xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 08/08/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

08 agosto 2009

Padre que assinou o Estatuto da Criança é acusado de Pedofilia

Por solicitação do MP (Ministério Público) da Bahia, a Dercca (Delegacia de Repressão a Crimes contra Crianças e Adolescentes), de Salvador, está investigando as acusações de que o padre Clodoveo Piazza (foto) teria cometido abuso sexual ao longo de mais de 20 anos.
O padre sempre esteve em cargos ou em atividades de proteção à criança. Ele foi um dos signatários do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), instituído em junho de 1990, e ocupou a Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza da Bahia, no governo anterior.
As acusações são de pelo menos doze pessoas na faixa de 20 a 35 anos que teriam sido abusadas na época em que eram crianças, a partir dos seis anos, no internato OAF (Organização do Auxílio Fraterno), entidade católica então presidida por Piazza.

A informação é do A Tarde, que teve acesso ao documento com o qual o MP pede a investigação da polícia. O jornal apurou que as denúncias foram apresentadas formalmente em novembro do ano passado. Marcos Paiva Silva, que foi diretor da OAF, também é citado como abusador. O jornal entrevistou três dos acusadores. Eles confirmaram os casos de abusos que relataram ao Ministério Público. Até agora nenhum dos dois acusados se manifestou. A atual diretoria da OAF informou que Piazza e Silva não têm mais nenhuma ligação com a entidade. Um assessor da organização falou que, se houver culpados, que seja feita justiça.

Fonte:
Paulo Roberto Lopes
São Paulo, SP, Brazil - jornalista

Paulo Lopes Weblog: http://e-paulopes.blogspot.com/

https://fairshare.attributor.com/fairshare//sourcedetails?id=UlCCim3gaEa3EYU6bwr8gzL34/7hvRuP

MATEMATICANDO.COM Dr Valdetário.

A Moeda Antiga.

No final do século passado um colecionador de antiguidades, em suas andanças por um antigo mercado persa, foi abordado por um senhor que dizia possuir uma verdadeira preciosidade. Cercando-se de muito mistério, convidou o colecionador a conhecer uma moeda muito antiga que trazia escondida a sete chaves. A moeda apresentava as seguintes características: o material era a prata, de formato circular e com os seguintes dizeres: “Império Romano – César Augusto – Ano 25 a.C”. O colecionar que era uma pessoa muito experiente, observou bem a moeda e a devolveu ao seu dono, dizendo: Sua moeda não tem valor algum. Ela é FALSA.

Pergunta-se: como o colecionar chegou tão rápido a esta conclusão?

A arte como transformação. - por : Braz Uzuelle

"A beleza (arte) salvará o mundo." Dostoievski

Qualquer artista sério (honesto) sabe que toda criação autêntica e de algum valor como forma arquetípica é resultado de constantes transformações, transmutações, o que nos remete à chave alquimia: "do espesso ao sutil, da matéria ao espírito".

A arte não foge a esta regra, ao contrário confirma-a, e é um dos caminhos para se chegar à Síntese Filosófica (pelo menos no que lhe diz respeito) tão desejada e buscada.

E como é um processo de depuração, e só a prática constante e obsessiva leva a algum resultado. Não resulta de reflexão ou raciocínio cartesiano. É um fluir harmônico, e perfeito movimento dionisíaco de nosso universo interior.

É um dos mais surpreendentes instrumentos de autodescoberta de que dispomos. Quem é artista criador sabe do quanto é assustador um lápis e um papel branco e virgem à nossa frente. Todas as possibilidades se abrem, todos os caminhos abertos, e a liberdade assusta.

A arte revela-nos, nos põe frente a frente com o enigma.

Porque ela é transformadora?

Porque aos atrevidos que se dispõem a decifrá-la verão surgir diante de si medo, pavor, supostos domínios, avanços, retrocessos, e, por fim, uma descoberta jamais sonhada de que também podem, e que arte não é só para uma classe privilegiada de indivíduos sensíveis e predestinados, e que mais do que fonte de prazer estético para outros (fruidores) também o é, e principalmente para quem a pratica.

É uma fonte contínua de auto-revelação e autotransformação.

De início traços tímidos, inseguros, ou então raivosos excessivamente fortes e desconexos, e, aos poucos ("Em paciência possuireis vossas almas") como as nuvens se dissipando, o prazer, e o divino sentimento de criador se manifestando em nós, e a descoberta da autoexpressão distinta e única. A beleza buscada aqui não é a perfeição técnica nem a subordinação à forma tridimensional.

Ao contrário, descobriremos a espontaneidade e beleza num simples traço ou mancha, a exemplo dos artistas orientais que buscam a harmonia num único gesto e sintetizam todo o universo nesse gesto.

Ninguém é igual, somos todos donos de peculiaridades, e particularidades únicas, e a arte revela nossas potencialidades.

Convido aos interessados a fazerem uma experiência: Tenha um lápis ou caneta à mão e algumas folhas de sulfite brancas e escolha qualquer objeto que será usado como modelo. Em seguida, desenhe o modelo à frente olhando exclusivamente para o objeto, sem olhar em nenhum momento para o papel, até que julgue pronto o trabalho. Os centros instintivo e motriz, livres dos grilhões da autocensura e com inteligências próprias procurarão caminhos para se autoexpressarem.

Daí então a surpresa, de através da prática ver surgir em nós a capacidade de interagir com o movimento harmonioso do universo (o nosso microcosmo), e cada vez mais profundamente chegar a algum símbolo mais significativo.

BRAZ UZUELLE

Artista plástico e buscador

fonte : Gnosisonline.

postado por: Alessandra Bandeira

"Os jornais e os operários" - Antonio Gramsci

Texto de Antonio Gramsci - 1916.

