xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 12/04/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

12 abril 2009

Oração de Páscoa - Por: Mônica Araripe


Páscoa significa renascimento, renascer. Desejo que neste dia, em que nós cristãos,comemoramos o seu renascimento para a vida eterna,possamos renascer também em nossos corações.Que neste momento tão especial de reflexãopossamos lembrar daqueles que estão aflitos e sem esperanças.Possamos fazer uma prece por aqueles que já não o fazem mais,porque perderam a fé em um novo recomeçar,pois esqueceram que a vida é um eterno ressurgir.Não nos deixe esquecerque mesmo nos momentos mais difíceis do nosso caminho,tú estás conosco em nossos corações,porque mesmo que já tenhamos esquecido de ti,você jamais o faz.Pois, padeceste o martírio da cruz em nome do Paie pela humanidade,que muitas e muitas vezes esquece disso.Esquecem de ti e do teu sacrificioQuando agridem seu irmão,Quando ignoram aqueles que passam fome,Quando ignoram os que sofrem a dor da perda e da separação,Quando usam a força do poder para dominar e maltratar o próximo,Quando não lembram que uma palavra de carinho, um sorriso,um afago, um gesto podem fazer o mundo melhor.Jesus...Conceda-me a graça de ser menos egoísta,e mais solidário para com aqueles que precisam.Que jamais esqueça de ti e de que sempre estarás comigonão importa quão difícil seja meu caminhar.Obrigado Senhor,Pelo muito que tenho e pelo pouco que possa vir a ter.Por minha vida e por minha alma imortal.Obrigado Senhor! Amém.

FELIZ PÁSCOA!!!

Texto enviado por: Mônica Araripe

Cópia, Xerox ... - Por: José Nilton Mariano Saraiva

É incrível a semelhança dos procedimentos entre a Editora Andross (anunciada hoje aqui no blog) e a Shogun Editora e Artes Ltda, de propriedade do então ainda pobre (e hoje famoso) escritor Paulo Coelho (lá nos anos 80).
*****************************************
Na recém-lançada biografia O MAGO, de Fernando Morais, sobre o Paulo Coelho, temos que:
“Os números que haviam alavancado a Shogun Editora não eram decorrentes de obras de nenhum famoso. Ao contrário, o ouro vinha de centenas, de milhares de poetas anônimos e dispersos por todo o Brasil, os quais, como acontecera com o dono da Shogun (Paulo Coelho) durante tantos anos, sonhavam em poder um dia ter nas mãos um livro com seus versos impressos em letra de forma. O regulamento era simples: podiam se inscrever “autores amadores ou profissionais, publicados ou não, sem qualquer limite de idade, desde que em língua portuguesa” Os selecionados recebiam um contrato pelo qual se comprometiam a pagar 380 mil cruzeiros (trezentos reais em 2008), referentes à compra antecipada de um pacote de dez exemplares – quem quisesse receber vinte livros pagaria 760 mil cruzeiros (seiscentos reais em 2008). Para os editores tratava-se de um empreendimento de risco zero, pois a obra só era impressa depois que as quatro parcelas tivessem sido saldadas pelo autores. Cada um destes faria jus, além dos livros adquiridos, a um diploma emitido pela Shogun, assinado por Chris (mulher de Coelho), e a um bilhete manuscrito do próprio Paulo Coelho, incentivando-o. Aquilo que à primeira vista parecia uma ação entre amigos revelou-se um grande negócio. Ao postar o último pacote de livros no correio, a caixa da Shogun tinha registrado a entrada de quarenta milhões de cruzeiros – equivalentes em 2008 a 320 mil reais. Organizando quatro antologias anuais, como vinha fazendo, a Shogun faturava por ano algo em torno de 160 milhões de cruzeiros, equivalentes em 2008 a 1,2 milhão de reais”.
*****************************************
Vamos, agora, ao regulamento da Editora Andross (veiculada abaixo)
“Preciso pagar para me inscrever?
Não. O envio de obras é gratuito, bem como a publicação, caso ela seja aprovada. O autor não precisará pagar nada. Contudo, a confecção dos livros, diagramação do conteúdo, desenvolvimento de capa, os profissionais de análise e revisão, as taxas de registro de ISBN e ficha catalográfica geram custo. Para que este custo seja pago, a editora desenvolveu um programa onde cada autor se compromete a vender 20 (vinte) exemplares do volume (a R$ 19,00 cada) em um período de 30 dias, após a data de lançamento do livro. A conta é simples: 50 (cinqüenta) autores vendendo 20 (vinte) exemplares cada um. Serão 1000 (mil) livros vendidos em 30 dias. Compensa para a editora, uma vez que os livros não ficarão nos depósitos das livrarias do país sem previsão de venda, e também compensa para o autor, já que ele terá a certeza de que sua obra, em menos de um mês, será lida por quase mil pessoas”.
*********************************************
Vejam a esperteza: ninguém era (àquela época) obrigado a pagar à Shogun nada para publicar suas obras, assim como também não o é agora à Andross. A obrigação de cada um era, e é, somente adquirir um certo número de exemplares (10, 20) por um valor pré-estipulado, que, multiplicado por “N” autores, permitiu e permitirá aos espertos propriedades das respectivas Editoras trabalhar com custo zero e à perspectiva real de faturar milhões.
*********************************************
E aí, Dihelson, ao invés de ficar literalmente mendigando doações e patrocínios para manter o blog, não seria melhor montar uma "editorazinha" de fundo de quintal ??? O Kaika Luiz, que postou a matéria, certamente não se furtará de mostrar-lhe o caminho das pedras !!!
Autoria e postagem: José Nilton Mariano Saraiva

