xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 19/03/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

19 março 2009

Show Tributo à Patativa de João do Crato - Sexta Feira 20/03

Tributo à Patativa

O que esperar quando, sob as luzes de um palco, o roçado poético de Antônio Gonçalves da Silva traça um paralelo com a performática urbanista de João do Crato? No mínimo uma constatação: a de que a Arte transcende conceitos e comportamentos. Neste tributo ao emblemático poeta que encantou gerações com um linguajar puro, questionador, verdadeiro e universal, mas que para alguns ficou marcada com o ferrete de poesia brejeira, sertaneja, cabocla, João do Crato, desafiador que é e sempre foi, irá provar-nos que regionalismo é um mero ponto de vista, porque a universalidade de uma criação artística da-se pela compreensão dos valores que ela representa ou simboliza em qualquer ponto do globo e que, portanto, não se restringe às origens.João do Crato que é cobra criada nos palcos, cantará as trovas de Patativa sem a necessidade de retratar o estereótipo regionalista antevisto. Será a grande obra do imortal Antônio Gonçalves ao modo João do Crato, numa releitura arrojada. Com vocalizações gorjeadas, o pássaro da cidade qual João do Crato incorpora e trará há público um conjunto de obras compostas pelo próprio homenageado e por compositores que, com tamanha propriedade, absorveram a essência e o legado poético da pessoa simples de Antônio Gonçalves da Silva, o “PATATIVA DO ASSARÉ”.


Ave Show!


Texto de Pachelly Jamacaru
Foto - Dihelson Mendonça

SERVIÇO:Armazém do Som Com João do Crato
Onde? SESC Crato
Quando? Dia 20/03
Que Horas? 20h
ENTRADA FRANCA



Quando me amei de verdade,

Percebi que posso não ser
Uma pessoa especial,
Mas que sou única.

Notas sobre o comum desta semana - por José do Vale Pinheiro Feitosa

Democracia e TV Diário
Te vês diário? Todos nós sabemos que não nos vemos na grande mídia. Nem mesmo numa TV regional como a TV Diário. Mas acontece que a ditadura do padrão nacional, da programação das redes, tem abafado a expressão local e regional. Neste sentido a era do rádio foi muito mais democrática. Claro que o disco feito em escala, as gravações repetidas e até mesmo posteriormente a transmissão ao vivo também criaram padrões nacionais e reduziram a expressão local. Mas tomando vis-a-vis a TV e o rádio, este foi muito mais democrático e expressou muito mais a diversidade e certa pluralidade. Mesmo quando sob o controle de poderes locais, as rádios são janelas alternativas. De qualquer modo a questão da TV Diário é bem a face rude desta ditadura: nenhuma matriz de geração de programas pode sair do eixo Rio-São Paulo. É exatamente nesta questão que o debate tem de evoluir: pela democratização da mídia e pela pluralidade cultural da mesma. Um adendo: no caso da TV Diário parece que haverá uma relação entre a exuberância das bandas de forró com o fim do seu sinal por outros estados e até mesmo o seu enfraquecimento no Estado. Afinal estas bandas tiveram com esta TV um forte apelo.

O bônus da seguradora AIG
A questão do pagamento dos bônus da seguradora AIG. Este foi um assunto predominante nos últimos dias. A cara de pau de alguns executivos que faliram a AIG recebendo milhões de dólares que afinal foram injetados na empresa pelo Estado com receitas do imposto de todos os americanos. Mas a cara de pau mesmo não estava nestas pessoas, em seu personalismo por dólares. Isso é manobra para criar cortina de fumaça contra algo maior. È manobra para esconder bilhões de dólares do povo americano sendo carreado para as falcatruas de Wall Street. Manobras danosas à economia popular feita pelo liberalismo sem freios do setor financeiro.

