xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 27/06/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

27 junho 2009

Mestre Noza de Juazeiro do Norte


I SEMINÁRIO CARIRI CANGAÇO
De 22 a 26 de Setembro de 2009
Crato, Juazeiro e Barbalha.

A iniciativa é da SBEC – Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, e das prefeituras municipais de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha, com o apoio da URCA e do ICC.


Mestre Noza, ou Inocêncio Medeiros da Costa ou Inocêncio da Costa Nick, como ele gostava de chamar-se, nasceu em Pernambuco no ano de 1897, vindo a mudar-se para Juazeiro do Norte em 1912, aonde chegou como romeiro, após caminhar cerca de 600 km, desde o município de Quipapá, PE, local onde foi criado. Foi soldado de polícia, funcionário da estrada de ferro Rede Viação Cearense e funileiro até a partir de 1930, tornar-se conhecido como artista popular, santeiro e xilogravurista. Sua primeira escultura foi um São Sebastião e sua primeira xilogravura, uma capa de literatura de cordel encomendada por José Bernardo da Silva para ilustrar o folheto de José Pacheco A propaganda de um matuto com um balaio de maxixe. Foi o primeiro a esculpir uma imagem do Padre Cícero e conta que quando a levou para o próprio padre analisar, este havia dito: “Eu sou assim, tenho essa corcunda assim?”. A partir daí fez milhares de imagens do Padre Cícero. Conta a lenda que havia se encontrado com Virgulino, o Lampião, e que havia tomado cerveja com o mesmo e que por pouco não havia entrado para o bando do chefe cangaceiro, não fazendo por medo mesmo.
Mestre Noza se tornaria o precursor da xilogravura decorativa, e seu trabalho foi alvo de estudo de várias universidades, inclusive européias, tendo participado de diversas exposições com obras de escultura e xilogravura em todo o país e até em Paris – França. Mestre Noza morreria no ano de 1983. Atualmente situa-se em Juazeiro do Norte o Centro de Cultura Popular e Esculturas Mestre Noza, concentrando obras; esculturas principalmente; de artistas de toda a região do Cariri, sul do Ceará. Os artistas integram a Associação dos Artesãos do Padre Cícero. O I Seminário Cariri Cangaço, promoverá durante o evento visita ao Centro de Cultura Popular e Esculturas Mestre Noza, tudo isso em setembro no cariri do Ceará.


No Centro Cultural Mestre Noza teremos a oportunidade de conhecer mais de perto a talentosa arte e criatividade dos muitos artistas anônimos de nossa terra; quando se adentra ao Centro Mestre Noza se é transportado para o mundo da mais pura e tradicional cultura de nosso nordeste. Seja Bem Vindo ao Cariri Cangaço.

TEXTO: Severo Barbosa

TIPOS POPULARES DO CRATO...GALERIA FOTOGRÁFICA(3)

A diversidade de pessoas e suas múltiplas faces e fases
nos afazeres dos seus dias...são emblemáticas e diferenciadas.

António Vicelmo,radialista,fotografo,rabula e goleiro contador de causo.
Blandino,o mago das ervas xá de flor,decorador e bruxo de Compostela

Wellington cabeleireiro,construtor da beleza e carnavalesco por natureza

Correinha,a multiplicidade em pessoa,carcereiro,poeta ,musico,seresteiro,compositor
cordelista,e a cima de tudo com uma flauta na boca o doce canto da chapada.
Roberto Jacu,comerciante do balneário Nascente,segredos com Tarso
Luís Jacu,proprietário do balneário Nascente e flamenguista com alma vacaina.

O que seremos nos importa interiormente
o que faremos como pessoas.
confinados na ancia da multiplicidade
somos individualmente duvidas
e certezas em nossas diferenças
mas simplesmente pessoas autenticas.
Wilson Bernardo (texto & fotografias)



Agenda Cultural - Marta Aurélia no CCBNB - Cariri - Domingo, 19h30


Local: Centro Cultural banco do Nordeste - CCBNB - Juazeiro do Norte
Data: 28 de Junho - Domingo
Horário: 19h30
Entrada Franca

Evento na Academia Lavrense de Letras



Por proposição do Imortal Barros Pinho, a Academia Cearense de Letras realizou na ultima sexta-feira, dia 19 de junho, uma sessão solene quando reverenciou a memória do escritor e farmacêutico cratense, Dr. Pedro Gomes de Matos, 1º biógrafo de Capistrano de Abreu.

