do governador Cid Gomes por uma série de questões, inclusive por uma questão de lealdade ao governador.

Acho que ele tem demonstrado uma parceria muito interessante, muito a nós, ao nosso governo, e então assim, não me cabe, em nenhuma hipótese, disputar, eu pessoalmente, disputar contra ele uma eleição ao Governo do Estado. Mas, depois das eleições do PT, caso eu seja realmente eleita presidente a partir de novembro, nós vamos estar discutindo uma nova estratégia, porque de fato, o que nós queremos e o que nós achamos que seria melhor para o Brasil e para o Ceará seria o então candidato Ciro Gomes ser candidato realmente a governador de São Paulo.

Porque aí ele enfrenta diretamente o PSDB em São Paulo, que é o PSDB mais forte. Ajudaria sim, porque já que São Paulo tem uma tendência de voto de uma forma mais conservadora, acho que seria a possibilidade de a gente quebrar essa hegemonia do PSDB em São Paulo e ao mesmo tempo não dividir o palanque do projeto popular que vai ser representado através da ministra Dilma, já que é o desejo do presidente Lula. Então, eu acredito que esse seria o melhor cenário, até porque eu não acredito que o então deputado federal Ciro Gomes esteja preparado para governar o Brasil."

Deu no Blog do Noblat, hoje de manhã.

CRATO - Ensaio Fotográfico - Praça Cristo-Rei - Por: Ninha Brito


Cristo - Rei - Ninha

É tão bom quando podemos transmitir um pouco do nosso conhecimento a alguém, e esta pessoa possui interesse e talento. Trago aqui o primeiro ensaio fotográfico feito por Ninha, minha namorada, realizado ontem (10 ) na praça Cristo-Rei, em Crato. Ontem nós havíamos saído para uma cobertura sobre o restaurante popular quando na volta, resolvemos parar um pouco ao sol escaldante das 13:00. O horário, com sol a pino, não é dos melhores para qualquer ensaio fotográfico, mas ela insistiu em tentar fazer algumas fotos. Eu fiquei de longe apenas observando, incrédulo, e nem interferi em qualquer aspecto do assunto a ser fotografado, nem como qualquer parâmetro técnico. Em suma, deixei ela "se virar" e sinceramente falando, nem esperei que o resultado fosse tão promissor. Além do mais foi feito numa pequena câmera amadora. A profissional eu carregava comigo e ela não sabe mexer nela ainda. Então, enquanto eu conversava com um amigo, ela fez essas fotos da praça Cristo-Rei, que agora, após uma pequena seleção e uma edição, eu publico aqui no Blog do Crato. Acho que valeu a pena, e os Cratenses poderão desfrutar das produções da mais nova fotógrafa do nosso site. Rs rs


Centro Cultural do Araripe - Ninha



Praça Cristo-Rei - Ninha



Praça Cristo - Rei - Ninha



Cristo-Rei - Ninha



Golfinho - Ninha

Ninha viu um "Golfinho" saltando dessas plantas aí...

Biblioteca Pública - Crato - Ninha

Acima: Restaurante Popular e Biblioteca Municipal do Crato

Fotos: Ninha Brito
Edição: Dihelson Mendonça

Turista espacial “palhaço” encerra viagem com show de Gilberto Gil


Vestindo um nariz vermelho de palhaço, Guy Laliberté, fundador do canadense Cirque du Soleil encerrou direto da ISS (Estação Espacial Internacional) sua turnê espacial nesta sexta-feira (9). A ideia de Laliberté sempre foi destacar a escassez de água potável para as pessoas em diversas partes do mundo. Celebridades, incluindo o cantor brasileiro Gilberto Gil, a estrela pop Shakira, o ator Matthew McConaughey, o ex-vice-presidente norte-americano e ativista ambiental Al Gore e o vocalista do U2, Bono Vox, participaram do evento final com leituras e performances através da ligação via satélite entre as 14 cidades, incluindo Nova York, Cidade do México, Joanesburgo, Paris, Mumbai , Montreal, Rio de Janeiro e em Moscou.

Gil se apresentou na Fundação Progresso, no Rio de Janeiro e disse que tem um grande prazer por participar de um evento que luta pela conservação do ambiente. O cantor irlandês Bono Vox, do U2, se apresentou direto da Flórida, dizendo que Guy é o primeiro palhaço espacial da história. Já o ex-vice-presidente americano Al Gore fez uma apresentação em vídeo e falou sobre o aquecimento global – fenômeno que acontece devido a queima de combustíveis fósseis, fazendo com que gases tóxicos formem uma camada na atmosfera, impedindo a liberação do calor no planeta e aumentando a temperatura em todo o globo. Acrobatas do Cirque du Soleil realizaram performances de Montreal e Las Vegas e bailarinos do Ballet Bolshoi, dançaram em Moscou.

Os espetáculos foram transmitidos na internet e por TV via satélite para os Estados Unidos, Canadá e América Latina e Durante o show, os espectadores de diversos foram convidados a se comprometerem a evitar a compra de água engarrafada, instalar dispositivos de economia nos banheiros de casa e fazer outras ações a favor do ambiente. O dono do Cirque Du Soleil gastou US$ 35 milhões (R$ 63 milhões) por uma vaga na nave Soyuz e uma estadia de 12 dias na ISS.

Ao final, ele agradeceu a todos.

- Agradeço pela adesão em massa à minha missão poética e social.

Fonte: R7

11 de Outubro-BLOGmusical:Curiosidades do Mundo da Música!-Por:Wilson Bernardo.