Protógenes na Caros Amigo
A entrevista do delegado Protógenes Queiroz na revista Caros Amigo é estarrecedora. Mesmo para os padrões brasileiros. Mas tem uma grande novidade: o leitor consegue compreender claramente como um grupo de políticos, economistas, empresários e aventureiros se associaram na pós democratização do país para roubá-lo numa escala jamais vista. A primeira grande manobra foi com a dívida externa desde o primeiro governo democrático (Sarney) após a ditadura. Naquela altura a dívida externa deixada pelos militares não valia quase nada, o chamado valor de face era menos de 1% dos empréstimos originais. O quê ocorreu? Na negociação o governo brasileiro a aceitou com 15% do valor de face com o mecanismo de que este dinheiro fosse investido em empresa brasileira por um certo período. Então já se inflava um papel em quinze vezes, aplicava-se numa suposta empresa brasileira, remetia-se o lucro para exterior (nesta altura com mais de 1500%) e com algum tempo se resgatava igual valor no tesouro nacional. Resultado um camarada com um dólar, saiu ao final com mais de 30 dólares no bolso. Quem pagou a conta, a nossa pobreza e miséria dos anos 80 e 90. A outra foram as contas CC5 dos tempos FHC através do condão de Gustavo Franco. O Banco Central permitia que estrangeiros trouxessem dólares, abrissem uma conta num banco aqui e com ela realizassem operações, podendo depois remeter os lucros para o exterior. Aí se criou a maior lavanderia de dinheiro nacional. O efeito contrário ao invés de trazer investimento do país, ajudou aos corruptos nacionais a remeter seu dinheiro sujo (de toda natureza) legalmente para exterior. O grupo do andar de cima todo se locupletou. O delegado aponta Paulo Maluf e família, Fernando Henrique Cardoso (contando com detalhes o mecanismo), Daniel Dantas, ACM e outros mais.

Por José do Vale Pinheiro Feitosa

Rede Globo sofre acusações de Plágio na novela "Caminho das Índias"


Correm na Internet acusações de plágio contra a Globo, que agora envolvem Caminho das Índias, de Glória Perez, atual produção do horário nobre. Há quem observe semelhanças entre a abertura da novela e vinhetas do canal indiano Sahara One – um dos maiores grupos de comunicação da Índia, que, aliás, possui acordos com a Globo. Quem acessar o endereço http://www.youtube.com/watch?v=z8DZZBQkKpI poderá tirar as suas próprias conclusões.
Consultada por este blog, a Globo, via Luis Erlanger, informou que: “de fato, obviamente, usamos temas indianos - a novela é sobre - e ritmo compatível com a trilha. A idéia foi trabalhar profundidade, mudanças de plano, dimensões. Como um caleidoscópio". Erlanger, no entanto, acha que "não é correto comparar o resultado final”. Segundo ele, seria a mesma coisa que dizer que todos os jornais se copiam porque têm uma primeira página com as principais matérias do dia. “A abordagem e o tratamento são diferentes", conclui.

Fonte: Universo On-Line
Foto: Taj-Mahal - Índia - fonte: http://www.geraldbrimacombe.com

Previsão do Tempo para Hoje, Dia 19 de Março de 2009

Previsão do tempo segundo o Climatempo para hoje, dia 19 de Março, dia de São José é de que "Não Chove". Bem, são 04:00 da manhã. Está chovendo no Crato. Se o Climatempo diz que não vai chover durante o dia, é uma coisa que logo veremos...