A sessão foi presidida pelo deputado federal Mauro Benevides, integrante daquela Academia, que destacou as qualidades do escritor que nasceu no Crato no dia 12 de maio de 1909, no sítio Bebida Nova, na nascente das Batateiras, completando assim, em 2009, 100 anos caso estivesse ainda vivo.
Lembrou Mauro Benevides, na qualidade de Presidente da mesa, que na semana anterior fizera pronunciamento na Câmara dos Deputados em Brasília, destacando o feito de Pedro Gomes de Matos que em 1953, em concurso em nível nacional, concorrendo com o historiador Hélio Viana, obteve o 1º lugar, na classificação da melhor biografia do grande historiador maranguapense Capistrano de Abreu. Naquele ano comemorava-se os 100 anos de nascimento de Capistrano que na ótica de Silvio Romero, "foi a inteligência mais agura e pronta à serviço da historiografia brasileira"
O imortal Barros Pinho, propositor da homenagem, ao falar das qualidades intelectuais do homenageado, destacou o homem simples que nasceu no Crato mas adotou Maranguape como sua terra natal e lembrou passagens de sua vida quer como político, quer como farmacêutico, quer como jornalista e escritor na terra de Capistrano de Abreu. Mais de 200 pessoas entre familiares, intelectuais, jornalistas acorreram à sede da Academia.
Formaram à mesa além do Deputado Federal Mauro Benevides, O Secretário de Finanças da Prefeitura Municipal do Crato Antonio Olympio Peixoto representando do Prefeito Municipal daquela cidade, o Sr. José Wilton Soares, presidente da AFAC - Associação dos Filhos e Amigos do Crato, o Deputado Federal Raimundo Gomes de Matos, a Sra. Alice Abreu, neta do escritor Capistrano de Abreu. Dentre outros imortais destacam-se a presença do professor Eduardo Diatay Bezerra de Menezes, o professor Horácio Dídimo, o professor Juarez Leitão, o ex-deputado federal Leorne Belém, o médico Sérgio Gomes de Matos, filhos, sobrinhos e netos do homenageado.

Em nome da família Gomes de Matos agradecendo à Academia a deferência pela homenagem, falou o seu filho, jornalista Pedro Gomes de Matos Filho, citando Peregrino Junior: “Só uma ausência é realmente triste: aquela que nasce da indiferença e do esquecimento”. (Peregrino Júnior). Como filho do homenageado, e após breve histórico sobre a família Gomes de Mattos no Brasil, falou que “ Evocar a lembrança de meu pai é tarefa fácil, difícil é descrever em poucas palavras, sem resvalar para o lugar comum, o legado deixado por ele não apenas aos seus descendentes, mas a quantos dele precisaram no atendimento diuturno como farmacêutico, que às vezes fazia-se de médico, estabelecido durante 40 anos com a Farmácia Santa Terezinha, em Maranguape...
Durante toda a sua existência acompanhei e tive em meu pai as lições de simplicidade, de humildade e de paciência. Dotado de natureza pacífica, acessibilíssimo, ao chegar em Maranguape, impôs-se à estima e admiração do povo que o acolheu, a quem mais tarde, ingressando na política partidária, via UDN, prestou inestimáveis serviços à coletividade. Não havia qualquer evento político-literário que sua presença não fosse requisitada. Seus discursos, fossem em solenidades cívicas ou em campanhas eleitorais, arrancavam das respectivas platéias aplausos efusivos. Até mesmo seus adversários convidavam-no para discursar”.
O Dr. Pedro Gomes de Matos , Casou-se com a filha de maranguape, Salaberga Torquato Campos Menescal, neta de cratense, o Cel. Afro Tavares Campos, segundo intendente do município de Maranguape, com quem teve sete filhos: Lúcia, Ângela, Ofélia, Carmem, Maria das Graças, Pedro e Raimundo.
O jornalista Pedro Gomes de Matos Filho encerrou a sua fala com emocionado, afirmando que “Meu pai amava a vida e, em seu dicionário, não existiam as palavras ódio, rancor e ressentimento. Nas rodas entre os amigos e para os próprios filhos costumava dizer: “Viva o bucho e morra o luxo” e sintetizava sua filosofia de viver ao afirmar: “A maior herança que se pode deixar aos filhos não são bens materiais, mas sim a educação!”.

