xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 23/04/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

23 abril 2009

O Eterno Culto ao Provincianismo Bairrista de Crato e Juazeiro

É preciso acabar com essa mentalidade bairrista e provinciana de um Crato separado de um contexto regional. É preciso parar de pensar como nossos bisavós, que tratavam Juazeiro como lixo. Hoje, 2009, lutamos pela criação da Zona Metropolitana do Cariri. O desenvolvimento das cidades buscando a sua vocação, mas pensando em projetos de cunho regional também. Afinal, somos um Só povo: A NAÇÃO CARIRI. Nem há mais distinção física, na verdade, porque as cidades estão ficando unidas. Uma ds maiores estultícies dos últimos tempos que eu vi foi um calendário distribuído pelo Prof. Jurandir Temóteo, um homem realmente provinciano, que edita a revista "A Província" que chegava ao cúmulo do bairrismo:

"Quem tem Juazeiro por perto, não dorme. Fica esperto."

Parece mesmo, como diz a musiquinha do Chico Buarque, que para essas pessoas, "O tempo passou na Janela e só Carolina não viu..."

Estamos noutra época, noutro tempo. Chega de atrasos e de mentes provincianas!

Dihelson Mendonça

Comissão do CUCA Cariri traça rumos para inauguração em maio

Comissão do CUCA Cariri traça rumos para inauguração em maio

A inauguração do Centro Universitário de Cultura e Arte - CUCA Cariri será nos dias 20 a 22 de maio e pretende movimentar diversas atividades nas universidades e faculdades da região. Dentre atividades previstas estão intervenções urbanas, oficinas, rodas de conversa, mesa-redonda, exibição de documentário e de peça teatral. Um dos objetivos é possibilitar um dialogo permanente com os mestres da cultura popular e as manifestações realizadas fora das instituições universitárias, num processo de interação artística e cultural. A comissão responsável pelo CUCA Cariri é composta por Alexandre Lucas, Bruna Gomes Dantas, Dayze Carla Vida da Silva, Fatinha Gomes, Jean Alex Alencar, Jéssica Bezerra, Lílian Carvalho, Rebecca Pinheiro Sidrim.
A Banda Sol na Macambira e Fatinha Gomes serão umas atrações musicais da inauguração do CUCA. O diretor estadual da UNE, Rudiney Sousa já confirmou presença no evento. É possível que representantes do Instituto CUCA estejam presente na região e produzam documentário para circular a nível nacional, através da TV CUCA e outras canais. No entanto, estão dependendo de viabilidade financeira.
Atualmente os Cucas estão espalhados em diversos estados brasileiros e no Ceará a região do Cariri será a primeira a implantar o CUCA. Podem participar das ações da organização universitários e não universitários, como os artistas, coletivos, grupos de teatro, dança e das manifestações populares, cineastas e poetas. Neste sentido, o CUCA Cariri é patrimônio do região, não pertencendo a nenhuma universidade ou sendo entidade de representação. O CUCA tem um caráter aberto a participação daqueles que queira desenvolver alguma atividade dentro ou fora das instituições universitárias. Para a Rebecca Sedrim, uma das responsáveis pela Comunicação do CUCA Cariri, é importante para a região união da cultura popular e a erudita, bem como a participação dos universitários e da comunidade. Ela enfatiza que isso propicia uma dialogo mais vivo com a cultura e a arte.
No caso de artistas, grupos ou universitários que deseje ofertar alguma oficina, performance, apresentação entrar em contato pelo email: cuca_cariri@hotmail.com