Nasce em Irará(BA),em 1936, o cantor e compositor Tom Zé. Músico inventivo e criador de vanguarda, participou do movimento Tropicalista.
Nasce no Rio de Janeiro, em 1957, o cantor e compositor Lobão.
Morre, em 1996, o cantor e compositor Renato Manfredine Júnior, o Renato Russo, nascido em 27 de março de 1960, no Rio de Janeiro.
Wilson Bernardo(Texto & Fotoartgrafia)

Prêmio Nobel da Paz: mais uma gafe...


Nota do editor do Blog do Juazeiro:
Esse artigo do Dr. Arimatéia Macedo é a mais lúcida ponderação crítica construtiva que já li até agora sobre o Prêmio Nobel, em especial o da Paz.

Alfred Nobel, cientista sueco, deixou um grande patrimônio, e um testamento destinando este recurso. Este dinheiro deveria ser usado para agraciar pessoas de qualquer parte do mundo com um recompenso em dinheiro, uma medalha de ouro, e um diploma, pelo destaque nas áreas de Física, Química, Medicina (Fisiologia), Literatura, e Paz. A posteriori Economia.

Após sua morte seu sonho se concretizou. Foi criada em 1900 a Fundação Alfred Nobel. Esta tinha o objetivo de realizar o sonho do cientista. O prêmio Nobel foi instituído em 1900. Mas somente em 1901 começou a ser entregue.

De acordo com a vontade de Alfred Nobel, o prêmio Nobel da Paz deveria distinguir "a pessoa que tivesse feito a maior ou melhor ação pela fraternidade entre as nações, pela abolição e redução dos esforços de guerra e pela manutenção e promoção de tratados de paz".

O Nobel da Paz é entregue anualmente em dezembro, em Oslo, na Noruega.

Assim como em outros organismos internacionais, tipo a ONU, a UNESCO, e outros, é evidente a influência dos Estados Unidos no resultado das demandas. Com o prêmio Nobel da Paz não acontece diferente. Inclusive este tem sido alvo de muitas críticas por sua utilização como "arma política".

Neste momento a Fundação Alfred Nobel tropica mais uma vez, sem nenhuma cerimônia, ao contemplar com o Prêmio Nobel da Paz o presidente Barak Obama. Não que ele não venha um dia merecer. Mas por ele, até o momento, não ter preenchido nenhum requisito que o qualifique como um pacificador conforme preconizava Nobel. Pelo contrário, neste instante joga bombas no povo iraquiano, afegão, dentre outros. Além de conservar o bloqueio econômico a Cuba, Coréia do Norte, Irã, dentre outros, está instalando bases militares na Colômbia. Seu discurso converge para o “faça o que digo, mas não pode fazer o que eu faço”.

Assim fazendo a Fundação Alfred Nobel nivelou Obama a pacificadores do quilate de Madre Tereza, Desmond Tutu, Nelson Mandela, Yasser Arafat, Martin Luther King Jr., Linus Pauling que deram suas vidas por uma causa... O que é uma afronta à inteligência humana. Um verdadeiro absurdo...

Que Alfred Nobel, no seu repouso eterno, perdoe os administradores da Fundação Alfredo Nobel por cometer, em alguns momentos, tamanha heresia, incomensurável blasfêmia com esta renomada comenda. E que os que foram contemplados por merecimento com a distinção não resolvam procurar, em sonho ou pesadelo, a direção do prêmio para devolvê-lo.

Por: Arimatéia Macedo
Via Beto Fernandes - Colaborador

CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA SEGUNDO ZÉ LIMEIRA

Certa vez lá em Natal
Limeira tava rimando
Todo tempo misturando
Mossoró com Portugal.
Falava de carnaval
Numa casa de farinha,
Até que Zé de Ritinha
Perguntou: - Tu é perito?
Pois rime o que estava escrito
Na missiva de Caminha.

Eu rimo porque sei rimar
Carta, recado, cartilha,
Tratado de Tordesilha.
E Cabral em alto mar.
Rimo o rei a reclamar
Das despesas da rainha
Gastando tudo que tinha
De Portugal pro Egito.
Agora rimo o escrito
Da missiva de caminha.

Senhor rei de Portugal
Aos vinte e nove de abril
De um tronco de pau Brasil
Escrevo a carta real.
A viagem foi normal
Com as graças de Jesus
Que nos mostrou uma luz
Para uma ação pioneira,
Onde ergui sua bandeira
Na terra de Vera Cruz.

A terra aqui é tão boa
Que até já me acostumei
Confesso para o meu rei
Que já esqueci Lisboa.
A nativa sobe à toa
Na árvore pra chupar manga
Vestida só com uma tanga
Com o peito descoberto
A gente olhe bem de perto
E a danada nem se zanga.





Não vou mais volta aí
Pra não ter que trabalhar
Pois levo o tempo em pescar
E comer índia tupy
Vou mesmo é aqui
Porque não sou abestado
Me esqueça no seu reinado
Que aqui tudo é maravilha.
Já comi até a filha
Do chefe Touro deitado.

Tou fazendo um relatório
De tudo que acontece
Dos índios fazendo prece
Na frente do oratório.
Já montei meu escritório
Na taba do feiticeiro
Mas mande pena e tinteiro
E também papel pautado.
Que estou comprando fiado
A um cigano estradeiro.

Os índios querem adotar
O costume português,
O vicio da embriaguês
E a mania de trocar.
Não tenho como evitar
Essa permuta ilegal
Porque o próprio Cabral
Vive trocando arruela.
E até a índia mais bela
Já foi trocada por sal.