FOTOS: André Lima.

Publicidade - Mercadinho Matos - Ofertas da Semana


O Mercadinho Matos ( Org. Adiê e Aluísio ) firmou-se na cidade como um dos melhores locais para os Cratenses fazerem as suas compras. Bons preços, excelente atendimento, e variedade. Produtos sempre novos, longe do praço de vencimento. Tudo em: Cereais, enlatados, perfumaria, biscoitos, bebidas e frios em geral. MERCADINHO MATOS - O Prazer de comprar bem pelo melhor preço da cidade, com entrega em Domicílio. Rua Dr. João Pessoa, 73 - Fone (88) 3521-3893 - Crato - CE.

roda


OFERTAS DA SEMANA:
=============================================

Açúcar Cristal - 1Kg-----------------------------R$ 1,35
Biscoito recheado Estrela------------------------R$ 0,85
Creme Dental Colgate 90g-----------------------R$ 1,25
Absorvente Qualy com Abas pac 3/unid -------- R$ 3,20
Café 3 de Ouros - 250g ------------------------ R$1,99
Biscoito Cream Cracker Fortaleza ---------------R$ 1,75
Sardinha Coqueiro ------------------------------R$ 1,99
Creme Dental "Contente" --- 90g--------------- R$ 1,09
Flocão Dona Clara -------------------------------R$ 0,99
Macarrao Imperador Fortaleza ----------------- R$ 1,29
Waffer Estrela ----------------------------------R$ 0,99

=============================================



MATEMATICANDO.COM Dr Valdetário.

Esta é a quarta vez que este desafio é postado e, até agora ninguém apresentou a solução. Estou postando mais uma vez apenas para que o mesmo “circule” por mais um fim de semana. Na próxima terça-feira, 30.07.09, estarei publicando a resposta.



MATEMATICANDO – Os Três Discos Brancos.
Consta que um professor de Matemática tinha três alunos geniais. O mestre necessitava preparar melhor um deles para substituí-lo durante dois anos enquanto o professor faria um curso no exterior. Para definir quem seria o substituto o professor chamou os três alunos e contou do seu propósito. Combinou então que lançaria um desafio aos três e aquele que primeiro achasse a resposta ocuparia a vaga. O sonho dos três alunos era exatamente um dia sentar-se na cadeira do mestre. O professor pegou então uma caixa que continha vários discos brancos e vários discos pretos e mostrou aos três alunos, depois, propositadamente, retirou da caixa três discos brancos e colou um nas costas de cada estudante. Em seguida colocou o três alunos numa sala de forma que cada um via os discos dos ouros dois mas não tinha como ver o seu próprio disco. Eles podiam andar livremente pela sala. Nesta sala não havia espelho ou algo que o substituísse. O professor disse-lhes então: “Eu, aleatoriamente, retirei três discos daquela caixa e preguei um em cada um de vocês, vence o desafio quem descobrir a cor do seu disco”. Disse isso e saiu. Um bom tempo depois um dos alunos chamou o professor e disse: “Professor! O meu disco é branco”. Vencendo o desafio. Qual foi o raciocínio desenvolvido por este aluno? Ficarei no aguardo das suas respostas. Um grande abraço. Valdetário.

Publicidade - Clínica São Raimundo - Cuidando do Povo de Várzea Alegre !


O Blog do Crato tem o prazer de fazer a publicidade da Clínica São Raimundo, da cidade de Várzea Alegre - CE, que acredita no nosso trabalho como meio de buscar a integração regional. A Clínica São Raimundo é uma empresa conceituada. Comandada pelos renomados médicos Dr. Menezes Filho e da Dra. Ana Micaely de Morais Meneses. Especializada em pediatria, ultrassonografia, fisioterapia especializada, RPG.

Eis algumas fotos da nossa empresa/parceira que fazemos questão de divulgar:



Acima: A Logomarca oficial da Clínica São Raimundo, em Várzea Alegre.


Acima: O Médico, Dr. Menezes Filho em atividade.

Acima: Dra. Ana Micaely de Morais Meneses

Cuidando de seus pacientes com carinho e dedicação...