"É a época da publicidade para as assinaturas. Os diretores e os administradores dos jornais burgueses arrumam as suas vitrines, passam uma mão de tinta pela tabuleta e chamam a atenção do passante (isto é, do leitor) para a sua mercadoria. A mercadoria é aquela folha de quatro ou seis páginas que todas as manhãs ou todas as tardes vai injetar no espírito do leitor os modos de sentir e de julgar os fatos da atualidade política que mais convém aos produtores e vendedores de papel impresso. Estamos dispostos a discorrer, com os operários especialmente, sobre a importância e a gravidade daquele ato aparentemente tão inocente que consiste em escolher o jornal que se pretende assinar? É uma escolha cheia de insídias e de perigos que deveria ser feita com consciência, com critério e depois de amadurecida reflexão. Antes de mais, o operário deve negar decididamente qualquer solidariedade com o jornal burguês. Deveria recorda-se sempre, sempre, sempre, que o jornal burguês (qualquer que seja sua cor) é um instrumento de luta movido por idéias e interesses que estão em contraste com os seus. Tudo o que se publica é constantemente influenciado por uma idéia: servir a classe dominante, o que se traduz sem dúvida num fato: combater a classe trabalhadora. E, de fato, da primeira à última linha, o jornal burguês sente e revela esta preocupação. Mas o pior reside nisto: em vez de pedir dinheiro à classe burguesa para o subvencionar a obra de defesa exposta em seu favor, o jornal burguês consegue fazer-se pagar pela própria classe trabalhadora que ele combate sempre. E a classe trabalhadora paga, pontualmente, generosamente. Centenas de milhares de operários contribuem regularmente todos os dias com seu dinheiro para o jornal burguês, aumentando a sua potência. Porquê? Se perguntarem ao primeiro operário que encontrarem no elétrico ou na rua, com a folha burguesa desdobrada à sua frente, ouvirão esta resposta: É porque tenho necessidade de saber o que há de novo. E não lhe passa sequer pela cabeça que as notícias e os ingredientes com as quais são cozinhadas podem ser expostos com uma arte que dirija o seu pensamento e influa no seu espírito em determinado sentido. E, no entanto, ele sabe que tal jornal é conservador, que outro é interesseiro, que o terceiro, o quarto e quinto estão ligados a grupos políticos que têm interesses diametralmente opostos aos seus. Todos os dias, pois, sucede a este mesmo operário a possibilidade de poder constatar pessoalmente que os jornais burgueses apresentam os fatos, mesmo os mais simples, de modo a favorecer a classe burguesa e a política burguesa com prejuízo da política e da classe operária. Rebenta uma greve? Para o jornal burguês os operários nunca têm razão. Há manifestação? Os manifestantes, apenas porque são operários, são sempre tumultuosos, facciosos, malfeitores.

O governo aprova uma lei? É sempre boa, útil e justa, mesmo se não é verdade. Desenvolve-se uma campanha eleitoral, política ou administrativa? Os candidatos e os programas melhores são sempre os dos partidos burgueses. E não falemos daqueles casos em que o jornal burguês ou cala, ou deturpa, ou falsifica para enganar, iludir e manter na ignorância o público trabalhador. Apesar disto, a aquiescência culposa do operário em relação ao jornal burguês é sem limites. É preciso reagir contra ela e despertar o operário para a exata avaliação da realidade. É preciso dizer e repetir que a moeda atirada distraidamente para a mão do ardina é um projétil oferecido ao jornal burguês que o lançará depois, no momento oportuno, contra a massa operária. Se os operários se persuadirem desta elementaríssima verdade, aprenderiam a boicotar a imprensa burguesa, em bloco e com a mesma disciplina com que a burguesia boicota os jornais dos operários, isto é, a imprensa socialista.

Não contribuam com o dinheiro para a imprensa burguesa que vos é adversária: eis qual deve ser o nosso grito de guerra neste momento, caracterizado pela campanha de assinaturas, feitas por todos os jornais burgueses. Boicotem, boicotem, boicotem!"

Transcrição de: Alexandre Linares para o Marxists Internet Archive.
Direitos de Reprodução: Marxists Internet Archive (marxists.org), 2005. A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License

Postado por Darlan de O. Reis Junior
Professor do Departamento de História - URCA.

O pelicano - Por: João Marni


Deus segurou o sol enquanto soprava esta esfera nossa, árida e errante, a multicoloriu com o verde das matas, o azul dos mares e dos céus, o branco das nuvens, o marrom do barro, o amarelo, o vermelho e o cinza das rochas. Segurou a lua, fazendo as ondas, as praias e os sonhos dos poetas. Criou as placas tectônicas para que a terra aflorasse em montanhas e cordilheiras, nascedouros de rios caudalosos após chorar a neve. Desenvolveu um núcleo quente feito o coração da gente e que mantém a temperatura do sistema com vulcões e gêiseres.

Somos gêmeos: vegetais, minerais e animais e vagamos pelo espaço á mesma velocidade, sabe Deus para onde... Em meio a tamanha exuberância, surgimos nós, os homens, blasfemamente tidos como a imagem e semelhança divina.

Deus é o criador, mas nós somos os criadores de casos, os destruidores, raramente solidários, frequentemente pragmáticos e quase sempre falsos e interesseiros. Desenvolvemos a mentira para atrair a amada quando perdemos a cauda do pavão (ou nunca a tivemos!) Estamos cada vez mais desmembrados, como filhotes de cobra: rastejando logo para longe, sem nem mamar, antes que seja tarde demais, cada um por si, em fuga com sua cota de veneno, fazendo do abraço instrumento de sufocação e morte.

Se existe mesmo a possibilidade de novas vidas, peço encarecidamente ao criador delas que na próxima seja eu um pelicano, símbolo da caridade e da paixão de Cristo. Em tempos de escassez, antes que as lágrimas me devorem, bicarei meu peito em nacos grandes e suculentos e alimentarei meus amores.

Pois é, bem disse Lya Luft. “O contrário do amor não é o desamor. É a indiferença”. Bom é dormir em paz, sossegado por não dar as costas a quem precisa. Não devemos priorizar o que é prioridade para o homem, mas o que é relevante para Deus. Lembre-se, “todos podem dominar a tristeza, exceto quem a possui” ( Shakespeare)

ps.homenageio todos os pais,verdadeiros pelicanos.

Por: João Marni de Figueiredo

A Maior qualidade de um Escritor: Saber O QUE deve e o que não se deve postar

Puxão de Orelhas - Muda esse Disco...

( Em busca da Diversidade de assuntos nos Blogs )

O bom senso do escritor o leva a saber o que, quando, e se deve ou não deve postar algum artigo sobre determinado assunto nos Blogs. Muitas vezes, o assunto é bom, só não é a hora certa de postar. Uma das maiores dificuldades de se administrar um Blog coletivo é exatamente a quantidade de pessoas envolvidas. E a pior característica dos escritores é sem dúvida, a AVIDEZ em escrever sem LER. Muitos, só se preocupam em escrever, escrever, sem ler o que já foi postado no Blog.

Esse aqui é um puxão de orelhas mesmo a muitos escritores de Blogs que não param para ler o conteúdo que já foi postado durante o dia e não sabem dosar os assuntos. Tenho por mim, que tudo demais, é veneno, e não se pode construir um Blog só do mesmo assunto. Assim, quando eu vejo que no Blog tem muitas mensagens de política, eu trato logo de pesar para outros lados, trazendo algo diferente, diverso, buscando o equilíbrio, mesmo que o assunto em pauta seja a política, por exemplo. Se o leitor observar bem, a maioria das postagens é minha, no Blog do Crato. Verifiquem a diversidade de assuntos sobre o que escrevo. Agora, retirem as minhas postagens e vejam os Assuntos que seriam o Blog do Crato: Apenas política e brigas! Aqui e acolá algum Anjo resolve postar uma crônica útil, como Dr. josé Flávio Vieira, Armando Rafael, Emerson Monteiro, Carlos Eduardo Esmeraldo, e recentemente, abandonando mais a política, o José Nilton Mariano ( graças ao bom Deus ).