ANDROSS EDITORA RECEBE MICROCONTOS PARA NOVA ANTOLOGIA - Por: Kaika Luiz

A Andross Editora está recebendo, até dia 31 de maio, microcontos de novos autores para a antologia Histórias Liliputianas – Antologia de Microcontos.
Microcontos são histórias de sentido completo com, no máximo, 600 caracteres incluindo os espaços, mas não o título. Veja dois exemplos:

DEVER CUMPRIDO! (Edson Rossatto)
Tomou o ônibus e sentou-se à janela. Ficou a observar as pessoas nas ruas daquela cidade americana. Chegou em casa, brincou com os filhos, jantou e foi ver tevê.
- Como foi seu dia?
Sorriu.
- Nenhuma novidade!
Voltou a assistir ao programa, sem nenhuma lembrança do cheiro de queimado insuportável da eletrocussão realizada por ele nos porões daquele presídio.

COMPROMISSO (Edson Rossatto)
Quadris em vai-e-vem, urros, suor, lençóis amarrotados. Aquela havia sido a melhor transa de ambos. Só não continuaram porque ele precisava rezar a missa das oito.


Autores com obras já publicadas também podem participar. O regulamento e as instruções para envio dos textos estão disponíveis no website da editora: www.andross.com.br. O lançamento de Histórias Liliputianas – Antologia de Microcontos está previsto para setembro.

SOBRE A ANDROSS:
Com cinco anos de mercado e 34 títulos publicados, a Andross Editora nasceu no campus da Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo, para abrir espaço aos alunos que não tinham condições de publicar seus primeiros textos. Iniciou as atividades com obras acadêmicas, cresceu e se manteve graças a um modelo de negócio diferenciado: a publicação de antologias.
Por este sistema, a editora já publicou mais de 790 autores, de 13 a 68 anos, do ensino médio ao doutorado, amadores e profissionais. Alguns dos que estrearam nas antologias da Andross hoje têm obras publicadas individualmente por outras editoras.


Mais informações para a imprensa:

ANDROSS EDITORA
EDSON ROSSATTO
11 2943-7687 - 11 8217-6191
edson@andross.com.br
MSN: edsonrossatto@hotmail.com
Skype: Andross - www.andross.com.br
http://edsonrossatto.blogspot.com/

Abril de 2009

Postado por: Kaika Luiz

Uma Justa Homenagem - Antonio Vicelmo faz reportagem sobre o Jornalismo no Cariri


JORNALISMO NO CARIRI - Idealistas são memória viva

Oswaldo Alves de Souza é escritor e já foi editor de revistas e jornais (Foto: Antônio Vicelmo). João Lindemberg de Aquino também é escritor e foi colunista social da região. Oswaldo Alves e João Lindemberg são referência na preservação da memória do Cariri por meio de jornais e revistas. Crato. A história de uma cidade não é conhecida somente em sala de aula ou por livros. Pode-se aprender muito sobre um determinado lugar também pelas notícias jornalísticas. E, na região do Cariri, quem contribuiu para isso foram os idealistas que editaram jornais e revistas: o funcionário público aposentado Oswaldo Alves de Souza, 80 anos, e o escritor João Lindemberg de Aquino, 73 anos, autor dos livros “Roteiro Biográfico das Ruas do Crato”, “Padre Ibiapina”, revista Itaytera e cerca de dez jornais. Mesmo com a saúde comprometida, Oswaldo pensa em publicar um livro com suas principais reportagens. Ao longo de sua vida, como editor de jornais e revistas, ele escreveu a história do Nordeste. Resgatou valores humanos que foram apagados pela poeira do tempo. De máquina fotográfica em punho e a sensibilidade jornalística a flor da pele, Oswaldo se embrenhou na Caatinga, nas pegadas de Lampião, a procura dos remanescentes do Cangaço. Com o mesmo entusiasmo, entrevistou o inesquecível Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.