Quero também avisar
Pra meu rei tomar ciência
Que precisa providência
Urgente neste lugar.
Os europeus vão chegar
Mudando a religião.
Vai chegar também ladrão
Para furtar à vontade,
Daí nasce à impunidade
Para a futura nação.







Chegou aqui um Francês
Que é metido à bichinha
Ele esculhamba a rainha
E tudo que é português
Aconteceu certa vez.
Aqui no Monte Pascoal
Que ele assediou Cabral
Oferecendo o caneco.
Cabral quase teve um treco
Lá dentro do matagal.

Aqui já apareceu
O tal do esquentamento
Precisa medicamento
Que muita gente morreu.
Escute esse servo seu
Pra coisa não desandar,
A corte tem que mandar
Um médico para esse povo.
Eu mesmo já tou com um ovo
Em tempo de cozinhar.

Aqui já tem confusão
De índio com português
Já é a terceira vez
Que eu faço intervenção.
O nativo faz questão
De uma vida reservada,
Sem calçar nem vestir nada
E meu rei tem que entender
Que faz gosto a gente ver
Uma nativa pelada.

Prepare um navio cargueiro
Pra trazer equipamento,
Mande birô e acento
Pra seu fiel cavalheiro.
Passo aqui um mês inteiro
Vivendo nesse sufoco
Recebendo muito pouco
Nesta minha subvida.
Já tou com a bunda doída
De viver sentado em toco.







O meu rei deve lembrar
Que a terra foi Deus que deu,
Depois vem o europeu
Querendo se apossar.
Os índios não vão gostar
Dessa perversa invasão
E vão entrar em questão
Mas não vão levar vantagem,
Porque somente a coragem
Não pode vencer canhão.

Não é bom meu rei mandar
Jogadores nem detentos
Pois esses maus elementos
Só servem para furtar.
É bom a corte cortar
O mau cheiro pela essência,
Pra não gerar descendência,
Dessa raça malfazeja.
Evitando que um esteja
Um dia na presidência.

Sei que vossa majestade
É o nosso rei soberano
Mas desenvolvi um plano
Pra essa comunidade.
Mostre a vossa autoridade
Agindo com inteligência,
Munido de coerência
E coragem pra reinar,
Na hora de decretar
O ato da independência.

Se um dia meu rei vier
É melhor que venha só
Aqui se arranja xodó
Porque não falta mulher.
Índia não sabe o que quer
Nem manda botar baralho.
E pra findar meu trabalho
Assino na ultima linha.
Seu Pero Vaz de Caminha
Sarney Magalhães Barbalho.

Mundim do vale
V. Alegre - CE

O perfil dos "Com terra"

Primeira pesquisa feita sobre a situação do assentamentos rurais do país. Realizada em áreas consolidaddas, ou seja, que dispõe de infraestrutura suficiente para produção agricola. O estudo encomendado pela Confederação Nacional da Agricultura, revela sinais de fracasso do modelo de reforma agrária aplicado pelo Governo. Os camponeses recebem a terra, mas não conseguem torná-la produtiva.

  • 48% dos assentados não produzem o suficiente para sobreviver
  • 83% nunca fizeram nenhum curso de capacitação
  • 75% não tem acesso aos programas de crédito do Governo
  • 46% compraram suas terras de terceiros o que é ilegal

Fonte Ibope/ Publicado por Veja

Comentários das postagem - por José Sales

  • Ou a interpretação de dados está errada ou o fracasso do modelo é completo
  • Se a interpretação de dados está errada, onde estão os dados oficiais, que são sempre quantitativos e nunca qualitativos. As declarações dos Ministros da Reforma Agrária de plantão são sempre "bombásticas"e nada comprováveis.
  • Se o fracasso do modelo é completo, as diretrizes do Ministério da Reforma Agrária são integralmente equivocadas e aí a situação é mais grave ainda. Aplica-se dinheiro público indiscriminadamente em programas que não apresentam quaisquer resultados positivos. Os percentuais de não realização são estratosféricos.
  • 83% nunca fizeram nenhum curso de capacitação significa que se pratica um modelo de agricultura da forma mais rudimentar possível sem qualquer insumo tecnológico e/ou assistencia técnica.
  • 75% não tem crédito significa que não há produção comercial em nenhum aspecto o que compromete sobretudo a própria sobrevivencia dos assentados. Ambos os percentuais explicam porque 48% não produzem o suficiente para sobreviver.

Quem se habilita explicar estes percentuais e contrapor-se aos mesmos.

FLAGRANTES INESQUECÍVEIS

ESTA ACONTECEU COMIGO E JAMAIS ESQUECI

No ano de 1955, eu tinha dez anos e era estudante do Grupo Escolar Teodorico Teles de Quental, localizado na Praça da Sé, esquina com a Rua Leandro Bezerra.

Muito bem, naquele tempo residia no Sitio Belmonte a 6 km da cidade, e inicialmente descia a pé para a escola. Não havia perigo, e todas as pessoas me conheciam e me protegiam.
No meu primeiro ano, fiz amizade com alguns colegas que se perpetuou até os dias de hoje.
Dentre eles, hoje destaco: Vicente Pierre, conhecido demais pelos cratenses.

Naqueles dias, antes de sair para a escola, a minha mãe assava um pedaço de carne, e colocava no meu bolso juntamente com um punhado de farinha para merendar no recreio. Só que na hora do recreio, eu trocava a minha merenda com os colegas por outros alimentos que igualmente traziam de casa.