Então, quero pedir o equilíbrio. Nada demais sobre o mesmo assunto. Que cada um antes de postar algo no Blog, possa dar uma olhada de CIMA a BAIXO, ler, ler bastante, e só aí verificar se esse assunto já não foi exaustivamente abordado nas últimas 48 horas e mesmo, na semana.

Como sugestão, há esses outros assuntos aqui pra escrever sobre também:

- Ciência
- Arte e Cultura
- Reportagens
- Entrevistas
- História
- Comportamento
- Fotografia
- Humor
- Panorama Mundial - Atualidades

Qualquer um desses assuntos, quando não em demasia, é benéfico, é producente, constrói, edifica! Então, fica aqui a minha sugestão de pauta, que aconselho aos nossos membros. A diversidade, e a focalização no Crato, primeiramente, depois no estado, e a seguir, o resto do mundo é a nossa vocação e a nossa prioridade!

Dihelson Mendonça

Senadores do PT, em crise querem deixar Conselho de Ética - postado por José Sales

Deu na Folha de São Paulo
Senadores do PT querem deixar Conselho de Ética
De Andreza Matais e Fábio Zanini:

A divisão na bancada de senadores do PT, partido que deve ser o fiel da balança para o futuro de José Sarney (PMDB-AP), aprofundou-se. Os dois principais defensores do presidente do Senado no partido, Ideli Salvatti (SC) e Delcídio Amaral (MS), tiveram uma tensa reunião com o líder da bancada, Aloizio Mercadante (SP), e pediram para não serem os titulares no Conselho de Ética.
Segundo a Folha apurou, Ideli e Delcídio, suplentes, estão incomodados com o fato de as duas vagas titulares do partido não terem sido preenchidas. Com isso, serão obrigados a votar e assumir a posição pró-Sarney, sofrendo desgaste junto à opinião pública. Ideli é candidata ao governo catarinense, e Delcídio, à reeleição.

Na reunião com Mercadante, ambos o acusaram de fazer um "jogo duplo": defende o afastamento de Sarney mas mantém no conselho dois sarneyzistas e não se indispõe com o Planalto. Lula é um dos principais defensores de Sarney.Mercadante disse, por meio de sua assessoria, que vai debater o assunto com a bancada na semana que vem.

Para contornar o impasse, o PT discute liberar o voto dos senadores no conselho. A proposta foi levada a Mercadante anteontem pelo presidente do partido, Ricardo Berzoini. "[No Conselho de Ética] cada senador deve votar de acordo com o mérito da denúncia e de acordo com sua consciência", disse.

A ideia é conveniente para evitar um racha definitivo na bancada petista. Há uma série de precedentes. No escândalo do "mensalão", em 2005 e 2006, o partido evitou fechar questão quanto à cassação de parlamentares. Em seu estatuto, abre exceções para que parlamentares votem como quiserem em questões éticas.

A visão dos políticos

Lula é Aderaldo!
FHC Estiver Wonder não encherga muito bem!
Tasso é vesgo!
Nós somos os olhos?
Açude do São Domingo em Lavras da Mangabeira
Saudações Geográficas!
João Ludgero

A Mídia e o Poder no Brasil - Por: José Nilton Mariano Saraiva

"Nossa única atividade em empresas é relativa à atividade política: jornal, rádio e TV. Temos uma pequena televisão, uma das menores, talvez, da Rede Globo. E por motivos políticos. Se não fossemos políticos, não teríamos necessidade de ter meios de comunicação". (Senador José Sarney - Revista Carta Capital nº 369, de 23/11/05, página 40).

************************************
A atividade política, no Brasil, de um certo tempo a esta quadra, tornou-se um rentável e promissor “meio-de-vida”. Cada um dos Deputados Federais ou Senadores da República percebe, por mês, comprovadamente, remuneração superior a R$ 100 mil, por três dias de expediente semanal (não existe nenhum bom executivo que consiga tal privilégio). Se para a turma do “baixo clero” (menos influentes) tão exorbitante remuneração constitui-se autentica farra, para os que compõem a “nata” daquelas instituições isso é apenas um aperitivo, ante os benefícios indiretos, tráfico de influência e acesso a informações privilegiadas que obtêm. Um exemplo: segundo o EPCOM-Instituto de Estudos e Pesquisas em Comunicação-Sistema de Controle e Acompanhamento de Cotas (Ministério das Comunicações), em abril/2004, 30 (trinta) dos 81 Senadores da República (ou 37% deles), estavam ligados a veículos de comunicação (rádios AM, FM e TV), diretamente ou através de parentes, a saber, (em ordem alfabética):
01) Alberto Tavares Silva (PMDB/PI): FM (Parnaíba);
02) Antero Paes de Barros (PSDB/MT): AM (Cuiabá);
03) Antonio Carlos Magalhães (PFL/BA): AM (Ribeira do Pombal) e 03 (três) TVs (Feira de Santana, Salvador e Vitória da Conquista);
04) Antonio Carlos Valadares (PSB/SE): FM (Simão Dias);
05) César Borges (PFL/BA): FMs (Ipiau e Piritiba);
06) Edison Lobão (PFL/MA): AMs (Barra do Corda, Imperatriz, São Luis), TV (São Luis), FM (São Luis);
07) Eduardo Azeredo (PSDB/MG): FM (Santo Antonio do Monte);
08) Efraim Morais (PFL/PB): FM (Santa Luzia);
09) Flávio Arns (PT/SC): AMs (Criciúma, São José, Joinville), FMs (Araranguá e Criciúma);
10) Garibaldi Alves Filho (PFL/RN): AMs (Jardim do Seridó, João Câmara, Lajes, Mossoró, Santa Cruz, Natal), FM (Parnamirim) e 03 (três) TVs (todas em Natal);
11) Gerson Camata (PMDB/SC): AM (Colatina);
12) Hélio Costa (PMDB/MG): FM (Barbacena);
13) João Alberto de Souza (PMDB/MA): AM (Bacabal);
14) João Tenório (PSDB/AL): FM (Maceió) e 03 (três) TVs (todas em Maceió);
15) Jorge Bornhausen (PFL/SC): AM (Itajaí);
16) José Agripino Maia (PFL/RN): AMs (Caicó, Currais Novos, Mossoró, Nova Cruz), FM (Natal), TV (Natal);
17) José Maranhão (PMDB/PB): AM (Araruna);
18/19) José Sarney+Roseana Sarney (PMDB/MA): AMs ( Caxias, Imperatriz, Pinheiro), FMs (Imperatriz, São Luis, Timon), 03 (três) TVs (Codó, Imperatriz e São Luis);
20) Leonel Pavan (PSDB/SC): TV (Balneário Camboriu);
21) Mão Santa (PMDB/PI); AM (Parnaíba);
22) Marcelo Crivella (PL/RJ): TVs (Itabuna e Franca);
23) Maria do Carmo Alves (PFL/SE): AM (Aracaju), FMs (Aracaju, Estância e Própria);
24) Mazarildo Cavalcanti (PPS/RR): FM (Boa Vista), TV (Boa Vista);
25) Paulo Otávio (PFL/DF): AM (Brasília), FM (Brasília), TV (Brasília);
26) Reginaldo Duarte (PSDB/CE): AM (Juazeiro do Norte), FM (Juazeiro do Norte);
27) Romero Jucá (PMDB/AP): FM (Bezerros);
28) Sérgio Zambiasi (PTB/RS): AM (Porto Alegre);
29) Serys Slhessarenko (PT/MT): FM (Cuiabá);
30) Tasso Jereissati (PSDB/CE): FMs (Jangadeiro e Casa Blanca-Fortaleza), FM (Limoeiro do Norte); TV (Jangadeiro-Fortaleza).