Clinica São Raimundo.
Rua Dep. Luis Otacilio Correia 129. Várzea-Alegre. Fone (088) 3541-1467.
Especialidade: Pediatria, ultrassonografia, fisioterapia especializada, RPG.

"Cuidando com carinho e responsabilidade do povo de Várzea Alegre !"

Anuncie no Blog do Crato.
Contatos:
blogdocrato@hotmail.com
Tel: 088-3523-2272

Sobre Futebol - Por: José Nilton Mariano Saraiva

Às vésperas da Seleção Brasileira de Futebol “faturar” mais um título internacional (Copa das Confederações), mais pela fragilidade dos adversários do que propriamente por merecimento, pedimos a compreensão dos amantes do futebol, aqui do blog, para algumas reminiscências (particulares), a respeito do futebol.
Quando o futebol era algo sério, os jogadores considerados titulares levavam às costas a numeração de 1 a 11 e os chamados “reservas” (que ficavam “todos” no banco), a numeração de 12 a 22 (hoje, o perna-de-pau é que escolhe o número que mais lhe aprouver, que tanto pode significar o milhar com o qual foi sorteado no jogo-do-bicho, no dia anterior, como uma tal raiz quadrada de um número imaginário, mesmo que ele são saiba o que isso venha a significar);
Quando o futebol era algo sério, todos os jogadores entravam em campo com um uniforme padrão: mangas curtas ou longas, impecavelmente iguais (hoje, se algum perna-de-pau quer aparecer na TV, ser notado ou “diferente”, entra em campo com uma camisa de mangas curtas (se as dos demais colegas forem de mangas longas), ou com mangas longas (se as dos demais colegas forem de mangas curtas); inclusive em jogos da seleção brasileira, numa total falta de respeito à torcida e à própria pátria);
Quando o futebol era algo sério, os jogadores (todos eles) calçavam “chuteiras pretas”, rigorosamente pretas, se possível engraxadas antes do jogo (hoje, qualquer time que adentre o gramado, mas parece uma escola de samba com suas diversas alas multicores, aqui estampadas nas chuteiras do perna-de-pau posudo);
Quando o futebol era algo sério, não tinha essa de as “maria-chuteiras” da vida serem convocadas à noite e às pressas, à concentração do selecionado nacional, visando consolar o perna-de-pau depressivo ou tremendo de medo do adversário do dia seguinte e, ao sair, após uma noite de sexo, ser tratada pela imprensa como uma heroína nacional (como aconteceu com os “pombinhos” Ronaldo/Suzana Werner, em uma das Copas do Mundo da qual participou);
Quando o futebol era algo sério, os salários eram aceitáveis e situados dentro de um limite razoável em confronto com outras profissões (hoje, o salário mensal de qualquer jogador mediano se situa na estratosfera, permitindo-lhe o luxo de substituir, através de um tal de “aplique”, o cabelo “pixaim” original por volumosa e esvoaçante cabeleira (aqui, o argentino Tevez é o exemplo mais emblemático), enquanto que a remuneração paga ao “astro” principal lhe permite adquirir, se assim o quiser, um big apartamento-cobertura a cada mês ou, ainda, simplesmente fazer algum programa diferente e exótico com travestis anônimos).
Em homenagem ao tempo em que o futebol era algo sério, tomamos a liberdade transcrever a crônica abaixo, de 2006.