Fonte: Climatempo

PADROEIRO DO CEARÁ - São José tem carpinteiros como prova de devoção


No Sítio Brejinho, Crato, o agricultor Raimundo Ambrósio também trabalha como carpinteiro. Os equipamentos usados são os mesmos de antigamente (Foto: Antônio Vicelmo). A comemoração do padroeiro do Ceará tem programação em diversos municípios hoje. Samara Phillipona é a única mulher carpinteira do Cariri. Segue a profissão do pai, o suíço Urs. Os carpinteiros que mantém a tradição da mesma profissão do pai adotivo de Jesus provam fé no padroeiro. Crato. Hoje é dia de comemorar São José, um dos santos mais populares do Brasil. Muito embora os textos bíblicos falem pouco do pai adotivo de Jesus, sua vida se confunde com o homem comum na sua luta diária para manter a família. São José é o operário sofrido, o retirante nordestino identificado na fuga para o Egito. É o agricultor que amanhece o dia de cara pra cima, à procura de um sinal de chuva, e aposta todas as suas esperanças de inverno no Dia de São José. É o homem sedento de justiça, o pai de família que tenta educar os filhos numa sociedade consumista, ameaçada por todo tipo de violência. É a história do sem-teto que procura uma gruta de Belém para abrigar a família. Não é sem razão que São José é o patrono universal da Igreja Católica, dos pais, dos carpinteiros, dos artesãos, da justiça social, protetor da boa morte e padroeiro do Ceará. Sua trajetória de vida é a saga da maioria daqueles que aparentemente não têm história. Deixar o Egito significava abandonar um país idólatra e estranho e tornar a conviver com a gente simples e humilde de Nazaré. Significava voltar a morar na pequena e pobre casa construída de pedras calcárias, com o teto coberto apenas numa estrutura de barro amassado.

Talento revelado

De acordo com a Igreja Católica, o pai de São José, Jacó, mudou-se com a família para Nazaré da Galiléia, provavelmente para cultivar uma terra que comprou no Vale Esdrelon. José, junto com seu irmão mais velho chamado Cleófas, trabalhou na lavoura, ajudando o pai a produzir alimentos para o consumo próprio e comercialização. Com o passar dos anos, revelou uma notável tendência para o trabalho com madeira, que o levou a deixar o cultivo do solo num segundo plano e a se empenhar na profissão de carpinteiro. Com esta profissão, o pai adotivo de Jesus sustentou a família. Dois mil anos depois, a história se repete com outros personagens. No Sítio Brejinho, a 27 quilômetros do Crato, o agricultor Raimundo Ambrósio, casado pai de seis filhos, ainda vive da mesma profissão exercida por São José. Os equipamentos de trabalho são os mesmos de antigamente: enxó, sovela, banco de madeira, martelo, serrote e uma plaina. A carpintaria funciona ao lado de sua casa, numa cobertura de taipa, com piso de chão batido. Ali ele fabrica tamboretes, mesas, cadeiras e caixotes com madeira bruta retirada à corte de machado. Tudo é feito à mão. Não há nenhuma ferramenta moderna. Nem mesmo energia elétrica tem na oficina. De lá, saíram a cruz da Igreja de São Pedro do Sítio Brejinho, a bancada e também a cadeira do pároco local. “O ganho é pouco, mas com a ajuda de São José, que também foi carpinteiro, dá para a gente viver”, diz Ambrósio, complementando: “Quando sobra um tempinho, trabalho na agricultura”. Ele garante que já alcançou muitas graças com o santo carpinteiro. Uma delas é o sustento da família. “Afinal, estou fazendo o mesmo trabalho que Jesus Cristo fazia”, afirma, com orgulho.

Modernização

Durante muito tempo, o carpinteiro foi um dos profissionais mais requisitados, pois do seu trabalho dependiam vários ofícios. Os móveis da casa, os carros de bois ou puxados a cavalos, as ferramentas agrícolas de madeira etc. Esse ofício sobreviveu ao progresso, mas o carpinteiro teve de se adaptar aos novos tempos. As oficinas foram modernizadas. Em algumas delas, o projeto de um móvel é feito no computador. A madeira bruta foi substituída por placas de aglomerado. O envernizamento é feito à pistola. Uma parafernália de máquinas facilita o acabamento. Mas nada substitui o talento, a criatividade e a arte do carpinteiro. Mesmo nos dias atuais, tanto é carpinteiro o que ainda trabalha manualmente, transformando troncos de árvores em móveis, como quem se senta em frente do computador, marca as dimensões da peça de madeira que pretende, e o computador comanda as máquinas que lhe preparam a peça desejada com precisão. É o caso do suíço Urs Philipona, que veio para o Brasil, com o diploma de carpinteiro, com o objetivo de montar uma oficina de carpintaria para jovens carentes no Recife. Terminou se apaixonando por uma jovem cratense com quem casou. Hoje, dirige uma das mais bem montadas oficinas do Cariri, onde são fabricados móveis de primeira qualidade, com equipamentos, em sua maioria, importados da Europa. “Mesmo na Suíça, São José é cultuado como padroeiro dos carpinteiros e marceneiros”, destaca Philipona. Segundo faz questão de destacar, hoje, Dia de São José , a oficina é fechada para que os seus operários possam participar da procissão de encerramento da Festa do Padroeiro no bairro do Seminário.