Acontece que um dia, sai com o Vicente Pierre pela rua e ele disse: hoje vamos trocar a merenda por alimento que não seja de casa, e me levou ao Bar Glória do Sr. Miguel Siebra, e lá me comprou uma novidade (era um sorvete na casquinha) e eu, matuto lá do pé da Serra do Belmonte desconhecia, mas achei estranho e gostoso.

Comecei a consumir o sorvete e pensei, vou guardar para a merenda. Botei no bolso da calça guardando-o para a hora do recreio. E todo contente fui pra aula.

Qual não foi a minha surpresa na hora do recreio, ao por a mão no bolso e retirar somente a casquinha murcha. O sorvete havia sumido sem eu sentir e a calça estava molhada.

ESTA É MAIS UMA DO BETO, NOSSO ZELADOR:

Como o leitor já sabe, ele apesar de baiano, veio de uma favela de São Paulo para trabalhar conosco.
Naquele tempo era muito educado mas, matuto demais. Tinha 18 anos, cerca de 1,80 m e pesava uns 70 kls.

Quando aqui chegou em 1995, no primeiro ano fizemos a sua matricula em uma escola do Crato e lhe compramos uma bicicleta, como transporte.

Uma noite ao retornar do colégio e se aproximar de casa, faltou energia e ele sentiu uma forte ventania com relâmpagos e deduziu que ali vinha muita chuva. Começou a ficar aflito e pedalou com mais velocidade para chegar em casa antes da chuva. Para chegar ao portão da nossa casa há uma reta de 90 metros.

No escuro, e na velocidade que vinha não percebeu que o portão estava fechado. Então com todo o corpo bateu no portão, foi pedaço de bicicleta para todos os lados, livros e cadernos, idem, o óculos não sabe aonde foi parar. No outro dia com vergonha nada nos contou.
Mas a minha esposa viu os pedaços da bicicleta e perguntou:
- Beto, o que foi isso? E ele respondeu
- A senhora num sabe! Argúem trancou o portão!

Vicente Almeida

Domingo na Folha: Grampos revelam ação de filho de Sarney no governo

Conversas gravadas pela Polícia Federal revelam que Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), controla a agenda do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. A revelação está em reportagem da Folha deste domingo, já nas bancas. Os repórteres Hudson Corrêa, Andréa Michael e Andreza Matais informam que, nos diálogos, Fernando e o ex-ministro Silas Rondeau (Minas e Energia), aliado da família Sarney, ditam compromissos para Lobão ou para seus assessores. Também marcam e cancelam reuniões do ministro sem avisá-lo previamente. Segundo a PF, as conversas configuram tráfico de influência, informa a Folha.

Lobão disse que não há interferência. José Sarney e seu filho não quiseram comentar.

Fonte: Folha OnLine

CRATO - Previsão do Tempo de Almanaque - 11 de Outubro de 2009

Bom Domingo, dia 11 de Outubro de 2009 para todos os amigos, leitores, colaboradores e escritores do Blog do Crato. Tenho diminuído propositalmente o número de postagens no Blog para que os artigos possam ser lidos e comentados melhor. Há alguns dias escrevi uma frase aqui: "Ler sem discutir, é como comer sem digerir". Estávamos com mais de 40 postagens por dia no Blog do Crato. Reduzi para umas 20, para que possamos acompanhar melhor. Alguns artigos serão trazidos à baila e os artigos mais comentados irão subir também. Hoje quero enviar um abraço todo especial a um grande amigo nosso, escritor de primeira grandeza: Dr. José Flávio Vieira, a quem eu chamo o Rei do Fim-de-Semana. Pois realmente ele nos salva o fim-de-semana sempre, com uma gostosa crônica.

Previsão do Tempo

A Previsão do tempo para hoje, Domingo, não muda: Dia de Sol, algumas núvens e não chove. A temperatura máxima de 31 graus e a mínima de 21. Informações do site Climatempo, um dos maiores do Brasil.

ALMANAQUE

11 de outubro. Dia de Santo Alexandre Sauli

A família Sauli fazia parte da nobre Corte de Gênova, muito ligada à Igreja. Nela, havia inúmeras figuras de destaque e influência na política, ricas e poderosas, tendo tradição de senadores e administradores para aquela costa marítima tão importante da Itália. No seio deles nasceu Alexandre, no dia 15 de fevereiro de 1534, em Milão. No batizado, sua mãe o consagrou à Virgem Maria. Desde a tenra idade queria seguir a vida religiosa. E na adolescência ele dispensou uma brilhante carreira na Corte do rei Carlos V, conhecido como o senhor da Europa e da América, para seguir sua vocação. Aos dezessete anos de idade, entrou no Colégio do Clero Regular de São Paulo, da igreja milanesa de São Barnabé, tradicionalmente freqüentada por sua família. Lá, entregou-se por completo à obediência das regras da vida comum com severas tarefas religiosas. Abandonou tudo o que possuía, tornando-se um verdadeiro seguidor de Cristo. Ordenado sacerdote, Alexandre Sauli exerceu o ministério como professor de noviços e formador de padres barnabitas. Depois, foi nomeado pelo arcebispo de Milão, Carlos Borromeo, agora santo, teólogo e decano da Faculdade Teológica de Pávia. Em 1565, aos trinta e um anos de idade, foi eleito superior-geral da Ordem, empenhando-se para manter vivo o espírito original do fundador. Considerado por seu dom de conselho, tornou-se o confessor do próprio são Carlos Borromeo, e orientador espiritual de muitas pessoas ilustres do seu tempo, tanto religiosos como leigos.

