xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 12/01/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

12 janeiro 2009

ENTREVISTA EM ÁUDIO - Para pessoas com conexões lentas


O Blog do Crato disponibiliza agora também a recente entrevista com o Sr. prefeito municipal Samuel Araripe em Áudio ( para as pessoas que têm conexões lentas como uma tartaruga e não conseguem ver o vídeo ). Lá na página, clique em um link de cada vez. Não saia clicando em um e noutro, pois vc somente sobrecarregará sua conexão. Ouça um arquivo inteiro depois do outro, e se tiver já começado a ouvir um arquivo e desejar outro, dê um "Atualizar" no seu navegador para carregar a página novamente.

No link abaixo:

Entrevista Samuel Araripe em Áudio

Abraços,

Dihelson Mendonça

Curso de Português do Prof. Augusto

Começa a Oficina de Escrita Literária em Crato

O Clima é de harmonia e descontração...

Todos querem e gostam de participar


Acima: A professora Claude Bloc.

[ Acima: uso de recursos audiovisuais e muita interatividade ]

Num clima de total descontração, alegria e confraternização, começou hoje às 15:00 na URCA - Universidade Regional do cariri, a oficina de escrita ( na verdade, uma oficina de produção literária ) ministrada pela professora Claude Bloc, que veio ao cariri especialmente para este evento. A oficina é patrocinada pela Secretaria de Cultura do Município de Crato, URCA e Blog do Crato, e é produzida pela professora Socorro Moreira. A oficina de produção literária será ministrada de 12 a 17 de Janeiro, de 15 às 18 hs, e além do uso de apostilas, cadernos, a professora Claude Bloc faz uso de um "Datashow" para exemplicações. Segundo a mesma, na oficina "são todos do mesmo nível, e um dos objetivos é aprimoramento na arte da escrita com enfoque especial na literatura". Configurada para um público seleto de 30 inscritos ( que já foram inscritos desde que se lançaram as propagandas do evento, cerca de 1 mês atrás ), a programação da oficina se divide em duas partes: Durante o dia são ministradas as aulas, e à noite, todos os dias haverá uma programação extra, de confraternização, que a cada dia deverá ter local próprio. Hoje, Segunda-feira, por exemplo, o encontro noturno será a partir de 21:00 no "Olhar Casa das Artes" na Praça da Sé, aberto ao público e gratúito. Aquelas pessoas que não puderam participar da oficina mas desejam compartilhar do clima de alegria e confraternização estão convidados a participar da programação noturna.

Fotos: Dihelson Mendonça

Vanuzia Tavares faz performance na URCA

A poetisa e acadêmica do curso de História Vanuzia Tavares faz apresentação performática na quarta-feira, dia 14, às 20 horas, na passarela superior do curso de História da URCA, no Campus do Pimenta. Com a Performance a "A querda" a artista recitará seus poemas e os lançaram ao público. Vanuzia vem ocupando as cenas marginais da poesia e os espaços convencionais, tendo feito apresentações no Performance Poética do Sesc, na Mostra DesUSA, em banzinhos alternativos e na Universidade Regional do Cariri. Natural da cidade do Rei do Baião, Exu, Pernambuco a poeta tem marcado o seu discurso poético pelo contemporâneo e o existencial. A performance de Vanuzia Tavares faz parte do projeto Altar Poético desenvolvido pelo Instituto Ecológico e Cultural Martins Filho – IEC, vinculado a Pro-Reitoria de Extensão da URCA.

Serviço:
Projeto Altar Poético
Instituto Ecológico e Cultural Martins Filho – IEC/PROEX/URCA
Telefone: 3102-1212 ramal 2424.

Coletivo Camaradas comprova insegurança no Fundão - Por: Alexandre Lucas



Patrimônio Histórico e Ecológico não tem segurança na cidade do Crato, conforme comprovam artistas e ativistas.

