xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 01/09/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

01 setembro 2009

A Globo dá uma ajudinha ao Serra (Zé Pedágio). Por Darlan Reis Jr.

Já que o presidente Lula e a ministra Dilma não escapam da mira dos implacáveis opositores, me permitam o exercício do outro lado.
Citam o Tas, aquele do CQC, citam o Globo, a Globo, a VEJA e outras mais . Então vou ser justo e usar o mesmo tipo de arma. Vou citar o jornalista Paulo Henrique Amorim, que trabalha na Record (aquela mesmo, a do bispo).
Ele comentou sobre a forcinha que o Ali Kamel dá para o Zé Pedágio, ops, o José Serra:

". O jornal nacional deu uma aula de manipulação da informação ao cobrir o conflito entre policiais de Zé Pedágio (*) e moradores da favela de Heliópolis, em São Paulo.
. O estilo Ali Kamel de desidratar a guerra civil e transformá-la num episódio policial tem múltiplos ingredientes. . Não contextualizar. . Não dizer que se tornou um padrão da polícia de Zé Pedágio chegar nas favelas e atirar primeiro.
. Depois, perguntar. . Não contextualizar.
. Omitir que, semana passada, houve episódio semelhante numa operação de reintegração de posse (os tucanos adoram reintegrar a posse, menos no pré-sal, onde eles preferem entregar …)
. Este ano em Heliópolis, houve uma guerra civil, também. . Em Paraisópolis. . Em Capão Redondo. . É uma característica do Governo de Zé Pedágio a sucessão de ataques aos pobres das favelas. . O estilo Kamel de manipular omite o passado omite os antecedentes. . Outra característica do estilo Kamel de manipular é apagar os personagens, a vítimas.
. Em Heliópolis, a vítima foi uma jovem mãe de 17 anos. . Dezessete anos e mãe ? . Que moça era essa que ia a uma aula do Supletivo ? . E a mãe dela ? . O Kamel não se interessa por isso.
. Tratar das vítimas, mostrar um rosto e uma vida atrás da tragédia seria atingir o Zé Pedágio. . Se você trata a guerra civil como um episódio policial, apenas, ela entra na rotina da crônica das metrópoles brasileiras. . O estilo Kamel de manipular omite as raízes. . É um guerra civil sem causa. . É uma explosão espontânea. . É uma sucessão de episódios sem causa.
. Tornam-se episódios fortuitos, sem raízes na estrutura social e cultural.
. O estilo Kamel de manipular suprime tudo isso, porque se aprofundar seria chegar ao pré-sal do Zé Pedágio. . O estilo Kamel de manipular pressupõe que, quando a matéria volta para os apresentadores, é como fosse depositada no fundo de um freezer. . O William Bonner demonstrou muito mais emoção quando falou das trapalhadas do Nelsinho Piquet na Fórmula Um. . Ali Kamel agora se organiza para manipular a novela das oito, do Manoel Carlos.
. E o Kamel ainda escreve um livro sobre o racismo do presidente Lula, que, como se sabe, odeia nordestino. . Esse Ali Kamel vai longe. . E como dizia o Billy Blanco, quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo, afinal."
Paulo Henrique Amorim
É, o Paulo Henrique Amorim é tão bom quanto o Marcelo Tas. A luta continua.

Opus Dei: O Poderoso exército do Papa – Postagem: José Nilton Mariano Saraiva


Imagine sua mente sendo monitorada 24 horas por dia. Você está num lugar onde não é permitido ver televisão ou ir ao cinema. Até o jornal já chega editado às suas mãos. Ninguém pode ter amigos do lado de fora e o contato com a família é restrito. Pelo menos duas horas por dia, você tem de amarrar um cilício na coxa – espécie de instrumento de tortura com pontas metálicas que machucam a pele. Quanto maior for o seu desconforto, melhor: isso significa que a instituição está exercendo mais controle sobre você. Se doer demais, tudo bem, você poderá trocar de coxa na próxima vez. O importante é que a experiência não passe em branco. Tem de apertar com força, machucar bastante, deixar marcas. Caso contrário, não “faz efeito”. Se tudo isso já parece um pesadelo, ou filme de terror, saiba que ainda não acabou. Uma vez por semana, você terá também de golpear suas nádegas ou suas costas com um chicote. E ainda passará pelo que é chamado de “sinceridade selvagem”: contar aos seus superiores cada pensamento que passa pela sua cabeça, principalmente aqueles segredos mais íntimos, sobre os quais não se comenta nem no banheiro, de porta fechada e luz apagada. Se você não revelar tudo, estará mantendo um “segredo com Satanás”.

Ao contrário do que você possa imaginar, as situações descritas acima não ocorrem nos porões de uma ditadura ou no ritual de alguma seita satânica; de maneira alguma. Elas são rotina nas residências do Opus Dei, onde vivem os chamados numerários – membros da organização religiosa que fazem voto de castidade e estão ali por opção, para “santificar” o mundo. A maioria tem profissão e trabalha normalmente, como outra pessoa qualquer. Mas seus salários vão direto para o Opus. Muitos foram recrutados ainda bem jovens. Mas há também os supernumerários. Esses podem se casar, ter filhos e viver em suas próprias casas, embora também recorram à penitência física – ou mortificação corporal – como uma forma de controlar instintos pecadores. Uma das funções secretas desses membros, de acordo com os críticos da organização, seria ocupar posições de liderança na sociedade – um cargo político, de direção de uma grande empresa, na presidência de um banco, na reitoria de uma universidade ou na chefia de um veículo de comunicação. Do alto desses postos de comando, a capacidade de expansão e o poder de influência do Opus Dei estariam assegurados.

O movimento Opus Dei – expressão que em latim que significa “Obra de Deus” – foi fundado pelo sacerdote espanhol Josemaría Escrivá em 1928. Trata-se de uma prelazia pessoal, figura jurídica da Igreja Católica que está prevista no Código de Direito Canônico (a constituição da Igreja). Seu lema: “Seja santo. Santifique-se em seu trabalho. E santifique os outros com seu trabalho”. Ela dá aos seus membros o direito de seguir ordens do prelado (o líder máximo do Opus, que fica em Roma), em vez de obedecer à autoridade católica regional. Simplificando grosseiramente, é como se o grupo fosse um braço independente da Igreja - ultraconservador, totalitário e conspirador - que não deve explicações a mais ninguém além do papa. Chegou ao Brasil na década de 1950, instalando-se em Marília-SP de onde lançou seus tentáculos para São Paulo, Campinas (SP), São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Niterói (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Londrina (PR) e Porto Alegre (RS). Hoje se espraia pelo país todo, inclusive cidades interioranas.

Também conhecida por “máfia santa” ou de “uma Igreja dentro da Igreja”, a Opus Dei conta com poderes excepcionais e muito dinheiro sendo colocado a serviço de um conservadorismo atroz. Em parte, essa fama se deve às estreitas relações que a organização cultivou com o regime fascista do ditador espanhol Francisco Franco, de 1939 a 1975. Seu fundador, Josemaría Escrivá, ouvia as confissões do “generalíssimo”, como Franco era conhecido, e muitos integrantes ou colaboradores do Opus Dei foram nomeados ministros de Estado enquanto durou a ditadura franquista. Duas situações que mostram a influência que a “Opus Dei” exerce sobre o Vaticano: 1)o processo incrivelmente rápido de canonização de Escrivá – o 2º mais breve na história da Igreja Romana, atrás apenas do de madre Teresa de Calcutá; 2) a proteção, impulsão e eleição de João Paulo II. Com a morte deste e a assunção do ex-integrante da juventude nazista, ex-cardeal Ratzinger e atual papa Bento 16, a Opus Dei continua a manter a preeminência do passado, na condição de um poderoso exército do papa. Aos interessados, mais detalhes poderão ser obtidos no livro e no filme “O Código da Vinci”.

Fonte: Internet - Postagem: José Nilton Mariano Saraiva

Festival de Veneza começa amanhã com dois brasileiros

O curta "O Teu Sorriso", de Pedro Freire, e o longa "Insolação", de Felipe Hirsch e Daniela Thomas são os brasileiros participantes. Ambos integram a mostra Horizonte, não competitiva e que busca apresentar um panorama do cinema mundial, e têm o ator Paulo José no elenco.
Divulgação
Cena do filme "Insolação", de Felipe Hirsh e Daniela Thomas, um dos representantes brasileiros no Festival de Veneza.
Cena do filme "Insolação", de Felipe Hirsh e Daniela Thomas, representante brasileiro no Festival de Veneza.

Sobre a produção escolhida para abrir o festival, que começa amanhã e vai até 12 de setembro, Tornatore, seu diretor, diz que ela revisita as melhores contribuições que a Itália já deu para o cinema.

"Baaría", que vai concorrer ao Leão de Ouro, é a segunda participação de Tornatore no Festival de Veneza. Em 1995, com "O Homem das Estrelas", o diretor ganhou o Prêmio Especial do Júri. Neste ano, mais uma vez, a disputa promete ser difícil.

Entre os 23 longas que o júri liderado pelo diretor taiuanês Ang Lee terá que avaliar estão, por exemplo, o ácido documentário "Capitalism: A Love Story", do americano Michel Moore, e o realista "Soul Kitchen", do alemão Fatih Akin.

Na briga, estão ainda o francês "Persécution", de Patrice Chéreau e com Charlotte Gainsbourg ("Anticristo") como protagonista, e "Bad Lieutenant: Port of call New Orleans", que muitos consideram uma versão do alemão Werner Herzog para "Bad Lieutenant", do americano Abel Ferrara.

"Survival of the Dead", com o terror tão caro às produções de George Romero, e "Life During Wartime", apresentado como uma "continuação" ou uma "variação" do premiado "Felicidade", são outros fortes competidores.


Foto: Cena do filme "Insolação", de Felipe Hirsh e Daniela Thomas, representante brasileiro no Festival de Veneza.

Fonte : Folha Online

Postado por Alessandra Bandeira

"Blog do Planalto" não é do Planalto nem é blog - Por: Samuel P. Teles

Estreou, finalmente, o Blog do Planalto, aquele que seria o canal de comunicação direta do presidente com a sociedade. Seria, caro internauta, seria... O Blog do Planalto não é de autoria do presidente.

Está lá, no próprio "Blog", com todas as letras:

O Blog do Planalto é do Presidente da República?
Não, o Blog do Planalto é um canal de comunicação da Presidência da República com a sociedade.

Por "Presidência da República" entenda-se uma equipe que cuida da "imagem" e de empacotar a "opinião" do presidente.

Tem mais: o Blog do Planalto não é, acredite, um blog! Afinal, o que é um blog? É um site onde o autor se expressa de forma direta e em contato e confronto permanente com os comentários dos visitantes. Exatamente como acontece agora, nesse post, no "Blog do Tas" ou em qualquer outro blog.

No Blog do Planalto, além do presidente não se expressar diretamente com a gente, a equipe responsável pelo blog também não ouve. Lá está também, com todas as letras, essa informação:

O Blog do Planalto terá área para comentários?
Não. A princípio, o Blog do Planalto não terá área de comentários. Há dificuldades práticas para administrar essa interatividade.

