16 dezembro 2009

CENTENÁRIO DE ERNANI SILVA - Por: George Macário


Ao meu avô Ernani Silva, 100 anos de saudade...

Hoje é um dia especial. Há um século nascia um homem raro e único, Ernani Brígido e Silva. Meu querido avô Ernani Silva nasceu em Baturité-CE, em 1909. Ainda criança, seus pais Pergentino Silva e Maria Pia Brígido e Silva, além dos seus quatro irmãos (Daíro, Elmar, Elnir e Eldon), vieram para o Crato, cidade que ele adotou para ser uma de suas grandes paixões...

Ainda muito jovem, foi balconista das Casas Pernambucanas, empresa que lhe proporcionou fecundo aprendizado, criando bases sólidas para uma brilhante e próspera trajetória no comércio. A Casa Ernani Silva era referência na Região do Cariri quanto à venda de móveis, eletrodomésticos, material escolar, motonetas, entre tantos outros artigos. Seu Ernani foi o pioneiro no abastecimento e distribuição de gás butano e de vendas de passagens aéreas, com a sua antiga companhia REAL. É bom que se diga, que Seu Ernani Silva foi um homem idealista e passional quando a questão versava sobre o desenvolvimento da Região do Cariri, tendo o Crato como principal município. A prova é a idéia da tentativa de criação do Estado do Cariri, defendida por ele e por outros bravos e saudosos cratenses, verdadeiros políticos sem mandato, espécie em extinção, na atualidade.

Mas, entre os inúmeros capítulos que marcaram a vida e a morte do meu Avô Ernani, existe um que foi decisivo: A história de um grande amor. No final da década de 30, aos 28 anos de idade, já ensaiando os primeiros passos no próprio negócio, Ernani Silva se apaixona pela jovem Aline Arraes. Tudo seria menos complicado se a moça, com apenas 15 anos, não fosse, ainda, uma das filhas do então Prefeito Municipal do Crato Alexandre Arraes de Alencar, estirpe de uma das famílias cratenses consideradas das mais tradicionais. Apesar de todas as dificuldades, os jovens Ernani e Aline seguiam ligados pelo coração. O amor dos dois era maior que tudo. Esgotadas as possibilidades para a permissão do namoro, assim como, para a realização do casamento, por conta da idade dela e dele, pela distância social e por razões outras que não interessam aos apaixonados, eis que Vovô Ernani surge com uma idéia nada convencional para a época. Pasmem! Ele resolveu “roubar a Moça”, que era filha do Prefeito. Mais uma prova da coragem de um homem que jamais temeu enfrentar as adversidades da vida, seja no amor aos negócios ou nos “negócios do amor”.

Não deu outra. Seu Ernani "carregou" a filha do Prefeito, fugindo para Brejo das Freiras, no Estado da Paraíba, fretando o "calhambeque" de Pedro Maia. Durante o caminho, meu avô foi aconselhado pelo velho taxista a voltar e desistir da fuga, da suposta loucura. Entretanto, a decisão já estava tomada em caráter irrevogável. Foi assim que ele me contou! Foi assim que aconteceu! O tempo curou todas as dificuldades e diferenças. O casal Ernani Silva e Aline Arraes foi e, ainda continua sendo, um exemplo de vida conjugal, de lealdade, de cumplicidade, modelo de um amor puro, verdadeiro e eterno. Deste casamento perfeito nasceram seis filhos (Ilze, José Milton, Aliane, Alexandre, Noemi e Luiz Ernani). Quanto ao relacionamento com o sogro, Vovô Ernani tornou-se o melhor amigo do meu Bisavô Alexandre Arraes e de Dona Noemi, sua sogra e minha Bisavó. Tive o privilégio de conviver com meus avós. Contudo, foi com Seu Ernani e com Dona Aline que tive muito mais tempo próximo, pois sou uma parte minúscula desta magnífica história. Apesar do passar dos anos, ainda trago comigo a dor de ter presenciado o desfecho do seu capítulo final, com o falecimento de Dona Aline, em 1981, aos 61 anos de saudável vida. Após esta triste e súbita perda, Vovô Ernani não nutriu mais gosto pela vida. A tristeza dele doia em toda a família.

Nos últimos anos de sua vida, ou melhor, de sobrevida, Vovô Ernani e eu (foto) passamos a conviver muito mais. Morávamos na mesma casa. Quase que diariamente, ao cair da noite, entrando na madrugada, costumavamos conversar horas e horas, sobre todos os assuntos. Ouvi muito seus lamentos de dor pela ausência de Vovó Aline. Convivi com o grande poeta do amor ausente. Acreditei que o amor pode sim, transcender à vida. Aprendi muitas lições, muito mais pelo exemplo de suas ações, no passado e no presente...

Na verdade, além da saudade pessoal que tenho dele, de tudo que recebi dele, que ,diga-se de passagem, em muito boa hora, há uma que serviu de padrão para a minha formação, serve para a dos meus filhos e servirá para meus futuros netos. Da mesma forma, não há de existir melhor "receita" para qualquer pessoa que deseja ser um verdadeiro “SER HUMANO”, com dignidade, com retidão de caráter, com amor incondicional à família... A LIÇÃO DE VIVER SEM NUNCA TRAIR A SUA CONSCIÊNCIA.