Estes são os conhecidos e que constam do relatório da EPCOM. Há que se observar que alguns dos verdadeiros controladores das concessões têm recorrido a vários expedientes para proteger sua identidade. Nomes de parentes, de amigos e “laranjas” são recursos comuns não só para esconder o patrimônio, como também para fugir das normas restritivas aplicáveis a deputados e senadores (que limitam a participação societária de “entidades” de radiodifusão a cinco concessões em VHF em nível nacional e a duas em UHF em nível regional (artigo 12, Decreto-Lei 236/67).

Fonte: Ministério das Comunicações
Postagem: José Nilton Mariano Saraiva

"O passado assombra o Senado"

TÚNEL DO TEMPO
Adversários anos atrás, os senadores Renan Calheiros, José Sarney e Fernando Collor são fiéis aliados no triste presente da política brasileira
NO MESMO BARCO
Lula e José Dirceu: eles participaram das negociações em favor de Sarney junto com Collor e Renan


Fonte: VEJA

Sarney se une a Renan e a Collor no comando de uma tropa de choque que ameaça e intimida. Se essa trinca prevalecer, as instituições vão regredir décadas e anular avanços duramente conquistados pela sociedade brasileira

Tropa de choque age e intimida o Senado
A
cena do presidente do Congresso, senador José Sarney, deixando o plenário ladeado por Fernando Collor e Renan Calheiros – seus dois mais novos e fiéis aliados – é símbolo mais evidente do atual processo de volta ao passado. Sarney, um político de biografia controversa, transferiu a faixa presidencial a Fernando Collor de Mello, em 1990, depois de humilhado por ele na campanha presidencial. Collor se referia a ele como ladrão e corrupto. Essas eram as ofensas menores.
Em 1992, a inversão: Sarney participou ativamente do processo de impeachment de Collor, afastado da presidência exatamente por corrupção. O terceiro personagem, o senador Renan Calheiros, é aquele ex-ministro de Collor, que depois abandonou o governo denunciando ex-chefe por...corrupção. Em 2007, foi a vez de Renan renunciar à presidência do Senado, acusado, entre outras coisas, de... corrupção.
O fato dos três terem acertado em cheio no julgamento que faziam uns dos outros no passado se soma agora ao fato de estarem juntos do mesmo lado. Nada mais natural. O que não é natural eles estarem no comando da vida parlamentar brasileira. Os três são peças essenciais para entender o atual processo de mortificação do Congresso.
Há seis meses, José Sarney tenta se defender de denúncias que o envolvem em nepotismo, favorecimento de amigos e parentes, contas secretas no exterior, desvio de recursos públicos e irregularidades administrativas. Pressionado a deixar o cargo, ele decidiu se afastar do comando do Senado, e chegou a comunicar isso ao presidente Lula, ao se sentir abandonado pelo governo e o PT. Foi quando entrou em cena a tal "tropa de choque", com seus métodos heterodoxos de fazer política à base da ameaça e da chantagem. Liderada por Collor e Renan, que, depois das acusações mútuas, acabaram se reconciliando, Sarney reconsiderou depois de ouvir da dupla que o PT, partido do presidente Lula, iria lhe garantir a permanência no cargo. De onde vinha a certeza? "O governo sabe que a CPI da Petrobras pode seguir o mesmo caminho da CPI dos Correios. Em véspera de eleição, ninguém vai quer isso", ponderou Renan.
A CPI da Petrobras foi criada pela oposição para investigar supostas irregularidades na estatal. O PMDB, partido de Renan e Sarney, controla a comissão. Ou seja: o PMDB, para garantir sustentação política a Sarney, chantageou o governo. Lula continuou trabalhando pela permanência de Sarney e o PT se recusou a assinar uma carta em que vários partidos pediram seu afastamento.
O jogo bruto para garantir a permanência de Sarney no cargo começou no domingo à noite, quando Sarney desembarcou em Brasília, vindo de São Paulo, onde acompanhava um tratamento de saúde de sua mulher, Marly. Ao chegar à Base Aérea, foi recepcionado por Renan, pelo senador Gim Argello (PTB-DF), e pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, responsável hierárquico pela Petrobras. Foram para a casa de Sarney traçar a estratégia de resistência, definida em cinco pontos:
- Ameaçar o governo com a CPI da Petrobras;- Acuar a oposição e os governistas que insistirem no "Fora Sarney" com denúncias de irregularidades;- Escalar uma tropa para atacar os responsáveis por qualquer discurso anti-Sarney;- Arquivar todas as representações contra Sarney no Conselho de Ética do Senado;- Abrir um processo contra Arthur Virgílio, líder do PSDB, como forma de constranger os opositores.
A estratégia da tropa foi seguida à risca. Em discurso no plenário, o senador Pedro Simon, do PMDB, pediu o afastamento de Sarney. Foi interpelado por Renan Calheiros com insinuações maldosas e atacado com grosseria por Fernando Collor. "São palavras que não aceito! Quero que o senhor as engula e as digira como achar conveniente", bradou Collor "Estou no Senado há mais de 30 anos, desde a ditadura. Nunca vi nada semelhante", disse depois Simon. A truculência sempre fez parte do DNA da dupla Collor-Renan.
Dando sequência ao plano elaborado, o PMDB representou no Conselho de Ética contra o senador Arthur Virgílio, que mantinha em seu gabinete um funcionário que morava no exterior. A medida provocou um deprimente espetáculo. “Senador Renan, não aponte esse dedo sujo para mim”, disse o senador Tasso Jereissati, do PSDB. "Seu coronel de merda" esbravejou o maquinista do trem que conduz o Senado brasileiro de volta à lei do cangaço.