MÓVEIS PROJETADOS

Profissão se moderniza no Cariri

Crato. Jovem, bonita, formada em Educação Física, Samara Philliona, filha do suíço Urs, é talvez a única mulher do Cariri a exercer a profissão de carpinteira. Além de projetar móveis no computador, ela divide com o pai a administração da oficina e a fabricação de móveis. “Ela amanhece o dia mexendo nas máquinas”, diz o pai, acrescentando que está preparando a filha para dar continuidade ao trabalho. Para Samara, que já morou na casa de seus avós, na Suíça, trabalhar num ambiente predominantemente masculino não lhe causa nenhum constrangimento. “Aqui, eles me respeitam e até me ajudam. Quando eu tento transportar uma peça mais pesada, eles vêm em meu socorro”, afirma. No entanto, fora do ambiente de trabalho, quando ela diz que é carpinteira, muita gente estranha. Devota de São José, Samara desmonta os preconceitos com este argumento: “É a mesma profissão de São José e do seu filho, Jesus Cristo. Estamos dando continuidade a um trabalho sagrado”, complementa. Samara lembra que, quando estava na Suíça, trabalhou numa carpintaria com mais três mulheres, uma delas com menos de 22 anos, um ano mais nova do que ela. Neste dia 19, seguindo uma tradição, Samara, de braços dados com a namorada, acompanhará a procissão de São José. O artesão especialista em obras sacras Francisco Fábio Amorim, conhecido por “Ligeirinho”, tem uma devoção especial a São José. “Além de patrono da minha profissão, ele é meu protetor”. Na semana passada, Ligeirinho recebeu a visita do vigário da cidade de Missão, padre Joaquim Ivo Alves, que lhe fez a encomenda de um ambão, tablado pequeno, comum nas primitivas igrejas cristãs, utilizado para prédicas, cantos litúrgicos, entre outras funções, e que, no século XIV, foi substituído pelo púlpito. Da oficina de Ligeirinho, localizada na Rua Ratisbona, em frente ao Restaurante Popular, já saíram altares, sacrários, cadeiras, candelabros e confessionários que ornamentam as igrejas da região do Cariri. “Tudo isso, com a ajuda de São José”, acredita o artesão.

Poderoso cristianismo

O teólogo Leonardo Boff, que pesquisou sobre São José nas melhores bibliotecas do mundo para escrever o livro “São José: Patrono dos Anônimos”, afirmou que “existe um poderoso cristianismo popular, cotidiano e anônimo do qual ninguém toma nota. Nele vive a grande maioria dos cristãos, nossos pais, avós e parentes que tomam a sério o Evangelho e o seguimento de Jesus. São José, por seu anonimato e silêncio, se insere ai dentro”. Leonardo Boff acrescenta que: “Mais que patrono da Igreja universal, é o patrono da Igreja doméstica, dos irmãos e irmãs menores de Jesus. Ele é um representante da “gente boa e humilde”, sepultados em seu dia-a-dia cinzento, ganhando a vida com muito trabalho e levando honradamente suas famílias pelos caminhos da honestidade”.

ENQUETE

Como o Sr. vive a devoção ao santo hoje?