Em 1987, aos 78 anos, Seu Ernani Silva nos deixou, vítima de "saudade de Aline-aguda".

ESTA É UMA SINGELA HOMENAGEM DE GRANDE SAUDADE DO SEU NETO
GEORGE HUGO SILVA MACÁRIO DE BRITO.

9 comentários:

  1. Prezado George

    Parabéns pela justa e merecida homenagem ao seu avô. Sempre fui um admirador do Sr. Ernani Silva. Acredito que ficamos amigos quando eu trabalhava na Coelce, em Juazeiro e, precisava alugar um prédio para o escritório da Coelce no Crato. O prédio que melhor se prestava era um onde funcionou a Prefeitura do Crato, numa rua que demandava à AABB. Disseram-me que o prédio era de uma irmã do Sr. Ernani Silva e que eu devia procurá-lo. Como o prédio precisava de uma grande reforma, seu Ernani propôs um preço para o aluguel e que a Coelce não precisaria pagar os seis primeiros meses. Deste dia em diante toda vez que nos encontrávamos, conversávamos demoradamente. Gostava muito dele, pela maneira atenciosa que ele tratava as pessoas e acredito que com a morte dele, o Crato perdeu um dos seus grandes vultos.

    ResponderExcluir
  2. Quando garoto cheguei a freqüentar a casa do seu avô, que diga-se de passagem, era bastante organizada e ampla, principalmente pela percepção de uma criança. Tinha este acesso porque minha avô era tia da Sra. Aline.

    Ainda quando garoto, certo dia fui convidado para um passeio de Tio Rui Alencar, acompanhado da sua esposa e o filho caçula José Carlos, para conhecer a propriedade do Sr. Ernani, localizada acima da nascente. Como eu só tinha experiência de tomar banho pelado, lá vou eu mergulhar na piscina, no meio de toda comitiva sem calção de banho...imagine quanto fui motivo de surpresa pelos ali presentes na piscina.

    Saudades daquela harmonia passada pelo casal, sua hospitalidade, seus belos jardins, as palavras de carinho de Dona Aline.

    Parabéns pelo merecido texto dedicado ao casal Ernani Silva e
    Aline.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns George Macário, pela linda homenagem que prestou ao seu avô. Seu Ernani Silva era um homem muito querido no Crato.

    ResponderExcluir
  4. Caro George, uma homenagem e tanto a seu avô. Como vc sabe não sou do Crato e não tive o prazer de conhecê-lo. No entanto, temos uma feliz coincidência: eu também sou filho de Baturité e adotei o Crato como minha cidade.
    Parabéns pelo texto.
    Abçs

    ResponderExcluir
  5. Amigo George, aproveito também para lhe parabenizar pela homenagem ao Seu Ernani, o seu avô.
    Em sendo irmão de Raimundo, conhecido por todos em Crato como "Raimundo de Seu Ernani", acompanhei por muitos anos a trajetória empresarial e o dinamismo do seu avô.Um fato que sempre me chamou à atençao é que
    quando Raimundo começou a trabalhar com ele era muito novo e o seu avô já o tratava por "Seu Raimundo", tendo esse tratamento perdurado pelo resto da sua vida.
    Ainda hoje Raimundo continua cuidando dos bens deixados por Seu Ernani, portanto, a nossa ligação de afeto à família Ernani Silva é muito forte.
    Quero aquí, em nome da família de "Raimundo de Seu Ernani" prestar, também, a nossa homenagem ao Centenário desse extraordinário homem , que foi Ernani Silva.
    É com imenso prazer que transcreverei esta matéria para o Blog da Ponta da Serra.

    ResponderExcluir
  6. Ernani Silva sempre foi uma das grandes referências cratenses no tocante ao conceito de homem de bem. Ao completar cem anos do seu nascimento, quero externar o meu respeito à sua memória, extensivo à toda a sua valorosa família, com destaque para o autor desta matéria, neto do homenageado, o artista plástico George Macário.

    No ensejo, gostaria de fazer uma saudação especial a "Raimundim de Seu Ernani", um cidadão por demais conhecido e respeitado pelos cratenses, por sua fama de profissional sério e competente e pela sua constante gentileza no trato com todos.

    ResponderExcluir
  7. Lamento apenas que a cidade de Crato não tenha feito uma programação - por modesta que fosse - para lembrar o centenário de nascimento de Ernani Silva.

    Se alguém quiser saber o que ele representou para Crato basta ler os livros de memória do eterno reitor Antônio Martins Filho.
    Ali, em citações esparsas, consta não somente o caráter retilíneo de Ernani Silva, mas, também o seu idealismo e os serviços prestados por este cidadão de escol para o progresso da Cidade de Frei Carlos.

    ResponderExcluir
  8. Armando
    Você me fez lembrar que em 1978 dei uma caraona ao nosso eterno Reitor Martins Filho que visitava o Centro de Tecnologia do Juazeiro do Norte, récem encampado pela UECE, até o Crato, onde ele iria pernoitar. Quando entramos na cidade, eu perguntei aonde ele iria ficar e ele me respondeu. "Na casa do meu irmão." Supreso, perguntei ao Dr. Martins Filho quem era o irmão dele que morava no Crato. E ele me respondeu: "Ernani Silva. Você não sabia que Ernani Silva é meu irmão?"

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.