Matéria da revista VEJA deste final de semana

Previsão do Tempo e Almanaque - 08 de Agosto de 2009

Bom Dia, meus amigos do Blog do Crato!
Hoje, dia 08 de Agosto de 2009. Tenho recebido e-mails de pessoas perguntando a que horas eu costumo dormir. Na verdade, confesso que os últimos dias têm sido muito estressantes, devido à grande quantidade de postagens no Blog, a diagramação e a manutenção de tudo certo por aqui., além dos meus trabalhos normais. Mas como sei que toda manhã, entre 5 e 7 horas, temos um pico de visitantes, não quero faltar com os nossos queridos amigos, que sempre acordam com notícias quentinhas, a previsão do tempo e o Almanaque. Quanto isso nos dá trabalho ? ora se... ORA SE...noite de sono que é bom, não existe... Acho que consegui descobrir o segredo de conseguir estar em diversos lugares ao mesmo tempo, rs rs

A previsão do tempo para hoje, segundo o site Climatempo é de sol com algumas núvens e não chove ( a mesma dos últimos dias ). A temperatura máxima ficará em torno de 24 graus, e a mínima de 16 graus. No momento, 24 graus na Vilalta.


ALMANAQUE

No dia 8 de agosto, a Igreja Católica comemora o dia de São Domingos de Gusmão

Domingos nasceu em 24 de junho de 1170, na pequena vila de Caleruega, na Velha Castela, atual Espanha. Pertencia a uma ilustre e nobre família, muito católica e rica: seus pais eram Félix de Gusmão e Joana d'Aza e seus irmãos, Antonio e Manes. O primeiro tornou-se sacerdote e morreu com odor de santidade. O segundo, junto com a mãe, foi beatificado pela Igreja. Nesse berço exemplar, o pequeno Domingos trilhou o mesmo caminho de servir a Deus. Até mesmo o seu nome foi escolhido para homenagear são Domingos de Silos, porque sua mãe, antes de Domingos nascer, fez uma novena no santuário do santo abade. E, como conta a tradição, no sétimo dia ele lhe teria aparecido para anunciar que seu futuro filho seria um santo para a Igreja Católica.

Domingos dedicou-se aos estudos, tornando-se uma pessoa muito culta. Mas nunca deixou a caridade de lado. Em Calência, cidade onde se diplomou, surpreendeu a todos ao vender os objetos de seu quarto, inclusive os pergaminhos caros usados nos estudos, para ter um pequeno "fundo" e com ele alimentar os pobres e doentes. Aos vinte e quatro anos, sentindo o chamado, recebeu a ordenação sacerdotal. Foi enviado para a diocese de Osma, onde se distinguiu pela competência e inteligência. Logo foi convidado para auxiliar o rei Afonso VII nos trabalhos diplomáticos do seu governo e também para representar a Santa Sé, em algumas de suas difíceis missões.

Durante a Idade Média, período em que viveu, havia a heresia dos albigenses, ou cátaros, surgida no sul da França. O papa Inocêncio III enviou-o para lá, junto com Diego de Aceber, seu companheiro, a fim de combater os católicos reencarnacionistas. Mas, devido à morte repentina desse caro amigo, Domingos teve de enfrentar a missão francesa sozinho. E o fez com muita eficiência, usando apenas o seu exemplo de vida e a pregação da verdadeira Palavra de Deus. Em 1207, em Santa Maria de Prouille, Domingos fundou o primeiro mosteiro da Ordem Segunda, das monjas, destinado às jovens que, devido à carestia, estavam condenadas à vida do pecado. Os biógrafos narram que foi na igreja desse convento que Nossa Senhora apareceu para Domingos e disse-lhe para difundir a devoção do rosário, como princípio da conversão dos hereges e para a salvação dos fiéis. Por isso os dominicanos são tidos como os guardiões do rosário, cujo culto difundem no mundo cristão através dos tempos.

A santidade de Domingos ganhava cada vez mais fama, atraindo as pessoas que desejavam seguir o seu modelo de apostolado. Foi assim que surgiu o pequeno grupo chamado "Irmãos Pregadores", do qual fazia parte o seu irmão de sangue, o bem-aventurado Manes. Em 1215, a partir dessa irmandade, Domingos decidiu fundar uma Ordem, oferecendo uma nova proposta de evangelização cristã e vida apostólica. Ela foi apresentada ao papa Inocêncio III, que, no mesmo ano, durante o IV Concílio de Latrão, concedeu a primeira aprovação. No ano seguinte, seu sucessor, o papa Honório III, emitiu a aprovação definitiva, dando-lhe o nome de Ordem dos Frades Predicadores, ou Dominicanos. Eles passaram a ser conhecidos como homens sábios, pobres e austeros, tendo como características essenciais a ciência, a piedade e a pregação. Em 1217, para atrair a juventude acadêmica para dentro do clero, o fundador determinou que as Casas da Ordem fossem criadas nas principais cidades universitárias da Europa, que na época eram Bolonha e Paris. Ele se fixou na de Bolonha, na Itália, onde se dedicou ao esplêndido desenvolvimento da sua obra, presidindo, entre 1220 e 1221 os dois primeiros capítulos gerais, destinados à redação final da "carta magna" da Ordem. No dia 8 de agosto de 1221, com apenas cinqüenta e um anos de idade, ele morreu. Foi canonizado pelo papa Gregório IX, que lhe dedicava especial estima e amizade, em 1234. São Domingos de Gusmão foi sepultado na catedral de Bolonha e é venerado, no dia de sua morte, como Padroeiro Perpétuo e Defensor dessa cidade.


HOJE NA HISTÓRIA

O maior assalto do século
08/08/1963 - Numa ação que a mídia chamou de “O grande roubo do trem” 16 homens armados seqüestram um trem postal que ia de Glasgow a Londres fugindo com mais de 2,5 milhões de libras esterlinas (50 milhões de dólares, em valores atualizados) Um de seus participantes, Ronald Biggs, preso e condenado a trinta anos de prisão, fugiu em 1965 para o Brasil, onde viveu até este 7 de maio de 2001 quando voltou para Inglaterra se entregando as autoridades britânicas .