Serviço:
CUCA Cariri
Email: cuca_cariri@hotmail.com

Ascalon

Hoje é dia de São Jorge Guerreiro, amigos, um dos mais fortes santos da nossa mitologia. Reza a história, que tão facilmente se mescla com as lendas, que teria nascido na Capadócia, atualmente território da Turquia. Teria vindo ao mundo no final do segundo século depois de Cristo. Ainda menino, migraria para Palestina e aos 23 anos, já fazia parte da corte imperial romana, como tribuno militar. Poderia ter levado uma vida na maciota, não fosse sua sublevação contra o martírio dos cristãos em tempos de Diocleciano. Consta ter tornado públicas sua revolta contra a perseguição e, também, sua fé no cristianismo. Terminou torturado e degolado há exatos 1706 anos, na Ásia Menor em Nicomédia. Sua popularidade é impressionante, é patrono da Inglaterra, Portugal, Geórgia, Catalunha, Lituânia, de Moscou e extra-oficialmente da Cidade do Rio de Janeiro. As artes o imortalizaram nos pincéis de Rafael, Donatello, Martinelli.
Mas de onde teria saltado a imagem mítica que temos de São Jorge a combater implacavelmente o seu dragão ? É possível que tenha surgido da mitologia nórdica na figura de Sigurd , o caçador de dragões. O certo é que as baladas medievais cantavam as suas peripécias como filho do Lord Albert de Conventry e que sua mãe faleceu no seu nascimento tendo ele sido criado pela Dama do Bosque. Seu corpo possuía três marcas: um dragão em seu peito, uma jarreira em volta de uma das pernas e uma cruz vermelho-sangue em seu braço. Já rapazinho, viajando muitos meses por mar, chegou a uma cidade da Líbia onde encontrou um pobre eremita que lhe pôs a par do sofrimento da sua cidade. Ali existia um dragão feroz, de hálito venenoso e coberto de uma carapaça inexpugnável. Todo dia devorava uma donzela e, só assim, aplacava sua ferocidade. Agora só existia Sabra, a filha do rei que seria sacrificada no dia seguinte. O monarca prometera casamento a quem impedisse o sacrifício da princesa. Jorge enfrenta a fera e a mata com sua espada chamada Ascalon. O rei, no entanto, não queria ver sua filha casada com um cristão e o envia para Pérsia ordenando aos soldados que lá o matassem. Jorge, no entanto, se livra do perigo e leva a noiva para Inglaterra onde se casa e vive feliz para sempre. Existem várias versões da mesma história, sempre narrando os heróicos atos do nosso Jorge Guerreiro e da sua valentia frente às adversidades. O interessante é que a ligação íntima de São Jorge com a lua é eminentemente brasileira. A nossa fortíssima influência afro é responsável por isso. Na Bahia, nosso Jorge é associado sincreticamente a Oxossi, o orixá ligado diretamente ao nosso satélite natural.
As lendas mitológicas não são histórias de Trancoso ou da Carochinha. Elas têm profundas raízes fincadas no inconsciente coletivo. O dragão , certamente, representaria o poder diabólico, a idolatria destruída com as armas da fé. A donzela seria a imagem onírica da província que se viu livre da heresia.O interessante é que Papa Paulo VI rebaixou nosso São Jorge a um santo menor, de terceira categoria, com culto opcional apenas em calendários locais. A força mítica, no entanto, falou mais forte, em 2000, João Paulo II terminou reconduzindo nosso guerreiro a um patamar de primeira instância, na hierarquia católica.
A história do nosso guerreiro nos dá margem para algumas reflexões. No fundo, a história narrada oficialmente está sempre embebida de lendas e mitos. Quanto mais o realismo se untar das fontes do fantástico mais perenes se tornarão seus relatos. A ficção é sempre mais palatável e digerível que a realidade nua e crua. O que adoramos em São Jorge não é sua valentia, sua santidade , mas a figura mágica que brota do meio de todas as lendas. O segundo ponto é que as figuras míticas sobreovam todos os livros sagrados; elas não pertencem a uma religião específica, mas se imiscuem em muitas crenças: apenas mudam um pouquinho o nome, as nuances. O mito, por outro lado, é indestrutível pelas armas convencionais; se os enfrentamos ferozmente ou os apoiamos eles crescem com a mesmíssima força. Não terá sido exatemente isso que aconteceu aqui pertinho com o Padre Cícero ? Perseguido, excomungado, de nada adiantou. Tornou-se santo pelas mãos míticas do seu povo. Tentar reabilitá-lo é apenas um mero artifício burocrático. O povo é que empunha a Ascalon , é ele que destrói seus dragões e salva suas Sabras. Às vezes, no entanto, é difícil perceber de onde rescende o hálito venenoso da fera .


J. Flávio Vieira

O Crato precisa mesmo é de Moralização !

O Crato tem se configurado nos últimos tempos como uma verdadeira cidade-sem-lei. Uma cidade aonde o cidadão comum, aquele que paga impostos, que trabalha, que deseja o progresso é desrespeitado e aviltado em sua própria terra. Uma cidade aonde as pessoas de bem são atormentadas por automóveis de particulares que trafegam tocando som muito alto para quem nem deseja escutar. Uma cidade de total permissividade, aonde qualquer João Ninguém arma uma barraca na praça principal e vai permanecendo, vai ficando ali sem a menor punição das autoridades, dando a impressão de que o Crato é mesmo uma terra de homens sem leis e sem ideais. Uma cidade em que o pedestre precisa sair das calçadas e ir para as ruas, correndo o risco de ser atropelado, porque as calçadas estão sempre cheias de camelôs, que nada mais são do que infratores disfarçados de verdureiros, vendedores de roupas, topiqueiros e mototaxistas que não respeitam qualquer forma de lei.