Que "dificuldades práticas" serão essas de administrar a "atividade" de ouvir a nação? Será a dificuldade de aguentar a nossa opinião sobre a aliança de Lula com José Sarney, por exemplo? Equipe para isso, o Blog do Planalto tem: são seis profissionais exclusivos só para atualizar o blog. Estou na atividade solitária de administrar o "BLog do Tas" há seis anos. Tenho convicção que, com seis profissionais e um software relativamente simples e gratuito, seria possível dar conta do recado de moderar os comentários dos internautas para que o Blog do Planalto se tornasse realmente um blog.

Sendo um canal controlador, de mão única, temo que o destino do "Blog do Planalto", iniciativa elogiável, possa ser virar mais um dos muitos canais de comunicação "oficial", chapa branca, do governo e se juntar à Radiobrás (que faz bem esse papel, diga-se), a TV Brasil (teoricamente uma TV pública, que não deveria ter esse papel), o Diário Oficial, a EBC, a NBR... sem contar os veículos próprios particulares- rádios e TVs- que estão nas mãos de políticos (o que, segundo a constituição federal em vigor, é ilegal, diga-se). Ao invés de pluralidade, múltiplos canais e vozes, vejo que o estado brasileiro- Executivo, Legislativo e Judiciário- caminham, infelizmente, de marcha à ré para o velho curral eleitoral analógico mão única de sempre.

O "Blog do Planalto" poderia ser um passo histórico e importante na relação do poder executivo com a sociedade. Sua mera publicação gerou tanto tráfego na internet que chegou a tirá-lo do ar nas primeiras horas de vida dele. A socidade tem interesse na transparência do diálogo com o chefe da nação, por isso merecia ser tratada com mais respeito e atenção. O que não está acontecendo no momento com o "Blog do Planalto", infelizmente.

Fonte: Blog do Tas (excelente como sempre)

Por: Samuel P. Teles

Blog do Lula já Está no Ar

Pane na estreia do blog do Planalto

O Blog do Planalto (http://blog.planalto.gov.br/), criado como mais um canal de comunicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governo na internet, estreou ontem com dificuldade para permanecer no ar. Segundo o Planalto, o blog, que suporta 6 mil usu
FONTE : http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/

Blog de Lula entra no ar com problemas de acesso

RIO - O diário eletrônico do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, batizado de Blog do Planalto, entrou no ar nesta segunda-feira. Porém, nem todos os internautas estão conseguindo acessar a página na internet. De acordo com a Secretaria de Imprensa da presidência, o número de acessos ao blog superou a expectativa inicial, de 6 mil usuários simultaneamente.
A secretaria informa que já providenciou a ampliação da banda de acesso ao site, o que permitirá um número maior de visitas simultâneas, a partir da tarde desta segunda-feira.
FONTE: http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/08/31/blog-de-lula-entra-no-ar-com-problemas-de-acesso-767394057.asp

Finalmente foi lançado o Blog do Planalto. Espia em blog.planalto.gov.br.
Como eu tinha comentado aqui em junho, não é aberto a comentários. Também não é o próprio presidente Lula quem bloga, mas na estreia ele dá as boas-vindas em vídeo. Há uma equipe cuidando da presença digital do Planalto.
Mas imagina se Lula blogasse...
FONTE: http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/

Postado por Antonio Correia Lima

Viveu em Crato ex-integrante da Coluna Prestes - Por: Emerson Monteiro



José Antônio Maia na única imagem dele conhecida (de um pequeno camafeu pertencente à sua filha Luiza de Marilac)

Gaúcho de São Leopoldo, José Antônio Maia chegou ao Cariri quando os revoltosos da Coluna atravessaram o sul do Ceará, vindos do norte do País, no ano de 1926. Menor de idade, se apresentou ao Padre Cícero e foi encaminhado ao major José Gonçalves, do Crato, de quem ficou sob a custódia, temendo-se até que viesse a sofrer perseguições do Governo, o que não lhe aconteceu.

Uma filha de José Antônio Maia, que desde criança reside em Crato, Luíza de Marilac de Norões Maia, falou à reportagem do Jornal do Cariri a propósito desse personagem que acompanhou a Coluna Prestes desde o Rio Grande do Sul até o Ceará.

Em face de ser menor de idade, pois, de tanto insistir, se agregara à Coluna com menos de 14 anos, no decorrer das lutas e longas jornadas que teve de enfrentar, viu-se em dificuldades para seguir o movimento. Por isso, quando passava na região do Cariri, sozinho, dirigiu-se a Juazeiro do Norte e buscou a tutela do Padre Cícero.

“Não cheguei a conhecer meu pai, pois nasci em 25 de agosto de 1943, mesmo ano em que ele faleceu, no dia 29 de dezembro, vítima da malária. Ainda assim, muitas vezes ouvi minha mãe falar nele e contar a sua história”, inicia Marilac, funcionária do Hospital São Francisco. “As pessoas costumavam chamá-lo de José, o Revoltoso. Nascera em São Leopoldo e tinha familiares em São Borja, na fronteira com o Uruguai, segundo dizia. Em Crato, casou-se com minha mãe, Eulina Moreira de Norões, irmã de Judite Norões, a esposa do major José Gonçalves. Vieram os filhos: o primeiro, João Bosco, que morreu aos 4 anos; Luís Albano, que morreu em um acidente de moagem, no engenho do São José, em 1954, aos 12 anos; e eu, a mais nova dos três.”

Dada a religiosidade da família com quem ficou morando, em Crato, José Antônio Maia batizou-se e crismou-se, na idade de 16 para 17 anos. De acordo com a filha, seu pai tinha boa índole. Homem alto (1m85cm), moreno claro, alfabetizado. Mantinha-se bem informado. Gostava de ler jornais e livros. Idealista, alimentava preocupações sociais. Integrou-se com facilidade ao povo da Região. De espírito alegre, gostava de conversar sobre política e votava especial interesse pelo futebol, esporte que, nos anos 30, praticava ao lado de outros jovens da época. Trabalhou nas Casas Pernambucanas e no Serviço de Endemias Rurais (guarda mata-mosquito), hoje Fundação Nacional de Saúde.

“Há sete anos, recebi a visita de Luís Carlos Prestes Filho, que organizava um museu da Coluna. Ele procurou por mais informações quanto à vida de meu pai, pois soubera de sua existência aqui em Crato. O que pude dispor e transmitir”, completa Luíza de Marilac.


DANDINHA, para Sempre! - Por: Pachelly Jamacaru

Fui aos meus arquivos que são de produções artísticas do Cariri e revisitei a obra poética, lírica e clássica de: Bernardina Vilar de Alencar Costa, ou, simplesmente a inesquecível “Dandinha Vilar”. Nascida no sítio Lameiro em 1922, Dandinha deixou uma obra literária de uma beleza ímpar. São poemas saudosos, sentimentais, escritos com as canetas do coração e as tintas da alma! Vejam essa pérola:

O RETRATO

Sala deserta, na penumbra imersa
E na parede um quadro pendurado;
Sobre os frangalhos de um tapete persa,
Lá no canto um piano empoeirado.

Contra os vitrais, na direção inversa,
Um móvel antigo, sujo, desbotado;
Como a mostrar cumprir sorte adversa
Um divã noutro canto abandonado.

Abri a porta. Entrei. Tudo era triste.
Na solidão apenas a certeza
De que mais nada ali já não tem dono.

Mas qual! Num desafio que assim resiste,
Um retrato sorrindo sobre a mesa
No mais letárgico e tétrico abandono.


Dandinha em vida publicou dois livros de sonetos. Publicou vários poemas em livros e revistas de circulação Caririense. Foi professora, vereadora e por dezoito anos exerceu mandato. É minha parceira musical. Estou gravando o meu terceiro CD em que estamos parceiro na música: Paralelas. Hoje, dia 21, de dezembro 1997, fazem dez anos que eu não diria de morte, mas, que ela foi chamada a escrever glórias-poéticas nas alturas! Então, temos por lá, como sabemos que em todo canto tem um cratense, uma adorável poetisa recitando para anjos boquiabertos!

Foto Telma Saraiva//Divulgação.

Stan Lee aprova compra da Marvel pela Disney-Por Alex Dobuzinskis

LOS ANGELES (Reuters) - Stan Lee, co-autor de muitos dos mais famosos personagens da Marvel Entertainment Inc, aprovou nesta segunda-feira a aquisição da empresa pela Disney e dissipou temores de que o conglomerado do entretenimento possa enfraquecer a mitologia das HQs.

Lee, que ajudou a dar vida a alguns dos ícones mais duradouros da cultura popular, como Homem-Aranha e o Quarteto Fantástico, disse que os fãs da Marvel não têm com o que se preocupar.

"Para mim, ser 'Disneyficado' não é uma coisa ruim. Quero dizer veja filmes como 'Piratas do Caribe'", disse Lee em entrevista por telefone à Reuters.

"A Disney sabe como fazer filmes. Eles sabem como fazer personagens vivos, e acho que os fãs, se pensarem nisso, vão adorar (o negócio)", afirmou o roteirista, que se desligou da Marvel há anos, mas ainda continua sendo presidente emérito da editora.

Nesta segunda, a Disney anunciou a compra da Marvel por 4 bilhões de dólares. O ex-executivo da editora Shirrel Rhoades declarou nesta segunda que alguns dos leitores da Marvel estavam preocupados de que "os quadrinhos serão diluídos à maneira da Disney".

Para Lee, no entanto, o acordo traz novas possibilidades para suas criações, como Thor, que, segundo os planos da Marvel, terá adaptação para o cinema em 2011.

"Estava pensando em algo totalmente diferente. O que poderia ser maior e até mais poderoso do que o Hulk? Pensei por que não um deus lendário", disse.

Lee recorreu à Bíblia e a Shakespeare para dar maior força retórica a Thor.

Aos 86 anos, ele não está mais envolvido nas operações do dia a dia da empresa, que ajudou a se tornar em uma gigante das histórias em quadrinhos. Hoje Lee é a força criativa que move sua própria companhia, chamada POW! Entertainment, que tem um acordo de parceria com a Disney.

Por Alex Dobuzinskis

Fonte: Reuters

Postado por : Alessandra Bandeira

Conversas ao Telefone - Por: Carlos Eduardo Esmeraldo

Anos 50 em Crato !

No Crato dos anos cinqüenta e início dos anos sessenta, existia um sistema telefônico muito primitivo, como os antigos PBX, manual, da empresa STIL – Serviço Telefônico Interior Ltda. Os aparelhos telefônicos pretos eram acionados por uma manivela que dava o sinal a uma telefonista que atendia na central. Esta funcionava numa salinha apertada na esquina da praça Juarez Távora com Senador Pompeu. Lembro-me de que eu passava horas olhando, da janela dessa precária central, a telefonista a trabalhar. Não me cansava de admirar uma espécie de tampinha desgrudar de um painel vertical, existente sobre uma mesa, defronte da qual estava a telefonista, permanentemente com o fone nos dois ouvidos. Alguém, após ficar com o braço dolorido de tanto rodar a manivela do aparelho de sua casa, fazia deslocar, por impulsos eletromagnéticos, essa dita tampinha e dizia à telefonista do centro, com quem desejava falar e, então, esta completava a ligação. O sistema telefônico tinha ultrapassado a sua vida útil e estava a ponto de se exaurir.