José Nilton Mariano Saraiva
*************************************

A “CHUTEIRA PRETA”
A chuteira preta não melhora o esquema tático de time algum. Feia e fora de moda, sozinha ela não sabe o caminho das redes nem o da sexta estrela no céu dos comerciais. Mas faltou ela, digna e cheia de lama, amaciada com jornal de ontem, para contar aos jogadores do Parreira as lições de história e civismo dos que vieram antes e colocaram essa pátria mixuruca literalmente em pé nos estádios de todo o mundo. Daria moral.
A chuteira preta, se é que eu me faço claro na vontade de entender a escuridão futebolística em que nos metemos, não ficaria ajeitando as meias na entrada da área enquanto o francês enfia a bola para dentro das nossas redes. Ela vai na bola de qualquer jeito, não está preocupada em mandar mensagens ao pessoal do marketing da Nike.
A chuteira preta, coisa de museu do Maracanã, é prima pobre da chuteira amarela, azul, vermelha, prata, lilás, etc - mas tem vergonha na cara. Não compactuaria com os comerciais da Skol, em que os brasileiros ganham dos argentinos porque a trave se mexe a nosso favor.
A chuteira preta é senhora obsoleta na terra dos bandidos espertos. Ela devia ter feito pelo menos uma preleção aos jogadores-modelo do Armani e acertado, se não o passo, o caráter dessa gente antes bronzeada e agora só patrocinada. Ela estava nos pés do Barbosa contra o Uruguai, no do Toninho Cerezo no Sarriá. Ela sabe tudo dos grandes heróis nacionais que perderam com a cabeça erguida, e ao mesmo tempo calçava também Romário para ele dar o biquinho genial contra Camarões em 94. Viu de tudo e sabe. Faltou tesão. Para falar a língua que os novos jogadores entendem, faltou patrocínio do Viagra na chuteira dourada desses chupadores de sorvete verde da Kibon. Está visto pelos que sofreram com o Brasil e França de anteontem, está definitivamente confirmado pela nossa mais profunda decepção com a apatia brocha desses patetas, que só os tolos acham o futebol um jogo a ser resolvido na bola.
Faltou o “humildificador-macho” da chuteira preta com a inscrição de todas aquelas partidas inesquecíveis que tiraram o Brasil do canil dos vira latas e reinventaram, para proveito de todo mundo, o brinquedo do futebol. Ela não arredondaria o quarteto mágico, não tiraria cinco anos do Cafu ou vinte quilos do Ronaldo. Não é disso que se está sofrendo. A chuteira preta é uma postura de vida. Não canta de galo, não afronta, pois aprendeu ouvindo Noel que o revólver entrou em cena para acabar com a valentia. Sabe, de tanto ver futebol na televisão, que todos os times do mundo jogam a mesma bolinha - e a diferença está no talento e na dedicação ao jogo. O talento brasileiro - viu-se por todo o mês de junho - é exclusivo do Gatorade e da Brahma. A dedicação vai junta no pacote - só serve às bandeiras dos novos donos.
Na simplicidade cromática que a chuteira preta carregava não vinha escrito "nascido para jogar futebol", como na camiseta Nike-Seleção. Vinham inscritos o vigor do Dunga e a folha-seca do Didi, todos do meio do campo, todos começados por “D”, todos certos de que para cada tempo se vai na bola de um jeito - mas sempre com “Dignidade”. Vontade, hombridade, seriedade, essas caretices que não avançam um passo no que interessa ao jogo de hoje: comer todas as louras, encher todas as burras de euro e ganhar a bola de ouro daquela revista francesa.
A chuteira preta está por fora e isto aqui é só um necrológio a essa dama linda que já se foi faz tempo. Ela não imprime bem no vídeo de plasma ou LCD, fica chapada no gramado verde, não salta aos olhos a marca do patrocinador - mas quanta sabedoria moral ela carrega em cada trava, quanta lição de postura viril em cada costura de seus cadarços.
A chuteira dourada, o laço de fita nos cabelos, os relógios-apartamento no pulso do Roberto Carlos. Esse foi o Brasil na Copa. Acreditamos, Parreira dizia toda noite, que com a Golden Cross ao nosso lado ficaria mais fácil. Tudo mentira. Se Ronaldinho fosse na bola com a fúria que ele passou esses meses todos correndo atrás do desodorante Rexona roubado no vestiário, estaríamos na semifinal contra os portugueses.
Faltou chuteira preta, séria, cívica, nos pés e no lombo deles também. Esse passadismo, só superado pela geladeira branca, está impregnado de Gerson, Brito e Tostão suficientes para ser calçado nos pés das focas do Santander e dar força brasileira, injetar uma overdose de Almir Pernambucano dos mercenários. Daria vergonha na cara dos apátridas. Faria como nos velhos tempos, antes do futebol virar um show de rock globalizado, quando os filhos teus não fugiam à luta nem ficavam olhando como o telão no alto do estádio está divulgando sua imagem para os futuros patrocinadores.
Foi uma tragédia. Trocou-se o quadrado mágico pelo Juninho Pernambucano, o Cafu pelo Cicinho. Não eram esses, vêem-se agora, os problemas. Robinho é da Vivo, Ronaldinho da Oi. Evidentemente não se telefonavam para organizar o movimento, orientar o carnaval e inaugurar um novo monumento em honra ao futebol no planalto central do país. Nada deu certo.
A chuteira preta da humildade, com suas mil e uma utilidades, teria colocado a bola no chão, a cabeça no foco e o coração em jogo. O Ronaldo toma Brahma e a propaganda mostra. Não dá a primeira para o santo. Não dá para ninguém. Nunca fomos tão individualistas, sem sentido de equipe. A pátria da chuteira preta era o contrário e o “sobrenatural de Almeida” do Nelson Rodrigues, que Deus nos tenha a todos, devia atirar um par delas - acordem, muquiranas! - no quengo desses Ronaldo’s de anteontem.
Que pesadelo!
Autoria: Joaquim Ferreira dos Santos (O Globo, 03/07/2006)
Postagem: José Nilton Mariano Saraiva
>
> --------------------------------------------------------------------------------