E aqui chegamos a uma conclusão importante: De que se quisermos realmente que o Crato possa sair desse atoleiro de desorganização urbana em que se encontra nos últimos tempos, a Sociedade e a Administração Municipal precisam cada um fazer a sua parte. Reconhecemos que se o Sr. Prefeito Municipal quiser mudar essa "paisagem" de impunidade que se configura nas ruas, para o benefício de toda uma população que espera providências, terá de agir de forma enérgica e criar um plano concreto que contemple diversas atividades, como a REMOÇÃO imediata de todos os camelôs das praças públicas e levá-los a locais mais apropriados aonde possam continuar a exercer o seu comércio. E nesse sentido, um dado importante é preciso que a sociedade pare de tratar os ambulantes como coitadinhos, pois muitos deles já estão com sua terceira barraca nas ruas, construindo uma verdadeira Rede de comércio, e contrariando os próprios colegas de profissão que vendem dentro dos mercados fechados.

Para moralizar o Crato, meus amigos, seria preciso que o Demutran, como órgão regulador do trânsito também agisse em ressonância de propósitos, e procurasse mapear os locais mais apropriados ao transporte alternativo do Crato, bem como verificar as condições de segurança dos veículos. Pois afinal de contas, povo não é gado, exige-se respeito à pessoa humana e ao transporte coletivo. Ordenar o trânsito caótico do Crato precisa ser prioridade em qualquer administração.

O Crato já perdeu tempo demais! É tempo de se tomar medidas enérgicas, de moralização de verdade, de medidas austeras, pois o Crato precisa estar acima dos interesses de alguns e funcionar em benefício de todos. O Crato é uma cidade que precisa voltar a ser uma cidade bela, limpa, com crescimento ordenado, com melhores condições de moradia e de bem-estar para toda a sua população. E para isso, não vai ser somente com as conversas amenas com os verdureiros que tomam conta da Rua Bárbara de Alencar, nem com os malfeitores que fazem "gatos" de energia da COELCE na Praça da Sé... É preciso planos mais concretos, com energia, com garra e com muita seriedade! A população do Crato já não aguenta mais ver tanta coisa errada nessa cidade.

Portanto, Se a Sociedade quiser mesmo resolver o problema urbano do Crato, a administração Samuel Araripe precisa encarar esse problema de frente. Precisa montar uma estrutura real de limpeza. Uma limpeza em todos os sentidos. Que remova aos locais corretos os camelôs, bem como os topiqueiros e também regularize os mototaxistas. Somente pensando no restante da população e numa cidade organizada e alinhada com os padrões de civilidade que todos merecem, é que poderemos pensar em dias melhores. E para isso, certamente que é necessário todo o apoio da Sociedade Cratense. Somente com o apoio do povo soberano, aquele que já está cansado de tanta desorganização, será possível um dia que os administradores possam mudar o perfil do Crato, visando um futuro melhor, de bem-estar e certamente, de dias melhores para toda a nossa população.


No crato é assim, vai chegando e vai ficando, sem nenhuma Lei ou Autoridade...camelôs empestiam a Praça da Sé !

Dsc_2910

O que é isso aí embaixo ? GATO na Praça da Sé ?

Dsc_2915


Dsc_2912

Hummmmmmmm....

Dsc_2900

Uma Praça é para o Povo de uma cidade, não para Barraqueiros !