A coisa estava tão insuportável que o popular Ramiro, lá do Alto do Seminário, ao atender a uma ligação da madre superiora do convento das freiras para o reitor, monsenhor Pedro Rocha, assim satirizava:

– Alô, é do Seminário. Quem fala é Ramiro.
– Ramiro, é a madre Tereza. Por favor, fale mais alto!

Ramiro subiu numa cadeira e respondeu:

– Pode falar irmã, já estou um pouco mais alto.
– Ramiro, fale mais alto, por favor! – gritava a superiora.

Ramiro viu como única opção, subir em uma mesa. E, então, disse:

– Pode falar, irmã! Já estou mais alto ainda.
– Ramiro, mais alto. Não estou ouvindo nada.

Ramiro, então, tomou a cadeira e colocou-a sobre a mesa. Depois de subir nela, voltou a insistir:

– Pronto, irmã. Pode falar agora.
– Ramiro, vê se você consegue falar mais alto. Desse jeito não tem quem ouça.
– Irmã, não posso falar mais alto do que isto. Já estou no Alto do Seminário, em cima de uma cadeira, que está em cima de uma mesa. Mais alto ainda só se eu for pro céu!

Finalmente, o velho Sistema Telefônico da STIL emudeceu de vez, deixando a cidade do Crato sem esse moderno meio de comunicação. Cansados de esperar pelo poder público, um grupo de empresários cratenses se reuniu e criou uma empresa telefônica, a Sertesa – Serviços Telefônicos do Crato S.A. Constituída a empresa, logo trataram de adquirir uma pequena central automática com mil unidades de telefones. Foi uma festa a inauguração do novo telefone, em 1965. As pessoas ligavam de uma para a outra, sem a menor necessidade, somente para testar a novidade. Todos estavam admirados com a maravilha da tecnologia. Minha sobrinha Rosineide, na época uma adolescente, ao sair à calçada de sua casa e avistar sua vizinha e amiga Ana Maria, que morava na casa defronte, assim dizia:

– Mulher, vai pra tua casa, que eu vou te telefonar. Tenho uma novidade para te contar.


Daí para os trotes, foi uma questão de tempo. E a molecagem do Crato se esmerou na arte de passar trotes.

– Alô. Boa-tarde. Aqui é da Sertesa, estamos testando o telefone – dizia a voz misteriosa, que se fazia passar por funcionário da Sertesa.

– Pois não. A ligação está boa – respondia a vítima.
– A senhora, por favor, estique bem o fio do seu aparelho. – insistia o moleque.
– Pois não. – falava novamente a vítima.
– Está bem esticado?
– Está, sim.
– Pois, então, enfie no… – completava o despudorado.

Seu Chiquinho, o dono da fábrica de gelo, também foi vítima dos trotes:

– Alô, é da fábrica de gelo?
– É, sim, senhor.
– Quem está falando?
– É o Chiquinho.
– Seu Chiquinho, aí tem gelo?
– Tem sim – respondia o comerciante.
– Tem uma barra bem grande?
– Sim, temos barra de gelo de um metro.
– Pois seu Chiquinho, sente em cima dela, que daqui a pouco eu passo aí pra conhecer um velho fresco.

O nível dos trotes ia andando por aí, e a situação piorava cada vez mais. A ousadia de quem se prestava a essa vil brincadeira não conhecia limites. Tiveram até a petulância de ligar para o convento das freiras:

– Alô, de onde fala?
– Do Convento das Filhas de Santa Tereza de Jesus.
– Desejo falar com a irmã Virgem – dizia a voz misteriosa.
– Aqui não há nenhuma irmã Virgem – respondia a santa e ingênua irmãzinha.
– Eu bem que desconfiava. Era isso mesmo que queria saber…

Transcrito do livro: “Histórias Que Vi, Ouvi e Contei (do mesmo autor)

Por: Carlos Eduardo Esmeraldo
Autor do Livro: "Estórias que Vi, Ouvi e Contei" - Disponível em Amilton Som - Últimos exemplares.

O Mastigador de Vanguardas- Por : Gisele Kato


O russo Marc Chagall incorporou diversas tendências da arte europeia e, a partir delas, criou uma obra totalmente original. Seu estilo é tão marcante que ninguém ousou fazer algo parecido.
Um episódio perdido na trajetória do russo Marc Chagall (1887-1985) é a chave para a entrada em seu universo de noivas flutuantes e bichos equilibrados em telhados. Aconteceu quando o pintor era comissário das artes em sua cidade natal, Vitebsk. Empolgado com a chance de levar à nova Rússia comunista os ideais das vanguardas europeias, o artista inaugurou uma escola em 1918 e chamou o também russo Kazimir Malevich para integrar o corpo docente. Em pouco tempo, o colega seduziu os alunos com suas figuras geométricas simplificadas ao máximo, pedras de toque da escola conhecida como suprematismo. O famoso quadrado negro sobre o fundo branco de Malevich foi interpretado pelos jovens revolucionários como um caminho rápido para a transformação visual que tanto perseguiam. Diante da força e simplicidade do suprematismo, a popularidade de Chagall, com sua linguagem de excessos, perdeu força dentro da luta bolchevique. Em 1920, bastante magoado, ele abandonou o cargo em Vitebsk, deixando espaço para Malevich, inventor de uma proposta estética praticamente oposta à sua. Chagall seguiu para Moscou, onde começou logo a produzir sete grandes painéis para o Teatro Yiddish. Em um dos trabalhos, pintou um quadrado negro, em uma referência clara ao movimento preconizado pelo recente rival. Ver a homenagem como um gesto incoerente do artista é, no entanto, um equívoco. A citação, na verdade, resume o espírito de toda a sua obra.

Com o painel A Música, Chagall dizia que estava atento às inovações artísticas da época, mas que não iria endossá-las por completo. Durante os mais de 60 anos de carreira, o pintor flertou com muitos grupos modernos, observou com atenção o que surgiu no período, mastigou as ideias lançadas e devolveu tudo na forma de telas, gravuras e esculturas absolutamente originais. Por isso, é tão fácil reconhecer uma criação sua. E, por isso, seu legado provou-se tão singular. Ao mesmo tempo em que o artista se manteve antenado com as correntes artísticas de sua época, desenvolveu um estilo pessoal, quase impossível de ser seguido. Como uma referência a Chagall sempre corre o risco de se tornar uma imitação barata, as gerações seguintes o admiram, mas não são diretamente influenciadas por ele — o que, de modo algum, tira seu lugar entre os protagonistas mais geniais da arte do século 20. Esse percurso de certa forma "alternativo" no rígido mundo das vanguardas modernas fica evidente na mostra O Mundo Mágico de Marc Chagall — O Sonho e a Vida, que a Casa Fiat de Cultura, em Belo Horizonte, recebe neste mês — e que, em outubro, segue para o Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro.

Com 275 gravuras, duas esculturas e 26 pinturas, todas inéditas no Brasil, esta é a maior exposição do artista já vista no país desde a sala especial na 4ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1957. O conjunto, vindo de instituições russas e suíças, além de coleções particulares, convida o público a se entregar a uma atmosfera única, bela no sentido mais genuíno da palavra. E encantadora como só a imagem de uma cabra tocando violino ou um peixe voador podem ser. "Chagall é um caso curioso porque é um artista de expressão extraordinária, mas que não deixa escola. Sua influência na arte é muito pequena. E, mesmo assim, ele tem uma presença definitiva na produção moderna", diz o curador Fábio Magalhães, que, para a individual, garimpou obras do pintor russo ao longo de dois anos. Embora concorde que não exista um herdeiro assumido de Chagall, o curador optou por sugerir ainda aproximações com alguns artistas brasileiros, como Ismael Nery e Cícero Dias. "Mas o próprio Cícero negou a vida inteira ter qualquer relação com Chagall", ressalta. Para Magalhães, o mestre russo construiu um repertório com tamanha personalidade por contar, a seu favor, com uma circunstância histórica: "Ele teve a sorte de viver em um momento incrível e soube ser sensível a esse tempo". Chagall, assim, teria sido uma espécie de mastigador de vanguardas.

EUROPA E RÚSSIA

Chagall pisou na França pela primeira vez em 1911 e, entre idas e vindas a Paris, conviveu com uma avalanche de pensamentos que interfeririam nos sonhos e ilusões de muitas décadas posteriores. Logo quando chegou à capital francesa, ele foi morar no lendário prédio La Ruche, no bairro de Montparnasse. Com aluguel barato, o endereço funcionava como albergue para jovens artistas ainda em busca de reconhecimento. Nomes como os dos poetas Guillaume Apollinaire e Blaise Cendrars e dos pintores Fernand Léger, Amedeo Modigliani e Constantin Brancusi estavam entre seus vizinhos. O La Ruche somava-se, na época, ao Bateau-Lavoir, edifício no bairro operário de Montmartre, onde ficava o ateliê de Pablo Picasso, para fazer de Paris o centro artístico do mundo. Lá, Chagall aprendeu a questionar as regras estéticas estabelecidas, experimentou as premissas do cubismo, do fauvismo e do expressionismo e intensificou sua relação com a poesia e com a literatura. Foi moldando, assim, uma plástica própria, misto de tudo o que borbulhava ao redor.

Além do privilégio de assistir e se envolver com o surgimento dos novos movimentos da arte, Chagall se beneficiou de um período de interesse voltado para as culturas russa e judaica. Como mais uma das coincidências felizes de sua vida, isso ocorreu logo após a Primeira Guerra Mundial, quando ele estava de volta à Rússia. Nascido em uma comunidade judia de Vitebsk, o artista soube tirar vantagem de sua origem e adaptar as lições da tradição às causas da modernidade. E isso se deu em várias camadas: "Ele é o artista oficial do judaísmo até hoje, mas suas criações englobam também noções cristãs", diz Magalhães. Chagall pairou acima das tendências sem, no entanto, ignorar nenhuma delas. As cores vibrantes de suas telas têm muito da arte popular russa. O clima leve e alegre das composições revela plena sintonia com a dissidência hassídica do judaísmo, que pregava o êxtase no encontro com Deus.
VACA NO TELHADO

Se até os anos 20 essa combinação original se concentrava nas telas, depois o artista direcionou seu talento também para as gravuras. O curador da exposição em Belo Horizonte iguala a importância dos dois suportes na carreira de Chagall: "Diria até que nessa época de maturidadea gravura ocupa um papel mais importante do que a pintura em seu trabalho. Ele renova e cresce muito no domínio da técnica", diz Magalhães. Amigo de vários escritores, Chagall sempre fez ilustrações. Após o período na Rússia, na Primeira Guerra, ele voltou a Paris já como talento reconhecido e se dedicou com mais afinco à tarefa, muitas vezes sob encomenda de marchands e galeristas bem-sucedidos, como Paul Cassirer e Ambroise Vollard. Ele apostou primeiro na gravura em metal e, nessa fase inicial, assinou pelo menos três séries importantes: Les Âmes Mortes (As Almas Mortas), baseada na obra de Nicolai Gógol e apresentada em 1923; Fables (Fábulas), feita entre 1926-1927 para as fábulas de La Fontaine; e La Bible (A Bíblia). No último conjunto, executado entre 1931 e 1939, o artista, que costumava criar em guache e transferir para a matriz de metal, começou a sentir dificuldade em obter os mesmos resultados de cor planejados na aquarela. "Por isso, encontramos gravuras em metal coloridas depois à mão por ele", diz Magalhães. Na mostra montada no Brasil, estão os conjuntos completos de La Bible e Les Âmes Mortes, além de exemplares das Fables. Junta-se à seleção a série inteira de litogravuras Daphnis et Chloé, baseada no idílio pastoral da Grécia antiga e finalizada nos anos 60. Com os exemplares tirados de matrizes de pedra, Chagall obteve as tonalidades desejadas.