Testemunha

( Na foto: J. Lindemberg de Aquino ). Ele acompanhou de perto, como testemunha da história, os principais acontecimentos políticos, administrativos e sociais que marcaram a evolução do Cariri. Percorreu “meio mundo” a procura de fatos pitorescos, tipos populares, crendices, lendas, mitologias que, na verdade, formam a identidade regional. Já o escritor João Lindemberg levou uma vida dedicada a apaixonante profissão de jornalista, escrevendo, no dia-a-dia, a história de sua cidade e de sua região, numa época em que o jornalismo era exercido muito mais por amor. Era o jornalismo social, praticado com isenção e baseado na formação de uma opinião pública intelectual, culta, responsável. Durante anos, publicou a revista Itaytera, órgão do Instituto Cultural do Cariri que circulou, pela última vez, em 2000. O médico e historiador Napoleão Tavares Neves lembra que o jornalismo do passado baseava-se, assim como hoje, em premissas como: dignidade, honestidade, ética, responsabilidade e comprometimento com a realidade dos fatos. O colunista social famoso, que cobriu os principais acontecimentos sociais da região, não utilizou o prestígio para a promoção pessoal. Lindemberg vive hoje exclusivamente de um emprego municipal que lhe foi oferecido pelo prefeito Samuel Araripe. Aposentado, sem condições físicas de fazer longas caminhadas no faro da notícia, Oswaldo Alves, agora “oitentão” e com a saúde comprometida, passa a maior parte do tempo relendo os seus arquivos, enquanto Lindemberg, que já foi o mais requisitado colunista social do Cariri, vive recolhido em sua casa.

Para o médico e escritor José Flávio Vieira, o grande desafio do momento é resgatar valores esquecidos. Como compreensão, fraternidade, gratidão, generosidade, alegria, flexibilidade, honestidade, paz, integridade, responsabilidade, parceria. “Estas virtudes estão sendo restauradas na história daqueles que testemunharam e viveram os principais acontecimentos da região”.

“Relendo as revistas ‘Região’ e ‘Itaytera’, editadas por Osvaldo e Lindemberg, revejo pelo retrovisor do tempo as dificuldades da época”, diz Zé Flávio, complementando que “as imagens mostram também o escritor arguto, perspicaz. Com certeza, serve de espelho para as novas gerações”.

Mais informações:
Oswaldo Alves de Souza
Avenida Duque de Caxias, 623
(88) 3523.4369
João Lindemberg de Aquino
(88) 3523.3108

ANTÔNIO VICELMO
Repórter

Fonte: Jornal Diário do Nordeste

Blog Humor - Brasil responde a Lula - "O CARA" - Caetano Veloso

José Genuíno

Marcos Valério

Deputado José Guimarães

Delúbio

E aí, o "Grande" Zé Dirceu, olha só... ESSE É "O CARA"



ESSE CARA - Caetano Veloso

Ah, que esse cara tem me consumido
A mim e a tudo que eu quis

Com seus olhinhos infantis
Como os olhos de um bandido
Ele está na minha vida porque quer

Eu estou pra o que der e vier
Ele chega ao anoitecer
Quando vem a madrugada, ele some
Ele é quem quer
Ele é o homem
Eu sou apenas uma mulher...


Brasil, um país onde se safam todos...onde tudo acaba em Pizza!

Crônica - G20 no século XXI - Por: Cory Matos

Realizou-se há poucos dias a reunião dos países ricos ao lado de alguns ditos emergentes, com a missão de encontrar caminhos para atenuar mais uma crise do mundo capitalista. O seleto grupo de países ricos costumava tomar suas decisões num grupinho menor chamado G8, mas como eles são bonzinhos permitiram a presença de mais chefes de estados nas tomadas de decisões, afinal de contas é mais democrático e o momento é deveras delicado para tão poucos decidirem como salvar o capitalismo.