Dsc_2889


Fotos: Wilson Bernardo.
Texto: Dihelson Mendonça


Os três bois e o leão Por: Pedro Esmeraldo

Esta fábula é do grego Esopo e vou narrá-la para comparar com o comportamento de alguns políticos cratenses.
Três bois muito ligados dividiam tudo entre si: um dia, um leão não podendo saciá-los, devido a sua união convenceu-os a pastarem separadamente.
Pensando bem em decifrar o efeito moral desta fábula, nota-se que pessoa alguma pode conseguir bom desempenho em seu trabalho, sozinho, no meio dos inimigos. Se quiser viver tranqüilo é preciso afastar-se destes algozes e confiar mais nos amigos.
Partindo para um raciocínio digno lembro que a maioria dos políticos cratenses deixam de conviver com os amigos a fim a apoiar integralmente aos inimigos que vêm de fora. Privam o Crato de grandes melhoramentos, a não ser conseguir migalhas e facilmente entregar o ouro aos bandidos. Deixam de lado os amigos sinceros para contemplar o desrespeito e o desmerecimento causando prejuízo ao progresso dessa cidade. Por isso, Crato está se esvaziando e ninguém toma atitudes para evitar esses abusos artimanhosos de seus algozes, afastam o Crato do caminho do progresso acelerado.
Os homens de bem ficam alheios a essas mazelas e não abarcam a causa da justiça e do respeito para com o povo. Ultimamente, o Crato sofre desesperadamente devido o esquecimento e abandono das autoridades da esfera estadual. Nada trazem para cá. Isto considero um desaforo para os filhos amantes desta terra, pois são obrigados a gritarem sozinhos para ver se ao menos amenize o controle do desenvolvimento desta cidade.
Falam do Plano de Aceleração e Crescimento, mas não chega para o Crato.
Dizem que há projetos elaborados pela prefeitura mas só ficam no papel, projetos esses que datam de muito tempo. Apesar de tanta falação, não dão inicio as obras. É o caso da Escola de Agronomia e do Centro de Convenções. Falam, falam, mas cai no esquecimento.
Não se deve esquecer o esvaziamento desta cidade. Já levaram daqui várias instituições estaduais e federais consderando esta terra como sendo terra de ninguém. O que mais aflige é que os políticos não lutam, quedam-se na resignação, não reagem, dizem sempre amém.
Convém citar que os astuciosos e invejosos não deixam vir nada para o Crato. Tudo que vem é arrematado pelos pilantras do engodo.
Não deixam mais o Crato caminhar firmemente. É como se o nome do Crato fosse riscado do mapa. Toda a população tem desgosto desses políticos acomodados que acolhem mansamente as artimanhas para não vir nada para o Crato, a não ser migalhas, dizendo que sendo bom para lá é bom para o Cariri.
Esta conversa falaciosa deixa todo mundo revoltado e indignado. Agora, estão falando em zona metropolitana que seria um contra senso deixar o Crato de lado da zona de apoio, já que esta cidade foi o centro de desenvolvimento cultural, agrícola e política de todo o sul do estado. Lembro ainda, há mais ou menos dois anos, Crato perdeu o Centro Universitário que aqui seria localizado, patrocinado pela UFC. Devido às artimanhas políticas, Crato perdeu esse desenvolvimento educativo. Isto provocou reação de muitos cratenses, através de luta titânica patrocinado pelo Instituto Cultural do Cariri – ICC. Mesmo assim, estão fazendo vista grossa para que venha se estabelecer aqui a Faculdade de Agronomia como fora prometido.
Dizem com muito respeito, que os políticos desta terra não andam caminhando com firmeza e ficam atoleimados diante das palavras indecorosas desses algozes que só vêm aqui atrapalhar e confiscar todo o melhoramento da cidade.
Confirmo que o Crato é uma janela aberta para conectar as cidades vizinhas deste e de outros estados. Não conseguem satisfazer o desejo dessa população que é o de tornar esta cidade no maior Centro Universitário do interior do nordeste.
Recordem-se, ainda, que alguns políticos praticam o clientelismo fisiológico e procuram sanar os problemas com dificuldade, já que o dinheiro é pouco para a prática e bom desempenho administrativo.
Quero agradecer as palavras elogiosas dirigidas a minha pessoa pelo escritor cratense radicado em Fortaleza, filho do particular amigo, ex-vereador Pedro Saraiva de Macedo.
Muito obrigado senhor Zé Nilton, mas continuarei lutando por esta terra até o fim.

Crato, 16 de Abril de 2009.

PEDRO ESMERALDO

Viagens dos parlamentares “CEARENSES” ao exterior (com o nosso dinheirinho suado) - Por: José Nilton Mariano Saraiva

Como alguns - certamente que confiantes na eterna memória curta do nosso povo - já começaram com as desculpas fuleiras de que não viajaram, não autorizaram tais viagens e sequer (acreditem, é vero) conhecem os que delas se beneficiaram; como por parte de outros já proliferam os desmentidos vazios e insustentáveis, querendo nos fazer de otários ao cubo; como mais alguns optaram pela atribuição de culpa a assessores (obrigados a admitir, sob pena da perda do emprego) e – pasmem - até houve quem fizesse um ridículo pedido de que tenhamos respeito à mãezinha querida que precisava viajar de férias, tudo isso visando ocultar ou, pura e simplesmente, desprezar a ética, o respeito e a dignidade, veja aí abaixo os nomes, número de viagens e respectivos destinos dos nossos “moralistas, sérios, íntegros e esforçados” representantes em Brasília (observem que aqui não tem essa de candidatos de esquerda, de direita ou do centro). Tá todo mundo no mesmo barco e tem que ser denunciado, sim.