A preocupação com as cores ganha mais sentido quando se vê sua obra como uma espécie de fábula, visão defendida pelo crítico italiano Giulio Carlo Argan. Para ele, Chagall subverteu planos, quebrou parâmetros espaciais e chegou a uma perspectiva inédita, em que situações a princípio absurdas acabam se passando como cenas naturais. Vacas vermelhas andam em telhados? Diante de um trabalho de Chagall, é possível acreditar que sim. Ante suas telas, fazem-se ainda as pazes com a arte bela, vítima do preconceito da vanguarda segundo o qual essa proposta estética seria menor, mais fácil de produzir. Uma obra de Chagall convida a um comentário na linha "gosto disso e não sei bem explicar por quê". Isso basta. Ele é a prova de que beleza, inovação e talento podem caminhar juntos.


Por: Gisele Kato

Fonte: Revista Bravo Postado

por: Alessandra Bandeira

Os misteriosos Buracos Negros - Enigmas do Universo!

No dia 01 de Setembro de 1939, uma matéria sobre “buracos negros” foi publicada pela primeira vez num periódico científico, “Physical Review”.

Um buraco negro clássico é um objeto com campo gravitacional tão intenso que a velocidade de escape excede a velocidade da luz (299.792,458 km/s, equivalente a 1.079.252.848,8 km/h). Nem mesmo a luz pode escapar do seu interior, por isso o termo "negro" (cor aparente de um objeto que não emite nem reflete luz, tornando-o de fato invisível). A expressão "buraco negro", para designar tal fenômeno, foi cunhada pela primeira vez em 1968 pelo físico americano John Archibald Wheeler, em um artigo científico histórico chamado The Known and the Unknown, publicado no American Scholar e no American Scientist. O termo "buraco" não tem o sentido usual, mas traduz a propriedade de que os eventos em seu interior não são vistos por observadores externos.

Teoricamente, um buraco negro pode ter qualquer tamanho, de microscópico a astronômico (alguns com dias-luz de diâmetro, formados por fusões de vários outros), e com apenas três características: massa, momento angular (spin) e carga elétrica, ou seja, buracos negros com essas três grandezas iguais são indistinguíveis (diz-se por isso que "um buraco negro não tem cabelos"). Uma vez que, depois de formado, o seu tamanho tende para zero, isso implica que a "densidade tenda para infinito".

Simulação computadorizada

É possível simular em um computador as condições físicas que levam à formação de um buraco negro, como consequência do colapso gravitacional de uma estrela supergigante ou supernova. Para isso, os astrofísicos teóricos implementam complexos programas, que recriam as condições físicas da matéria e do espaço-tempo durante o processo de implosão das estrelas, as quais esgotam seu combustível nuclear e colapsam, com o transcorrer do tempo, devido a seu peso gravitacional, formando um objeto de densidade e curvatura do espaço-tempo infinita. Desses objetos, nada --- nem mesmo a luz--- consegue escapar. O resultado é a formação de uma singularidade gravitacional contida num buraco negro de Schwarzschild (Karl Schwarzschild é o astrônomo que descobriu a primeira solução das equações de Einstein que descrevem um buraco negro).

O buraco negro é um fenômeno do universo que suga qualquer planeta, estrela, cometa, meteoro, ou até mesmo luz, que chegue ao seu alcance. Ele aumenta de tamanho graças à energia desses objetos. Mas como? Por causa dos átomos. Os anéis dos átomos giram em volta do núcleo. Todos os objetos tem muitos átomos. O buraco negro, “espreme”, graças à pressão, todos os objetos. Então, os átomos também ficarão mais juntos. Seus anéis terão menos espaço para girar, e girarão mais rápido, causando mais energia que aumenta o tamanho e a força do buraco negro.

A percepção espaço-temporal

Os buracos negros, assim como outros objetos cuja atração gravitacional é extrema, retardam o tempo significativamente devido aos efeitos gravitacionais. As estrelas de nêutrons e buracos negros causam de fato distorção espaço-temporal notável, relacionada com o efeito de lente gravitacional. As precessões dos corpos celestes orbitando tais corpos, similarmente a precessão do periélio de Mercúrio no nosso sistema solar, são muito mais notáveis e significativas, e envolvem inclusive estrelas de sistemas binários, ou mesmo múltiplos.

Fonte: Wikipedia

Nada como um dia atrás do outro – por Armando Rafael

Tempos atrás postei um texto no qual dizia que o Programa do Biodiesel, lançado pelo Governo Lula, era mais uma demagogia eleitoreira. Foi um Deus nos acuda! Tempos atrás ainda tinha gente que acreditava: "Lula era o melhor presidente que já teve esta República"; que nunca "a Polícia Federal apurou tanta corrupção. Tudo por ordem de Lula".
Tá aí o clã Sarney para atestar...
Um colaborador deste blog, residente em Fortaleza, esconjurou-me. Disse num dos seus “contundentes”, educados e equilibrados comentários que eu era um contumaz “torcedor do contra” e que em breve o Brasil seria inundado pelo biodiesel. Era aguardar para conferir.

Li, há poucos momentos (na revista “Catolicismo”), a notícia abaixo:


“Fracasso da usina de ecodiesel no Ceará
Mais uma vez o dirigismo estatal fracassou. A usina de biodiesel da Brasil Ecodiesel em Crateús, no sertão cearense, fechou suas portas. Inaugurada em abril de 2007 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, desde sua inauguração enfrentava problemas em adquirir matéria-prima –– a mamona. Pelo programa inicial, deveria a usina incentivar a produção da mamona na região. Recebeu subsídios, mas sequer conseguia pagar o preço mínimo do produto aos pequenos produtores da região.
O plantio da mamona não deslanchou...”
Texto e postagem de Armando Lopes Rafael

BlogHumor - Piadas de Loucos

Loucos de dar Nó...

Três loucos vão fazer o exame mensal, para ver se já podem receber alta. O médico pergunta ao primeiro deles:
— Quanto é 2+2?
— 72.
O doutor balança a cabeça, desanimado. Virando-se para o segundo, repete a pergunta:
— Quanto é 2+2?
— Terça-feira.
O médico repete a pergunta para o terceiro louco:
— Quanto é 2+2?
— É 4, doutor!
— Parabéns, você acertou! Como chegou a essa conclusão?
— Foi fácil! Me baseei nas respostas dos meus amigos: 72 menos terça-feira dá 4!

***

O doido estava no hospício, escrevendo uma carta. O psiquiatra perguntou:
— Você está escrevendo para quem?
— Para mim mesmo.
— E o que diz a carta?
— Não sei, ainda não recebi!

***

O hospício estava superlotado. Então os médicos resolveram fazer um teste pra ver quem já estava bom e poderia ter alta. Saíram gritando que o hospício estava inundando. Todos os doidos começaram a nadar no chão, mas um deles permaneceu sentado num banco, sorrindo. O médico imaginou que esse doido já estivesse bom, e perguntou:
— Por que você não está nadando?
— Eu vou esperar a lancha, que é mais rápido.

***

Na aula de pintura, o já tradicional doido com mania de fujão pegou o pincel e pintou uma porta na parede. Depois, disse ao médico:
— Eh, eh! Olha só o que eu vou fazer!
E gritou:
— Ei, galera, vamos fugir! Tem uma porta aqui!
Os doidos iam correndo, trombavam na parede e se esborrachavam no chão. O médico estranhou a brincadeira, e perguntou:
— Por que eles estão fazendo isso?
— Doutor, olha como esses caras são burros. Não sabem que a chave está comigo.

(Autores desconhecidos)

Movimento-tempo-destino? – por Carlos e Magali

Quais as equações da Física que combinam movimento-tempo-destino? Algo implacável que as leis do movimento não contemplam? Será que a jovem cratense cuja vida foi prematuramente ceifada ao meio-dia de ontem teria de estar na posição de choque com um caminhão naquele exato instante, caso se atrasasse ou se adiantasse alguns segundos? De nada valem tais conjecturas quando uma vida preciosa se esvaiu. Não acreditamos em destino, coisas que alguns dizem de que temos hora marcada para o encontro definitivo com Deus. Que chegando a hora, não podemos evitar a partida definitiva. Deus é o Senhor de tudo, sabemos, mas Ele não deseja a partida prematura de uma jovem cheia de sonhos e com um extraordinário potencial de realizações em benefício da humanidade. Ele quer que todos nós tenhamos uma vida longa e cheia de realizações. De modo algum Ele iria nos privar de um dos seus inúmeros instrumentos benéficos, como a vida de uma futura médica. Uma vez que Ele nos colocou no mundo, deixou-nos como administrador do nosso próprio destino, não lhe cabendo, pois, essa missão. Entretanto não podemos evitar a irresponsabilidade de muitos ou as armas que o homem constrói, entre elas o automóvel. Ninguém está livre de uma bala perdida ou de um irresponsável que atravessa uma carreta numa rua desatentamente, sem nenhuma preocupação com o outro. Por maior cuidado que tenhamos, sempre haverá um risco, por menor que seja. O de estar vivo é um deles. Quem poderá talvez livrar-se dos instintos daqueles que se sentem fortes e potentes ao volante de um caminhão? Daqueles, como que por milagre, sentem-se imortais ao conduzir pelas estradas máquinas potentes, sem nenhum respeito ou preocupação pela vida de seus semelhantes?
A morte de uma jovem nos dói profundamente. É uma perda que todo aquele que é pai ou mãe pode compreender a sua real dimensão. E que dizer, quando essa jovem é filha de um amigo, ex-colega dos bancos escolares e companheiros do Encontro de Casais com Cristo, como o foram Walter e Elsa? Assim sendo, nos colocamos na posição dos pais da jovem para prestar nossa solidariedade e desejar que eles encontrem na confiança em Deus o esteio de que necessitam neste momento de extrema dor. E a certeza de que eles têm junto de Deus, uma filha que pedirá a Ele que abençoe, dê paz e consolação aos seus pais terrenos.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo e Magali de Figueiredo Esmeraldo

Em um ano, 3 milhões de pessoas pediram troca de operadora de telefonia sem mudar número


Brasília - Números divulgados hoje (31) pela Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom), entidade administradora da portabilidade numérica no Brasil, revelam que após um ano de vigência - a se completar hoje (1º) - da norma que permite ao usuário trocar de operadora de telefonia e manter o mesmo número, quase 3 milhões de pedidos de migração já foram feitos e aproximadamente 2 milhões de clientes já foram atendidos e tiveram suas portabilidades efetivadas.