Uma ação de intervenção artística foi realizada no ultimo domingo, dia 11, no Parque Estadual do Sítio Fundão, na Cidade do Crato pelo Coletivo Camaradas. A intenção da intervenção foi comprovar a falta de segurança no local que vem sendo deteriorado por vândolos e pela ação do tempo. Além do patrimônio ecológico, o Parque conta com engenho de pau, desativado há 50 anos e puxado a bois, que encontroa-se em ruínas, bem como uma casa de taipa de dois andares e uma barragem com estrutura de pedra. O patrimônio pertenceu o ecologista Jéferson da Franca Alencar e tem uma área de 93,54 hectares, a qual é rica em biodiversidade e mata nativa, inclusive, com espécies remanescentes da Mata Atlântica. O trabalho dos Camaradas consistiu de pesquisas sobre o local e a importância enquanto patrimônio histórico e ecológico, através de informações colhidas em órgãos do Estado e Ecologistas, além da comprovação in lócus. O grupo chegou pela manhã do domingo e ficou até meio dia, neste período fez o registro fotográfico, produziu placas e montou a sua intervenção que consistiu em colocar uma caixa de descarga sobre a palavra segurança entre a casa de taipa e na entrada colocaram uma placa como os dizeres “Preserve o fundão” e ao lado sacolas com lixo recolhidos dentre do Parque pelos integrantes do Coletivo. Conforme informações dos Camaradas o piso superior da casa estar deteriorado e as janelas estão arrombadas, o banheiro foi destruído e uma mesa de cerca de 100 anos que servia como assento para colocar potes encontrava-se destruída, bem como pia quebrada, telhado e sistema hidráulico e elétrico deteriorado. A próxima a ação do Coletivo será em outra área ambiental, a qual não foi divulgada e eles afirmam que a intenção é promover o dialogo vivencial da arte com a sociedade, através destes trabalhos/ações da arte contemporânea.

Serviço:

Coletivo Camaradas
Blog: http://www.coletivocamaradas.blogspot.com/
Email: coletivocamaradas@gmail.com
Por: Alexandre Lucas

ENTREVISTA COMPLETA com Samuel Araripe finalmente Publicada !


IMG_7590


Olá, Amigos,

Finalmente completa e editada, trazemos a entrevista do Prefeito Samuel Araripe concedida ao Blog do Crato recentemente, em vídeo. A fim de visualizar melhor, reunimos todas as 10 partes em uma página separada. Pretendemos ainda oferecê-la em forma de áudio apenas, bem como as melhores partes em texto. Aqui está:

Clique no Link Abaixo:

Entrevista com Samuel Araripe

Ou se preferir assisti-la por partes:

Parte 1 - Elogios ao Blog do Crato e a Procura do Debate Político

Parte 2 - Enxugamento da Máquina Administrativa

Parte 3 - Reforma da Praça Siqueira Campos

Parte 4 - Reforma - Continuação da Reforma

Parte 5 - Sobre o Campus Universitário


Parte 7 - Mercado Público Municipal

Parte 8 - O Problema do Lixo - Usina de Reciclagem

Parte 9 - Problema da Água da Zona Rural

Parte 10 - Final - A Zona Metropolitana do Cariri

Abraços,

Dihelson Mendonça

CARIRI - Catadores prevêem safra recorde de pequi em 2009

Clique para Ampliar

Pequi é presença certa no prato do sertanejo, dando tempero especial ao baião-de-dois (Foto: ELISÂNGELA SANTOS)

Permanência dos moradores na zona rural de Jardim para colheita do pequi é uma tradição que atravessa décadas

Jardim. Um ano de safra recorde de pequi no Cariri. Essa já é a previsão dos catadores, que, aos poucos, começam a montar os seus barracos de palha e taipa em plena Serra do Araripe. A morada é de pelo menos três meses, período em que se transferem para a mata nativa, a fim de percorrerem todos os dias mais de 30 quilômetros em busca do fruto, para comercializar à beira da CE-060, entre os municípios de Jardim e Barbalha. É comum, durante esta época do ano, se encontrar barraqueiros à beira das estradas, em cima da serra, comercializando o produto.