-Léo Alcântara: 35 viagens - Miami, Nova Iorque, Paris
-Marcelo Teixeira: 35 viagens - Santiago, Paris, Miami e Nova Iorque
-Anibal Gomes: 24 viagens - Paris, Londres, Roma, Milão
-Eugenio Rabelo: 24 viagens - Buenos Aires, Madri, Paris e Londres
-Paulo Henrique Lustosa: 24 viagens - Madri, Paris, Nova Iorque e Buenos Aires
-Eunício Oliveira: 10 viagens - Nova Iorque, Miami e Buenos Aires
-Zé Gerardo: 08 viagens - Miami
-Gorete Pereira: 07 viagens - Buenos Aires, Nova Iorque e Miami
-Arnon Bezerra: 06 viagens - Milão e Buenos Aires
-Ciro Gomes: 04 viagens - Nova Iorque
-José Airton Cirilo: 04 viagens - Miami
-Ariosto Holanda: 01 viagem - Paris

Fonte: www.congressoemfoco.com.br - Postagem: José Nilton Mariano Saraiva

Um novo símbolo soviético: o canivete e o martelo - Por José do Vale Pinheiro Feitosa

O mundo é um todo sem guarda e que só funciona como um organismo quando interessa aos homens. De outro modo, quando afeta seus interesses, é um pai padrasto, um furibundo deus do olimpo. E víamos nós por auto-estradas de várias pistas em cada sentido, atravessando centenas de quilômetros de canaviais e laranjais. Cidades nucleadas no meio de plantações como miniaturas de megalópoles: um paliteiro de edifícios. Carros e carros, caminhões transportando o consumo, fábrica produzindo, e quase nenhuma pessoa no horizonte ondulado da paisagem. Estamos indo por aí: Araraquara, Ibaté. São Carlos, ao largo da serra de Itirapina, Rio Claro, Cordeirópolis, Sumaré, Hortolândia e finalmente o aeroporto de Viracopos.

Um vôo da Gol Companhias Aérea, como muitos imaginam um rabicho dos ônibus urbanos de Nenê Constantino. E um nome de imperador guarda muitas adagas voadoras aos seus consumidores. Como aquelas sucatas montadas em carrocerias de caminhões rua acima e rua abaixo, carregando gente como tapurus numa ferida animal. E outro fato que se espelha igualmente no nonsense das regras aeroportuárias. Regras de detalhes, chafurdando no meio da missa, sem que o crente comungue com o corpo do cristo. A verdade é que para os dois amigos a Gol e a Infraero são peças da mesma tragicomédia.

Juro. Meu amigo tinha 15 anos quando foi ao checking da Gol, mas ao embarcar já estava de cabelos grisalhos, se tivesse que se referir aos tempos de brincadeira, teria brincado com a bisavó de alguém. Um vôo marcado para as 19:20 horas, o passageiro tem que chegar às 18:20 horas, mas só embarque às 10:40 horas, ao invés de chegar ao destino às 20:20 horas, chega às 23:30 horas. Comida? Trata-se da concorrência entre voadoras por sobre os estômagos dos seus passageiros (algo como a frase de Napoleão sobre os estômagos dos exércitos). Uma coca-cola choca, quando a aeronave já chacoalhava para descer, com um biscoito quebra-dentes. Bem que disse o meu amigo: só poderia ser um empresário da terra de Tiradentes.

E tem a enorme coerência da Infraero, ou outra coisa qualquer que põe uma dúzia de homens e mulheres, como pose de polícia federal, tudo em volta de uma máquina de Raios-X. Vem o meu amigo com um casaco, um pacote envolto em plástico não transparente e uma maleta de mão. Passa o casaco tudo Ok! O pacote também! Mas a maleta é feita prisioneira. Suspeita de terrorismo em última escala, algo fenomenal a acontecer sobre os céus de Campinas. O meu amigo é obrigado a abrir a mala, vasculhá-la de ponta cabeça e quem lá se encontra? O objeto do terror: um canivete que ele carrega para resolver problemas de um órtese que usa. Argumenta: eu venho com esta mala do Rio. Passou no Rio. O homem da Infraero, em sua pose de superioridade paulistana diz: foi erro lá no Rio. E lá vai o meu amigo de volta ao checking, na sigla de objeto retido, envelopar, preencher um formulário e um lacrar o objeto na retenção da aeronave até que no Rio numa complexa operação de segurança, lhe seja restituído o referido retido.