Desastre de um transgênico ou um crime ambiental? - por José do Vale Pinheiro Feitosa

O mundo, seja no reino mineral, animal ou vegetal, é um dispersor de diversidades. Especialmente nos reinos animal e vegetal. O papel do homo sapiens sobre a natureza é inquestionável pela global capacidade de modificação que teve e mantém. Uma das mais evidentes é a agricultura e a pecuária.

Ao se tornar sedentário, aquele homem de caça e colheita, foi de encontro à natureza: funcionou como um redutor de diversidades. A monocultura, como a soja, a cana, a laranja, a uva entre tantas, é o exemplo mais acabado e que se encontra na raiz da extinção de espécies e, portanto, da diversidade na terra.

Não é por acaso que os estudos se voltaram para um elo perdido da humanidade, para a pré-história, quando outros alimentos, mais ricos que os atuais, eram utilizados. Um caso clássico é o do Amaranto a grãos.

O Amaranto a grãos foi cultivado há cinco mil anos pelos povos primitivos do México, junto com a abóbora e a pimenta. Na cultura Asteca o Amaranto se destaca como uma grande fonte de nutrientes, de qualidade terapêutica e ritualística. Eram aproveitados os grãos até como farinha para diversos alimentos como os tamales e das folhas se faziam molhos deliciosos.

Como rito a farinha do Amaranto era oferecida no panteão dos deuses astecas e simultaneamente comidas pelos fiéis como se faz com o pão na comunhão com o cristo. Desta mesma farinha se fazia uma pasta com qual se elaboravam artesanatos para as crianças recém-nascidas, com motivos de flechas, arcos etc.

Segundo pesquisadores, o rito com o Amaranto e o abandono do seu cultivo decorreu da perseguição cristã e da imposição seletiva pelas escolhas dos conquistadores europeus. O Amaranto virou uma erva daninha da monocultura do século XX em todas as Américas, especialmente nas grandes extensões de soja.

Mais do que uma vingança vinda da pré-história o que passo a relatar é uma comprovação daquilo que a soberba e a ganância monopolista do capital faz. Falo da questão da agricultura e da criação de animais geneticamente modificados (TRANSGÊNICOS). Como sabemos objeto de grandes discussões científicas, por vezes até mesmo extremadas.

Qual o núcleo duro e racional da cautela com a manipulação e dispersão destes organismos geneticamente modificados? A primeira delas era o monopólio que as empresas de manipulação genética passariam a ter na produção dos alimentos da humanidade. Com isso tornando a iniciativa privada o cárcere dos países e dos povos. Tudo pelo lucro e a humanidade como suserana.

A segunda tinha por base a possível hibridização entre os seres geneticamente modificados e os demais. Em outras palavras, genes modificados poderiam migrar para outros seres vivos, inclusive de espécie diferente. Os grandes manipuladores negaram isso e “compraram consciências”, pois este era, inegavelmente, um fenômeno evidente na natureza: a transferência contínua de genes intra e entre espécies.

A terceira era a seleção natural. Desde muitos séculos (não apenas com Darwin que sistematizou o conceito) que se conhece o poder da seleção natural. Como também se conhece o poder ainda maior num território de monocultura, já que a seleção além de ocorrer velozmente, termina por ser substituída por uma ou poucas espécies.