José Luiz Neto
Carpinteiro

"Eu sou devoto do Padre Cícero e de São José. Ambos me ajudam. Não é sem motivo que meu nome é José"

Lázaro Torres Agripino
Carpinteiro

"São José é o maior exemplo de nossa arte, do nosso trabalho na carpintaria. Sou devoto dele desde menino"

José Rodrigues da Costa
Carpinteiro

"Aprendi com meu pai, que era carpinteiro, tanto a devoção a São José como a arte de trabalhar com madeira"

Urs Philipona
Carpinteiro

"Assim como no Ceará, também na Suíça São José é cultuado como padroeiro dos carpinteiros e marceneiros"

ANTÔNIO VICELMO
Repórter

Fonte: Jornal Diário do Nordeste


19-03-2009
Aterro Consorciado: reunião aponta avanços no projeto, em Crato


O projeto de implantação do aterro consorciado em Crato continua tendo avanços importantes para sua implantação. Ontem, foi realizada reunião no gabinete da Prefeitura Municipal do Crato, com o objetivo de eleger o Conselho Fiscal, com a inclusão de três membros titulares e três suplentes, dos legislativos municipais. Missão Velha é mais um município incluído no consócio. Também foi definida verba de custeio para cada município, de R$ 300, 00, a fim de manter um escritório em cada cidade durante 12 meses, ficando um valor total mensal para os 10 municípios incluídos de R$ 3mil. Os contratos de rateio serão enviados para os legislativos municipais de cada cidade para aprovação. Participaram da reunião prefeitos dos municípios e representantes dos legislativos das cidades de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Missão Velha, Jardim, Caririaçu, Farias Brito, Santana do Cariri, Nova Olinda e Altaneira. O prefeito do Crato, Samuel Araripe, presidente do Consórcio, eleito por unanimidade pelos prefeitos dos municípios integrantes do aterro consorciado, destaca o projeto como um dos maiores avanços para região na área de saneamento ambiental. Avaliado em R$ 3,5 milhões em investimentos, ele destaca que o Governo do Estado não vai entregar apenas um aterro, mas toda mecanização, incluindo caminhões, patrol, entre outros equipamentos. O prefeito destaca que o consórcio do Crato é o mais avançado e vem se desenvolvendo dentro de um processo eficiente e transparente. A próxima reunião dos componentes do aterro consorciado acontecerá no dia 3 de abril, em Crato. A finalidade do encontro é consolidar o regulamento interno.

Ponto Facultativo no Dia de São José

A Prefeitura Municipal do Crato decreta Ponto Facultativo neste dia 19 de março, em virtude do Dia de São José, padroeiro do Estado do Ceará. Com isso, a administração municipal do Crato, segue condições dadas a órgãos públicos estaduais, e,m que o Governo Estadual, Cid Gomes, também decretou ponto facultativo para as repartições públicas estaduais.

Encerrados cadastros das famílias de creches

A Secretaria de Ação Social do Município do Crato informa que foram encerrados os cadastros das famílias de creches, no último dia 17 de março. Esse público irá participar do projeto Ação Sócio-Educativa para as famílias, contabilizando assim um total de mais de mil famílias cadastradas. As famílias que ainda não efetivaram o seu cadastro devem procurar a articuladora, Loura, na própria Secretaria, no período da manhã.

Projetos realizam homenagens pelo Dia Internacional da Mulher

A Prefeitura Municipal do Crato e a Secretaria de Ação Social, em parceria com os projetos CRAS, Projeto ABC, Pólos de Atendimento Madre Feitosa e Projovem, em comemoração ao Dia da Mulher, homenagearam às mães com palestras, apresentações e ofertas de flores. As comemorações aconteceram nos dias 11, no projeto ABC, CRAS e Projovem; no dia 12 na Vila Alta – CRAS e Projovem; no Pólo Madre Feitosa, CRAS, Pólo e Projovem; no dia 16 no Pólo do Muriti, no CRAS, Projovem, e Pólo e, 17, no CRAS da Batateira e Grupo de Idosos. As atividades foram encerradas ontem, com homenagem do Projovem às mães do Projeto na Escola Juvêncio Santana.