Em 1567, foi nomeado bispo de Aléria, na ilha de Córsega, França. Recebeu, entretanto, uma diocese decadente e abandonada, sem clero capacitado, sem locais de culto decente, com um rebanho perdido nas trevas da ignorância e da superstição. Trabalhou duro durante vinte e um anos. Conseguiu reformar o clero, sendo o professor e o exemplo da vida cristã para todas as classes sociais, eliminando divergências e ódios entre as várias famílias dominantes.

Transformou a diocese num modelo de devoção apostólica e de organização, sendo estimado e amado por todos, ricos e pobres. Mas Alexandre teve de deixar a Córsega quando foi nomeado bispo de Pávia pelo papa Gregório XIV, de quem fora diretor espiritual e confessor. Na época, Alexandre não tinha boas condições físicas devido ao seu incansável trabalho e à vida dura de privações, penitências e mortificações a que ele sempre se submetera. Mesmo assim, iniciou a visita pastoral de sua nova diocese, sem nem sequer pensar em abandonar a cruz de sua missão. No dia 11 de outubro de 1592, ele estava em visita na cidade de Calosso d'Asti. Era um doce entardecer de outono. Estando na rica propriedade do senhor do local, aceitou sua oferta de hospitalidade. Mas não ficou em nenhum dos luxuosos salões, preferiu estar entre os trabalhadores que se acomodavam nas estrebarias dos animais, onde adormeceu e não mais acordou.

Seu corpo foi transferido e sepultado na Catedral de Pávia, Itália. Em 1904, o papa Pio X o canonizou como santo Alexandre Sauli, "Apóstolo da Córsega". Venerado como padroeiro da ilha de Córsega, sua festa litúrgica, que ocorre no dia de sua morte, mantém-se muito viva e vigorosa.

Eventos históricos:

* 1582 - Devido a implantação do Calendário Gregoriano, o corrente dia não existiu neste ano nos seguintes países: Itália, Polônia, Portugal e Espanha.
* 1864 - Campina Grande é elevada à categoria de cidade.
* 1904 - Roberto Landell de Moura patenteia suas invenções no campo de transmissão de voz (transmissor de ondas, telefone e telégrafo sem fio) nos Estados Unidos da América.
* 1942 - Segunda Guerra Mundial: A Batalha do Cabo Esperança - A noroeste da costa de Guadalcanal, navios da marinha Estado-Unidense intercepta e destroi uma frota japonesa que estava à caminho para ilha de Guadalcanal.
* 1958 - Programa Pioneer: NASA lança a sonda lunar Pioneer 1 (a sonda cai de volta para a Terra em chamas).
* 1962 - Início do Concílio Ecuménico Vaticano II
* 1965 - Anos de Chumbo: campus da Universidade de Brasília é invadido por tropas e pela polícia.
* 1966 - O Papa Paulo VI eleva a Diocese de Brasília à categoria de arquidiocese.
* 1977 - Criação do Estado de Mato Grosso do Sul.
* 1986:
o Primeira exibição do anime e série de mangá Cavaleiros do Zodíaco pela TV Asahi.
o Guerra Fria: O presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan e o líder soviético Mikhail Gorbachev se encontram em Reykjavík, capital da Islândia.
* 1993 - William Nygaard, editor de norueguês do livro Versos Satânicos de Salman Rushdie escapa de uma tentativa de assassinato.
* 1997:
o O Papa João Paulo II, em sua terceira e última viagem ao Brasil, permanece 75 horas no Rio de Janeiro.
o O presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, visita o Morro da Mangueira, no Rio de Janeiro.
* 1998:
o Edith Stein é canonizada.
o O Boeing 727 da Congo Airlines é derrubado por rebeldes em Kindu, Congo, matando 40 pessoas.
* 2002 - Um ataque a bomba em um shopping na cidade de Vantaa, Finlândia, mata 7 pessoas.
* 2006 - Acidente aéreo na cidade de Nova Iorque, mata 2 pessoas.

Nascimentos:

* 1675 - Samuel Clarke, filósofo inglês.
* 1885 - François Mauriac, escritor francês.
* 1908 - Cartola, compositor brasileiro (m. 1980).
* 1936 - Tom Zé, compositor brasileiro.
* 1937 - Bobby Charlton, futebolista inglês.
* 1939 - Maria Esther Bueno, ex-tenista brasileira.
* 1941 - Ney Suassuna, político brasileiro.
* 1952 - Elymar Santos, cantor brasileiro.
* 1957 - Lobão, músico brasileiro.
* 1968 - Jorge Vercillo, cantor e compositor brasileiro.
* 1969 - Jury Chechi, ex-ginasta italiano.

Falecimentos:

* 1852 - Ferdinand Einstein, matemático alemão (n. 1823).
* 1889 - James Prescott Joule, físico inglês (n. 1818).
* 1896 - Anton Bruckner, compositor austríaco (n. 1824).
* 1916 - Otto da Baviera, rei da Baviera (n. 1848).
* 1963 - Jean Cocteau, escritor e cineasta francês (n. 1889).
* 1965 - Walter Stampfli, foi Presidente da Confederação suíça em 1944 (n. 1884).
* 1996:
o Renato Russo, cantor e compositor brasileiro, líder da banda Legião Urbana (n. 1960).
* 2004 - Fernando Sabino, escritor e jornalista brasileiro (n. 1923).