Mesmo assim grandes Multinacionais como a MONSANTO, velha conhecida das lutas pelo Meio Ambiente, foi em frente e as plantas geneticamente modificadas se espalham pelo mundo todo. No Brasil a estratégia destas empresas foi corroendo por dentro das instituições e dos plantadores até que por força violenta do fato consumado, se estabeleceu.

Agora nos EUA se comprovou a migração de um gene da soja geneticamente modificada, chamada Roundup Ready para o Amaranto. Aquele mesmo que alimentava os Astecas e se tornaram a erva daninha incontrolável da cultura de soja. Como funciona a estratégia da Monsanto?

A Monsanto descobriu e produziu o Roundup, um herbicida que destrói qualquer erva daninha, inclusive a soja. É o que se chama um herbicida total. Num segundo passo a Monsanto manipula geneticamente a soja, introduzindo um gene que resiste ao Roundup. Um negócio das arábias: ganha no grão para plantio e torna cativo o plantador ao seu herbicida.

Aí aconteceu o que negavam, agora se pode afirmar e a Monsanto tem de responder por isso nos tribunais: houve hibridação entre a soja e o Amaranto. Agora só dar Amaranto, muito mais “competente” que a soja no processo de seleção natural. Os campos que antes eram de soja, agora são de Amaranto. Já se identificaram nos EUA cinco mil hectares e outros cinqüenta mil estão sob ameaça.

Tem uma saída. Sem a Monsanto por ganância, a civilização que renegou o Amaranto nos seus primórdios, agora o terá no prato. Modificado geneticamente, mas certamente livre do herbicida e da concorrência com outras espécies.

Por José do Vale Pinheiro Feitosa

Crato: Administração inicia recuperação da malha asfáltica urbana - Por: Wilson Bernardo


N
este exato momento, às 09:45, a prefeitura municipal e o prefeito Samuel Araripe dá início a recuperação da malha asfáltica das ruas do Crato, concretizando assim, o seu compromisso urbano para o bem-estar dos seus munícipes. Depois do longo inverno, fazia-se necessário a realização desta obra, revitalizando as expectativas de quem conhece o seu compromisso, bem como aos que sempre duvidam de uma gestão participativa e democrática, para o bem-estar principalmente dos bairros carentes e hoje acolhidos pela administração pública municipal.











Reportagem e fotografia:Wilson Bernardo

Notícias do Crato - Dia 27 de Junho de 2009


27-06-2009


Crato conclui mais duas Casas Abrigo


A Prefeitura Municipal do Crato, por meio da Secretaria de Ação Social, está concluindo mais duas Casas Abrigo no município, com a finalidade de abrigar, por período determinado, crianças e adolescentes vítimas de maus tratos. Segundo a Secretária de Ação Social, Liduína Andrade, essa é ima forma de garantir mais infra-estrutura de atendimento às crianças e adolescentes em situação de risco, propiciando mais proteção e segurança.

Continua vacinação contra a pólio nos postos de saúde do Crato

Continua sendo realizada em Crato, em todos os postos de saúde do município, a vacinação contra a poliomielite, que teve o seu dia “D”, no último sábado. Segundo a assessora técnica da Secretaria de Saúde do Município, Aline Franca, o trabalho das equipes de saúde foi exitoso e a população correspondeu ao chamado, com mais de 70% do cumprimento da meta de vacinação do município, até o momento. Devem ser vacinadas crianças de 0 a 5 anos. Ela reforça a importância dos pais que não levaram os seus filhos para vacinar, a oportunidade de manter as crianças imunes à paralisia infantil, coma primeira dose da vacina nas unidades de saúde.

Crato realiza a 3ª Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Será realizada na próxima segunda-feira, dia 29, 3ª Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, que este ano terá como tema central “Construindo Diretrizes de Políticas para o Plano Decenal”. O evento acontecerá realizado no Pólo de Atendimento Madre Feitosa, no Seminário, das 8 às 17 horas, e contará com diversas representações da sociedade e entidades com ações direcionadas às crianças e adolescentes do município. A Conferência é uma realização do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e Secretaria de Ação Social do Crato.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Governo Municipal do Crato
Fone/Fax - (88) 3521.7069
Mais informações:

http://www.crato.ce.gov.br
http://www.prefeituramunicipaldocrato.blogspot.com


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30