A permanência dos moradores, em sua maioria do Sítio Cacimbas, pequena vila de moradores da zona rural de Jardim, no acampamento dos pequizeiros, é uma tradição que atravessa décadas. Famílias inteiras se instalam à beira da estrada e lá passam a residir. Já foi criada até entidade para melhor organização do grupo, a Associação dos Catadores de Pequi.

Este ano, cerca de 30 famílias deverão aportar na área. Ano passado, esse número caiu pela metade em virtude da pequena safra. Começou pouco e acabou rápido. Não houve muita variação no preço do pequi ano passado, bastante requisitado pelo caririense neste período. Presença certa no prato do sertanejo, o baião-de-dois ganha um tempero especial. É gosto tradicional.

Duas espécies

No Cariri, há dois tipos de pequi. O do Arisco é um fruto um pouco maior, cuja safra começa um pouco antes do da serra. Também é da região, mas a safra já está quase no fim. Aí vem a variação da espécie, no alto da Chapada, em áreas mais úmidas.

Segundo o presidente da Associação dos Catadores, Isteli Bernardino, o pequi da serra apresenta maior teor de óleo. Por conta disso, a fabricação do óleo ou azeite de pequi também aumenta neste período. Essa é a grande razão da permanência dos moradores. Eles passam a fabricar no período em que a safra atinge o seu pico, em fevereiro.

Conforme o catador Vicente Bernardino, que desde criança começou a ir para o acampamento, ano passado, o preço do óleo chegou a custar R$ 36,00. Este ano, a previsão é que chegue aos R$ 6,00. Há compradores que vão ao local para requisitar uma compra mais significativa de pequi, conforme o catador, e encomendam a fabricação do óleo, chegando a até 400 litros. “No máximo, a nossa produção por conta própria, sem encomenda, pode chegar a 180 litros por mês, porque vendemos o pequi e o óleo juntos”, diz Vicente.

Rotina árdua

Todos os dias, para quem se instala na floresta, acontece o mesmo ritual. Os catadores saem de casa por volta das 3 horas da manhã. Percorrem 18 quilômetros pela manhã e à tarde, muitas vezes, voltam a repetir o percurso. Um trabalho árduo, que segundo Isteli, não compensa se a venda for abaixo de R$ 1,00. “É um sacrifício muito grande para todos nós e passamos a sobreviver da colheita. Tem dia que chego a parar carro na estrada para pedir dinheiro para comprar uma lata de leite”, lamenta.

O grupo é formado por agricultores, em sua maioria. Mulheres e filhos vão junto na tarefa de auxiliar na colheita. As barracas de palha servem de abrigo. Uma das preocupações dos catadores este ano é quanto ao abastecimento de água na região. As crianças também necessitam de transporte escolar.

Alguns catadores chegam a faturar cerca de R$ 400,00 por mês com a colheita. Além de manter a família, o dinheiro é utilizado para o pagamento de plantadores do roçado, que não fica esquecido, já que a safra coincide com o período de chuvas na região. A festa do pequi encerra a safra. Este ano deve acontecer no dia 15 de março. Um momento de celebrar uma tradição de décadas.

ELISÂNGELA SANTOS
Repórter

ENQUETE
Qual a importância do pequi na sua vida?

Cícero Pedro da Cruz
34 ANOS
Catador
A gente sobe para cá para pagar as contas. Pagar o nosso roçado por conta do pequi, uma necessidade financeira.

Wandeilson Bernardino
20 ANOS
Catador
Para mim é uma garantia de ganho para manter a família, pagar as contas, e vem de uma tradição.

Mais informações:
A Comunidade dos Catadores fica na CE-060, na divisa entre os municípios de Jardim e Barbalha (à beira do asfalto), na Floresta Nacional do Araripe

Fonte: Jornal Diário do Nordeste
.

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30