Volta e me encontro com a mala dele, o pacote e o casaco. Ele senta-se com seu ar bonachão e confessa o crime: retiveram meu canivete e deixaram, neste pacote, um robusto martelo de amolecer bife. Conjecturas? No pacote seguia uma lingüiça, fora o símbolo fálico que desviara a atenção da equipe em detrimento de um martelo? Havia nele três fartos pés de Almeirão Paulista junto com frigideiras e panelas no pacote existente. Teria aquilo confundido autoridades com o doce lar de suas fantasias e entre folhas e panelas recordaram-se da domingueira nona italiana, deixando escorregar pelos seus olhos aquela arma da amassar juízos? E a frigideira? Não poderia meu amigo, homem perigosíssimo, sair de avião afora fritando o quengo dos demais, até alcançar a cabine de comando e então ter seqüestrado o avião, até que lhe devolvessem o canivete?

Diante do nonense total só bastaria o avião ter escalas: primeiro na minha cama e depois na dele, já que a viagem fora vaudeville completo. E dia fora repuxado por tantos atrasos.


Por José do Vale Pinheiro Feitosa

PERGUNTA SEM RESPOSTA.

Venho acompanhando como todos que aqui no Crato vivem, essa operação de poluição sonora e visual, até ai vinha acho lindo o trabalho , pois estava dentro de uma lógica , não feria a democracia e muito menos ela era para uns e não para outros.
Só que meus prezados senhores e senhoras, ela é sim uma LEI DE DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS!!
Pasmem que ela não tem valor sobre a igreja católica , ela apenas serve para comerciantes que tem estabelecimentos no entorno da praça da Sé, que pagam seus alvarás , seus impostos e geram trabalho e economia para cidade.
Não que eu seja contra a igreja católica, mas acho um tremendo desrespeito a todos aqueles que não são seguidores desssa religião, PASSSAREM "O DIA OUVINDO CANTICOS RELIGIOSOS" também acho uma contradição , já que o orgão da SEMACE vem fazendo uma verdadeira caças as bruxas, se agarrando nessa lei , mas a lei é clara a igrja tem dirieto de fazer eventos reliosos, e não passar o dia veiculando missas e canticos.


sim a pergunta quer não quer calar:

Porque os bares e lanchonetes estão proibidos de emitir qualquer som e a Missão Resgate, que realiza seus eventos semanais, praticamente nas barbas da maternidade e hospital São Francisco, tem autorização para ser realizada?

Por que sou obrigada a ouvir missase canticos reliosos, contrariando a constituição, onde todas as religiões devem ser respeitada, todos os dias oriunda da Igreja da Sé em máximo volume?

Cadê a lei sendo aplicada???

Cadê a tal zona de silêncio??

E ainda e triste ver que estamos na idade média onde a Igreja tudo é permitido, pois na Lei em que a SEMACE , se segura está claro, bem claro, que só é permitido festas de cunho religioso, ou seja, missas em toda altura e missão reasgate devem ser proibidas??

Quero deixar claro , mais uma vez, bem claro , que não sou contra a igreja , mas fico estarrecida e com a falta de lógica deste orgão que nos quer impor uma Lei onde , alguns são beneficiados, claramente nos mostrando que os abusos so são permitidos pela Igreja, mas por aqulees que estão gerando economia, emprego, cultura não.

SEMACE responda por favor:

ESSA LEI É DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS ?

Se não for por favor acabe com a farra do boi, e hoje mesmo notifique aos fiéis que acabou missa em toda altura, que não haverá mais ,Missão Resgate, pois, a lei deverá ser aplicada a todos não podemos ser discriminatorios, correto?

Afinal a lei Municpal e estadual a que tanto vocês se apegam e bem clara.

E por favor torne público o mapa da area de zona de silêncio.

Explique aos artistas que mesmo dentro do horário de 07 as 22 eles não poderão se apresentar, e nenhum bar , lanchonete , poderá dentro desse horário uso de som ambiente.

Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31