Implantada primeiramente em apenas oito DDDs (discagem direta a distância), a portabilidade foi estendida gradativamente e está disponibilizada desde março deste ano nos 67 DDDs existentes no País. De 1º de setembro de 2008 a 30 de agosto de 2009 os pedidos de portabilidade numérica somam 2,8 milhões, dos quais 65% ou 1,8 milhão de usuários do serviço móvel e 35% (964 mil pedidos) de clientes de telefone de fixo. Dos processos conclusos, 68% foram de portadores de telefones móveis e 32% de assinantes do serviço fixo.

Para trocar de operadora e manter o número do telefone, o usuário deve inicialmente fazer uma solicitação à operadora para a qual deseja migrar. A operadora remete a solicitação à entidade administradora, que irá, por sua vez, acionar a empresa de onde o usuário deseja emigrar. Este processo leva em média cinco dias úteis, mas a expectativa da ABR Telecom é de que o prazo cai para até três dias úteis, após março de 2010.

Fonte: Agência Brasil

Casos de tuberculose diminuem no Brasil, mas doença ainda contamina 70 mil por ano


Rio de Janeiro - O número de pessoas infectadas com tuberculose caiu 27,58% no Brasil entre os anos de 1999 e 2008. No período, o índice de contaminação diminuiu de 51,44 casos por 100 mil habitantes, em 1999, para 37,12, em 2008. Entre os motivos da melhora, está a redução do número de pobres, beneficiados pelos programas sociais do governo, e também pelo aumento do salário mínimo. A análise foi apresentada ontem (31) pelo médico do Ministério da Saúde, Draurio Barreira, durante a 8a Reunião de Gerentes da Parceria Global Stop TB, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no Rio de Janeiro. Apesar dos números favoráveis, o médico mostrou que o Brasil ainda registrou 70.379 casos de tuberculose no ano passado, contra 82.934 em 1999. O líder em incidência da doença é o Amazonas, com 68,93 tuberculosos para cada 100 mil habitantes, seguido pelo Rio de Janeiro, com 66,56, Pernambuco, 47,69 e o Ceará, 42,60. Na capital fluminense, o índice chega a 90 por 100 mil.

Draurio explicou que na cidade do Rio a doença está concentrada nas favelas, onde é grande a pobreza e o excesso de pessoas vivendo juntas no mesmo ambiente. “No Rio a desigualdade social é muito gritante, onde você tem comunidades extremamente carentes convivendo dentro de bairros de classe média alta, como é o caso de Pavão-Pavãozinho [Copacabana], Santa Marta [Botafogo] e Rocinha [São Conrado]”, afirmou. Segundo ele, a Favela da Rocinha chama a atenção pelos altíssimos índices de contaminação. Embora tenha registrado declínio nos últimos anos, caindo de 600 casos por 100 mil para 300 por 100 mil, o número ainda e muito elevado. “Só é achado em países africanos, como a África do Sul”, comparou.

Um agravante apontado pelo médico é a infecção de tuberculose em pacientes com aids, o que agrava os efeitos da doença. “A taxa de mortalidade no Brasil de pessoas com tuberculose é de 5%. Dos que tem a doença e aids, 20% morrem”. Um dos motivos que aumentam a mortalidade, segundo ele, é o abandono do tratamento por 8% dos pacientes.

“O tratamento tem que ser levado até o final dos seis meses. Porque as pessoas melhoram muito em pouco tempo e em duas semanas acham que estão curadas. Mas elas vão voltar com a doença e pior, resistente aos medicamentos”, afirmou.

Uma das novidades, que deve começar a ser implantada nos próximos meses, é o uso de um medicamento chamado de 4 em 1, que em uma única dose reúne quatro remédios usados contra a doença, o que deve ajudar na aderência dos pacientes ao tratamento. O medicamento vai começar a ser importado da Índia e, dentro de dois anos, passará a ser fabricado pela Fundação Oswaldo Cruz.

Os sintomas da tuberculose são tosse por mais de 15 dias, suor noturno, febre baixa, dor nos pulmões e catarro com sangue. Aos primeiros sinais, a pessoa deve consultar imediatamente um médico e iniciar o tratamento, que é de graça e dura seis meses, até a cura completa.

Vladimir Platonow Repórter da Agência Brasil

Produtores de Woody Allen vêm ao Brasil estudar possibilidade de filmagem

Os produtores Stephen Tenenbaum e Letty Aronson, membros da equipe de Woody Allen, chegam ao Brasil dia 3 de outubro para estudar a possibilidade de o cineasta rodar um longa-metragem no país. Tenenbaum vão passar dois dias em São Paulo e mais cinco no Rio, onde vão visitar possíveis locações e avaliar as condições de trabalho oferecidas. As informações são do publicitário Claudio Loureiro, da agência de publicidade Heads, que negocia a vinda do diretor ao Brasil para realizar uma produção nos moldes de "Vicky Cristina Barcelona", rodada na Espanha a partir do interesse daquele país de servir de cenário ao diretor. De acordo com Loureiro, as negociações do projeto estão avançadas, mas ainda não há nada certo. "Ainda não há confirmação de que o filme vai ocorrer, nem minha nem de ninguém, mas estamos trabalhando muito para que isso aconteça", disse o publicitário em entrevista Loureiro viajou a Nova York em maio conversar pessoalmente sobre o projeto com Woody Allen e foi a Londres em julho para acompanhar de perto as filmagens do novo longa do diretor. Ele afirma que tanto o cineasta quanto sua equipe demonstraram interesse em vir filmar no Brasil, mas tudo vai depender da avaliação que os produtores vão fazer durante a visita do próximo mês. Se a estrutura brasileira para as filmagens for aprovada pelos membros da equipe de Allen, o filme deve começar a ser rodado em 2011. O projeto ainda não tem título nem roteiro definido. Enquanto isso, a RioFilme já estuda formas de financiamento do longa-metragem e incluiu a produção em sua lista de projetos previstos até 2012. As produtoras Conspiração e o2 estariam disputando a coprodução do filme.

Fonte G1

História e Estórias do Crato - Alexandre Arraes - Por: Ivens Mourão

Alexandre Arraes, tio do Governador Miguel Arraes, foi Prefeito do Crato do final de 1937 a 1943, quando faleceu, ainda no cargo. Impulsionou muito o progresso da cidade. Guardadas as devidas proporções, representou para o Crato o que JK significou para o País. Poderia perfeitamente ter sido um prefeito acomodado. A cidade era um pacato aglomerado urbano, de menos de trinta mil habitantes, perdida no centro do Nordeste. Caso tivesse dado continuidade àquela calma, teria sido um prefeito como todos os demais: não ter feito nada de extraordinário. Mas não foi assim. Homem empreendedor, teve a brilhante idéia de gerar energia elétrica de origem hidráulica, aproveitando uma fonte d’água na encosta da serra e o grande desnível existente, para instalar uma turbina.

Casa de Força da Nascente, construída por Alexandre Arraes. Uma turbina inglesa transformava energia hidráulica em elétrica. Um banho na saída da água da turbina era uma atração. Prefeito Alexandre Arraes.

O Prefeito foi ao Rio de Janeiro, conseguiu os recursos, importou a turbina da Inglaterra e, no final de 1938, o Crato já tinha “luz de dia”. O Luís, por exemplo, ainda menino, não sabia para que é que servia “luz de dia”. No Ceará, apenas Fortaleza dispunha deste benefício. As turbinas da capital eram movidas a vapor, com combustível a lenha e bastante precárias. Alexandre Arraes, em uma outra iniciativa, comprou terras no Lameiro, contratou um agrônomo e iniciou a produção comercial de hortigranjeiro (hortaliças e frutas), tanto para ensinar a novos produtores como para o abastecimento da cidade. Iniciou a implantação de um horto florestal, para a produção de mudas. Foi o primeiro a introduzir a algaroba, melhorando a arborização da cidade.
Acima, a Coluna da Hora em duas épocas: 1938 e 2005. Abaixo Vicente Marques da Silva que moldou as 18 peças do Cristo Redentor. Ao lado a estátua da Samaritana, em foto recente.

Embelezou a urbe, com a construção de praças. A Praça Francisco Sá foi toda construída na sua administração. Contratou um artista italiano, Agostinho Balmes Odísio, que passou a morar na cidade, atraído pela fama do Padre Cícero. Foi ele o responsável pelo projeto da Coluna da Hora e pela belíssima escultura da Estátua do Cristo Redentor. Trata-se de uma escultura de seis metros de altura e nas mesmas proporções da estátua do Corcovado. Contou com a colaboração do imaginário cratense, Vicente Marques da Silva (1908 – 1994), responsável pela moldagem das 18 peças que constituem a estátua. Aliás, um outro membro da família, seu irmão, o Raimundo Marques da Silva é o autor da belíssima escultura da Samaritana, que também embeleza a praça. Faleceu de acidente automobilístico, no dia em que era inaugurada a sua escultura: 21 de junho de 1952. Quando da colocação da estátua no topo da coluna da hora, meu pai contou-me a seguinte estória:

No momento em que os operários estavam se preparando para elevar a estátua do Cristo Redentor, o Prefeito Alexandre Arraes chegou ao local e se deparou com uma das suas peças mais pesadas presa às cordas que a elevariam até o topo. Questionou os responsáveis pela operação, se as cordas suportariam o peso, no que foi prontamente respondido:

- ‘Não se preocupe, Prefeito. As cordas agüentam, sim senhor’.

O Prefeito, não satisfeito com toda aquela certeza, determinou que fosse feita uma experiência com pedras, do mesmo peso daquela parte da estátua. Contrariados, os operários fizeram a mudança e iniciaram o içamento. Até os 5 metros, tudo bem. Os operários, com que aquele ar de: “eu não disse!” Seguiram içando. Lá pelos 10 metros... TUUMMM!!! As cordas se romperam e... sai de baixo! As pedras vieram ao chão! Alexandre Arraes olhou para todos, como a perguntar ‘E se fosse a estátua do Cristo Redentor?’. Reforçaram-se as cordas, fizeram outro teste e o Cristo está até hoje, de braços abertos, dando as boas vindas a todos que chegam à cidade do Crato. Na própria coluna existe uma placa com os seguintes dizeres: “Sede bem-vindo, nesta terra há lugar para todas as pessoas de boa vontade.”