Saúde orienta cabeleireiros e previne contra hepatite B

A Secretaria de Saúde do Crato iniciou, por meio Núcleo de Mobilização Social, um trabalho de prevenção da Hepatite B nos salões de beleza da cidade, levando aos profissionais e proprietários dos salões informações importantes para prevenção da doença. O trabalho tem como meta divulgar informações sobre formas de contaminação da doença por meio dos objetos usados nesses estabelecimentos. Além disso, tem feito um trabalho de capacitação dos funcionários, levando incentivo para que procurem os postos de saúde mais próximos e tomem a vacina contra a hepatite B.

Cultura promove melhoria em quadra esportiva

A Prefeitura Municipal do Crato, por meio da Secretaria de Cultura, está realizando melhorias na quadra bicentenária para as festas da malhação do Judas, no Município. O piso da praça está sendo recuperado com pintura, as redes estão sendo recuperadas, além de uma pintura interna e melhoria dos banheiros. Na próxima segunda-feira, o trabalho estará concluído este final de semana. Para a nona festa de malhação do Judas de Crato, já está sendo realizado o período eleitoral, iniciado no dia 11 de março vai até o dia 21, no Centro Cultural do Araripe, onde podem ser vistas as cédulas de votação.

Ação Social promove capacitação em peças íntimas na Batateira

O Governo Municipal em Parceria com a Secretaria de Ação Social, através do Cadastro Único e o CRAS Batateira, está realizando capacitação em "CONFECÇÃO DE PEÇAS ÍNTIMAS". O projeto está contemplando chefes de famílias da comunidade da Batateira. A capacitação faz parte das ações do "PROJETO DE INCLUSÃO PRODUTUVA", que está em fase de implantação e visa garantir às famílias vulneráveis socialmente, uma possibilidade de gerir seu sustento através de sua própria força de trabalho. A Batateira é um dos bairros onde está sendo implantada uma unidade produtiva voltada para o estímulo ao empreendedorismo, possibilitando a geração de renda com inclusão social das famílias.

PREFEITURA MUNICIPAL DO CRATO:
Assessoria de Imprensa
Contatos: cratoimprensa@gmail.com
Telefone (88) 3521.7069

Comunicado à Sociedade - Olhar Casa das Artes - Maria Gabriella Federico

Na tarde de ontem (quarta-feira), mais de 48 horas após termos cancelado todos os espetáculos de música ao vivo e menos de 24 horas após anunciarmos publicamente esta decisão, na nossa página de internet e por email, a equipe de coordenação do Olhar Casa das Artes recebeu um abaixo-assinado que vem esclarecer a visita de Polícia Militar na noite de sexta para sábado. Este abaixo-assinado foi (em parte erroneamente) dirigido ao “Bar Olhar Casa das Artes” por 32 moradores da Praça da Sé e proximidades, que se sentem “prejudicados com o alto som do mesmo”. Dizemos “em parte erroneamente” porque o Olhar nunca se propôs como sendo um “bar”, mas também entendemos que é nosso o dever questionar o porquê de sermos vistos como um, dado que a nossa reputação é – em primeiro lugar – fruto das atividades da casa e apenas depois das reações da comunidade na qual estamos inseridos.

Este abaixo-assinado vem culminar uma série de ocorrências graves e três visitas da Polícia Militar, ao longo das duas últimas semanas, que obrigaram a equipe de coordenação a parar para pensar e reavaliar a proposta da casa. O Olhar pretende ser “um espaço cultural que tem como missão divulgar e profissionalizar artistas do Cariri e promover a arte como uma ferramenta de desenvolvimento individual e social,espaço este que consiste de uma galeria de exposição, atelier para os cursos e oficinas e um jardim com bar-restaurante para confraternizar, trocar conhecimento e criar novas idéias, provar pratos e petiscos simples feitos com um toque especial, assistir a espetáculos ao vivo e escutar uma seleção eclética de música local, regional e mundial.” É assim que nos apresentamos no nosso perfil do Orkut. Se desde o início oferecemos um “bar-restaurante”, é como complemento e ferramenta para os projetos de atividades culturais e sociais que estamos desenvolvendo e com o objetivo de auxiliar no financiamento dos mesmos.