Feriados e eventos cíclicos:

* Dia do deficiente físico
* Dia da Mulher Índigena
* Dia Internacional do Combate à Obesidade
* Aniversário de Mato Grosso do Sul
* Aniversário de Campina Grande, Paraíba.

HOJE NA HISTÓRIA

Hoje é o Dia do Deficiente Físico

Podemos considerar como deficiência física, quando alguma parte do organismo humano não apresenta um funcionamento perfeito, porém isso não pode ser considerado como diferença, pois existem várias pessoas com os mesmos tipos de limitações que as tornam normais dentro de suas possibilidades. Com o passar dos anos, a deficiência passou a ser vista como uma necessidade especial, pois as pessoas precisam de tratamentos diferenciados e especiais para viver com dignidade. Sabemos que isso não acontece, pois o mundo não é adaptado para essas pessoas, que sofrem muito em seu dia a dia. Construir rampinhas nas ruas é uma forma de mascarar o verdadeiro tratamento que os mesmos deveriam receber. Além destas, em nosso meio social deveria existir leitura em braile para atender os deficientes visuais; acesso aos ônibus e lugares públicos aos cadeirantes; que a população aprendesse a conversar na linguagem de libras, para atender os surdos/mudos; além de planos governamentais voltados para a saúde e reabilitação dessas pessoas, visando amenizar suas dificuldades bem como capacitá-las para a vida social, para o exercício da cidadania.

As escolas deveriam ter profissionais preparados para lidar com as limitações, assumindo maior compromisso com a formação dos professores, coordenadores e diretores, que muitas vezes não sabem como lidar com as necessidades especiais. É dever da escola promover conhecimento a fim de garantir o aprendizado de uma profissão, dando-lhes garantia e dignidade para o futuro. Não adianta afirmar que a sociedade não está preparada. Passou da hora de arregaçarmos as mangas e tratar os portadores de necessidades especiais como pessoas normais, pois são normais embora tenham algumas limitações. Todas as pessoas são diferentes, assim como a cor dos olhos, dos cabelos, a raça, enfim, existem aquelas que apresentam as diferenças físicas, mas que são pessoas como outra qualquer. Tratá-las com indiferença ou com desrespeito são formas de preconceito, previsto na Constituição do Brasil, assim como é direito desses estar incluídos na sociedade, pois são produtivos e capazes.

Podemos nos certificar das capacidades dos portadores de necessidades especiais nos jogos paraolímpicos, onde os mesmos atingem recordes e conquistam várias medalhas. Participam de várias modalidades esportivas, como atletismo, futebol, natação, basquete, dentre outras.

A sociedade já mudou muito nos últimos anos em relação às necessidades especiais, mas ainda temos muito que melhorar. Hoje em dia podemos ver essas pessoas trabalhando em empresas, como supermercados, lanchonetes, restaurantes, farmácias, escolas, pois a lei obriga que um percentual dos funcionários sejam portadores de necessidades especiais, como forma de garantir-lhes oportunidades no mercado de trabalho.

Dessa forma têm assegurado a integração social além de conviverem com valores de igualdade de oportunidades. Mas será que isso realmente acontece? Pensem nisso!

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

Fontes: Climatempo, 10emTudo, Edições Paulinas, Wikipedia, Equipe Brasil Escola

Pensamentos do Dia - 11 de Outubro de 2009

iracema 01a

"Antes de dar comida a um mendigo, dá-lhe uma vara e ensina-lhe a pescar."

Provérbio chinês

"A inteligência é a insolência educada."

Aristóteles

"A maior necessidade de um Estado é a de governantes corajosos."

Johann Goethe

"Não é possível ser bom pela metade."

Léon Tolstoi

"Não quero nunca renunciar à liberdade deliciosa de me enganar."

Che Guevara

Foto Ilustrativa: Fortaleza - Por: Dihelson Mendonça

Barbarie no Campus UFC Benfica, em Fortaleza

“Na noite de 6a feia uma briga entre um segurança da Universidade Federal do Ceará (UFC) e um aluno do Curso de Arquitetura acabou na Superintendência da Polícia Federal (PF).
De acordo com testemunhas, o estudante Rodrigo Rodrigues teria discutido – e em seguida, lutado – com um dos seguranças do Campus. O aluno foi dominado e continuou sendo agredido, mesmo depois de caído. Após serem apartados, o segurança teria ligado para outros vigilantes, que o acompanharam até onde Rodrigo estaria sentado, agredindo-o outra vez. Algemaram-no e disseram que o levariam até a Polícia Federal.

No campus, alunos reuniram-se com o vice-reitor Henry de Holanda Campos, enquanto outros seguiram o carro dos seguranças para garantir que eles fossem de fato à polícia. O POVO falou com o vice-reitor, que “vai abrir um inquérito para apurar o fato“. Mas já adiantou que caso o ocorrido tenha sido como as testemunhas relataram, trataria-se de “uma violência arbitrária, sem autorização da universidade“.

Nota da postagem - Fatos como este tem sido frequentes na UFC onde a segurança patrimonial contratada pela própria Universidade para zelar pelo patrimonio age desta forma agredindo alunos, funcionários e até concessionários que trabalham nos campi, com autorização da Administraçã Superior. Nem nos negros tempos do Governo Militar fatos como este se davam. Professor José Sales do Curso de Arquitetura e Urbanismo UFC/ Campus do Benfica.

Lula sob o filtro de Duda

A pedido de Luiz Carlos Barreto, Duda Mendonça assistiu ao filme "Lula, o Filho do Brasil" e andou dando sugestões na edição final, que foi mudada em certos pontos a partir de algumas opiniões do marqueteiro.