Alexandre Arraes colocou em funcionamento uma fonte luminosa. Na coluna da hora instalou um relógio com quatro faces que ainda funciona normalmente, passados mais de setenta anos. Supervisionava pessoalmente a implantação dos jardins nas praças. O Luís recorda-se de tê-lo visto tirando os sapatos e meias para entrar nos canteiros e ensinar os jardineiros a adubarem e plantarem corretamente. Propiciou o abastecimento de água na cidade, com a construção das caixas d’água que recebiam água pura diretamente de fontes naturais da Serra. A infra-estrutura de energia e água possibilitou avanços que “só no Crato” existiam. Assim, a cidade dispunha de: “luz de dia”, água encanada, colégio para homens, colégio para mulheres, seminário, bispo, curso noturno profissionalizante, escola agrícola, horto florestal, cinemas, amplificadoras, rádio, jornal, shows dos principais artistas de rádio do país, coluna da hora, trem diário, hotéis, maior feira livre, aeroporto, hospital, maternidade, posto de puericultura, médicos com diversas especialidades, laboratório de análises clínicas, radiografia, praças arborizadas e com canteiros floridos, fonte luminosa, clube de divertimento igual aos da capital, banhos públicos na Nascente, cabaré da Glorinha, orquestra, escola de música, Banco do Brasil (o único num raio de muitos quilômetros), sorveterias com sorvete, picolé e bebida gelada. Com todas essas novidades, que não existiam em outras cidades do interior do Nordeste, nasceu a expressão “Só no Crato...” Ou seja, “só no Crato” tinha isso ou aquilo!. O Luís lembra-se de pessoas que vinham do Iguatu, distante 150 km, para conhecer e experimentar o sorvete ou o picolé. Brincava, dizendo que o gelo queimava! O comércio atacadista de grãos era o mais importante de toda a região, bem como o de rapadura. O próprio comércio do Crato era forte. A Sorveteria do Luís, por exemplo, vendia mais cigarros do que o Juazeiro do Norte todo. Os estabelecimentos de ensino atendiam jovens de diversos estados nordestinos, iniciando-se uma tradição que ainda hoje perdura.


Esta fonte substituiu a que tinha sido implantada pelo Prefeito Alexandre Arraes.
Por causa desta fama, embora nos anos seguintes perdesse essa hegemonia, a frase ficou no subconsciente do povo. O Luís estava administrando uma construção em Aracaju, Sergipe, na década de oitenta, quando ouviu um peão, no meio da obra, falar bem alto:
- “Só no Crato!...”


A famosa feira do Crato, em seus dias de glória.

Praça Francisco Sá, também conhecida como “da Estação” ou “da Coluna”. Foto colhida em setembro de 1938 por ocasião do II Congresso Eucarístico. Vemos o belo prédio da estação.

Bela foto da Praça Francisco Sá colhida de dentro da Estação. As casas são todas as que compõem a minha memória de infância. Ao fundo, o Alto do Seminário, com destaque do grande prédio do educandário religioso e as pequenas casas que ficavam à borda do Alto.



O Seminário do Crato, ainda no século XIX, iniciou uma tradição que passou para a cidade: de ser um centro irradiador de cultura. Durante muitos anos, o Crato foi a única opção de estudo para todo o interior do Nordeste. Assim, as famílias enviavam seus filhos para o Seminário, pelas mais variadas razões: adquirir instrução; corrigir filhos rebeldes; ter um filho padre na família (com ou sem vocação); e atender a uma verdadeira vocação do filho.

Fonte: Livro "Só no Crato" de Ivens Mourão - Direitos de Publicação Concedidos pelo autor, ao BLOG DO CRATO - www.blogdocrato.com

Ex-advogado de Collor é encontrado morto em apartamento em Brasília

O ministro aposentado do Tribunal Superior Eleitoral José Guilherme Villela, de 73 anos, que advogou para o ex-presidente Fernando Collor durante o processo de impeachment, em 1992, foi encontrado morto na noite desta segunda-feira em seu apartamento em Brasília, informou o Jornal da Globo. Junto com ele, também estavam os corpos de sua mulher, Maria Carvalho Villela e o da empregada, identificada como Francisca. A polícia ainda não sabe a causa das mortes, mas os corpos têm sinais de violência, provavelmente facadas. A suspeita é de triplo homicídio. Os três não eram vistos desde sexta-feira. A OAB/DF divulgou nota lamentando a morte do advogado e pedindo rigor nas investigações.

José Guilherme Villela era graduado em Direito pela UFMG e advogado há 50 anos.

Fonte: UOL

Governo destina R$ 10 bilhões para plano habitacional em 2010

Com um volume inédito de recursos em subsídios para a população de baixa renda, o novo plano habitacional do governo Lula é a principal inovação do projeto de Orçamento da União para o ano eleitoral de 2010, informa a reportagem de Gustavo Patu para a Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal). Batizado de Minha Casa, Minha Vida, o programa terá, segundo dados parciais divulgados ontem, R$ 10 bilhões para despesas a fundo perdido, a maior parte destinada a famílias com renda até três salários mínimos. Pelas regras já definidas pelo governo, as famílias mais pobres pagarão prestações mensais que vão variar de R$ 50 a 10% de sua renda.

Em tese, os gastos deveriam começar com R$ 6 bilhões até dezembro, mas, a quase totalidade do dinheiro, que nem foi incluído ainda no Orçamento de 2009, ficará mesmo para o próximo ano. O projeto de Orçamento foi entregue ontem ao Congresso pelo ministro do Planejamento Paulo Bernardo. O detalhamento dos números, porém, só será feito nesta terça-feira. Bernardo disse não acreditar em uma eventual resistência da oposição ao novo programa. "Acho que vai haver um reconhecimento de todos de que é importante manter o subsídio do programa."

Fonte: UOL

CRATO - Amigos, a quem puder ajudar o Abrigo


Solicitação de apoio ao "ABRIGO JESUS , MARIA E JOSÉ" - na campanha de arrecadação de fraldas e cestas básicas, para o abrigo... 01 de out. dia do ANCiÃO - Doe, amor carinho... ABRIGO. RUA TEÓFILO SIQUEIRA, 788. TEL . 35211510.

Utilidade Pública Blog do Crato

Quantos deverão ainda morrer para que os ASSASSINATOS parem ?

Rossana Pinheiro: Morta pelo Descaso das Autoridades, ou Assassinos ?


O acidente que vitimou a jovem Rossana Pinheiro na manhã de ontem defronte ao Atacadão Carrefour no Cariri, não é o primeiro com vítimas. Faz parte de uma estatística que já conta com dezenas de outros que estão ocorrendo naquele local. O questionamento que faço aqui é:

Quantas pessoas deverão perder a vida ainda para que alguma providência seja tomada ? O fato é que todos esses acidentes têm uma coisa em comum. É quase sempre um caminhão ou veículo de grande porte, que vindo do lado de Juazeiro do Norte, resolve em cima da hora, fazer o retorno para o lado do Atacadão, ocasionando o choque de veículos leves na traseira, ou na lateral, por não conseguirem parar a tempo . Eu mesmo já fui vítima de um desses caminhões e só não me choquei com a lateral de um deles, porque sou motorista experiente, e consegui desviar a tempo, mas a maioria deles, não liga a seta, indicativa, nem avisa que vai virar à esquerda.

Por diversas vezes já passei por acaso no local, e presenciei acidentes. Ali está se tornando o ponto dos acidentes aqui no Cariri. A questão é até quando ? Eu reputo as autoridades, aqueles que deveriam tomar as devidas providências em relação à solução desse grave problema, como os maiores culpados e eu diria até CRIMINOSOS, pois pela falta de uma ação enérgica e eficaz, outras pessoas são mortas. Se por deixar de fornecer meios para que os cidadãos possam preservar suas vidas, entende-se por Homicídio, ou seja, "Morto pelas mãos de outra pessoa", poderíamos dizer que essas pessoas estão sendo mortas por homicídio culposo, por Negligência das autoridades, de quem deveria em tese, tomar providências. Provocado pelo descaso, pela omissão, e pela não valorização da vida humana, porquanto sabem que aquele é um local propício a haver acidentes, e já houveram muitos, e não tomaram, nem tomam nenhuma providência mínima que seja.

Há diversos meios, como sabemos, que poderiam diminuir os riscos de acidentes no local, tais como a colocação de redutores de velocidade, equipamento para multas ( fotografia ), e quem sabe até um semáfoto mesmo. Será que a vida humana vale menos que um mísero semáforo ?

Pois eis que deixo o questionamento no ar, para que a sociedade faça sua análise. Se desde que instalou-se o Atacadão Carrefour naquele local já houveram inúmeros acidentes, e nunca nenhuma autoridade tomou qualquer providência no sentido de sanar o problema, ocasionando tantos e tantos outros semana após semana, a culpa é de quem mesmo ?

Eu vos digo: A grande parcela de culpa, é dos órgãos reguladores, das autoridades, que relegam a vida humana ao último plano, omitindo-se de qualquer ação, agindo irresponsavelmente, deixando de dar o merecido valor que nós enquanto cidadãos necessitamos e merecemos de uma estrutura político/administrativa, que conseguisse fornecer o mínimo de segurança no trânsito. Reputo esse descaso de negligência, e essa falta de ação, a um verdadeiro estado de crimes que vêm sendo ostensivamente praticados em cima de todos nós, cidadãos do Cariri.

Até quando teremos que nos submeter aos caprichos de autoridades burras, negligentes e burocráticas? Até quando teremos de tolerar o sangue que jorra das pessoas mortas pelo descaso das pseudo-autoridades, altissimamente incompetentes para sanar o problema ?

Ontem, mais uma jovem foi morta, à flor da idade, 21 anos. Colhida em sua juventude. Que pese sobre a consciência dos que deveriam tomar as providências, o sangue dos justos, daqueles que privados da sua existência, não têm mais a quem recorrer. Mas se há justiça sob o firmamento, esses criminosos hão de pagar por sua nefasta negligência algum dia.

Dihelson Mendonça

Trio Araça, direto de São Paulo, fará show em Crato !

Formado em Brasília no dia 17 de novembro de 2004 hoje residindo em são paulo o Trio Araçá é fruto de um sonho de fazer com que o Forró Pé de Serra não perdesse sua pureza e originalidade. o Trio optou por manter as tradições nordestinas em sua formação com Maicon Fuzuê na SANFONA e vóz, Fuscão na ZABUMBA e Boka no TRIANGULO. O Trio tem como padrinho de batizo Dio de Araujo (Trio Xamego) e ja teve a honra de se apresentar em diversos estados como Brasilia DF, São Paulo SP, Rio De Janeiro RJ, Belo Horizonte MG, Vitoria ES, Salvador BA, e por ai vai.

Em 2005 o Trio foi vencedor do FENFIT ,importante festival que acontece todos os anos em Itaúnas ES. Alem de Maicon ter ganhado o premio de melhor Sanfoneiro do festival. Com o intuito de divulgar a cultura da musica nordestina o Trio Araçá traz em seu repertorio classicos cantados originalmente por , Marines, Luiz Gonzaga, Ari Lobo, Os 3 do Nordeste, Trio Nordestino, Jackson do Pandeiro dentre outros, alem das musicas proprias do Trio.