O Brasil esteve em destaque com a presença do nordestino tornando-se "O cara", pelas palavras de Barak Obama, presidente dos EUA. Indagamos se a expressão representa ironia ou elogio pela liderança que Lula vem conquistando na América Latina e reconhecimento por uma política exterior sem pires nas mãos como ocorria em outros momentos, o desenrolar das discussões internacionais certamente nos mostrará. As boas intenções ficaram expostas sob luzes e cores, garfes e sorrisos que pontuaram o evento. E o que restou de tudo foi crédito para socorrer a crise financeira internacional e uma certeza: o capitalismo permanecerá vivo, convalescerá, pois os neoliberais de plantão insistem que não há alternativa. Reflito: se estivéssemos num momento de opulência e crescimento contínuo das economias desenvolvidas haveria tantos chefes de estados debatendo a crise mundial ou o "G" estaria anteposto a um numeral bem mais modesto? Afinal os branquinhos de olhos azuis causaram a crise com uma política de privilégio a especulação financeira e protecionismo crescente, mas todas as nações estão sendo afetadas, umas mais outras menos, de acordo com a dependência externa das economias que estão no epicentro da crise.

Cory Matos Economiário Licenciado em Matemática Pós-Graduando em Docência do Ensino Superior

Oh Notícia Boa : CCJ aprova parecer que impede parlamentares de terem rádio e TV


Um parecer do senador Pedro Simon (PMDB-RS) pode tornar inviável a renovação de concessões de rádios e TVs cujos proprietários sejam parlamentares. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou na última terça-feira (07/04) o parecer, que vai a plenário e já começa a provocar polêmica, visto que são quase 50 deputados e mais de 20 senadores com vínculo com veículos de Comunicação.

Segundo a Constituição brasileira, “deputados e senadores não poderão, desde a posse, ser proprietários, controladores ou diretores de empresa que goze de favor decorrente de contato com pessoa jurídica de direito público, ou nela exercer função remunerada”. O texto de Simon determina que uma concessão não seja renovada caso a emissora de rádio ou TV tenha entre seus proprietários um parlamentar.

A reação foi imediata. O senador Antonio Carlos Magalhães Júnior (DEM-BA), sócio há mais de 20 anos da TV Bahia, afiliada da Rede Globo, avisou que vai levar o assunto para a Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT).

Se referendada pelo Senado, haverá recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF). “Essa interpretação dada ao texto constitucional é totalmente equivocada. Hoje há uma proibição de que parlamentares com mandato sejam gestores de empresas de comunicação, não proprietários”. Ele lembrou que é sócio da uma emissora e avisou que não vai vender sua participação para ser senador.

“O que aconteceu na CCJ na terça-feira foi um absurdo”, insistiu ele.

“Nem eu, que sou vice-presidente da comissão, sabia que esse assunto estava na pauta”, queixou-se o senador Wellington Salgado (PMDB-MG), proprietário de uma rede de TV no Triângulo Mineiro, retransmissora do SBT.

Salgado contestou a interpretação de Simon e disse que uma consulta já feita ao STF assegura que parlamentares só não podem ser gestores em empresas de comunicação. “Mas posso ser acionista”, disse.

CCT pede mais informações sobre concessões de rádio e TV
O senador Lobão Filho (PMDB-MA) apresentou requerimento, aprovado pelos colegas da Comissão de Ciência e Tecnologia nesta quarta-feira (08/04), para ouvir o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações, Ronaldo Sardemberg, sobre as normas de conduta usadas para fiscalizar os serviços de radiodifusão do País. Ele se mostrou preocupado com o número cada vez maior de pedidos de autorização para funcionamento de emissoras de rádio, comunitárias ou de frequência modulada, que chega até a comissão.

Lobão Filho lembrou que cabe à Anatel fiscalizar as atividades dessas emissoras para garantir sua legitimidade.

Com informações do jornal O Globo.

Fonte: http://www.comunique-se.com.br

Nota do Blog do Crato:
Com essa notícia, resta ver aonde os parlamentares irão arrumar tanto testa-de-ferro para colocar à frente das suas novas estações...


Dez Coisas que Levei Anos Para Aprender - Por: Carmen Lúcia Andrade


1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.

2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.

3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.

4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca.

5. Não confunda nunca sua carreira com sua vida.

6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.

7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria "reuniões".

8. Há uma linha muito tênue entre "hobby" e "doença mental".

9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.

10. Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic."

Erico Veríssimo
Texto enviado por: Carmen Lucia Andrade Alencar Coelho

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30