Em apenas 28 minutos, Ronald Biggs e seus 14 cúmplices realizaram em 1963 o assalto ao trem pagador Glasgow-Londres, que passou para a história como o "roubo do século 20". Em 8 de agosto de 1963, às 3h, o trem postal que transportava 2,6 milhões de libras esterlinas, uma verdadeira fortuna na época, parou no meio do campo, em Cheddington, 60 km a nordeste de Londres. O maquinista observou um sinal vermelho pouco habitual perto de uma ponte e deteve o comboio. Desceu do trem para chamar a estaçao vizinha e pedir explicações. Dois homens encapuzados o detiveram e e o levaram de volta para a locomotiva, onde seu colega estava desmaiado depois ter sido golpeado pelos ladrões. Foi o único ferido deste rocambolesco assalto, durante o qual não foi realizado um único disparo. O maquinista jamais voltou ao trabalho e se recuperou totalmente do trauma. Morreu em 1970 devido a um câncer. Amarrados, os dois maquinistas presenciaram impotentes o roubo das 17 sacas de dinheiro, que foram carregadas num caminhão estacionado ao lado da ferrovia.

Os assaltantes escaparam sem deixar rastro. Seu único erro foi deixar impressões digitais na grama, onde se reuniram para repartir o butim. O grupo era integrado por vários membros, entre eles um piloto de corrida automobilística, um advogado e um florista. Quase todos foram detidos em menos de seis meses. Os últimos, entre 1966 e 1968. Julgados a partir de 1964, foram condenados a penas entre três e 30 anos de prisão. Ronald 'Ronnie' Biggs conseguiu fugir e viveu durante mais de 30 anos no Rio de Janeiro, antes de se entregar voluntariamente às autoridades britânicas em 2001. Outro membro do bando, Charles Wilson, fugiu em agosto de 1965, mas foi preso anos mais tarde no Canadá. Do total roubado, a polícia só recuperou 350.000 libras.

Fontes: Cliamtempo, Edições Paulinas, 10emtudo, Último Segundo.

A Lágrima - Guerra Junqueiro



A Lágrima

( Guerra Junqueiro )

Manhã de Junho ardente. Uma encosta escavada,
Sêca, deserta e nua, à beira d'uma estrada.

Terra ingrata, onde a urze a custo desabrocha,
Bebendo o sol, comendo o pó, mordendo a rocha.

Sôbre uma folha hostil duma figueira brava,
Mendiga que se nutre a pedregulho e lava,

A aurora desprendeu, compassiva e divina,
Uma lágrima etérea, enorme e cristalina.

Lágrima tão ideal, tão límpida, que ao vê-la,
De perto era um diamante e de longe uma estrêla.

Passa um rei com o seu cortejo de espavento,
Elmos, lanças, clarins, trinta pendões ao vento.

- "No meu diadema, disse o rei, quedando a olhar,
Há safiras sem conta e brilhantes sem par,

"Há rubins orientais, sangrentos e doirados,
Como beijos d'amor, a arder, cristalizados.

"Há pérolas que são gotas de mágua imensa,
Que a lua chora e verte, e o mar gela e condensa.

"Pois, brilhantes, rubins e pérolas de Ofir,
Tudo isso eu dou, e vem, ó lágrima, fulgir

"Nesta c'roa orgulhosa, olímpica, suprema,
Vendo o Globo a teus pés do alto do teu diadema!"

E a lágrima deleste, ingénua e luminosa,
Ouviu, sorriu, tremeu, e quedou silenciosa.
***

Couraçado de ferro, épico e deslumbrante,
Passa no seu ginete um cavaleiro andante.

E o cavaleiro diz à lágrima irisada:
"Vem brilhar, por Jesus, na cruz da minha espada!

"Far-te hei relampejar, de vitória em vitória,
Na Terra Santa, à luz da Fé, ao sol da Glória!

"E à volta há-de guardar-te a minha noiva, ó astro,
Em seu colo auroreal de rosa e de alabastro.

"E assim alumiarás com teu vivo esplendor
Mil combates de heróis e mil sonhos d'amor!"

E a lágrima celeste, ingénua e luminosa,
Ouviu, sorriu, tremeu e quedou silenciosa.
***

Montado numa mula escura, de caminho,
Passa um velho judeu, avarento e mesquinho.

Mulas de carga atrás levavam-lhe o tesoiro:
Grandes arcas de cedro, abarrotadas d'oiro.

E o velhinho andrajoso e magro como um junco,
O crânio calvo, o olhar febril, o bico adunco,

Vendo a estrêla, exclamou: "Oh Deus, que maravilha!
Como ela resplandece, e tremeluz, e brilha!

"Com meu oiro em montão podiam-se comprar
Os impérios dos reis e os navios do mar,

"E por esse diamante esplêndido trocara
Todo o meu oiro imenso a minha mão avara!"

E a lágrima celeste, ingénua e luminosa,
Ouviu, sorriu, tremeu, e quedou silenciosa.
***

Debaixo da figueira, então, um cardo agreste,
Já ressequido, disse à lágrima celeste:

"A terra onde o lilaz e a balsamina medra
Para mim teve sempre um coração de pedra.

"Se a queixar-me, ergo ao céu os braços por acaso,
O céu manda-me em paga o fogo em que me abraso.

"Nunca junto de mim, ulcerado de espinhos,
Ouvi trinar, gorgear a música dos ninhos.

"Nunca junto de mim ranchos de namoradas
Debandaram, cantando, em noites estreladas...

"Voa a ave no azul e passa longe o amor,
Porque ai! Nunca dei sombra e nunca tive flor!...

"Ó lágrima de Deus, ó astro, ó gota d'água,
Cai na desolação desta infinita mágoa!"

E a lágrima celeste, ingénua e luminosa,
Tremeu, tremeu, tremeu... e caíu silenciosa!...
***

E algum tempo depois o triste cardo exangue,
Reverdecendo, dava uma flor côr de sangue,

Dum roxo macerado, e dorido, e desfeito,
Como as chagas que tem Nosso Senhor no peito...

E ao cálix virginal da pobre flor vermelha
Ia buscar, zumbindo, o mel doirado a abelha!...

25 de Março de 1888.

Parabéns ZoomCariri pelos seus 2 anos de Idade

O maior site de Fotografia do Cariri completa 2 anos de existência

Dia 08 de agosto 2009,comemorando os seus 2 aninhos, o Zoomcariri é quem parabeniza os fotógrafos, vocês que por aqui passaram e deixaram sua marca, mostraram seus potenciais e deram um testemunho do quanto o Cariri está provido de grandes talentos ou, simplesmente de pessoas que apreciam a fotografia em seu sentido mais amplo, artístico!

Em particular, eu quero agradecer a todos sem exceção! Continuem conosco, tragam mais e mais artista que pintam com luz, para valorizar, enriquecer nossa revista eletrônica que foi criada pra vocês!

Meu muito obrigado!
Pachelly Jamacaru




Cantor Cratense é sucesso no Youtube !