Aguardem que agora para 2009 o Trio estara lançando o seu mais novo cd que ja esta gravado com participações especiais de Dió de Araujo e Tiziu. O Crato vai ter a alegria de receber esse Trio tão maravilhoso nessa semana. As apresentações aconteceram no Alegreto Bar no dia 03/09, no Saloom Choperia (São Luiz) dia 04/09, e no sabado, dia 05/09, estaremos fazendo o Rapadura Cultural direto da Praça da Sé. O forro pé-de-serra vai invadir o Cariri. Conto com a presença de todos.



Texto enviado por e-mail para divulgação.

Fotos do Dia - O Último dia de Agosto - Para Rossana Barros Pinheiro

31 agosto crato dihelson 03



31 agosto crato dihelson 01



31 agosto crato dihelson 02


( Pôr-do-Sol do dia 31 de Agosto de 2009. Dedicadas à minha amiga Rossana. Que Deus em sua infinita bondade, a receba em seu reino, de braços abertos. )

Fotos: Dihelson Mendonça

CARIRI - Conselheiros de Saúde tomam posse


Juazeiro do Norte. Foram empossados, neste município, neste fim de semana, 980 conselheiros locais de saúde, em solenidade realizada no Ginásio Poliesportivo, presidida pelo prefeito, Manoel Santana. O trabalho será pioneiro no Cariri. Os conselheiros terão a função de acompanhar, avaliar e indicar prioridades para ações de saúde a serem executadas por cada unidade de saúde na respectiva área de abrangência, vinculados ao Conselho Municipal de Saúde e em sintonia com as normas da Política Municipal de Saúde e com o que é preconizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). As 58 equipes do Programa de Saúde da Família (PSF), por meio da Mobilização Social e do Núcleo Gestor da Secretaria de Saúde, realizaram uma eleição em que as comunidades democraticamente elegeram os representantes. Cada Conselho Local de Saúde tem 16 integrantes. Juazeiro do Norte foi o primeiro município caririense a implantar os conselhos locais de saúde.

O prefeito agradeceu cada conselheiro lembrando a função junto à rede pública de saúde. "Os conselheiros locais de saúde é que dirão se os serviços estão funcionando bem e convido vocês a participar efetivamente das nossas ações de governo". Para ele, a construção de uma saúde pública tem três pilastras. "Faremos a saúde pública ideal com mais recursos do Governo Federal e estamos reivindicando isso, aumentando a arrecadação própria, estamos fazendo a lição de casa, e com o povo organizado, participando da gestão e da fiscalização do serviço de saúde", afirmou. Na posse, o prefeito voltou a conclamar os conselheiros para a importância da missão que estavam assumindo. "Quero pedir a exata consciência da responsabilidade de assumir a fiscalização dos serviços públicos em suas comunidades, na defesa intransigente do SUS para garantir a universalização do atendimento e sua legalidade".

O presidente do Conselho Estadual de Saúde (Cesau), Alcy Pinheiro, disse que esse momento é a forma de dar maior clareza e transparência às ações de saúde, dentro de um processo de sentimento democrático. Para Cícero Bezerra, conselheiro Local de Saúde, do bairro Salesianos, "com essa participação, já que teremos acesso às normas e diretrizes, vamos fazer a relação entre o que a comunidade tem e o que precisa", disse.

EMPOSSADOS

980 conselheiros locais de saúde tomaram posse, neste fim de semana, em Juazeiro do Norte. A solenidade aconteceu no Ginásio Poliesportivo

Mais informações
Secretaria de Saúde de Juazeiro
Rua José Marrocos, s/n
Bairro Santa Teresa
(88) 3512.3396

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaboradora do Jornal Chapada do Araripe

Previsão do Tempo e Almanaque - 01 de Setembro de 2009

Bom Dia para todos os leitores do Blog do Crato. Hoje, infelizmente, temos uma notícia muito triste. A cidade está de luto pela morte de Rossana Pinheiro, filha do conhecido comerciante Valter Pinheiro Leite, que mantém a locadora Vídeo Shopp, dentre outras atividades. Em trágico acidente, em que se chocou um Fiat que a conduzia, além de mais 2 pessoas, com um caminhão baú, no retorno defronte ao "Atacadão", já no município de Juazeiro do Norte. O corpo está sendo velado em sua residência no Bairro Grangeiro, e o enterro será hoje, às 10 da manhã no cemitério municipal. Rossana tinha apenas 21 anos de idade, e certamente, deixará muitas saudades, possuindo inúmeros amigos.

Previsão do Tempo
Terça-Feira, dia 01 de Setembro.

Hoje, o Climatempo prevê dia de sol com algumas núvens. Não chove, como se pode ver pelo gráfico abaixo:


ALMANAQUE

No dia 1 de setembro, a Igreja Católica comemora o Dia de Santo Egídio

São poucos os dados que existem sobre a vida de Egídio. Mas com certeza sabemos que ele era grego e pertencia a uma rica família da nobreza de Atenas. Depois da morte de seus pais, decidiu ser um ermitão, para viver na pobreza e totalmente dedicado a Deus. Para isso distribuiu todos os bens que herdou entre os pobres e doentes e viveu isolado na oração e penitência, sendo agraciado pelo Espírito Santo com os dons especiais da cura, da sabedoria e dos milagres. Um dos primeiros milagres a ele atribuídos diz que, certo dia, encontrou na porta de uma igreja um mendigo muito doente e esfarrapado. Penalizado com a situação do pobre, Egídio cobriu-o com seu velho manto e, naquele instante, um prodígio aconteceu: o homem, que até então agonizava, levantou-se completamente curado. Depois essas curas se repetiram e foram se multiplicando de tal forma que ele ganhou fama de santidade. Mas os devotos passaram a procurá-lo com freqüência, então Egídio decidiu partir. Em 683, viajou para a França. Conta a tradição que ele salvou o navio repleto de passageiros, no qual viajava também. Uma enorme tempestade teria desabado sobre a embarcação. Todos já tinham perdido as esperanças quando Egídio, em prece, ergueu as mãos aos céus. As ondas ameaçadoras acalmaram-se na mesma hora e todos desembarcaram com segurança. Na França, viveu numa caverna de uma floresta próxima de Nimes, cuja entrada era escondida por um arbusto espinhoso. Na mais completa pobreza, alimentava-se apenas de ervas, de raízes e do leite de uma corsa, que, segundo a tradição, foi-lhe enviada por Deus.

Certa vez, o rei Vamba, dos visigodos, foi caçar nas proximidades da caverna de Egídio e, em vez de flechar uma corsa que se escondera atrás de um arbusto, flechou a mão do pobre ermitão, que tentava proteger o animal acuado. Foi descoberta, assim, a residência do eremita. O rei, para desculpar-se, passou a visitá-lo com seus médicos até sua cura completa. Depois disso, o rei continuou a visitá-lo com freqüência, presenciando vários prodígios que divulgava na Corte. Assim, a fama de santidade de Egídio ganhou vulto e ele passou a ter vários discípulos. O rei, então, mandou construir um mosteiro e uma igreja, que doou para ele, que foi eleito abade. O mosteiro passou a ter uma disciplina própria escrita por Egídio. Mais tarde, ao seu redor surgiu o povoado que deu origem à cidade de Santo Egídio e o mosteiro foi entregue aos beneditinos. A morte de Egídio ocorreu, provavelmente, no dia 1º de setembro de 720. Logo após, os devotos fizeram da sua sepultura um ponto obrigatório de peregrinação. O seu culto tornou-se vigoroso e estendeu-se por todo o mundo cristão. Santo Egídio teve sua festa confirmada pela Igreja, que o colocou na lista dos quatorze "santos auxiliadores" do povo, sendo invocado contra a convulsão da febre, contra o medo e contra a loucura.

Eventos históricos

* 827 - É eleito o Papa Valentino.
* 1804 - Descoberto o asteróide 3, 3 Juno, por Karl Harding
* 1902 - Viagem à Lua, de Georges Méliès e considerado o primeiro filme de ficção-científica, é lançado na França.
* 1910 - São fundados o Sport Club Corinthians Paulista e o Esporte Clube Noroeste
* 1923 - É fundado o Avaí Futebol Clube, de Florianópolis, Santa Catarina
* 1939 - A Alemanha invade a Polónia, despoletando a Segunda Guerra Mundial
* 1961 - Iugoslávia: representantes de 25 nações se reúnem em Belgrado para a primeira Conferência de Países Não-Alinhados
* 1969 - Um golpe de Estado na Líbia instala o coronel Muammar al-Gaddafi no poder
* 1969 - Vai ao ar pela Rede Globo de Televisão, a primeira edição do Jornal Nacional. Apresentado por Cid Moreira e Hilton Gomes
* 1972 - Bobby Fischer vence campeonato mundial de xadrez
* 1983 - Caças soviéticos derrubam avião civil sul-coreano que invadiu seu espaço aéreo (Vôo KAL 007)
* 1985 - São encontrados, pela primeira vez, restos do Titanic, o barco mais luxuoso da época, por uma expedição americana e francesa
* 1991 - Independência do Uzbequistão
* 2004 - Terroristas tchetchenos sequestram centenas de pessoas na Ossétia do Norte dando início ao Massacre de Beslan.
* 2006 - Em Portugal, é publicado o último número do Jornal O Independente.