É claro para toda a atual equipe que o conceito de 'cultura' inclui espetáculos de música ao vivo, mas também que é muito mais abrangente. Durante a última semana, tivemos diversas e longas discussões sobre este assunto e sobre as queixas que começavam a se manifestar. Como resultado, decidimos reduzir substancialmente o número de espetáculos a agendar nas nossas instalações para o mês de abril, alocando apenas dois sábados para este efeito e evitando os dias de semana, com o duplo objetivo de reavivar outros eventos mais tranqüilos (como poesia, cinema e teatro) e de dar o merecido descanso aos nossos vizinhos. Na segunda-feira, tomamos também a iniciativa de cancelar todos os espetáculos de março, que estavam agendados para as noites de quinta-feira, e na terça-feira comunicamos a decisão aos nossos clientes e amigos, deixando apenas os eventos musicais agendados para sábado. Na terça-feira, iniciamos ainda discussões com um gestor de um espaço mais apropriado para a realização de eventos musicais com níveis de som mais elevados. Hoje, e após o recebimento do abaixo-assinado, a equipe do Olhar reuniu-se com o promotor da Festa dos Arianos, agendada para esta noite de sábado, explicou toda a situação e questionou a viabilidade de realizar a mesma nas nossas instalações.

Assim, podemos dizer que este abaixo-assinado vem confirmar a nossa crescente preocupação com o bem estar e boas relações com a nossa vizinhança, que está de acordo com a direção que a equipe de coordenação tem para a casa e com as conseqüentes decisões e ações tomadas nos últimos dias e até com a proposta original do Olhar, que pretendemos retomar. Infelizmente, o cansaço dos nossos vizinhos chegou a um ponto crítico antes de se sentir o efeito das mudanças já em curso. Como conseqüência, teremos que por o pé no freio com mais força e rapidez quanto à realização de eventos musicais e com mais força e rapidez no acelerador quanto à reestruturação da proposta cultural da casa.

Gostaríamos de aproveitar este comunicado para dizer a todos os amigos da casa que entendemos que a Polícia Militar simplesmente cumpriu o seu dever ao responder às justas queixas dos vizinhos e que em todas as três visitas fomos tratados com respeito. Na segunda visita, a Polícia Militar pode constatar que o volume de som estava dentro de níveis perfeitamente aceitáveis, mas, como também entendemos, quando o copo já se encontra cheio qualquer pequena gota faz a água transbordar. Apesar de sentirmos que é de lamentar o fato destas queixas não terem sido dirigidas antes e diretamente à equipe de coordenação do Olhar, também entendemos que é de lamentar o fato de não termos sido mais sensíveis ao sofrimento dos vizinhos durante os últimos meses e mais rápidos na nossa resposta, após a primeira e segunda visita da Polícia Militar. Os avisos chegaram e foram ouvidos, mas realmente tudo aconteceu muito rápido desde então e não é fácil mudar o rumo e os hábitos de uma equipe jovem, ainda inexperiente e já acostumada a trabalhar com agendas mensais.