Fonte Veja e Blog do Noblat

Nota da postagem - Há uma certa analogia com "Os filhos de Francisco" ou eu estou redondamente enganado.

Cientistas usam células-tronco para criar "remendo" para lesões cardíacas

Cientistas americanos conseguiram criar uma espécie de "remendo para o coração", ao imitar a forma como as células-tronco embrionárias se transformam em tecido cardíaco, em um importante passo rumo ao desenvolvimento de técnicas de reparo do órgão lesionado por alguma doença. Em uma apresentação para a Sociedade de Engenharia Biomédica, em Pittsburgh, no estado americano da Pensilvânia, os cientistas da Escola Pratt de Engenharia, da Universidade de Duke (Carolina do Norte, EUA) anunciaram que, através de testes realizados em ratos, detectaram que esse remendo tem capacidade de se contrair e de se expandir e conduz sinais elétricos como o tecido cardíaco normal. Em uma série de experimentos com células-tronco embrionárias dos roedores, os cientistas criaram um remendo com células do músculo cardíaco chamadas cardiomiocitos. Os pesquisadores cultivaram as células em um ambiente similar ao dos tecidos naturais. Depois as colocaram em cápsulas com um composto de fibrina, a proteína responsável pela coagulação.

No processo, os cientistas descobriram que os cardiomicitos se desenvolviam somente na presença de um tipo de células chamado fibroblastos cardíacos, que fazem parte de cerca de 60% das células do coração. "Descobrimos que ao agregar os fibroblastos cardíacos aos cardimiocitos se criava um ambiente nutritivo que estimulava o crescimento das células, como se estivessem em um coração em desenvolvimento", afirmou Brian Liau, um dos pesquisadores da Escola Pratt de Engenharia. "Ao testar o remendo, constatamos que as células se alinham na mesma direção e podem se contrair como células nativas. Também podiam transmitir sinais elétricos que fazem com que os cardimiocitos funcionem de uma forma coordenada", acrescentou. Nenad Bursac, professor da Escola Pratt, disse, na apresentação do estudo, que os experimentos representam um avanço, mas advertiu que mais barreiras devem ser superadas antes que se chegue ao implante desses remendos em seres humanos com doenças cardíacas.

"Apesar de termos conseguido cultivar células cardíacas com capacidade de contração e dirigir impulsos elétricos, há outros fatores que devem ser considerados", acrescentou. Um dos maiores obstáculos seria a criação de uma rede de capilares capaz de alimentar esse remendo.

Fonte: Folha OnLine

Marina Silva nega ser criacionista, mas ainda falta algo


Marina Silva inspirou temor na população irreligiosa brasileira por ter deixado entender no passado recente que gostaria de ver o criacionismo cristão sendo ensinado junto ao evolucionismo nas escolas e a ciência recebendo interferência da fé religiosa. Abaixo, mostro que ela fez esforços para desfazer a imagem que sem querer criou.

Primeiro, entrevistada pela Folha de S. Paulo em 23 de agosto [link restrito a assinantes da Folha e do UOL], negou que seja criacionista e advogue em favor do criacionismo cristão no ensino:

FOLHA - Antes de mudar de partido, a sra. mudou de religião, de católica para evangélica. No ano passado, equiparou a teoria da evolução de Charles Darwin ao criacionismo, que atribui a origem da vida a Deus. Entre fé e ciência, a sra. fica com a fé?
MARINA SILVA - Houve um completo mal-entendido. Fui dar palestra em uma universidade adventista, que é uma faculdade confessional. A legislação brasileira permite as escolas e as faculdades confessionais, que têm o direito de fazer a abordagem do ensino a partir da perspectiva religiosa.
Um jovem me perguntou o que eu achava de as escolas adventistas ensinarem o criacionismo. Respondi que, desde que ensine também a teoria da evolução, não vejo problema.
A partir daí, as pessoas começaram a dizer que eu estava defendendo o criacionismo. Sou professora, nunca defendi essa tese e nem me considero criacionista. Porque o criacionismo é uma tentativa de explicação como se fosse científica para responder a questão da criação em oposição ao evolucionismo.
Apenas acredito em Deus, é uma questão de fé. Nunca tive dificuldade em respeitar e me relacionar com os ateus, com pessoas que professam outras crenças ou outra forma de pensar diferente da minha.

FOLHA - E essa fé a impede de discutir questões como a descriminalização do aborto?
MARINA - Questões de fé e as convicções de cada um devem ser respeitadas. Não me envergonho de dizer que sou cristã e jamais tergiversaria sobre minha fé para ganhar simpatia de quem quer que seja. Seria capaz de perder todos os votos, de nunca mais ser eleita, mas nunca faria um discurso fácil.

A mesma justificativa da palestra na universidade adventista foi exposta no programa Roda Viva de 21 de setembro:

Popout

Alguns minutos antes, ela fala sobre sua posição em relação à ciência e ao laicismo, quando está respondendo sobre sua posição em relação às células-tronco:

Popout

Admiro que ela negue apoiar o criacionismo nas escolas brasileiras, mas algo é notado: ela não se referiu em momento nenhum das entrevistas acima à entrevista dada ao blog éoqhá, mas sim à abordagem dada a um rapaz na palestra da faculdade adventista. Assim sendo, ela está no caminho de desconstruir a imagem de evangélica criacionista que quer meter suas crenças na educação da juventude brasileira e no progresso científico, mas ainda não terminou de fazer isso, já que falta ela esclarecer a posição expressa sobre a ciência e a educação na entrevista do éoqhá.