A cantora Stefhany ganhou uma resposta masculina ao seu hit, “Eu sou Stefhany”. O cantor cearense Maxwell Rodrigues gravou “Resposta a Stefhany” e a música é o mais novo suceso do Youtube e das rádios do Nordeste. No vídeo, invés do Cross Fox, o carro que aparece é um Rolls Royce.

“Já conhecia o trabalho da Stefhany. Fiz esse vídeo e o editei sozinho há três meses. A minha intenção era só brincar, pois essa música nem é meu estilo”, conta Maxwell.

“Eu sou Stefhany” é uma versão de “A thousand miles” de Vanessa Carlton. Nascido em Juazeiro do Norte e morando em Crato, no Ceará, Maxwell, de 22 anos, gosta da música pop, romântica e black. Ele começou a cantar os 12 anos na Igreja Evangélica da qual era membro. Mas a vontade de seguir outros ritmos falou mais alto e ele caiu na estrada.

“Morei em São Paulo onde cantei para várias bandas de forró. Mas também não era meu estilo. Quando ia iniciar uma carreira solo, minha mãe ficou doente em Crato e precisei voltar para cuidar dela”, diz ele.

ORKUT/Reprodução

A capa de seu CD

Atualmente, com o dinheiro do próprio bolso, Maxwell gravou o CD “Maxwell Rodrigues” e ganha a vida fazendo shows pelo Nordeste com seu notebook. “O micro reproduz os instrumentos e eu coloco a voz. Os músicos cobram muito caro para tocar”.

Fonte: EGO - Globo.com

Hoje no Café Estação em Crato - Los The Os ( Rock Blues Band )


Café Estação apresenta:
Sábado 8 de agosto...

Reinauguração oficial com - LOS THE OS ( rock Blues band) e DJ DICK (RS)
obs: Traga agasalho, a serra é fria!!!!
Novo endereço- Av.Pedro Felício Cavalcante,1969 em frente ao triângulo do Grangeiro.
ingressos: R$ 5.00

Texto enviado por Hermínia Rachel

Sobreviventes do dia-a-dia - Por: Robson Fernando


Depois de uma andança de ônibus de nossa casa para o centro da cidade – ou para qualquer outro lugar –, a pé no lugar de destino e novamente de coletivo na volta, costumo sentir que fui um sobrevivente do dia, porque não fui visado por bandidos, não tive meus objetos roubados nem minha vida ou integridade física ameaçada. É um alívio estar dentro de casa depois de um dia em que eu poderia ter sido vitimado por alguma violência. Assim é em todos os dias em que saio de casa para algum lugar aonde não posso ir a pé.

Sair do lar para trabalhar, estudar, consultar um/a médico/a, divertir-se... é invariavelmente perigoso. Quando voltamos, nos sentimos aliviados/as por estarmos sã(o)s e salvos/as. Chegar em casa ileso/a e com nada roubado é visto como uma vitória em vez de como algo totalmente normal. Mesmo quem não leva bolsa e quase nada carrega no bolso fora um documento de identidade e um dinheirinho da passagem volta suspirando um ufa por não ter sofrido o traumatizante terror psicológico da ameaça armada.

Estresse pós-traumático leve? Poderia até ser – embora eu duvide, uma vez que não tenho pavor de sair de casa e “desbravar” minha cidade –, mas eu e milhões de outras pessoas no Brasil não sentiríamos esse temor se não estivéssemos num país de cidades tão violentas, nas quais reina inquestionavelmente a desigualdade social extrema que condena jovens à socialização para o crime e onde a polícia existe mas é incapaz, mesmo quando numerosa, de estabelecer uma onipresença nas ruas.

Aqui o trauma de “receber” um meliante que aponta uma faca, canivete ou revólver para nós querendo tudo o que carregamos de valor não se dissipa totalmente, mas perpetua-se. Mesmo se nós nos mudamos para uma outra cidade urbanamente avantajada, não há garantia alguma de ser substancialmente mais difícil sermos abordados/as por criminosos na rua, porque todas elas estão infestadas com a pobreza e a criminalidade.

Estamos nos aproximando da universalização do perigo de andar até mesmo pelo próprio bairro que habitamos – o qual já domina diversos pedaços das grandes cidades brasileiras. Daqui a pouco, até ir à mercearia da esquina será motivo de nos considerarmos vitoriosos, sobreviventes, porque conseguimos atravessar a rua e fizemos nossa comprinha sem termos sido aterrorizados/as por violentos ladrões.

E não adianta a secretaria de segurança de nosso estado dizer que “os homicídios diminuíram 18%” ou “os assaltos caíram 8% no último mês”. Isso não basta. Para que deixemos de sentir diariamente como se estivéssemos sobrevivendo em vez de vivendo depois de um dia fora de casa, os índices de violência teriam que diminuir no mínimo dos mínimos 90%, uma vez que hoje são altíssimos. Só uma grande diminuição torna nossas cidades minimamente protegidas.

Também não basta encher a rua de polícia anunciando que foram efetivados 5 mil guardas, uma vez que ela jamais terá o poder da onipresença nem atenderá instantaneamente ao 190. Precisa-se sim mudar as condições em que as pessoas são socializadas: da falta de lazer decente, emprego rentável e educação cidadã e qualificada nas comunidades pobres até a perpetuação dos valores sociais que exaltam perversões como o consumo imoderado de bebidas alcoólicas, comportamentos violentos e a competição capitalista que ofusca o valor da vida e da honestidade. E, claro, nós como povo cobrarmos essas mudanças persistentemente.

Só se houver esses ajustes, tão necessários hoje, poderemos deixar de ver a saída de casa ao trabalho ou estudo como um perigo do qual podemos (ou não) sobreviver, mas sim como algo realmente corriqueiro e que não nos inspira temor nem nos é uma ameaça.

Por: Robson Fernando, autor do Blog Consciência Efervescente

APROV visita centro de Zoonoses do Crato - Texto enviado por: Tiago Figueiredo

Nota do Editor:
"Recebemos essa carta e mensagem enviada por Tiago Figueiredo. O Assunto é muito contundente, polêmico e certamente que causará a indignação de muita gente, principalmente os que amam a vida, os animais e a ética."


Integrantes da Associação de Proteção à Vida – Aprov – realizaram visita ao Centro de Zoonose do Crato (CCZ) no último dia 31 de Julho. O objetivo da visita foi acompanhar as eutanásias de cães e gatos, realizadas toda sexta, para monitorar se os procedimentos recomendados por lei são feitos.

Na ocasião, a Aprov solicitou à direção do CCZ relatório semanal com informações sobre: número de animais que chegam ao Centro; quantos têm zoonozes irreversíveis, sendo necessária a eutanásia; como são diagnosticadas as zoonozes. Além de informações de quantos animais são adotados e qual o destino dos animais saudáveis.