Sem dúvida, vivemos em tempos e em sociedades onde o ‘diálogo’ são uma raridade e onde o ‘abuso’ abunda, abuso este do qual fomos – menos, mas apesar de tudo fomos – vítimas como fomos agressores. O nosso abuso ao longo de alguns meses ficou bem claro nos dois últimos dias. Ficam, no entanto, por esclarecer duas ocorrências criminosas em noites anteriores, quando foram jogadas pedras do exterior para o jardim da casa, onde se encontravam os nossos clientes, e que poderiam ter causado muito graves ferimentos. Ficam também por esclarecer as diversas calúnias e falsas denúncias à Polícia Militar que o Olhar é um espaço onde o uso de drogas é liberado. Queremos deixar bem claro que não é e nunca foi por parte da coordenação geral. Não é de hoje que todos os membros da nossa equipe de atendimento têm ordens expressas para informar o segurança ao sinal de uso de drogas nas nossas instalações e que este último tem ordem para convidar os prevaricadores a se retirarem do nosso espaço. Não queremos ser hipócritas, pois afinal vendemos álcool (também uma droga ainda que legal), mas também não pretendemos levantar bandeiras quanto à liberalização de drogas. Mais facilmente tomaríamos a decisão de não vendermos álcool, de promovermos o seu consumo moderado ou até de apontarmos para a existência incoerente de dois pesos e duas medidas na nossa sociedade. No nosso mundo ideal, ninguém sofreria com o consumo de venenos tão destrutivos e de venda tão livre e institucionalizada, como são os cigarros e o álcool. Mas isto é outra história...

“Todos somos filhos de Deus, só não falamos a mesma língua”, assim ensina a música “O Mundo” a quem tem bons ouvidos. Agora é hora de ouvirmos e dialogarmos com o mundo à nossa volta, de fazermos um esforço para reatar os laços comunitários que se fragilizaram e de repararmos os danos causados à nossa vizinhança, sempre com a esperança de encontrarmos um ponto de mútuo acordo. A equipe do Olhar Casa das Artes sempre pretendeu usar a arte como uma ferramenta de coesão social, não de divisão, o que significa que ainda temos muito para aprender. Olhando para trás e para o momento presente, vemos experiências de onde devemos tirar lições e evoluir se desejamos alcançar os nossos objetivos. À nossa frente, e para além de uma crise momentânea, vemos um desafio à nossa inteligência e criatividade, bem como uma oportunidade para amadurecer o nosso projeto e reencontrar o nosso norte. Há males que vem para bem. Esperamos poder contar com o apoio de todos para nos levantarmos, mantermos de pé, seguirmos em frente e continuarmos com a nossa caminhada, que é uma caminhada pela arte como ferramenta de terapia ocupacional e desenvolvimento individual e coletivo e uma caminhada por uma sociedade mais justa e tolerante.

Esperando levar esta situação a bom porto, terminamos com o nosso sincero obrigado a todos os amigos da casa pelas mensagens de apoio e também aos nossos vizinhos pelo puxão de orelhas, a quem pedimos as nossas humildes desculpas por todos os transtornos causados.

Luz pela paz, é o que todos mais necessitamos agora.

Maria Gabriella Federico

I Congresso de VEREADORAS do Cariri

Embora se saiba que mais da metade da população brasileira seja constituída por mulheres, as políticas públicas destinadas a esse segmento da população, especialmente as de âmbito local, quando existentes, não garantem o atendimento das demandas e necessidades específicas das mulheres e, de longe, são capazes de promover sua participação cidadã na vida pública.

Prova disso é o fato de que, de acordo com os resultados das eleições municipais de 2008, as mulheres ocupam apenas 12,51% das cadeiras das Câmaras Municipais em todo o pais (TSE), embora representem 51,76% do eleitorado (TSE/outubro de 2008). A preocupação com essa questão fez nascer a iniciativa de realização do I Congresso de Vereadoras do Cariri, aí compreendidos os municípios do Cariri cearense, pernambucano e paraibano, além de outras pessoas interessadas na temática do evento, independente da questão de gênero ou da ocupação de cargo no legislativo municipal. Para mais informações sobre o evento acesse o blog do Instituto Focus (http://institutofocus.blogspot.com) ou entre em contato por e-mail ou telefone. O fax para envio da ficha de inscrição é 88 3521-2097.

Joelmir Pinho
http://institutofocus.blogspot.com

Texto enviado por Tânia Peixoto

Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30