Nascimentos:

* 1566 - Edward Alleyn, ator inglês (m.1626)
* 1653 - Johann Pachelbel, compositor alemão (m.1706)
* 1848 - Auguste-Henri Forel, etimologista suíço (m.1931)
* 1854 - Engelbert Humperdinck, compositor alemão (m.1921)
* 1875 - Edgar Rice Burroughs, escritor estadunidense, conhecido como o "pai do Tarzan" (m.1950)
* 1877 - Francis William Aston, químico britânico (m.1945)
* 1886 - Tarsila do Amaral, pintora brasileira (m.1973)
* 1887 - Blaise Cendrars, escritor suíço (m.1961)
* 1907 - Nathan Juran, cineasta estadunidense nascido na Áustria-Hungria (m. 2002)
* 1904 - Johnny Mack Brown, ator estadunidense (d. 1974)
* 1920 - Richard Farnsworth, ator estadunidense (m. 2000)
* 1922
o Vittorio Gassman, ator italiano (m. 2000)
o Yvonne De Carlo, atriz canadense (d. 2007)
* 1923 - Rocky Marciano, pugilista norte-americano, um dos maiores de todos os tempos (m. 1969).
* 1925 - Art Pepper, músico norte-americano (d. 1982)
* 1926
o Frank Morris, criminoso norte-americano.
o Gene Colan, escritor norte-americano.
* 1930 - Michel Serres, filósofo francês.
* 1935 - Seiji Ozawa, ex-automobilista japonês.
* 1937 - Allen Jones, escultor britânico.
* 1938 - Per Kirkeby, artista dinamarquês.
* 1939 - Lily Tomlin, atriz estadunidense.
* 1942
o António Lobo Antunes, médico e escritor português.
o C. J. Cherryh, escritor norte-americano.
* 1945 - Mustafa Balel, escritor turco.
* 1946
o Barry Gibb, integrante do grupo Bee Gees.
o Roh Moo-hyun, ex-presidente da Coreia do Sul (m. 2009).
* 1948 - Jacson Damasceno Rodrigues, bispo brasileiro (m.1998).
* 1951 - Nicu Ceauşescu, político romeno (m. 1996).
* 1954 - Filip Vujanović, presidente de Montenegro.
* 1957 - Gloria Estefan, cantora cubana.
* 1961 - Bam Bam Bigelow, wrestler norte-americano (m. 2007).
* 1962
o Ruud Gullit, ex-futebolista e treinador holandês de futebol.
o Tony Cascarino, ex-futebolista irlandês.
* 1965 - André Kana-Biyik, ex-futebolista camaronês.
* 1968
o Mohamed Atta, terrorista egípcio (m. 2001).
o Franck Lagorce, piloto francês de corridas.
* 1969 - Henning Berg, ex-futebolista norueguês.
* 1970 - Padma Lakshmi, atriz indiana.
* 1971
o Hakan Şükür, ex-futebolista turco.
o Ricardo Antonio Chavira, ator norte-americano.
* 1974 - Jhonen Vasquez, escritora norte-americana.
* 1976
o Jada Fire, atriz norte-americana.
o Takashi Fukunishi, futebolista japonês.
o Marc Nygaard, futebolista dinamarquês.
o Marcos Ambrose, piloto australiano de corridas.
o Sebastián Rozental, futebolista chileno.
* 1977
o David Albelda, futebolista espanhol.
o Raffaele Giammaria, piloto italiano de corridas.
* 1978 - Massimiliano Vieri, futebolista italiano.
* 1979 - Luciano Amaral, ator e apresentador brasileiro.
* 1980
o Sammy Adjei, goleiro ganês.
o Chris Riggott, futebolista inglês.
o Thiago Rodrigues, ator brasileiro.
* 1982 - Walter Brito Neto, político brasileiro.
* 1983
o José Antonio Reyes, futebolista espanhol.
o Catilina Aubameyang, futebolista gabonês.
o Paul Verhaegh, futebolista holandês.
o Marcelo Carrusca, futebolista argentino.
* 1984 - Joseph Trohman, guitarrista da banda Fall Out Boy.
* 1985 - Max Fercondini, ator brasileiro.
* 1986 - Gaël Monfils, tenista francês.
* 1989
o Bill Kaulitz e Tom Kaulitz, membros da banda alemã Tokio Hotel.
o Juliana Lohmann, atriz e modelo brasileira.
o Daniel Sturridge, futebolista inglês.
o Jefferson Montero, futebolista equatoriano.
* 1990 - Shona Morgan, ginasta australiana.
* 1993 - Ilona Mitrecey, cantora francesa.

Falecimentos:

* 1557 - Jacques Cartier, explorador francês (n. 1491).
* 1198 - Dulce Berenguer de Barcelona, Rainha de Portugal, esposa de D. Sancho I, segundo rei de Portugal (n. 1160).
* 1648 - Marin Mersenne, matemático francês (n. 1588).
* 1715 - O Rei Luís XIV de França, após 72 anos de reinado (n. 1638).
* 1963 - Ernst Wetter, foi Presidente da Confederação suíça em 1941 (n. 1877).
* 1970 - François Mauriac, escritor francês (n. 1885).
* 1981 - Albert Speer, arquiteto e escritor alemão (n. 1905).
* 1985 - Stefan Bellof, piloto de corridas alemão (n. 1957).
* 2004 - Enéas Eugênio Pereira Faria, político brasileiro.

Feriados e eventos cíclicos:

* Dia da Bailarina
* Dia do Caixeiro Viajante
* Dia do Corinthians (criado pelo governador José Serra-PSDB/SP)
* Dia do Início da Semana da Pátria (Brasil)
* Dia do Profissional de Educação Física
* Aniversário de fundação da cidade de Formoso do Araguaia - TO
* Aniversário de fundação da cidade de Mogi das Cruzes - SP


HOJE NA HISTÓRIA

Em 1939, a Alemanha invade a Polônia, inciando a Segunda Guerra Mundial

Em 1º de setembro de 1939, as Forças Armadas alemãs deram início a invasão da Polônia, também conhecida como Operação Fall Weiss marcando o início da Segunda Guerra Mundial. A invasão culminaria na dominação completa do país em 6 de outubro do mesmo ano. A operação foi iniciada em resposta a um suposto ataque polones a uma estação de rádio, o que depois foi comprovado como um ardil dos nazistas para justificar a invasão. Durante a operação, em 17 de setembro, a União Soviética, seguindo uma cláusula secreta do Pacto Molotov-Ribbentrop, também declarou guerra a Polônia e deu início a invasão da parte leste do país. Em 3 de setembro, em resposta as hostilidades, França e Reino Unido, seguidos por Canadá, Nova Zelândia e Austrália, entre outros, declararam guerra contra a Alemanha nazista.

Forças

A Wehrmacht envolveu suas melhores unidades, engajando 37 divisões de infantaria, uma de montanha, quatro de infantaria motorizada, quatro divisões blindadas leves, seis Panzer, uma brigada de cavalaria e uma variadade de unidades paramilitares. Para a invasão, o Grupo de Exércitos Norte tinha um efetivo 630 mil soldados, enquanto o Grupo de Exércitos Sul tinha 886 mil soldados. Ao todo, as forças alemãs tinham 559 batalhões de infantaria contra 376 da Polônia. Em artilharia, a Wehrmacht tinha 5805 peças contra 2065 polonesas (sem contar a grande diferença de idade e qualidade). Do lado polonês, haviam aproximadamente 39 divisões mais 16 brigadas, totalizando, aproximadamente, 950 mil soldados. Do lado soviético, a despeito das esparsas fontes, estima-se um total de 800 mil soldados engajados. Em tanques, eram 2511 Panzer contra 615 tanques poloneses, sem contar, novamente, a qualidade e a metodologia de combate. Dentre esses veículos, os alemães tinham 215 befehlspanzer (veículos de comando, sem torre, equipados com potentes rádios para coordenar as unidades).

Em 1939, uma divisão padrão de infantaria da Wehrmacht tinha:

* 5375 cavalos
* 938 veículos motorizados
* 530 motos

Já uma divisão de infantaria polonesa tinha:

* 6937 cavalos
* 76 veículos

Antecedentes

Antes do conflito alemão com a Polônia, em 1939, o chanceler alemão Adolf Hitler já havia feito algumas manobras políticas para aumentar o território alemão:

Renânia

Em 1936, Hitler ocupou, com forças militares, a zona desmilitarizada da Renânia, que pertencia à França, anexando-a ao território alemão.

Áustria

Em 1934, com ajuda da SA e do Partido Nazi Austríaco, Hitler depôs (assassinou) o então chanceler austríaco Engelbert Dollfuss, numa tentativa fracassada de pôr um regime nazista na Áustria. O chanceler passou a ser Kurt Schuschnigg, da Frente Nacional, do mesmo partido de Dollfuss, até 1938, quando Hitler pressionou o presidente Wilhelm Miklas para nomear um chanceler nazista, Arthur Seyß-Inquart, enquanto traçava planos de invasão à Áustria (Operação Case Otto), cujo objetivo era anexar a Áustria ao Reich Alemanha Nazi.

Acordo de Munique

Em 1938, os líderes das grandes nações da Europa no ínicio do século XX se reuniram na cidade de Munique, na Alemanha para discutir o futuro da Tchecoslováquia em relação às agressões nazistas na região dos Sudetos. O alemão Adolf Hitler, o italiano Benito Mussolini, o inglês Neville Chamberlaim e o francês Edouard Daladier assinaram o Acordo de Munique, pelo qual cederam, sem a presença de representantes da Tchecoslováquia, a cessão do território dos Sudetos à Alemanha. Chamberlaim e Daladier chegaram como heróis em seu país. Mas, em 10 de Março de 1939, Hitler ordenou que suas tropas ocupassem o restante da Tchecoslováquia, incluindo Praga.

Início das hostilidades

As operações começaram aproximadamente ás 4h45min do dia 1º, com o encouraçado alemão Schleswig-Holstein abrindo fogo contra as guarnições polonesas da Westerplatte, penísula localizada em Danzig, hoje Gdansk. Horas depois, o Grupo de Exércitos Norte e Sul iniciaram a invasão por terra. Empregando a tática da Guerra Relâmpago com tropas blindadas e mecanizadas, juntamente com inovadoras técnicas de combate e equipamentos modernos, os alemães rapidamente quebraram as linhas defensivas dos poloneses, alcançando o Vístula já em 3 de setembro, e iniciando o cerco à Varsóvia no dia 10. Ao sul, com o Grupo de Exércitos Sul, comandado por Gerd von Rundstedt, no dia 3, as tropas de Reichnau já se encontravam na retaguarda de Cracóvia, e cinco dias depois, tendo percorrido 140 milhas em uma semana, se encontravam a 10km de Varsóvia. A essa altura, todos os planos de defesa poloneses haviam falhado, basicamente pela mobilização das tropas alemães e pela incapacidade do exércitos polones em recuar estratégicamente, muito por causa do nível de obsolência do seu exército e da mentalidade de seus comandantas, notamente o Chefe das Forças Armadas, General Rydz-Smigly. Os poloneses tinham duas alternativas de defesa; a primeira era espalhar as forças pela fronteira e recuar aos poucos até o Vístula, e ali estabelecer a ultima linha defensiva. A segunda era já estabelecer a linha no rio Vístula, sem recuos estratégicos. O General Rydz-Smigly, querendo dar proteção à totalidade do território nacional, optou pela primeira opção e estendeu, ao longo das fronteiras, 7 divisões, denominadas exércitos. Essas forças foram rapidamente cercadas, e à despeito do contra-ataque do rio Bzura, nenhuma delas esboçou reação expressiva ou comprometeu de alguma forma a invasão como um todo.

Resultado

Ainda que algum plano defensivo lograsse sucesso, ele falharia em se proteger da inesperada invasão russa pelo leste. No cômputo geral, a invasão foi um teste e uma importante lição para os alemães, que ali testaram suas forças, assimilaram os resultados e corrigiram os erros. Entre outubro de 1939 e maio de 1940, as Forças Armadas Alemãs passaram por uma reformulação completa, que tornaria ainda mais eficiente a Blitzkrieg. Aos poloneses, restou resistir nos cercos nas cidades, até a capitulação. O governo Polônes, juntamente com a sua Marinha, se exilou na Inglaterra. Muitas tropas fugiram para a Lituânia e França e a maioria foi para a então neutra Romênia.

Fontes: Climatempo, Edições Paulinas, Wikipedia, 10emtudo, Globo, Estadão.

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30