A associação realizará visitas semanais ao Centro de Zoonose para garantir acompanhamento sistemático. A última aconteceu hoje, sexta, 7 de agosto. A ideia é construir banco de dados que gere subsídios para estudos, pesquisas e projetos, visando ao bem-estar e tratamento ético dos animais e da população em geral. Abaixo, segue Carta Aberta, escrita pela presidente da Associação, Anna Christina Farias de Carvalho, após visita ao Centro de Zoonose do Crato.

Aprov é uma entidade sem fins lucrativos, localizada no Crato, que combate os maus tratos sofridos por animais, incentivando a posse responsável, especialmente, através da adoção de cães e gatos abandonados. Mais informações: (88) 8845-3542 (Antônia); e.mail contato.aprov@gmail.com Você pode ainda acessar o blogger: www.souprotetor.blogspot.com.


CARTA ABERTA À POPULAÇÃO E AOS PODERES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CRATO – CEARÁ

“Qual é o princípio ético que deve nos conduzir?”. Esta foi uma das perguntas que Albert Schweitzer (1) fez durante sua trajetória de vida e diante de um mundo que se descortinava com tanta intolerância e desigualdade. A resposta veio como uma iluminação que só as pessoas que entendem a importância de uma vida poderiam pensar: “A reverência pela vida! Tudo que é vivo deseja viver, e tem o direito de viver. Nenhum sofrimento pode ser imposto sobre as coisas vivas para satisfazer o desejo dos homens.”.

Com estas palavras, Schweitzer se firma como um dos precursores da Bioética no Planeta, defendendo e difundindo o princípio do respeito às obrigações éticas não só com o homem, mas com todos os seres vivos, pois segundo ele “a compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de caráter e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem.”.

Meus caros leitores, vamos ao porquê desta Carta Aberta. Faço parte de uma associação sem fins lucrativos, que tem como missão promover a proteção da biodiversidade, pelo desenvolvimento de uma relação harmônica entre a humanidade e o meio-ambiente, denominada Associação de Proteção à Vida - Aprov (2), constituída oficialmente em junho do corrente.

Hoje, 31 de julho, eu e algumas companheiras de luta pela vida, assistimos a cenas dantescas, mescladas de indiferença e intolerância para com a vida de cães e gatos, sacrificados de forma indiscriminada – e nem um pouco indolor – pelos funcionários do Centro de Controle de Zoonoses do Crato, CCZ.

Vim para casa refletir: De quem é a culpa?

De Dr. Heldon, diretor do CCZ, que trabalha com recursos humanos e financeiros precários, como a maioria dos órgãos de promoção à saúde no País? Dos agentes que sacrificam os animais dentro de condições insalubres e estressantes e não têm direito a salário digno, nem insalubridade para sustentar a si e sua família? Do Conselho de Medicina Veterinária que não fiscaliza sistematicamente o cumprimento da Resolução n° 714, de 20 de junho de 2002, que dispõe sobre o procedimento correto da eutanásia do animal com zoonose? Dos poderes públicos que não destinam verbas específicas para os CCZs?

É culpa da população que não está e nem é sensibilizada para a adoção responsável, em sua maioria desconhecendo os seus direitos e os direitos dos animais? (Lei de Crimes Ambientais, n° 9605, de 12 de fevereiro de 1998, especialmente em seu art. 32 que estipula como crime contra fauna: “Praticar ato de abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.”.). Então? A quem culpar?

Deixo a pergunta para a reflexão de cada cidadão e cidadã do Crato, comprometido com um mundo melhor para todos os seres vivos: humano, animal e vegetal. Nesses tempos de tantas intolerâncias, indiferenças, banalização da violência e descaso com a vida, aquela frase de Jesus Cristo está sendo cada vez mais esquecida: “Ama a teu próximo como a ti mesmo.”.

Por último, solicito que acessem nosso blog. Lá, encontrarão fotos, informações e formas de ajudar à nossa luta por um planeta harmonioso.

Anna Christina Farias de Carvalho
Diretora Presidente da APROV

Notícias do Crato para o Dia 08 de Agosto de 2009


Aulas do Projeto Primeiro Passo Bolsista serão iniciadas nesta segunda-feira, em Crato

Serão iniciadas nesta segunda-feira, no CVTEC de Crato, as aulas do Projeto 1º Passo Bolsista, no horário das 8 horas ao meio-dia. A aula inaugural do projeto aconteceu no último dia 31 de julho, no auditório da RFFSA. O Projeto será desenvolvido por meio de uma parceria entre o Governo Municipal e Governo Estadual, com a finalidade de promover a inclusão social dos jovens com vulnerabilidade social e qualificá-los profissionalmente, engajando pelo menos 30% deles no mercado de trabalho. Inicialmente serão atendidos 20 jovens do município, de 16 a 21 anos, incompletos; estar estudando em escola pública (Fundamental II e Ensino Médio); estar inserido em programa social; ter renda por pessoa de ¼ do salário mínimo. O integrante do projeto terá a transferência de uma bolsa no valor de R$ 80,00. O curso será realizado no prazo de cinco meses, sendo três deles de informática básica e dois meses de auxiliar administrativo. As aulas acontecerão de segunda à sexta-feira, com carga horária total 250 horas de aulas.

Governo do Crato divulga calendário das pré-conferências que antecedem a Conferência Municipal de Assistência Social

A Prefeitura Municipal do Crato em parceria com a Secretaria de Ação social e todos os Centros de Referencia em Assistência Social CRAS deste município, comunica que serão realizadas as pré-conferências de Assistência Social, nos seguintes dias, horários e locais:

- Dia 10, segunda feira às 13:30 horas, realizada no Pólo de Atendimento Madre Feitosa no Bairro do Seminário.
- Dia 11, terça-feira às 13 horas, será realizada no CAIC no Bairro Gisélia Pinheiro (Batateira).
- Dia 12, quarta-feira, às 13 horas, será realizada no Projeto ABC no Bairro do Alto da Penha
- Dia 13, quinta-feira, as 13 horas, será realizada no Pólo de Atendimento José Francisco de Luna no Bairro do Murití.
- Dia 14, às 13 horas, será realizada na Escola Nazu Barreto no Bairro Vila Alta.
É importante salientar que a Conferência Municipal de Assistência Social será realizada no próximo dia 19 no Teatro Municipal Salviano Arrais Saraiva de 8 às 17 horas.

Outra foto do Projeto Primeiro Passo Bolsista:


Fonte: Assessoria de Imprensa
Governo Municipal do Crato
Fone/Fax - (88) 3521.7069
Mais informações:

http://www.crato.ce.gov.br
http://www.prefeituramunicipaldocrato.blogspot.com

Edições Anteriores:

Dezembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 30