Ela pode não mais me dar medo como dava antes, mas lhe falta esse último passo para acabar com qualquer temor nas minorias não-cristãs em relação à sua possível política educacional e científica: esclarecer o que quis dizer ao éoqhá.

Fonte: Robson Fernando

CRATO - XILOGRAVURA - Artesão é destaque no Cariri

Carlos Henrique começou a trabalhar com a xilogravura ainda criança. Quando jovem, dividia seu tempo entre trabalho, estudo e a arte. Hoje, é destaque na região do Cariri (Foto: Antônio Vicelmo)

Carlos Henrique Soares é artesão e considerado um dos melhores xilógrafos da região do Cariri

Crato. O artesão Carlos Henrique Soares tinha tudo para enveredar no submundo da droga e do crime. Criado na Rua das Cacimbas, uma das localidades mais violentas do Crato, ele viu os seus companheiros de infância fumando maconha e, mais tarde, serem mortos por gangues, no confronto com a Polícia, ou presos, como aconteceu com um dos seus irmãos. Carlos preferiu o caminho inverso. No trajeto entre a sua pobre casa, sem banheiro, e a roça, o menino retirava cascas de cajaranas com as quais fazia boias de galão para rede de pescar. Com esse trabalho, ajudava o pai, o pedreiro Pedro Henrique Soares, na renda familiar. Com a chegada do isopor, que substituiu as boias, perdeu o ganha-pão, mas não perdeu a esperança. Com as cascas da cajarana que sobraram, ele começou a construir casas em miniatura, retratando a rua pobre onde morava.

Com 10 anos de idade, ele começou a frequentar a escola, onde teve a ideia de fabricar o seu próprio carimbo em madeira. Como ainda não sabia assinar o nome, era identificado pela imagem dos animais que ele esculpia em pequenos pedaços de madeira.

Requisitado
Começava a nascer ali, naquela brincadeira infantil, o grande artista, apontado como um dos mais requisitados xilogravuristas da região, uma arte milenar que consiste em utilizar madeira como matriz e possibilita a reprodução de imagens e textos sobre papel ou outro suporte adequado. É um processo inversamente parecido com um carimbo, já que o papel é prensado com as mãos sobre a matriz. Segundo o poeta Luciano Carneiro, diretor da Academia de Cordelistas do Crato, "Carlos Henrique é o melhor xilogravurista que ele conhece".

Dividido entre os estudos, o trabalho pesado e a xilogravura, Carlos Henrique cresceu, alimentando o sonho de ser um artista. No fim da década de 80, foi descoberto pela Academia de Cordelistas do Crato que, a partir de então, começou a utilizar as suas xilogravuras nos cordéis que edita. Nas horas vagas, ele exercita a litografia, um processo de gravura em plano, executada sobre pedra calcária (chamada pedra litográfica) ou sobre placa de metal em geral, zinco ou alumínio.

Outra atividade do artista é a escultura com madeira. Uma de suas peças é um homem com os punhos cerrados e sem cabeça. Ele diz que a imagem simboliza a ira. "Quando o homem está com raiva, perde a cabeça", justifica. Carlos Henrique esclarece que, no momento, a sua principal atividade é a xilogravura que, além de lhe proporcionar um grande prazer, é o seu meio de sobrevivência. "Com esta arte estou criando a mulher e os três filhos", afirma.

O artesão acrescenta que não têm faltado encomendas. Cada uma das xilogravuras é vendida ao preço de R$ 50,00. As mais simples são feitas em um dia. Com a renda, está concluindo a construção de uma casa, na rua "Chapeado Noventa", Parque Recreio, onde ele mesmo faz a comida, enquanto a mulher trabalha no comércio e os filhos estão na escola.

Superação
Mas nem tudo é sucesso. Em 2003, com 30 anos de idade, o artista encontrou mais uma adversidade pela frente. Contraiu dengue hemorrágica, seguida de um derrame cerebral. Foi desenganado pelos médicos. Mais uma vez, não perdeu a esperança. Para surpresa de todos, recebeu alta. No entanto, ficou com algumas sequelas: dor de cabeça e tontura.

Botou na cabeça que ia ficar bom. Por conta própria suspendeu os medicamentos e acreditou no poder da fé. Com a saúde recuperada, voltou a trabalhar normalmente, quando foi surpreendido com o desabamento de seu casebre na rua das Cacimbas. A chuva levou tudo, menos a sua arte, que continua latente, uma resistência cultural que coloca o Crato e o Cariri na galeria dos maiores artistas da região Nordeste do Brasil.

FIQUE POR DENTRO
Técnica se originou na China e é usada no NE do Brasil

A xilogravura originou-se na China, sendo conhecida desde o século VIII. No oriente, ela se firma na Idade Medieval. No século XVI duas inovações revolucionaram a xilogravura. No fim do século XVII, Juliana Gularte teve a ideia de usar uma madeira mais dura como matriz e marcar os desenhos com o buril, instrumento usado para gravura em metal e que dava uma maior definição ao traço. No século XX, a técnica da gravura de topo foi criada por Thomas Bewick. Com a invenção de processadores de impressão a partir da fotografia, a xilogravura passa a ser considerada uma técnica atualizada. É mais usada nas artes plásticas e no artesanato do nordeste do País.

Mais informações
Carlos Henrique Saraiva
Rua Joaquim Alves Correia (Chapeado Noventa), 12
Parque Recreio

ANTÔNIO VICELMO
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaborador do Jornal Chapada do Araripe


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31